1. Spirit Fanfics >
  2. Crônicas de Illyda - Aventuras da Mão Divina >
  3. Purificação

História Crônicas de Illyda - Aventuras da Mão Divina - Capítulo 20


Escrita por:


Capítulo 20 - Purificação



[19:24] «!» A dupla contava até cinco e iniciava uma disparada intensa, correndo pela região contaminada e evitando ao máximo ser pega pela energia negativa. Enquanto corriam por cima do chão ele parecia ter reações, verdadeiros braços de coloração arroxeada surgiam e tentavam apanhar Amon e Carmila, eram espíritos malignos e seus sons eram amedrontadores, gemidos da mais pura aflição. Ao redor os animais corrompidos encaravam ambos com olhares sanguinários e apenas aguardavam o momento certo para atacar. Até lá nenhuma energia negativa era capaz de acertá-los, tudo corria bem. Ao que chega o fatídico momento. Após percorrerem 1/3 do caminho até a árvore, o chão começava a tremer. Um terremoto de escalas indescritíveis. Andar torna-se mais difícil e se equilibrar um feito quase impossível, não se sabe o que está acontecendo. Logo à frente de vocês está uma espécie de cratera e sem duvidas ela participa disso. O ambiente fica mais sombrio a cada segundo, até mesmo o tom do céu naquela área é alterado, variando do preto até o púrpura. O sol está diferente, como se um eclipse estivesse acontecendo. Carmila entra em uma situação de quase pânico, fincando sua espada no chão e tentando se equilibrar, ela olha para Amon e em seus olhos é possível notar desespero. Lendo seus lábios o monge conseguia perceber algo como "O que está havendo?", os fortes tremores impossibilitavam comunicação e seus tímpanos doíam. 
[19:28] «!» Correntes enormes passavam a surgir de dentro da cratera, algo saía de lá. Uma energia descomunal e que se irradiava de maneira rápida, corrompendo ainda mais as formas de vida ao redor. Em torno de seis correntes agarravam a área ao redor do buraco e algo parecia puxá-las, um verdadeiro monstro. A personificação da energia do Vazio. Suas dimensões eram cinco vezes maiores que as de um ser humano, seu corpo era praticamente etéreo e uma armadura negra o protegia de golpes diretos. Chifres extensos e imbuídos em energia negativa emanavam luz, cegando aqueles que estavam mais próximos. Em suas mãos havia uma enorme corrente, esta com um gancho em sua ponta. Na mão esquerda estava o que seria equivalente a um reservatório de almas, rostos humanoides podiam ser vistos na mesma, gritavam em agonia. A criatura surgia do chão e soltava uma risada estremecedora, logo após isso dizia: "MEUS MONSTROS, ATAQUEM!"
[19:29] «!»  
[19:30] «!» As criaturas eram acertadas por uma onda de energia negativa, tornando-se ainda maiores e letais. Seu imperador havia retornado e a energia do Vazio nunca esteve tão forte. Corram, corram o mais rápido que puderem.
[19:31] «!» Número de disparadas: 3 + seu modificador de Constituição.
[19:33] «!» Cheguem até a árvore vivos e sem vestígios de energia negativa, restam 54 metros. Role 1d20 após realizar sua ação.
[19:33] «!» >>
[19:39] <Amon> '' Como tudo isso é possível ? Algo assim nem mesmo deveria existir ! Não tenho dúvidas de que alguém causou isso tudo, não há como na natureza de um lugar comum como este surgir coisas como essas mas, não haveria como cogitar que não era simplesmente uma região completamente tomada, isso tudo é perigoso demais. Quando a situação em Vanstaer normalizar precisarei entrar em contato com o monastério e avisar sobre isso, não posso me permitir cair neste momento '' * Segurava-se com firmeza em algum lugar para manter-se equilibrado, fincando as pontas de seus dedos em algum tronco de árvore e segurando com bastante força, já que suas mãos eram realmente potentes. Observando todo o decorrer dos acontecimentos em acreditar que tudo aquilo era possível e olhando para os lados brevemente para encontrar algum caminho a seguir, voltando-se para sua aliada em seguida * -- Precisamos encontrar uma maneira de sair deste lugar, esse problema é grande demais para que nós dois sozinhos sejamos capazes de resolver. Talvez essa criatura não possa nos perseguir se estivermos na árvore ! * Indicava com as mãos para Carmila e em seguida soltava-se do lugar onde segurava e partia com toda sua velocidade, abrindo caminho para sua aliada o seguir e tomando bastante cuidado para se manter equilibrado e rápido * 
[19:39] <Amon> >> 
[19:39]   Amon rolou 1d20 = 4 {[4]}  << Disparada >>
[19:47] ** NPC: <Carmila> *Apoiava-se juntamente a Amon, tomando todo o cuidado necessário. Encarava aquela criatura com olhos impressionados, era simplesmente colossal, não só sua aparência, mas a aura que emanava. Nunca havia sentido emoções como as de agora, adrenalina, desespero e acima de tudo medo do desconhecido.* -- Vamos até o topo da árvore o mais rápido possível! Lá deve ser seguro...*Apanhava sua espada e golpeava a cabeça de uma criatura, uma espécie de formiga gigante, partindo-a ao meio e lançando uma quantidade enorme de líquido negro no chão.* -- De que raios esses monstros são feitos?!*Tentava evitar olhar para o monstro enorme que havia surgido, ele não parecia estar em sua forma final, isso a amedrontava.* -- Vamos escalar isso o mais rápido possível, Amon! Se até mesmo esse monstro surgiu para proteger o mau, há algo que devemos verificar por lá!*Com movimentos rápidos corria na direção desejada, desviando dos monstros e dos espíritos que tentavam agarrá-la.*
[19:47] «!» !!!
