1. Spirit Fanfics >
  2. Corte de estrelas e pétalas >
  3. Capítulo 18

História Corte de estrelas e pétalas - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


Postei e saí correndo, kkkkkkk.

Capítulo 18 - Capítulo 18


                     Camélia

Todos já se encontravam no grande salão, onde agradeciam Kallias e Viviane pelo jantar.

A Grã senhora da corte de inverno embalou Camélia num abraço, enquanto Kallias se despedia de Raysand.

- Foi um prazer conhece-la Camélia - começou o Grão Senhor, ele se virou para o jovem casal e completou - E meus parabéns pela parceria.

A última frase fez todo o corpo de Camélia se contrair, desde a noite passada, quando o Suriel lhe contou sobre a maldição, ela não conseguiu mais prestar atenção em nada, não dormiu o resto da noite, não conseguiu comer no café da manhã, em sua cabeça latejava incessantemente todas as imagens e palavras ditas pela criatura.

Ninguém parecia ser capaz de cura-los, nem o melhor dos estudiosos ou o mais talentoso dos curandeiros.

Essa maldição não só vai envenenar e deixar vocês doentes, ela vai fazer com que percam o controle, vai os enlouquecer e os transformar em monstros, vão acabar machucando suas famílias, amigos, todos que os amam, e só aí o veneno mataria vocês.

Camélia virou os olhos para encarar seu parceiro que conversava animadamente com Rhysand, então derrepente ela imaginou o corpo de Ray coberto por aquelas mesmas linhas pretas, com o sangue escorrendo por sua boca, e os olhos expressando a loucura que aquela maldição causaria, e ela teve a certeza de que preferia morrer a deixar algo como aquilo acontecer a ele, nem que fosse morrer por dentro. Ela não sabia dizer qual o momento exato que passou a amar Raysand, inteira e completamente, com cada célula de seu corpo, mas sabia que esse sentimento era incentivo mais do que suficiente para Camélia fazer o que tinha decido.

Foi arrancada de seus pensamentos com Miriela a cutucando. Camélia se abaixou para que pudesse se manter na mesma altura da garotinha de cabelos brancos.

Miriela estendeu sua mão para ela, e colocou nas mãos de Camélia um cristal de quartzo. A pedra reluzia com toda sua transparência.

- Ei..que isso? - ela perguntou gentilmente.

- É um cristal - começou a garotinha - Na minha corte damos isso como presente a pessoas que gostamos de conhecer, é um convite para que voltem a nos visitar.

- Eles costumam ser fortes purificadores, canalizadores e direcionadores de energias - Viviane começou a falar, se aproximando - Dizem que se segura-los bem firme são capazes de absorver energias ruins.

- Nesse caso fico muito feliz com o presente Miriela - agradeceu Camélia.

- Vai voltar né - a ruiva afirmou com um aceno de cabeça - e vai me mostrar seus poderes?

- Vou - ela respondeu, se divertindo com a curiosidade e animação da garotinha.

Ela só não sabia quando voltaria, não sabia mais o que fazer agora que tinha consciência da maldição....quer dizer, de uma coisa tinha certeza, precisava resolver as coisas com o círculo íntimo, primeiro iria garantir a segurança de seu parceiro e da família dele, depois pensaria no que fazer com a própria vida.

Camélia passou o resto do dia fugindo de Ray, tentou evitar ele ao máximo, assim que chegaram na corte noturna ela arrastou Viv para dar uma volta em Velaris, como a garota adorava conversar, ela não desconfiou das intenções de Camélia.

- Então foi basicamente isso.... Camélia? Camélia?

Vivian estalou os dedos na frente dela, arrancando a ruiva de seus devaneios.

- Oi - respondeu meio confusa.

- Você não ouviu nada do que eu falei né? - Camélia suspirou alto.

- Não, desculpa Viv, é que eu não dormi muito essa noite.

Percebeu o erro que havia cometido assim que o sorriso malicioso de Vivian cresceu.

- Meu irmãozinho anda dando muito trabalho a noite é?

Camélia deu um sorriso meio amarelo para a cunhada, a última coisa que queria agora era falar sobre Raysand.

- Sabe Camélia, eu nunca vi meu irmão tão feliz como ele é com você - A conversa estava deixando Camélia cada vez mais sem graça - Obrigada Mélia.

