História Criminals For Love - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Kylie Jenner, Velozes e Furiosos
Personagens Brian O'Conner, Caitlin Beadles, Chaz Somers, Christian Beadles, Dominic Toretto, Harry Styles, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Justin Bieber, Kendall Jenner, Kylie Jenner, Letty Ortiz, Mia Toretto, Pattie Mallette, Ryan Butler, Selena Gomez, Victória Justice, Zayn Malik
Tags Cfl
Visualizações 113
Palavras 9.304
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


DEMOREI, MAS VOLTEI!

Capítulo 44 - Uma noite de loucuras


Justin POV

Eu já não aguentava mais esperar aqueles dois terminarem a reunião entre pai e filha, porra, eu estava louco pra meter o pé naquela porta e escutar tudo que eles estavam conversando.

Já haviam se passado duas horas e alguns minutos, desde que Bruce havia aparecido, jogado a bomba e se escondido naquele maldito escritório que eu havia construído para Kylie. Eu já havia visto um filme inteiro e visto um episódio de Friends, mesmo não tendo prestado a atenção em nenhum dos dois, minha cabeça estava naquela maldita conversa a qual eu não estava participando. Bufei me levantando e seguindo para o corredor que dava para o meu escritório, precisava tentar me distrair com alguma coisa séria, não com algum maldito filme ou qualquer merda que fosse.

— Grande Bieber! — Ryan falou assim que passei pela porta.

— Que diabos tu ta fazendo aqui? — perguntei me atirando na minha poltrona preferida.

— Analisando os papeis da boate que eu vou abrir — falou arrumando os papeis sob a mesa a qual ele usava sempre que precisava resolver alguma papelada — você sabe, aqui é o único lugar que se tem sossego nessa casa — ele riu fraco me fazendo assentir.

— Você não deveria estar com o Caleb? — perguntei pegando o maço de cigarro do bolso da minha calça junto com o isqueiro.

— Você não tinha parado? — falou se referindo ao cigarro.

— Não muda de assunto Butler — falei revirando os olhos.

— A Kristen pediu pra ficar com ele, sei lá por que, e como eu não quero me estressar mais com ela, eu deixei, ela fez um fiasco quando soube que eu iria ser pai de novo — falou revirando os olhos.

— Falando assim, nem parece que foi ela quem te deu um pé na bunda — falei e o mesmo assentiu.

— Ela é louca — constatou.

— Você só se envolve com loucas — falei me referindo a Gabe.

— Falou a que namorou a Miley e agora é noivo da Kylie — falou me fazendo rir fraco.

— Palhaço — murmurei tragando o cigarro.

— Quem é aquela coroa que eu vi entrando com você na mansão? — perguntou e eu suspirei.

— Se eu contar você não acredita — murmurei encarando um ponto fixo.

— Tô atrapalhando? — Chaz perguntou colocando a cabeça pra dentro da sala e negamos — Ainda bem — murmurou entrando e atirando-se na minha cadeira giratória.

— O que foi Somers? — perguntei e o mesmo suspirou.

— Kendall quer ir viajar para ver os pais e insiste em levar a Melanie — falou respirando fundo — eu não me opus, só achei que era meio difícil, já que a Meli é muito apega a mim e não dorme de jeito nenhum com outra pessoa — falou e eu entendi onde ele queria chegar — e sobre o que vocês estavam falando? — perguntou e logo Christian entrou no escritório.

— Oi — falou atirando-se no sofá.

— Reunião? — Jax perguntou entrando logo após.

— Na verdade não era, mas né — Ryan falou nos fazendo rir — ok Drew, conte-nos, quem é aquela coroa que entrou com você na mansão e nunca mais saiu? — perguntou e eu me endireitei na poltrona, arrumando minha postura e batendo no cigarro para derrubar a cinza no cinzeiro.

— Vocês não vão acreditar e eu tô falando sério, nem eu to acreditando até agora — falei e todos se entreolharam.

— Fala logo cara — Jaxon falou me atirando a almofada, me fazendo rir incrédulo do que eu estava prestes a dizer.

— Vocês lembram do Bruce Jenner? O pai da Kylie? — perguntei e os quatro assentiram — Então, aquela é a Caitlyn Jenner... — falei deixando a frase no ar.

— A mãe da Kylie? — Jaxon perguntou curioso.

— Mas a mãe da Kylie não havia morrido? — Chaz se meteu.

— E morreu! Logo que fugimos de Nova Iorque! — foi a vez de Chris.

— Pois então... — falei puxando o ar — aquela não é a mãe da Kylie... — falei e todos me encararam sem entender nada — é o pai dela, aquela, na verdade é aquele — falei e todos me encaravam incrédulos.

— CACETE! — Ryan berrou.

— Eu não tô acreditando nisso! — foi Jaxon.

— Santo pai do céu! — Chaz estava embasbacado com a noticia.

— Por isso nós nunca encontramos Bruce Jenner — Christian constatou o óbvio — na verdade Bruce Jenner, agora é Caitlyn Jenner, meu Deus! Faz todo sentido! — falou me fazendo assentir.

— Faz quase três horas que ele e a Kylie se trancaram no escritório da Kylie e não saíram mais, eu não sei se devo me preocupar ou o que — falei apagando o cigarro no cinzeiro.

— Acho que ele apareceu em uma hora ótima, ele pode nos ajudar muito com o Jeremy — Christian falou — ele era a peça que faltava pra nós — falou pensativo com todos nós concordando.

— Olá — Kylie falou entrando no escritório sorrindo após bater.

— Viu um passarinho verde foi? — Jaxon perguntou e a mesma sorriu ainda mais.

— Justin, você pode vir comigo? — perguntou e eu assenti, me levantando e seguindo minha noiva, sem antes dar uma olhada clara para os caras que assentiram entendendo o que eu quis dizer.

Era pra eles estarem de olho em tudo, ou seja, irem para a sala das câmeras.

Segui a morena pelos corredores e a escadaria, até chegarmos nas portas duplas brancas com detalhes dourados, Bruce nos esperava sentado em uma poltrona, com um copo de whisky na mão e um cigarro na outra, ele sorriu ao me ver e eu permaneci  sério.

— Então...? — falei sentando-me na cadeira de Kylie, com a mesma sentando-se no meu colo.

— Ele quer nos ajudar a pegar o Jeremy — Kylie falou — ele sabe coisas que podem nos levar ao paradeiro dele, nós podemos finalmente pegar aquele filho da puta e arrancar os órgãos dele — falou me fazendo unir as sobrancelhas.

— Como? — perguntei umedecendo os lábios.

— Simples — Bruce se pronunciou deixando o copo de lado — eu estive observando todos vocês nesses anos todos que passaram, e não digo que observei só vocês, observei Jeremy, os Jonas, até mesmo Owen Shawn, eu andei observando cada passo de cada um, eu tive meus meios e algumas ajudinhas, porém, acabei perdendo uma das minhas aliadas, que foi o baque para que eu procurasse a Kylie — falou me fazendo franzir o cenho.

— E quem foi a sua aliada que você perdeu? — perguntei e o mesmo sorriu de canto, negando com a cabeça.

— Sabe Bieber, eu nunca iria querer o mal da minha filha, da prima dela que sempre tratei como filha e muito menos dos meus netos — ele umedeceu os lábios — mesmo que minha filha tenha se envolvido com o filho do meu inimigo, eu nunca desejaria o mal dela, ao contrário do seu pai — ele disse e eu bufei.

