História Criminal; TaeKook - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Changkyun, Criminal, Hoseok, Jihope, Jimin, Jungkook, Namjin, Namjoon, Seokjin, Taehyung, Taekook, Vkook, Yoongi
Visualizações 250
Palavras 2.087
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Policial, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Recomendo ler esse capítulo ouvindo 2U- Cover Jungkook. O impacto foi grande desse capítulo, e espero que gostem, porque as interações estão só começando.

Capítulo 7 - Capítulo 7


Fanfic / Fanfiction Criminal; TaeKook - Capítulo 7 - Capítulo 7

[Kim Taehyung]


Eu não conseguia acreditar que o Changkyun não me mandou nenhuma mensagem de noite. Eu mesmo tinha me arrependido de dizer aquelas palavras, não era possível que não tinha causado um impacto nele, pelo menos o suficiente para ele se ligar que deveria se importar mais, ou pelo menos mostrar que se importa.


—Hoje é só você Taehyung! —Digo para meu reflexo no espelho. Todos os dias eu passava na casa do Chang para buscá-lo, mas hoje não.


Peguei a chave do meu carro é peguei uma maçã para ir comendo no caminho.


—Tae. —O loiro aparece em frente ao meu carro ofegante. —Vim de casa até aqui.. CORRENDO!


—Posso saber porque? —Mantenho a postura séria mesmo que minha vontade seja morder ele.


—Porque eu te amo seu pastel, e além disso eu sei que não quer que eu mude de verdade. —Ele sorri esperando o mesmo de mim.


—Pula aí dentro logo. —Digo retribuindo o sorriso.


—Prometi fazer isso aqui. —Ele segura meu rosto e dá um selar demorado na minha bochecha.


—Você ficou bem, depois das coisas que disse? Acho que peguei pesado. Foi mal. —Sorri sem graça para ele. Pude ver ele negando com a cabeça.


—Passei o restante do dia com o Suga hyung, ele me ajudou bastante apesar de me passar vergonha em casa. Acredita que ele chamou meu pai de sogro? —Aquilo foi tão..novo para mim que eu acabei dando uma freada brusca, que fez ele bater a cara no painel do carro.


—Eita, desculpa aí, mas quem é Suga e porque ele chamou seu pai de sogro!? —O encaro incrédulo. A literalmente dois dias ele me disse que deveria ser assexual.


—É o Yoongi, ele me encontrou na rua chorando e passou o resto do dia comigo, foi embora lá de casa quase de madrugada. —Ele sorri inocente. Tem caroço nesse angu.


—Vocês bem que dão certo mesmo, dariam um casal bonitinho, são da mesma altura, são dois pamonhas com os melhores amigos. Sem contar no abuso, conheceu ele ontem e já o levou para casa, vocês transaram foi? —Gargalhei, deixando meu dongsaeng bem nervoso.


—Tae, nem começa com isso, ele só foi gentil e eu retribuí, inclusive ele ouviu minhas faixas e adorou. —Dei uma risada sem som. Ele se deu muito bem com o Yoongi, e muito rápido, isso é muito bom para o Changkyun que é um porre e nunca consegue manter amigos.


-❤️-


—Oi Tae. Vim fazer um convite rápido para não gastar o tempo de vocês. No sábado vou dar uma festa na minha casa e vocês estão convidados. Podem levar quem quiserem ouviu? Obrigada pela atenção oppaya. —Uma garota da nossa turma. Para variar não sei quem é. É incrível como ser filho do Taeyong me faz ser alguém nessa faculdade.


—Podemos chamar a dupla dinâmica que eu batizei de KookYoon. —O loiro diz fazendo um biquinho.


—YoonKook soa melhor e..não vou chamar ninguém, não tenho contato com o Jungkook. —Dei de ombros.


—Te mando o número dele agora mesmo. Yoongi e eu tivemos tempo de trocar umas coisinhas inclusive o número do seu amado narigudo. —Ele pega o celular e logo o meu recebe uma mensagem.


—Certo. Ainda não vou chamar ele para essa festa, meu interesse no Jungkook não é assim, falou? Na última festa não deu muito certo. —Bato em seu peito.


—Mas Tae, vocês estavam bêbados e drogados, é só não beberem nada batizado. Caramba o Jungkook é um gostoso da porra, faz alguma coisa logo! —O que o Yoongi fez com o Changkyun e porque ele parece uma bixa louca safada?


