História Crazy... - Capítulo 1


Escrita por: e LeewGameFanfics

Postado
Categorias Gorillaz
Personagens 2-D, Murdoc Niccals, Noodle, Personagens Originais, Russel Hobbs
Tags 2doc, Aborto, Depressão, Drama, Mpreg, Novela, Romance, Studoc, Suícidio, Terror
Visualizações 28
Palavras 1.770
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drabble, Drama (Tragédia), Droubble, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Lemon, LGBT, Lírica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Seinen, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Aviso: É 2Doc, se vc não curte (como eu) Não leia. mas se gosta, caia de boca.


Lee-chan espero que goste, demorou mais saiu. :3


E gostaria de agradecer a todos os leitores que amaram a primeira temporada, valeu.

Capítulo 1 - Alucinações...


Fanfic / Fanfiction Crazy... - Capítulo 1 - Alucinações...


6 Anos depois...


Filhos...

Os filhos que eu tive com o Murdoc...
Eles são lindos, são os meus preciosos...
O problema é eu ainda penso nela...
Isso fez com que eu me afastasse deles, e aprendesse a amar somente ela. 

Lydia...

Ela iria viver se não fosse minha culpa...
Eu a amo tanto... Eu a amava tanto.
Mas ela não pode me dizer se me ama ainda... Por que eu a matei.
Querendo ou não, eu a matei. Eu fui o culpado, o assassino...
 No fundo eu pensava que quem seria o "excluido" da família seria Murdoc, mas na verdade fui eu...
Depois que os gêmeos não precisaram mais dos meus cuidados, eu simplesmente os abandonei, ficando isolado dentro do meu quarto na maioria do tempo.
Sentia falta de fumar, mas isso não era adequado, eu daria um mal exemplo para Ellen e Jason.


'' Só um pouco não faz mal''


Se bem que essa frase ecoando pela minha cabeça foi  um dos motivos que matou Lydia.
Mas minha cabeça levou isso um pouco além...
Ela me fez eu me excluir de novo...
Eu fazia isso antigamente, quando ficava chateado com algo ou alguém.
Noodle, Russel, Murdoc e os meus filhos não mereciam ficarem na companhia de um assassino matador de bebês indefesos, inocentes e frágeis... 

Oh, meu Deus! Lydia!!! Por que???

Limpei as lágrimas que escorriam do meu rosto, sempre fazia isso. Era "normal". Desconfio que fiquei com depressão pós-parto depois que tive os gêmeos, mas estou "bem", ou melhor, estou ótimo! Criei os meninos não foi?! Fingi ser um bom pai, namorado e amigo. 
Estou perfeitamente bem. Embora que às vezes eu me drogue muito com remédios pra dormir além de pensar o tempo todo em me suicidar... Mas isso não vem ao caso! 
Ainda morávamos na Kong Studios, e pouca coisa mudou: Noodle se tornou um bela moça de quase 20 anos muito bonita, talentosa e gentil, Russel ainda é o meu melhor amigo e um carinhoso tio para as crianças, Murdoc ainda é o meu namorado que se tornou um doce e amável pai,  e Jason e Ellen se tornaram duas crianças lindas e travessas.
- Papaaaiiii!! - Chama Ellen batendo em minha porta com a sua voz suave e preucupada. -  "Polque" você não "blinca" mais comigo? - Aquilo soou triste, com medo de qua a porta estivesse destrancada rapidamente tirei o cigarro da boca e levantei do chão onde estava me lamentando.
-A-ah...Filha...E-eu já tô indo...Prometo... - Falei tentando disfarçar o tom de voz choroso.
-Okay...! - A garotinha responde um pouco animada enquanto voltava para o seu quarto, provavelmente esperando a minha chegada.
Apaguei o cigarro indo em direção do espelho tentando limpar as lágrimas e arrumar o cabelo. Não queria que a minha menina se assustasse com a minha aparência  desleixada.
Destranquei a porta a abrindo. No corredor Murdoc trazia o meu filho sonolento no colo. Olhei sem interesse em seus olhos opressores e percebi que o verde me olhava um tanto preocupado.
Com uma cara cansada desviei amargamente o olhar e entrei no quarto da minha garotinha. Na entrada avistei ela brincar sozinha com uma bonequinha. Mudando a minha expressão cinza a chamei sorridente:
-Ellen, querida. Papai está aqui, como prometido! 
- YAY!!!! - Os olhos coloridos da menina brilharam de felicidade. - PAPÍ, VOCÊ VEIO ''MEMO''!!!
- Sou um cara de palavra. - Dei um sorriso amarelo.
- Hahahahaha!!!! - Rapidamente ela me puxa para mais perto. - Quero que você conheça a Lucy. - Ellen disse estendendo uma boneca loira pra mim, peguei sem hesitar.
- Uau, ela é linda. - Fingi. - Quem deu ela pra você, Docinho?
- O Tio Russel!
- O tio Russ?! Quando? - Perguntei interessado, pois sempre quem comprava os brinquedos dos meninos era eu ou o Murdoc.
- Ontem. - Tentando esconder a frustração a menininha abaixa o olhar.
- E o que teve de especial ontem? - Eu falei franzindo o cenho tentando me lembrar.
- Foi o ''anivesário'' meu e do Jason. - Ellen retruca um pouco chateada.
- Oh... - Paralisei diante da resposta, nesse mesmo dia eu fui ao cemitério acender uma vela pra Lydia. Depois desesperado entrei na mansão e subi pro meu quarto como um louco sem querer ver ninguém. Naquela noite eu chorei até dormir.- E-eu sinto muito...


