1. Spirit Fanfics >
  2. Cuida que o Filho é Teu! >
  3. Capítulo 21 - Eu estou aqui agora

História Cuida que o Filho é Teu! - Capítulo 23


Escrita por: Lucinha_silva

Notas do Autor


Olá, sejam bem vindos a mais um capítulo dessa família maravilhosa, esse é o penúltimo capítulo.

Esse com certeza foi um dos capítulos que eu mais me emocionei escrevendo, eu fico tão feliz quando vocês comentam que conseguem sentir o amor transmitido pelos capítulos porque essa é a razão de toda a história. Cuida que o Filho é Teu! Foi criada para ser uma história onde o amor paterno e o romântico fossem o foco - tivemos alguns bônus de adrenalinda, mas tudo bem - obrigada por fazerem parte dessa história de amor.

Sem mais lágrimas da minha parte, tenham uma ótima leitura e até o próximo capítulo.

(Aspas e as palavras em itálico são as cartas/ aspas e as palavras "normais" são falas dos personagens)

Capítulo 23 - Capítulo 21 - Eu estou aqui agora


Fanfic / Fanfiction Cuida que o Filho é Teu! - Capítulo 23 - Capítulo 21 - Eu estou aqui agora

Capítulo 21 – Eu estou aqui agora

 

“Olá Kageyama-san,

Meu nome é Sato Fumiko, a avó materna do seu filho, sei que é estranho e repentino o meu contato, mas isso é apenas um ato de uma mãe desesperada para tentar cumprir os últimos desejos de sua filha, minha amada Izumi faleceu há cinco dias em um acidente de carro.

Antes de morrer, ela escreveu carta para Sasuke, não sei se ela não tinha intenção de enviá-la ou se apenas não tinha coragem, porém, essa carta contém os mais profundos sentimentos que ela sentia pelo filho e seu último pedido.

Não posso pedir ou cobrar algo de você ou do parceiro que te ajuda a criar a criança, mas eu irei pedir mesmo assim. Se for possível, se em alguma parte dos corações de vocês estiverem dispostos a me ajudar na missão de cumprir o último desejo da minha filha, por favor entreguem essa carta a Sasuke.

Não o deixem esquecer o quanto sua mãe o amava.”

 

Hinata não conseguiu dormir um minuto sequer naquela noite, durante as quase quatro horas de viagem até Hyōgo – a cidade natal da mãe de Sasuke – tudo o que o ruivo fez foi segurar a mão de Sasuke. Ele nunca tinha perguntado sobre a matriarca do seu filho, Tobio tinha mostrado o bilhete que acompanhou o bebê no dia que o encontrou em sua porta e Shoyo tinha acreditado que a mulher tinha simplesmente rejeitado Sasuke.

Contudo, aquela carta provava o contrário.

Kageyama tinha entrado em contato com Fumiko e ela disse que não tinha a intenção de encontrar com o neto – a mulher não tinha certeza se conseguiria sobreviver a culpa ou se seria capaz de amar aquela criança – tudo o que a Sato informou foi que sua filha estava enterrada no cemitério municipal.

A cabeça de Tobio estava a mil, ele sempre esteve preparado para o dia que Izumi iria aparecer para lutar pela guarda de Sasuke, contudo, ele nunca imaginou que na verdade ele iria viajar com o filho e o namorado para visitar o túmulo da mulher.

- Você está bem? – Kageyama pergunta olhando Hinata pelo retrovisor – eu posso ir sozinho.

- Ainda não entendeu que não existe a opção sozinho para você? – Shoyo retruca encarando o namorado – Sasuke também é o meu filho, estarei ao lado dele mesmo que ele não possa entender.

Soltando uma fraca risada, o moreno balança a cabeça em negação.

- Tudo bem meu amor, vamos todos juntos.

No banco ao lado de Tobio continha um buquê de flores, no bolso do seu paletó estava a carta que Izumi tinha escrito para Sasuke, nem ele nem Hinata tinham chegado a ler mais do que a saudação que a mulher tinha usado. Não foi necessário uma longa conversa do fariam em Hyōgo, os dois tinham plena consciência do que deveriam fazer e mesmo que fosse difícil, fariam aquilo pelo bebê que dormia tranquilamente no banco de trás.

Por Sasuke, pela sua felicidade, eles fariam qualquer coisa.

