1. Spirit Fanfics >
  2. Cristal blood >
  3. Infelizmente, não

História Cristal blood - Capítulo 45


Escrita por:


Capítulo 45 - Infelizmente, não


Três dias depois, a vida parecia completamente diferente. Taehyung e Ryo haviam viajado para o Japão e, estranhamente, Miu decidiu ficar. 

Estranho para Jungkook mas o alfa não disse nada. Pelo contrário, agradecia pela cristal ter ficado com ele.

“Tem certeza que vai ficar, Miu?” Foi algo que o alfa perguntou inúmeras vezes para a garota já que não conseguia entender aquela decisão. 

Jungkook estava arrasado.

Taehyung ainda se recuperava fisicamente da agressão que tinha sofrido, nem imaginava como ele estava emocionalmente. 

Além disso, não tinham resolvido nada em seu relacionamento. A única coisa que o alfa tinha conseguido fazer era entregar uma carta que havia escrito.

Estava até com vergonha de entregar. Achou que havia fica mal escrita, que não dizia tudo o que precisava dizer. Só se deu conta depois que nem todo o papel do mundo seria o suficiente para dizer o quanto se lamentava.

E na mesma proporção que se preocupava e sentia falta do cristal, Jungkook tinha uma raiva que não podia descrever.

Tinha certeza que se encontrasse Baek o mataria com as próprias mãos.

Sem exagero de palavra.

O mataria sem dó, sem consideração alguma.

Bebia uma cerveja na grande varanda de seu apartamento na companhia de Han.

- Se Taehyung decidir se separar de mim, não há nada, literalmente nada, que me impeça de matar Baek.

Han olhava os prédios da cidade iluminada pela lua.

- Eu sei, Jungkook. Entendo perfeitamente. 

Jungkook baixava a cabeça.

Estava meio bêbado. 

Meio para não dizer totalmente.

Terminava mais uma garrafa de cerveja e a colocava de pé junto com as tantas outras na mesa. 

- Eu sou um babaca… - Jungkook dizia - Dizendo essas coisas pra você. - abria outra garrafa e jogava a tampinha no chão - Me perdoa, Han.

O mais velho dava risada.

- Jungkook, não é porque eu sofri muito que o seu sofrimento é menor.

Jungkook parecia pensar.

Os olhos se enchiam de lágrimas.

- Ele nem olha mais nos meus olhos… está sempre de cabeça baixa, andando por aí decepcionado e puto comigo… e ele está machucado e eu nem posso cuidar dele… era eu quem deveria proteger ele, estar ali. Mas é o babaca do Ryo quem está fazendo isso.

Han dava risada. 

- “Babaca”?

- É! Ele levou meu cristal embora! É um babaca… - tomava mais um gole da cerveja e se concentrava na garrafa - Se não fosse Ryo, o que eu ia fazer? Você tinha que ver como ele lidou com Taehyung na doceria, Han… ele se deitou no chão com o Tae e quando ele disse que queria que eu fosse embora, Ryo simplesmente me expulsou dali… me deixou sem carro e me mandou embora… bastou Taehyung dizer. Quer dizer, ele nem precisou dizer! Ryo perguntou e ele fez apenas que sim com a cabeça… Viu como ele é um babaca! - Jungkook dizia se contradizendo.

- Jungkook, o que aconteceu com vocês dois? Porque brigaram? Como as coisas ficaram assim? 

Não queria dizer.

Baixava a cabeça.

- Não quero falar disso… 

Han respirava fundo.

- Tem alguma coisa que eu posso fazer pra te ajudar?

- Acho que não… acho que não tem nada que ninguém pode fazer… - Jungkook apertava a garrafa nas mãos - Han, se ele se separar de mim, o que vai acontecer?

Quando Mirai morreu, tinha os olhos azuis royal, assim como Taehyung.

Han se lembrava.

- Você vai sofrer muito. Vai sentir muita raiva da vida e muita raiva de si mesmo. Vai pensar e fazer as maiores idiotices. Provavelmente vai acabar magoando outras pessoas ou se afastando delas. Aí, se sobreviver à tudo isso, pode ser que você encontre uma vida que possa te fazer feliz. Não tanto quanto você era com ele mas o suficiente para você continuar vivendo. Um dia, vai se permitir pensar nele de novo e vai se lembrar dele com saudades ao invés de sentir tanta tristeza como agora. 

Jungkook absorvia aquelas palavras.

Sabia que nunca estaria preparado para ficar sem Taehyung.

- Ele disse tantas coisas boas de mim naquela entrevista… - se lamentava - Eu consigo me ver assistindo aquilo bêbado se ele não me quiser mais… 

- Jungkook, você tem a vida toda pra tentar ganhar ele de novo. Quem sabe você não vence ele pelo cansaço?

