História Crimson and clover - Yoonmin - Capítulo 5


Escrita por:

Visualizações 38
Palavras 9.468
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Comédia, Ecchi, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - Ajuda


☾ ...10 de Outubro, 12:16 pm... ☾

- Ei! Esse café é meu! 

- Vai embora, anão. 

- Escuta aqui, Min Yoongi, você tem a mesma altura que eu, estúpido, então… 

- Você é literalmente do tamanho de um cascalho, aberração. Dê licença da cozinha, por favor.

- Yoongi! - Jimin choramingou pela quinta vez naquela manhã, elevando sua voz no ouvido de Yoongi enquanto esforçava-se para resgatar seu café das garras dominantes do garoto. Yoongi apenas sorriu maliciosamente para ele, erguendo uma sobrancelha diante de seus esforços melodramáticos, e do modo com que uma carranca tomava conta de suas feições na forma de um biquinho e olhos marejados. Ele ainda não cedeu o café.   

- Não tem nenhuma indicação de que o café seja seu - Yoongi informou sob uma fachada de educação, mas escorrendo sarcasmo. Ele moveu a caneca em suas mãos habilmente, encarando Jimin com cuidado. - Não tô vendo nenhuma etiqueta. 

- Eu preciso de uma etiqueta? - Jimin exclamou, parecendo ainda mais escandalizado do que antes diante daquela descoberta. A luz matinal filtrava-se fracamente para dentro da cozinha, um raio de sol pintado sobre seu rosto petulante. - É a minha caneca! 

- Não, não é sua caneca. Faz logo outro café pra você - Yoongi lhe disse firmemente, empurrando-o para trás e forçando-o a encostar as solas de seus pés no chão novamente, mas o garoto ergueu-se na ponta dos pés de novo; ele tinha um equilíbrio impressionante, Yoongi notou.

- Não posso, cuzão - Jimin recorreu a um forte tapa no braço de Yoongi, um golpe intenso que ardeu, mas Yoongi mal prestou atenção naquilo, especialmente porque Jimin ficava tão pateticamente fofo quando parecia tão sério assim por causa de coisas triviais. - Nosso café acabou! Eu fiz esse com a última colher! 

- Trágico - Yoongi disse com uma voz arrastada, seus olhos focados nos de Jimin, sem piscar, enquanto ele lentamente erguia a caneca até sua boca e tomava um gole longo e satisfeito. Ele assistiu alegremente ao olhar de Jimin, que se acendeu com um rancor furioso - algo ao qual Yoongi já havia se acostumado àquela altura. 

- Ooh - Jimin sibilou baixinho, mas Yoongi tinha certeza de que ele queria ser ouvido, especialmente porque o menor (definitivamente menor) espetou o peito de Yoongi com seu pequenino dedo indicador, empurrando-o para trás levemente. Ele parecia muito agressivo, e Yoongi teve que morder o lábio para conter uma risada.  - Ooh. Já deu. Eu vou falar. Eu vou falar, tá bom? Eu vou falar... 

- Você definitivamente perdeu dessa vez. Não entendi - Yoongi estava genuinamente muito entretido naquele momento, puxando seu robe para baixo e cruzando os braços com curiosidade para saber o que exatamente o garoto inventaria agora. - Falar o quê? 

Jimin inspirou, suas bochechas estufando enquanto ele olhava Yoongi de cima a baixo. Yoongi queria, desesperadamente, apertar o rosto dele, conseguindo se conter por pouco. Era difícil não sorrir quando seu inimigo mortal estava de pé frente a ele usando pantufas e um suéter que era cinco vezes maior do que ele. 

- Eu tenho orgulho de ter botado fogo no Kumamon! - Jimin disse, seu tom de voz elevado. 

Yoongi encarou-o por um momento. Lentamente, mas com determinação, ele pousou sua caneca de café no balcão da cozinha firmemente. Jimin o observava com os olhos arregalados, já parecendo amargamente arrependido de ter aberto a boca para falar - fato que foi enfatizado quando ele começou a recuar, um passo atrapalhado atrás do outro.   

Yoongi, no entanto, se aproximou muito, muito mais, não deixando espaço para que Jimin fugisse dele, enquanto encostava as mãos contra o balcão, bloqueando qualquer saída visível. Ele certificou-se de retribuir o olhar de Jimin, os olhos escuros de ambos fixando-se  um no outro com a mesma intensidade, aquela que era frequente em suas discussões. Jimin estava congelado, piscando e hesitante. Céus, ele sempre carregava aquele olhar consigo, aquele olhar que lembrava Yoongi de tempestades, de chuva, do vento e da lua - uma falta de ar, uma prontidão, nunca ousando recuar.  

- Te dou cinco segundos pra retirar o que disse - Yoongi ronronou, inclinando a cabeça para o lado, desafiador. Era muito engraçado assistir aos lábios de Jimin se elevarem e contraírem com frustração, ainda que Yoongi com certeza o odiasse ainda mais agora. Por… Existir. Do jeito que ele existia. 

- Quer saber? - Jimin anunciou lentamente, tentando sair de fininho para longe de Yoongi, mas Yoongi puxou-o de volta por seu suéter exageradamente largo, observando enquanto ele lutava. - Eu tenho mesmo, de verdade, que ir pra faculdade, acabei de me dar conta de que eu vou chegar atrasa- 

- Quatro segundos.

- Me solta, babaca! 

- Três.

- É sério, Min Yoongi. Tá me escutando?

- Dois.

- Eu não vou voltar atrás! Não vou! - Jimin explodiu de repente, olhando ferozmente para Yoongi daquele jeito determinado e teimoso com o qual ele frequentemente olhava quando estava se sentindo vingativo. Seus olhos se estreitaram, e eles continham, de alguma forma, tanto fogo quanto gelo. Duas mãos pequenas se fecharam naqueles seus punhos infames, e suas sobrancelhas se comprimiram em uma chateação desanimada. Era uma baita visão de se contemplar, especialmente de manhã cedo.

- Você é a pior pessoa que eu já conheci e eu tenho orgulho de ter queimado o seu brinquedo estúpido!

Yoongi nem sequer esperou a contagem chegar a zero. 

Jimin pareceu instantaneamente se abaixar com rapidez sob o braço de Yoongi, guinchando enquanto ele pulava na direção do garoto. Yoongi não conseguiu pegá-lo, e estava cedo demais para que ele sequer pensasse em correr (só de pensar naquilo ele sentia nojo), mas ele andou com determinação atrás de Jimin enquanto ele tentava fugir. 

Yoongi sorriu para ele enquanto se aproximava, e Jimin não tinha para onde ir com suas costas contra a porta, olhando para Yoongi com os olhos arregalados. Cruzando os braços, Yoongi ergueu uma sobrancelha, indiferente mas também bastante entretido. Ele nem estava tão irritado, mas era divertido atormentar o Jimin. 

- Tudo bem. Eu retiro o que disse - Jimin cedeu, mas Yoongi conseguiu ver sua mão movendo-se furtivamente para alcançar a maçaneta da porta atrás dele. Merdinha sorrateiro. Ele sempre tinha alguma carta na manga. Como se ele fosse simplesmente recuar assim. - Me deixe em paz. 

- É tarde demais pra retirar agora - Yoongi estava só provocando-o, mas Jimin ainda não parecia ter percebido aquilo, claramente interpretando o sorriso travesso de Yoongi como um sorriso de intenções maléficas. - Talvez se você não fosse uma fadinha de merda, e soubesse que as palavras têm consequências, você não estaria nessa situação. 