— Jeremy não é meu pai! — falei recostando-me na cadeira e o mesmo assentiu, senti as mãos da Kylie segurar as minhas e eu a encarei, vendo-a assentir, ela queria que eu baixasse a guarda, para era impossível a essa altura do campeonato — Certo Bruce, desembucha logo — falei e o mesmo assentiu.

— Eu coloquei uma das minhas melhores garotas infiltrada na mansão de Jeremy e pra minha surpresa, ele a colocou infiltrada aqui — ele disse me fazendo ligar todos os pontos.

Miley era a garota infiltrada.

Miley era a aliada de Bruce a qual ele havia perdido.

Miley sempre soube de tudo e nunca abriu a boca de nada.

— Miley — sussurrei e o mesmo assentiu.

— Ela sempre foi a minha melhor aliada, ela sempre foi meu braço direito, eu me surpreendi quando ela disse que era sua ex namorada, que conhecia o seu pai e que faria de tudo, para me ajudar a acabar com a raça dele, antes que ele destruísse mais famílias, assim como fez com a dela, a sua e a minha — Bruce falou pegando novamente o copo — eu pedi a ela que nunca deixasse escapar nada sobre mim, eu queria continuar com o plano de derrubar aos poucos o “império” que Jeremy acha que tem, eu consegui uma quantidade considerável de aliados durante esse tempo, claro que nada grandioso quanto o que você tem, mas foi o suficiente para me manter firme com o plano, até as coisas começarem a dar errado, assim como vocês, Jeremy nunca deixou de me procurar, de tentar me rastrear, porém ele, assim como vocês, estavam procurando no lugar certo, a pessoa errada — ele disse — quando Demetria me deu a noticia de que Miley havia dado sua vida, para salvar a vida da minha filha e da minha pequena netinha, a qual também soube que não resistiu, foi o suficiente para eu  finalmente aparecer aqui e contar tudo que tenho para contar, eu sei que é bem suspeito eu aparecer assim, mas espero que entendam, não foi fácil perder minha família e me manter firme todo esse tempo, se eu não soubesse o jogo podre que Jeremy joga, eu teria dado minha vida para salvar a vida da minha esposa e a da minhas filhas, é uma pena que a irmã da Kylie tenha escolhido outro lado e dado as costas a família, eu prefiro não a chamar de filha — ele disse suspirando — mas se eu não soubesse de tudo que Jeremy é capaz, eu teria me entregado a ele, se eu soubesse da garantia de vida da minha família, mas como eu sabia que não existia garantia nenhuma, então eu tentei fazer o melhor que pude — explicou e eu assenti.

— Onde você anda ficando? — perguntei e o mesmo deu de ombros.

— Nunca em um lugar só, ninguém nunca sabe onde me achar, mas eu sempre sei onde achar as pessoas — falou e eu assenti.

— Você pode ficar por aqui se quiser — falei e o mesmo negou.

— Não podemos deixar as coisas na cara assim, só de eu ter vindo até aqui, procurado vocês, já é uma coisa suspeita, não quero dar ordens a você e sua equipe, porque imagino que você odeie isso e que não respeite ordens, mas toma esse celular — ele me entregou um celular simples — foi Nolan que construiu, o Nolan me ajuda com a questão de informática, como ele montou todo esse celular, é impossível já estar grampeado e mais difícil de rastrea-lo, já que o mesmo não oferece GPS incluso — explicou — tem meu numero salvo ai, meu, do Nolan e da Demi, sempre que você quiser conversar sobre algo conosco, basta nos ligar e assim faremos também, ok Bieber? — perguntou e eu assenti.

— Certo, mas eu nunca vou deixar esse celular sair do meu escritório, afinal, é o lugar mais seguro da casa — expliquei e o mesmo assentiu — vou esperar sua ligação para que possamos marcar outra reunião, mas com ambas equipes reunidas — falei e o mesmo assentiu novamente.

— Ok Bieber, vamos nos mantermos informados de tudo que possa ser de interesse mutuo, tudo bem pra você? — perguntou e eu assenti — Ky, sempre que você quiser falar comigo, peça para me ligar também desse celular, ok? — perguntou e a mesma sorriu.

— Ok pai — ela disse e ele sorriu.

— Então eu vou nessa — falou colocando a peruca novamente e ajeitando alguns detalhes — até breve — ele me ofereceu a mão e eu apertei a mesma.

— Até — falei e Kylie sorriu.

— Tchau pai — ela o abraçou forte.

— Tchau minha jóia, até breve — ele disse e a mesma sorriu.

Bruce saiu do escritório e sumiu pelo hall, com Kenny lhe mostrando a saída da mansão. Era muita informação pra um dia só, Kylie havia fumado maconha, seu pai havia aparecido, trajando vestido, peruca e cílios postiços, sem contar tudo que ele havia falado.

— Acho que hoje o dia ta agradável pra umas cervejas — Kylie cantarolou enquanto seguia para a cozinha.

— Hoje o dia ta favorável pra tudo, pelo visto — falei e a mesma me encarou, mandando-me o dedo do meio.

— Me da um desconto, Drew — falou colocando a língua, me fazendo rir.

— Certo, eu vou falar com os caras, talvez um churrasco e umas cervejas não caiam mal — falei e a mesma assentiu, abrindo a primeira cerveja e voltando para a sala.

[...]

Kylie POV

Eu ainda estava sem acreditar em tudo que havia acontecido até hoje, parecia que eu estava sonhando ou sei lá, meu pai havia surgido dos mortos – podemos dizer assim – e me contado cada coisa que eu ainda não havia conseguido assimilar tudo. Ele sabia cada passo que eu dava, ele nos vigiava de longe, mas ele estava de mãos atadas, se ele se expusesse colocaria muita coisa em risco.

Eu não sabia se estava feliz por meu pai ter aparecido agora, ou se estava chateada por ele não ter aparecido antes. Se ele tivesse aparecido antes, provavelmente teria entrado no fogo cruzado que foi quando Jeremy me atraiu até aquele maldito hotel.

Megan estaria viva e em meus braços, se Bruce tivesse aparecido antes.

Ou não.

Minha consciência berrava comigo, dizendo que eu estava errada, que mesmo que meu pai tivesse culpa de eu estar envolvida nisso tudo, ele não tinha culpa se Jeremy era um psicopata, que queria matar os próprios filhos e havia conseguido matar a própria neta.

— O que foi bebê? — Harry perguntou me alcançando outra cerveja e tomando um gole da sua — Você está bem? Parece que você está travando uma guerra com você mesma — falou e eu dei um gole da minha cerveja.

— Eu estou — falei e o mesmo arqueou a sobrancelha, como se perguntasse qual das duas eu havia respondido.

— Eu estou bem e eu estou travando uma guerra comigo mesma — falei e o mesmo assentiu.

— Você deveria estar feliz, seu pai está vivo, está bem e veio procurar por você — falou e eu neguei tomando mais um gole da minha cerveja.

— Onde tá o Drew? — perguntei e o mesmo maneou a cabeça para o quintal.

— No quintal com os caras, Caitlin foi buscar a Gabe e o Caleb com a Kendall — falou e eu assenti.

— Obrigada — falei pegando minha cerveja e seguindo para o quintal.

— DREW — gritei o chamando e o mesmo apareceu na porta da cozinha que dava para o quintal.

— O que foi meu amor? — perguntou tomando sua cerveja.