O mais novo olhava com cara de quem achou ruim.

- Nossa, que engraçado que você é, né? - dizia irônico.

Han dava risada e bebia mais um gole da cerveja.

Jungkook pensava.

- Até se ele aceitasse voltar pra mim só por pena, eu não ia ligar…

 

——

 

Um pouco mais longe dali, um cristal estava em silêncio.

Faziam alguns dias que estava no Japão e aos poucos, se acostumava a estar somente com Ryo.

Tinha ganhado uma carta de Jungkook que até o momento ele não tinha lido. Não tinha coragem.

Então, tentava apenas se concentrar em sua rotina.

- Taehyungie, melhor comer antes que esfrie… - Ryo dizia chamando a atenção do cristal.

Desde que Taehyung tinha ido para o hospital tinha se tornado “Taehyungie” para Ryo.

- O que acontece se eu me separar de Jungkook? É só eu voltar pro instituto? Bater na porta e dizer que voltei? 

Ryo parava de comer também.

- Você quer se separar dele e voltar pro instituto?

- Eu não tive uma vida tão ruim lá… posso ensinar os mais novos a fazer doces… ler os livros da biblioteca… vocês viriam me visitar? 

O alfa respirava fundo.

- Se você quiser se separar de Jungkook, o expulse do apartamento de vocês e você pode continuar lá.

- O quê?

- É… ele paga as contas do apartamento e as suas despesas e você pode continuar lá. 

- Porque ele faria isso por mim? 

- Você duvida que ele faria? 

Um silêncio se formava.

Taehyung olhava ao redor.

Miu estava presente em todos os lugares da casa mesmo que não estivesse ali.

Taehyung via as canecas coloridas e várias de bichinhos que definitivamente não pertenciam à Ryo, eram os livros e dobraduras espalhados pelas mobílias. 

Era claro que a casa do empresário era diferente antes da cristal estar ali.

Os cômodos tinham decoração em tons monocromáticos, sóbrios. A cor daquela casa vinha da garota. 

- Hyung, você esconde algo de Miu?

- Escondo várias coisas de Miu. 

Taehyung tomava um susto em como o empresário admitia aquilo sem nem piscar.

- M-mesmo?

- Sim. E ela sabe que sim.

- Sabe?

- Sabe, Taehyungie, o mundo não é um lugar bonito. Está cheio de coisas ruins, maldade… se eu puder protegê-la, eu vou. Miu sabe das coisas importantes mas as coisas que só a magoariam, eu não digo.

- Não? Mas isso não é mentir? 

- Por exemplo, Miu não sabe que minha irmã não fala mais comigo por causa que decidi ficar com ela. Mas, me diz, qual é a necessidade dela saber disso? Foi uma decisão minha de ficar com a pessoa que amo. Não tem nada que Miu pode fazer pra mudar a situação e, honestamente, ela nem deveria se importar com a opinião da minha irmã. Mas eu tenho certeza que Miu ia ficar super triste se soubesse. Então, pra que contar? Só vai causar muita dor à ela. 

Taehyung teve vontade de chorar.

Queria perguntar “Miu sabe que você teve que pagar por ela?”, mas não havia coragem nele para aquilo.

Porém, o que Ryo lhe falava era algo que ele não tinha pensado.

Era uma questão moral, que provavelmente não tinha solução.

Dizer ou não dizer?

- Se eu me apaixonar por você, será que Miu vai ficar muito brava? - Taehyung perguntava com um sorriso fraco no rosto.

- Eu não conto se você não contar. - Ryo dizia piscando. 

Em algum momento de sua vida, aquela brincadeira o faria rir, mas naquele dia, o máximo que ele pôde fazer foi tentar sorrir. 

 

——

 

No dia seguinte Ryo teria um almoço com alguém que ele não conhecia porém, já não gostava pelos boatos. De acordo com Hoseok, parecia ser um bom contato para negócios.

Kahgu era um humano que trabalhava com produtos de plástico. Você poderia encontrar seu nome associado à brinquedos para crianças até os brinquedos para a indústria erótica e pornográfica.

Entretanto, o problema de Ryo com Kahgu não tinha nada a ver com o que ele trabalhava, tinha a ver com sua insistente mania de, mesmo não sendo um alfa, sempre, supostamente, ter um ou uma cristal para si mesmo que não houvesse um motivo para aquilo.

Kahgu era o típico humano que fantasiava com os cristais e a dúvida de, até onde ele levava aquela fantasia, incomodava o empresário. 

Ao chegar no restaurante, acompanhado de Taehyung, todos os boatos se confirmavam, Kahgu esperava Ryo sentado ao lado de uma cristal. 