- Uma o quê? - Jimin piscou para ele, tentando decifrar suas palavras. Ele enrugou o nariz, afundando as unhas nas palmas das mãos. Yoongi já havia lido em algum lugar que fofura causava agressividade nos humanos, o que talvez explicasse o porquê dele ter sido repentinamente tomado por um desejo violento de estrangular a si mesmo. Ser forçado a olhar para a porra da cara adorável de Park Jimin irritava-o ainda mais. - Você me chamou de fada?    

Mas antes que Yoongi pudesse sequer abrir a boca para responder, Jimin aproveitou a oportunidade para abrir a porta, e fugiu pela abertura, rápido demais para que Yoongi o alcançasse. Não era de se surpreender que ele fosse - supostamente - um bom dançarino se ele se movia tão rápido. Pausando por um mero momento, Yoongi sorriu maliciosamente e então bateu a porta com força atrás de si, trancando-a. 

Houve total silêncio por um momento, e Yoongi moveu-se de volta para a cozinha para apanhar seu café e tomar outro gole dele. Recostando-se contra a porta, ele esperou, e assim como ele esperava, lá veio a pergunta abafada do outro lado: 

- Você trancou a porta?

- É claro, Jiminie. 

- Vai se foder.

- Não, obrigado. 

- Mentiroso - Jimin repreendeu de um jeito extremamente irritante, e Yoongi fez uma careta, decidindo que era melhor não dar àquela acusação uma resposta. Ele pigarreou bruscamente e continuou:

- Tchauzinho, Jimin -  Ele disse no tom de voz mais falso e amigável que conseguiu, bocejando e esticando os braços; seu corpo doía, pedindo para que ele simplesmente voltasse para a cama, o que indicava que aquele café definitivamente não estava forte o suficiente. Ele sorriu de forma travessa, informando a Jimin: - Você fez o café fraco demais, aliás. 

- Isso porque ele é meu, babaca! - Jimin reclamou do outro lado da porta, e houve um som de batidas nela. - Me deixa entrar! Eu tô de pantufas, pelo amor de Deus. 

- Eu sei - Yoongi deu um sorriso malicioso para si mesmo e espiou pelo olho-mágico, entretido, para avistar um Park Jimin irritado, com braços cruzados e um biquinho infame. Ele estava repugnantemente adorável de pantufas e suéter ridiculamente largo. 

- Para - Jimin recostou sua testa contra a porta, bufando alto. - Você é tão imaturo. 

- Ah, sou? - Yoongi desafiou-o, estreitando os olhos apesar do fato de que o garoto não podia vê-lo. - Você literalmente chora toda vez que eu digo qualquer coisa levemente rude.  

- Eu sou sensível! - Jimin sibilou para ele e socou a porta novamente, olhando para trás de si ansiosamente no corredor. - Me deixa entrar. Se as pessoas saírem dos apartamentos, elas vão me ver. 

- E daí? 

- E daí que eu tô só de cueca e suéter, Yoongi! - Jimin puxou a borda do suéter um pouco mais para baixo, um jato rosado de constrangimento preenchendo suas bochechas.  

- Hm - Yoongi murmurou, bebendo mais um pouco de café com um sorriso maligno. - Você não disse que precisava ir pra faculdade mesmo? Então vai logo.

- Você tá tão encrencado, Min Yoongi! - Jimin exclamou, mas soou mais como um sussurro, na tentativa clara de não acordar ninguém. Suas mãos estavam fechadas em punhos, mas ele não parecia particularmente abalado ainda, só irritado. - Eu vou te matar! Alguém pode aparecer aqui, abre a porta! 

- Acho que você devia se desculpar - Yoongi cantarolou, sorrindo de leve enquanto olhava pelo olho-mágico. - Se desculpe, e eu te deixo entrar. Só diga que você sente muito.

- Você tá me tirando, porra? - Jimin retrucou, finalmente perdendo a paciência. - Não vou te dar a satisfação. 

Yoongi pôs-se em silêncio, terminando seu café e colocando o copo na pia com um suspiro. Não ouviu-se nada do outro lado da porta por alguns segundos, e então:

- Tá bem! Desculpa.

- O que disse?

- Eu disse que sinto muito, ok? - Jimin choramingou baixinho. 

Decidindo que ele já tinha atormentado Jimin o bastante para um dia só, Yoongi dirigiu-se à porta, destrancou-a e a abriu, revelando um Park Jimin fumegante que invadiu a sala de estar de um jeito que foi levemente aterrorizante. 

- Okay - Jimin disse em um tom elevado, encarando Yoongi com um olhar assassino ao virar-se para ele. - Agora vem aqui que eu vou arrancar as suas tripas.

- Ah, vai sim - Yoongi disse com sarcasmo, rindo baixinho sem se mover, observando enquanto Jimin se aproximava dele.

- Eu odeio você. 

Yoongi sentiu algo naquele momento. Talvez fosse o quão corado Jimin ainda parecia estar, o rubor em suas bochechas e a ausência de fôlego em suas palavras; ele não sabia bem, mas antes que Jimin pudesse infligir qualquer dano, Yoongi deu um passo para mais perto dele. Ele chegou tão perto que seus peitos quase se tocavam, de modo que ele podia sentir a respiração de Jimin em seu pescoço e encarava-o diretamente em seus olhos arregalados.

- Não acho que você tenha se desculpado com sinceridade, Jiminie - Yoongi inclinou a cabeça, avaliando sua reação sob a escuridão de seu olhar, que com certeza escureceu um pouco mais enquanto ele falava. 

- Por que eu teria sido sincero? - Jimin respondeu com a pretensão de confiança, mas ele visivelmente engoliu em seco, rompendo a encarada. Ele moveu-se para se afastar, mas Yoongi o impediu, de forma suave, com uma mão em seu ombro, e sorriu de forma travessa.

- Você quer ser punido de novo? - Yoongi não tinha certeza do porquê de ter dito aquilo, mas ele não esquivou-se de suas palavras, e para sua surpresa, Jimin também não. Ele hesitou por um mero milésimo de segundo, mas logo em seguida seu olhar cruzou o de Yoongi mais uma vez. 

- Chama isso de punição? Ser trancado do lado de fora? - Jimin respondeu, endurecendo sua mandíbula, tenso, e Yoongi sentiu algo se revirar dentro dele, bem lá no fundo. Ele abriu a boca, vasculhando o rosto de Jimin, impassível e indiferente como estava. O que ele estava fazendo? Yoongi não fazia ideia; era como se ele tivesse, repentinamente, parado de pensar sensatamente, como se seus pensamentos tivessem voado para longe de sua mente.  

- Mas que porra tá acontecendo aqui?  

Yoongi deu um solavanco para trás ao ouvir uma terceira voz, chegando a sentir-se tonto quando se afastou - e era como se ele houvesse saído de um mundo totalmente à parte enquanto olhava para a porta da frente, onde Taehyung e Jungkook estavam de pé, o primeiro bastante surpreso e o segundo bastante constrangido.

- Tae! - Jimin disse alegremente, subitamente tornando-se outra pessoa, como se não estivesse, antes, de pé em frente a Yoongi com uma energia imprevisível entre eles. Os olhos de Yoongi o seguiram instintivamente, atraídos para ele como insetos voadores são atraídos para a luz. - Kookie! Oi! 

- Estamos interrompendo alguma coisa? - Tae ergueu uma sobrancelha, penetrando ainda mais no cômodo e olhando de um garoto para o outro com expectativa. - Podemos voltar depois.  

- Por quê? - Jimin continuou a sorrir daquele seu modo confiante. Ele ainda parecia estar corado, só um pouco, mas não era muito perceptível. - A gente ainda vai sair pra tomar café da manhã, né? 