- Pelo que? - riu de nervoso.

- Por cuidar do meu irmão.

É isso que eu pretendo fazer Viv, ela quis falar.

É isso que eu sempre farei.

Mas não falou, não podia, ela precisava que isso desse certo, além do mais, não iria jogar o peso desse segredo nas costas de mais alguém. Porque se tem uma coisa que Camélia percebeu foi que segredos tem peso, e que uma hora eles poderiam ficar impossíveis de carregar.

- E você? - perguntou, louca para mudar de assunto.

- Eu o que? - Viv arqueou uma sobrancelha, com um sorriso de canto de boca.

- Já pensou sobre ter um parceiro...ou parceira?

- Ah eu nunca senti vontade de ficar com mulheres pra falar a verdade - a garota deu de ombros.

- E os homens?

Derrepente Viv pareceu meio nervosa, e Camélia arregalou os olhos com leve surpresa.

- Tem alguém?

Um leve rubor passou pelas bochechas da filha dos grão senhores.

- Ah meu Deus, você acha que tem um parceiro - Mélia exclamou

- O que? Não - protestou - Quer dizer....mais ou menos, eu não sei se somos você sabe, parceiros.

Camélia não podia acreditar, a conversa até conseguiu fazer com que esquecesse por alguns minutos o que teria que fazer depois do passeio.

- E quem é?

Viv desviou os olhos, claramente evitando a pergunta da ruiva.

- É Daren? - A cada pergunta feita a curiosidade de Camélia era maior.

- Não - ela respondeu imediatamente - eu e Daren? Eca.

Viv fez uma careta ao pensar na ideia, o que fez Camélia cair na gargalhada, sendo acompanhada pela amiga logo em seguida.

- Falando em Daren....estou preocupada, ele anda estranho.

- Hmm, vou fingir que a senhorita não está claramente tentando fugir da minha pergunta - Camélia mostrou a língua para ela - sua chata.

Viv riu, mas seu semblante voltou a se tornar preocupado com a menção do primo.

Camélia suspirou.

- Já tentaram conversar com ele?

- Já, mas ele evita as minhas perguntas, e as de Raysand.

- Talvez seja uma coisa que ele precise lidar sozinho.

- Eu só espero que não seja algo difícil de mais para ele fazer sozinho - Murmurou a morena - Vem, temos que voltar para casa, o jantar provavelmente vai estar pronto daqui a pouco.

Agarrou o braço de Camélia e a puxou em direção a casa dos grão senhores, o desânimo de Camélia foi instantâneo, e quanto mais elas se aproximavam de voltar para casa, mais o amontoado de sentimentos dentro de Camélia aumentava.

Medo, nervosismo, tristeza, apreensão.....

E todos esses sentimentos só pioraram no momento em que elas passaram pela porta de entrada, e os olhos de Camélia imediatamente encontraram os de Raysand, o herdeiro de Velaris conversava animadamente com Cassian e Daren, os três riam de alguma coisa que o terceiro havia comentado, assim que Ray colocou os olhos em Camélia seu sorriso se tornou ainda maior, se é que era possível.

Essa vai ser a última vez que ele olhará para você assim, uma voz dentro da cabeça de Camélia sussurrava para ela.

O brilho daquelas lindas esferas azuis que a encaravam era de tirar o fôlego, Camélia não prestava atenção no que eles falavam, só conseguia entender os lábios de Raysand se movimentando.

- Meu amor - ele disse chamando ela - Vem cá.

Vivian já havia se jogado num sofá ao lado de Mor e Feyre.

Camélia voltou a encarar seu parceiro.

- Na verdade eu acho que vou subir...estou meio cansada.

Sem dar tempo para que Ray respondesse Camélia subiu, ela pegou uma muda de roupa e entrou rapidamente debaixo do chuveiro, esperava que a água morna ajudasse a acalmar seu coração, mas estava enganada.

Saiu do chuveiro tão nervosa quanto havia havia entrado, se não pior, ela se sentou na cama para calçar os sapatos, foi aí que ouviu as batidas na porta.

Murmurou um entre, e segundos depois seu parceiro entrou no cômodo, ela brevemente ergueu os olhos em direção a ele, Raysand sorria gentilmente para Camélia, mas ela não retribuiu ao gesto, só voltou a abaixar a cabeça.