— Eu quero que você mande destruir o quarto que montamos para a Megan, coloca tudo fora, bota fogo, dá pra que precise, eu sei lá! Mas eu quero que você suma com tudo aquilo! Não quero mais aquele quarto nessa casa, eu quero que você mande tudo pro inferno, eu não sei o que você vai fazer, mas eu não quero mais saber que tem aquele quarto no terceiro andar, com tudo que seria dela — falei negando — eu não quero mais sofrer por conta do que o filho da puta do Jeremy fez, eu não quero! — falei séria.

— O que aconteceu? Por que tudo isso agora? — perguntou me puxando para o lado de fora.

— Eu cansei de olhar pra tudo aquilo e ficar imaginando como seria se ela estivesse aqui! Eu cansei de ficar pensando se todo aquele inferno não tivesse acontecido! Eu não quero mais aquele quarto naquela casa! — falei fungando e limpando as lagrimas que haviam caído.

— Ver seu pai mexeu mais ainda com o seu psicológico — ele disse me puxando para m abraço e dando um beijo no topo da minha cabeça — tudo bem, amanhã bem cedo eu vou mandar desmontarem tudo e doar pra alguém que precise — falou e eu assenti fungando — você não precisa ficar assim, tá tudo bem — falou e eu assenti, sentindo seus lábios entrarem em contato com o meu.

— Quando eu botar as mãos no Jeremy, eu vou obriga-lo a engolir seus próprios testículos, sem contar que depois vou arrancar cada órgão dele e ve-lo sofrer aos poucos — falei séria e o mesmo sorriu de lado.

— Cara, você deveria deixa-la participar da próxima tortura, ia ser foda de mais, ver Kylie Jenner arrancando informações e torturando alguém, da pior maneira possível — Ryan falou me fazendo abrir um sorriso diabólico.

— Você tá louco? Nem fodendo! Já falei que quero deixar a Kylie bem longe dessas coisas! — Justin foi mais que rápido em responder.

— Qual é Drew, seria muito foda ver ela arrancando informações de algum cara que se acha bom de mais — foi a vez de Christian, o que me surpreendeu, já que ele nunca foi muito fã de ter as meninas envolvidas nisso tudo — sem contar que eu teria tudo salvo em uma fita, para vermos mais tarde, comendo pipoca, como se fosse um filme de terror — falou me fazendo gargalhar e Justin negar.

— Justin, você sabe que uma mulher consegue arrancar muito mais informações do que seis homens — Chaz falou e eu sorri.

Nunca subestime o poder das mulheres.

— Pra isso temos a Gabe, a Kendall, a Cait e a Jazzy — Justin falou cruzando os braços e observei Zayn assar a carne, Perrie se mantinha quieta, ela nunca se meteu nesses assuntos.

— para de doce Drew! A Gabe e Jazzy estão prestes a parir, qualquer hora o Dylan ou a Soph podem vir ao mundo, você sabe que elas estão afastadas por isso — Ryan falou dando mais uns goles na sua cerveja.

— Ainda temos a Kendall e a Caitlin — falou me fazendo revirar os olhos.

— Para de cu doce Drew! — eu falei —Deixe-me tentar! — falei sacudindo seu braço e o mesmo negou — E se fizermos um trato? Eu, a Ken e a Cait torturamos a próxima vitima, se não obtivermos o resultado desejado, eu nunca mais me meto nesses assuntos, mas se conseguirmos todas informações necessárias, eu entro de vez pra equipe — falei sorrindo e Justin me encarou com tédio.

— Eu sinceramente acho essa proposta ótima, cara, se eu  fosse você aceitava! — Chaz falou.

— Você não é eu, Charles — Justin falou fazendo Chaz fazer uma careta.

— O que uma ótima proposta? — Kendall apareceu no quintal, com Caitlin e Harry em seu encalço.

— Eu, você e a Caitlin participarmos da próxima tortura, se não obtivermos resultado, eu nunca mais me meto nos negócios, mas se conseguirmos todas informações, eu entro pra equipe de vez — falei e vi as duas mulheres a minha frente sorrirem.

— Eu acho isso incrível! — Caitlin falou e Kendall concordou.

— Eu acho errado, por mim sem essa, por mim, as meninas não se meteriam mais nisso! — Harry se pronunciou pela primeira vez.

— Pena que a sua opinião não conta! — eu, Kendall e Caitlin falamos em uníssono.

— A Ken é minha namorada, eu quero que ela saia da linha de fogo e da equipe, não quero ela correndo tanto risco assim — Harry falou, fazendo Kendall fulmina-lo.

— Sou sua namorada, não sua posse, você não tem que achar nada, não tem que mandar em alguma coisa que diz respeito a mim, quando você me conheceu eu já trabalhava com isso, eu não vou deixar de fazer o que eu gosto por causa de macho! Chaz por exemplo, nunca tentou me privar de nada, ele nunca pediu para que eu saísse dessa vida e sempre me apoiou em cada escolha, se eu não sai nem quando meu pai me implorou de joelhos enquanto chorava horrores, não vai ser por você que eu vou sair! Se você não está feliz com isso e não gosta, eu só lamento!  Se não me apoia fazer o que eu mais gosto, que é matar alguns filhos da puta, se você não quer ter uma mulher que trabalha no meio criminoso, acho melhor terminarmos e sermos apenas amigos! — Ken falou cruzando os braços abaixo do seus seios e encarou Harry, que a encarava incrédulo com tudo que ela havia acabado de dizer.

— MEU DEUS MULHER! EU TE VENERO! — Cait abraçou Kendall e gargalhou.

— Meu bem, ela é uma Jenner — falei piscando e ambas sorriram.

— MINHA GAROTA! PUTA QUE PARIU! KENDALL, TU É UM MULHERÃO DA PORRA! — Chaz berrou nos fazendo rir.

— Só tem mulherão da porra nessa família! Que orgulho das minhas garotas! — Ryan praticamente gritou erguendo sua cerveja.

— Cara... — Harry murmurou e Gabe apareceu ali com um suco de melancia.

— Harry, se eu fosse você, nem abria a boca! — falei e o mesmo me encarou.

— O que e perdi? — Gabe perguntou.

— Eu vou pro meu apartamento! — Harry deu o veredito — Kendall, amanhã conversamos! — falou sério.

— Não vamos ter nada pra conversar, se você for embora, pode ter certeza que está tudo acabado! — ela disse enquanto pegava uma cerveja — É pegar ou largar bebê, você quem sabe! — ela disse dando um longo gole na cerveja.

— PUTA QUE PARIU! — Harry berrou já dentro da cozinha e ouvimos o barulho de algo quebrando.

— EU NÃO SEI O QUE VOCÊ QUEBROU, MAS PODE TER CERTEZA QUE VOCÊ VAI PAGAR! — Justin berrou nos fazendo rir.

— E novamente eu pergunto, o que eu perdi? — Gabe perguntou tomando seu suco e sentando-se ao lado de Ryan.

— Nada meu amor! Nada! — Ryan falou rindo, levando um tapa na cabeça.

[...]

As crianças já haviam jantado e estavam no quinto sono, enquanto nós adultos continuávamos ali, conversando e bebendo, eram poucos os momentos em que conseguíamos ficar assim, sem nenhuma preocupação ou correndo risco de morte.

 — Vou ao banheiro — Gabe avisou levantando-se da cadeira com certa dificuldade, graças ao seu barrigão, ela já estava quase na porta, quando escutamos o barulho de água batendo no chão.