- Uhun - Jungkook, distraído, olhou de relance para Yoongi, que estava apenas de pé ali, assistindo com descrença tudo voltar ao normal. Por que o cérebro dele não estava funcionando direito? 

- Yoongi-hyung, você parece meio pálido.  

- Ele sempre foi pálido - Jimin informou, acenando com a mão como se para desfazer-se de Yoongi completamente. Yoongi, naturalmente, voltou na mesma hora para seu ódio por ele, e seu rosto formou uma carranca. Ugh. Ele precisava se conter. Ou se mudar. Ele podia achar outro lugar e outro alguém… Provavelmente. Jimin não daria a mínima; na verdade, ele comemoraria.  

- Dá pra você ir logo pra esse caralho? - Yoongi disse com irritação, esfregando sua nuca e virando-se para recuar de volta para a segurança de seu quarto, longe de garotos perigosos e de coisas que o deixavam um pouco assustado. Às vezes, se ele olhasse para Jimin por tempo demais, seus olhos doíam, e aquilo deixava-o levemente aterrorizado; pois como alguém tão doce podia ser tão poderoso sem nem mesmo saber disso?

- Eu preciso me trocar - Jimin disse a seus amigos, já de volta ao hábito de fingir que Yoongi não existia, pois ignorou as palavras dele. Ele desapareceu para dentro de seu quarto, a porta se trancando atrás dele. Houve silêncio entre os três restantes, durante o qual Jungkook estreitou olhos castanhos escuros acusativos na direção de Yoongi, e Taehyung pigarreou intensamente.  

- Vejo que vocês dois não estão se dando nem um pouco melhor - Tae disse, erguendo uma sobrancelha enquanto inspecionava Yoongi com um desapontamento abatido, que Yoongi achou bem ofensivo; ele não tinha construído aquela inimizade sozinho. - Eu não entendo nem como você consegue ficar com raiva do Jimin com tanta frequência. Ele é tão bonitinho e alegre! É como ficar bravo com um filhotinho de cachorro.   

- Ei! - Ouviu-se o protesto distante do próprio Jimin, vindo de seu quarto, mas ele ainda não deu as caras, mesmo enquanto gritava, repreendendo com a voz abafada. - Não me faça parecer tão ingênuo e bobo, eu não sou uma criança! 

- É impossível se dar bem com ele - Yoongi cruzou os braços, ignorando aquela interrupção teimosamente. Seu tom de voz estava agudo enquanto ele tentava se defender com uma raiva irracional; ele tinha quase certeza de que estava, na verdade, puto consigo mesmo. 

- Ele é nosso melhor amigo - Jungkook respondeu concisamente, olhando para Yoongi com desconfiança. Yoongi notou a mão de Taehyung movendo-se para pousar dedos trêmulos no pulso de Jungkook, apertando de leve, e perguntou-se se eles estavam juntos. - Então claramente não é impossível. Talvez você não esteja tentando. 

- Ele é um pé no saco - Yoongi disse francamente, sem se importar se Jimin escutasse. Suspirando, Taehyung revirou os olhos, pressionando seus lábios um contra o outro em uma expressão que Yoongi estava começando a achar familiar em muitos de seus amigos. 

- Cala a boca, hyung - Taehyung franziu o cenho. - Kookie tem razão. Você não tá tentando. 

- Eu não ligo, Tae - Jimin apareceu detrás de Yoongi de repente, como algum tipo de espectro mágico dos infernos, e andou até seus amigos. Ele tinha vestido jeans pretos desbotados e um macacão azul, e sorria presunçosamente para Yoongi. Yoongi resistiu ao impulso de beliscar aquelas bochechas sorridentes. - Eu não gosto dele também, e nem quero tentar. 

- Vocês dois são impossíveis - Taehyung reclamou, parecendo ainda mais exasperado enquanto pousava seu queixo sobre o ombro de Jungkook, movendo suas sobrancelhas expressivas. 

- Não importa, Taehyungie - Jimin respondeu, um leve cantarolar em seu tom de voz. Ele certamente parecia estar em um estado de humor muito melhor, puxando um sobretudo preto das costas de uma cadeira e jogando-o sobre os ombros. O olhar que ele dirigiu a Yoongi quando voltou-se para ele novamente era incrivelmente difícil de decifrar. - Eu prefiro morar num apartamento com um valentão preguiçoso e ranzinza do que nas ruas, então...  

Yoongi tentou não ficar drasticamente ofendido por aquela descrição, mas era difícil. 

- Isso me lembra - Tae estava agora dirigindo-se a Jimin, e todos eles pareciam haver esquecido que Yoongi sequer estava ali. Mesmo assim ele ficou ali, as duas mãos enfiadas fundo nos bolsos enquanto ele assistia à cena se desenrolando diante dele. - Que a gente vai dar sua festa de aniversário aqui este fim de semana, não é? Porque eu tava pensando que eu podia trazer-

- Cala a boca, hyung! - Jimin sibilou subitamente, agarrando o braço de Tae para impedi-lo de prosseguir, para a surpresa do mais novo, que bufou. Jimin olhou de volta para Yoongi nervosamente, como se uma bomba estivesse ameaçando explodir. 

- O quê? - Yoongi disse inexpressivo, sem mover-se um centímetro, apenas encarando com expectativa de um rosto cheio de culpa para o outro. - Vocês vão dar uma festa aqui?

- Hyung! - Jimin suspirou pateticamente, enterrando o rosto nas mãos e virando-se para repreender intensamente um Taehyung confuso. - Lembra-se do que eu disse? Não menciona na frente do Yoongi! Foi a única coisa que eu pedi com clareza pra você. 

- O quê? - Yoongi murmurou, erguendo uma sobrancelha devagar. 

- Eu te falei! - Jimin apontou para Yoongi de modo acusativo, como se ele fosse o inimigo, mas não se incomodou em olhar para ele. Yoongi sentiu-se levemente atacado. - Ele não vai deixar. 

- Porra, pelo amor de Jesus Cristo - Yoongi interrompeu o falatório dele, aproximando-se para entrosar-se melhor e estalando os dedos para conseguir a atenção de todos. - É a porra do seu aniversário, Jimin, você realmente acha que eu vou falar alguma coisa? Que tipo de monstro você acha que eu sou? 

- Ah - Jimin disse em uma vozinha tímida, envolvendo a si mesmo com os braços como se tivesse ficado com frio de repente, apesar de estar agasalhado. Ele encarou Yoongi como se não acreditasse muito nele, franzindo o cenho lentamente, uma pequena ruga aparecendo entre suas sobrancelhas. - Bem, Yoongi hyung, eu tava meio que te colocando no mesmo nível que o Grinch.

Jungkook acenou  com a cabeça, pensativo:

- Faz sentido.

- O Grinch? - Yoongi encarou, sem humor, avaliando a forma com que a boca de Jimin estava se contorcendo no canto, maliciosa e ousada. - Tá falando sério?

- Totalmente - Jimin assentiu, completamente firme em sua comparação, e lançou-lhe o tipo de sorriso que poderia cegar o mundo inteiro se fosse encarado por tempo demais, antes de unir as mãos, claramente apreendido por uma explosão de empolgação. - Ahh, isso vai ser tão divertido!  

- Eu vou trazer minha máquina de fumaça! - Taehyung cantou, agarrando os ombros de Jimin e saltando de leve como se usasse o outro garoto para impulso. Um grande sorriso estava em seu rosto também, algo travesso no qual Yoongi não confiava nem um pouco, especialmente conhecendo Tae tão bem quanto ele conhecia. 