[19:50] «!» Amon e Carmila tentavam seguir, mas eram impedidos por uma enorme parede que surgia à frente dos mesmos, era impossível contorná-la sem perder uma quantidade considerável de tempo. O imperador havia criado ela com suas próprias correntes após golpear o chão, gerando uma onda de choque intensa. O paredão se erguia em uma velocidade incrível, prendendo a dupla sem dificuldades. Resta escalá-lo e realizar isso do jeito mais rápido possível.
[19:50] «!» >>
[19:56] <Amon> '' Essa criatura é demais para nós dois, sinto que seria perigoso até mesmo se estivéssemos ao lado de Audra e os outros ... Como isso veio parar em um lugar como este ? Sem dúvidas, alguém causou tudo isso '' * Analisava rapidamente os seus arredores, olhando brevemente para trás para notar o quanto do caminho já percorreram e em seguida encarava novamente a parede em sua frente, afiando seu olhar e tentando procurar uma maneira mais segura de atravessá-la, movimentando suas mãos enquanto se preparava para aquecê-las * -- Não vai ser fácil Carmila mas se tentarmos contornar aquela criatura nos alcançará, já avançamos bastante até a árvore, podemos conseguir alcançá-la se os dois juntos atravessarem essa parede. * Rapidamente acelerava na direção da parede enquanto sacava sua lâmina pra utilizá-la como apoio, firmando-se imediatamente após saltar e esticando sua mão para ajudar sua aliada a subir, tentando manter-se próximo da mesma durante toda a escalada para atravessar aquilo e seguir até a árvore * 
[19:56] <Amon> >> 
[19:57] «!» >> Role Acrobacia.
[19:58]   Amon rolou 1d20 + 5 = 18 {[13] + 5}  << Acrobacia >>
[20:05] «!» Amon conseguia utilizar sua lâmina como apoio sem dificuldades, realizando movimentos rápidos e cheios de destreza. A situação exigia que ultrapassasse seus limites e era isso que estava fazendo. Carmila seguia logo atrás, tomando todos os cuidados possíveis para não cair. Ela parecia experiente naquilo e mesmo nervosa não se deixava abalar. Amon agia de maneira excepcional, controlando tanto sua parceira quanto seu ritmo de escalada, uma demonstração de coordenação digna de respeito. Criaturas tentavam vir logo atrás, uma delas uma espécie de aranha gigante, que corria com suas 8 patas e exibia mais de vinte olhos, todos próximos e formando um único olho gigante, ela será um impecilho de alto nível. A parede era escalada em pouco tempo e logo estavam descendo da mesma. O caminho até o topo da árvore era encurtado, sem duvidas ainda havia esperança. O lorde não parecia nada satisfeito com seu obstáculo sendo desafiado, ele não podia atacar de maneira direta, ainda se desprendia de seu selo. Restam 36 metros.
[20:12] ** NPC: <Carmila> *Subia rapidamente, atentando-se a todos os detalhes e me focando apenas em correr.* --- BOAS HABILIDADES, COMPANHEIRO! ESTAMOS QUASE!*Soltava a mão de Amon após terminarem de subir, olhando para trás de relance e notando o tamanho da criatura que se aproximava, seus olhos brilhavam intensamente e presas enormes e compulsivas se mexiam.* --- O QUE A GENTE FAZ COM ISSO?!*Colocava a espada em mãos e saltava de cima da parede, caía e começava a correr novamente, esperando conversar com Amon enquanto ambos fugiam.*
[20:12] ** NPC: <Carmila> >>
[20:15] <Amon> * Não parava para checar os inimigos que se aproximavam quando alcançava o topo da parede, já começando a descer com cuidado sem saltar, aproximando-se do chão antes * -- Um passo de cada vez, não sinto que somos capazes de lidar rapidamente com essas criaturas, precisamos nos concentrar em chegar até a árvore juntos. * Rapidamente acelerava ao lado de Carmila, evitando se preocupar com os perigos do lugar e se concentrando apenas em alcançar a árvore, que seria possivelmente a única maneira de evitar todos aqueles perigos * 
[20:15] <Amon> >> 
[20:17] «!» >> Role 1d20.
