História Cuando Te Besé - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Emilia Clarke, Johnny Depp, Monsta X
Personagens Emilia Clarke, Hyung Won, I'M, Jeon Jeongguk (Jungkook), Johnny Depp, Joo Heon, Jung Hoseok (J-Hope), Ki Hyun, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Hyuk, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Show Nu, Won Ho
Visualizações 22
Palavras 3.771
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ei meus amores, nova estoria lindíssima para vocês <3 Espero muito que gostem dessa tanto quanto como eu. Estou tão animada com ela como estive com "In The End". Sobre os personagens, eu estou decidindo como vão ser ainda, mais os meninos serão estilo o clipe "Run" então eles serão muito legais.

>>> Plagio é crime.
>>> Alguns personagens/bandas colocados são porque encaixam, então não venha de mimimi dizendo que to fazendo errado, escrevendo errado que não vai resolver. O foco é BTS e Monsta X então pra deixar claro.
>>> comentários são bem vindos <3
>>> Atualizações todas as quintas <3
até logo, beijos meus mina do Namjoon <3

Capítulo 1 - Chapter One: Classes.


Fanfic / Fanfiction Cuando Te Besé - Capítulo 1 - Chapter One: Classes.

Cuando Te Besé

Chapter One: Classes.

Seoul| 06hrs13min.

 

 

O despertador toca insistentemente naquela manhã. Apesar de sabermos sobre nossas obrigações, a preguiça é nossa pior inimiga na hora de cumprir qualquer uma delas.

 

— Levantem-se vocês têm menos de uma hora se não quiserem ir a pé para a escola. — Diz Joseph abrindo e fechando a porta. Ah, Joseph às vezes é mais nosso inimigo do que nosso irmão mais velho. Bufamos em uníssono e logo em seguida estávamos de pé.

 

— Desta vez, eu vou primeiro. — Lauren entra no banheiro se trancando lá. E como todas as manhãs, nos sentamos no chão em fila para a próxima ir tomar banho. Olho para as meninas e suas caras de sono iguais a minha. Somos oito irmãos contando comigo, e apenas um é homem. Vamos começar do mais velho.

 

Joseph tem vinte e três anos, apesar da idade ele não é como muitos irmãos mais velhos por ai. Ele é meio esquisito às vezes, tem vicio por jogos de futebol e adora ler historias criadas por adolescentes. Ele é o mais alto de nós oito. Ele é o líder do time de futebol da nossa escola, sendo considerado um popular! Ele é muito bonito, tem pele clara levemente bronzeada pelo sol. Cabelos pretos, olhos e sobrancelhas da mesma cor. Os lábios são finos e rosados e ele possui um belo corpo. Músculos no lugar certo, além de um abs de dar inveja.

 

Lauren, ela é a segunda mais velha. Têm vinte e dois anos, cabelos pretos e ondulados. Ela tem a pele bronzeada como caramelo. Os olhos pretos são destaque de nossa família, já que todos possuem a mesma tonalidade de íris. Ela é alta, sete centímetros a menos que o Joseph que possui 178 cm. Lauren sonha em ser medica, por isso seu foco é as matérias relacionadas com o seu sonho. Ela é a mais calma de nós, porém quando ela explode, sai de perto. Lauren tem um belíssimo corpo, seios medianos, bunda mediana, pernas torneadas e rosto de boneca. Além disso, seu gosto por musica as vezes é duvidoso.

 

Samara, a terceira mais velha. Com vinte e um anos ela tem cabelos vermelhos e curtos como fogo. Seu jeito de garota revoltada irrita nossos pais, o que é muito divertido. Samara possui 167 cm, tem a aparência de uma boneca. Sua pele clara combina perfeitamente com a cabeleira vermelha. Tem seios fartos, bunda mediana, pernas torneadas e ama rock, tanto que seu sonho é entrar para uma banda se possível, casar com um cantor.

 

— Minha vez. — Samara entra no banheiro logo depois de Lauren sair. As meninas parecem despreocupadas o suficiente para bocejarem e dormirem sentadas no chão, e não muito diferente delas, sou eu.

