História Couples therapy - Taekook - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Red Velvet
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Kim Taehyung (V), Yeri
Tags Junglook, Kookv, Taehyung, Taekook, Vkook, Yeri
Visualizações 81
Palavras 2.317
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ooi ;w;
Estou trazendo mais um capítulo e espero que vocês gostem, eu demorei muito, mas muito para escrever e agradeço à Thata por aturar minhas mensagens e todos os rascunhos que enviei pedindo uma opinião.

Antes de tudo, tenho algumas coisas para dizer.
Avisos;;
Pretendo atualizar todo dia 7, 17 e 27 do mês Couples therapy ^^;;
Não tive tempo de fazer a capa, mas logo colocarei uma bonitinha aí;;
Sempre que tiver "_" no meio do capítulo é porque eu usava isso para deixar a letra no itálico nos rascunhos, ok?

Hoje é dia 8 na Coréia, sabem o que comemoramos hoje?

BLACKPINK ESTÁ COMPLETANDO 2 ANOS

2
A
N
O
S
VOCÊS TÊM IDEIA DISSO?!

Me desculpem pelo mini surto rç
Mas voltando ao foco...

Não revisei ainda, me desculpem caso encontrem erros no capítulo.
Acho que é só isso... Boa leitura! ^^

Capítulo 3 - 02 - Cante para mim.


Click

Yeri ficou de costas e inclinou a cabeça para o lado, encarando a câmera por cima do ombro.

Click

Outra pose, Yeri abriu o guarda-chuva e o deixou aberto logo à cima da cabeça, desviando o olhar para o objeto.

Click

Mais outra pose, Yeri estava apoiando parte do peso do corpo no guarda-chuva fechado ao seu lado, enquanto levantava a perna direita no ar e voltava à encarar a câmera.

–Acabamos! – O fotógrafo vociferou e Yeri correu para atrás das câmeras, onde estava todos os seus pertences.

– Yeri, amanhã você e Park Bo-young farão uma sessão de fotos juntas. – Hyuna apareceu enquanto checava alguma espécie de prancheta.

– E hoje? – Perguntou enquanto olhava seu reflexo num espelho pequeno que tirou de dentro da bolsa

– Hm... Hoje você iria ter uma reunião com Kim Heechul. – Hyuna anunciou após checar novamente a lista.

– É dispensável? – Tirou um pente de dentro de sua bolsa e alinhou os fios que antes estavam desalinhados.

– É sim, ele disse que poderia remarcar para quinta, então você só vai ter a sessão de noite. – Disse e Yeri sorriu enquanto tirava o salto e substituia por um tênis.

– Ótimo. Hoje eu vou numa terapia de casais com meu marido às 16 horas, dá tempo de fazer a sessão? – Disse e a mulher negou.

– Vai ter que ir embora uns 35 minutos antes, se for. – Respondeu pressionando a prancheta contra seu corpo.

– Certo, então até mais tarde. – Acenou para a Kim enquanto saia apressada do local, hora ou outra jogando o cabelo para trás. Prendeu o cabelo num rabo de cavalo alto e partiu para fora. Logo depois, seu celular toca "Call me maybe" de dentro da sua bolsa. A mulher levou sua mão para o interior da bolsa e começou a tatear o aparelho.

Quando finalmente encontrou o celular, ele havia parado de tocar, mas logo tratou de checar quem ligou para retornar a chamada perdida. Quando clicou na lista, viu escrito o nome de seu marido em chamadas perdidas e rapidamente ela discou o número, que logo atendeu.

– Amor? Desculpa não ter atendido, quando peguei no celular havia desligado. – Yeri se desculpou assim que o moreno atendeu

– Onde você está? – Jungkook apenas ignorou as desculpas de sua esposa e continuou falando. – Estou indo te buscar, vamos a terapia. Me encontre na frente do seu trabalho, chego em 15 minutos.

– Ok, amor. Te amo. – Disse as três palavras com uma pequena chama de esperança.