[20:17]   Amon rolou 1d20 = 4 {[4]}
[20:23] «!» No exato momento em que terminavam de voltar ao chão, um barulho ensurdecedor era ouvido, um verdadeiro rugido carregado de poder. A parede se desfazia rapidamente e alguns estilhaços voavam em vocês e em algumas das criaturas presentes, outros prendiam-se ao chão. Novamente uma onda de energia negativa era lançada, mas agora muito maior. A criatura finalmente havia se soltado, o Lorde do Vazio... está liberto. As correntes eram desprendidas e partiam-se num som metálico. O caos estava completo. Amon e Carmila eram atingidos pelos estilhaços e tinham problemas em seu caminho, impossibilitando que seguissem da mesma maneira e encurtando ainda mais a distância deles para a aranha. O verdadeiro monstro daquele lugar estava a solta e sua corrente principal passava a ressoar, caçaria a dupla com tudo que tinha. Distância da aranha: 9m / Distância do topo da árvore: 36m.
[20:23]   Xirito rolou 1d4 = 4 {[4]}  << Dano em Amon e Carmila. >>
[20:23]   PV de Amon: -4
[20:25] «!» >> Rolem um teste de resistência de Inteligência.
[20:25]   Xirito rolou 1d20 - 1 = 13 {[14] - 1}  << Resistência de Inteligência - Carmila. >>
[20:27]   Amon rolou 1d20 + 0 = 7 {[7] + 0}  << Inteligência >>
[20:34] «!» A onda de choque de energia negativa passava a fazer efeito sobre Amon, que ao ser atingido pelo estilhaço deixava sua guarda mais baixa, possibilitando uma janela de ataque para o senhor do Vazio, que preparava sua corrente para os próximos momentos. Repentinamente logo após ser afetado pela onda Amon notava algo diferente em seu braço ferido, lentamente este adquiria a mesma cor do senhor do Vazio, o maldito roxo que variava em tons escuros. Sua corrupção iniciava-se, não sentia dor naquilo, mas apenas olhar para seu estado o causava uma ansiedade nunca vista antes. Lentamente a marca se propagava, precisava cuidar daquilo rápido, precisava chegar à Yggdrasil. Carmila observava a situação de seu companheiro, mas não deixava de correr, ainda que extremamente preocupada. O monstro perseguia ambos enquanto rodava sua corrente, esperando o momento certo para puxar um dos dois. Os espíritos em seu recipiente estavam mais agitados do que nunca. Seguiam caminho usando tudo que tinham, mas as dificuldades só aumentavam. Distância da aranha: 9m / Distância do topo da árvore: 27m.
[20:35] «!» >>
[20:40] <Amon> '' Como ele fez isso ? Havia machucado meu braço no golpe que dei, ele não tinha sido ferido por ninguém ... Aquela coisa realmente irá desistir se alcançarmos a árvore ? Parece algo poderoso demais para isso, me pergunto o que o impede de sair desse lugar e causar toda essa confusão em outras regiões '' * Fechava seu punho com força, superando todo o incômodo em seu braço e acelerando o passo, acompanhando Carmila enquanto observava com atenção os arredores para qualquer perigo repentino, mesmo que estivesse focado em alcançar seu objetivo * 
[20:40] <Amon> >> 
[20:44] ** NPC: <Carmila> *Olhava para o braço de Amon, notando a corrupção o afetando lentamente. Mordia meus lábios com força, irritada.* - Sou eu quem você deve tentar atingir, miserável...*Corria o mais rápido que podia, planejando o que fazer com Amon caso seu estado piorasse. Olhava para trás, vendo que o monstro preparava um ataque, logo após isso gritava para Amon, usando todo o ar de seus pulmões.* --- DESVIE NEM QUE TE CUSTE UM MEMBRO, SE FORMOS ACERTADOS POR ELE, MORREMOS AQUI E AGORA!*A aflição em sua expressão era evidente, não pensava que alguém daquele poder estaria protegendo a área corrompida.* -- Nossa missão é chegar até a árvore, só precisamos disso. Funcionem, pernas! Apenas funcionem!*Notava o cansaço em seu corpo após a realização das últimas atividades, além de sofrer com a dor causada pelo impacto com o estilhaço.*
[20:47] «!» A criatura ria em desdém, lançando de uma só vez sua corrente, que viajava com força total pelo ar, parte dela batia no chão, causando ainda mais tremores. O local estava se tornando o verdadeiro inferno. A aranha enorme que os perseguia agora era acompanhada de monstros menores, que sem pestanejar faziam de tudo para alcançar seus alvos, até mesmo matar seus próprios companheiros, assim tomando o lugar deles na ordem. 