 

Victoria tem vinte e um. Os cabelos longos cor de rosa que às vezes parecem laranja a deixam estilo cosplay japonês. Ela curte as coisas e ama desenhar, por isso varias de suas tatuagens – e nossas, - foram desenhadas pela mesma. E nem preciso dizer o que ela sonha fazer. Vic tem 166 cm. Tem seios medianos, bunda enorme e pernas torneadas. Ela tem a pele clara feito seus papeis e se brincar, seria confundida com um vampiro, se é que eles existem.

 

Kim também tem vinte e um. A segunda diferente da família. Possui olhos puxados já que a mesma tem parentesco coreano, diferente de todos os sete, já que somos uma mistura! Nosso pai viajou por vários países e decidiu que teria um filho de cada lugar, e pode parecer surreal, mais acreditem é totalmente verdade. Vou explicar logo, logo. Bom... Kim gosta de coisas Kawai como sua origem é. Suas coleções de ursinhos são um verdadeiro problema, já que possuímos um quarto para as sete. Então imaginem sete meninas todas diferentes em um único espaço tendo que dividi-lo? Kim tem 166 cm. Cabelos pretos longos com uma fofa franja na testa, apesar de negar. Ela ama tirar fotos e isso a colocou como fotografa dos eventos da escola. Como Vic, ela tem seios medianos, bumbum mediano e pernas definidas, já que ela odeia que diz que suas pernas são torneadas.

 

Em seguida, sou eu Jully. Tenho vinte, 160 cm, cabelos longos brancos – a cor é perfeita, me sinto quase uma Targaryen. – Diferente dos mais velhos, sou apaixonada em cozinhar. A Gastronomia é a minha vontade, meu desejo e meu sonho. Tenho seios fartos, bunda mediana e pernas que considero normais, apesar de ser definidas como as das minhas irmãs, eu não ligo muito pra isso. Gosto de preto, na verdade quase todas as minhas coisas são pretas. Tenho algumas tatuagens desenhadas por Vic e algumas coisas que coleciono de Dragon Ball e Naruto. Meus dois animes favoritos.

 

Agora chegou a vez das duas mais novas, Roberta e Soraya. Ambas de dezenove.

 

Soraya é ruiva. Tem olhos escuros, nariz bonitinho com algumas sardas. Tem 161 cm, seios medianos, bunda mediana e pernas fartas. Ama educação física e é esperta o suficiente para nos colocar todos em uma aula de dança, para beneficio próprio, já que aqui é: O que os mais novos fazem, os mais velhos tem que fazer também.

 

Roberta é morena. Cabelos ondulados e grandes, pele pálida, corpo igual ao de Soraya e tem 159 cm. A mais baixa da família, tirando o papai que é um anão. Quando digo anão, é porque ele é mesmo um anão. Roberta curte moda, tanto que seu sonho é ser estilista e fazer roupas que no dizer dela, sirvam para o nosso pai na sessão adulto e não na infantil.

 

Hilário.

 

Depois de uma hora, estamos todas devidamente vestidas com o uniforme da escola. Uma saia short com suspensório de cumprimento dois dedos acima do joelho. Uma camiseta social cor branca com botões pretos e o sapato é por escolha própria. Optei por belíssimos all star vermelhos de cano curtos e meias acima do joelho brancas. Samara, Kim e Roberta decidiram meias longas também brancas e vans, azul, preto e rosa. Vic escolheu coturnos pretos, Soraya e Lauren all star também, um preto e outro branco para combinarem com as meias do mesmo estilo.

 

Na cozinha, encontramos papai e Joseph já vestido. Seu look bad boy não o faz a negação frente ao nosso pai. Pois debaixo do couro da jaqueta, da camiseta preta, da calça e os coturnos. Ele é o filho prodígio, o guarda costas das irmãs mais novas e o senhor exemplo. O que o torna irritante na maioria do tempo, mas fora isso, Joseph é um irmão legal.

 

— Bom dia minhas meninas. — Meu pai diz sorrindo.