Raysand se sentou ao lado dela na cama.

- Ei nervosinha - ele ronronou, o tom carinho e preocupado usado por Raysand só fez com que a ruiva quisesse chorar, ela cogitou a ideia de descer aquelas escadas e gritar para todos naquela casa o que estava acontecendo - O que está te incomodando?

Ele encostou a mão no queixo dela, virando para que Camélia pudesse encara-lo. Assim que olhou para aqueles olhos azuis tão vulneráveis, soube que seria a coisa mais difícil que teria que fazer na vida.

Tem que ser agora, ela pensou.

- Eu não quero - despejou a frase tão rápido que nem tinha certeza se ele havia escutado.

Raysand abaixou a mão e agora estava acariciando a perna de Camélia com movimentos em círculos. Ela desviou os olhos dele, de uma hora para outra a parede branca parecia muito interessante, e Camélia resolveu encara-la.

- Eu não entendi, o que você não quer?

- Esse relacionamento, não dá pra mim, eu não quero.

Os movimentos em sua perna pararam, a mão de Raysand congelou no lugar, ela arriscou uma olhada na direção dele, e se arrependeu profundamente quando encontrou uma mistura de dor, tristeza, e confusão no rosto do parceiro.

- Mélia - ele começou com uma voz trêmula - eu não tô entendo você esta bem, nós estamos bem, estamos felizes.

- Eu não estou feliz Raysand, não posso ser feliz com o herdeiro da corte noturna.

Os olhos dele estavam arregalados, implorando para que aquilo fosse uma brincadeira idiota

- Eu achei que tínhamos superado o passado dos nossos pais - disse com um leve tom indignado - Meus pais te adoram Camélia, minha família inteira gosta de você.

- Eu tentei, tentei superar, mas cheguei a conclusão que não dá.

Ela se levantou, teve que fazer um esforço sobrenatural para conter as lágrimas, e não desabar ali, essa merda precisava dar certo.

Raysand levantou da cama com um pulo e se colocou na frente dela.

- Mas nervosinha eu amo você, e você também me ama né.

Não era uma afirmação, o tom usado por Raysand estava mais para uma pergunta desesperada.

Precisava de mais, precisava ser mais convincente, ela caçou em sua mente coisas que poderiam afeta-lo, então ela lembrou do ciúmes que Raysand sentia de Klaus.

- Amor? Faça me o favor né - ela soltou uma risada de escárnio e pode ver quando Ray se encolheu, - Não temos nada a ver um com o outro Raysand, nós não fazemos sentido, eu e Klaus faríamos sentido. A única coisa que temos em comum é esse laço de parceria ridículo, que provavelmente deve ter sido alguma piada dos deuses.

Os olhos do herdeiro de Velaris se encheram de água, a voz dele saiu trêmula e embargada.

- Pare de falar isso - esbravejou - Está me machucando Camélia. Se tem algo te incomodando nós podemos conversar, podemos resolver.

- Você me incomoda! É você o problema....olha.....é melhor acabarmos de uma vez , eu vou embora daqui.

Ela não ficou para ver o estrago que causou, não sabia nem se conseguiria ficar ali por mais tempo, só queria ir embora. Saiu do quarto aos tropeços, e assim que chegou na metade do corredor as lágrimas desabaram, ela não conseguiria conte-las por muito mais tempo mesmo, a dor no peito de Camélia era horrível, ela nunca imaginou que pudesse sentir uma dor tão ruim assim que não fosse por algum ferimento ou fratura.

Ela passou pela sala, e para sua infelicidade a família de Raysand estava quase toda lá

- Mélia, nós estávamos indo chamar vocês para....o que aconteceu?

O tom surpreso de Feyre chamou a atenção de todos para Camélia, agora eles a encaravam com um misto de preocupação e curiosidade.

- Eu estou indo embora - Respondeu catatônica, não tinha mais forças para nada - Azriel será que você poderia....

- Camélia espera! - seu parceiro gritou.

Raysand desceu as escadas desesperado, o rosto manchado por lágrimas que não paravam de escorrer.

Merda, merda, merda, pensou.

Segurando as mãos de Camélia, Raysand as colocou sobre o peito, ela pode sentir os batimentos cardíacos dele acelerados, tentou tirar as mãos, mas ele as manteve lá.