—Chang, se controla. Eu quero ser amigo do Jungkook e 'tá, eu chamo ele para a festa. Porque não faz alguma coisa com o Yoongi também? Já deu até apelido fofo para ele. —O olho de lado. Agora ele acha que é assim, só chegar e beijar. Rapaz, é claro que eu notei que o Jungkook é um gostoso do caralho, mas eu quero mesmo ser amigo dele, não quero ser só mais um na lista dele, se eu virar seu amigo e depois pegar ele, vou ser um amigo colorido ao invés de qualquer um. Minha nossa Tae, você está pensando igual uma vadia.


-❤️-

[Online]


Me:Oi


JK:Oi, quem é?


Me:Então.. é o maluco da festa e da mercearia, lembra de mim?


JK:Como me esquecer do seu sorriso retangular, Taehyung-ah.


Me:Você adora me deixar envergonhado, é seu novo hobby?


JK:Quem sabe. Podemos nos ver? Não gosto de conversar pelo celular, gosto de expressões verdadeiras ao invés de emojis.


Me:Penso o mesmo. Onde podemos ir?


JK:Vou passar na sua casa. Vai demorar um pouquinho, vou caminhando pequeno Taehyung.


Me:Beleza então grande Jungkook


Me:Não foi tão legal agora.. só. Vem Jungkook!


Me:Minha nossa, pareço rude? Aish..desista de mim e venha logo, até.


JK:É fofo te ver todo sem graça, imagino que esteja bastante envergonhado. Até.


[Off]


Não queria admitir que me arrumei todo só para ver o Jungkook, mas infelizmente eu havia feito isso mesmo. Eu tenho que admitir, esse garoto estava mexendo com a minha cabeça. Fui até o banheiro e passei um perfume. Ouvi o som da campainha e tentei não ir correndo atender o garoto, então esperei uns segundos antes de abrir a porta.


—Oi. —Digo abrindo o portão.


—Olá, espero que não se incomode em andar muito. Quero te levar a um lugar bem bacana, acho que vai gostar. —Ele sorri e desvia o olhar.


—Você gosta de ser imprevisível, mas eu gostaria de saber coisas sobre você. E não descobrir. —Digo caminhando ao seu lado em passos lentos.


—Se começar a perguntar, eu posso começar a responder. —Ele diz em tom de brincadeira.


—Acontece que eu não sei o que perguntar, então eu prefiro ver como as coisas vão acontecer. —Dei de ombros.


—Eu acredito que as coisas vão acontecer conforme a gente queira que aconteça. Ao contrário, nada vai acontecer, mas nós dois já somos bem grandinhos e temos capacidade de fazer as coisas do nosso jeito. Eu por exemplo, quero te mostrar hoje, coisas que gosto de fazer. E quero descobrir se também gosta. —Ele me lança mais um de seus sorrisos fofos.


—Não sou uma pessoa difícil de agradar. —Dei um sorriso fraco.


—Mas também é uma pessoa que merece ganhar muito. —Ele diz. Depois de tais palavras, fiquem sem o que dizer. O Jungkook é tão.. incrível.


—Esse é o lugar. O que, não me olhe com essa cara, é onde eu morava Taehyung! —Ele gargalha ao ver minha expressão.


—E porque estamos aqui? —O olho um tanto confuso.


—Eu vou te contar umas coisas,te mostrar coisas, vem. —Ele segura meu pulso e me leva para dentro do galpão. Não, não era uma casa, era um galpão de uma casa já abandonada.


—Eu venho aqui desde que me mudei para a casa dos meninos, eu não tirei nada daqui e nem coloquei. Faço uma limpeza aqui toda semana, e todos os dias eu venho aqui para não me esquecer de nada do meu passado. —Ele me colocou sentado na cama e ficou em pé, sorrindo para mim como uma autêntica criança. O cômodo era simples. As paredes eram revestidas de madeira e não tinham muitas coisas. Uma cama de casal no centro, pisca-piscas na parede, uma grade que tinham alguns cabides, talvez fosse ali onde ele colocava sua roupa, um violão bem maltratado em um canto, junto com alguns livros empilhados é um frigobar ao lado da cama.


—Com dezesseis anos eu fui expulso de casa; Passei a fazer bicos por Busan e juntei dinheiro para me mudar para cá, quando vim, o ônibus me deixou exatamente na esquina desse quarteirão, então eu achei o lugar e comecei a morar nele, já que não tinha ninguém nem aqui e nem na casa, além dos morcegos, passei a trabalhar para os outros e ganhei até umas coisas usadas como tudo que você 'tá vendo aqui, passei meus últimos anos aqui, até completar meus dezoito anos e conhecer o Jimin em uma casa de festas, ele era tão ferrado quanto eu e tinha amizade com o Yoongi, nós três juntos conseguimos negociar uma casa, com ajuda do nosso patrão, ainda devemos para o cara, mas Deus sabe quando vamos pagar. Nunca tive muita coisa, mas sempre aprendi a me contentar com o pouco que tenho. —Ele se senta na cama e me encara por um tempo, até ele fazer um cafuné em meus cabelos.


