1. Spirit Fanfics >
  2. Cruzeiro para o paraíso (Jikook) >
  3. Trinta e oito

História Cruzeiro para o paraíso (Jikook) - Capítulo 38


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura a tds.

💜💜💜

Capítulo 38 - Trinta e oito


Fanfic / Fanfiction Cruzeiro para o paraíso (Jikook) - Capítulo 38 - Trinta e oito



JUNGKOOK ON



Não tem sido nada fácil ver as crises de Jimin, e saber que não posso fazer nada além de permanecer ao seu lado. É cansativo sabe, conviver com uma pessoa com depressão, é angustiante porque você sabe que não é uma dor física que um analgésico resolve, é uma dor da alma, que infelizmente nem todo carinho e cuidado do mundo são capazes de amenizar.


É doloroso para mim, ver meu pequeno sofrendo e saber que ele não tem forças para se levantar. Dói não ver mais aquele sorriso que tanto amo estampado em sua linda face, que hoje tudo o que exibe é uma tristeza profunda.


Já está na hora do veredicto e estamos aqui, em seu quarto enquanto eu velo por seu sono. Espero que Go-Han seja condenado e que Jimin se anime, consiga se levantar e volte a ser o garoto sorridente que eu tanto amo.


Eu tenho tido paciência, sua crises são horríveis, ele já não me toca mais desde o acontecido e eu o entendo, sei que não é por que ele não sente mais desejo por mim e sim devido ao trauma do qual ele está tentando se livrar.


E eu esperarei por ele, até que ele se sinta confortável e me toque primeiro.


Deitado ao seu lado, meus pensamentos viajam para o dia em que nos conhecemos, ele era um garoto assustado, porém sempre forte e decidido, é pela volta desse garoto que anseio todos os dias.


Ele abre seus olhinhos preguiçosamente, me fitando ainda um pouco confuso devido aos remédios que precisou tomar para diminuir as crises.


ㅡ Oi! ㅡ digo carinhosamente.


ㅡ Oi. ㅡ ele responde forçando um sorrisinho tímido.


Já é um progresso, há dias não o vejo sorrir, mesmo que forçado, e esse pequeno sorriso tímido já me fez o homem mais feliz do mundo.


ㅡ Quanto tempo eu dormi? ㅡ ele perguntou manhoso tentando se espreguiçar.


ㅡ Não muito bebê. ㅡ respondi acariciando sua face, deixando um selinho singelo em seus lábios.


ㅡ O julgamento já acabou? ㅡ ele perguntou preocupado.


ㅡ Sua mãe ainda não me ligou, então acredito que ainda não. Você quer voltar para lá? ㅡ perguntei fazendo carinho em seus fios.


ㅡ N-não. Prefiro ficar aqui com você. ㅡ ele respondeu encostando apenas a cabeça em meu peito.


Ficamos em silêncio por algum tempo, apenas aproveitando a presença um do outro, até que sinto ele se aventurar com sua mãozinha delicada em meu peito. Ah se ele soubesse a quanto tempo tenho esperado por um toque seu…


ㅡ Obrigado! ㅡ ele diz levando seu olhar até o meu, sem levantar a cabeça de meu peito.


ㅡ Por que está me agradecendo? ㅡ perguntei carinhoso.


ㅡ Por não desistir de mim. Eu sei que estou parecendo um trapo, mas mesmo assim você continua ao meu lado. Então obrigado por isso. ㅡ ele respondeu e eu vi outro sorriso mínimo marcado em seus lábios.


ㅡ Sou eu quem tem que agradecer, por me permitir ficar ao seu lado… ㅡ não consigo terminar a frase ao ouvir meu celular tocar.


LIGAÇÃO ON


ㅡ Ganhamos! Ele foi condenado! ㅡ minha sogra gritava do outro lado da linha.


Coloquei o celular no viva voz e pedi  que ela repetisse para que meu pequeno também ouvisse da boca de sua mãe.


ㅡ Nós ganhamos querido, você está livre. E ele ficará preso por muitos anos! ㅡ ela gritava eufórica.


ㅡ Jimin se prepare que hoje vamos comemorar! ㅡ nossos amigos gritaram todos juntos, perfeitamente ensaiado.


LIGAÇÃO OFF


Quando eles desligaram a chamada vi meu pequeno chorando, mas era um choro de alívio, eu podia ver isso refletido em seu olhar. Então o mais inesperado aconteceu, ele se jogou em meus braços, num abraço apertado e saudoso e eu não podia ter ficado mais feliz.


ㅡ Você ouviu? Ele não pode mais te machucar amor! ㅡ exclamei e ele sorriu, dessa vez um sorriso verdadeiro.


ㅡ Eu não preciso mais ter medo? ㅡ ele perguntou esperançoso.


ㅡ Não amor, você está livre! ㅡ E-eu disse me levantando com ele ainda agarrado a mim, o girando no ar.



JUNGKOOK OFF



JIMIN ON


Essa é a primeira vez em seis meses que me sinto feliz com algo, a primeira vez que quem toma a iniciativa de abraçar sou eu, mas me sinto triste em ver a surpresa estampada na face de Jungkook por um simples abraço.


É como se eu o estivesse negligenciando por todo esse tempo, e isso me faz sentir o pior dos namorados. Ainda me pergunto o por que de ele aguentar todo esse tempo ao meu lado sem receber de volta o carinho e atenção que dedicou a mim.