- Raysand eu não...

- Me escuta - ele a cortou, num tom autoritário - eu tenho amigos maravilhosos, uma família ótima, pais que me amam, e eu não poderia pedir por pessoas melhores na minha vida, eu achava que era muito feliz, e realmente eu era, mas essa felicidade se tornou tão maior quando eu conheci você Camélia - A cada palavra que Raysand falava ela queria se jogar nos braços dele, enche-lo de beijos, mas a única coisa que podia fazer naquele momento era chorar, podia sentir toda emoção de Raysand pelo laço, seu parceiro queria que ela sentisse todo o carinho, todo o amor e ternura que ele sentia por ela - eu não fazia ideia de que eu podia me sentir assim em relação a uma pessoa, eu vi meus pais a vida inteira, vi a relação deles como parceiros, eu achava bonito, mas quando eu entendi o que era, quando eu senti que você era minha parceira, eu não conseguiria descrever em palavras esse sentimento. Você me fez abrir os olhos para tanta coisa, me ensinou valores que nunca vou esquecer Camélia. E eu sei que você é maravilhosa, e independente, sei que sabe se cuidar sozinha, mas eu quero tanto cuidar de você, e você pode cuidar de mim, a gente cuida um do outro, por que eu acredito que é isso que os parceiros fazem, é isso que se faz quando se ama alguém, e eu te amo - ele pegou o rosto de Camélia entre as mãos - eu te amo com todas as minhas forças nervosinha. Não posso prometer que você nunca mais terá problemas, mas eu posso jurar que nunca mais vai enfrenta-los sozinha.

"Eu te amo"

"Eu te amo"

"Eu te amo, minha nervosinha"

Ele sussurava pelo laço constantemente.

Ver Raysand falar todas aquelas coisas, vê-lo ser tão vulnerável na frente de toda sua família destruiu Camélia. Ele era tão orgulhoso, o cara com o maior ego que ela já tinha visto, mas lá estava ele, fazendo tudo aquilo por ela.

Ela o amava tanto, tinha que mantê-lo seguro, tinha que cuidar dele, e para isso Raysand tinha que desistir dela, esquece-la de vez, ele era extremamente teimoso então Camélia sabia o que precisava fazer para isso dar certo.

Precisava quebra-lo por inteiro.

Por isso jogou a última carta que possuía na manga.

Afastou as mãos dele do rosto dela, encarou bem no fundo daqueles olhos azuis, que agora estavam vermelhos por causa do choro.

- Será que você ainda não percebeu?Eu tenho vergonha e nojo de ser sua parceira.

No mesmo momento sombras a cobriram e a mão cicatrizada de Azriel envolveu a sua.

Demorou alguns segundos para que todas as sombras se dissiparem, pode ver que Azriel os levara para a corte Primaveril, Camélia não sabia se estava feliz ou não pelo encantador de sombras ter os levado para lá, mas de qualquer jeito não faria muita diferença, não é como se ela tivesse um plano depois da cena que criou na casa de Raysand. Como se o Illyriano tivesse percebido o olhar de incerteza que ela expressou ao passar os olhos pelo lugar, disse.

- Posso levá-la a outro lugar que deseje, ou você pode voltar para corte noturna, não precisa ficar na casa de Rhysand e Feyre, tenho certeza que eles.....

- Não obrigada - ela o cortou.

Só o pensamento de estar perto de Raysand depois de tudo aquilo a perturbava, Camélia sabia que teria que manter uma distância razoável entre ela e seu parceiro, caso contrário suspeitava de não ser capaz de o afastar, se o mesmo viesse procurá-la, então ficar em Velaris certamente não era uma opção.

- Obrigada por me trazer Az - um pedido silencioso para que ele fosse embora.

Mas o encantador de sombras permaneceu por alguns instantes parado, encarando Camélia com a expressão de incerteza, Azriel era uma das pessoas mais difíceis de se ler, mas Camélia podia ver nos olhos dele que aquele teatro não havia o convencido, ela não estava surpresa, afinal ele era o mestre espião de Rhysand, estava acostumado a lidar com mentiras e segredos, ou talvez seja simplesmente Camélia que era uma péssima mentirosa, esperava realmente que fosse a primeira opção, porque os outros, principalmente Raysand, precisavam acreditar naquela mentira.

