História Criminal Minds - Fragmentos - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Criminal Minds
Personagens Aaron Hotchner, David "Dave" Rossi, Derek Morgan, Dr. Spencer Reid, Dr. Tara Lewis, Emily Prentiss, Jennifer "JJ" Jareau, Lucas "Luke" Alvez, Matt Simmons, Penelope Garcia
Tags Aaron, Aaron Hotchner, Axn, Criminal Minds, Garcia, Hotchner, Luke, Morgan, Prentiss, Prentissandaaron, Reid, Romance
Visualizações 54
Palavras 1.216
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom, aqui estamos novamente!
Desejo-lhes uma ótima leitura e é isso!

Capítulo 2 - "Carry me back home"


 Dentro de poucas semanas, Hotch já estava praticamente recuperado. Desde o dia em que havia despertado, Prentiss sempre esteve ao seu lado, eram raros os momentos em que ela se ausentava. No entanto havia algo que Aaron não compreendia, aquele repentino abraço em meio a lágrimas que ela lhe dera. A partir daquele dia, a agente manteve-se de volta àquela postura séria e misteriosa, aquilo lhe intrigava, porém optava por não mencionar o ocorrido.

Faltando apenas uma semana para finalmente receber alta, Reid e García lhe fizeram uma visita.

— Oh, meu Deus, Hotch você está ótimo! — Disse Garcia com seu jeito sempre alegre ao adentrar o quarto. — Você não sabe o quanto nos preocupou.

— Obrigado, Garcia. — Hotch sentou-se na cama.

— Um ser humano saudável possui em media de 3,8 a 5,6 litros de sangue em seu organismos, podendo aguentar perder até 40% de seu volume total. — Reid cumprimentou a Aaron com um aperto de mãos. — Mas você Hotch, transpassou estes limites, não é atoa que a Garcia lhe chama de “Gaston".

— É bom revê-lo também, Reid. — Aaron parou e pensou por um breve momento. — Espera! Gaston? Aquele personagem megalomaníaco e egocêntrico de “A bela e a fera”?

— Então... — García afastou-se um pouco, rindo.

— Não sabia que você gostava de desenhos, Hotch. — Disse Prentiss rindo.

— Bom, eu tenho um filho, é meio que obrigatório assistir essas coisas. — Ele riu. — Ao menos não passei por uma fase gótica.

— Eu não me lembro disso, tenho certeza que alguém fez photoshop naquela foto. — Retrucou a agente.

Os agentes teriam prosseguido com a conversa descontraída, porém Hotch perguntou:

— Conseguiram capturar aqueles que fizeram isso comigo?

Todos então silenciaram, o clima ficou pesado, parecia que uma cortina de aço havia caído sob eles, todos evitavam olhar para o agente.

— Infelizmente, não conseguimos encontrar nenhum vestígio que indicasse quem fez isso com você. — Reid começou. — Até ponderamos em ser o Sr.Arranhão, mas não há como ele estar vivo, então nossa melhor hipótese é um pupilo, porém o único que pode nos ajudar com isto é você, mas ao que tudo indica você não se lembra do que aconteceu, correto?

— Receio que não. — Disse ele levantando-se da cama e caminhando até a janela.

Aaron estava vestindo um pijama hospitalar, composto por uma calça e uma camisa, em seu rosto ainda haviam alguns curativos. Seu abdômen já estava quase que completamente sarado, tornando a dor tolerável.

— Não se preocupe, Aaron. — Prentiss levantou-se da poltrona e caminhou até onde Aaron estava e o abraçou. — Vamos dar um jeito, tudo que queremos agora é que você descanse até ficar recuperado.

García olhou para Spencer e então sorriu, enquanto sussurrava: “Eles formam um belo casal!”. O agente por sua vez apenas sorriu de canto e então caminhou até próximo da porta e disse:

— Podemos ir para o corredor se vocês quiserem um pouco de privacidade.

— Não precisa! — Prentiss afastou-se de Hotch com o rosto sutilmente corado.

Já Aaron, não havia percebido nada, estava distraído com o som das árvores que farfalhavam ao ritmo do vento, em sua mente, o som assemelhava-se ao som de moedas chacoalhando. Aquilo lhe trouxe uma vaga lembrança.