— Sua bexiga ta tão pequena assim amor? Não conseguiu segurar? — Ryan perguntou risonho e Gabe nos encarou assustada.

— A BOLSA ROMPEU! — berrei saltando do colo de Justin.

— Ryan seu merda! Levanta dessa cadeira e vai ajudar a Gabe! — Justin praticamente gritou levantando-se.

— Gabe, senta aqui! Logo a primeira contração deve aparecer! — Kendall falou ajudando Gabe a sentar.

— Ryan qual a porra do seu problema? Seu filho vai nascer seu merda! — Chaz o chacoalhou.

— Eu tô ligando pra ambulância! Gabe você precisa manter a calma e respirar fundo  quando chegar a primeira contração, ok? — Perrie falou colocando o celular na orelha, ela era a obstetra de Gabe  — Ckenzie! É a Perrie, manda uma ambulância... — ela disse afastando-se.

— Como eu vou manter a calma se eu não estou calma? — Gabe perguntou nervosa com os olhos arregalados.

— MEU DEUS! — Ryan gritou assim que Gabe cravou as unhas em seu braço e gritou de dor ao sentir a primeira contração, mas logo tentando se recompor.

— A bolsa com as coisas do bebê e da Gabe estão prontas? — perguntei pra Ryan que estava alheio a tudo.

— Sim! — Gabe respondeu ofegante — No closet do quarto do Ryan, uma bolsa azul bebê e a minha preta — falou respirando fundo e eu assenti, praticamente correndo pata dentro de casa, a procura das bolsas.

Peguei as bolsas e os celulares que estavam sob a cômoda perto da porta do quarto, descendo para o quintal novamente. Justin e  Chaz agilizavam as equipes de segurança para Ryan, Gabe e Dylan, já que sabíamos que Ryan não arredaria o pé do hospital para ficar de olho em seu filho. Ninguém queria correr o risco de acontecer o mesmo que aconteceu com Chaz e Kendall.

— Preciso avisar meus pais que o Dylan vai nascer! — Gabriella falou pedindo seu celular — Ryan Butler! Se você ficar me encarando com essa cara, eu vou te matar! — ela disse séria e o mesmo engoliu em seco olhando para mim.

— Ky, meu filho vai nascer! Meu segundo filho vai nascer! — ele disse incrédulo — Eu estou chocado! Porra! Meu segundo filho vai nascer! — falou sorrindo me fazendo rir fraco.

— Sim! E você precisa avisar os seus pais que o Dylan vai nascer! — falei lhe entregando o celular e o mesmo assentiu.

— Os seguranças já estão se mobilizando, tem uma equipe indo para o hospital, uma acompanhará eles e a outra ficara aqui em casa— Chaz explicou.

— Kylie, você pode tomar conta do Caleb até eu voltar? — Ryan pediu e eu assenti — Kendall, Caitlin, vocês também? — perguntou e ambas assentiram — Obrigado! — falou abraçando cada uma de nós, assim que viu a ambulância entrando nos portões da mansão.

— Eu vou hackear o sistema do hospital, pra ficar de olho em tudo pelas câmeras — Christian falou indo para dentro de casa, Jazzy já estava dormindo a horas.

— Eu vou pro hospital dar uma força, volto antes de amanhecer para buscar o Brian, tudo bem? — Zayn perguntou.

— Pode ficar tranquilo, não precisa se preocupar com o Brian, ele está em boas mãos! — falei e o mesmo sorriu, dando um beijo na minha testa.

Gabe entrou na ambulância e Ryan a acompanhou, Zayn estava levando Perrie no carro, enquanto Justin e Chaz foram em outro, para dar uma força pro melhor amigo, enquanto Christian observava tudo pelas câmeras.

[...]

Já se passavam de duas da madrugada, quando Justin me ligou, mandando eu, Cait e Kendall nos prepararmos e descermos até as salas, que Jaxon e Dom estariam com um cara a nossa espera. Hoje seria a prova de que, eu, assim como as meninas, éramos capazes de qualquer coisa, assim como os meninos.

Gabe ainda estava em trabalho de parto, havia dado algumas complicações, mas tudo estava bem, tirando o fato de Ryan já ter desmaiado duas vezes.

Deixei tudo de lado e segui para o closet, vesti uma legging preta e calcei meu nike também preto, vesti uma blusa de frio cinza e um moletom preto por cima, já que estava um pouco frio e Justin me aconselhou a vestir roupas quentes. Desci até a sala e Caitlin já estava ali, esperando por mim e Kendall. Cait não estava muito diferente de mim, vestindo uma legging preta, um moletom e calçando um tênis.

— Kendall sempre demora pra se arrumar! — Cait falou assim que me viu.

— As minhas fãs já estão falando de mim? Que lindo! — Ken falou nos fazendo gargalhar.

— Iludida! — falei e a mesma riu.

— Ok, vamos logo! Dom avisou que o cara já está lá e que se não formos logo ele e o Jaxon vão começar — Caitlin falou e logo tratamos de descer.

Eram tantos corredores e porás – as quais eu podia jurar que estávamos perdidas – até que Kendall parou em frente a uma porta, onde dois seguranças estavam parados e abriram para nós, Jaxon sorriu para a gente e chamou Dom.

— Ele é todo de vocês! — Jax falou pegando alguma coisa sob a mesa — Vamos Dom! Agora é com elas! — falou e Dom assentiu saindo dali com Jax.

— Se precisarem, estaremos por trás das câmeras! — Dom falou apontando para uma das quatro câmeras que havia por ali.

Kendall foi direto olhar as facas e lâminas, enquanto Caitlin observava alguns frascos e eu lia a ficha que havia sob a mesa.

Seu nome era Kurt Duval, tinha vinte e oito anos, era casado com uma mulher que se chamava Joanne e era pai de trigêmeos, Noel, Blake e Saphira, que tinham apenas um ano e alguns meses e trabalhava para Nick Jonas. Em anexo havia foto dos trigêmeos e da esposa. Me atentei a cada detalhe escrito naquela ficha, Christian que havia conseguido todas as informações.

— O nome dele é Kurt — falei deixando a ficha de lado — trabalha pro Nick é casado e é pai de trigêmeos, dois meninos e uma menina — falei e ambas assentiram. Torci o nariz ao ve-lo desacordado na cadeira — Mike, certo? — perguntei para o segurança que estava no canto da sala e o mesmo assentiu — Quero que traga três baldes d’água com gelo — falei e o mesmo logo tratou de ir buscar.

— Ele é suspeito do desaparecimento da Letty — Cait falou.

— O principal deles, aliás — Ken acrescentou.

[...]

Kurt POV

Senti a água gelada entrar em contato com o meu rosto, fazendo-me arregalar os olhos no mesmo instante, pisquei forte para me acostumar com a luz extremamente clara, meu corpo gelou por conta da água fria, mas meus músculos ficaram tensos quando notei que meus braços, assim como as minhas pernas, estavam presos a cadeira a qual eu estava sentado, sem me dar chance alguma de fuga.

Eu não conhecia o lugar onde eu estava e foi aí que lembrei, meu carro cercado por diversos carros pretos e muitos fuzis apontados para mim e para o meu carro, Jaxon Bieber tinha um sorriso debochado estampado em seu rosto e seus braços estavam cruzados em frente ao seu corpo, ao seu lado estava Dominic Toretto, me encarando como se eu fosse a sua próxima refeição.