[20:47]   Xirito rolou 1d5 = 2 {[2]}  << Amon | Carmila | Monstros | Monstros | Erro >>
[20:49] «!» O Lorde do Vazio lançava sua corrente em direção à Carmila, mas vendo que demoraria mais do que o planejado, conjurava um portal. A enorme fenda semelhante ao Sol atual se abria e lá o enorme gancho surgia.
[20:50]   Xirito rolou 1d20 + 5 = 10 {[5] + 5}  << Puxão em Carmila. >>
[20:52] «!» A enorme corrente tentava acertar a elfa, mas falhava por pouco. Carmila saltava sobre a mesma e seguia correndo no mesmo ritmo, sem perder o foco. Estava vivendo ao máximo aquele momento e não queria morrer antes de realizar seu objetivo: salvar sua vila e a Yggdrasil. Após esquivar ela sorria para Amon, tentando despreocupá-lo de qualquer coisa, mais uma vez se gabando de seu título: "Sou a melhor curandeira da vila de Kairon't, não vou cair nisso!". Quem sabe sua tentativa de descontração funcionasse. O monstro gritava em fúria, já planejando mais um de seus ataques. Distância dos monstros: 9m / Distância do topo da árvore: 18m.
[20:53] «!» >> Role 1d20.
[20:53]   Amon rolou 1d20 = 20 {[20]}
[20:58] «!» Mais uma vez um choque de Energia negativa assola o local! Partes do chão passam a se desprender, sendo pegas por grandes correntes etéreas e púrpuras, elas brilham e saem da criatura chefe. São dezenas e dezenas de correntes surgindo a cada meio minuto, a criatura está usando tudo de si, não pode deixar que se aproximem nem mesmo mais um dedo do topo da Yggdrasil.
[21:05] «!» Amon e Carmila se encaram por alguns segundos, trocando informações sem dizer qualquer palavra. Sabem o que fazer, sabem para o quê vieram, nada pode impedi-los. A corrida fica ainda mais intensa, agora os dois desviam de enormes pedras e até mesmo monstros subjugados pelo Lorde do Vazio, ele está furioso, mais furioso do que nunca. Caso cheguem até o topo a maldição que assola o território élfico acabará e, consequentemente, seu Império estará em ruínas. Amon e Carmila correm alternando posições, desviando de maneira elegante e precisa. As enormes rochas não são nada para os dois, estão nos ápices de suas vidas. As correntes se partem logo após o lançamento dos objetos, aparentemente são feitas de almas corrompidas, que se soltam logo após a destruição de seus receptáculos, o Lorde possui um limite de conjurações, este baseado em quantas vidas ceifou. Os dois finalmente conseguem chegar até abaixo da árvore, tendo total noção do quão enorme ela é. É hora de subir. O enorme tronco, grosso e resistente, é capaz de aguentar qualquer coisa, mas escalá-lo de maneira natural pode ser quase impossível. É aí que Amon tem uma grande ideia, por que não utilizar o próprio poder do Senhor do Vazio para chegar ao topo? As folhas balançavam e caíam, mortas assim que chegavam ao chão. A árvore estava decrépita e não possuía metade de seu esplendor, mas ainda havia um jeito, com certeza havia um jeito. O ambiente seguia amedrontador e piorava a cada ataque do monstro. Era então que, após uma breve bênção de Carmila, os dois iniciavam sua missão: Chegar ao topo da Yggdrasil se equilibrando nas correntes e rochas disparadas, a tarefa exigiria todo o potencial de ambos e uma sincronia perfeita deveria ser atingida.  
[21:05] «!» >> CHEGUEM AO TOPO DA YGGDRASIL!
[21:14] <Amon> '' Aquela criatura não parece que irá desistir e sinto que se esconder não mudará nada, talvez ele consiga localizar qualquer coisa que se mova em seu território ... Não poderia imaginar que tudo isso aconteceria no caminho até essa árvore quando falei com os Elfos mas, agora estamos do lado do nosso objetivo '' * Olhava brevemente para os inimigos que se aproximavam, sacando sua corda de sua bolsa carteiro e colocando-a em sua cintura com um nó firme e preciso, entregando a outra ponta para Carmila * -- Se nos separarmos não vamos conseguir alcançar o topo, um será o apoio do outro nesse lugar Carmila. Estamos do lado da árvore, se alcançarmos o topo, talvez essas criaturas deixem de nos perseguir ou podemos até mesmo encontrar o motivo da natureza deste lugar estar dessa forma. Amarre essa corda em sua cintura como eu fiz, vamos escalar o mais rápido que pudermos, use alguma lâmina para ganhar firmeza, essa é a nossa melhor chance. 
[21:14] <Amon> >> 
[21:19] ** NPC: <Carmila> *Assentia às palavras de Amon, seguindo seus comandos com rapidez. Encarava sua espada com certa melancolia e então passava a utilizá-la para a escalada. Olhava para seu parceiro focada, dando o sinal de que estava pronta.* -- Vamos chegar ao topo, não podemos deixar nossos amigos esperando, certo?*Relembrava-se das pessoas que estavam por trás do motivo de ter chegado até ali, não podia vacilar.* -- Conto com você, monge. E espero que também confie em mim.
