1. Spirit Fanfics >
  2. Crazy in love - Yugbam >
  3. Algo de errado

História Crazy in love - Yugbam - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Boa Leitura^^

Capítulo 5 - Algo de errado


"Algo está errado."

Diziam as vozes alvoroçadas em minha mente, por cima de todo e qualquer pensamento que tentava se formar naquele momento. Nesse ìnterim, sem muito foco, meus olhos acompanhavam algumas pequenas gotas de água que escorriam das minhas têmporas até o meu queixo, tentando acalmar minha respiração e cada mínima célula do meu corpo com aquela distração.

Meu coração estava acelerado, ao que pensei que pudesse quebrar a caixa torácica e fugir para a lua, e minha respiração estava completamente ofegante, como se estivesse fugindo da polícia há horas. Meu corpo inteiro reagiu aquele pequeno contato corporal com o Kim e quis me punir por o rejeitar de maneira tão arisca, contudo, para as vozes aquilo não era o mais importante agora.

Minha mente repassava todos os últimos acontecimentos buscando minuciosamente pelo que as vozes diziam estar errado ali.

Primeiro fui abraçado de maneira ousada pelo Yugyeom, este que acreditou que seria tratado como se os últimos quinze anos tivessem sido deletados da minha memória. Em seguida, eu machuquei sua bochecha e o empurrei para longe irritado com toda a situação em que me encontrava. Seu arrostar sobre mim era de surpresa e fúria - apesar de não ter o direito de sentir a última emoção - enquanto estava jogado no chão chão com o indicador sobre o machucado, limpando a fina camada de sangue sobre o mesmo. Como eram apenas espectadores, não fiz questão de reparar muito no Im e no Choi, pelo menos não de forma consciente... Em algum momento, notei o olhar de arrependimento e culpa que ambos carregavam, era como se estivessem omitindo algo importante e essencial.

"Eles fizeram algo. Eles escondem algo!"

As vozes histéricas faziam um alvoroço em minha cabeça tentando me convencer de algo que nem ao menos elas sabiam, mas queriam descobrir sobre. Realmente, algo parecia errado naquela cena e me incomodava bastante, contudo eu não queira pensar sobre aquilo; eu não queria buscar por uma resposta, eu queria aproveitar com a minha família.

- Por favor! - Implorei começando a me sentir tonto com todo aquele motim em minha cabeça. Me sentei na tampa do sanitário, ao que fiquei com medo de cair. - Mantenham a calma! - Supliquei respirando profundamente, fechando os olhos com força durante o ato, buscando a bonança no pátio escolar que a minha cabeça havia se tornado. - Me deixem ter calma, vamos apenas aproveitar com a nossa família. 

"Nossa família fez algo errado!"

- Ou não, vocês também não tem certeza! - Disse de uma vez, recebendo uma diminuição naquela confusão e, logo, paz para conseguir raciocinar. - Conversamos em casa...

Respirei fundo recolhendo toda a minha paciência para reanalisar toda a situação de forma minuciosa, chegando a conclusão de que os olhares da plateia foi o que me incomodou por parecer suspeito. Todavia, conhecia sua família, se estivesse guardando algum segredo cedo ou tarde lhe contariam. Levantei-me da tampa do vazo e lavei meu rosto mais uma vez, não fazendo questão de secar o mesmo antes de sair do banheiro, caminhando desatento em direção ao andar inferior da casa.

- Chegamos família! - Acordei dos meus pensamentos ao ouvir aquela voz, apressei os passos descendo a escada rapidamente.

Diante da porta principal estava Jackson Wang atrapalhado e ofegante carregando três bolsas diferentes, e algo que não identifiquei o que era. Me aproximei apressadamente com a pretensão de oferecer ajuda para ele, porém o Jaebum foi mais veloz que eu, arrancou duas bolsas da mão do Wang caminhando em direção a sala, sendo seguido por ele, sem precisar verbalizar tal pedido.

