História Cristiano Ronaldo. O pai da minha filha. - Capítulo 36


Escrita por:

Postado
Categorias Cristiano Ronaldo
Personagens Cristiano Ronaldo
Tags Cristiano Ronaldo, Futebol!, Real Madrid, Romance, Wags
Visualizações 190
Palavras 1.745
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 36 - Juntos somos mais fortes.


P.O.V Cristiano.

   A noite foi longa e infernal, a impressa rodeou o hospital e todas as emissoras já estavam falando sobre o fato de eu estar num hospital, não queria fala nada e queria esperar Cristal acorda para decidirmos juntos, mas se eu não falasse agora seria questão de tempo para eles descobrirem então soltei um comunicado oficial no instagram e nas outas mídias.

   Não demorou muito para chegar as mensagens de apoio dos fãs, amigo, marcas e os times que eu joguei. Não dormi a noite toda e nem estava com sono.

   Pela Elma trouxe roupas e os celulares, o celular de Cristal estava cheio de mensagens das amigas que estavam preocupadas, respondi cada uma pacientemente e voltei a me sentar esperando Cristal acordar. 

   - Por deus Rick o que aconteceu com você? - Minha mãe perguntou assim que Ricardo entrou ofegante. 

   - A imprensa cercou o local, foi quase uma luta para passar mas trouce tudo. - Ele respondeu ofegante mostrando a sacola com a comida que foi comprar. 

   - Será que esses idiotas não dão um segundo de paz? - Perguntei bufando. 

   - Será que não é melhor você sai e fala com eles? Ou quem sabe mandar um medico? - Katia perguntou. 

   - Não, esse é um assunto particular. Sem imprensa. - Disse firme para que todos entendessem. 

   Rick entregou a comida para cada um de nós e eu comi apenas metade, pois não estava com fome.

   Já se passava das duas quando a enfermeira adentrou a sala em que estávamos. 

   - Mi scusi, vim avisar que ela acabou de acorda. - Ela disse e todos nos levantamos. 

   - Como ela está? - Rosa perguntou com tom de preocupação. 

   - Está bem, ela perguntou pelo senhor. - Disse se virando para mim e eu suspirei assentindo. 

   Logo todos nós estávamos seguindo a enfermeira que nos guiava até o quarto em que ela estava. Passando por aqueles corredores que havia passado horas antes para vê-la enquanto ainda estava dormindo, me preparava para dar a trite noticia a ela. 

   Passado dois corredores chegamos ao corredor onde Cris estava. 

   - Vá e fale com ela Cristiano, estaremos aqui fora. - Meu sogro disse e o olhei. 

   Seu olhar era de tristeza, preocupação e expectativa. Olhei e volta e todos tinham o mesmo olhar para mim, me virei para a porta e encarei a maçaneta pensando em todos os momentos que eu e a Cristal vivemos até chegar aqui. 

   Sei que deus tem um plano para nós e que e ele não faria isso atoa, eu não posso me acovarda agora. Ele me deu essa essa família, meus filhos e minha mulher para amar, cuidar e proteger. Farei isso, não vou desaponta-lo e vou esta aqui sempre para eles. 

   Respirei fundo e girei a maçaneta entrando no quarto. Ela estava sentada na cama com o asseso no braço, linda como sempre... Me encarando pude vê que seus olhos também tinham expectativa e por um momento vacilei, porém não parei e segui em frente parando em frente a sua cama. 

   - Oi meu amor. - Digo dando um pequeno sorriso. 

   - Oi. - Ela respondeu suspirando lentamente. 

   Sei que no fundo ela sabe que á algo errado, Cristal me conhece mas do que eu mesmo. 

   - Como está se sentindo? - Perguntei a olhando. 

   - Cansada, por quanto tempo eu dormi? - Perguntou me encarando. 

   - Muitas horas, mas eu acho que são as horas que você dorme todo dia. - Brinquei vendo ela revirar os olhos. 

   - Engraçadinho. O que aconteceu? - Perguntou e eu tentei ao máximo ser natural. 

   - O medico disse que você desmaiou por conta da dor que foi muito forte, então ele te deu um sedativo pra você dormi. - Disse e ela assentiu.

   - E o Bebê? - Ela fez a pergunta que eu mais temia naquele momento.

P.O.V Cristal. 

   Cristiano não me respondeu, apenas ficou me encarando calado. 

   - Cristiano eu perguntei sobre o nosso bebê. - Disse mais uma vez e ele abaixou a cabeça. 

   - Anda logo, me responde. Como está o meu bebê? - Perguntei sem paciência pra aquele silencio. 

   - Amor... - Não o deixei termina. 

   - Nada de amor, diz logo que o meu bebê ta bem, anda. - Digo sentindo as lagrimas escorrerem. 

   - Infelizmente nós perdemos o nosso bebê... - o interrompi mais uma vez. 

   - O QUE? Não faça isso, não brinque comigo desse jeito... Por favor. - Pedi suplicante com a voz embargada pelo choro.  

   - Foi um aborto espontâneo. 

   - Não, não pode ser. Eu fiz tudo certo, eu... - Não conseguia mais fala. 

   - Não foi culpa sua amor. - Ele disse me abraçando. 

   Não respondi, apenas continuei chorando sem parar... 

...

   Já se passaram dois dias que estou no hospital e hoje é o dia que eu estou indo para casa. As coisas tem sido complicadas e eu não tenho mais voltada de nada, como apenas porque minha família me obriga e desde que acordei não quis fala com ninguém. Cristiano que tem respondido as mensagens dos amigos que nos mandam mensagens de apoio. 