[21:19] «!» >> Role Acrobacia ou Atletismo.
[21:20]   Amon rolou 1d20 + 5 = 10 {[5] + 5}  << Acrobacia >>
[21:20]   Xirito rolou 1d20 + 7 = 27 {[20] + 7}  << Atletismo - Carmila. >>
[21:29] «!» A escalada iniciava-se com ataques contínuos vindos do senhor do Vazio, que incessantemente lançava correntes e mais rochas. Carmila agarrava a corda firmemente e fazia um ótimo trabalho, era leve e ágil, mas sua força era descomunal. Ataques e mais ataques eram desferidos contra a dupla, mas todos falhavam. A fúria no monstro possibilitava uma grande quantidade de golpes, mas sua precisão era fortemente reduzida. A escalada seguia com um ótimo trabalho em equipe, até o momento em que o senhor do Vazio finalmente acertaria um de seus golpes. Uma rocha acertava o braço de Amon e o desequilibrava, derrubando-o do local onde estava. Seu ferimento se corrompia ainda mais, o braço inteiro já estava próximo da corrupção total. Carmila observava a situação e rapidamente segurava-o pela corda, puxando-o para cima e evitando sua queda. Ela tomava o controle da situação, subindo com toda dedicação que tinha, seus olhos brilhavam, curar seus companheiros era tudo que mais desejava, morreria por isso. Amon estava de volta para o jogo, mas com ferimentos. Após intensas sequências de ataques vindas do senhor do Vazio finalmente a dupla alcançava o topo. Carmila fincava sua espada nos últimos centímetros para o topo da árvore, subindo e dando a mão para Amon, logo em seguida pegava sua espada e suspirava fundo. Os dois olhavam ao redor, a paisagem era completamente diferente da que se esperava, a área onde deveria estar o poço sagrado era substituída por um enorme cristal negro que irradiava energia negativa, arroxeada e poderosíssima. O local era extenso e circular, possibilitando locomoção total. Uma enorme pedra era lançada na direção dos dois, mas falhava, despedaçando-se no ar juntamente à corrente. A última alma coletada pelo senhor do Vazio havia se esvaído.
[21:29]   Xirito rolou 1d4 = 3 {[3]}  << Dano em Amon. >>
[21:29]   PV de Amon: -3
[21:29] «!» >>
[21:32] «!»  
[21:40] <Amon> '' Até mesmo o topo da árvore perdeu sua natureza ? Pensei que encontraríamos a água sagrada imediatamente quando chegássemos nesse lugar mas, parece que tudo isso começou nesse local '' * Se surpreendia pela aparência do topo da árvore, não esperando que fosse estar totalmente diferente de sua naturalidade, olhando brevemente do alto para os inimigos que estavam os perseguindo e rapidamente se afastava da beirada, guardando sua lâmina e rasgando a manga de sua roupa para conseguir saber como estava seu braço * -- Não fui ferido no braço por aquela criatura gigante, apenas tinha me lesionado em um golpe errado, não sei como ficou dessa maneira mas terei tempo para pensar nisso quando encontrarmos a água que procuramos. * Se aproximava de Carmila, liberando sua cintura das cordas e a guardando novamente * -- O que poderia ser aquele cristal ? Isso tudo não parece ter ficado assim sem razão, talvez alguém realmente tenha causado propositalmente. 
[21:40] <Amon> >> 
[21:53] ** NPC: <Carmila> *Girava sua espada e deixava em paralelo à sua cintura, apontando-a para baixo. Respirava fundo e olhava para Amon, seu cansaço era evidente.* -- Acredito que eu deva esclarecer melhor o motivo para ter vindo aqui.*Começava a andar em direção ao cristal negro, sem hesitar e deixando seu corpo se corromper, ignorando qualquer sensação ruim. Pouco antes de ficar a menos de um metro de distância do objeto ela virava para Amon.* -- Meu objetivo também é a água sagrada, mas menti quando disse que só precisava disso. Vim até aqui para erradicar essa força utilizando a espada sagrada dos meus antepassados.*Encarava a espada e então seu ex parceiro.* -- Peço perdão por não ter dito isso anteriormente, mas... Este cristal. Este cristal é o causador de todos os problemas e para isso é necessário um sacrifício. Não se preocupe, não será você, mas sou incapaz de dizer o que pode acontecer com você assim que eu fincar essa lâmina no centro do cristal.*Metade de seu corpo já estava das cores da energia negativa, mutações já podiam ser vistas.* -- O causador disso foi um bruxo, ele queria absorver todo esse poder e transformar-se naquela criatura que vimos anteriormente. Mas ele não fez isso mais cedo, queria que o Vazio consumisse todo o território élfico, assim tornaria-se um ser com poderes próximos ao divino. Eu não sei seu nome, mas as lendas dizem que o mesmo é imortal. Para impedir que essa energia se propague alguém devem consumi-la. Esse alguém serei eu.*Preparava sua lâmina e virava as costas para Amon, então golpeava com tudo.* -- Agradeço por tudo, monge. E desculpe por isso...*Uma enorme explosão era causada assim que a espada perfurava o foco mágico, um grito de dor era ouvido, não só um, mas o de milhares de almas penadas. Todas consumidas por aquela energia mundana. Toda a região em volta passava a ter seu mal dissipado, a paisagem se alterava, os monstros voltavam ao normal, o senhor do Vazio era expulso. Tudo isso em questão de segundos. O mundo se revirava naquele momento, assim como Carmila, que recebia cada pedaço daquilo. Seu corpo era detonado pela energia e a espada que empunhava tornava-se completamente diferente. Aos poucos a garota curandeira virava um verdadeiro monstro, assim como os que haviam enfrentado. Após minutos de agonia ela caía no chão, completamente inconsciente. Partes de seu corpo viravam pó e no lugar das mesmas surgiam outras, mas estas desumanas.