– Tudo bem. Estou chegando. – A chamada foi encerrada e a chama de esperança que tinha em seu peito se dispersou tão rápido quanto surgiu. Poderia comparar facilmente o seu relacionamento com uma bolha de sabão, bonita exteriormente, mas era tão frágil e vazia por dentro que qualquer coisa que a tocasse iria estourar e nunca mais poderia se restaurar, como a relação em si. Se duvidasse, seria o próprio Jeon assoprando a bolha para perto de objetos pontiagudos para a estourar o mais rápido possível. Yeri sempre soube que Jungkook nunca foi muito bom em demonstrar afeto ou controlar seus sentimentos, sempre vivia em uma guerra interna, que só foi perceber algumas semanas depois de terem se conhecido. Por incrível que pareça, não foi Jungkook que a pediu em casamento, pois foi a própria esposa que perguntou à Jeon se ele gostaria de se casar com ela, apenas respondeu um "sim" desanimado.

– Vamos logo, Yeri. – Um carro preto parou na sua frente, tirando ela de seus pensamentos, deixando de lado algumas das várias reflexões que precisaria observar, deixando para mais tarde. Yeri apenas correu até o carro em passos curtos e rápidos até que estivesse sentada no banco da frente.

– Ansioso? – Perguntou descontraída enquanto olhava seu reflexo no espelho que tinha em sua bolsa.

– Para ser sincero? Não. – Respondeu enquanto deixava escapar um longo suspiro. – Ainda não sei no que esse cara pode nos ajudar. E se sei lá, piorar tudo? Não estou gostando nada disso. – A garota levou sua mão lentamente até o joelho de Jungkook e fez ali uma pequena carícia, tendo um joelho inquieto como resposta.

– Vai ser bom. Taehyung é profissional, já teve casos piores, Jungkook. – Suspirou cansada assim que percebeu a inquietação do marido com um gesto tão simples

– Tanto faz, isso não muda nada. – Jeon rolou os olhos e ligou a música com o volume no máximo para não ter que escutar a esposa, mas ainda sim conseguindo prestar atenção ao trânsito.

~

Taehyung corria ao subir as escadas, já que o elevador estava em manutenção havia 3 dias. Quando chegou, sussurrou um bom dia apressado e ofeganfe para a secretária e seguiu para sua sala de terapia. Depois da consulta de Jisoo com a namorada Jennie, saiu correndo para a cafeteria dos Min's e perdeu novamente o horário. Sem lembrar muito a hora das próximas consultas, apenas pegou seu violão e brincou com as cordas do instrumento, até que começou formular uma música com a melodia que as cordas emitiam e começou à cantar Havana, se esquecendo de algumas partes, mas não se importava. Do outro lado da porta, Jeon estava escutando o seu terapeuta cantar e tocar enquanto a esposa ia ao banheiro. Jungkook estava vidrado na voz do castanho, amaldiçoou Yeri por voltar do banheiro tão rápido e bater na porta, interrompendo bruscamente a melodia vinda do violão tão prazerosa, logo depois escutando um "Pode entrar" abafado de dentro da sala.

– Bom dia, senhor e senhora Jeon. – O Kim falou enquanto repousava o violão na parede atrás de si. Sim, definitivamente era ele que estava tocando.

– Ya! Primeiro, não me chame de senhor, me faz parecer velho; Segundo, ela não é uma Jeo... – Resmungou assim que entrou na sala, recebendo um tapa vindo da esposa no seu braço – Ai! – Mostrou a língua para a esposa que rolava os olhos enquanto o Kim ria.

– Chamo meus clientes de senhor por questão de educação, senh... Jeon. – E sorriu provocativo ao brincar com o mais novo.

– Taehyung, já teve casos mais sérios do que o nosso? – Yeri disparou na conversa um pouco aflita de repente.

– Ainda nem começamos a sessão direito, não tem como eu saber, Yeri. – Disse sorrindo enquanto se sentava na poltrona de couro que ficava no centro da sala. – Sentem-se. – E assim fizeram. Jeon fez questão de estabelecer certo espaço entre ele e a esposa no sofá à frente do Kim, com somente uma mesinha de madeira separando o casal do terapeuta. – Certo, quando vocês começaram o desentendimento? – Perguntou adquirindo um semblante extremamente sério ao pegar uma prancheta que estava à cima da mesinha com uma caneta com pequenas notas musicais desenhadas, como se o Kim brincalhão de antes não existisse mais.