— A bela adormecida finalmente acordou! Vamos comemorar meninas! — uma morena – gata pra caralho – falou parando em minha frente, fazendo as outras duas rirem.

— O Bieber agora está mandando mulheres para fazer o trabalho dele? TSC TSC, estou desapontado! Esperava mais dele! — falei e vi a mesma sorrir de forma sádica.

— Eu acho que não te dei a permissão de abrir a boca — a mesma falou fazendo uma cara de inocente — Ah! Eu não acho, eu tenho certeza! — falou me fazendo revirar os olhos.

— Eu quero brincar um pouquinho! Posso? — a outra falou, ambas eram bem semelhantes.

— Ok! Divirta-se! — a mais baixa falou sorrindo.

— Vamos direto ao ponto — falou — se você cooperar, não fazemos nada com os seus lindos trigêmeos e nem a sua amada — falou enquanto a terceira delas me mostrava as imagens ao vivo da minha casa, onde Blake, Noel e Saphira dormiam tranquilamente, assim como Joanne.

— Não ouse tocar neles! — rosnei e as três riram.

— Você sabe que não é assim que funciona, Kurt! — a que estava com o televisor falou — nós perguntamos e você responde, se cooperar direitinho, você sai inteiro e com vida daqui, e nada acontece a sua família, caso contrário, você já sabe — ela falou e piscou para mim.

Era óbvio que eu sabia como tudo funcionava, eu não estava a pouco tempo no mundo do crime, eu estava a muito, muito tempo, antes mesmo de conhecer Joanne.

Engoli em seco , uma coisa era me ameaçar, me torturar e me matar, outra coisa era envolver minha família, todos que viviam nesse mundo sabia o quão baixo e sujo era envolver as famílias, mas ninguém estava imune disso. Nick sempre se prontificou de deixar a segurança da minha família impecável, eu não sabia como havia falhado dessa forma, para que eles conseguissem invadir minha casa e me mandar imagens ao vivo de lá.

— O que vocês querem comigo? Por que não pegaram Nick? — perguntei encarando as três na minha frente. A mais baixa estava segurando um pedaço de ferro e um maçarico.

— Qual graça teria se pegássemos o prato principal primeiro? A maior graça é começar é ver os peões caindo antes do rei, não é mesmo? — a de olhos verdes falou para as outras que riram.

— Primeira pergunta: onde está a Letty? — uma delas perguntou e eu travei.

— Quem é Letty? — perguntei.

— Resposta errada! — a mesma falou imitando o som de uma buzina — Eu vou repetir e se você não me contar, minha querida prima vai se divertir um pouco com esse maçarico e essa barra de ferro — falou apontando para a mais baixa — Então, onde está a Letty? — perguntou e eu respirei fundo.

— Tic-tac — a mais baixa começou ligando o maçarico — tic-tac, tic-tac — falou enquanto esquentava a barra de ferro.

— Eu nunca ouvi falar de nenhuma Letty! — falei e me surpreendi com o soco que levei no maxilar.

— Eu não tenho paciência! — a de olhos verdes esbravejou — FALA LOGO! — falou ríspida.

— Caitlin, se acalma — a mais baixa falou desligando o maçarico e encostando a barra de ferro na minha barriga, me fazendo gritar de dor — Cadê a Letty? — perguntou tirando o ferro da minha barriga.

— Eu n... — não pude terminar de falar, a barra já estava quente e agora queimava meu braço, me fazendo uivar de dor.

— Você não vai mesmo cooperar? Você não tem amor a sua família? — a morena mais alta perguntou.

— Achei ácido — a tal Caitlin falou empolgada.

— Eu quero a minha faca! — a outra falou, recebendo uma faca que parecia uma espada bem pequena.

— Kendall, não acaba com a diversão rápido de mais — a mais baixa falou me fazendo encarar tudo atento. Meu braço e minha barriga ardiam por conta das queimaduras e se eu saísse com vida dessa porra, com certeza eu ficaria com essas cicatrizes e provavelmente sequelas.

A chance de eu sair com vida dali era de 1%, eu sabia bem, nunca, em hipótese alguma, se ouviu falar de alguma vitima dos Biebers, que havia sobrevivido a suas torturas.

— Eu vou perguntar mais uma vez — a mais baixa falou chegando bem próxima do meu ouvido, me causando um arrepio — a cada resposta que você nos der e não for a que nós queremos ouvir, a Kendall vai cortar um dedo seu por vez — falou e eu a encarei.

Seus olhos exalavam raiva, e ódio, dava para saber de longe que eu não era bem vindo ali e que a Letticia significava muito para aquelas três ali, que me encaravam como se eu fosse uma presa e elas as predadoras.

— Ok, mais uma veze — Kendall falou — onde — ela passou a faca levemente pelo meu dedo indicador da mão direita — está — agora ela passou no dedo médio —a — no anelar — Letty? — perguntou parando no mindinho.

— Nã... — meu grito foi estridente quando meu mindinho foi cortado e caiu no balde de gelo.

— Qual é? você quer mesmo perder os outros dedos? — perguntou e eu engoli em seco, eu assinei um termo de fidelidade, não podia simplesmente abrir a minha boca, porque elas iriam atrás de Nick e mesmo se eu saísse daqui com vida, lá fora eu seria um cara morto. Meu silêncio fez com que mais um dedo fosse cortado e outro grito escapasse da minha boca. Vi a raiva crescendo nos olhos da morena com a faca e outro dedo foi cortar.

— CHEGA! POR FAVOR! — urrei de dor e a mais baixa – a qual eu ainda não sabia o nome – comemorou.

— AH! Agora você vai abrir a boca? — ela falou sorridente.

— A Letty foi bem “fiel” enquanto estava conosco, porém, na noite em que descobrimos que ela era infiltrada, ela já sabia que havíamos descoberto e iria fugir, eu mesmo fui atrás dela quando ela fugiu, ela estava com um dos meus carros, eu atirei nos pneus e o mesmo capotou três vezes antes de começar a pegar fogo e explodir — as três me encaravam estagnadas com as minhas palavras.

— VOCÊ A MATOU! — a mais baixa gritou acertando um soco no meu nariz, fazendo minha cabeça tombar para trás.

— NÃO! EU NÃO A MATEI! — urrei de dor — NÃO HAVIA NINGUÉM NO CARRO QUANDO APAGAMOS O FOGO! NÃO HAVIA UM CORPO! ELA FUGIU ANTES QUE O CARRO CAPOTASSE E EXPLODISSE, ELA SIMPLESMENTE SUMIU! — falei tudo afobado e as mesmas se encaravam sem saber o que fazer.

— Ele nos disse tudo que sabe — Caitlin falou — Kylie, Jaxon e Dom já estão sabendo de tudo.

— Chamem alguém pra dar um jeito na mão dele! — Kylie falou preparando uma arma e mirando em meus joelhos, atirando nos mesmos logo após.

Eu não tinha nem força mais pra gritar, a dor já tomava conta do meu corpo e as lagrimas saiam sem minha permissão. Eu não tinha medo de morrer, eu nunca tive, meu medo, a partir do momento em que os meus filhos nasceram, era não estar presente quando eles crescessem e precisassem do pai presente.

— Você não vai morrer, talvez fique sem caminhar — Kendall falou — parabéns, você foi o premiado e vai sair daqui com vida — falou enquanto alguns seguranças entravam ali junto com um enfermeiro.

