História Cretino abusado- Fillie - Capítulo 25


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Dustin Henderson, Eleven (Onze), Lucas Sinclair, Maxine "Max" Mayfield / "Madmax", Mike Wheeler, Will Byers
Tags Caleb, Fillie, Finn, Gaten, Jack, Millie, Noah, Romeo, Sadie
Visualizações 146
Palavras 1.804
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Famí­lia, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Pequeno ksjz, Boa leitura!❤❤❤

Capítulo 25 - Vinte e Cinco


Dois dias depois, comecei a construir o novo galpão na casa de Millie. Seria bom conseguir deixar todo o meu equipamento de jardinagem em um lugar sem ter que levá-lo de um lado para outro. Eu precisava admitir. Millie  tinha agora o jardim mais bonito de Temecula.

Estava quente e eu precisava me refrescar. Começava a me sentir desidratado, então pensei em parar.

Usando a minha chave, entrei na casa para beber algo e usar o banheiro antes de ir embora. Pixy estava tão acostumado a me ouvir entrar que nem sequer se mexeu.

Eu não falava com a Millie  desde a nossa viagem e não tinha ideia do que ela estava pensando. Parecia que fazia uma eternidade que não a via. Minha única pista estaria dentro da casa, mas eu sempre me sentia um merda quando a bisbilhotava. Felizmente, não havia nenhuma evidência óbvia de que Dick tivesse aparecido ali nos últimos dias, o que erabom. A casa estava sem sinal de sua presença, do jeito que eu gostava.

O suor escorria do meu corpo enquanto o cabrito me seguia. Perguntei-me se Millie se importaria se eu tomasse um banho rápido. Como eu estava me segurando para não entrar em contato, mandar uma mensagem para perguntar não era uma opção. Mas eu também não via problemas nisso.

— Você não vai contar pra ela, né, Carré?

— Béé.

— Bom garoto.

Tirei a roupa e a deixei em uma pilha do lado de fora do banheiro. Embaixo da água morna, meus pensamentos, é claro, se voltaram para ela. Usar seu sabonete e xampu frutado era como mergulhar em um mar de Millie. 

Doce tortura. Segurei meu pau e comecei a me tocar, mas parei depois de pensar melhor. Mesmo que o desejo fosse intenso, não ia gozar no seu chuveiro de jeito nenhum. 

Com a minha sorte, eu acidentalmente deixaria um rastro de porra por ali.

Bem-vindaà casa gozada, Millie! Ela saberia que tinha sido eu.

Isso não ia ajudar a minha causa. Mas com um tesão do caramba, com certeza, eu precisaria bater uma quando chegasse ao hotel.

Quando saí do chuveiro, o banheiro estava cheio de vapor.

Limpando o espelho, olhei o reflexo do meu corpo definido eflexionei os músculos.

Porra, nada mau.

Com todo o tempo ao sol e os exercícios, meu corpo estava na melhor forma possível. Infelizmente, eu não podia usá-lo com ninguém no momento.

Esfregando a toalha vigorosamente sobre o cabelo molhado, voltei para o quarto de Millie. Uma pintura que mostrava uma mulher com os seios expostos na parede capturou minha atenção. Não estava ali da última vez. Devia ser nova. Puta merda. Era elegante, mas ainda assim não esperava que Millie tivesse algo do tipo.

Enquanto olhava a pintura, pensei em todas as coisas que nunca tivera a oportunidade de descobrir sobre ela. Millie  definitivamente gostava de sexo e isso me deixou triste, pois nunca havia tido a chance de explorar melhor aquele seu lado,

de ultrapassar fronteiras com ela e levá-la a lugares aos quais ela nunca tinha ido. Poderíamos ter feito tanta coisa nesses dois anos.

Merda. 

Eu estava ficando duro outra vez. Uma gota de líquido pré-ejaculatório se formou na ponta do meu pau.

 Eu estava muito duro.