- Por que você tem uma máquina de fumaça, Taehyungie? - Jungkook murmurou, uma pergunta mais direcionada a Taehyung pessoalmente, visto que foi sussurrada na orelha dele de um jeito quase deliberadamente íntimo, mas Yoongi tinha outras indagações. 

- Por que você precisa de uma máquina de fumaça? - O olhar de Yoongi percorreu os três garotos mais novos, seus olhos semicerrados. - Daqui a pouco você vai querer trazer um tapete vermelho. A Rainha Elizabeth vem pra festa?

- Não, hyung! - Jimin deu uma risadinha, balançando a cabeça para Yoongi. O brilho em seus olhos reluziu mais forte do que antes, cheio de vida e cor, e naquele momento Yoongi sentiu-se tonto novamente. - A Rainha Elizabeth nunca viria à minha festa de aniversário. Tenho certeza que ela é ocupada demais. 

- É - Yoongi murmurou sarcasticamente, com um sorriso travesso para si mesmo diante da lerdeza nas palavras que saíam da bela boca de seu colega de quarto. - Aposto que essa é a razão pela qual ela não vem, e não porque você é tão significante quanto uma formiga. 

- Isso foi rude - Jungkook informou, olhando para Yoongi meio absorto e meio irritado, como se esperando que ele se corrigisse imediatamente por desonrar Jimin. 

- É, você é rude, Yoongi-hyung - Para a “sorte” de Yoongi, Taehyung juntou-se, puxando Jimin para mais perto e abraçando-de de um jeito dramático, enquanto ele fungava de desespero sem nenhum motivo. - A Rainha Elizabeth seria privilegiada de vir à festa de aniversário do Jimin. Nós damos festas boas pra caramba.

Jimin revirou os olhos e deu de ombros, obviamente indiferente enquanto apanhava um cachecol preto do cabide na porta da frente e o envolvia ao redor de seu pescoço exposto. Jimin olhou para Yoongi sem expressão, e virou-se para responder Taehyung, mas seus olhos suaves não se afastaram de Yoongi por um momento sequer, o que deixou seus nervos à flor da pele. 

- É, nossas festas são boas - Jimin concordou, agora lançando sua mochila ao ombro e passando pelos dois amigos em direção à maçaneta da porta, antes de lançar mais um olhar a Yoongi por cima do ombro, sua sobrancelha oscilando para cima. - Até mais, infeliz.  

- Cala a boca, anão - Yoongi grunhiu em resposta, mas foi instantaneamente atingido por um pensamento que precisava externalizar antes que o garoto saísse, então chamou-o rapidamente: - E essas festas de arromba, o quanto exatamente elas ocupam de um apartamento, normalmente? 

- Ah, não se preocupe, hyung - Jimin instigou, e Yoongi estava extremamente desconfiado da leve e ofegante risadinha enquanto ele falava. - Não vai ser uma festa grande! 

 

☾ ..13 de Outubro,  9:47 pm... ☾

 

A festa acabou sendo a mais gigantesca, ridícula, caótica e fodida que Yoongi já tinha experienciado. 

Ele havia se barricado à distância em seu próprio quarto, trancando a porta e desligando-se do mundo para dormir sob a segurança calorosa de seu grosso edredom, mas agora aquela não era mais uma opção. Ele tentara travesseiros, tentara fones de ouvido, mas nada conseguia impedir a batida profunda da música que ecoava pelo apartamento. Yoongi sabia que ele eventualmente teria que ressurgir para ver seus amigos e tentar se divertir, mas ele não tinha pensado que seria tão cedo. Era aniversário de Jimin, e ele estava propositalmente tentando evitar qualquer contato, para o seu próprio bem. 

Colocando-se de pé forçosamente, penteando o cabelo com os dedos para que ele parecesse bagunçado de um jeito mais estiloso e menos desleixado, Yoongi fez uma careta diante de seu reflexo sombrio no espelho do lado oposto do quarto. Ele tinha que se arrumar? Ele esperava que não. 

Saindo de fininho pela porta de seu quarto e fechando-a atrás de si, Yoongi piscou sob as luzes fortes e o burburinho das pessoas que passavam. Eca, por Deus, isso era horrível. Ouvia-se o tamborilar de uma multidão que fluía entre os cômodos, o ar estava pesado, cheio de álcool e conversas e ele não conhecia nenhuma daquelas pessoas, literalmente. Ele ficou de pé ali por um momento, e assim que estava prestes a se esconder em seu quarto novamente, Yoongi viu-se repentinamente puxado pela manga de sua camiseta e interrompeu seus esforços de fuga.  

Ele virou-se para encontrar um rosto sorrindo para ele daquele jeito familiar e enfurecedor, olhos de lua crescente reluzindo com um brilho quase prateado. Jimin estava definitivamente bêbado; era claro pelo tom rosado em suas bochechas e por sua postura em geral. Yoongi ergueu uma sobrancelha para ele, surpreso por já ter deparado-se com ele tão cedo. Ele nem parecia estar prestando atenção em Yoongi. 

- Aonde você pensa que vai, Min? - Jimin aproximou-se para falar, mas suas palavras se arrastavam entre si, e ele cheirava a vodca e morangos. Seu hálito quente no pescoço de Yoongi, os dedos de Jimin apertaram com mais firmeza o suéter que ele estava usando, encurralando-o. O coração de Yoongi pareceu parar por um segundo, seu peito vacilando como se ele houvesse pulado um degrau nas escadas e estivesse caindo. Caindo em direção a algo que o aterrorizava. 

- Essa festa lembra o inferno - Yoongi murmurou em resposta, incerto se deveria separar-se de seu colega de quarto estranhamente grudento, mas pelo menos daquele jeito Jimin conseguia ouvi-lo por cima da música ensurdecedora. - Me sinto sufocado. 

- Era de se esperar que você conhecesse tão bem o inferno, ranzinza - Abrindo um sorriso afiado e perverso em sua direção, os dedos de Jimin, mais suaves do que nunca, dançaram rapidamente pelos ombros de Yoongi até tocarem sua bochecha, por um mero segundo, mas Yoongi ainda recuou, sua carranca intensificando-se. - Essa é a melhor festa que eu já vi. Você só não tá bêbado o suficiente, eu presumo.

- Você tá bêbado demais - Yoongi observou, olhando-o com desconfiança. Parecia que Jimin ficava bastante grudento quanto estava bêbado, o que era ruim para ele. - Tem tanta gente e esse apartamento é tão pequeno. Você conhece mesmo todo mundo que tá aqui? Porque, se conhece, você tem amigos demais. 

- Vodca! - Jimin repentinamente berrou com força, mas o grito saiu mais como uma música, e de repente ele estava empurrando Yoongi por meio da multidão em direção à cozinha, para onde o álcool estava, presumivelmente. - Beba! Ah, e não existe isso de ter amigos demais, estúpido. 

- Não aja como se você fosse intelectualmente superior a mim, pirralho - Yoongi sacudiu o pescoço, extremamente frustrado em ter sido levado ali quando tudo o que ele queria era se esconder de novo sob as cobertas seguras em sua cama. - Falando nisso, onde estão meus amigos, aqueles que você de fato conhece?

- Taetae e Kookie estão sabe-se lá onde fazendo sabe-se lá o que - Jimin divagou, apanhando um copo limpo e começando a preparar uma bebida. Ele estava claramente sentindo-se hospitaleiro, ainda que revirando os olhos ao falar do comportamento de seus melhores amigos. - Eu vi o Hobi na sala de estar flertando com um cara aí, e Namjoon e Jin também estão… em algum canto. 

- Iupi - Yoongi murmurou sarcasticamente, lançando um olhar saudoso na direção da porta de seu quarto. - Isso é ótimo.  