—Qual sua história? —Ele acaba com a carícia mas continua com o contato visual.


—Sou filho do Kim Taeyong, isso já não te diz tudo? —Tento evitar o assunto.


—Taehyung, me conte alguma parte da sua vida que não seja o que todos acham. —Ele tomba a cabeça para o lado atento, como é fofo o jeito dele. Respirei fundo e fechei meus olhos.


—Eu nasci em berço de ouro, e assim cresci, minha mãe não para em casa desde que me entendo por gente, meu pai é um velho que só sabe cobrar as coisas. Eu cresci ouvindo que deveria ser médico e desde muito cedo estudo mais que as outras pessoas. Mas..eu odeio essa vida. Sei que é a vida que todos querem, a vida que qualquer um sonharia, mas eu não. Eu odeio, e você não faz ideia, eu daria tudo para ser alguém livre, sem obrigações, apenas cuidando de mim mesmo..Como você. Você conseguiu isso sozinho, e mesmo que tenha sofrido, eu acho que vale muito mais você sofrer por algo que você queira do que você ganhar tudo fácil sem ao menos querer realmente aquilo.—Sorri fraco e vacilei meu olhar, deixando ele cair sobre a cama. Senti meu rosto ser segurado pelas mãos de Jungkook, me obrigando a olhar para ele.


—Você vai conseguir algo que realmente queira. Eu prometo —Seu polegar acaricia meu rosto. —Gosta de música Taehyung? —Saio do transe assim que vejo ele com seu violão.


—Sim..—Digo vendo ele afinar o violão.


—Quer pedir alguma ou eu posso..—Corto ele dizendo para ele mesmo escolher a música. Um sorriso se desenhou em seus lábios e os primeiros acordes são formados, juntos de sua expressão delicada ao fechar os olhos.


No limit in the sky that I won't fly for ya
No amount of tears in my eyes that I won't cry for ya
Ooh no
With every breath that I take
I want you to share that air with me
There's no promise that I won't keep
I'll climb a mountain, there's none too steep

When it comes to you, there's no crime
Let's take both of our souls and intertwine
When it comes to you, don't be blind
Watch me speak from my heart
When it comes to you, comes to you


Cupid in a lie, arrow got your name on it
Ooh yeah
Don't miss out on a love and regret yourself on it
Ooh
Open up your mind, clear your head
Ain't gotta wake up to an empty bed
Share my life, it's yours to keep
Now that I give to you all of me

When it comes to you, there's no crime
Let's take both of our souls and intertwine
When it comes to you, don't be blind
Watch me speak from my heart
When it comes to you, comes to you.


A cada trecho eu sentia meu corpo se arrepiar, cada um dos meus poros, sua voz era tão doce sua respiração tão calma e reconfortante, e as vezes que ele abria os olhos e me encarava sorrindo, parecia loucura tudo aquilo, ainda mais com a letra, com a situação, é oficial, o Jungkook está mesmo mexendo comigo.


—Você canta muito bem. —Digo ainda “hipnotizado”.


—Obrigado. Você não canta? —Pisquei algumas vezes para me certificar de não fazer nenhuma loucura. Espera, eu?


—Se eu canto? —Ele concordou. —Bom..eu gosto, mas não chamaria de cantar, além de tudo eu sou melhor com fotografias.


—A sua voz..ela é num tom muito, digamos atraente e.. confesso que adoraria te ouvir cantar. —Ele passa a mão na nuca, ele estava nervoso, não acredito que pela primeira vez vi o Jungkook nervoso, uau.  


—Eu posso cantar para você. Se você me ajudar a ser mais dono de mim mesmo, quero que você me leve a mais lugares como este. Que tem significado para você e que possam ter para mim também. —Ele se deita na cama me encarando meio pensativo. Me deitei também, ficando de frente para ele. E como o ótimo ser não pensante que sou, acabei me deixando levar pela conversa do Jungkook e esqueci do mundo lá fora. Agora já vai para minha nota mental, Jungkook é alguém que vai entrar na minha vida, querendo eu ou não.


Notas Finais


Então, foi isso meninas, curtam o vídeo e se inscrevam no canal. Brincadeira, mas a parte de comentários, é real okay?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...