[21:53] «!» A REGIÃO DE VAZIO E YGGDRASIL FORAM PURIFICADOS!
[21:53] «!»  
[21:53] «!» >> 
[22:02] <Amon> * Permanecia parado, após guardar sua corda que tinha utilizado com Carmila. Ouvindo sua história em silêncio enquanto colocava uma de suas mãos sob o ombro do braço que estava danificado, com uma expressão de dúvida por debaixo de sua máscara enquanto sua aliada explicava tudo * -- Você não precisava esconder isso, não iria impedi-la de alcançar seu objetivo. Gostaria que houvesse alguma outra maneira para resolver a situação nesse lugar mas, agradeço por sua ajuda. Não poderia alcançar o topo dessa árvore de outra forma. * Continuava no mesmo lugar, apenas abaixando-se para evitar ser arremessado para longe por algum impacto que surgisse repentinamente. Respeitando totalmente a decisão da aliada que havia conhecido recentemente, mesmo que preferisse que outra maneira de recuperar a natureza daquela região fosse utilizada, apenas acompanhando e observando toda a floresta retornando ao normal e logo se aproximava de Carmila no chão * -- Não sei se pode me escutar mas tentarei algo, talvez ainda seja possível tratá-la. * Observava os arredores, procurando pela água sagrada que tanto procurava para colocá-la brevemente em um frasco e levar até sua aliada * 
[22:02] <Amon> >> 
[22:06] «!» Assim que Amon começava sua procura pela água sagrada ouvia um barulho, idêntico ao das almas penadas que eram armazenadas pelo senhor do Vazio. Ao olhar para trás notava o estado de Carmila e sabia de uma coisa: Aquela não era mais sua aliada, estava completamente mudada. Em suas mãos estava a espada de seus antepassados, agora repleta de energia negativa e ainda mais poderosa. O braço de Amon estava num estado semelhante ao de algumas partes do corpo dela, algo preocupante. Seus olhos eram vazios, não demonstrava qualquer emoção. Num urro de fúria ela partia para cima do monge, tentando acertá-lo de uma vez com sua lâmina. O instinto assassino do Vazio havia corrompido Carmila, teria ela ainda uma salvação?  
[22:06] «!»  
[22:10] ** NPC: <Carmila>  --- MORRA, SER DESPREZÍVEL!*Brandia sua espada com destreza, realizando diversas manobras enquanto se aproximava de Amon. Seu corpo parecia extremamente frágil, não duraria muito tempo em um combate, mas a energia que emanava era inegavelmente forte. Capaz de eliminar qualquer um sem dificuldades. A criatura corria ferozmente na direção do monge.* - Eu não queria...*Uma intensa dor em sua cabeça era sentida, como se duas mentes disputassem para tomar o lugar, alguns sussurros podiam ser ouvidos, quem sabe a mulher ainda estivesse lá dentro.*
[22:10] «!» >> Role Iniciativa.
[22:11]   Amon rolou 1d20 + 3 = 8 {[5] + 3}
[22:11]   Xirito rolou 1d20 + 1 = 15 {[14] + 1}
[22:11] «!» >> Turno de Carmila.
[22:11]   Xirito rolou 1d20 + 7 = 24 {[17] + 7}  << Ataque em Amon. >>
[22:12]   Xirito rolou 1d8 + 4 = 9 {[5] + 4}  << Dano em Amon. >>
[22:12]   PV de Amon: -9
[22:14] ** NPC: <Carmila> *Seu corpo tremia por completo, o conflito entre as duas mentes que o ocupavam causava pânico. A criatura acertava Amon, mas logo após isso se lançava para longe, como se quisesse evitar feri-lo.* - Eu não vim aqui pra isso...*Reposicionava-se rapidamente e imbuía sua espada em mais energia negativa, queria pôr fim no combate de uma vez por todas.*
[22:16] «!» O golpe dado em Amon era preciso e acertava o exato braço que havia ferido anteriormente, agora ainda mais corrompido pelo Vazio. A negatividade já o cobria por completo e o processo de regeneração já era quase impossível considerando a criatura que estava em sua frente. Logo seu corpo estaria dominado por completo, um sacrifício deveria ser feito caso desejasse viver. As marcas passavam a arder intensamente, a espada havia amplificado o efeito das mesmas com um único golpe.