— Creio que tive uma breve lembrança dos meus dias de tortura, mais exatamente um nome. — Ele virou-se, seu nariz estava sangrando. — Iscariotes…

— Hotch, seu nariz está sangrando! — Prentiss caminhou até Aaron, tirou um lenço do bolso e pressionou contra seu nariz. — Isso é normal? — Perguntou olhando para Reid.

— Há vários motivos para alguém perder a memória: Traumatismo craniano, Alzheimer, Acidente vascular cerebral e etc, mas o que de fato importa é que quando a memória “decide retornar” muita das vezes nosso organismo não está preparado e reage de maneiras distintas: dores de cabeça, sangramentos nasais e otorragia são reações comuns. — Respondeu ele, auxiliando Prentiss a por Aaron na cama.

A vista do agente começava a falhar, oscilando entre o claro e o escuro, começava a perder o controle sobre seu corpo.

— Não se preocupem, eu estou bem. — Ele resmungou antes de apagar.

García rapidamente correu pelos corredos chamando pela ajuda de algum médico ou enfermeira, o que não demorou muito, após algumas perguntas sobre o que havia acontecido o médico deixou a sala, porém antes pediu que evitassem ao máximo questionar Hotch a respeito do que aconteceu, alegando que seu corpo ainda estava processando o que havia acontecido durante aquelas semanas de tortura. Após isso, todos ausentaram-se do quarto.

— Reid, o que você saberia me dizer sobre “Iscariotes”. — Emily questionou o doutor.

— Bom, Iscariotes era um dos discípulos de Cristo que de acordo com o evangelho canônico, se revelou o traidor, o preço de sua traição foram trinta moedas de prata. — Ele fez uma pequena pausa. — No entanto, no evangelho de São Judas Iscariotes, atribuído a alguns escritores gnósticos em meados do século II, Judas havia denunciado Jesus por ordens do próprio.

— Certo, mas vejamos Hotch estava investigando um “culto” quando foi sequestrado, será que não há uma correlação? — Prentiss o indagou.

— Sim, é verdade, mas para isso precisamos investigar mais a fundo. — Retrucou ele. — Vou com a Garcia fazer algumas pesquisas.

— Por favor, tome conta do Hotch. — Disse Garcia levantando-se da cadeira.

— Não se preocupem, ele está em boas mãos. — Ela sorriu e os acompanhou com o olhar até a saída.

Assim que Spencer e Penelope sumiram de seu campo de visão, Prentiss caminhou até dentro do quarto. Hotch já estava acordado, agora que em seu dedo indicar esquerdo havia um oxímetro.

— Você nos deu um baita susto. — Ela sentou-se ao lado da cama. — Os médicos disseram para você não se esforçar muito.

— Me desculpe, mas não consigo ficar parado, me sinto inútil. — Disse ele, seu tom de voz transmitia algo semelhante a chateação.

— Aaron, você não é inútil… — Ela pôs a mão sob a dele, sua pele era fria, como se fosse feita de gelo. — Mas você tem que entender que é um ser humano também, tente se distrair um pouco, descanse, eu prometo que vamos dar um jeito.

— Tem razão… — Hotch inspirou e suspirou profundamente. — Prentiss… Há algo que não sai da minha cabeça…

— O quê? É algo relacionado ao que aconteceu com você, desculpe mas não posso…

— Não… — Ele a interrompeu. — É sobre você, algo parece estar corroendo-a por dentro. É como se você estive reprimindo algo ou como s estivesse se sentindo culpada.

— Oh...

Aquilo a pegou de surpresa, Prentiss emudeceu, não sabia o que dizer. Ela buscou alguma resposta em sua mente, mas não conseguiu pensar em nada. Na verdade, já havia algum tempo que a presença de Aaron lhe causava aquela sensação de impotência, era como se estivesse no meio de um labirinto sem saída.

— Não é nada... Não se preocupe comigo, apenas descanse.

Emily forçou um sorriso e então caminhou em passos apressados para o lado de fora. Mãos suadas e trêmulas, respiração falhada, pernas bambas e coração disparado… só podia ser uma coisa…


Notas Finais


Se chegou até aqui, muito obrigado por seu apoio!
Até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...