1. Spirit Fanfics >
  2. Cry Baby >
  3. Do we have sex?

História Cry Baby - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Demorei mais do que eu queria, mas aqui está o capítulo novo!

Aproveitem!
P.s: Não prometo nada, mas talvez tenha mais um capítulo novo hoje!

Capítulo 7 - Do we have sex?


Katherine Vandergeld point of View

Abri meus olhos vagarosamente sentindo minha cabeça latejar, eu não sabia descrever a dor que estava sentindo nela naquela momento mas era algo próximo de levar uma bola no meio da testa ou bater a cabeça na parede enquanto está transando de quatro, ambas as situações já aconteceram mais de uma vez, porém eu poderia facilmente afirmar que aquela dor era uma mistura das duas opções juntas.

Tentei me sentar na cama mas senti algo pesado rodeando minha cintura, minha visão estava um pouco embaçada, mas eu conseguia claramente ver um braço ali, arregalei os olhos.

Puta que me pariu!

Chaz estava ao meu lado, dormindo como o anjo que ele não era, era o seu braço que me prendia daquela maneira tão possessiva, Chris estava do outro lado, dormindo de bruços enquanto Ryan estava deitada nos "pés" da cama, ambos dormindo, e a parte que mais me preocupava, ambos apenas de cueca.

Levantei um pouco do lençol que me cobria vendo que assim como eles eu estava usando só roupas íntimas, arregalei os olhos novamente.

Porra Katherine, você perdoa muito fácil!

— Não transamos, se é isso que você está se perguntando. — A voz rouca me fez imediatamente olhar pro lado vendo que Chaz havia acabado de acordar, e só pra constar, ele é muito fofo logo que acorda.

— Então porque estamos só de roupas íntimas? — Naquelas altura eu tinha até esquecido a dor de cabeça, fiquei tão preocupada com quer transado com os amigos que eu recém perdoei que a dor foi o de menos.

— Você não lembra do que aconteceu ontem?

Olhei para o além, como em cenas de filmes e pequenos flash's começaram a passar por minha mente; Dancei e bebi a noite toda, fiz um striptease encima de uma das mesas e terminei a noite dançando lap dance no colo do Ryan, depois disso, não lembro de mais nada.

— Meu Deus, meu pai vai me matar quando descobrir tudo que eu fiz! — Tampei o rosto com as mãos já prevendo o castigo, nada de cartão de crédito ou vida social até ele esquecer o que aconteceu.

— É, eu também vou te matar por ter me deixado de pau duro e depois ter ficado bêbada demais pra adormecer o mostro que você mesma acordou! — Tirei as mãos do rosto vendo que Ryan era o segundo dos meninos a acordar, ele estava emburrado, talvez pelo sono ou pelo pau duro, era difícil de afirmar com certeza.

— Não precisa se preocupar com o Tio Ed, cerejinha! — Chris foi o último a acordar, ele, que já estava ao meu lado, apenas se sentou e olhou descaradamente prós meus seios amassados naquele sutiã vermelho.

O garoto mal acordou e já tá na safadeza!

— Isso é. — Chaz falou se sentando assim como Chris. — Nós te levamos pro porão, área dos jovens, e sabe como é, o que acontece no porão...

— Fica no porão. — Os três falaram juntos e eu sorri.

— Então porque nós estamos pelados? — Questionei.

— Você tirou a roupa na festa, no nosso caso, a gente só não queria dormir de roupa mesmo. — Ryan disse e eu achei que aquilo fazia sentido demais pra falar mais alguma coisa.

Me levantei daquela cama de uma vez e enquanto eu ia até a mala procurar algo pra vestir, senti minhas costas queimarem com os olhares dos meninos.

— Vocês já estão de pau duro, podiam ser mais discretos! — Afirmei, mas os desgraçados apenas sorriam com malícia, além de lindos os filhos da mãe ainda tinham sincronia.

— Minha filha, olha a hora, acabamos de acordar, meu pau não tá duro só por sua causa, apesar de você também ajudar. — Chris falou e os outros dois concordaram, eu ri, ri muito inclusive, um lado meu iria adorar ter transado com eles, mas o outro estava feliz de ver que eles não se tornaram filhos da puta o suficiente para fazer isso com uma garota bêbada, meus melhores amigos ainda estavam ali.

— E pensar que ontem eu quase comprovei minha teoria de que ruivas tem você sabe o que rosinha. — Chaz lamentou me fazendo rir mais uma vez, porém antes que eu matasse sua curiosidade, Chris se pronunciou.

— Pode acreditar dude, é tão rosa quanto sorvete de morango. — Sorriu malicioso me olhando e eu apenas senti minhas bochechas corarem.

— Cala a boca, eu não aceito que você tenha vista a buceta dela antes de mim! — Chaz se pronunciou revoltado arrancando risadas de todos nós.

— Não pode isso cara, vocês são primos, tem que deixar os outros caras chegarem nela! — Ryan falou.

Era engraçado os ver falando das minhas partes íntimas como se eu não estivesse ali, e mais ainda que o foto de Chris ter as visto antes deles era mais importante que o fato dele ter visto, no final das contas.

— Primo foi feito pra não se pegar o irmão. — Chris afirmou fazendo com que os dois se calassem.