 

— Bom dia pai. — Respondemos em uníssono beijando-o uma por vez. É um ritual e quando ele não esta em casa, temos que dar dois quando ele estiver presente novamente. O amamos mais do que tudo, devemos tanto a ele que nem mesmo milhões de beijos são capazes de retribuir. Apesar do tamanho, saímos uma família cumprida. Eu, Vic e Joseph somos filhos de uma brasileira. Então somos os únicos com o mesmo pai e a mesma mãe, sendo eu a mais nova dos dois. Kim é filha de uma coreana, sendo que papai é de Londres. Por falar em Londres, Lauren é de lá juntamente a Samara. Pelo que sabemos, as mães de ambas eram melhores amigas.

 

Soraya e Roberta vieram da Rússia. Foram feitas no mesmo mês e mesmo dia, quase gêmeas. E como as mães de Samara e Lauren, ambas eram amigas. Foi uma situação complicada para nosso pai, pois quando as “mulheres” souberam das famílias que papai tinha, além das suas. Elas surtaram e entregaram os filhos com guarda total para ele, sendo assim. Resolvemos vir morar na coreia, já que papai ainda tem um relacionamento indefinido com a mãe de Kim que é medica como ele. Ah, sem esquecer de mencionar que a mãe da Kim esta gravida, e temos quase certeza de que teremos um novo ou nova irmã vinda do velho. Apesar de saber das outras do papai, Hanna é a única que fica com ele e nos trata como seus filhos, o que é bom. Sinto falta de uma figura materna e ela se encaixa muito bem nisso.

 

— Não vai ter plantão hoje? — Joseph olha nosso pai. Vemos Hanna entrar na cozinha com uma bandeja de pães na mão esquerda e uma jarra na direita. Samara é a primeira a se levantar para ajudar.

 

— Bom dia meus amores. — Ela sorri assim que coloca os pães sobre a mesa.

 

— Bom dia Hanna. — Respondemos sorrindo. Ela nos lança sorrisos doce e se retira da cozinha para buscar seja lá o que for junto a Samara.

 

— Na verdade hoje tirei uma folga. Aquele hospital me cansa às vezes. — Papai respira fundo. — Irei tirar o dia com a minha noiva. — Sorri assim que Hanna se coloca ao seu lado, depois de trazer uma tampa de bolo de chocolate e mais uma jarra de suco. Samara trouxe café, já que sou a única que é viciada nesse liquido escuro cheiroso e delicioso.

 

 — Noiva? — Repete Kim, apesar de não ser novidade. A surpresa é evidente para nós, mesmo eu estando focada totalmente no café em minha frente.

 

— Decidimos que será melhor nos casarmos. A vida do seu pai é bastante comentada, e agora que estou esperando outro filho dele, temos que oficializar o relacionamento. Não seria legal o dono do hospital ser pai solteiro de nove crianças. — Fazemos uma careta para a mesma que ri em seguida. — Não posso evitar, mesmo não sendo todos meus, eu sinto como se fossem meus de verdade e oficializando, poderei coloca-los como meus e do pai de vocês. — Diz emocionada, nos erguermos e abraçamos juntamente ao papai desejando felicidades, pois ambos merecem ser felizes, mesmo Hanna tendo que assumir sete filhos que não são dela.

 

Meia hora depois, estávamos passando pelos portões da “Kobe Elementary”. Nossa escola como costumamos chamar, é divida em duas partes. O ensino médio, do primeiro ao terceiro ano e da parte mais elevada, a faculdade. Então aqui é enorme. Os prédios todos em ordem alfabética, além das quadras de esporte, piscina, teatro, dança e varias outras coisas possíveis. Como todos os dias, chamamos mais atenção do que necessário, e Joseph como irmão mais velho, vai a frente com cara fechada, sorrindo apenas pros amigos que se juntam a ele para nos infernizar.

 

O primeiro deles é Shin Hoseok, conhecido como Wonho. Ele é coreano como o resto do time, sendo Joseph o diferente. Wonho possui cabelos vermelhos terra e de estatura 178 cm. Depois vem Son Hyun Woo, conhecido como Shownu. Ele é o mais sério deles, também é alto, tendo 181 cm e cabelos castanhos claros. Em seguida, Lee Minhyuk loiro e muito divertido. Ele também tem 178 cm. Yoo Kihyun tem cabelos rosa e 175, sendo o menor deles. Lee Jooheon tem cabelos loiro escuro, 177 cm e usa brincos de argola. Depois vem Chae Hyungwon de 181 cm, e cabelos também rosa. Por último o meu preferido e mais gato deles, Im Chang Kyun, conhecido como I.M e também meu namorado.