— Te aconselho a fugir do Nick, ele vai saber que você abriu a sua boca e vai atrás de você — Caitlin falou.

— Vocês vão precisar me assegurar que a minha família não vai estar nas mãos do Nick — falei engolindo em seco ao sentir a anestesia entrar em contato com o meu corpo.

— Eu vou falar com o Drew — Kylie falou — tirem ele daqui e o deixem em casa, eu vou falar com o Drew e ele vai me dar o veredito — falou e logo vi tudo  escurecer.

[...]

Dominic POV

Toda a esperança que eu tinha de encontra-la, esvaiu-se assim que aquele cara abriu a boca e contou a sua versão da história.

— Ele esta falando a verdade — Jaxon constatou e eu o encarei — um mentiroso conhece outro mentiroso de longe e sabe quando uma coisa é mentira ou não — ele disse — e ele ali — apontou para a tela onde mostrava Kurt — está falando a verdade, vou ligar pro Drew, aquele cara abriu a boca porque mexemos com a família dele, deu pra ver na cara dele o medo que ele tem de perder a família — falou e eu bufei.

— Voltamos a estaca zero, merda! — murmurei esbravejando — Como eu vou voltar pra casa e explicar pra Mia que não encontrei a Letty? Que eu não tenho uma pista sequer de onde está a sua melhor amiga? — perguntei — Eu prometi a Letty uma vez, quando éramos bem mais jovens, que eu sempre a protegeria e estaria ao seu lado pra tudo e eu falhei Jaxon! Eu prometi e não cumpri! Eu não faço ideia de onde a Letty pode estar! Minhas esperanças estavam naquele cara e agora, pela primeira vez na minha vida, eu não sei o que fazer, porque eu já não tenho mais esperanças! — falei e o mesmo respirou fundo.

— Vai pra casa Dom, nós não vamos desistir de encontra-la! Ela faz parte da nossa família, nós vamos acha-la! — Jaxon falou e eu suspirei.

— Certo, eu vou pra casa, qualquer coisa me liga — falei e o mesmo assentiu. A maioria do pessoal estava no hospital, esperando o nascimento de Dylan, o filho mais novo de Ryan.

Era quase quatro da madrugada, as ruas de Malibu estavam praticamente desertas, se não fosse pelo ronco do motor do meu carro e o movimento de alguns bares e também de uma das boates que havia por ali – que inclusive era de Justin – onde vi alguns adolescentes saindo, me fazendo rir fraco. Antes das crianças nascerem, todos nós vivíamos em festas, rachas, nossas vidas eram menos corridas e mais calmas do que hoje em dia. Eu seguia pelas ruas a caminho de casa, eu sentia tanta falta da Letty, nós estávamos juntos desde que a mesma tinha apenas treze anos e eu dezesseis. Ela estava comigo quando perdi meus pais, quando tudo começou a desmoronar sob mim, ela foi quem ficou ao meu lado e me deu o suporte que eu precisava, quando o pai dela morreu por conta do câncer, eu fui seu ombro amigo... foi quando enriquecemos – juntos – que vimos a mãe dela tentar se aproximar pra tentar arrancar algum dinheiro que fosse de nós e eu dei um jeito – com as minhas próprias mãos – mas dei um jeito, e foi no meu colo que ela chorou, por tudo que havia acontecido, foi ai que eu prometi a ela e a mim mesmo que a protegeria de tudo e todos, que estaria ao seu lado sempre.

Parei no cruzamento quando o sinal ficou vermelho, me remexi desconfortável quando uma viatura parou ao meu lado e outra atrás de mim. Fechei o vidro e mandei uma mensagem para Christian e uma para Bryan, avisando o que poderia acontecer, decidi mudar a rota para ver se era coisa da minha cabeça ou não. Eu iria dirigir até minha antiga casa, lá não havia nada que me incriminasse e eles não botariam as mãos em Mia, Bryan ou Christopher, nem chegariam perto de algo que os levassem aos caras. Uma das viaturas seguiu o caminho oposto, minha antiga casa ficava em um bairro pobre mais afastado, a outra viatura me seguia pelas ruas desertas, me deixando apreensivo, era só o que me faltava pra completar a desgraça.

Reconheci os carros dos seguranças de Justin e fiquei mais aliviado, eles forjariam meu sequestro caso a policia ameaçasse alguma coisa. Desconfiei que fosse realmente a policia quando um dos carros se aproximou de mais da viatura  e a mesma dobrou bruscamente na rua mais próxima, dois carros seguiram a mesma e Tyga desceu de um dos carros, com o fuzil preso em seu corpo.

— Você está bem? — perguntou e eu assenti.

— Não era a policia — falei e o mesmo me encarou.

— É claro que não, eles não estavam nem fardados, se fosse realmente a policia teria te abordado assim que você entrou no campo de visão deles, esses aí eram pau mandados, provavelmente de Jeremy — falou e eu assenti.

— Ou do Nick — falei e o mesmo me encarou franzindo apenas um dos olhos.

— Acho difícil, Nick está quieto demais, ele não decidiria agir logo hoje que vocês também decidiriam agir, seria uma coincidência muito grande, você não acha? — perguntou.

— Realmente — falei passando as mãos em meu rosto e consecutivamente em minha cabeça.

— Esses caras podem ser do Owen Schawn também, o Bieber já alertou todos nós, pra ficarmos de olho em tudo, Owen jurou vingança e o Somers disse que Owen nunca deixa nada barato — Andrews falou descendo do outro carro.

— Eu estou exausto — murmurei respirando fundo.

— Vamos te escoltar até em casa, mas você vai no nosso carro e um dos nossos vai levar seu carro de volta pra mansão, pra não descobrirem onde você mora — Tyga falou e eu assenti.

— Carter, leva o carro do Toretto de volta pra mansão, nós vamos leva-lo de volta pra casa, vocês três o escoltem até a mansão e qualquer coisa ativem pelo radio, vocês quatro vão com a gente — Andrews deu as ordens e todos assentiram.

Subi em um dos carros junto com Tyga e Andrews, respirei fundo e olhei meu celular, Christian havia avisado que havia mandado reforços  e Bryan disse que estaria antenado a qualquer movimento estranho que chegasse perto da nossa casa.

O caminho foi rápido e silencioso, quando estacionaram  em frente a minha casa soltei a respiração de forma pesada, vasculharam a quadra inteira e não havia nada que pudéssemos falar que era estranho, o bairro que Mia e Letty haviam decidido comprar a casa era um bairro familiar, nada de ponto de drogas ou coisas do tipo, era perfeito para Christopher crescer, mesmo que quando ele fosse um pouco mais velho, passasse mais tempo na mansão junto com nós e as outras crianças do que aqui. Um dos seguranças avisou que estava tudo limpo e eu desci do carro indo para a varanda da casa, a porta foi aberta brutamente e a imagem de Mia preocupada se formou na minha frente.

— Graças a Deus — ela me abraçou forte — o Bryan me contou, meu Deus eu fiquei tão nervosa — falou e eu ri fraco.

— Está tudo bem — falei e a mesma sorriu — obrigada pessoal, podem ir pra casa — falei e todos assentiram voltando para os carros. Bryan ligou o alarme assim que fechei a porta e me lançou um sorriso despreocupado.

— Alguma noticia sobre a Letty? — Mia perguntou e eu respirei fundo.

