1. Spirit Fanfics >
  2. Crepúsculo: Uma jornada de magia. >
  3. Acalmando a fera.

História Crepúsculo: Uma jornada de magia. - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - Acalmando a fera.


Fanfic / Fanfiction Crepúsculo: Uma jornada de magia. - Capítulo 6 - Acalmando a fera.

Pov Beau:

Depois de dirigir e nos trazer até a garagem, encolhi minha ferrari e coloquei no meu bolso expandido, e sem trocar nenhuma palavra, andei com Alex nos braços e fui até a academia onde tranquei a porta com força, deixando para trás um Jacob confuso bagunçando o cabelo.

Na área de treino, várias máquinas de musculação novas em folha estavam distribuídas ordenadamente. Num canto ao fundo da sala, um grande saco de areia preto que eu reforcei com runas para não rasgar, estava pendurado implorando para eu descarregar minha raiva nele.

Durante os anos em hogwarts, apesar de aprender magia, eu também comecei a praticar Muay thai, e já era faixa preta de 3 dan. Eu percebi, que apesar de ser em quantia menor, meu núcleo mágico ainda absorvia a magia no ambiente quando eu treinava até quebrar o limite.

Graças a isso minha aptidão atlética é superior aos atletas comuns, onde apenas aqueles soldados das forças especiais poderiam me dar um aquecimento. Quando eu fizer o ritual e me tornar um lobo também, serei como o hulk sem problemas de raiva.

Pensar em me tornar um lobo me trouxe a imagem desagradável da minha irmã nos braços de Jacob, e me deixou irritado de novo. Minha mente diz que eu estou sendo ridículo com isso tudo, mas meu coração ainda fica em chamas de ciúme. O peito onde deitei a cabeça, onde beijei, saboreei, lambi, e mordi. O meu cheiro, minha marca pessoal, tudo foi apagado porquê minha irmã se agarrou a ele. Acho que por ser um lobo animago, mas meu senso de território e espaço pessoal foi intensificado.

Eu não lembro de ser tão irritadiço e possessivo nesse nivel antes. Ou talvez, eu sempre fosse e o problema é que eu nunca tivesse amado alguém de verdade tão profundamente quanto agora.

Coloquei meu baby dentro do berço um pouco afastado de mim, mas ainda nas minhas vistas. Estalei os dedos cercando com um barreira protetora e refrescante para evitar o cheiro de suor chegar nele. Eu aprendi a usar magia sem varinha durante uma de minhas missões na África, onde encontrei um bruxo da escola africana, que me ensinou como fazer, em troca de uma noite comigo por ter me achado bonito. Fiquei receoso, mas o meu instinto de ficar mais forte e saber mais sobre magia venceu. Aquela foi minha primeira vez transando com um homem. Mesmo eu sendo o ativo, foi uma noite estranha e surpreendentemente prazerosa.

Durante 3 meses, ele me ensinou magia sem varinha, e recebeu a minha varinha como pagamento. Haha. Bons tempos. Voltando ao momento atual, sinto uma parte da minha raiva esfriando, mas posso observar que não passou totalmente.

Tirei a roupa chique, e fiquei apenas de boxer preta e sem camisa, com meu corpo musculoso e peludo de fora. Enrolei umas faixas na mão até metade do ante-braço, e tomando uma pose de Muay thai levantando um joelho a altura do meu peito, e adotando a postura, comecei a dar infinitos golpes no saco de areia.

Pow, pow, pow!

Eu não pensei em mais nada. Apenas a cena daqueles dois abraçados continuava a voltar a minha frente. De novo, de novo, e de novo. E a cada vez eu esmagava meus punhos, cotovelos, joelhos, perna e pés no saco o fazendo voar a cada pancada, que se atingisse uma pessoa, poderia causar graves danos internos, até quebrar os ossos.

Eu de tão concentrado em expulsar minha raiva, não notei Jacob entrando e parando ao lado do meu baby enquanto me observava pensando no que diabos tinha feito para entrar no meu lado irritado.

3 horas se passaram sem que eu desse uma pausa em bater no saco de areia. Meu corpo sarado e peludo estava brilhante de suor. Minha cueca boxer estava transparente mostrando minhas partes a um certo observador que engolia em seco.

Eu continuaria treinando, mas ouvi meu filho chorar de fome, e dei um último chute alto que fez o saco voar e bater na parede com um estrondo. Se eu não tivesse encantado, poderia ter quebrado a parede.

Me virei pegando uma toalha e secando meu rosto e corpo, quando notei um certo lobo safado de quase 2 metros de altura me observando com olhos cheios de desejo. Desde a primeira que eu o fodi, Jacob se mostrou um viciado em sexo, e sempre que tinha chance, me atacava onde eu sempre acordava com a boca dele em meu pau, logo antes dele sentar diretamente e me cavalgar.

Mas hoje não. Ele não ia me fazer ceder a foder seu corpo deliciosamente quente e sexy que me despertava um tesão grande. Mantive a cara fria, e esperei ele falar enquanto eu estalava os dedos para me limpar, e conjurava a mamadeira de Alex, e o apoiava nos braços e o dei de comer enquanto o balançava devagar sibilando uma música.