Meu corpo tremeu com o som de sua voz.

Ela gritou:

— Ah, meu Deus!

Virei-me, expondo meu pau totalmente duro.

— Merda! — Enrolei a toalha na minha cintura para cobrir o corpo. Além de ter visto minha bunda ao entrar, ela também teve a experiência frontal completa quando me virei.

Ela parecia estar sem fôlego.

— O que você está fazendo?

— Eu… hum… ok… Então… estava muito quente. Eu precisava me refrescar. Tomei um banho. — Ri, nervoso. — Não achei que você se importaria.

— Acho que não me importo, mas, pelo amor de Deus,m você sempre costuma ficar parado olhando para a parede, no meio do cômodo, totalmente nu?

— Na verdade, eu estava olhando para essa linda pintura.— Meus olhos vagaram pelo corpo de Millie. Ela estava usando roupa de academia: um sutiã esportivo roxo que levantava seus lindos seios e uma legging justa. Vestida assim, ela claramente não estava esperando que eu ainda estivesse em sua casa.

 Normalmente eu não ficava tanto tempo, mas, como estava construindo o galpão, perdi a noção da hora. Ela nunca chegava em casa tão cedo.

— Por que você está aqui? — perguntei.

— Não sou eu quem deveria estar fazendo essa pergunta?

Esta é a minha casa.

— Eu sei, mas você nunca chega em casa antes das cinco.

— Eu fui ao médico, então não voltei para o escritório. Fui à academia e voltei cedo para tomar banho.

— Perdi a oportunidade, então. Poderíamos ter feito isso juntos.

Ela revirou os olhos, mas abriu um sorrisinho.

Não havia nada mais sensual do que ver Millie suada.

Minha ereção estava impossível de ser controlada. Meus sentimentos também. Enquanto eu permanecia ali, ainda enrolado na toalha, com meu pau saliente, aproximei-me dela. Seu corpo endureceu e entrou em algum tipo de modo de proteção.

— Senti saudades, Millie. Pode-se dizer que tenho tentado te dar espaço.

Seu peito arfava.

— Sei que tentou. Mas parece que agora não.

— Você está certa. Agora não.

Seus olhos baixaram para meu abdômen e depois subiram.

Ela não estava só olhando disfarçadamente para mim. Estava me analisando na cara dura. Suas pupilas pareciam estar dilatadas.

Aproximando-me ainda mais, não pude deixar de dizer como me sentia.

— Você queria saber por que eu estava olhando para a parede. Sabe em que eu estava pensando quando você entrou?

— Em quê?

— Estava pensando em como você se mostra como essa garota toda formal e respeitável, mas que, secretamente, é um pouco atrevida. Esse quadro na parede prova isso. Você é sexual por natureza, alguém que nunca ficará satisfeita com coisas comuns. Você é alguém que, quer admita ou não, quer tentar tudo e ultrapassar fronteiras. Sei que, se estivéssemos juntos, você me deixaria fazer todas as coisas que quero com o seu corpo. E você iria adorar.

— Que tipo de coisas? — ela sussurrou. Sua pergunta me surpreendeu.

Boa garota. Entra no jogo, gata.

— Vamos falar sobre o que eu gostaria de fazer agora se pudesse. Queria lamber cada gota de suor do seu corpo lentamente, começando pelos seus seios maravilhosos. Eu lamberia cada pedacinho do seu corpo e te comeria com tamanha intensidade até que você gozasse forte, com todo o meu sêmen dentro de você, no lugar a que ele pertence.

Ela parecia estar se contorcendo.

— O que mais? — perguntou, enquanto se afastava de mim, o que só me fez caminhar em sua direção até que meu rosto estivesse a apenas centímetros do dela.

