1. Spirit Fanfics >
  2. Crônicas da Alvorada Alvejante (1)- A Raposa Dourada >
  3. Cachecol Vermelho do Destino - Arco da Academia Ninja

História Crônicas da Alvorada Alvejante (1)- A Raposa Dourada - Capítulo 25


Escrita por:


Notas do Autor


Comentem, eu gosto de ler os elogios e as críticas.
Boa leitura!

Capítulo 25 - Cachecol Vermelho do Destino - Arco da Academia Ninja


Fanfic / Fanfiction Crônicas da Alvorada Alvejante (1)- A Raposa Dourada - Capítulo 25 - Cachecol Vermelho do Destino - Arco da Academia Ninja

Hanabi Hyuuga um anjo de olhos perolados. Naruto Uzumaki, um demônio de olhos azuis. Seria possível nascer um nephilim?

“Tão impossível como tentar apagar o lume com neve é tentar apagar o fogo da paixão com palavras.”

 [Segundo Arco: Academia Ninja]

==Parque Senju, Vila Oculta da Folha, País do Fogo==

[Hyuuga Hanabi]

15h12min da tarde, 23 de Dezembro de 1511 d.c.

Eu sou Hyuuga Hanabi tenho 27 dias, 8 meses e 5 anos. Como eu sei disso? Bem, eu nasci dia 27 de março de 1506 então é só calcular. Mas o que isso tem a ver, é o aniversário da nee-sama que esta chegando, não o meu.

Eu usava um vestido longo e branco na altura dos joelhos, um cardigã leve, botas marrons e um cachecol preto. Eu estava com um pouco de frio e meus músculos ardiam depois do meu treinamento.

Nessa tarde, o céu está escuro com o peso da neve. Ela continuava caindo em espirais, sem saber muito bem para aonde ir. Minhas mãos estavam quentes, ou era as outras coisas que estavam frias, e minha pele toda formigava. Minha respiração formava nuvens.

Eu caminhava pelo bosque do Parque Senju. Acho que poderia ficar assim para sempre observando a neve cair… NÃO! Esse não é o meu destino. O meu destino não pode ser mudado. E nem meu segredo desvendado.

Eu tenho um segredo. O segredo é: o meu pai não me ama.

Não sei quando foi a primeira vez em que percebi, mas agora já faz um tempo que tenho certeza. Ele fala: “Bela resposta”, ou “Gostei do seu movimento”, ou vai até o meu quarto, para na porta e diz: “Tudo bem?”. Mas parece que está lendo as palavras em uma folha de papel e depois me diz como eu deveria ter feito melhor e, mesmo que eu falo para ele entrar no meu quarto, ele não entra.

Essas são as razões pelas quais eu sei que otou-sama não me ama:

1. Ele não gosta de olha pra min.

2. Ele não gosta de troca em min.

3. Ele está sempre bravo comigo. 

4. Ele é triste por minha causa.

1. O otou-sama evita olhar pra min, e quando olhar, os seus olhos estão negros. Eles, na verdade são brancos, mas parecem pretos. Parece que ele não gosta do que esta vendo quando olha pra min.

2. O otou-sama não toca em. Nós não damos beijo de boa-noite e nem abraços, não ficamos de mãos dadas. Às vezes, quando estamos juntos, alguma coisa muda no ar e é como se fôssemos as únicas pessoas no universo, mas ao invés de termos muito espaço, como seria de esperar se realmente fôssemos as únicas pessoas no mundo inteiro, ficamos trancados em uma sala minúscula, sem nada pra falar.

3. O otou-sama está sempre bravo comigo. Porque tem uma lista de coisas que ele quer que sejam feitas de certas maneiras, por exemplo:

a. falar e não resmungar.

b. sentar e não se refestelar.

c. andar e não correr.

d. pensar e não sonha acordada.

E uma lista mais extensa do que não deve ser feito jamais, por exemplo:

a. Chorar.

b. Brincar com a comida.

c. Deixar comida no prato.

d. Ficar correndo por aí.

e. Arrastar os sapatos.

f. Fazer barulho.

g. Deixar portas abertas.

h. Não prestar atenção.

