História Crying In The Club - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias The Flash
Personagens Barry Allen (Flash), Cisco Ramon (Vibro), Detetive Joe West, Dra. Caitlin Snow (Nevasca / Killer Frost), Iris West, Personagens Originais, Wally West (Kid Flash)
Tags Barry Allen, Caitlin Snow, Cispsy, Flashfrost, Gypisco, Savifrost, Snowbarry
Visualizações 426
Palavras 2.280
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá gente, Queria esclarecer algumas coisas então LEIAM AQUI, IMPORTANTE!

Eu sei quê a fic esta seguindo o mesmo tempo e ideia principal da série, porém, eu seguirei por um caminho diferente, muitos fatos e até personalidades de alguns personagens serão alterados.

Logo no começo do capítulo teremos dois Flashbacks, prestem atenção na marcação de tempo, esse bebê ai na capa é a Victoria.

Queria dedicar esse capítulo a Fabbs, que tem me ajudado muito com a fic, e vamos 💗💗

Capítulo 3 - Nascimento


Fanfic / Fanfiction Crying In The Club - Capítulo 3 - Nascimento

            6 meses atrás 

 Frost corria desesperadamente, mas acabou encurralada, Não havia saída, Savitar fora apagado pelo tempo e ela estava pagando pelas ações dos dois. Era incrível o tanto de coisas quê haviam feito em tão pouco tempo.

 A loira dava passos para trás até bater com as costas na parede gélida. A mulher alta e sorridente se aproximou até agarrá-la pelo pescoço.

 - Nem tente. Seus poderes não funcionam comigo. - Ela aplicou o conteúdo da seringa e Frost se contorceu de dor. - Não se preocupe, isso não vai matar seu filho antes quê ele nasça, na verdade isso irá acelerar o nascimento e crescimento, assim você o verá morrer em poucos dias. - Frost encara sua barriga e ela já havia crescido até um tamanho considerável, a dor que sentia era imensa. - Isso é apenas o começo. 

 Ela se afasta e Frost pensa ao máximo no quê iria fazer, não podia pedir a ajuda de ninguém, estava sozinha, mas optou por procurar Julian mesmo assim, era o único capaz de ajudá-la no momento. 

Com muita dificuldade e sentindo fortes dores, sem ninguém na rua para ajuda-la, Frost conseguiu chegar até o prédio onde Julian morava, o prédio não havia segurança ou porteiro, então foi fácil para ela subir as escadas sem ser interrompida por alguém, as únicas interrupções que tinha era a sua dor. 

Após bater na porta do apartamento desesperadamente, Julian finalmente abriu, o loiro encara a ex morena boquiaberto, acabara de vê-la no cemitério a poucos dias, como ela poderia estar em estado avançado de gravidez, já em trabalho de parto? Ele a ajudou a adentrar e a deitou no sofá, A loira se contorcia e derramava lágrimas. O medo que nunca sentira a tomou de vez. Ela estava com medo de perder seu filho. 

 - Por favor, não o deixe morrer. - Ao ouvir sua súplica, Julian se desespera ainda mais.

 Ele já havia ajudado Caitlin em uma cirurgia, mas parto? Aquilo era completamente diferente, mas se obrigou a ficar calmo para ajuda-la. Ele retira apenas a roupa íntima de Frost, a deixando com o vestido enquanto a incentivava a respirar fundo, ele precisava que ela ficasse consciente então se mantinha falando com ela continuamente, ela respondia e gritava devido a dor insuportável que sentia, ela não sabia o quanto ainda podia aguentar. 

O líquido que fora aplicado em suas veias, acelerou o crescimento do bebê, e com certeza ele já estava maior que um recém-nascido, o quê dificultava ainda mais o parto. Julian já segurava pouco mais quê a cabeça do bebê, mas o caminho ainda seria longo, a criança aparentemente já tinha três meses. 

 - Eu não vou aguentar... - Frost sussurra e fecha seus olhos. 

 - Caitlin, fique comigo, você é a pessoa mais forte quê conheço, por favor, faça pelo bebê. - Julian a encoraja encarando o rosto do bebê que já choramingava.

 E com esse incentivo Frost abriu seus olhos novamente e segurou as extremidades do sofá com o restante de suas forças, seus gritos eram torturantes aos ouvidos de Julian, ele detestava vê-la sofrer daquela forma, com mais esforço - que esgotou Frost completamente. - O bebê finalmente havia nascido.

 - Cait, é uma menina. - A loira abriu os olhos e sorriu, porém não conseguiu mexer nenhum mísero músculo. - Qual o nome dela ?

 - Victoria. - Ela diz arfando antes de desmaiar.

 Ao abrir seus olhos, Frost sorri com a primeira imagem que vê, Julian segurava Victoria que aparentemente tinha de dez a onze meses, ela sentou-se no sofá e Julian se aproximou, a entregando a filha em seus braços. Victoria sorriu e segurou o rosto de Frost com suas mãozinhas. Frost encostou suas testas e se permitiu chorar.


