História Crazy - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Alexa Vega, Amor, Bieber, Chaz, Christian, Comedia, Criminal, Criminoso, Jack Gilinsky, Justin, Justin Bieber, Romance, Ryan
Visualizações 18
Palavras 1.197
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Festa, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais um capítulo para vocês!!!!
O que estão achando??

Capítulo 2 - Problemas a vista.


Fanfic / Fanfiction Crazy - Capítulo 2 - Problemas a vista.

– Atrasada querida, atrasada. – Liam disse quando entrei na sua sala.

– Pai, não começa. – Sentei em sua frente.

Eu não estava atrasada, mas ele deve imaginar aonde passei a noite. Então vai ficar implicando até não querer mais é sempre assim. Liam ficou me olhando com ternura e pensei até ter visto seus olhos marejados.

– Você sabe que te amo, não é?

– Pai…

– Só quero teu bem, querida. Seu bem e do seu irmão. Vocês são os meus bens mais preciosos…

– Não quero brigar, por favor. – Pedi.

Liam respirou fundo se ajeitando na sua cadeira giratória e olhou para o porta-retratos em cima da sua mesa na foto estávamos eu, ele, Jack e minha mãe. A gente estava na praça fazendo piquenique e nesse dia meu irmão deixou entornar açaí no meu lindo vestido branco, éramos crianças na foto e Jack me deixava de cabelo branco de tanto que era atentado. Sinto saudades daquela época, todos sentimos.

– Sinto saudades dela. – Sussurrei.

Liam sorriu.

– Também.

Laura, minha mãe, morreu em um acidente de carro. Ela era médica e nesse dia teve que fica até mais tarde no hospital na volta para casa era de madrugada e chovia muito. Eu tinha dezenove anos quando tudo isso aconteceu, Jack ficou arrasado, mas juntos tentamos superar. Porém mãe é mãe e nos deixou saudades.

– Vamos voltar ao trabalho. – Liam ficou sério. – Archy, fugiu na cadeia.

– Louis Archy? – Perguntei surpresa.

– Sim, ele mesmo.

– Ele não estava em Londres?

– Estava e resolveu fazer Atlanta a sua nova moradia. – Liam debochou. – Coisa que não vamos deixar.

Louis Archy é um gangster que saiu correndo de New York depois que seu grupo foi pego, dizem que ele é perigoso e sua fixa não mente. O cara mata sem piedade e ama torturar as pessoas isso até me lembra o… Justin. Tento não levar meus pensamentos para esse lado.

– Já temos problemas com os nossos. – Revirei os olhos. – Vamos ter que ficar de olho nesse também.

– A vida não é fácil, filha.

Revirei os olhos novamente.

– Espero que esse Archy não dificulte muito as coisas.

[…]

– Boa tarde, donzela de Atlanta.

Eu ri.

– Larga de ser idiota, Paulo!

Abrir a porta do carro e sentei no banco de carona, pronta para mais uma rotina. Paulo entrou logo em seguida.

– Poxa, não gosta quando te chamo de donzela, princesa, rainha…

– São palavras muito delicadas para minha.

E era mesmo.

– Mas é verdade…

– Me chama de Mandy.

Ele ligou o carro e seguimos pelas ruas de Atlanta.

– Ah, não! É muito comum e somos íntimos o suficiente para temos apelidos. – Paulo falou sorrindo.

Não tão íntimos.

– Mesmo assim, você sabe que não gosto dessas frescuras de apelidos. E estamos trabalhando. Fim de papo. – Dei um fim nessa conversa.

Ajeitei minha roupa e fiz um rabo de cavalo no cabelo para não me atrapalhar. Depois de algumas horas nas ruas Paulo parou o carro em frente a lanchonete Clayton’S e foi pegar nossos lanches para comermos, sair do carro e me escorei no capo esperando Paulo. Sentir meu celular vibrar e olhei para os lados para ver se não tinha nada suspeito, antes de pegar meu celular.

“Não gosto de ver você perto desse idiota!” – Justin.

Eu ri. Humm, ele deve está por perto.

“Está aonde?”

“Por que quer saber? Quer me prender?” – Justin.