4. Mas pior, muito pior do que o otou-sama ficar zangado, muito pior do que o otou-sama não falar comigo, não querer olha pra min ou não querer toca em min, é ele ser triste por minha causa. A razão pela qual ele não me ama aconteceu há muito tempo, a exatos 5 anos, 8 meses e 27 dias, quando eu nasci e minha mãe morreu no processo do parto.

— Você é uma garota do clã Hyuuga? — Um garoto me perguntou puxando o meu cachecol. — Mostre para nós o seu byakugan. — Que irritante. Quem ele pensa que é para me da uma ordem?

— Se não quiser nos mostrar não lha pra gente. — Falou outro garoto que estava um pouco atrás. — Seus olhos brancos me dão medo.

— Eu aposto que você é um monstro. — Falou o terceiro garoto do trio. — Sim, o mostro do Byakugan.

Normalmente eu derrubaria eles em menos de cinco segundos, mas estou cansada e os meus músculos doem. Quando eu ira falar o líder do trio puxou meu cachecol com violência, o tirando do meu pescoço a força.

— Esse cachecol é ridículo. — Ele pisou no meu cachecol junto com os seus amigos. Eu me segurei para não avançar neles, se não eu ganharia a fama de garota brigona e meu pai não gostaria disso.

— Ei! — Um garoto gritou enquanto se aproximava correndo. — PAREM COM ISSO!

— Quem é você? — Perguntou o líder do grupo se virando para recém-chegado. Ele era loiro, seus cabelos eram espetados, olhos azuis em fenda. Usava roupas de inverno, além de um óculos verde, escrito 'Naruto' neles, o mais surpreendente eram as três marquinhas exóticas de gatos que ele tinha nas bochechas. E em sua cabeça tinha um filhote de raposa que se equilibrava perfeitamente.

— Eu sou Uzumaki Naruto. — Soltou um ar gélido pela boca. — O futuro Hokage.

— Futuro Hokage? Por acaso você é idiota? — Perguntou o líder.

— 'Futuro Hokage' — O segundo garoto imitou a voz de Naruto. — Até parece. — Falou num tom de zombaria.

— Ei! Esse é 'aquele' garoto. Aquele que sempre faz merda e que todos odeiem! — Comentou o terceiro garoto. Eu o olhei melhor e me lembrei desse garoto.

“Alguém me perguntou se eu conhecia você. Um milhão de memórias passaram pela minha mente e eu sussurrei: não mais…”

[Narrador]

[FlashBack]

15h13min da tarde, 23 de Fevereiro de 1511 d.c.

— A minha nee-sama foi brincar comigo ontem a noite. — Falou Hanai para Natsu, a sua cuidadora que andava com ela de mãos dadas.

— Ela devia estar exausta de tanto trenar. Agradeceu-lhe direitinho? - Hanabi olhou para os céus enquanto tentava se lembrar de alguma coisa.

— Huumm… Ela dormiu, então vou agradecer da próxima vez. — Natsu deu um sorriso gentil.

— Sim, faça isso.

— Mais que merda é essa dattebayo!? — A atenção das duas foi atraída, por um loiro que estava caído em frente a uma loja que vendia máscaras.

— O que você está fazendo aqui? Sua praga!

— O que? Eu só estava… — Ele baixou a cabeça e o tom da voz. — Eu estava olhando essas 'coisas'. — Falou apontando para a máscara que ele havia gostado. Enquanto ao seu redor as pessoas o olhavam com 'aquele' olhar e cochichavam sobre o mesmo.

— Você quer isso? — O vendedor pegou a máscara de raposa e tacou na cabeça do loiro. — Pode ficar, agora vá embora! Amor! — Ele se virou adentrando a sua casa. — Jogue sal aqui na frente para espantar o mau azar.

O loiro meio trêmulo se levantou e pegou a máscara do chão. Quando ele olhou para as pessoas ao seu redor ele gritou:

— O QUE FOI? Por que vocês me olham assim? — Perguntou antes de se virar e sair correndo.

— Ei, Natsu, quem é aquele menino? — Perguntou Hanabi.

— Bom… — Natsu procurou as palavras certas. — É como o dono da loja disse. Ele é uma praga.

“É melhor ser odiado pelo que você é do que ser amado pelo que você não é.”

(…)

Certo dia, bem de tarde, Hinata saiu do distrito e Hanabi a seguiu.