..........


Depois de pedir desculpa pra Ellen nós brincamos por uns 10 minutos após eu me retirar dando um beijo de despedida. Passando pelo cômodo do Jason eu pude escutar a voz grossa do meu namorado.
-Hey...
- Huh...? - Parando me viro para a voz vendo Murdz dentro do quarto enquanto fazia carinho no garotinho que cochilava em seu colo. Calmamente o esverdeado o deitou calmamente na cama e se levantou de lá com cuidado indo em minha direção fechando a porta atrás de si.
-O que está acontecendo, Face? - O baixista pergunta com uma voz apreensiva me fitando.
-N-nada...Estou bem. - Retruquei desviando o olhar enquanto me abraçava tristemente. - P-por que pergunta?
- Porque você fica a maioria do tempo trancado evitando a gente.
- Pela milésima vez, eu não estou evitando vocês. - Falei indiferente, eu não queria falar sobre aquilo. - S-só porque-e às  ve-vezes eu quero fic-a-ar sozinho não significa que ó-deio a minha família. - Minha voz ficou um poco trêmula.
Murdoc suspirou.
- É por causa de Lydia, não é? - Ele disse o nome da minha princesinha com um tom amargo que me deu vontade de chorar. 
Firmemente me manti forte para não demonstrar fraqueza ou incômodo na frente dele. Já tivemos essa conversa antes e não fora muito agradável da última vez. 
Pelo meu silêncio o baixista deduziu que foi um "sim".
-Olha 2D, esqueça dela... Isso isso já passou, está tudo acabado. - Ele tentou me abraçar, mas desviei rapidamente indignado com aquele papo.
- Você fala c-como se não amasse ela... - Falei entre dentes olhando furioso para ele.
- Eu amo, não dúvide disso. - Suas palavras era sinceras. - Ela seria minha primeira filha. Mas 2D, não se prenda ao passado. Olha quem está aqui: Jason e Ellen! sãs e salvos com a gente. - Niccals disse aquilo com muita felicidade enquanto eu só conseguiu negar com a cabeça. 
- Eu sei, eu sei é que... é que...- Me enrolei não contendo a frustração. - i-imagina como a gente seria feliz se Lydia estivesse aqui, do meu lado, do nosso?
Quando o esverdeado ia abrir a boca pra responder Jason surge detrás de nós  abrindo a porta de seu quarto.
- Paizão... - Ele esfregou os olhos confuso não entendendo do que estava acontecendo. - Por que saiu? - Disse ele ainda sonolento.
Murdz se virou pra ele com as mãos nos quadris, fingindo que nada estava acontecendo.- Nada meu pequeno demônio...Volte dormir, okay?
-Okay... - O menino olhou para mim e aqueles olhos de cores mistas me arrepiaram, eu sempre tinha essa sensação quando o diabinho me fitava. Não gostava daqueles olhos...
Porém mesmo assim sorri falso para ele. - Bom descanço Jason... - Eu não osdiava os meus filhotes, é só que eu não conseguia amá-los como amei Lydia... Às vezes me sentia tão mal por isso, eles não mereciam esse desprezo. Porém não conseguia evitar.
- Bom descanço para você também, Papai... - Aquelsas orbes vermelhas e castanhas me analisaram. - Por que você não tira um cochilo? O senhor Parece tão cansado...