 Uma semana depois do nascimento de Victoria.


 O cheiro do sangue era inebriante, o medo era desesperador, o pior era que Victoria não entendia o que estava acontecendo. 

 - Você o matou, mãe ? - Frost nega rapidamente enquanto se aproxima da filha, suas mãos estavam cobertas de sangue, Victoria da um passo para trás. - Fique longe de mim! Ele só está nessa bagunça por sua culpa e agora ele morreu, nós Também vamos morrer por sua culpa.

 Victoria desaba em lagrimas até se abaixar com as mãos na cabeça, devido a forte dor que sentia. Frost então se vê obrrigada a fazer o que mais temia.

 Frost injetou o conteudo da seringa na veia de Victoria e viu sua filha ter um desmaio súbito, minutos depois pode ouvir as sirenes, indicando a chegada da Polícia. 


 Atualmente


 Victoria acorda assustada em sua cama, Caitlin adentra o quarto após ouvir o grito de sua filha, ela carregava a seringa em mãos pois já sabia do que se tratava o pesadelo, Victoria havia se lembrado. 

 - Mãe ? - Caitlin seca suas lagrimas e se aproxima da filha, ela beija sua testa e a faz se deitar novamente. - Mãe o que está acontecendo ? Onde esta o corpo de… - Caitlin a interromoe. 

 - Shh… - Caitlin injeta o conteudo da seringa e Victoria volta a dormir, quando acordasse se lembraria das memórias artificiais que Caitlin programou:

Ela acreditava que sua mãe havia abandonado-a e estava presa, Caitlin era a melhor amiga de sua mãe e por isso ganhou a guarda dela, ela sofre de uma doença cronológica e por isso não se lembra de muito do seu passado. 

 Caitlin deixa o quarto da filha e sabendo que não conseguiria mais dormir, resolve preparar algo para comer.


 […] 


 Caitlin atendia os clientes do bar normalmente até receber um telefonema da escola, Victoria havia se metido em problemas. Rita ficou em seu lugar dando assim a chance de Caitlin ir até a escola. 

Assim que chegou, se encaminhou para a diretoria onde a diretora a esperava junto de Victoria. Caitlin sentou-se na cadeira destinada a ela e assentiu para que a diretora começasse. 

- Senhorita Snow, o comportamento de sua tutelada não sera permitido. - A morena suspira. - Ela se meteu em uma briga com a coloega de classe, todos os outros alunos dizem que Victoria iniciou a agressão.

 - Mas não comecei a agressão verbal! - Victoria protesta.

 - O que aconteceu ? - Caitlin encara a filha. 

 - Só estou cansada de ouvir todos os dias que sou uma fracassada, nerd, fora de moda, corna mansa, sem sal… - Victoria diz.

 “Não vai permitir que nossa filha seja tratada dessa maneira, certo Snow ?” Frost estava claramente irritada, Caitlin sabia disso pois a loira raramente aparecia na presença da filha. 

 - Isso não é justificativa Victoria, não permitimos agressão nesse ambiente. - A diretora inicia mas é interrompida por Caitlin. 

 - E agressão verbal é permitido ? A senhora tem noção de quantas crianças e adolescentes desenvolvem problemas emocionais ou até cometem suicidio resultante do tratamento que recebem na escola ? - Sem dar chance da mulher rebater Caitlin continua. - Onde a professora ou os inspetores e coordenadores estavam quando minha tutelada estava sendo tratada dessa forma ? Existe uma lei que claramente proíbe bullying nas escolas, se vocês não são capazes de cobrar que todos no ambiente obedeçam tal regra então não podem vir cobrar regra de não violência. - Victoria mantinha um sorriso no rosto, a diretora encara a morena boquiaberta. - Caso minha tutelada volte a ser tratada de tal forma e não haja uma punição a altura, terei que recorrer a justiça e assim abrir um processo contra a escola, tenha uma boa tarde.

 E assim Caitlin se retira da sala junto de Victoria.

 - Você arrasou! - a adolescente diz enquanto segue a morena até o carro.

 - Porque não me disse que estava sofrendo bullying ? - A loira suspira. 

 - Você já faz tanto por mim, eu não queria te dar mais um problema. - A morena encara a filha com lágrimas nos olhos, ela queria abraçar a menina e dizer o quanto a amava e que ela não era um problema em sua vida e sim a solução. - Me desculpe pelo jeito que falei com você ontem.      

  - Tudo bem, eu só estava preocupada com você, sabe, é que você cresce tão rápido que eu não consigo acompanhar. - A adolescente não fazia idéia de o quão literalmente a morena falava. Dentro de seis meses o bebê que ela havia dado a luz, agora estava com quinze anos. - Porque usaram os termos corna mansa e sem sal ? 

 - Porque todos sabem que meu ultimo namorado me traiu. - A adolescente suspira. - E eu perdoei ele. 

 - E ele fez de novo ? - Vic assente.

 “ Quem é esse idiota?!” 