   Nada tem mais graça e a unica coisa que sinto no momento é um sentimento de vazio horrível, todos tentam me animar porém nada me chama atenção. 

   - Olha quem chegou? - Cristiano disse abrindo aporta sendo seguido por rosa e meu pai. 

   - Como está hoje meu amor? - Papai perguntou vindo até mim e me dando um beijo na testa. 

   - Estou bem. - Respondi dando de ombros. 

   - Esta pronta para ir pra casa hoje? - Cristiano perguntou e eu apenas assenti. 

   - Eu trouxe tudo que você gosta, seu shampoo, secado, maquiagens e um monte de roupas para você escolher. - Ela disse mostrando uma mala de mão. 

   - Eu não quero nada, apenas ir pra casa. - Digo a olhando. 

   - Por favor meu amor, faça um esforço. - Papai disse e acabei balançando a cabeça. 

   - Isso minha linda, agora vamos tomar um banho. - Rosa disse estendo a mão e eu segurei. 

   Ela me ajudou ir para o banheiro e fez questão de lava e seca meu cabelo. 

   - O que vai querer vestir? - Perguntou indo até a mala. 

   - Tanto faz... - Digo dando de ombros. 

   - Minha filha escuta, eu sei que esta doendo mas você precisa reagir e segui em frente. Você perdeu seu bebê mais ainda tem dois filhos e seus filhos precisam da mãe. O Junior pergunta de você todo dia e a Rubi passa o dia todo sentada falando de você. - Ela disse e meu coração se apertou. 

   - É muito difícil. - Disse baixo. 

   - Eu sei e você não precisa passar por isso sozinha estamos aqui pra você. Você só precisa deixar a gente te ajudar, você é uma psicologa sabe que não tem como se curar sozinha e que se afunda na tristeza não vai te fazer melhorar. - Disse e eu assenti limpando as lagrimas e haviam escorrido. 

   Fui até a mala e olhei as peças, depois de olhar algumas optei por vestido soltinho, preto com ombro vazado. 

   Peguei a bolsinha em que Rosa tinha colocado algumas maquiagens minhas e fui para frente do espelho. Encarando o espelho tive um grande susto com minha aparecia, meus olhos estavam vermelhos, fundos e inchados, minhas olheiras estavam roxas e minha boca estava seca e branca. Fiz o melhor que pude com base, corretivo, rímel e gloss, no final até que estava apresentável.  

   Voltamos para o quarto e os meninos estavam lá nos esperando. 

   - Você está linda meu amor. - Cristiano disse sorrindo vindo até mim. 

   - Obrigada. - Digo lhe dando um selinho. 

   - E eu não mereço beijo? - Papai perguntou sorrindo. 

   - Claro papai. - Digo indo até ele e beijando seu bochecha. 

   - Fico feliz que esteja se esforçando minha princesa. - Disse e eu assenti. 

   Saímos do quarto e seguimos para o estacionamento, tinham alguns paparazzi mais seguimos rápido para o carro.

   Papai foi na frente com Cristiano e eu fui atrás com Rosa, que me abraçou. Com eles aqui eu me sinto mais amparada, pois sempre foram eles que estiveram comigo em todos os momentos, bons e ruins.

   O caminho foi rápido e não demorou muito para chegarmos em casa. Assim que Cristiano estacionou, sai do carro e entrei em casa.

   As crianças estavam na sala brincando com Kátia e os primos e assim que viram correram pra mim.

   - MAMÃE. - Eles disseram juntos e abraçaram.

   Fiquei na altura deles e os abracei. Me segurei para não chorar, pois não queria que eles me vissem assim.

    - Oi meus bebês, como vocês estão? Se comportaram? - Perguntei beijando eles.

    - Sim mãe, eu cuidei da Rubi bem direitinho. - Júnior disse e eu sorri.

    - E eu me comportei também, fiquei bem quietinha, não corri, não biguei, não cholei, dormi certinho. - Rubi e disse e eu assenti sorrindo.

   - Ah como meus amores se comportaram bem, mamãe fica muito orgulhosa. - Digo beijando mais eles.

   - Ok crianças a mãe de vocês precisa descansar, vamos deixar ela ir pro quarto. - Kátia disse se levantando do chão.

   - Você já tá com soninho mamãe? Mais ainda é de dia, não tá no holalio. - Rubi disse com a expressão confusa.

   - A mamãe só vai deitar um pouquinho, vocês querem vir comigo? - Perguntei e eles assentiram.

   Subimos para o quarto e deitamos deitamos na cama. Liguei a TV e ficamos assistindo.

   - Ei mamãe, o papa disse que não tem mais bebê na sua barriguinha. - Rubi disse e eu a olhei.

   - Rubi o papa disse que não era pra pergunta. - Júnior a repreendeu.

    - Tudo bem meu amor. - Disse pra Júnior. - É filha não tem mais bebê na barriga da mamãe. - Disse olhando para ela.

   - É por isso que a senhora tá tiste? E ficou muito tempo fora? - Rubi perguntou e eu assenti.

   - Não fica tiste não mamãe, você já tem eu e o Jú. - Disse e eu assenti sentindo uma lágrima escorrer.

   - Não chora não mãe. - Júnior disse e eu sorri.

   - Não meu amor, eu não vou mais chora. Eu tenho vocês dois que são as coisas mais importantes da minha vida. - Disse abraçando os dois.

   Cristiano entrou no quarto e veio deitar com a gente e assim passei o dia todo. 


Notas Finais


Sigam os personagens no Instagram: @cristalmiller7720 @CristianoRonaldo2382


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...