- Ei, Min Yoongi! - Jimin cutucou-o com força no braço, mas não parecia impressionado com seu comportamento. Yoongi não entendia porque ele estava sendo tão amigável; e sim, aquilo era amigável, se tratando deles. - É meu aniversário, você não pode ser rude, ou intolerante, ou maldoso, ou despeitado. Você tem que aproveitar a festa, bobão.  

- Então você pode ser rude, mas eu não?

- Duh. É meu aniversário.

- Certo.

- Você ainda não me desejou feliz aniversário, sabia, hyung? - Jimin empurrou um drinque contra o peito de Yoongi desastradamente para que ele o pegasse, mas quase derramou tudo em sua camiseta. Com uma risadinha, Jimin parecia ter achado algo muito engraçado por um momento, e Yoongi, em toda a sua gloriosa sobriedade, aparentemente não era capaz de entender.

- Feliz aniversário, Jiminie - Yoongi disse-lhe gentilmente, tomando um gole da bebida, que estava ridiculamente forte; mas ele tinha a sensação de que precisaria mesmo de algo para relaxar se a noite continuasse daquele jeito caótico e ensurdecedor.  

- Tenta não parecer um gato amuado, tá bom? - Jimin balançou a mão na frente do rosto de Yoongi, bufando bêbado e apanhando uma garrafa inteira de vodca para si. - Apenas cale a boca, não enche o saco e se divirta. 

- Então você ainda me odeia quando tá bêbado, Park? - Olhando para ele, Yoongi bebeu um pouco mais, relaxando com a queimação em sua garganta. Ele notou os olhos de Jimin cintilarem de modo obscuro por um segundo antes de ele sorrir novamente com aquele ar insinuante de superioridade. 

- Eu ainda te odiaria se você fosse o último homem no planeta, Min. 

- Bom saber. Não bebe demais, gente baixa fica embriagada mais rápido - Yoongi não estava tão chateado assim com as palavras do garoto, pois ele certamente teria dito a mesma coisa, mas algo sobre o estado de Jimin em geral estava deixando-o atordoado. Aqueles olhos espertos e boca esperta, e o modo com que sua camiseta cinza larga ficava solta na região dos ombros, expondo a curva de sua clavícula cor de mel. A forma com que a gargantilha de veludo agarrava-se ao seu pescoço, e brincos em formato de lágrimas balançavam em suas orelhas e capturavam as luzes suaves. Tudo aquilo estava forçando Yoongi a erguer suas barreiras, sua mente gritando para que ele lutasse contra aquela atração.  

- Bem, então você não devia beber nada - Jimin resmungou de volta, passando os dedos pelo cabelo, mas ele parecia estar encarando Yoongi, e bem intensamente. Yoongi não soube muito bem o que responder num primeiro instante, e tomou outro gole de seu copo.  

- Cala a boca, anão - Yoongi balbuciou eventualmente, decidindo virar-se de costas para Jimin. O jeito com que Jimin conseguia ser confiante o tempo todo o irritava. Com um interesse repentino no vaso de planta ao lado da pia, Yoongi não olhou mais até sentir Jimin sair de perto. O ar pareceu pesar um pouco mais. 

Certo, ele pensou. Hora de calar a boca, não encher o saco e me divertir. 

 

✧ ...13 de Outubro, 9:58 pm... ✧

 

Céus, Jimin não suportava Min Yoongi. 

Ele odiava a maneira com que Yoongi conseguia simplesmente ser tão bonito quando claramente nem estava tentando ser, e claramente não dava a mínima para o fato de que era aniversário de Jimin. Mas de alguma forma, em seus jeans pretos rasgados e um suéter de capuz com as mangas levantadas, Yoongi estava simplesmente sexy, sem nenhum esforço. Parecia tão simples, mas havia uma certa beleza preguiçosa nele. Como um gato esticado sob o sol, sonolento e confiante, mas com garras escondidas para atacar. 

Céus, e o fato de que Jimin estava tragicamente bêbado também não ajudava. Sua mente zumbia sob os efeitos do álcool e seus olhos embaçados enquanto ele espremia-se por entre um grupo para direcionar-se à cozinha. Com certeza tinha gente demais ali, ele certamente não tinha convidado tantas pessoas, e por Deus, o apartamento deles era minúsculo. 

Quando ele recostou-se contra a parede, ele finalmente avistou Yoongi, saindo de fininho de seu quarto. O olhar de Jimin focou nele, assistindo de longe por alguns minutos; e, enquanto ele observava, ele viu uma garota aproximar-se de Yoongi, vinda da direção oposta. Ela era bonita; uma morena esguia que olhava para Yoongi como se ele fosse uma presa. 

Talvez fosse o álcool que fizera Jimin impulsionar-se em direção a Yoongi, quase derrubando duas pessoas enquanto apreendia-o pela manga, chamando sua atenção antes que ele pudesse virar-se e reparar na garota atrás dele. Um olhar de surpresa percorreu o rosto do garoto mais velho por um segundo, mas Jimin apenas sorriu, sabendo que ele devia estar parecendo ridiculamente alegre. Atrás deles, a garota de cabelos morenos piscou para ambos, parando na metade do caminho e parecendo decepcionada. Com um sorriso travesso, Jimin deu uma olhada nela e voltou sua atenção de volta para Yoongi; ele não fazia ideia de onde aquele impulso de proteção tinha surgido.

Ele se inclinou para perto de Yoongi, ignorando o olhar de desgosto que recebeu e puxando-o para mais perto por seu suéter para falar em sua orelha, sobre a música alta. Jimin sabia que ele ficava bastante grudento e nojento quando estava bêbado, então foi a isso que ele atribuiu seu comportamento vergonhoso.

- Aonde você pensa que vai, Min? - Jimin quase deixou escapar uma risada por estarem tão perto um do outro, mas Yoongi não parecia exatamente entretido com aquela proximidade. Obviamente. 

Tudo passou como um borrão; o rosto de Yoongi girava desfocado enquanto eles conversavam, mas Jimin estava determinado a empurrar-lhe uma bebida e depois fugir dele antes que começasse a agir de forma ainda mais maluca. Ele arrasou Yoongi até a cozinha em meio às suas provocações enraivecidas, a uma distância segura dos bandos de garotas à espreita que poderiam atacá-lo.

- Cala a boca, anão. 

Jimin havia acabado de voltar sua mente para a conversa; ele tinha se distraído por alguns momentos, encarando o rosto de Yoongi - havia algo de cativante sobre ele, e agora que estava repugnantemente bêbado, sua mente estava ultrapassando a linha existente entre o que ele teoricamente odiava em Yoongi e o que ele, na verdade, poderia gostar. Mas assim que Yoongi falou, era tarde demais, porque o mais velho já havia se virado de costas para Jimin, deixando-o de plantado ali. Piscando, Jimin abriu a boca para dizer algo, hesitando com uma surpresa desanimada antes de, por fim, desistir. 

Quando ele avistou Taehyung pelo canto do olho, ele moveu-se para sair dali - não que Yoongi houvesse percebido, para a decepção de Jimin. Revirando os olhos e engolindo ainda mais de seu drinque imprudentemente, ele abriu um atalho até Taehyung.

- Taetae! Por onde você andava? -  Jimin exclamou animadamente, segurando seu copo por cima das pessoas enquanto abria caminho em direção a ele. Taehyung parecia levemente perdido e levemente atordoado também, sua camisa alguns botões mais aberta do que antes e o cabelo desgrenhado para todos os lados. Inclinando a cabeça, Jimin estudou-o enquanto ele se aproximava, mas sua mente estava barulhenta demais para interpretar qualquer coisa.