Assim que chegaram no cemitério, Shoyo e Tobio andaram de mãos dadas enquanto o moreno segurava o filho em seu colo e o ruivo carregava o buquê de flores. Quando o túmulo que continha o nome Sato Izumi estampando foi encontrado, Hinata pediu para que ele fosse o primeiro a se aproximar.

Colocando as flores sobre a lápide e fazendo uma breve oração, o ruivo se ajoelhou em frente ao túmulo.

- Olá Izumi-san, o meu nome é Hinata Shoyo – ele começa a tirar as folhas secas que tinham no local – eu sou o outro pai do seu filho, quer dizer do nosso filho, eu gostaria que tivéssemos a chance de ter nos conhecido antes, acho que quando Sasuke crescesse mais um pouco ele iria adorar ter mais um colo para ir.

Soltando um suspiro, o ruivo continua.

“Eu preciso confessar uma coisa para você, Izumi-san, quando eu li o bilhete que deixou junto a Sasuke há três meses atrás eu senti raiva de você, sentir repulsa, afinal como alguém poderia ser tão fria em deixar seu próprio filho com uma despedida tão curta e grossa? Como alguém poderia abandonar Sasuke? Não entendia como isso era possível especialmente quando eu mal consigo passar algumas horas longe dele sem sentir meu coração apertar, contudo, bastou apenas ler a carta que sua mãe nos enviou para que eu entendesse que com certeza não foram momentos fáceis para você.”

- Eu realmente sinto muito por você ter partido tão cedo, porém, quero que saiba que pode descansar em paz. Eu estou aqui agora, cuidarei bem dele e não deixarei que ele se esqueça de quem você foi e do amor que você sentia e é por isso – Shoyo indica para que o namorado e filho se aproximassem – que nós vamos ler a sua carta para ele agora, em sua presença, sei que deve está louca para ver como ele cresceu.

Kageyama entre Sasuke para os braços de Hinata e ele se senta ao lado do namorado, fazendo uma pequena reverência ele cumprimenta a lápide de Sato.

- Olá Izumi, nunca imaginei que nos reencontraríamos dessa maneira – o moreno tira a carta do seu bolso – essa vai ser a primeira vez que Sasuke vai ouvir as suas palavras, contudo, não será a última vez, eu prometo. 

- Sasuke, aqui é o lugar onde a sua mamãe está descansando – Hinata mostra o nome da mulher para o filho – infelizmente, vocês não poderão se encontrar, mas ela escreveu uma carta pra você e o seu papai vai ler agora, tudo bem?

Como todas as vezes que iria ouvir uma história, Sasuke encarava o pai com atenção, seus olhos azuis brilhavam como sempre.

 

 

“Querido Sasuke,

Quem te escreve é a sua mãe, Sato Izumi, com toda certeza você não deve se lembrar de mim assim como provavelmente não irá receber essa carta, porém, mesmo sabendo disso eu não consigo desistir da ideia de falar com você pelo mais uma vez.

Certamente não mereço o título de mãe como também não mereço o amor que você quiser me dá – eu sei que talvez o ódio e ressentimento sejam os únicos sentimentos que irei receber de você e está tudo bem, eu juro – porém, eu não posso deixar de sentir a sua falta.

Sabe eu ainda lembro da sensação de ter vocês em braços, de sentir sua barriguinha subindo e descendo provando que você estava respirando. Você era tão lindo que as vezes eu me questionava se você era real ou apenas algum tipo de miragem.

Sasuke, por favor acredite quando a mamãe diz que te ama porque eu te amo com todo o meu coração. Te ver ir embora foi uma das coisas mais difíceis que eu já tive que presenciar.

Eu não queria deixá-lo, mas eu não tinha outra alternativa.

Você é muito novo para entender isso e se um dia você ler essa carta espero que entenda o meu lado, sei que você está crescendo cercado de amor vindo do seu pai e daquele jogador de vôlei, porém, não esqueça do meu amor.

Eu estava noiva quando me relacionei com o seu pai, aquela noite toda foi um grande erro, contudo eu não consigo me arrepender porque foi graças a ela que você veio ao mundo. Como eu estava carregando o filho de outro homem, o meu noivo me abandonou e levou boa parte de todas as minhas coisas, minhas economias, tudo o que eu tinha conquistado com o meu esforço, se foi num piscar de olhos.

Mas nada disso importava porque eu ainda teria você.

Eu só não imaginava como as coisas acabariam se complicando após o seu nascimento, sua avó – Sato Fumiko – acabou ficando doente seriamente e por isso, todos os meus esforços passaram a ser direcionados ao tratamento dela. Peço que me entenda agora, essa foi uma das decisões mais difíceis que já tive que tomar em toda a minha vida, porém acabei escolhendo minha mãe acima de você.