Ryo parou de andar assim que viu a cristal e simplesmente se virou, puxando Taehyung pela cintura.

- O que está fazendo, hyung? - Taehyung perguntava confuso.

- Vamos embora.

- Porquê?

- Porque eu não quero você aqui com ele. 

- Porquê? Eu fiz alguma coisa errada?

- Não fez nada errado, Taehyungie…

- Ryo!! - Kahgu chamava indo em direção ao empresário.

Ryo fingia não escutar e continuava a andar puxando o cristal junto de si.

- Ryo! - o empresário sentia uma mão em seu ombro - Onde está indo? - Kahgu perguntava.

- Embora. 

- Acabou de chegar e vai embora assim? - dizia com um sorriso - Venha! Vamos almoçar! Aposto que seu cristal está com fome!

Ryo colocava Taehyung atrás de si. 

- Marcamos outro dia. Preciso ir. 

- Pensei que o cristal que você tinha fosse uma garota… Miu, não é?

Ryo respirava fundo tentando se controlar para não se irritar só de escutar Kahgu falar o nome da garota.

- Não que ele não seja bonito também… sempre falaram que você tinha bom gosto, Ryo. - Kahgu dizia sorrindo para Taehyung.

O cristal sentia Ryo apertar a mão em sua cintura, o mantendo atrás de si.

O empresário olhou novamente para a cristal que acompanhava Kahgu sentada na mesa.

Ela tinha várias mordidas nos braços. Mordidas que um humano deixaria.

As mordidas de alfas deixavam marcas características, Ryo só pensava no que a cristal estava passando com Kahgu.

- Não. Preciso ir embora. Se mesmo depois disso você quiser falar comigo, me ligue, mas preciso ir. - Ryo dizia firme.

Segurava Taehyung o puxando para fora daquele restaurante.

- Desculpa, Taehyung. Foi um erro te trazer comigo. - Ryo dizia entrando no carro. 

Taehyung podia escutar o coração de Ryo, ou pelo menos tinha a sensação que sim.

- N-não. Não foi nada, eu estou bem… - o cristal dizia confuso - Pra falar a verdade não estou entendendo o porque você está pedindo desculpas…

Ryo respirava fundo.

- Taehyungie, você viu a cristal que estava com ele?

- Sim mas…

- Viu que ela estava toda mordida? Esse cara deve ser um pervertido que… bom, não vem ao caso o que ele deve pensar mas ele é um humano, nem deveria “ter uma cristal”, não acha? Além de tudo ficar mordendo a garota até machucar daquele jeito… de jeito nenhum vou deixar ele ficar perto de você! Estar no mesmo restaurante que ele já é perto demais, imagina sentando na mesma mesa. 

- Desculpa, hyung…

Por algum motivo o cristal achava que precisava se desculpar.

Ryo sorria se acalmando.

- Não é culpa sua, Taehyung. Definitivamente não é. Mas eu não quero um cara daqueles perto de você. E fora que… - o alfa se interrompia.

- “E fora que” o quê?

- E fora que Jungkook ia me arrancar o fígado se soubesse que eu deixei você perto de um cara desses. E eu ia ter que deixar ele fazer isso porque ele ia ter razão e sabe… os deuses que me livrem de Jungkook ter razão e eu estar errado.

- Posso começar a me apaixonar por você agora? - Taehyung brincava tentando mudar de assunto.

Ryo dava risada e saia com o carro.

Finalmente Taehyung se dava conta.

- Tem alguma coisa que podemos fazer por aquela cristal?

- Acho que, infelizmente, não.

- Porquê?

- Porque ela está com ele porque quer. Se ela o denunciasse, poderia voltar para seu instituto ou se tivesse uma família, ela poderia voltar para sua família. Mas se está com ele, está porque quer. 

- Eu acho que ela não queria ficar toda mordida daquele jeito… 

Ryo tentou sorrir.

- Taehyungie, você não vê a maldade no mundo e não sabe até onde alguém pode chegar para ter um pouco de atenção ou para ter dinheiro… sempre tem um motivo para as pessoas fazerem o que fazem e para aceitarem o que as pessoas fazem com elas.

Taehyung se sentiu sortudo naquele momento mesmo que não achasse que deveria.

Não podia negar.

Mesmo que para muitas pessoas não parecesse, ele tinha tido sorte.

Ele tinha sido protegido e tinha sido bem cuidado. 

 

Por alguém.


 


Notas Finais


E então?

Reta final, bolinhos...
reta final!

Vou tentar escrever o máximo que posso (não estou pronta pra me despedir dessa história) mas... reta final!

Beijos enormes! 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...