- Jiminie - A voz de Taehyung soou quase tão bêbada quanto a dele, mas cortante e mais grave, do jeito que ficava quando ele estava angustiado sobre algo. Jimin não sabia exatamente o que era, mas o garoto estava definitivamente franzindo o cenho. - Você não viu o Kook em algum lugar?

- Pensei que ele estivesse com você - Jimin respondeu, piscando lentamente enquanto olhava ao seu redor, percorrendo os olhos pelo apartamento, mas Jungkook não apareceu em meio à multidão. Jimin precisava muito se livrar de algumas daquelas pessoas - ele esperava que elas não estivessem fazendo barulho demais, pois o proprietário do apartamento surtaria, com certeza. - Você tá bem, Tae? 

- Ele tava comigo. Agora ele… não tá. Não importa. Eu… Tô bem - Tae pronunciou as palavras mais como uma meditação tardia, jogando o cabelo em seu rosto para trás e fazendo cara feia para o nada, seus olhos cinzentos percorrendo o cômodo mais uma vez. - Não se preocupa com isso, é seu aniversário. 

- É, o que significa que você devia estar comemorando! - Jimin sorriu descontroladamente, decidindo que era melhor distrair Taehyung, o que certamente seria fácil com a ajuda de doses fortes de álcool. Ele cutucou Tae de lado com o cotovelo, bebeu o resto do líquido queimante em seu copo e em seguida agarrou sua mão, puxando-o para dançar.  

- Ai, Jiminie, você tá tonto demais pra dançar - Taehyung começou, sua expressão se iluminando um pouco enquanto Jimin imediatamente tropeçava nos próprios pés, completamente sem equilíbrio. Colocando-o na postura adequada, Taehyung balançou a cabeça diante de suas palhaçadas. - Você sabe que vai ter uma ressaca gigantesca amanhã, né?

- Vale a pena! - Jimin cantou com toda a força em seus pulmões, tentando girar em um pé só e conseguindo apenas porque Taehyung agarrou seus ombros antes que ele pudesse tombar lindamente. Sem fôlego, Jimin deu uma risadinha e fechou os olhos por um momento, enquanto a tontura da embriaguez em sua cabeça diminuía aos poucos.  

- Eu ainda não vi o Yoongi-hyung por aqui - Taehyung moveu-se para encará-lo enquanto falava em meio à dança deles, suas mãos unidas de modo que os dois provavelmente estavam parecendo crianças de cinco anos usando uma à outra para conseguirem ficar de pé. Mas Jimin estava se divertindo, e ele estava relaxado demais para se importar com o que os outros estavam pensando. - Ele tá aqui, ao menos? 

- Ele literalmente acabou de sair do quarto - Jimin enrugou o nariz de chateação à mera menção do nome dele. Garoto horrível e estúpido. - Ele definitivamente tá detestando cada momento, e aposto que eu vou ouvir bastante amanhã. 

- Por Deus, vocês dois parecem que são casados - Taehyung grunhiu assim que Jimin começou sua pequena reclamação, estendendo uma das mãos para bagunçar o cabelo platinado de Jimin, que gemeu em protesto às suas palavras e sua ação. - Sempre discutindo. Ele ainda não te deu feliz aniversário não? 

Jimin fungou, repentinamente necessitado de mais álcool - ele sabia que provavelmente, definitivamente, não deveria, mas seria bom não sentir nada só por mais um tempinho. 

- Desejou, sim - Jimin murmurou, lançando um olhar na direção da cozinha, ainda que tivesse certeza que Yoongi já tinha saído de lá. - Eu não ligo, de qualquer jeito, ele é... 

- Irritante, sim. Maligno, sim. - Taehyung movia suas mãos impacientemente, com um sorriso malicioso e convencido diante da expressão ofendida de Jimin, simplesmente dando de ombros em resposta. - Você odeia ele, nós sabemos. Todo mundo sabe. Mas ele te deu presente? 

- Ha. Ha, ha, ha - Jimin não estava rindo, mas falou as sílabas em voz alta secamente, seu olhar se intensificando sobre Taehyung com descrença diante de sua ingenuidade. Ele balançou a cabeça. - Claro que não, porra. Ele não sabe o que são comemorações, ele é um eremita. 

- Rude. Desnecessário. Ele poderia ter dado, nunca se sabe - Taehyung sorriu de leve e começou a cantarolar baixinho no ritmo da música que tocava naquele momento. Ele sorriu para Jimin suavemente. - Yoongi ainda é um dos meus melhores amigos, e ele consegue ser um pé no saco tanto quanto você. Ele só é honesto e sincero sobre. Além do mais, eu duvido seriamente que vocês dois se desgostem tanto quanto dizem.  

- O quê? Que idiotice. Eu… - Jimin começou, bufando alto e pausando sua dança para encarar Taehyung, incrédulo, até que ele recuou. Quando ele não disse nada, Jimin colocou as mãos nos quadris, decidindo desafiá-lo. - Talvez seja a sua vez de fazer uma análise. O que você tava fazendo com o Jungkook e por que tava tão afobado, hein?  

- O que eu tava fazendo com… Eu não… Quer dizer, eu não tava… - Taehyung enrijeceu a postura imediatamente, bruscamente atordoado assim que Jungkook foi mencionado. - Eu, hã, não fiz nada com o Kook. Nunca. Nunca nem… toquei ele… Ou, hã, é. Tanto faz, não é da sua conta.

- E o tanto que eu odeio o Yoongi não é da sua, também - Jimin elevou o lábio inferior, direcionando um biquinho de desaprovação para o melhor amigo enquanto continuava. - É o nosso lance. Nós desgostamos um do outro. Não tem mais nada além disso. 

- Eu não acho que ele te odeie. 

- Isso é tão ridículo.

- Ah, qual é, Jiminie.

- Você é tão irritante, Tae. Só me deixa-

- Jungkook! - Parecia que Taeyung havia avistado um lampejo de cabelos escuros e dentinhos de coelho em meio à multidão agitada, e em um impulso de abandono, Tae saiu, abrindo caminho forçosamente entre as pessoas para alcançar seu amigo - amigo de Jimin, isto é. Ele não tinha mais certeza do que Jungkook era de Taehyung.

- Então eu vou só… Esperar aqui - Jimin resmungou para si mesmo, erguendo uma mão para brincar com sua gargantilha, ansioso. Era aniversário dele e todos os seus amigos estavam sumidos se embebedando e pegando pessoas. Não era ele quem devia ter tido sorte? 

Bufando, Jimin tristemente percorreu o caminho de volta para a cozinha, onde estavam as bebidas. Ele planejava ficar tão bêbado que nem precisaria de um garoto estúpido ou de um interesse romântico para se divertir; o máximo que ele conseguisse sem entrar em coma alcoólico. 

Aquilo era triste. 

 

 

☾ ...13 de Outubro, 11:31 pm... ☾

Yoongi não sabia como contar para aquela garota que ele era gay, e era extremamente constrangedor. 

Ali estava ele, sentado no pequeno sofá da sala de estar, encarando a bebida alcoólica cor de rosa que ainda restava no copo de plástico que ele segurava. A música estava alta demais e estava irritando-o; ele lutava contra a ânsia de dar um empurrão no cara com jeito de maconheiro que estava monopolizando o aparelho estéreo precioso de Yoongi e colocar alguma música que não fizesse seus ouvidos sangrarem. A falta de bom gosto...

E pra piorar tudo, ali estava aquela garota - uma garota bonita, de cabelos cacheados e rosto oval - basicamente atirando-se em cima dele, tocando seus ombros e brincando com o tecido de sua roupa. Yoongi pensara que ela teria captado a ideia pelo jeito com que ele estava apenas sentado ali indiferentemente, assentindo para qualquer coisa que ela dizia. Ele estava certo de que ela era bem legal, mas ela também estava um pouco bêbada, então estava grudenta demais. 