Eu não poderia te criar ao passo que me desgastava para tentar manter minha mãe viva.

Eu não poderia te criar sabendo que não fiz o meu melhor para salvar a sua vó.

Entretanto, eu também não poderia cuidar da minha mãe sabendo que eu nunca teria o teu perdão.

Sasuke, eu te amo, amo tanto que todas as noites eu sonho com você. Me imagino te abraçando com força ou então vendo você sorrir no dia do seu casamento, céus, como eu gostaria de estar ao seu lado nesse dia, meu filho.

Meu desejo como sua mãe é que você cresça feliz, saudável, tenham grandes sonhos e lute para conquistá-los, se eu não puder estar ao seu lado enquanto faz isso, saiba que estarei te assistindo de longe. Eu sempre vou amar você, Sasuke. Quando chegar a hora certa, escolha uma boa moça para casar – uma mulher diferente de mim – tenham uma linda família, tenham muitos filhos e os encham de amor.

Estejam sempre juntos e felizes.

Eu estou te escrevendo tudo isso, mas tenho certeza que Kageyama-san vai te falar pessoalmente e talvez ainda mais coisas que eu poderia dizer. Tenho plena convicção que crescerá sendo um homem bom e com o coração mais lindo que esse mundo já viu.

Mas se eu posso ser egoísta, pelo menos uma última vez, serei agora:

Sei que não posso exigir nada de você ou do seu pai, mas eu posso implorar, Sasuke por favor me perdoe. Me perdoe por ter te abandonado. Me perdoe por ter tomado uma decisão egoísta. Me perdoe por ser tão covarde e te escrever uma carta e não te dizer todas essas palavras pessoalmente.

Me perdoe, Sasuke.”

 

Quando Tobio terminou de ler a carta, Hinata chorava abraçado ao filho – o bebê não estava entendendo o que estava acontecendo, mas devolveu o abraço – se aproximando do namorado, o moreno o abraça deixando um beijo no topo da sua cabeça.

Sabendo que provavelmente não iria conseguir parar de chorar, Shoyo se afasta deixando Sasuke e Kageyama ao lado do túmulo.

- Nosso filho pode não entender agora, mas tenho certeza que ele te perdoará especialmente sabendo o quanto você amava e como deve ter sido difícil para você todo esse tempo – Tobio fala dobrando a carta e a guardando em seu bolso, pegando os dois objetos que também estavam lá – sei que pode ser estranho, mas eu gostaria de fazer uma pergunta para você e se estiver tudo bem, por favor, mande algum sinal.

“Aquele homem, Hinata Shoyo, é o amor da minha vida, assim como eu ele estaria disposto a dar sua vida por Sasuke e esse é apenas um dos motivos que me fazem ser loucamente apaixonado por ele. Izumi, eu sou grato a você por ter trago ao mundo uma das pessoas que viriam transformar a minha vida – acho que nunca terei palavras para descrever como Sasuke mudou tudo em mim – e acredite, você é uma parte importante da vida e por isso que eu te peço a sua benção.”

Pegando as alianças, Kageyama as estende em frente a foto de Sato.

- Eu não seria capaz de criar tão bem nosso filho se não fosse por Hinata, se eu tivesse que viver uma vida sem ele ao meu lado tenho certeza que seria infeliz, por isso eu pretendo pedi-lo em casamento assim que voltamos para casa, eu pretendia fazer isso antes, mas parecia que algo estava faltando e hoje eu percebo que era a sua benção. Se você puder confiar que criaremos nosso filho para que cumpra os seus desejos por favor nos dê um sinal.

A brisa que antes estava quase inexistente soprou com força fazendo com uma das flores que o casal tinha trago fosse parar na mão de Shoyo que estava um pouco mais afastando, não podendo entender o que o namorado estava falando.

Sorrindo abertamente e deixando que algumas lágrimas caíssem, Tobio agradeceu mais uma vez.

- Não iremos te decepcionar – Sasuke passou as mãozinhas pela foto da mãe e abriu um pequeno sorriso – nosso filho nunca irá te esquecer, por favor, descanse em paz e cuide de nós.

Antes de partirem para o carro, o bebê acenou para a mãe.

Izumi descansou em paz depois daquele dia.

