História Criminal Love - Second season - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Barbara Palvin, Cara Delevingne, Chris Wood, Doutzen Kroes, Dylan O'Brien, Gigi Hadid, Hailey Rhode Baldwin, Harry Styles, Izabel Goulart, Katherine McNamara, Lais Ribeiro, Michael Trevino, Nathaniel Buzolic, One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Visualizações 200
Palavras 2.929
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Poesias, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá amores, antes de lerem o capítulo vamos aos avisos.

• Criminal Love agora terá dias de postagem. Domingo, Quarta e sexta.

•Eu estava lendo hoje a fic, e vi que cometi um grande erro.O nome de duas personagens estão iguais, Phoebe e Phoebe.
Mas na verdade, é Sydney e Phoebe.
A amiga de Harry, citada no capítulo quatro, se chama Sydney e não Phoebe. Grande erro meu, que podia confundir vocês e eu na hora que as duas estivessem no mesmo ambiente.
Mas deixando bem claro, a amiga de Harry citada no capítulo quatro, se chama Sydney. E a menina que a Katherine está ajudando se chama Phoebe.
O marido da Sydney, citado no quarto capítulo se chama Alex Smith. E não Joseph. Pois novamente cometi o mesmo erro. E já tem um personagem chamado Joseph, ou seja irá confundir todos vocês. O meu erro está esclarecido e peço desculpas por isso. E eu já corrigi. Prometo prestar mais atenção nisso.

• Eu estou com uma nova fic, na verdade ela ainda não está sendo postada e nem nada. A fic será com o Justin Bieber. Mas minha inspiração foi tirada de Criminal Love. Lá irá retratar sobre esse negócio de Família, sangue e poder. Focarei bastante nisso. Além da gravidez da protagonista. As duas fics serão completamente diferentes, apesar de eu ter me inspirado em uma pra fazer a outra. A sinopse está nas notas finais.

• Quero pedir a todos que lêem a fic, que comentem, e favoritem. Sei que muitos estão lendo mais nem favoritando estão. Como já falei isso é muito importante pra mim.

• O elenco da segunda temporada é um pouco grande, por isso aos poucos eu vou colocando na capa os avatares. Mas caso vocês preferirem, eu posso por o elenco lá nas notas finais.

• Não esqueçam dos personagens da primeira temporada, como por exemplo, o pai da Kate, Daniel. A Chelsea e a Olívia. Pois todos eles irão ter seus nomes citados nos capítulos. Hoje por exemplo, teremos Olívia.

Só isso.

"Segredos da família".

Na capa : Peter Williams.

Boa Leitura
&
Beijos

Capítulo 6 - Family Secrets


Fanfic / Fanfiction Criminal Love - Second season - Capítulo 6 - Family Secrets

Se não podes ditar as regras, então não as cumpras”, Tony Soprano.

P.O.V Katherine

30 de setembro de 2022

Portland, Oregon - Estados Unidos 

- Eu posso ajudar, Kate. _ Phoebe falava enquanto eu andava, ela insistia em dizer que podia me ajudar, e eu sabia do seu potencial, a menina se dava super bem com os computadores. Chegava a ser igual ao Niall, se não melhor, que ele não saiba que eu se quer pensei nisso.

Mas o problema era que eu não queria meter ela nisso, Phoebe ainda era uma criança, ou não. Ela tinha dezesseis anos e se formos comparar eu e ela, bem eu já estava grávida e fazendo parteda pior família que o mundo já viu.

E seja por isso que eu quero privar ela disso tudo, não quero que ela se meta, não quero que ela sofra. Aos poucos íamos nos aproximando e a cada dia meu sentimento de amizade, carinho e proteção por ela só aumentava.

-Eu descobri coisas sobre Steven, sobre o passado dele com Styles. _ Ela diz e eu para de caminhar na hora, me viro pra ela e encaro a mesma.

- Eu disse pra você não se meter nisso, Phoebe. Você mal se recuperou de uma maldita confusão e já vai querer entrar em outra? _ Falo encarnado seus olhos, ela bufa e se aproxima mais.

- Você, Peter, Lucy, vocês são a minha família agora, vocês me tiraram daquele inferno que eu vivia, e não adianta dizer que não precisa da minha ajuda pois eu sei que precisa. Não se preocupe comigo, eu sei me virar. Eu quero ajudar, eu quero retribuí o que você fez por mim. _ Ela diz e eu ponho as mãos em seu ombro.