[22:16] «!» >> Turno de Amon.
[22:24] <Amon> '' Não contava com isso logo quando estava ao lado da água sagrada, talvez ela seja capaz de tratar de Carmilla e de meu braço ... O Elfo disse que seria capaz até mesmo de recuperar Talon, isso deve funcionar, preciso atrasá-la o tempo que conseguir. '' * Sentia o peso em seu braço que estava bastante danificado, novamente fechando seu punho com força e aguentando e rapidamente aproximava-se de Carmila para tentar acertá-la em cheio com uma pancada em seu peito, não se concentrando em causar grandes danos mas em ganhar tempo, correndo na direção onde possivelmente estaria a água sagrada à todo vapor, enquanto controlava sua respiração e Chi para manter sua defesa paciente afiada * '' Esse caminho que atravessamos juntos foi duro, não posso aceitar receber as recompensas por esse desafio sozinho, preciso recuperar Carmila ! '' 
[22:24] <Amon> >> 
[22:25] «!» >> Role Ataque.
[22:26]   Amon rolou 1d20 + 5 = 13 {[8] + 5}  << Punho livre >>
[22:26] «!» >> Role dano.
[22:26]   Amon rolou 1d4 + 3 = 7 {[4] + 3}  << Punho livre >>
[22:27]   E2 de Amon: -1
[22:31] «!» A pancada de Amon era certeira, despedaçando sem dificuldades parte do corpo de Carmila, ou melhor, a armadura que o representava naquele momento. Aquela que deveria ser sua aliada gritava em dor, parecia próxima da morte, assemelhando-se a um canhão de vidro possuía apenas poder destrutivo, mas sua resistência era mínima. Amon começava a correr em direção ao local da água sagrada, presenciando uma espécie de poço gigante e muito fundo. Logo ao seu fim era possível notar o tão raro líquido, que se movia de um lado para o outro. Sua cor era prateada devido a parte de dentro da árvore. O monge deveria descer com cautela até chegar ao seu objetivo. 
[22:31] «!» Pontos de Vida de Carmila 3/10.
[22:32] «!» >> Turno de Carmila.
[22:32]   Xirito rolou 1d20 + 7 = 19 {[12] + 7}  << Ataque em Amon. >>
[22:32]   Xirito rolou 1d20 + 7 = 10 {[3] + 7}  << Ataque em Amon Desvantagem. >>
[22:37] ** NPC: <Carmila>  --- ESSA DOR. VOCÊ VAI ME PAGAR POR ESSA DOR!*Rugia em agonia e corria em alta velocidade, visando um ataque certeiro em Amon e que o finalizaria ali mesmo. Repentinamente enquanto avançava tinha uma crise, uma de suas mãos sozinha ia em direção a seu pescoço, enforcando-a. Suas pernas também se moviam sozinhas, tentaria um suicídio ali mesmo. Corria para a beira da árvore, buscando de uma só vez acabar com tudo aquilo. Carmila não desejava seguir daquele jeito, não podia. O mal deveria ser extinto.* --- DEIXE-ME MORRER AQUI, AMON! 
[22:40] «!» Seu braço estava nas piores condições, nem mesmo era possível senti-lo. Parte do mesmo passava a se decompor e virar pó, não havia tempo. Assim como Carmila ele estava em seus últimos momentos. Resta menos de alguns segundos para o fim de sua aliada e também para o fim de um de seus membros. Amon, qual será sua escolha? Salvará a si ou a sua aliada? Deixará seu braço se decompor ou deixará que ela caia da árvore? Ainda há esperanças, mas apenas para um de vocês. O que vale mais? Em gritos Carmila lutava contra si mesma, próxima de se jogar. 
[22:40] «!» >> Faça sua escolha. 