— Precisamos conversar sobre isso — falei e a mesma me encarou preocupada e atenta.

[...]

Justin POV

Voltei para casa assim que Kylie me ligou, eu sabia que Ryan precisava do meu apoio, mas como tudo estava bem no hospital, decidi que voltaria para lá pela manhã. Gabe não estava com dilatação o suficiente e estavam começando a induzir o parto, para que Dylan não ficasse preso e acontecesse qualquer coisa ruim tanto com ele quanto com Gabe.

— Então vocês conseguiram arrancar isso do cara? — perguntei as três que estavam sentadas na minha frente em meu escritório e as três assentiram — Ele foi a primeira pessoa que entrou naquelas salas e saiu com vida — falei e Kylie me encarou.

— Há uma primeira vez pra tudo — ela disse e eu assenti.

— Foi ótimo o trabalho de vocês três — falei e as três sorriram — sabe o que isso significa Ky? — perguntei e a mesma sorriu mais ainda.

— Eu estou na equipe? — perguntou e eu assenti.

— Nós prometemos que a família do Kurt não sofreria nada Justin, nós precisamos cumprir — Caitlin falou e eu assenti.

— Vou procurar a família do cara, provavelmente eles entrem para o programa de proteção de testemunhas dos Bieber’s — falei fazendo graça e a mesma riu.

— Eu nem sabia que isso existia — Kendall falou com o cenho franzido me fazendo rir.

— Não existe, Kendall, eu acabei de inventar — falei e a mesma bateu em sua testa me fazendo revirar os olhos — vamos precisar achar outras pistas sobre a Letty, ele nos ajudou bastante falando que ela conseguiu sumir e que não morreu, bom, pelo menos não naquela ocasião — falei e as três assentiram.

— Se ela tivesse morrido nós saberíamos, noticia ruim chega rápido e nós teríamos que no mínimo ter que reconhecer o corpo — Kylie falou e eu assenti.

— Podem ir descansar, eu vou conversar com o Chris e depois vou voltar para o hospital — falei.

— Boa noite Drew, boa noite Kylie — Caitlin falou e eu acenei para mesma, assim como Ky.

— Boa noite pra vocês — Kendall bocejou.

— Boa noite — falamos juntos e a mesma se retirou junto com Caitlin.

— Eu fui bem? — Kylie perguntou e eu assenti.

— Jaxon disse que as três foram bem, com o tempo você vai pegando mais o jeito e a prática — falei e a mesma sorriu passando seu braços pelo meu pescoço.

— Você pode me ajudar — ela sorriu e eu sorri de volta.

— Claro que sim — falei lhe abraçando e a mesma selou nossos lábios.

— Estou tão cansada — murmurou ainda com os olhos fechados.

— Vai dormir meu amor, amanhã pela manhã eu volto pra casa e você pode ir no hospital ver a Gabe e o Ryan — falei e a mesma assentiu.

— O Dylan ainda não nasceu? — perguntou e eu neguei.

— A Gabriella não está com dilatação suficiente pra isso — falei e a mesma assentiu bocejando — quando eu sai de lá, haviam começado o processo de induzir o parto, pra Gabe ter dilatação suficiente — falei e a mesma piscou forte — meu Deus, você está quase dormindo em pé — falei e a mesma riu fraco.

— Eu estou cansada e bebi muita cerveja — falou e eu sorri fazendo-a montar em meu colo.

— Então eu vou te levar pra cama — falei e a mesma deitou a cabeça no meu ombro, subi até nosso quarto e a deitei na cama, a ajudei a tirar o tênis, a legging apertada e o moletom, a mesma se desvencilhou da sua camiseta e me encarou por longos segundos, como se esperasse por alguma coisa — O que foi? — perguntei e a mesma arqueou a sobrancelha.

— Sua camiseta, eu quero ela — falou e eu neguei rindo fraco, tirei a jaqueta e a camiseta, entregando a camiseta para ela que sorriu como uma criança que acabara de ganhar seu doce preferido.

— Dorme bem meu amor — falei assim que vi a mesma se acomodar na cama e se tapar.

— Pra eu dormir bem só com você dormindo comigo — ela disse manhosa me fazendo rir fraco.

— Eu queria e muito dormir agarrado em você — falei beijando sua testa e seu nariz — mas meu melhor amigo está quase dando a luz no lugar da Gabe, então eu preciso estar lá com ele — falei e a mesma sorriu assentindo.

— Você tem razão — ela bocejou e piscou forte — amanhã pela manhã eu vou pro hospital — bocejou novamente.

— Dorme logo mulher, eu estou aqui ainda — falei acariciando seu cabelo e a mesma soltou uma risadinha baixa. Não demorou mais do que dois minutos para que Kylie apagasse de vez na cama, dei um beijo em sua testa novamente e fui para o banheiro, decidi tomar um banho rápido e assim fiz, vesti minha cueca e uma calça jeans por cima, uma blusa preta e um moletom verde escuro por cima, calcei meu nike preto e coloquei um boné também verde escuro, conferi o relógio que Christian havia montado para mim, assim como fez para ele, Ryan, Chaz e Jaxon, estava funcionando perfeitamente, me olhei no espelho e fiz uma careta pro meu cabelo, ele estava tão cumprido que estava enrolando-se no fim do boné, Kylie sempre gostara do meu cabelo assim, mas eu não era muito fã não.

Peguei meu celular e minhas chaves do carro, deixei pra conversar com Christian pela manhã, provavelmente ele estava cansado, assim como todos nós, então deixei com que ele descansasse. Um carro de segurança foi me escoltando até o hospital, eu não entendia como tudo estava tão tranquilo ultimamente, acho que se eu quisesse sair até mesmo sozinho e a pé eu poderia – não que eu fosse arriscar – mas provavelmente nada aconteceria, já que meus inimigos ainda estudavam um jeito de me derrubar e quando eles dessem as caras, aí sim não seria nada bonito de ver.

Estacionei em frente ao hospital e segui para a mesma sala em que estávamos antes de Jaxon me ligar e me contar tudo, Ryan tomava soro direto na veia e Chaz mexia em seu celular, provavelmente checando com algum empregado como estava Melanie.

— Acabaram de levar a Gabe pra sala de parto, ela já está com dilatação suficiente — Charles falou desviando a atenção do celular para mim e guardando o mesmo — Ryan desmaiou de novo quando viu que cabia mais de cinco dedos na buceta da Gabe e amarraram ele nessa maca e deram soro direto na veia dele — explicou me fazendo rir.

— Eles não me deixaram nem ir assistir ao parto! — Ryan resmungou me encarando.

— Quem está acompanhando a Gabe? — perguntei.

— A mãe dela — ambos falaram e eu assenti.

— Como estão as coisas na mansão? — Chaz perguntou e eu dei de ombros.

— Tudo tranquilo, as crianças dormindo, as meninas conseguiram uma informação importante com o cara que o Jaxon e o Dom pegaram — falei e os dois me encararam atentos.

[...]

Ryan POV

Dylan nasceu as cinco e trinta e três da madrugada, ele media cinquenta e quatro centímetros e pesava três quilos e oitocentos e noventa gramas. Meu mundo parecia que havia parado assim que a enfermeira tirou o acesso com o soro do meu braço e nos avisou que Dylan havia nascido. Eu corri até a sala onde me disseram que dariam o banho nele e que se eu quisesse, eu poderia dar o primeiro banho.