- Foi aquele garoto que estava no apartamento ontem ? 

 - Não, aquele era o Grag, estamos ficando a algum tempo, me desculpe por levar ele pro apartamento. - Elas enfim adentram o carro e Caitlin da a partida. 

 - Eu também agi errado, deveria ter pelo menos conversado com ele. - Vic sorri diante da possível aprovação sobre o namorado. - Você realmente gosta dele o suficiente ao ponto de ultrapasar o limite ? 

 - Você tem razão, eu não iria me sentir bem depois, o problema não é com ele, é como… se faltasse algo em mim. - A loira então cria a coragem que precisava para perguntar. - Com quantos anos aconteceu com você ? - Caitlin arregalou os olhos e engasgou com a própria saliva, por sorte o carro estava parado no sinal vermelho. - Sabe, já que eu não posso perguntar essas coisas pra minha mãe…

 - Bom… - Caitlin volta a ligar o carro seguindo para o prédio onde morava. - Eu esperei um pouco mais, por motivos próprios, já estava na faculdade e simplesmente deixei acontecer, a questão é estar bem consigo mesma.

 - Ah… então nesse caso a resposta é sim, eu gosto dele… mas não, eu ainda não quero ultrapassar o que você chama de limite. - Caitlin parou o carro em frente ao prédio e Vic se soltou do sinto e beijou a bochecha da morena. - Até mais tarde e me desculpe por te tirar do trabalho. 

 - Tudo bem, só me avise quando tiver problemas na escola, de tudo que tem de errado na minha vida, você com certeza é o que deu certo.

 A loira sorri e desce do carro, Caitlin então dirige de volta ao trabalho. 

 […] 

 Barry encarava a todos com um sorriso no rosto, sua barba estava grande e seu tipo físico estava diferente, ele aparentava também estar mais maduro, Cisco é o primeiro a correr na direção do amigo, Barry retribui o abraço e sorri. 

 - Sentimos sua falta. - Barry assente.

 - Eu também senti. - Barry olha pelo cortex e avista Joe, Wally, Cecile e Iris, ele sentiu a falta de Julian e principalmente de Caitlin, não sabia por quanto tempo havia estado na speedforce mas aparentemente a amiga ainda não havia retornado. 

Joe e Wally são os próximos a cumprimentá-lo, por fim Iris se aproximou timidamente, Barry contornou seus braços na cintura da noiva e selou seus lábios brevemente. Assim que se afastaram, Barry encarou a todos.

 - Onde estão Julian e Caitlin ? - todos abaixaram o olhar e Joe parecia extremamente desconfortavel. 

 - Caitlin ainda esta desfrutando do espaço que nos pediu e agora trabalha como bartender e é a tutora de uma adolescente de quinze anos. - Cisco diz e Barry abre a boca em surpresa mas decide não dizer nada. - E o Julian… bem, ele… 

 - Foi assassinado. - Joe diz simplesmente, sua expressão não era das melhores. - Ainda estamos investigando o verdadeiro culpado, existem muitas digitais de possíveis suspeitos no corpo dele e na cena do crime.

 O clima havia ficado pesado então Cisco resolveu contornar a situação com uma mudança de assunto.

 […] 

 Já beirava as dez da noite quando Frost perseguia o homem pelas escadas de incendio do prédio, assim que chegaram no telhado, o homem da passos para trás assustado. 

 - O que você quer de mim ? - A loira revira os olhos. 

 - Que pergunta imbecil, você sabe o que fez, caso contrário, não teria corrido assim que me viu. - Ela se aproxima e o segura pelo colarinho da blusa social. - Seis meses atrás, numa quinta feira, você estava trabalhando, mas não no seu trabalho de fiscal imobiliário. - Frost sorri em deboche. - Você estava trabalhando como um guarda costas de uma mulher um tanto peculiar, lembra ?

 - Você esta enganada… - Frost acerta um tapa contra a face do homem. 

 - Eu não estou enganada, você estava lá, você viu quem realmente cometeu o assassinato, e você vai depor. - Frost então foi jogada no chão, ela viu o homem quê perseguiu fugir e a mulher se aproximar sorridente.

 - Você foi bem discreta, tem investigado por bastante tempo, mas eu estou um passo a frente, lembra o que eu disse que iria acontecer se você descumprisse minhas ordens ? - Frost se levanta a tempo de lançar uma rajada de gelo contra a mulher. 

 Amunet contra atacou lançando peças de ferro contra Frost, assim um poder anulando o outro, mas por um descuido, Frost perdeu o equilibrio, Amunet voltou a manipular ferro e lançou as peças contra a loira que foi jogada do topo do prédio. 

A loira perdeu os sentidos assim fazendo Caitlin assumir o controle do corpo, Poucos segundos antes de se chocar contra o chão ela sentiu braços a segurarem. 

 - Barry ? - O velocista sorriu ao encará-la, ele a colocou no chão e se juntaram em um abraço. 


Notas Finais


Então gente, vamos ver se vocês vão ligar as pessas ai.
❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...