- Tá bom... - Falo amargamente. - Depois obedeço a sua ordem.
- Hã...?! - Bocejando de sono Jason voltou para seu quarto fechando a porta. Ele estava com tanto sono que não percebeu a minha indireta, mas Murds percebeu.  
- Stu, que porra foi essa?! - Ele rosnou zangado comigo tantando não gritar.
 - Como?! - Me fiz de desintendido.
- Você ta agindo estranho para caralho!
- É por que você se acostumou com a minha personalidade de quando eu estava grávido!!!  - Disse entre dentes mais triste do que furioso. - Você me engravidou logo depois de Lydia morrer!!! - Não conseguindo me segurar eu começo a chorar. Aquela minha reação deixou o meu namorado magoado, e ele sempre reagia mal quando estava assim.
-Afff, 2D!!! - Ele elevou um pouco a voz. - Você sempre faz isso para me fazer sentir culpado!!! - Suas mãos esverdeadas pousaram em seus olhos, ele estava chorando?!
Sim, estava. Minha culpa pesou ainda mais. Até porque sabia que todos inclusive as crianças estavam escutando a nossa briga.
- O CULPADO NÃO É VOCÊ, SOU EU!!! - Começo a  gritar histérico segurando a minha cabeça em completa confusão. E nessa hora o baixista perde a paciência.
- PARE DE SE CULPA, STU...!!! - Rapidamente o verde se aproximou de mim agarrando os meus ombros com força. Senti suas unhas por debaixo do tecido.
- SE EU NÃO FICASSE QUERENDO ME "DROGAR" COM AQUELE REMÉDIO ELA NÃO TERIA MORRIDO!!!
Mesmo com o meu escândalo, Murdoc tentou me acalmar.
- Pelo menos não foi você que morreu! - Ele falou secamente e aquela resposta me chocou. Arfei de susto saindo daquela crise de pânico, e vendo o que fez Murdoc tentou se desculpar. - Desculpe...Stu, me desculpe... - Niccals sussurrou se arrependendo do que fez. Eu pousei o meu olhar amendrontado no homem verde que tinha me soltado a poucos segundos. - Eu não queria-
Ele estendeu a mão tentando tocar no meu rosto mas me esquivei dando um passo pra trás, tremendo de medo. Ele não sabia do que estava falando, ele não sabia de nada do que eu tinha passado naquele acidente de carro, ele não sabia...
Vendo o que tinha acabado de falar ele se afastou  rapidamente de mim, descendo as escadas e sumindo do meu campo de visão. Apertei os lábios tentando conter o choro. 
Ele falou que não se importava se Lydia tinha morrido...
ELE NÃO SE IMPORTA!
- Papí? - Ellen me chamou aparecendo de onde estava escondida. - Cê tá bem? O que o ''Pazão" tava falando... - Ela perguntou curiosa. - Quem é "Lyda"?
- NÃO TE INTERESSA!!! - Olho pra ela com raiva e corro para o meu quarto furioso fechando a porta com força. Escuto um soluço dela do lado de fora e passinhos se afastando. Ótimo, assustei mais um. Talvez seja melhor assim. 
" Ninguém se importa com a agente né, Querida? " - Penso acariciando a minha barriga plana, que antes dos gêmeos era um pouco arredondada. 
Nem seu pai se importa.
ELE NÃO SE IMPORTA!!!
Então eu não me importo com nada, nem ninguém.
Eu.Não.Me.Importo.Comigo...


=============
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...