Ao segura-lo ali, pela primeira vez, meu coração encheu-se de alegria novamente, agora eu tinha dois moleques, pra jogar videogame, jogar basquete e futebol, eu tinha dois moleques que passariam o rodo em todas as garotas da escola e eu não poderia estar mais feliz.

— Ele é tão lindo — falei emocionado após terminar o banho e colocar a fralda, vestindo sua roupinha e o enrolando na manta azul.

— Ele com certeza puxou ao pai — a enfermeira estagiária falou ao meu lado, me fazendo olha-la de canto de olho.

— Você acabou de me chamar de lindo? — perguntei e a mesma me encarou envergonhada.

— Nã-não senhor, eu quis dizer...

— Está tudo bem — falei rindo fraco e encarando meu filho em meu colo, o nariz arrebitado era idêntico ao de Gabe, assim como o formato da boca, os seus olhos já haviam puxado mais aos meus do que o de Gabe, mas eu precisava discordar da enfermeira, ele parecia muito mais com a Gabe do que comigo.

— EU QUERO CONHECER ELE! — Gabe esbravejou — OLHA AQUI, EU NÃO TO NEM AI QUE RECÉM LEVEI PONTOS! EU QUERO VER MEU FILHO PORRA! — ela gritou me fazendo rir e encarar o pequeno ser loiro que estava acordado e me encarava.

— Sua mãe é louca — falei rindo fraco — completamente louca — falei enquanto o ninava — mas eu amo ela, porque ela me deu você — falei sorrindo e o mesmo agarrou meu dedo me fazendo sorrir ainda mais.

Levei Dylan até onde Gabe estava, ela estava de pé, com os braços cruzados e os cabelos completamente embaraçados, sem contar a sua cara de cansada.

— MEU DEUS! — ela cobriu a boca assim que me encarou com Dylan em seus braços — Eu não acredito que eu carreguei ele nove meses dentro de mim e você pega ele no colo antes de mim! — ela disse séria praticamente me arrancando o bebê dos meus braços.

— Cuidado pra não machuca-lo! — falei e pude ouvir minha sogra rir.

— É o seu primeiro? — Meredith perguntou e eu neguei, ela não conhecia Caleb, já que Kristen quase nunca deixava eu ficar muito tempo com ele.

— Não, o Caleb é mais velho, tem cinco anos — falei e a mesma sorriu assentindo.

— Meu primeiro netinho — ela disse emocionada ao ver o pequeno no colo de Gabe — ele é tão lindo — falou me fazendo sorrir.

— Eu discordo, meu filho tem a cara toda amassada, parece que... — Gabe falou e levou um tapa no braço.

— Cala boca Gabriella Lynn Campbell! — Meredith esbravejou me fazendo rir.

— Certo mocinha — Perri entrou no quarto, agora sem a roupa cirúrgica e sem mascara, apenas com os cabelos presos — ele você me entrega — falou pegando Dylan e sorriu ao ve-lo bem gordinho e saudável — você precisa descansar, terá alta pela manhã, então trate de dormir, o berço dele já está no seu quarto, então é só vocês irem pra lá — explicou e nós assentimos.

— Eu posso ir caminhando? Eu me nego a sentar naquela cadeira de rodas! Eu me sinto uma inútil — falou me fazendo rir e Meredith negar e murmurar um “onde foi que eu errei”.

— Claro, é até bom que você caminhe — falou e nós assentimos — Gabe, como eu sei que você gosta de comer, o Zayn deixou uma cesta com tudo que você tem direito de comer por enquanto, e não, você não pode tomar nem cerveja nem refrigerante — falou antes que perguntássemos e entregou Dylan para a avó dele, que estava ansiosa para pega-lo.

— Baby, você me deu um dos melhores presentes de toda a minha vida — falei dando um beijo em sua tempora e a mesma sorriu.

— Você me deu o melhor presente de toda a minha vida — ela disse encarando sua mãe com o nosso filho, enquanto seguíamos pelos corredores – escoltados até os dentes pelos seguranças – até o quarto — Mãe, só o Ryan vai poder ficar no hospital comigo — falou chamando a atenção de Meredith.

— Eu sei, o menino Charles vai me levar em casa — ela sorriu e entramos no quarto. Justin, Chaz e Zayn estavam la e praticamente avançaram em cima de Gabe para ver a minha mais nova obra de arte.

Ri fraco com o meu pensamento e sorri ao encarar a minha garota entregando nosso filho primeiro a Justin, que se gabava por ter pego Dylan no colo antes de Chaz. Ambos seriam padrinhos do pequeno e eu achava engraçado a brigada deles, já que foi assim quando Melanie nasceu também, antes de acontecer o que aconteceu, porém entre eu, Justin e Christian e quando os gêmeos nasceram, foi igualzinho entre eu, Chaz e Christian e provavelmente quando Sophie nascesse, também seria assim.

Talvez essa fosse a lei da nossa família.

Nossa família.

Sorri com a frase e ri fraco quando notei que Gabe se deitava na sua cama, mas não parava de implicar com os caras – os quais sabiam segurar uma criança muito melhor que ela, já que os três já eram pais – e eu me sentei na poltrona, sentindo meus músculos relaxarem aos poucos.

— Mamãe, agora é hora de você aprender como deixar seu filho quando ele for mamar — uma das enfermeiras entrou no quarto — peço que os quatro se retirem, só abrirá o horário de visitas a partir das nove da manhã — ela disse.

— Tchau cara! Seu filho é lindo! — Justin falou fazendo nosso cumprimento.

— Você soube fazer direitinho — Chaz debochou me fazendo rir e fizemos nosso toque.

— Cuida bem dos seus moleques cara — Zayn sorriu — e da marrenta também — falou  e eu assenti rindo.

— Pode deixar! — falei enquanto chocávamos nossos punhos. Depois de mil recomendações, Meredith enfim saiu do quarto para que Chaz a levasse para casa. Meus pais pousariam em solo californiano só pela tarde e iriam direto para a mansão. Então tudo estava tranquilo.

— Você tem que deixa-lo assim — a enfermeira explicou — se você o deitar demais ele pode se afogar — alertou — o resto ele faz tudo sozinho — sorriu — bom, tenham um bom fim de madrugada, até mais — a enfermeira falou e nós assentimos vendo a mesma sair do quarto.

Michael, Grayson e Jason entraram para o quarto, Michael ficou próximo a janela, com Grayson e Jason parando um em cada lado da porta, no lado de fora eu sabia que havia mais seguranças e eu sorri com aquilo, Justin e Charles haviam prevenido que qualquer coisa acontecesse com o meu filho.

[...]


Notas Finais


Caso queiram falar comigo fora do Spirit:
meu twitter: https://twitter.com/DearIsGab
facebook: https://www.facebook.com/gabrielle.maciel.7
whatsapp: (053)991*11*85*76
Faltam 6 capitulos para o fim da primeira temporada de CFL, animadas?
Não se esqueça, criticas CONSTRUTIVAS sempre são bem-vindas! Nos vemos no próximo capitulo!
beijinhos <3

TWITTER DOS PERSONAGENS:
https://twitter.com/JustinBieberCFL
https://twitter.com/JaxonBieberCFL
https://twitter.com/JazmynBieberCFL
https://twitter.com/KylieJennerCFL
https://twitter.com/KenJennerCFL
https://twitter.com/ChazSomersCFL
https://twitter.com/RyanButlerCFL
https://twitter.com/ChrisBeadlesCFL


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...