Logo depois que terminou e o fiz arrotar, ele fechou os olhos com um bocejo fofo e dormiu. O acariciei as costas, e beijei sua testa enquanto o botava no berço de novo. Ainda estava fingindo ignorar Jacob que me olhava como um cachorrinho perdido. Não, ignore. Não amoleça por ser fofo o olhar dele de bajulação.

Parti para o banheiro ao lado, e o senti me seguir. Entrei e deixei a porta aberta como um convite que ele aceitou. Tirei minha única peça de roupa em mim, e ficando nu na sua frente, liguei o chuveiro no banheiro de azulejo verde e comecei a me molhar, tocando provocantemente meu tanquinho e peitoral de forma sensual, mas com a cara fria.

- Bem, Beau. Poderia por favor parar de me ignorar, e dizer o que eu fiz de errado que você mal olha e fala comigo? Eu realmente não entendo onde errei. [Jacob perguntou enquanto era torturado pela indiferença e a sensualidade pura do homem a sua frente. Eu quase não me contive em segurar sua cintura, me ajoelhar e sugar aquele pau grande e suculento molhado do chuveiro. Mas me controlei, pois vi muito bem a raiva nos golpes que ele deu no saco de areia, e aposto que minha cara estaria no alvo daqueles golpes furiosos.]

- *Suspiro* Vou lhe contar o que eu vi, e você vai entender. Desde o momento em que você sumiu quando entramos naquela festa, eu passei todo o tempo sozinho num monte de estranhos humanos e vampiros, segurando meu filho com nenhum conforto ou segurança ao meu redor. Depois de cansar de esperar, eu o procurei em todos os lugares, e o encontro na borda da floresta. E qual cena eu vejo? Meu namorado que diz que só tem olhos para mim, agarrado a minha irmã que estava enrolada nos meus braços, no peito onde sempre apoio minha cabeça, sentindo o cheiro do meu homem, conversando sobre a lua de mel da minha irmã, que por acaso era seu primeiro amor que não deu certo, onde você se livrou de sofrer ao sofrer Imprinting por mim. Deixei de fora alguma coisa? Eu sei que é meio irracional. Mas meu coração ficou magoado ao ver aquela cena. Você sabe que essa relação nossa, é uma coisa nova para nós dois, que passamos de héteros, a um casal. Eu ainda me sinto inseguro em relação a você e Bella, e sempre digo a mim mesmo para aceitar o seu passado e seguir em frente, pois você também precisa aceitar minha bagagem e o fato de eu ter um filho. Mas será que seria pedir muito você considerar o fato que eu não gosto de outra pessoa nos seus braços, ao seu redor, ou ao menos em contato com você que não seja eu? Já passou pela sua cabeça, que eu possa ter ciúmes da sua super amizade com Bella? Eu sei que vocês agora ainda são melhores amigos, e tudo. Não estou pedindo para você parar de ser amigo dela. Apenas, você pode me contar as coisas também sabe? Eu não sou apenas o seu amante que ama transar com você, ou sua paixão lasciva onde você pode desfrutar do prazer. Eu vou ser seu parceiro para sempre. Então apenas peço, pode pensar um pouco em como me sinto nessas horas? Por favor? [Eu terminei com meu coração aliviado por ter dito, e meio triste quando realmente pensei em tudo o que eu disse. Depois disso, não disse mais nada e apenas tomei banho em silêncio.]

Pov Beau fim.

Pov Jacob:

Aquelas palavras longas me eram familiares. Parecia que eu estava vendo uma sombra minha em Beau. Aquela dor em sua voz, o ciúme, a raiva, e aqueles lindos olhos verdes cheios de tristeza e solidão. Aquilo me partiu o coração, quando percebi que eu era o culpado por deixá-lo assim.

Todas as palavras dele eram iguais a flechas que perfuravam meu coração. Ele foi meu anjo que me salvou do sofrimento nas minhas horas mais sombrias. Eu não apenas seduzi o anjo e o fiz cair a terra por meu egoísmo, como sempre provei seu corpo dentro de mim, ignorando subconscientemente os sentimentos ocultos dele, por causa do jeito meio forçado que nosso relacionamento começou.

Agora que ele jogou todos os fatos na minha cara, percebi o bastardo insensível que eu estava sendo. Mesmo que meu corpo e mente reajam e sinta que Beau é a unica razão da minha existência atualmente, minha mente ainda era muito ligada a Bella, mesmo que eu realmente não goste mais dela como mulher.

O golpe final foi a tristeza e solidão naqueles olhos verdes. O ciúme possessivo, mas guardado nas profundezas verdes daquele olhar. Era como um garoto abandonado na chuva. Suspirei, e comecei a tirar minha roupa ficando nu, e logo cheguei atrás dele que se molhava em silêncio debaixo do chuveiro, e o abracei por trás. Senti ele tentar se afastar, mas o apertei delicadamente no meu peito e o fiz deitar a cabeça nele que desistiu e apenas fechou os olhos. 

