História Coulrofobia - BTS - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Imagine Park Jimin
Visualizações 12
Palavras 1.175
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Fluffy, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Heyyy Pessoal. Fic nova.

Fazia um tempinho que eu não postava minhas minhas histórias, então pra voltar a rotina, trouxe uma sobrenatural onde o universo BTS e It: A Coisa, se alinham formando assim Coulrofobia, uma história onde nossos protagonistas tem que enfrentar seus medos para vencer nosso querido Penywise, e um deles é a Fobia por palhaços.

Nos vemos nas notas finais.
Boa Leitura 🌸

Trailler da fanfic - Coulrofobia |BTS| .

https://youtu.be/EZuioENY6mQ

Playlist da Fanfic - Coulrofobia |BTS|.

https://open.spotify.com/user/313pmp4gtnnufcy6664o2s2jxkeq/playlist/6BPnYMarxMDWrfqtpMRVjq?si=f5l-Gb5oRkK76mx1axzAjA

*Música do primeiro cap'.

Sweet Dreams - Eurythmics

Capítulo 1 - Feeling.


Fanfic / Fanfiction Coulrofobia - BTS - Capítulo 1 - Feeling.

Autora S.F.
Feeling, vem do termo "intuição" um estado de consciência, resultante dos sentimentos, das emoções. instintivos, são responsáveis pela maneira como o indivíduo se porta frente a situações onde procura, por exemplo ajudar, podendo não ter a retribuição da outra parte.



POV's Park Jimin 

Sinceramente... eu não estava pronto para voltar no passado, logo fazia dez anos que eu não ia fazer nem sequer uma visita na cidade onde nasci, muita coisa havia mudado em Juggi pelo oque minha avó me contava, aliás, eu estava voltando para lá nesse exato momento dentro do ônibus com minha adorável "arrogante" irmã mais nova, iamos ficar apenas alguns dias no interior devido a falta de presença dos nossos pais.

Certo dia, nossa avó, omma do nosso appa, se sentia muito solitária e resolveu ligar para nossa casa em Busan e como não tinhamos nada a fazer e com a insistência da pestinha da minha irmã, nossos pais por fim, decidiram nos mandar para cá, já que eles próprios assumiam não dar devida atenção ao casal de filhos.

Juggi era uma pequena ilha localizada no interior da Coréia do Sul, meio que confinadora demais, mais era legal para se morar e tinha um charme natural próprio.

Talvez, ao menos talvez, meu desconforto de voltar a lá seja apenas ansiedade ou nervosismo, porque? eu não sei.

Olhei a figura menor ao meu lado, seus cabelos lisos feitos em maria chiquinha realçava sua pele juvenil até demais, minha irmã tinha uma forte personalidade para alguém de meia estatura e sete de idade, isso me trazia boas lembranças quando eu era menor.

Fomos embora de Juggi quando eu tinha oito anos, isso foi três dias depois da morte do meu avô, nosso appa tinha recebido uma oferta de emprego melhor na cidade e rapidamente arrumamos nossas malas com o conssetimento da minha avó e partimos, mais nesse dia, lembro-me de deixar algo precioso escapar pelos meus dedos, e mesmo assim nem sequer olhei para trás.

O motorista nos avisa que já estavamos próximo a entrada da ilha e que todos deveriam estar espertos para a próxima parada, cutuquei Micha para acorda-lá o mais rápido possível já que a mesma possuía um sono bem pesado. A cachoalhei um pouco mais rápido e em resposta ela resmungou.

- acorda logo Micha! já chegamos em Juggi.

- só mais cinco minutos Jimin-ah.— gemeu a pequena manhosamente.

- em cinco minutos eu te deixo dentro do ônibus e seu próximo destino vai ser de volta para Busan.

- palhaço. Se já chegamos trate logo de pegar nossas bagagens e irmos.

- ya você não tem toda essa moral não, ao menos não sobre mim, vamos... hm?. — a menor balançou a cabeça.— ótimo! baixinha.

- você é o grande, né!?

- bem...perto da senhorita sim.

- Jiminie...

- hm? oque foi, não está tudo bem? — ele a olhou preocupado — se sente enjoada?

- não bobão . — sorriu.

- então oque peste!?.

- você é o melhor.— o abraço foi retribuído.— vamos maninho. Já chegamos na parada de ônibus.