 

Tem cabelos pretos e lábios perfeitos, dono de 176 cm. Sendo maior que eu vários centímetros. O conheci no primeiro ano do ensino médio e desde então saímos e namoramos, e isso tem um ano e 11 meses.

 

— Ficaram sabendo do que rolou? — Yoo se coloca ao lado de Soraya e entrelaça seus dedos aos dela, ambos também namoram como eu e I.M.

 

— Não. Acabamos de chegar cabeção. — Joseph o acerta com um tapa na cabeça fazendo os meninos rirem e Yoo resmungar. Sinto os lábios de I.M em meu pescoço e sorrio para ele recebendo um selinho rapido.

 

— O que rolou? Gosto de fofocas. — Lauren da de ombros rindo. Concordo com a mesma enquanto andamos pelos corredores até nossas salas.

 

— Dois dos Bangtan foram presos por pichar um dos muros perto da ponte. — Diz sorridente tirando sorrisinhos maldosos dos outros, inclusive de I.M.

 

— Aqueles caras se acham de mais, deveriam ser todos presos. — A voz maldosa de Chae é baixa.

 

— E você sabe qual deles foi? — Questiono. Sinto o aperto de I.M em minha mão e ignoro o fato dele ter obviamente sacado o verdadeiro motivo, ou melhor, a pessoa em que me preocupo mesmo que discretamente.

 

Ou nem tanto.

 

— Taehyung e Namjoon. — Responde Wonho me fazendo morder o lábio inferior. Tento soar o menos incomodada já que agora estamos parados frente as nossas salas, já que Wonho e Joseph são da sala de frente a minha e a das minhas irmãs.

 

— Ao que tudo indica é que eles ainda estão lá. — Debocha Jooh ao ver os meninos se aproximarem. A rivalidade visível em cada um dos rostos. Nenhum dos lados demonstram se gostar e mesmo a contra gosto, ele estudam na mesma escola e na mesma sala. Incluindo a rivalidade quando estão jogando ou quando um deles – mesmo que pouco, - cumprimentam uma de nós.

 

Assim que os meninos passam por nós, vejo que realmente dois deles faltam. Assim que o sinal toca, nos despedimos e entramos na sala sentando em nossos devidos lugares, e como de costume, a primeira aula é de matemática.

 

— Daremos um jeito de descobrir o que aconteceu, não se preocupe. — Vic sussurra para mim e franzo a testa não entendo o que ela quis dizer.

 

— O que? — Sussurro de volta.

 

— Eu sei o quanto seu namoradinho te deixa preocupada. — Diz ela debochadamente.

 

— Namjoon não me deixa preocupada. — Finjo prestar atenção. — E ele não é meu namorado. — Vic ri.

 

— Aham, acha mesmo que eu sou o idiota do seu namorado? Eu sei que você gosta do líder dos Bangtan desde o dia que bateu os olhos nele irmãzinha. — Bufo me dando por vencida.

 

— E o que há de mais em me preocupar? — Encaro-a.

 

— Isso é sinal de que você gosta dele e que precisa da minha ajuda pra descobrir. — Diz de forma convencida.

 

— Vai me ajudar? — Ela cruza os braços sobre a mesa e sorri maliciosa.

 

— Se você me deixar colocar meu novo desenho em sua pele, eu te levo até na delegacia. — Rio negando.

 

— É grande? — Nega.

 

— Quinze centímetros. — Lambo os lábios e balanço a cabeça vendo-a rir. — É bom fazer negócios com você. — Faço uma careta voltando minha atenção para o que o professor diz. Sem querer, acabo olhando em direção ao lugar onde Namjoon costuma a se sentar. Estive a vários dias o olhando de forma silenciosa e saber que apesar dele não notar nem mesmo minha existência, eu continuo o admirando de longe. Mesmo nós dois sermos comprometidos, eu com o segundo líder do time de futebol e ele com a lidere de torcida.