- Não fiz o que fiz esperando sua retribuição.

- Kate...

- Não quero te envolver nisso, Phoebe.

-Eu posso ajudar. _ Ela teima.

-Eu sei que sim, mas isso é perigoso, a vida que eu levo é perigoso, a família a qual eu pertenço é perigosa. Quanto menos você soube melhor.

- Não adianta, eu sou madura o suficiente para dizer o que eu quero. E eu quero ajudar o máximo que eu conseguir. Steven tem um grande exército de homens, ao que parece ele quer invadir a mansão de Styles no dia da festa de fim de ano, eu descobri isso invadindo seu sistema onde ele ponhe todos seus planos. Ele vive de roubo de cargas, assaltos a lojas e bancos, não vende drogas ou coisas do tipo, mas tem uma boa quantia no banco. Ele faz seus homens tatuarem um S, no pulso esquerdo. Eu comecei a pensar, e talvez seria S, de Steven ou até mesmo Sullivan, mas não, ele era bastante apegado a sua família, ele se achava da família, até Des fazer o que fez, desde então ele procura por vingança. Mas acima de tudo isso ele ama aquela família, afinal ele pertenceu a ela por um tempo. Eu andei invadindo alguns sistemas e vi fotos. _ Ela me mostra, todas as fotos estavam salvas em seu computador. - O S em si não é de Steven e muito menos de Sullivan, o S, é de Styles. Ele se considera um, mesmo depois de tudo. A fraqueza de Steven é a sua família. E talvez o filho que teve com a loira, Jack. Mas pelo que parece ele tem uma obsessão incansável pela sua família. Já no caso do filho. _ Ela faz uma careta mas logo se recomponhe. -Eu acho que não há sentimentos envolvidos além de seus objetivos.

Assim que ela termina de falar eu fico encarando a mesma, ela me olha com uma expressão curiosa e ao mesmo tempo ansiosa. Não posso mentir e dizer que sua ajuda não era útil, mas eu tenho medo e receio.

Eu mexo nos cabelos e acabo concordando com isso, ela me abraça e diz que vai pesquisar e tentar achar mais alguma coisa.

Minha cabeça estava pra explodir, desde que Rebekah me deu as últimas informações, eu não consigo se quer dormir sem tentar montar o maldito quebra - cabeça que se formou.

Quem tá com quem?

(...)

Já era de noite, e eu ainda estava no sótão, na mesa estava a fotos de todos da família, eu tentava me lembrar de algo que me ajudasse mais nada vinha, absolutamente nada.

pense como uma Styles.

Essa frase ecoava na minha cabeça, mas não adiantava de porra nenhuma.

Você é uma Styles, pense como tal.

Continuei batucando os dedos na mesa na tentativa de me lembrar de algo, mas a voz de Lucy me gritando me fez acordar. E perceber que eu já estava a quase dois dias enfiada aqui dentro.

Só saia pra comer e tomar banho.

Eu deixei o lápis ali e subi novamente.

Lucy estava no sofá, ela já estava banhada e de pijama.

- Hey amor. _Chamei ela.

- Onde você estava? _Ela começa seu interrogatório.

- Mamãe está bastante ocupada, mas promete que amanhã iremos passar o dia juntas, brincando do que você quiser. _Ela sorri e pula em cima de mim. Eu seguro ela em meus braços, enquanto beijo seu rosto sentido seu ótimo cheiro.

- Você tem que ficar com esse cheirinho de bebê pra sempre. _Falo e ela rir.

-Posso dormir com você hoje?_ Ela pergunta e eu sorrio concordando.

-Claro que pode. Vamos apenas passar no seu quarto para pegar o Hazza.

- Não. _Ela rapidamente responde, com os olhos extremamente arregalados.

- O que foi? _ Pergunto.

- Hazza tá dodói, mamãe. Não pode pegar ele. _ Ela diz enquanto esconde a cabeça na curva do meu pescoço.

- O que aconteceu com ele?

-Ele rasgou, bem nas costas. _Ela diz e eu sorrio. Lucy e sua inocência.

- Amanhã quando você acordar, ele já vai estar bem melhor.