“É o sonho dos policiais de Atlanta, mas no meu caso só se for para prender na minha cama.”

“Eles são iludidos… Gostei dessa parte de prender na cama. Você com essa farda de policial é uma delícia!” – Justin.

Ri alto, imaginando Justin mordendo os lábios e sorrindo malicioso.

– O assunto está bom, hein? – Paulo falou.

Olhei para ele tentando para de rir.

– Nada demais. – Peguei o café que ele me ofereceu.

– Vai querer rosquinhas?

– Não, obrigado.

Voltei a digitar uma mensagem para Justin.

“Uma delícia é? Hum. Cuidado! Meu marido, pode não gostar de saber disso.”

Enviei e logo tive resposta.

“A única coisa que seu marido não está gostando nesse momento é esse idiota do seu lado te olhando descaradamente” – Justin.

Paulo me olhava pensativo e sorrindo ao mesmo tempo. Ignorei voltando para as mensagens.

“Aonde você está?”

Demorei para ter minha resposta. Justin não ficaria estressado só porque Paulo estava me olhando, ficaria?

“Depois a gente se fala. Se cuida!” – Justin.

Ah, não!

“Justin? Pode parando! E me fala aonde você está!”

Não tive resposta. Bufei e resolvi conversar com Paulo que já tinha parado de me olhar descaradamente e ficamos conversando por um tempo, voltamos para o carro. Paulo é um grande amigo e trabalhamos juntos há três anos, sei que posso contar com ele para o que precisar e o mesmo pode contar comigo. Começamos juntos na polícia e se fosse pelo meu pai eu estaria casada com Paulo e não com Justin.

Justin cisma que Paulo gosta de mim. Ok, as vezes parece. O jeito dele dá a entender que gosta de mim, mas é apenas o jeito caloroso que Paulo tem. Porém desde que Paulo entrou para polícia e trabalhamos juntos Justin tem vontade de esganar o Paulo.

– Câmbio patrulha 59, estão me ouvindo? – O rádio do carro apitou.

– Câmbio na escuta. – Falei segurando o rádio.

– A duas quadras daí a um suspeito que envolve Archy. O nome é Gregory. Vão até lá e qualquer coisa chamem reforço.

– Ok.

Coloquei o rádio no lugar e Paulo acelerou mais um pouco para chegamos logo. Paulo diminuiu um pouco o carro quando estávamos chegando perto de um grupo de homens. Saímos do carro e andamos até o grupo eles ficaram nos olhando parando de conversar entre eles.

– Jeito fácil ou jeito difícil? – Paulo perguntou.

Eles se entre olharam.

– Qual é, mano? Aqui só tem sangue bom, não queremos treta. – um deles falou.

O cara era alto, não muito magro, olhos castanhos. Olhei para cara de todos no total era cinco, dois parecia ser menor de idade e o que falou parecia ter uns vinte e poucos anos.

– Nem a gente, mas…

– Quem é Gregory? – Perguntei interrompendo Paulo.

Não estou nem um pouco a fim de papo furado. Depois que falei o nome todos me olharam com atenção, mas apenas um, deu um passo não muito grande para trás. O cara era moreno todo tatuado e usa correntes de prata no pescoço.

– Aqui não tem nenhum Gregory. – O mesmo cara falou.

Ignorei e continuei olhando para o meu alvo.

– Acho bom vim por livre e espontânea vontade…

– Qual é moça, tá perdendo seu tempo…

Encarei o cara que continuava querendo falar por todos dali.

– O meu papo não é com você. Então não se envolvi! – Falei firme.

– Moça…

– Você mora nessa casa? – Apontei para casa atrás dele. Assentiu. – Aposto que se eu entrar aí dentro vou achar cocaína suficiente para colocar você na cadeia por dez anos.

O cara engoliu em seco e puxou o moreno pelo braço.

– Esse é o Gregory.

Sorrir. Os outros começaram a reclamar, chamando o cara que entregou o Gregory de dedo-duro e entre outras coisas. Paulo se aproximou do Gregory e o levou para dentro do carro em nenhum momento Gregory falou nada ou esboçou emoção. Não sei se isso é bom ou ruim.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...