 

No intervalo sentamos apenas eu e minhas irmãs, já que os meninos foram convocados para um treino extra, já que vão jogar contra o colégio rival ao nosso. E pelo que eu soube, eles são excelentes jogadores e não perderam nenhuma vez. Bufo e remexo minha salada de fruta com a colher de plástico encarando o nada.

 

— Podíamos dançar um pouco. — Sugere Kim. Olhamos para ela como se ela fosse louca. — Qual é? Tem poucas pessoas aqui e essas musicas coreanas são boas.

 

— Vamos sim. Pode se levantar. — Lauren diz se levantando e me puxando junto.

 

— Qual é? Vocês querem chamar mais atenção do que as líderes de torcida. — Resmungo.

 

— Talvez se eu chamar a líder delas, ela dance melhor que você. — Samara diz de forma maldosa me fazendo fechar a cara.

 

— Você não faria isso. — Olho para ela com os braços cruzados.

 

— Não duvide da minha capacidade irmãzinha. — Pisca.

 

— Uma música. — Passo por ela a passos duros. Ouço as risadinhas atrás de mim e resmungo palavrões até chegar na parte menos movimentada, porém de frente às salas da faculdade.

 

— O que vamos dançar? — Soraya se coloca ao lado do som da escola e troca as músicas até que uma delas lhe chama atenção. Tarzan uma de suas músicas favoritas.

 

Elas começam a se organizar até que a música tem início. Devido aos barulhos e risadas vindas das meninas, começamos a atrair mais atenções do que necessário. Devido aos passos, nossas saias se erguem e dou graças a Kame por ser saia short.

 

Trocamos de lugar e conforme eu me acostumava, esquecia que estávamos em plena escola rodeada de pessoas e olhares. A dança é uma mistura de sensual com eletro, o que é muito bom. O rápido da batida e o lento do refrão. Assim que a música termina, nos abraçamos sendo aplaudidas.

 

[...]

 

Conforme as aulas passavam e mudávamos de lugares, pois algumas aulas eram em outras salas. Sendo que em uma dessas mudanças minhas irmãs foram e eu fiquei. E por ser de biologia, acabei me focando nos exercícios que nem notei que o fim das aulas tinha chegado sendo assim, fui alertada quando um dos professores veio me chamar. Porque diabos nenhuma das minhas irmãs vieram atrás de mim? Resmungo e sozinha, saio do colégio e resolvo caminhar. Minha casa não é tão longe e assim poderei ver o que Namjoon fez no muro perto a ponte.

 

Ao me aproximar do local, vejo o desenho. A forma como foi feita me faz suspirar, as cores, os traços a maneira como mesmo sendo feito em um muro, parece mais real que em um quadro. Pego o celular discretamente e tiro algumas fotos antes de guardar o celular novamente. Mordo os lábios e suspiro. Apesar de ser totalmente contra minhas leis, tomo outro caminho longe o suficiente da minha casa.

 

Meus paços são curtos e incertos conforme eu ando para dentro da delegacia. Alguns olhares são direcionados em minha direção e engulo seco ao notar que a maioria é de policiais sérios o suficiente para assustar crianças inocentes em dia de Halloween. Assim que paro próximo ao bebedor, indecisa do que fazer, um dos policiais sérios se aproxima.

 

— O que você quer? — Encaro-o vendo sua irritação ao me ver ali.

 

— Eu queria uma informação. — Ele cruza os braços e me fita de sobrancelha erguida.

 

— O que uma garotinha como você procura em uma lugar desse? — O deboche em sua voz me faz ranger os dentes. — Esse lugar não é um museu ao qual você queira fazer visitas e ver o que há de diferente. — Completa grosseiro.

 

— Me desculpa por você não ter ao menos a educação de me desejar um “boa tarde”. E eu sei que aqui não é um museu, por isso estou aqui. Eu preciso saber se um rapaz que foi prezo por pichar o muro perto da ponte esta aqui, e eu adoraria que você ao menos soubesse me responder de maneira educada, policial. — Sorrio cínica vendo-o fechar ainda mais a cara.

 

— Sua garotinha...

 

— Jully? O que faz aqui querida? — Vejo Hanna com a mão na barriga atrás do policial cara de cu. Sorrio amarelo para ela e engulo seco vendo-a se aproximar.