- Você promete?

-Sim, eu prometo. _ Eu ponho ela na cama, e depois me deito, ela como de costume sobe em cima de mim, e eu acaricio seus cabelos, cantando uma música qualquer, para que ela durma.

-Daqui um tempo, seu pai que fará isso. _Sussurro.

(...)

Eu confiro mais uma vez, se ela está dormindo e após ter a total certeza, pego a babá eletrônica e desço para o sótão.

Quando chego eu vejo Peter em pé.

- Você precisa descansar. _Ele diz.

-Eu to bem. _Minto, na verdade eu estava cansada e morta de sono.

- Não tá não, a dias você não dorme.

- Não seja exagerado. _ Ele se aproxima. E segura minhas mãos.

- Eu sei que você quer sua família de volta, mas você tem que parar um pouco. Pense em você, Katherine.

-Eu não posso pensar em mim, quando todos que eu amo estão nas mãos daquele filho da puta e estão sofrendo.

- Você não vai conseguir descobrir nada se não parar e descansar.

- Não Peter, eu posso pensar. _ Falo pegando as minhas anotações.

Eu começo a pensar, e rapidamente a voz de Harry vem na minha mente. Pense, Katherine.

- Celine odeia de coração, Hayley. Ela tinha uma paixão pelo Harry, e se recusava a acreditar que era trocada por uma qualquer. Des está com o Harry com certeza. E...

- Katherine pare. Você precisa descansar, já são dez horas da noite e desde ontem você está aqui dentro. Respira pelo amor de Deus.

- Você não entende, Peter. É a minha família. Eu preciso deles.

- Eu sei disso, mas antes deles pense em você. Se preocupe com você.

- Não se meta nisso. _ Falo por fim. - De maneira alguma, e de jeito nenhum. Minha família, minha mente, meu corpo, minhas escolhas , eu já só bem grandinha e já sei decidir o que é melhor pra mim. E no momento o melhor pra mim, é ter a minha família ao meu lado. _Ele leva as mãos acima da cabeça.

- Só não diga que eu não avisei, eu sou seu amigo acima de tudo te quero bem. _ Depois disso ele sai sem olhar pra trás.

Eu posso está a algumas horas sem dormir, mas eu consigo, eu só preciso pensar. Só isso.

Me sento ali, e com o lápis na mão começo a pensar.

- Família Styles. _ Sussurro.Mexo meus cabelos em forma de frustração. Mas uma luz surge na minha mente.

"Somos uma família complicada, ao invez de sermos ligados pelo amor e fidelidade, somos ligados através da vingança, do ódio e da dor. "

(...)

- É isso. _ Eu sorrio após horas.

Eu consegui.

Subo correndo atrás de Peter, e o encontro na sala assistindo a um filme qualquer.

-Eu já sei, eu consegui montar o quebra cabeça. _Sorrio. Ele se levanta e me abraça. - Eu vou ter minha família de volta.

- Tá mas onde está cada um?

- Nossa família é ligada através da dor, todo mundo já machucou alguém, com Harry não é diferente.

-Como assim? _ Ele ergue as sobrancelhas, sem entender absolutamente nada.

- Eles não estão em um lugar fixo, só com um só, Styles. Eles estão meio que...

- Passando na mão de cada um? Como se fosse uma roda?

-Isso. É isso. Eles não estão em um só país, até porque isso facilitaria qualquer pessoa os achar.

- Então você está me dizendo que eles podem está em posse de qualquer um dos Styles? Celine, Aaron...

-Sim. _ Falo sorrindo.

- Mas isso dificulta não?

- Talvez. Mas você não está entendendo, estamos cada vez mais perto. _ Falo sorrindo.

- Já que você já descobriu isso que tal relaxar?

- Não. Eu....

- Katherine.. _ Ele me encara seriamente. - Você já descobriu isso, é ótimo, que tal essa noite você dormir?

- Não posso dormir agora, preciso arrumar tudo e...

- Pelo amor de Deus. _ ele praticamente grita. - Eu sei que é sua família e tal, mas por favor pense em você. Não vai adiantar de nada você os tirar de lá se no fim tiver morta.

- Você está exagerando.

-Eu? _Ele sorrir irônico. - Você está magra, com olheiras, e só come quando chamamos. Você precisa se cuidar...

- Pra quer? _ Quase grito. - Pra quer me cuidar? sendo que as pessoas que se importavam comigo não estão aqui comigo?

- Você tem uma filha!

- Eu sei, e tudo que eu faço é por ela. Absolutamente tudo.

- Talvez você tenha que se por em primeiro lugar, pelo menos uma vez.

- Eu não posso fazer isso. Pois eles precisam de mim.

- Mas você está se acabando desse jeito.

- Isso é o que você acha.

- Não. _ Ele nega. - É o que tá todo mundo vendo. Você só vive no sótão, ou é isso ou no quarto com Lucy. Você precisa viver também Katherine, você precisa ser feliz e..._ Quando ele fala isso, é como se eu imediatamente explodisse.

- Eu preciso deles pra ser feliz. Eu preciso do Harry aqui comigo pra ser feliz, pois ele é a minha felicidade.

- Aposto que se ele te amasse não iria querer te ver assim.

- Você chegou agora, não sabe de nada.

- Se eu tivesse chegado antes, pode apostar que eu não deixaria você chegar a esse estado deplorável.

- Você não sabe de nada. _ Falo e saio, mas ele segura meu braço. Eu me viro encarando diretamente seus olhos.

-Eu não quero te ver assim.

- Não se envolva mais do que já está, Peter. _Aviso. - No fim cada um vai para um lado.

- Não quero te ver assim.

- Eu tô bem, porra. _ Falo me segurando pra não gritar.

- Não tá não. _ Ele rebate. - Se fazer de forte o tempo todo não é o certo, você pode fraquejar, você pode parar por um momento e pensar, você pode sair e...

- Não eu não posso. Porquê se eu parar minha família morre, porquê se eu sair eu morro, você chegou agora, Peter. Ainda não viu e muito menos sabe de nada.

- Mas...

- Mas nada.

- Você vai se destruir desse jeito. Não vê que ele mesmo de longe está te...

Quando eu escuto ele falar isso eu vou pra cima dele o enchendo de tapas e socos.

- Não fale dele. _ Falo com o nó na garganta. - Você não sabe de nada, não viu nada, não presenciou nada. Então cala a porra da boca.

- Eu sei sim, Jane me contou tudo.

- Vocês não entendem, só sabem criticar. Da pra parar? Eu faço o que faço porquê eu quero, eu me tornei esse monstro porquê eu quis. E ponto final.

- Não irei discutir com você. Eu estou vendo a história de um lado de fora, sem sentimentos e emoções, e eu estou vendo você se destruir por causa dele.

- Você quer saber de uma coisa? _Me aproximo encarando seus olhos, friamente. - Se eu precisar morrer por ele, e pela minha família, acredite eu vou morrer. Pois amor significa além de tudo sacrifícios, e eu estou disposta a me sacrificar por eles, pois sei que fariam a mesma coisa por mim. Se você não sabe o que é isso, sinto muito por você.

Eu saio dali, e vou pro quarto de Lucy. Mesmo sabendo que ela estava em meu quarto.

Eu iria pegar seu urso, para tentar arrumar. Caso não conseguisse, mandaria para costureira.

Eu me sento na poltrona, enquanto analiso o que diabos aconteceu com ele, o rasgo era grande.

Continuei "analisando", até algo me chamar atenção. Dentro do urso havia um...papel?

Eu abri o mesmo, ou seja agora não tinha mais concerto, só a costureira mesmo.

Pego o papel que estava bem dobrado.

Eram dois.

Duas cartas.

Olhei uma que tinha

"Katherine"

"Lucy"

Uma era com o meu nome, já a outra era com nome de Lucy, eu conhecia bem essas letras, uma era de Harry e a outra ela da Oliva.

Peguei a de Lucy primeiro, abri e vi as letras cursivas de Harry.

Comecei a ler.

" Meu pequeno anjo, não sei quando nos veremos novamente e se nos veremos, você ainda é um bebê, daqui alguns anos não se lembrará de mim, ou de nossos momentos juntos. Mas quero te dizer que você, Lucy. Foi a minha luz no fim do túnel, a minha esperança quando eu já estava perdido no mundo. Você minha garotinha foi a minha salvação. Não se preocupe ou chore por eu não está ao seu lado, quero que aproveite e viva, e quem sabe um dia você possa me contar suas aventuras. Por favor, não envolve homens nisso. Seu pai, a quem você ver como um herói na verdade é o vilão da história, Espro que entenda que não foi minha escolha. Não sei quando essa carta chegará a você, talvez quando for uma criança cheia de curiosidade, uma adolescente cheia de perguntas ou até mesmo uma mulher com o mundo e todos aos seus pés. Mas quero que saiba que de onde eu estiver eu te amo e pra sempre vou te amar. Posso não ter sido o melhor paiz mas fiz tudo que pude. Cuide da sua mãe, ela é única coisa que você tem. Não se esqueça da sua família, de seus tios que lhe amaram tanto e que dariam a vida por você. Não chore por não me ter ao seu lado, apenas se apegue a qualquer coisa que faça você lembrar de mim. E nunca se esqueça que você é e pra sempre será minha luz e redenção"

Papai.

Ao fim de ler a carta eu já não estava mais sentada na poltrona, e sim no chão.

Eu tinha guardado minha lágrimas mas eu não guardei ela a sete chaves como deveria. Com a carta na minha mão eu chorava e soluçava.

Eles ainda iriam se ver, no fim ficariamos juntos. Pois esse era nosso destino. Tinha que ser.

Lucy precisava dele. Ela precisa do pai.

Eu precisava dele. Eu necessitava ver ele.

(...)

A chuva começou lá fora, parecia ser mais uma tempestade do que uma simples chuva, eu arrumei meu cabelo em um coque e vi o meu estado.

Eu estava magra realmente,cheia de olheiras e agora com os olhos e o nariz inchados.

Já eram quatro da manhã, todos estavam dormindo. Eu não sei quanto tempo passei chorando, só sei que agora eu sentia uma paz dentro de mim que eu ainda não tinha sentido em todos esses quatro anos.

Eu só precisa esvaziar, e eu fiz isso.

Eu me levantei e ia dormir, mas me lembrei da outra carta, não podia ser de Harry, até porque a que ele deixou pra mim está dentro do cofre guardada.

Além da grafia que não era dele, era da Olívia. Eu peguei e ali em pé eu abri, pensei ser uma carta mas na verdade era a planta da casa.

Essa casa onde moro hoje é de Olívia ela deixou nas mãos de Emily a mulher que ensinou tudo pra ela, e logo depois pra mim.

A planta da casa estava rabiscada, e tinha um X enrome no quintal.

O que ela queria dizer com isso?

Eu olhei pela janela e vi uma a chuva aumentar. Eu precisava saber o que ela queria.

Sai dali, e pus um moletom, não adiantaria muita coisa eu sei.

Peguei uma pá ,e fui em direção ao quintal. Assim que cheguei onde o X indicava, comecei a cavar.

Meus braços doíam mas eu continuava a cavar.

Assim que o buraco estava grande eu me sentei no chão, cavei com as mãos mesmo. E achei uma espécie de diário, livro.

Tirei a terra e o pó, e olhei pro céu.

- O que isso Olívia?

Assim que peguei o livro, diário, vi que o nome que tinha era.

Família Styles. Segredos.

- Que merda é essa?

Mesmo na chuva abrir, era meio que um diário onde só continua três folhas, todas escritas e intituladas .

A primeira, Desmond Styles.

A segunda, Zara Styles.

A terceira, Aaron Styles.

Na capa tinha uma frase.

"Não conseguimos esconder nossos demônios pra sempre, uma hora ou outra eles voltam".


Notas Finais


Sinopse: Sinopse : " Eu tive meus sonhos, minha vida, minha alma e principalmente meu coração roubado. Ele apareceu e virou minha vida de cabeça pra baixo, me mostrou o paraíso, mas o inferno também. Ele era uma maldita tempestade, que levava tudo que via e destruía tudo que deixava. Ele era frio, possessivo, obsessivo, maníaco, paranóico na verdade ele era ruim, ele não era bom pra ninguém. Mas
eu me apaixonei, eu me entreguei. E esse foi meu pior erro, talvez o maior deles, quem sabe nem minha própria vida seria capaz de pagar por isso. Talvez no fim só reste as cinzas pra contar a história."



Gostaram?
Comentem
Favoritem
Indiquem

Senti muita pena da Kate nesse capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...