- Você não acha isso engraçado? - A garota riu alegremente, aproximando-se para falar alto em sua orelha por cima da música. Yoongi não fazia ideia do que era tão engraçado; sua mente continuava viajando, e ele havia perdido completamente o que ela acabara de dizer. Assim, ele acenou com a cabeça, sem fazer contato visual para evitar mostrar algum sinal de fraqueza, e bebeu um gole de álcool. 

- Você não fala muito - A garota disse após encará-lo por um segundo, durante o qual ele se mexeu desconfortavelmente, expulsando a mão dela de seu ombro discretamente. O que ela queria que ele respondesse? Aquela situação era tão, tão péssima.  

- Eu não tenho nada a dizer - Yoongi murmurou, levando seu copo até os lábios e falando através dele. Ele provavelmente não tinha olhado-a nos olhos nenhuma vez, e aquilo estava começando a tornar-se perceptível. 

- Ah - A garota, claramente imperturbável, sorriu para ele, seu cabelo esvoaçando enquanto virava-se para dar uma olhada nas pessoas ao redor. Ela abaixou o tom de voz, fungando enquanto assumia uma entonação bastante pretensiosa. Ela estava embriagada, e suas palavras nem sempre faziam sentido quando ela falava.

- Esse lugar é tão pequenininho, né? Você sabe quem deu essa festa? Minha amiga disse que é pra um esquisitinho que faz aula de dança com ela, parece que é aniversário dele ou algo assim - Ela riu mais uma vez. - Mas eu só vim pela bebida de graça.

Yoongi ergueu uma sobrancelha em silêncio, encarando-a por um momento.

- É, eu moro aqui - Yoongi estreitou os olhos lentamente para a garota, batendo os dedos ansiosamente por seu copo enquanto observava a expressão dela mudar de confusão para constrangimento. Ele ofereceu-a um sorriso malicioso desbotado, antes de terminar seu drinque e colocá-lo de lado. - E meu colega de quarto deu essa festa. 

- Uau - A garota encarou-o inexpressiva, parecendo incerta do que dizer em seguida e ficando agitada e desconcertada, jogando o cabelo para fora do ombro. Ela não parecia tão arrependida. - Foi mal, então. Que seja. Então seu colega de quarto é aquele bem gay? Joochan, ou qualquer que seja o nome dele.

- Ótimo pedido de desculpas - Yoongi revirou os olhos para ela, sem saber ao certo porque ele estava sendo atingido por um impulso de irritação diante dos julgamentos dela, uma vez que ele também não era muito chegado em seu colega de quarto. Talvez fosse apenas um senso de proteção inerente, ele não sabia bem. - O nome dele é Jimin, e eu não tenho certeza se ele é gay. Mas quer saber? Eu sou.  

A garota empalideceu diante daquela nova informação, seus olhos arregalados e incerta enquanto o avaliava ceticamente - como se não acreditasse muito nele, o que Yoongi só achou mais ridículo. 

 - Tem certeza? 

- Se eu tenho certeza? - Yoongi repetiu incrédulo, seu humor piorando e tornando-se mais ofendido a cada segundo. Sua expressão tornando-se uma carranca, ele encarou a garota. Ele tinha bebido demais, mas aquilo definitivamente não iria pará-lo. Finalmente erguendo-se, ele enfiou as mãos nos bolsos, exausto daquela festa como um todo. - É claro que tenho certeza, porra. Eu gosto de homens, caralho.

Vacilando, a garota cruzou os braços de um jeito quase aborrecido, franzindo os lábios em desaprovação; ele não tinha certeza se em relação à homossexualidade ou à sua linguagem obscena. De qualquer jeito, ela que se fodesse. 

- Então você e o Joochan… 

- Jimin.

- Você e o Jimin estão juntos? 

- Eca - A boca de Yoongi proferiu quase imediatamente, quase como se ele houvesse sido instintivamente preparado para evitar qualquer coisa que envolvesse Jimin e relacionamentos. O que ele, de fato, tinha. - Nem morto que eu iria... 

Mas antes que ele pudesse terminar,  ele notou um rosto familiar do outro lado do apartamento, passando pela cozinha em direção ao pequeno corredor. Falando no diabo, ali estava Jimin, o próprio - exceto pelo fato de que ele estava claramente quase desmaiando de tão bêbado. Com um braço ao redor de sua cintura e praticamente arrastando-o pelo caminho, estava um garoto mais alto com um olhar profundo no rosto do qual Yoongi não gostou nem um pouco. Ignorando completamente a conversa atual, Yoongi, em um impulso, começou a andar na direção deles através da multidão, uma sensação desconfortável se instalando em seu estômago. 

Finalmente, depois de abrir caminho forçosamente entre pessoas que reclamaram, ele pôde ver Jimin e o garoto à sua frente. Yoongi hesitou num primeiro instante, permanecendo perto da cozinha para ouvir enquanto eles se aproximavam do quarto de Jimin. 

- Qual deles é o seu? - O garoto perguntava a Jimin, e Yoongi notou, bem claramente, o modo com que sua mão já estava no bolso de trás dos jeans de Jimin, e que seu olhar era intenso, nem de longe tão bêbado quanto o de Jimin. Era um olhar faminto - e horrível. 

Jimin balançou a cabeça de leve, descansando a testa contra o ombro do garoto enquanto seus olhos se fechavam em uma onda de instabilidade. Por um breve momento, Yoongi perguntou-se se aquela proximidade seria um indicativo de que eles estavam juntos pra valer, mas observando a forma com que Jimin parecia estar com dificuldades em se manter de pé, ele duvidava que seus toques fossem de afeição. 

O garoto, parecendo irritado com a falta de comunicação de Jimin, balançou seu ombro com força, o que foi um erro, pois Jimin quase caiu, apoiando-se na parede com o rosto muito mais pálido do que antes. Ele parecia prestes a vomitar.  

- Eu não… - Jimin soluçou, coçando a cabeça, sua voz baixa, suave e arrastada. Fios de seu cabelo loiro caíam sobre seu rosto, de um jeito muito mais desleixado do que antes. - Hã, eu não acho que consigo-- 

- Contanto que usemos uma cama, não faz muita diferença, né? - O garoto agarrou a mão de Jimin, arrastando-o, e Yoongi arregalou os olhos quando eles adentraram o quarto dele em vez do de Jimin. Que porra tava acontecendo?

- De jeito nenhum - Yoongi resmungou enquanto esbarrava com os ombros em um bando de garotas rindo, andando em direção à porta, agora fechada, de seu quarto. 

Estava escuro lá dentro. A luz através de suas cortinas caía apenas sobre as figuras em sua cama - o estranho curvando-se sobre a silhueta hesitante e imóvel de Jimin. Por um momento, Yoongi pensou que Jimin estivesse inconsciente, mas um segundo depois ele se mexeu, murmurando suavemente. Ele estava empurrando o garoto pelo peito, de um jeito meio fraco, enquanto mexia a cabeça, mas não parecia estar conseguindo pronunciar suas palavras. Yoongi encarou o estranho de costas, uma onda inesperada de ódio dominando-o como um maremoto. 

- Dá o fora - Ele exclamou, em um tom alto e severo o suficiente para que o garoto desse um pulo, assustado pela presença inesperada. Virando-se para olhar para Yoongi, o estranho encarou-o inexpressivo através da escuridão antes de sua expressão tornar-se uma carranca raivosa. 