A viagem de volta para casa foi muito mais leve que a dia, a paz que havia em seu coração e a certeza de que tudo estaria bem fizeram com que Kageyama estivesse ainda mais ansioso para fazer o seu pedido.

Tinha sido Hinata desde o primeiro dia que se encontraram e continuaria sendo Hinata pelo resto da sua vida.

Olhando o namorado dormindo no banco ao seu lado, Tobio resolveu aproveitar aquele momento para treinar seu discurso – Shoyo era conhecido pelo sono pesado quando estava no carro então seria um problema – vendo que Sasuke estava focado em sua bola de vôlei pelo retrovisor, o moreno soltou um suspiro e começou.

- Shoyo, seria estranho se eu falasse que você não saiu da minha cabeça desde o dia que me derrubou com as caixas? Não ficou muito estranho, esquece isso – o moreno balança a cabeça em negação – Hinata Shoyo, eu amo você desde que me jogou no chão com as caixas.

Desapontado consigo mesmo por não estar conseguindo organizar seus sentimentos com palavras, Kageyama bate no volante fazendo com que sem querer ele toque a buzina, olhando desesperado para o lado ele suspira aliviado vendo que Hinata nem ao mesmo se mexeu.

- Eu acho que nunca vou ser capaz de dizer e demonstrar o quanto eu te amo – Tobio solta uma fraca risada – você mudou a minha vida desde o primeiro instante que nos cruzamos, por você eu fiz coisas que eu nunca imaginei que faria, amar e ser amado por você transformou tudo o que eu conhecia. Você com esse seu sorriso de Sol, sua animação exagerada, nossas disputas infantis, beijos quentes e um abraço gostoso fez com que uma vida sem você seja como um inferno para mim.

“Eu não sou o melhor homem do mundo e tenho certeza que você sabe disso, contudo, mesmo assim você permanece ao meu lado. Mesmo sabendo de todas as minhas falhas – e olha que são várias – você nunca me julga ou me trata mal por isso, na verdade, você me ajuda a melhorar todos os dias, Sasuke será um grande homem por ser criado por alguém como você. Hinata Shoyo, eu amo quando você dança na cozinha, amo quando você ajeita a minha gravata, amo quando você não diz nadae apenas encosta sua cabeça no meu ombro, por isso eu gostaria de saber se você quer...”

- Sim.

Shoyo diz assustando o namorado que para o carro no acostamento por causa do susto.

- Boke, Hinata desde quando você estava acordado? – Kageyama pergunta desespero – você não pode sair dizendo sim do nada.

- Eu não estava dormindo, só estava com os olhos fechados, chorei tanto que eles estavam doendo – o ruivo dá os ombros – isso significa que eu estou escutando desde o “eu amo você desde que me jogou no chão com as caixas” e a minha resposta para todo o seu discurso é sim.

- Não era pra você ouvir tudo isso – o moreno esconde o rosto entre as mãos, mas Shoyo as retira gentilmente e dá um beijo no namorado o acalmando – eu queria preparar um discurso melhor, eu só falei nada com nada.

- Esse foi o melhor nada com nada que eu já ouvi, amor – Hinata roça seu nariz contra o do outro – você tem noção de quanto tempo eu estou esperando por esse momento? Já estava começando a achar que ia ter que fazer isso.

-  Eu venho tentando fazer isso desde que a gente voltou de Miyagi – Kageyama encara o namorado com a sobrancelha arqueada, se o ruivo quer entrar na competição de quem esperou mais, ele com certeza iria ganhar – depois eu tentei no seu aniversário, mas você foi intrometido e entrou na minha frente com os colares, depois veio a noticia da adoção dos meninos, depois veio a carta, tem sido muito difícil pedir você em casamento, senhor Hinata Shoyo.

- Então me peça agora, nada vai atrapalhar a gente agora.

Hinata não precisava de um pedido todo elaborado, tudo entre os dois tinha acontecido de uma maneira natural e ele esperava que o pedido também fosse. Ouvir Tobio se atrapalhando com as palavras planejando um discurso tinha sido o sinal que ele vinha esperando.

- Aqui, no meio de um acostamento, e agora, sem nem saber o que falar?

- Você só precisa usar sete palavras.

- Vou usar seis então.

Tirando as alianças do seu bolso – surpreendendo Shoyo – o moreno segurou a mão direita do namorado.

- Boke, você quer se casar comigo?

Com o sorriso mais bonito que já tinha dado para Kageyama, Hinata pega a maior aliança e coloca no dedo do namorado assentindo.

- