História Criminal love - Capítulo 1


Escrita por: e LunaGiovanni

Postado
Categorias Agustín Bernasconi, Candelaria Molfese, Carolina Kopelioff, Karol Sevilla, Michael Ronda, Ruggero Pasquarelli, Sou Luna, Valentina Zenere
Personagens Agustín Bernasconi, Candelaria Molfese, Carolina Kopelioff, Karol Sevilla, Michael Ronda Escobosa, Personagens Originais, Ruggero Pasquarelli, Valentina Zenere
Tags Lutteo, Ruggarol, Sou Luna, Soy Luna
Visualizações 51
Palavras 988
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Policial, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Fanfic baseada na série Sou Luna, os personagens não nos pertencem somente a história é de nossa autoria.
Não plagiem pois é crime

Capítulo 1 - Capítulo 1


“Está tão quieto aqui, eu me sinto tão fria. Está casa já não se parece mais um lar”

2 ANOS ATRÁS

KAROL SEVILLA

— Eu sou como você Ruggero, porque está tão surpreso? — perguntei assim que ele terminou de arrumar suas coisas

— Karol, eu jamais poderia pensar que você faria essas coisas. Porque mentiu tanto pra mim? Porque não me disse quem você realmente era?

— Porque eu não podia Ruggero eu já tinha saído dessa vida. Eu só matei aquela mulher porque ela estava me ameaçando

— Ela estava grávida Karol, que mal ela poderia te fazer? Você gostaria que atirassem em você quando estivesse grávida?

— Deus me livre Ruggero, mas para de me julgar, eu sei que você faria isso também

— É, eu faria isso. Mas ver você fazendo, me machucou muito — ele disse e pegou suas coisas — Já que você não vai me deixar ficar com Sol, eu quero pelo menos ver ela nos finais de semana, só isso que eu peço

— Não, eu não vou deixar você ver Sol, ela é minha filha e já que você quer se afastar, se afasta de nós duas

— Tudo bem — ele assentiu e abriu a porta do nosso quarto que agora iria se tornar só meu — Se mudar de ideia, sabe onde me encontrar

— Eu não vou, sei cuidar da Sol muito bem sozinha

— Só espero que não vire ela contra mim, foi você que quis assim

— Você está querendo assim Ruggero, está indo embora porque quer.

— Alguma vez você me amou?

— Como você pode perguntar isso Ruggero? Temos uma filha juntos

— Apenas me diga a verdade, você me amou?

— Eu não sei ta bom? — Gritei quando as lágrimas começaram a cair em meu rosto — Agora se quiser ir, quero que saiba que irá ficar tudo bem. Eu vou dar conta de tudo sozinha. Eu vou entender o seu lado

— Eu te odeio tanto

— Se for assim, quero que saiba que eu também odeio você

— Não, não odeia. Sei que não

— Tem razão, eu gosto de você

— Mas não como eu. Você não sabe nada sobre os seus verdadeiros sentimentos

— Você não é apaixonado por mim, nunca foi

— Eu te amo

— Eu sei que você me ama, mas não é apaixonado por mim. Nunca foi, admite isso pelo menos uma vez

— Eu não vou admitir uma coisa que não é verdade Karol, eu te amei mais que tudo nessa vida. Ainda te amo, mas depois de tudo...

— Eu não sou uma assassina Ruggero, só tentei me defender. Eu precisei fazer isso

— Era só falar comigo Karol, não precisava disso tudo. Você tem noção do que fez? Matou uma mulher grávida e ainda tirou a vida de uma criança que nem havia nascido

— Você está com raiva de mim só porque eu resolvi fazer isso com minhas próprias mãos? Ruggero eu só fiz isso porque eu não queria que acontecesse nada com a Sol

— Eu sou o homem dessa casa Karol, o que custava me falar sobre isso? Eu poderia resolver

— Você sempre quer resolver as coisas, mas eu resolvi me defender sozinha e tudo o que eu fiz, foi te deixar com raiva

— Eu não tenho mais nada para fazer aqui. Espero que fique bem Karol e cuide bem da nossa filha, estou deixando toda minha confiança em você como sempre deixei. Adeus — ele disse e saiu do nosso quarto, que agora seria apenas meu

DIAS ATUAIS

KAROL SEVILLA

— Não importa o que eu faço, nem o que eu digo. Sempre irei magoar alguém e eu não posso mudar isso

— Karol, você não pode se culpar por nada, seu pai não resistiu, mas a culpa não é sua

— Esse é o problema, a culpa é minha sim e vocês insistem em dizer que não, se eu não tivesse dito todos aqueles desaforos para ele, ele poderia estar vivo. Aqui comigo

— Você tem que continuar sendo forte, você já perdeu seu marido, agora seu pai. Você tem que ser forte para cuidar da Sol

— Eu perdi Ruggero porque ele resolveu ir embora e nunca mais irá voltar.

— Seja forte pela Sol, a dois anos ela já perdeu o pai, agora o avô. Você mais do que ninguém sabe que quando alguém que amamos morre ou vão embora para sempre, não há nada que podemos fazer em ralação a isso

— Mãe, mãe — Sol desde as escadas correndo com algumas lágrimas no rosto — O que aconteceu com o vovô? Ele também morreu?

— Ele está em um lugar muito bonito meu anjo — a abracei enquanto Candelária nos olhava

— Eu vou providenciar tudo lá, se cuida Karol — a abracei e percebi o quanto ela estava tentando ser forte

Levei Sol para o quarto quando percebi que ela havia dormido, realmente o Ruggero estava fazendo muito falta pra ela, não só pra ela, mas pra mim também

Deitei com Sol e dormimos a tarde toda, só acordei quando meu celular começou a vibrar, era Cande. Com certeza ela queria avisar que o corpo de meu pai já havia chegado, mas eu não queria vê-lo, eu só queria estar com minha filha nessa momento

Olhei para as fotos que havia espalhada pelo quarto e deixei que as lágrimas caíssem mais uma vez, eu precisava dele aqui mais uma vez, eu deveria ter contado desde o começo que meu pai deixou eu assumir os negócios da família, talvez tudo seria diferente e talvez ele tivesse aceitado como eu realmente sou

Me deitando ao lado de Sol mais uma vez, olhei para a menina linda que Ruggero e eu tivemos. Ela realmente era o melhor presente que ele havia me dado. Sorrindo, passei a mão pelos seus cabelos e não demorou muito e eu consegui pegar no sono mais uma vez


Notas Finais


Aaaah só eu que acho que Karol merecia mais uma chance??
Ela pode ter errado, por mentir para Ruggero, mas com certeza ela tinha medo do que ele poderia pensar
Morro de amores por esse final...
O que acharam?
Gostaram ou odiaram?
Até mais
@ValuhMartinez


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...