Mas agora nada disso importa, eu finalmente me sinto leve, sinto que agora vou conseguir me levantar e recomeçar, afinal acabei largando tudo, meu emprego, meus amigos, minha família e meu namorado, e me fechando em um mundo de tristeza e solidão.


Essa é a primeira vez que tenho a casa cheia sem me sentir cansado ou confuso, sem ter vontade de me esconder, de gritar para que todos se calassem. Pode ser que essa alegria seja passageira, afinal alguém na minha condição, não sabe por quanto tempo ficará bem.


Essa alegria pode durar um dia, dois ou mesmo apenas algumas horas, então vou aproveitar ao máximo esses momentos ao lado das pessoas que amo e que eu sei que me amam na mesma intensidade.



TRÊS MESES DEPOIS



ㅡ Pronto amor? ㅡ Jungkook pergunta estacionando o carro.


ㅡ Acho que s-sim. ㅡ respondi receoso.


ㅡ Se anime amor, todos vão te receber muito bem aqui. ㅡ ele disse enquanto estendia a mão em minha direção me ajudando a descer do carro.


Senti meu rosto queimar em vergonha, quando ao entrar pela porta, todos os olhares vieram em nossa direção. Jungkook não soltou minha mão em nenhum momento, parecia me exibir todo orgulhoso para seus funcionários.


ㅡ Bom dia senhor Jeon. 


ㅡ Bom dia, Dong-yul. Este é Park Jimin, ele vai trabalhar conosco a partir de hoje.


ㅡ Seja bem vindo senhor Park.


ㅡ Obrigado. Mas pode me chamar apenas de Jimin.


Então é isso, aceitei trabalhar na gravadora de Jungkook, sei que aqui me sentirei mais seguro, e ele meio que não me deu muita escolha, agora que eu estou melhor, ele decidiu fazer chantagem emocional comigo, mas tudo bem, eu sei que ele só quer meu bem.


Jungkook fez questão de me apresentar a cada funcionário, em todos os setores da gravadora, e disse que apesar de ser meu primeiro dia eu não iria trabalhar, apenas conhecer meus futuros companheiros de trabalho e o local onde iria passar a maior parte do meu dia.


Só não posso reclamar do quão chato fora o meu dia, pois passei ao lado de Jungkook, que fez de tudo para me agradar. Já fazia um tempo que não ficávamos juntos assim, ele quase nem trabalhou, apenas para me dar total atenção.


(...)


Estamos a caminho de casa, e eu estou pensativo, há muito tempo já não vamos para a cama, o médico disse que eu estava com algum tipo de bloqueio causado pelo trauma e que um dia isso iria passar, acho que esse é o momento.


Ele tem sido muito compreensivo comigo, esperando que eu procura por seus toques e eu me sinto mal por isso, eu o amo e não posso deixar que isso continue assim, preciso tomar uma atitude.


ㅡ Amor, eu não quero ir pra casa. ㅡ eu disse um pouco manhoso.


ㅡ Você está bem? Está passando mal? Quer ir ao hospital? ㅡ ele perguntou preocupado.


ㅡ Não Junggukie, eu quero ir para sua casa. ㅡ respondi ainda mais manhoso e ele pareceu entender, visto que arregalou os olhos em minha direção.


ㅡ V-você tem certeza? Espera você me chamou de Junggukie? Ah meu Deus… ㅡ ele disse rápido de nervoso.


ㅡ Sim, tenho certeza! E o que tem eu te chamar de Junggukie? ㅡ Perguntei manhando a última palavra.


ㅡ Você só me chama de Junggukie quando quer… ah meu Deus… você sabe. E você quer? ㅡ ele ficou completamente desconcertado com a própria constatação.


ㅡ Eu quero tentar! Estou com saudade. ㅡ respondi quase como um sussurro ao pé de seu ouvido.


Ele virou o carro depressa, mudando nossa rota, enquanto eu mandava uma mensagem para minha mãe, avisando que dormiria com ele, para que ela não se preocupasse.


Assim que entramos em sua casa, ele me olhava apreensivo, acho que esperando por uma atitude minha, eu já podia ver sua respiração atrapalhada e ainda nem havíamos nos tocado.


Tirei meus sapatos próximo a porta e caminhei lentamente em sua direção, seus olhos estavam marejados e perdidos, como se ele não soubesse o que fazer. Sabe aquele adolescente virgem que vão sair com a primeira pessoa da sua vida? 


Então, esse é Jungkook neste momento.


Colei meu corpo ao dele, conduzindo suas mãos até minha cintura, onde ele as pousou levemente, subi minhas próprias até sua face, aproximando meus lábios dos seus ainda com um pouco de medo de que as sensações que eu sentiria  me fizessem desistir.


Quando percebi que meu corpo não reagiu de maneira negativa, aprofundei o beijo lentamente, deixando que o resto acontecesse naturalmente.


ㅡ Me leva pro quarto Junggukie. ㅡ pedi manhoso.


Ele então me pegou no colo, com todo carinho, como quem carrega uma criança, ele não demonstrou qualquer interesse sexual, mesmo eu sabendo que ele está louco para arrancar nossas roupas, me jogar em sua cama e fazer amor até o dia amanhecer.


E dependendo de como meu corpo e mente irão reagir, espero que seja isso que aconteça.


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Pq sinceramente eu não gostei.

사랑해요💜💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...