[22:51] <Amon> '' Aquela criatura que enfrentamos realmente não quer nos deixar alcançar nosso objetivo sem maiores problemas, há uma maneira de conseguirmos o que queremos totalmente sei disso, preciso encontrá-la nesse momento o mais rápido que puder '' * Respirava fundo tentando manter-se concentrado naquela situação, sem tomar uma decisão precipitada e tentar alcançar a vitória naquele momento em sua totalidade, não sentindo mais seu braço danificado e confiando em uma estratégia impensável. Deitando-se sob a beirada do lugar onde estava a água sagrada, sacando de sua bolsa um pequeno martelo que possuía e sua corda, amarrando-a no martelo com firmeza e deixando-o ao seu lado aguardando o momento de utilizar aquilo e em um instante, sacava sua lâmina, inclinando ainda mais próximo do lugar para realizar um movimento rápido e cortar seu braço danificado que já não sentia mais os danos, tentando fazer com que o mesmo caísse na água sagrada e talvez se recuperasse, não sendo sua maior preocupação naquele momento mesmo que se importando consigo mesmo. Se levantava e pegava com seu outro braço a corda com o martelo, realizando alguns movimentos enquanto acelerava na direção de Carmila * -- Não fui feito para deixar aliados para trás Carmila ! Todo meu treinamento e os sujeitos que admirei quando pequeno me ensinaram que eu poderia seguir este caminho, não desista ! Você já sabe como funciona a estratégia com esta corda, cada um se apoia até que a vitória seja vista !!! * Atirava a corda na direção de Carmila, utilizando o martelo como um peso para entrelaçá-la e puxá-la para longe da beirada da árvore, tentando levá-la até a água sagrada para recuperar sua aliada * 
[22:51] <Amon> >> 
[23:01] «!» Amon reafirma ainda mais seus ideais, mostrando a maneira como foi criado e treinado por seus aliados e decide salvar Carmila, uma pessoa que havia conhecido há pouco tempo, mas que sem dúvidas já poderia ser considerada uma companheira. O monge corta seu braço de uma só vez, lançando-o em direção à água sagrada. Sem nem mesmo olhar para o resultado realizava mais uma vez a estratégia da corda. Relutante enquanto brigava consigo mesma Carmila chegava perto de se jogar, mas, no último instante, enquanto caía, agarrava a corda e era puxada por Amon. Rapidamente ela era puxada e levada até o poço, caindo na água de uma maneira segura. Num ato heroico Amon passava por um processo de desapego, deixando parte de si para dar vida a outros, a muitos outros. Lentamente Carmila recuperava seu corpo e a energia era selada em sua espada, a água expulsava qualquer forma maligna. Ela gradualmente voltava a ser a elfa de sempre, suas vestes estavam rasgadas e seu estado ainda não era dos melhores, precisaria de uma reabilitação para voltar a ativa. Mas mais importante: Carmila estava vivo e em segurança, assim como toda a região do território élfico e a tão importante Yggdrasil, a árvore da vida que agora voltaria a trazer sossego para as almas perdidas e reviveria a natureza. Logo após aquilo tudo Amon descia em direção ao poço utilizando sua corda, com certa dificuldade e sentindo falta de seu membro, este havia sido regenerado na água, não mais corrompido, quem sabe seja possível montar uma prótese com o mesmo. O mal foi erradicado e a água adquirida. Carmila ainda estava inconsciente, mas em seu rosto havia um sorriso tranquilo, poderia ver a felicidade de seus velhos companheiros após ajudá-los. Amon coletava os frascos necessários para a recuperação de todos e adquiria um adicional em caso de emergência. Saía de dentro do poço com Carmila em seus ombros, olhando para cima e notando a bela paisagem, o Sol estava novamente radiante. Os pássaros seguiam voando como sempre, o canto deles nunca foi tão vivo. Tudo havia se alterado, a dupla de aventureiros, Amon, o monge e Carmila, a curandeira, deram fim à maldição do território élfico, que agora pode viver em paz. 
[23:02] «!» Talon Grinn e Audra de Irina agora possuem uma salvação. Congratulações, membro da Mão Divina.
[23:02] «!» >>
[23:15] <Amon> * Respirava tranquilo após conseguir alcançar seus objetivos naquele momento, acertando todos os passos decisivos antes. * -- Acredito que não seja capaz de me ouvir agora mas serei sincero, não fazia ideia se conseguiria acompanhar a velocidade com que tudo aconteceu nessa região da floresta. Sou um monge mas não tenho toda a sabedoria e paciência do mundo, principalmente essa segunda característica. * Deixava Carmila no chão da árvore por um instante e logo envolvia o seu braço que havia sido recuperado com sua corda, deixando-o preso em sua cintura com firmeza e rapidamente checava os frascos, apenas para saber se estava levando tudo que precisava. * -- Tenho que descer a árvore Carmila e acredito que não sou capaz de levá-la em minhas costas agora, esse lugar sem dúvidas é o mais seguro possível, sei que estará tranquila quando acordar. * Sacava sua lâmina, escrevendo na madeira da árvore uma mensagem em Élfico para sua aliada, com a localização da vila onde estava e o nome dela, para que se encontrassem caso ela acordasse antes que alguém que enviasse fosse buscá-la. Descendo a árvore logo em seguida com bastante cuidado mas de maneira acelerada, querendo levar logo os frascos para seus companheiros * 
[23:15] <Amon> >> 
[23:17] «!» FIM DA SESSÃO!
[23:17] «!» ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
[23:18] «!» Recompensas: 550 XP | 1 MVP 
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...