- Mélia, o que está acontecendo? - Azriel perguntou, meio receoso.

Não era do perfil dele insistir em perguntar sobre um assunto que claramente a outra pessoa não queria falar. No pouco tempo que Camélia havia passado na corte dos sonhos, pode perceber que Azriel não gostava de se intrometer muito nos segredos de seus amigos, o que era meio contraditório, tendo em vista seu trabalho, mas com relação ao círculo íntimo, ele respeitava a privacidade de cada um.

- Eu apenas acordei Azriel - disse, com o melhor ar de arrogância que conseguia esbanjar - Essa história nunca daria certo, meu lugar não é com vocês, não é com Raysand.

Ela se virou para se afastar do Illyriano, mas ele segurou levemente seu pulso.

- Eu sou o mestre espião da corte noturna Camélia, sei que tem algo errado - com uma pausa ele continuou - Sei que estava procurando uma mulher em Velaris, sei que você e Daren não estavam dando um passeio juntos quando voltou naquele dia.

Camélia congelou por um minuto, não podia deixar que ele desconfiasse de alguma coisa.

- Pra alguém que falava tão pouco você está muito tagarela.

A máscara de indiferença de Azriel permaneceu intacta, mas ela sabia que seu comentário tinha o afetado de alguma forma, Azriel não era igual a Cassian, demorou um pouco mais de tempo para que Camélia realmente se aproximasse dele, e agora lá estava ela, quebrando aquela confiança, igual fez com Feyre e Rhys, que lhe ofereceram a própria casa, com Raysand que se abriu para ela, que demonstrou todo seu carinho e afeto. E para isso estava usando a única ferramenta que poderia usar, a hostilidade.

- Seu trabalho está te deixando paranóico - ela riu com escárnio - Estava procurando uma mulher sim, pensei ter visto uma amiga, mas me confundi, e aquele dia com Daren...tem razão, eu havia saído para comprar isso.

Ela balançou o colar na frente dele, o colar com a rosa e a lua, o objeto que agora ela sabia possuir uma história trágica e desgostosa.

- Eu estou cansada de vocês insistindo em desconfiar de algo com uma explicação tão simples - se aproximou de Azriel, e disse num tom baixo e raivoso - A verdade é que ainda desprezo vocês, e por isso não suportava mais ficar naquele lugar.

Sem mais explicações ela deu as costas para o Illyriano, e começou a caminhar pelas casas do vilarejo.

Seu rosto estava levemente vermelho e algumas lágrimas silenciosas ainda insistiam em escorrer, os feéricos observam cautelosamente, deviam estar se perguntando o que a filha de Tamlin fazia ali, já que ela nunca aparecia por aquelas redondezas, mas nenhum deles ousou vir falar com ela, Camélia se perguntou qual a imagem que tinham dela, provavelmente pensavam que era a filha mimada do Grão senhor, aquela que não se importava o suficiente com seu povo nem mesmo para visitar os vilarejos de vez em quando. E isso não era verdade, ela não queria que seu povo pensasse isso a seu respeito....seu povo...soltou um rosnado....nem isso eles eram mais, a essa altura seu pai devia estar casado com aquela Grã feérica, provavelmente transando igual loucos para poder gerar um herdeiro digno da corte Primaveril.

Bateu três vezes na porta de madeira antiga, e não demorou muito para que Klaus surgisse diante dela, os cabelos castanhos estavam mais curtos, ele provavelmente havia cortado recentemente, a pele escura estava pálida, não possuía o brilho que ela se lembrava desde a última vez que haviam se visto, seu amigo parecia extremamente cansado, mas pela cara que ele fez assim que encarou Camélia, ela não deveria estar muito melhor....

- O que aconteceu? - perguntou preocupado.

- Tudo aconteceu - ela murmurou num misto de irritação e tristeza.

Vendo que Camélia estava prestes a recomeçar a chorar , Klaus se prontificou a acalma-la, ele abriu espaço para que ela entrasse em casa.

- Ei calma, respira fundo.

- Só se for bem fundo né, porque é pra lá que eu tô indo.

- Pra lá onde? - perguntou confuso.

- Pro fundo do poço - ela esbravejou.

Klaus a colocou sentada no sofá, enquanto lhe entregava um copo d'água.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...