- O quê? Quem caralhos é você? - Ele respondeu impacientemente, esquecendo-se completamente de Jimin, que havia encolhido-se na cama atrás dele. 

- Esse é meu quarto - Yoongi sibilou para ele, dando um passo para frente enquanto seus olhos desviavam-se para a figura de Jimin. - E esse é o meu colega de quarto. Que está claramente bêbado demais pra você fazer qualquer coisa com ele.  

- Ele tá bem, cara - O homem revirou os olhos, quase desconsiderando-o, o que só serviu para irritar Yoongi ainda mais, se é que aquilo era possível. - Ele tava praticamente implorando, você sabe como eles são. 

- Perdão? - Yoongi agarrou-o pelo pulso antes que ele pudesse virar-se de novo, firme como ferro, suas unhas afundando na pele do rapaz. O estranho olhou-o afrontado, rangendo os dentes. - Acho que você devia sair daqui. Agora. 

- Tanto faz - O homem rostou na cara de Yoongi, arrancando o braço para fora do aperto de Yoongi e empurrando-o para passar em direção à porta. - Não vale a pena mesmo, não quero ficar com alguém tão desesperado assim. 

Yoongi não disse nada, tentando resistir à ânsia de ir atrás do babaca e chutá-lo à força para fora do apartamento, mas logo a porta se bateu atrás dele. Os dois foram deixados na escuridão quase total, então Yoongi tateou à procura da lamparina ao lado de sua cama, acendendo-a e iluminando o quarto de leve.  

Jimin parecia já ter caído no sono, ou pelo menos perdido a consciência, e Yoongi não tinha certeza se aquilo era bom ou ruim. Ele não podia exatamente levá-lo para sua própria cama. Movendo-se, Yoongi olhou para ele, sua cabeça enfiada no travesseiro, aninhando-se no edredom. Jimin parecia tranquilo daquele jeito, dormindo quietamente, sua respiração movendo os fios de cabelo platinado que caíam sobre seus olhos fechados. Yoongi sentiu, em seu peito, uma dor maçante que não foi traduzida muito bem por seu cérebro; às vezes, ele se perguntava se seu coração e sua mente falavam duas línguas diferentes, suas emoções perdidas por aí em suas veias de modo que ele não sentia as coisas do jeito que deveria. Talvez ele simplesmente não entendesse.

Mas enquanto ele virava-se para ir embora, ele ouviu o ruído dos lençóis atrás de si, e o murmúrio baixo e doce de seu colega de quarto, que talvez não houvesse estado tão inconsciente quanto Yoongi presumira. 

- Hyung? 

Yoongi vacilou em seus passos e enfiou suas mãos nos bolsos com ansiedade, mordendo o lábio. Virando-se, ele viu que Jimin havia erguido-se da cama, levando os joelhos ao peito. 

Olhos castanhos arregalados o encaravam, mas o garoto ainda parecia pálido e embriagado, seus dedos tremendo. 

- Você… tá beleza? - Yoongi respondeu, erguendo uma sobrancelha enquanto se aproximava novamente. Ele estava tentando manter sua expressão neutra, incerto sobre o que dizer, mas ele provavelmente parecia um psicopata em vez disso. 

- Me sinto enjoado - Jimin pressionou as palmas das mãos contra os olhos, parecendo encolher um pouco enquanto sentava-se ali na cama. - Aniversários são uma droga.

- Você precisa dormir - Yoongi aconselhou-o secamente, cruzando os braços em desaprovação. Seria aquilo uma quebra do código de inimizade? Ele esperava que não. Que embaraçoso. - Você tá muito, muito bêbado.  

- E-é - Jimin assentiu obedientemente, antes de estremecer, suas palavras pronunciadas de um jeito estranho enquanto ele continuava. - Bêbado o bastante- bêbado o bastante pra deixar completos b-babacas me toca-carem, aparentemente.  

- Ele te tocou? - Yoongi disse rispidamente, seu olhar pousando sobre Jimin intensamente. Se aquele cara já não tivesse ido embora, Yoongi estava preparado para ir até lá e pendurá-lo na janela pelos tornozelos.  

- E-ele ia - Jimin balbuciou, pousando o queixo sobre os joelhos tristemente enquanto fungava. - Obrigado, hyung. Por vir até aqui. D-desculpa por entrar no seu q-quarto. 

- Não me agradeça. Nem peça desculpas - Yoongi disse firmemente, suas palavras levemente ríspidas enquanto ele desajeitadamente sentava-se na beirada da cama. Jimin estava focado no edredom debaixo dele, seus olhos se fechando toda hora como se ele estivesse prestes a perder a consciência. - Só dorme, idiota. 

- Você acha que tem a-algo de errado comigo? - Jimin murmurou de repente, seu olhar erguendo-se para olhar para Yoongi por entre seus cílios escuros. Ele engoliu em seco, de testa franzida, mas sua voz estava bem suave e tímida. Luz caía sobre seu rosto, fazendo com que sua pele parecesse incandescente na obscuridade do quarto. - Porque o único cara que se atraiu por mim ou f-flertou comigo h-hoje foi um pervertido sem noção? 

- Que pergunta estranha, Jiminie. Tem várias coisas de errado com você - Yoongi disse estoicamente, oferecendo-lhe um sorrisinho provocador, mas logo balançou a cabeça. - Mas isso não é sua culpa. Ele só era um baita cuzão que se aproveitou de você.   

- N-não - Jimin ergueu a cabeça um pouco, parecendo corar nas bochechas, rosado e tonto. Yoongi queria poder simplesmente forçá-lo a dormir; ele parecia tão fora de si, seus olhos vidrados e fora de foco. - Quero dizer… Por que n-ninguém mais falou comigo? Todos os meus a-amigos tavam lá b-beijando na boca, e... 

- Vai ver os outros caras simplesmente se sentiram intimidados por você - Yoongi gentilmente colocou a mão sobre seu ombro, encorajando-o a se deitar enquanto erguia as cobertas até o peito de Jimin. Ele sabia que suas palavras soavam vazias para Jimin, assim como aquilo tudo, mas ele não estava provocando naquele momento.

- Eu não sou muito assustador - Jimin não resistiu e se deitou, mas continuou encarando Yoongi inexpressivamente, parecendo cheio de incerteza.

- Você é lindo, Jiminie - Yoongi respondeu suavemente, pressionando as costas de sua mão contra a testa do garoto, que estava febril. As rugas imediatamente desapareceram de sua testa diante do toque de Yoongi, e Yoongi sentiu o toque suave do cabelo de Jimin contra sua pele. Ele permitiu que seus dedos percorressem aqueles fios platinados uma só vez, seguro de que Jimin não se lembraria de nada daquilo de manhã - especialmente agora que seus olhos haviam se fechado de vez, seus lábios se separando enquanto ele relaxava a cama. Yoongi suspirou, sentindo seu coração acelerar. - E pessoas bonitas são as mais assustadoras de todas.

- Até mais assustador do que você, hyung? - A voz de Jimin parecia vir de outro mundo. Assim que ouviu o que ele disse, Yoongi sentiu seu peito ficar apertado, como se algo estivesse espremendo suas costelas até que ele fosse obrigado a inspirar pela boca. 

- Sim, Park Jimin - Yoongi levantou-se e estendeu o braço para desligar a lamparina. O quarto entrou no breu total, até que tudo se tornasse sombras, e o ar parecia mais quente do que antes. Yoongi fechou os olhos em meio à escuridão que se fechava ao seu redor.

 - Muito mais assustador do que eu.

 


Notas Finais


bom, esse capítulo demorou um século pra ser terminado mas espero que tenha valido a pena :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...