Senti seu corpo gelado na minha pele. Seu cheiro de shampoo no cabelo quando dei um beijo de desculpas em sua cabeça. Nesse momento, eu não tinha nenhum desejo sujo. Apenas senti a dor de ter magoado meu anjo guardião, e o mantive em meus braços enquanto lutava para esquentar seu corpo frio molhado debaixo d'água.

Vi ele levantar o rosto frio e indiferente e olhar diretamente nos meus olhos. Eu reconheci esse olhar depois do pouco tempo que passamos juntos. Ele quer uma explicação e uma promessa silenciosa. Apenas suspirei no meu bruxinho pegajoso, mas sorri.

- Me perdoe por ter negligenciado seus sentimentos todo esse tempo Beau. Me perdoe por não pensar em você primeiro sempre, como prometi. Me perdoe por ter magoado seu coração. A coisa mais preciosa para mim. Me perdoe por não pensar que você não gostaria de como eu normalmente trataria Bella antes de gostar dela. Me perdoe por ter colocado de lado seu ciúme, e desejo de posse por mim. E você está certo. Você está no direito de reclamar, pois eu sou todo seu de corpo e alma. Só você pode usar meu corpo como um refúgio seguro. Só você pode ter o direito de ter minha mente me preocupando com você o tempo todo. So você, tem o direito de guardar meu coração, e fazer o que quiser com ele. Não pense por um momento, que meu coração, corpo e alma não são inteiramente seus Beau. Eu apenas sou um idiota que as vezes não pensa se eu estivesse no seu lugar. Eu faria a mesma coisa se alguém chegasse perto de você, e invadisse o meu território, apagasse meu cheiro em você, e roubasse sua atenção e tempo de mim. Me perdoe por não cuidar do seu coração por um momento. Eu lhe prometo que irei lembrar de suas palavras. Vou sempre abrir meu coração com você. Porquê além de ser o meu homem, você sempre foi meu melhor amigo a quem eu sempre contei segredos, Beaufort Charlie Swan. [Eu disse enquanto baixava meu rosto e o beijava delicadamente com medo de assustá-lo para longe de mim. Sua lingua macia e teimosa, aqueles lábios macios e cheios, sua respiração ofegante do beijo. Sua pele lisa cheia de cicatrizes de batalha, aquele corpo forte e musculoso colado ao meu quente. Nesse momento, não existia nada nem ninguém além do homem em meus braços. Beaufort Swan.]

Lentamente o levei em meus braços ainda o beijando com carinho, mas um pouco mais forte, com os braços dele ao redor do meu pescoço. Logo chegamos ao nosso quarto, e na beira da cama. Antes que eu pudesse deitá-lo embaixo de mim, senti ele me derrubar com força na cama, e começar a beijar, morder e lamber meu corpo ferozmente.

Senti minha temperatura subir ainda mais quando senti o corpo inteiro daquele homem me consumindo de todas as formas, e atingindo todos os meus pontos de prazer. Eu era como um piano sendo tocado por um mestre. Perdi totalmente o controle, e apenas gemia a cada nota musical que ele tirava do meu corpo.

Quando senti meu interior preenchido, e os golpes fortes, intensos e incansáveis, olhei seu rosto e olhar que possuíam um desejo infinito por mim. Pude ver em seu olhar fixo nos meus olhos, um medo de me perder. Um medo dele não ser o suficiente. O medo de ser esquecido e abandonado.

O medo de ser rejeitado. Todas essas emoções, que eu normalmente não conseguia ver, Beau estava me mostrando enquanto me fodia com força e habilidade. O abracei e o beijei enquanto meu corpo imenso subia e descia com intensidade.

Uma noite inteira fui golpeado sem piedade por meu anjo guerreiro, e no dia seguinte eu tive que esperar um pouco para me curar para poder voltar a andar direito. Acordei sentindo um cheiro gostoso de comida. Sem me dar ao trabalho de colocar roupa, apareci nu na cozinha e o vi no fogão com o bebê sentado no berço, enquanto mexia numa frigideira enorme. O abracei por trás, e colocando meu queixo em sua cabeça, vi o monte de panquecas que ele estava assando.

Quando ele terminou de assar e se virou, eu fui beijá-lo, mas ele colocou um dedo nos meus lábios com um sorriso malicioso. E deu a sentença que espero nunca mais ter que ouvir. Sem sexo por 3 semanas. Nem beijo, abraços, nem dormir na mesma cama que ele eu podia. Vi seu olhar duro e petrificado. Sabia que ele tinha me perdoado, mas eu ainda não me livraria do julgamento do juíz. Apenas suspirei e sentei emburrado na cadeira e comecer a comer mecanicamente meu café da manhã.

Só imaginando minhas noites solitárias na casa do meu pai, no meu quarto minúsculo, sinto uma nuvem de tristeza e solidão chegando. 

Pov jacob fim.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...