– Quando eu apareci numa revista do lado de outro cara. – Para falar a verdade, Jeon nem se importou com aquilo. Poderia fazer o que ela quisesse da vida dela, ele apenas não ligava. Yeri cruzou as pernas e o Kim deu uma pequena pausa para escrever o que havia dito antes de continuar.

– Certo. Jeon..? – Disse esperando Jeon dar seu ponto de vista sobre o assunto.

– Quando meu pai se mudou. – E não era mentira. Há alguns meses, Jungkook simplesmente parou de demonstrar afeto, precisamente à partir de quando seu pai se mudou. Depois de algum tempo, tentou resistir à todo tipo de carícia, mas Yeri protestou e Jungkook ao menos deixava ela demonstrar afeto de vez em quando, mas ainda sem retribuir. Jungkook tentou fazer pouco caso, mas respondeu.

– Entendi... Hm, antes de continuarmos, quero que saibam de algumas coisas sobre a terapia. – Coçou a nuca sem graça ao ver que havia esquecido um tópico importante da sessão. – Primeiramente, a minha função não é especificamente fazer vocês saírem daqui como se nada tivesse acontecido, se amando ou se odiando. É claro que o foco é fazer com que se entendam e voltem à sua relação amorosa de antes, mas a minha verdadeira função é fazer com que vocês entendam um ao outro, contem insatisfações e outros e fazer com que – no mínimo – virem amigos e mantenham uma relação saudável perante a situação sem qualquer sentimento ruim, seja de rancor ou arrependimento.

– Então quer dizer que podemos sair daqui separados?! Mas seu trabalho é... – Yeri gritou incrédula como se Taehyung houvesse dito alguma coisa absurda.

O Kim a interrompeu. – Sim. Na verdade, o meu trabalho é reconsiliar o casal, fazer se entenderem e fazer com que compartilhem insatisfações um com o outro, tentando "concertá-las", não necessariamente fazer com que se amem novamente. Essa decisão cabe ao casal, não à mim, afinal, o amor é um sentimento que muitas vezes é momentâneo, às vezes não é um sentimento duradouro, mas não posso fazer com que se prolongue ou se eternize, se não é para o casal ficar junto e não der certo, acabou. Então se o casal entre em concordância de manter uma relação estável – amorosa ou amigável –, eu fico satisfeito. – Respondeu dando um meio sorriso enquanto Yeri bufava.

– Satisfeito? Por quê? – Jeon perguntou quase que sem querer.

– Satisfeito ao ver que cumpri meu trabalho. — Completou rapidamente. – Mas tudo depende do casal e do rendimento de cada terapia. Na terapia vocês podem falar sobre diversas coisas, gostos comuns e incomuns; como eu já disse, insatisfações; desejos carnais entre outros.

– Mas qualquer coisa mesmo? – A mulher arqueou a sombrancelha desfazendo a posição rígida de antes com curiosidade.

– Não devemos fugir muito do assunto do casal. É lógico que às vezes podemos falar sobre outra coisa e descontrair um pouco em relação à isso, mas não podemos perder o foco. – Taehyung disse encaixando o óculos de grau no seu nariz novamente, subindo um pouco de sua franja enquanto passava a mão no cabelo. – Certo quando, como se conheceram e quando começaram à se amar? – Recostou na cadeira enquanto balançava ansiosamente a caneta que tinha em mãos esperando o casal se pronunciar.

– Quando estudávamos no ensimo médio. Eu pedi uma caneta emprestada nele, mas ele me negou. Trocávamos farpas, viramos amigos depois, mas descobri que eu o amava. – Yeri respondeu em um tom irritante fazendo os dois homens rolarem os olhos discretamente.

– Ok... Jeon?

– Hm... Pode repetir a pergunta? – Jungkook perguntou sem graça ao ver que não havia escutado com clareza a pergunta, apenas metade da resposta da esposa enquanto encarava o violão no fundo da sala.

– Claro. Quando, como se conheceram e quando começaram à se amar, Jeon? – Perguntou mais uma vez ao castanho que ficou visivelmente desconfortável.

Amar? Jungkook nunca... Bom, amou Yeri. Como amizade, um pouco. Mas realmente considerava ela chata desde que se conheceram. – Err... Qu-quando a gente... – Tentou inventar uma resposta, mas as palavras se esvairam rapidamente de sua boca, fazendo ele bufar frustrado.