— Então, eu te comeria de novo com a boca. E iria adorar fazer isso enquanto você engole meu pau. Acho que você também iria gostar. Queria ter você de todos os jeitos. Em cima de mim, embaixo e no meu colo com as minhas mãos marcadas nessa bunda deliciosa. Mal posso esperar para te foder de novo. Quando eu digo foder, realmente quero fazer amor intensamente, porque só isso é que poderia ser. Amor e sexo intenso e forte.

— Oh, Deus — ela murmurou, fechando os olhos.

Aproveitando sua fraqueza, pressionei minha boca faminta na dela e a beijei como desejava havia dois anos. Ela abriu a boca quando minha língua a invadiu, procurando a dela. O gemido que soltou pareceu viajar pela minha garganta até o meu pau. Ela passou os dedos pelos meus cabelos molhados enquanto eu a apoiava na parede, quase derrubando a luminária da mesa de cabeceira. Ainda só de toalha, eu sabia que precisava me afastar, mas não sabia como.

Finalmente, Millie tomou a iniciativa.

— Por favor. Pare.

Entre respirações ofegantes, gritei:

— Não consegue ver como você reage comigo? Não é óbvio que pertencemos um ao outro?

Ela caminhou até o lado oposto do quarto e começou a andar de um lado para o outro.

— Relacionamentos não se baseiam apenas em atração e sexo, Finn.

— Besteira. Isso é extremamente importante. Não me interessa o quanto Dick seja legal. Se ele não sabe como usar o pau para agradá-la, ele não vai te fazer feliz para sempre. De qualquer maneira, isso não vem ao caso. Você sabe muito bem que nos atraímos em todos os sentidos. É muito mais do que físico. Na verdade, a conexão emocional entre nós é o que mais te assusta. Então, o que está faltando aqui? Confiança? Porque eu daria meu braço esquerdo neste momento para provar que você pode confiar em mim.

Ela levantou as mãos e balançou a cabeça.

— Isso é demais. Eu não esperava que você estivesse aqui.

— Quando não será demais? Algum dia será o momento certo? — gritei e imediatamente lamentei ter levantado a voz.

Pixy fez um barulho. O sujeito estava sentado assistindo a tudo aquilo como se fosse um filme.

— Você o está assustando.

— Se ele não desmaiou, está tudo bem.

Ela foi até o banheiro, e eu a segui.

— Pare de fugir de mim quando começa a sentir alguma coisa. — Coloquei as mãos sobre seus ombros para detê-la. — Olhe para mim, princesa.

Ela se virou, parecendo como se estivesse prestes a chorar.

— O quê?

Eu sabia que era agora ou nunca. Fechei os olhos e os abri antes de respirar fundo.

— Eu te amo, Millie. Você não consegue enxergar isso? Estou perdidamente apaixonado por você. Te amo mais do que tudo neste mundo. Quando olho em seus olhos, não vejo só você, vejo meus filhos. Porra, vejo uma montanha de crianças e cabras surdas, mudas e cegas. Vejo meu futuro inteiro. Sem você, não vejo nada. Nada. Mesmo durante esses dois anos preso, lembrar-me de você foi o que me deu forças para seguir em frente todos os dias. Sei que você tem que resolver as coisas com ele, e não espero uma confirmação agora, comigo aqui de pé, enrolado nesta toalha. Vou esperar. Enquanto isso, estou aqui. Sou teu. A questão é: você quer ficar comigo ou vai me jogar fora?

Quando ela abriu a boca, o que saiu foi a última coisa que eu esperava.

— Aidan me disse que a empresa está se dissolvendo e o escritório vai fechar até o final do ano. Ele recebeu uma proposta para ser sócio de um escritório de advocacia de patentes em Boston. Só soube disso ontem. Ele quer tentar me contratar. De qualquer maneira, ele me pediu para ir com ele.

A adrenalina correu através de mim enquanto meu corpo se preparava para uma briga. Engoli o enorme nó na garganta.

— Quando ele vai embora?

Uma lágrima escorreu por seu rosto.

— Em duas semanas.



Notas Finais


Puta merda, esse final Mia Gente!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...