 

— Eu queria saber uma coisa sobre um garoto. — Digo a ela quando a mesma se põe ao meu lado feito uma mãe que acabou de pegar o filho aprontando. — O que faz aqui? — Devolvo sua pergunta um pouco nervosa.

 

— O que você é dessa garotinha? E o que querem? — O policial nos olha sério. Hanna o encara antes de olhar para mim de novo.

 

— Eu sou mãe dela. E como ela disse, viemos atrás de informações. — Ele nos avalia.

 

— Eu só quero saber se o garoto ainda esta aqui. O nome dele é Kim Namjoon. — O policial franze a testa antes de bufar.

 

— O marginal ainda esta aqui. — Sorri vitorioso. Sinto meu coração perder uma batida e um sentimento ruim se apossar de mim ao saber que Namjoon esta aqui. — Um dos moleques foi solto pelos pais, enquanto o outro ficou já que os pais não vieram atrás dele. — Olho para Hanna.

 

— É permitido fiança? — Pergunta ela.

 

— O que vocês são do criminoso? — A cada palavra proferida pelo policial, meu sangue ferve de raiva e se eu pudesse matava esse desgraçado.

 

— Primeiro, ele não é criminoso e segundo, ele só deu vida aquele lugar vazio. Não deveria ser crime quando alguém apenas faz algo bom. — Resmungo.

 

— Você é namorada dele? — O deboche volta em sua voz novamente.

 

— Sim, ele é. Agora eu quero saber o valor da fiança. — Olho para Hanna. Ela me lança um olhar rapido antes de balançar a cabeça negativamente.

 

— Você poderia andar logo com isso? Não temos o dia todo. — Ela diz seria. O policial fecha a cara mais ainda, não sei como ele consegue e sai a passos duros sumindo de nossas vistas antes mandou a gente aguardar. — Você pode me explicar o que esta acontecendo? — Hanna pergunta baixo.

 

— Eu só quero ajudar um amigo. — Ela cruza os braços e me olha de maneira irônica.

 

— Você não é muito boa com mentiras, diga logo o porquê quer ajudar esse menino e como faremos pro seu pai não descobrir? — Lambo os lábios e engulo seco.

 

— Como eu disse, ele é um amigo e como uma amiga. Eu quero ajuda-lo. — Tento ser o mais convincente possível. — E com o meu pai eu me viro. Eu estarei pegando o dinheiro da minha mesada e ele não vai saber se você não contar.

 

— Quer que eu não conte pro seu pai? — Balanço a cabeça concordando.

 

— Se o papai souber, Joseph vai saber e logo I.M também vai. E meu namorado não gosta do Namjoon. Então isso vai acabar me dando dor de cabeça e eu não quero o deixar dormir na cadeia ate o responsável vir buscar. Eu não irei dormir se eu deixa-lo ai. — Digo sincera. — Se não quiser me ajudar, eu vou entender. Mas me deixa fazer isso. — Seus olhos pretos se fixam em mim e ela suspira passando as mãos na barriga redonda.

 

— Se o seu pai descobrir, estamos encrencadas. — Balanço a cabeça concordando.

 

— Não se preocupe com ele agora. Se ele realmente descobrir alguma coisa, eu dou um jeito de inventar uma desculpa qualquer. — Ela nega.

 

— Depois vamos ter uma seria conversa. — Diz antes do policial se aproximar de nós.

 

— O garoto vai ser solto após você assinar aqui e aqui. — Ele aponta no papel e Hanna assina ambos os lugares indicados. — Você pode pagar ali enquanto eu busco o garoto. — Assentimos. Hanna vai ate a moça onde paga a fiança, olho para ela e sorrio.

 

— Vamos agora. — Ela me fita sem entender. — Vamos embora antes que Namjoon apareça. — Olho para a moça. — Quando o garoto com o policial aparecer, diga que tivemos um imprevisto mais que esta tudo pago para ele ir embora. — Ela assente e assim puxo Hanna comigo. E respiro aliviada quando sei que graças a mim, mesmo que sem Namjoon saber, ele vai ficar longe daquele lugar nojento.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...