Como esperado por mim, Mark Tuan entrou logo atrás distraído com algo, contudo inesperadamente esse "algo" não era seu celular, mas sim um bebê gorducho. Em meio ao choque analisei o bebê tentando buscar traços similares ao do casal, porém naquele pequeno estudo apenas fui capaz de deduzir que era uma garota, por conta do vestido azul bebê e o laçarote roxo prendendo seu cabelo no topo da cabeça.

Demorou um tanto para que a atenção do Tuan caísse sobre mim e seu sorriso tão radiante fosse aberto na minha direção. O maior soltou um dos braços da pequena bebê, para me receber em um abraço possivelmente torto. Corri em sua direção, agarrando sua cintura desesperado por aquele pequeno abraço, beija do seu pescoço despretensioso.

- Senti sua falta, Maki! - Sorri largo sem sair daquele abraço confortável e caloroso, realmente não me importando se teria uma resposta ou não, só queria aproveitar ao máximo aquele carinho, do qual senti tanta falta. 

Mark sempre foi o mais calado entre os meus familiares, porém aquele seu silêncio foi o meu maior abrigo para toda e qualquer situação. Ele sempre foi como o irmão mais velho que não tive a chance de ter ou ser, sempre cuidou de mim da sua forma gentilmente bárbara. Sempre me trazia conforto com o seu silêncio e seus poucos conselhos, estes que sempre foram os mais sábios e sensatos de todos. Ele nunca me negou qualquer ajuda que fosse, independente do que estivesse pedindo ou do erro cometido por mim, eles estaria lá lealmente. Sempre valorizei sua lealdade ao máximo.

- Bambie! - Uma voz familiar exclamou atrás de mim - parecendo tão animado quanto eu -, minha atenção foi instantâneamente atraída para aquele ser; me virei em sua direção sorrindo largo olhando para ele. Jackson continuava o mesmo loiro másculos, que na realidade não passava de uma homem extremamente amoroso e atrapalhado.

- Jackie! - Sem delongas me soltei do Mark, correndo em sua direção sem que o sorriso deixasse meus lábios, mesmo quando pulei em seu colo agarrando seu pescoço. Trocamos um abraço extremamente apertado, algumas poucas palavras carinhosas e elogios acompanhados de palavrões, como nos costumávamos fazer há quinze anos atrás.

O Wang era meu irmão para toda zoação, sempre estávamos brincando e/ou implicando um com o outro, sem falar sobre as brigas por coisas fúteis e as brincadeiras que envolviam certa violência. Apesar do jeito infantil sabíamos quando tínhamos de encarar algo de maneira séria ou quando precisávamos de ajuda com qualquer coisa que fosse.

- Bamby. - O Tuan chamou minha atenção novamente para si, ao que fui colocado no chão. - Essa é a Munyeong Tuan-Wang. - Expôs a bebê para mim enquanto se aproximava um pouco mais de nós, tendo nossa atenção. 

A garotinha me olhava completamente desconfiada e ao mesmo tempo parecia estar me analisando e julgando enquanto eu fiquei paralisado absorvendo tal informação, já que nunca lhe falaram sobre a bebê. As vozes voltaram àquela algazarra ensurdecedora e eu voltei a ficar completamente tonto, contudo me esforcei para ignorá-las nesse meio tempo fiz uma careta lada descontrair recebendo uma gargalhada gostosa.

- Oi, gorduchinha! - Estendi meu indicador em sua direção observando a pequenina mão rechonchuda agarrar o mesmo e um sorriso de poucos dentes ser direcionado a mim. - Ninguém me falou sobre você antes, mas é um enorme prazer te conhecer. Abri um pequeno sorriso meio maléfico antes de desviar os olhos para o Mark, vendo seu desconforto tão visível quanto água cristalina, apenas  por conta de um pequeno sorriso amarelo. Senti uma mão em minhas costas acariciando as mesmas com a leveza de uma pena, antes de escutar um suspiro alto. Sem tirar o sorriso dos lábios, beijei seus dedinhos delicados e soltei sua mãozinha.

- Comida pronta! Venham comer!


Notas Finais


Olá! Como estão?

Gostaria de me desculpar pela longa espera, mas tive alguns momentos difíceis nos últimos tempos, espero que entedam... Enfim, compartilhem com os amiguinhos, espero que tenham gostado!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...