Descemos na parada, a baixinha me ajudou levando uma mala menor, mais não muito pesada, decidimos ir caminhando um pouco, Juggi estava totalmente bem diferente do que estava a dez anos atrás, só que era um diferente meio apagado, não... devia ser minha ansiedade mexendo comigo. Minha irmã me puxou pelo blazer.

- oque foi?

- quero um sorvete. — ela apontou para um carrinho.

- agora não dá, talvez outro dia a gente compra sorvete.— se virou não ligando muito para a mais nova.

- eu quero de chocolate.— ouviu a voz da mesma um pouco distante, olhou oara trás e conferiu, era sim a mesma... com sua carteira.

- ya Micha! oque pensa que está fazendo?! — seus olhos se arregalaram, quando ela havia pego sua carteira?

- lembre-se Jiminie-idiota, eu sempre consigo oque eu quero.


"Eu sempre consigo oque quero Park Bolinho."— a morena fala determinada com um sorriso doce e gentil nos lábios.


- Idiota!— lhe deu um puxão no cabelo e pegou a carteira das mãos da menor e pagou o senhor já de certa idade.—desculpe por isso senhor.— se curvou  90° graus para o senhor que aparentava ter dentre cinquenta a cinquenta e cinco anos.

- não se preocupe jovem, sua irmã é apenas um pouco levada.

- yo! velho do sorvete gostoso!

- Micha!

- não se preocupe garoto.— o mais velho sorriu mostrando alguns dente em falta.— mais tome cuidado por onde anda e com que anda rapaz, pelo que vejo é novo na cidade.

- ye. Mais porque isso? Juggi não era uma cidade calma?

- era uma cidade tranquila, até certo ponto, até logo.

***


Não entendeu nem um pouco, mais deu de ombros e esqueceu o ocorrido voltando ao fluxo, pegou as malas que no total eram três, o suficiente para duas semanas, e voltou a caminhar pelas ruas logo pegando um táxi.

Deu o endereço para o rapaz e guardou as bagagens no porta malas, e por fim colocou a mais nova no cinto atrás enquanto o motorista ia lhe lembrando um pouco da cidade.

Enquanto isso, apoiou a cabeça na janela do carro e passou a olhar tudo que ia passando conforme o carro seguia, viu pingos de chuva e o céu nublar diante do temporal que se formava para a noite, suspirou cansado da viajem e seus olhos pesarem.

A bicicleta no chão perto de um parquinho com gramas bem cuidadas e totalmente deserto, ainda balançava uma de suas rodas junto aos pedais, o balão vermelho sobrevoava calmamente em volta, oque de fato era estranho, devido ao forte e violento vento que levava as folhas e flores ao ar.

Arregalou os olhos quando em volta viu uma poça de sangue com um chapéu de coelho bem próximo a bicicleta, seu susto foi tão grande que gritou com o motorista para parar o carro.

- oque foi rapaz?! — o motorista o olhou confuso.

- eu já volto.— saiu correndo para o parquinho, mesmo podendo pegar um resfriado, não se importou.

O rosado, por conta do táxi ter passado rápido demais pegou uma certa distância para se aproximar do parque, agora não encontrando nada, olhou para todos os lados, nem a bicicleta, balão vermelho, chapéu de coelho ou poça de sangue estava lá.

- senhor, vamos.— olhou para trás vendo o taxista confuso.— por acaso, deixou cair algo.

- você não viu?

-hm? viu oque?

- na-nada não, desculpe. Sim, vamos.— acompanhou com os olhos o mais velho entrar no carro e olhou novamente para trás vendo um nada.

Desta vez o homem buzinou para chamar a atenção de Jimin, não estava afim de se molhar ainda mais pelo comportamento esquisito do garoto, o rosado olhando novamente para o carro, encontrou um olhar cunfuso da mais nova, sorriu sem graça balançando as mãos como sinal para não se preocupar, entrou no táxi que rapidamente seguiu a rota.

Jimin mais uma vez apoia a cabeça, não na janela do táxi e sim no banco, dando uma olhada rápida no retrovisor do carro.

O balão vermelho se encontrava novamente no parquinho.


Aquilo era uma sensação estranha, sentia isso, mais porque estava se preocupando com este fato não importante? seu corpo sentiu um choque e sua cabeça estava levemente atordoada, talvez essa sensação poderia ser Feeling.



Notas Finais


Heyyy, vamos dar uma continuidade a fic.
espero que o primeiro capítulo tenha agradado vocês, e mal posso esperar para atualizar com o próximo.

Teorias? haha
Até logo. Vamos flutuar?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...