– Hm, ok. – Tanto Taehyung quanto Yeri perceberam certo nervosismo na voz de Jeon. – Quem pediu em namoro? – Embora soubesse a resposta, gostaria de ouvir da boca dos mesmos.

– Eu. – Yeri respondeu num misto de vergonha e seriedade.

Taehyung anotou rapidamente a resposta na prancheta e voltou à falar. – Ok, agora me contem um pouco de seus gostos pessoais.

– Gosto de roupas, dramas, alguns jogos e do Batman. – Yeri respondeu e Jeon fez uma careta.

– Anime, Desenhos, música acústica, jogos de tiro e do Homem de ferro. – Jungkook propeliu automaticamente fazendo uma indireta ao Kim, embora não tenha percebido.

– Hm... Desgostos? – Taehyung fitou os dois novamente.

– Insetos, céus como eu odeio insetos; Escuro e... Carboidratos. – Yeri disse hesitando na última palavra, diferente de Jeon que disse normalmente.

— Hm.. acho que dietas, persistência, altura e principalmente drama. – Jeon tamborilou os dedos no braço da poltrona que estava, descontraído. Odiava muitas outras coisas, como afeto, mas não assumiria isso, embora os dois soubessem.

– Vai demorar muito? Tenho uma sessão em... Oh meu Deus, 17 minutos! – Yeri praticamente gritou ao ver as horas que o próprio celular apontou. – Tenho que ir, até Kim. – Acenou enquanto corria para fora dali.

– Certo, então acho que teremos que continuar a sessão outra hora. Até mais senh... – Taehyung disse se levantando preguiçosamente.

Jeon o interrompe – Você pode tocar? – Perguntou com os olhos centrados no violão ali no fundo da sala

– C-como?

– Tocar. Ouvi você tocando antes de vir, queria ouvir direito.

– E o que eu ganho com isso? – O Kim sorriu ladino para o outro que dera uma pequena pausa para pensar.

– Eu faço as terapias! – Jungkook disse convencido consigo mesmo recebendo um olhar duvidoso do Kim. – É sério! Juro juradinho! – Estendeu o dedo mindinho na direção do mais velho que ria. Era incrível como Jungkook poderia mudar da água para o vinho tão de repente.

Entrelaçou seu mindinho com o do mais novo, que sorriu. – Certo... – Disse ainda meio atordoado pela repentinidade, se aproximando do instrumento – Hm, qual música você quer? – Perguntou levantando o instrumento com facilidade, voltando para a cadeira que estava sentado, colocando ele devidamente encaixado à seu corpo para poder tocar enquanto Jungkook acompanhava seus movimentos pensando em qual poderia ser.

– Crush, 2NE1? – Disse sugestivo, recebendo um aceno de cabeça indicando um "sim". A mão direita dele subiu enquanto o braço esquerdo de Taehyung estava por cima do violão, conseguindo chegar as mãos às cordas. E começou.

“Nan modeun yeojadeurui tteugeoun crush

Neoui simjangeul ttwige haneun rush

Yeppeun eonnideureun nal johahae

Nal johahamyeon yeppeojinikka (...)

A voz de Taehyung novamente surpreendeu Jungkook, já que finalmente estava escutando com clareza. Certas parte da música – no qual o terapeuta nem percebeu, na verdade – fechou os olhos perdido na melodia, concentrado em apenas sua voz e o violão, por sua vez quase esquecendo da presença do mais novo. Quando finalizou a música abriu os olhos e viu o mais novo o encarando fixamente enquanto estava boquiaberto, corou levemente e se levantou.

– Hm. M-me desculpe, eu... – O terapeuta tentou se desculpa por ficar tão imerso, mas Jungkook o interrompeu.

– Não se desculpe. – Jeon disse sorrindo para o Kim enquanto pegava suas coisas. Taehyung cantava muito, mas muito bem, isso ninguém podia negar. – Espero te ouvir cantar mais. Até mais, Taehyung. – E saiu da sala deixando o terapeuta encarando o chão pensativo.

Estava confuso, e estranhamente feliz.


Notas Finais


É isso rç
Desculpem o capítulo bosta k


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...