Droga.

Queria que alguém tivesse me contado isso antes de tudo aquilo acontecer com o Luke.

— Não tenho uma boa resposta contra isso mas me dá duas horas que você vai ver só!

Chaz disse me fazendo revirar os olhos só pra logo em seguida poder rir, os deixei pra lá e fui tomar meu banho, ou ao menos tentar, já que levei cerca de 15 minutos para os fazer entender que nenhum deles ia tomar banho comigo e não, eu não queria sexo matinal.

No meio disso tudo eu só tinha uma certeza, eu tava com mais saudades do que poderia imaginar.

                           ×××

Após vestir uma roupa básica, me direcionei com os meninos pra sala de jantar esperando tomar café da manhã mas descobrindo em seguida que já se passavam de 12:00h PM e era o almoço que estava sendo servido, me sentei ao lado de tia Pattie e os meninos se espalharam entre os lugares restantes, faltava apenas uma pessoa, mas logo o ser desagradável que faltava chegou e se sentou ficando bem em minha frente, ele me olhou com um sorrisinho cínico nos lábios me fazendo revirar os olhos.

— Então Kath. — Tio Jeremy chamou minha atenção. — Como se sente sendo a mais nova cara do mundo do crime?

Péssima, quis gritar.

— Surpresa. — Afirmei após beber um gole de água aromatizada. — Meus pais não haviam me contado nada daquilo!

Tio Jeremy sorriu, só nós dois falávamos ali, os meninos estavam mais preocupados em comer, e Justin alternava seu olhar entre o pai e eu.

— Decidimos há pouco tempo e queríamos fazer uma surpresa, pelo visto funcionou melhor do que eu esperava. — Eu estava impressionada por o quanto as pessoas estavam feliz por ver uma adolescente de meio metro entrando no meio do crime como se aquilo fosse normal.

Eu esperava ganhar um carro nos meus dezesseis anos, não um posto na máfia.

— Então, eu sou nova nisso, o que vem agora? — Perguntei calmamente partindo um pedaço do delicio filé de salmão em meu prato.

— Você precisa ser treinada. — Levei um pequeno pedaço do salmão a boca e mastiguei devagar sentindo o saboroso gosto do peixe. — Por isso mesmo você vai morar com o Justin e os meninos.

Me engasguei com aquele lindo salmão.

O peixe ficou entalado na minha garganta com uma força tão grande que precisei que Tia Pattie e Chris, que era o mais perto de mim dos meninos, batessem em minhas costas para eu voltar ao normal.

— Como assim tio? Eu não posso morar com eles, sou menor de idade! — Afirmei quase, ou completamente, desesperada.

— Você sim, mas eles são maiores de idade e bastante responsáveis. — Todos na mesa olharam pra ele. — Ok, eles são só maiores de idade, mas vão cuidar de você muito bem.

Neguei com a cabeça bebendo mais um pouco de água, só podia ser um pesadelo, primeiro eu vou embora do Canadá por causa deles, e agora tenho que morar com eles? Os perdoei, quase todos, mas não tenho amnésia, não esqueci o que eles fizeram.

— Não quero morar com eles. — Afirmei e logo percebi que os quatro me encaravam. — Sem ofensa meninos.

Eles soltaram um "não ofende" e voltaram a comer.

— Querida, Jeremy não tem mais idade pra te treinar, e além do mais, iremos pra Alemanha resolver assuntos pendentes essa semana, Justin, Chaz, Ryan e Chris vão cuidar muito bem de você. — Disse. — Eu espero.

Falou a última parte baixinho, ninguém escutou, mas eu escutei.

— Sabe, eu adoro a Alemanha, que maneira melhor de aprender sobre os negócios da família do que indo com vocês? — Tentei os convencer mas a cara que eles fizeram foi tão feia que minha única saída foi falar um: "Já entendi" e voltar a almoçar, dessa vez sem engasgar com nenhum pedaço de peixe.

— Você pode ir pra casa com eles hoje mesmo se quiser meu amor, e como o bom tio que eu sou, deixo você usar meu cartão de crédito pra decorar seu quarto como quiser! — Finalmente vi vantagem em alguma coisa ali, o cartão que papai e mamãe prometeram para me convencer a vir ainda não tinha chegado, então eu descontaria tudo isso que eles me fizeram passar no cartão do meu amado tio.

— Mas sem essas viadagens de menininha, não vou deixar você dar um toque gay na minha casa. — Justin falou e eu revirei os olhos.

— Você é o único toque gay presente na casa Bieber! — Fui ácida em meu comentário o fazendo me olhar com raiva enquanto os meninos riam, meus tios se entre olharam e mesmo que quisessem rir, apenas negaram com a cabeça.

Pelo visto infernizar a vida do Justin vai ser mais fácil do que eu pensava.


Notas Finais


O que será que foi aquilo que aconteceu com Katherine e Luke? Se quiserem saber eu providenciu!
(Tô prometendo explicar muita coisa a vocês, eu sei, mas até agora ninguém quis explicação então eu continuo me oferecendo!)

Pessoa linda que me pediu ménage no capítulo passado, tô providenciando viu meu amor!

Beijos, até o próximo capítulo (que talvez seja hoje)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...