— O que ela faz em num lugar desses? — Se perguntou Hanabi seguindo Hinata até as colinas.

Hinata se escondeu atrás de uma árvore e olhou para algum lugar em específico. Hanabi se escondeu em uma árvore um pouco mais atrás e olhou para o mesmo lugar que Hinata olhava.

Ela se deparou com o loiro que Natsu havia falado que era uma praga. Ele corria ao redor de uma árvore enquanto atirava algumas pedras em uma pequena tabua que estava amarrada na árvore. Aquilo era uma simulação de treino com shuriken.

— Não era ele que… era uma praga? — Se perguntou Hanabi. — Por que Hinata-nee-sama está observando-o com tanta atenção? — De onde Hanabi estava ela podia a ver a bochecha esquerda de Hinata, que estava vermelha. — Ela está corada… — Ela estava com uma pitada de ciúmes.

“O amor é forte como a morte. O ciúme é cruel como o túmulo.”

[Atualmente]

— Eu não sou aquele garoto dattebayo! — O Uzumaki praticamente gritou. — Devolvam o cachecol da gar… — Antes que Naruto pudesse terminar a frase o líder do grupo deu um soco em seu rosto. Péssima ideia. Kon que caiu no chão com o impacto encarou o trio em sua frente e rosnou.

— Oh! O que vai fazer hiena? Vai rir? — O que aconteceu depois vez o trio quase mijar nas calças, a pequena raposa cresceu repentinamente, ficando maior que todos que estavam ali. — C-co-corram! — Ele se virou para trás,mas seus amigos já estavam longe. — ME ESPEREM! — Gritou correndo dali.

— SÓ PRA DEIXAR UMA COISA BEM CLARA: O KON É UMA RAPOSA E NÃO UMA HIENA SEU IDIOTA! — Gritou Naruto lambendo os lábios, um hábito que el havia pegado de uma certa Mitarashi. — Bom garoto! — Falou Naruto fazendo um carinho em Kon. Naruto pegou o cachecol de Hanabi que estava aos trapos. — O cachecol… aqueles garotos acabou com ele.

— Eu não pedir sua ajuda. — Hanabi bufou, embora ela ainda estivesse admirada pelo crescimento repentino da raposa.

— EH! EU TE AJUDO E VOCÊ ME TRATA ASSIM DATTEABYO?

— Cale-se, você não me ajudou, foi ele. — Falou apontando para Kon.

— Então por que você falou 'eu não pedir sua ajuda', sendo que quem te ajudou foi o Kon? — Perguntou imitando a voz de Hanabi. — Além disso, eu levei um soco por você datteabyo!

— Esse é o seu destino. — Falou dando de ombros.

— Destino? — Se perguntou o loiro vendo Hanabi se encolher um pouco por causa do frio. — Eu sei que vou me arrepender disso, mas… — Naruto se aproximou de Hanabi e tirou seu cachecol e enrolou no pescoço da Hyuuga. — Pode ficar com isso. Ajudar a aquece, não é? — Hanabi o olhou, ele era uma praga, certo? Ela não deveria aceita aquilo dele, ou seria o destino?

Sim… ele te aparecido aqui… é o destino. Era o destino dele levar um soco por min. — Naruto deixou o outro cachecol no chão e subiu em Kon que estava em sua forma grande.

— Até mais!

— Espera! Porque a minha nee-sama… — Naruto já havia sumido no bosque. — É quentinho! — Comentou tocando o cachecol vermelho de Naruto.

“O fio vermelho do destino, é uma lenda, de acordo com este mito, os deuses amarram uma corda vermelha invisível, no momento do nascimento, nos tornozelos dos homens e mulheres que estão predestinados a ser alma gêmea. Deste modo, aconteça o que acontecer, passe o tempo que passar, essas duas pessoas que estiverem interligadas fatalmente irão se encontrar!”

Seria esse cachecol vermelho parte dessa lenda?

 

 [Segundo Arco: Academia Ninja]

[Em curso]


Notas Finais


Esse capítulo deixou algumas coisas bem claras.

Nota 1: As roupas de Hanabi são as mesma de Mikasa quando criança.
Nota 2: O Naruto enrolando o cachecol em Hanabi, foi do mesmo jeito que o Eren fez com a Mikase de Shingeki no Kyojin

Pergunta 1: O que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...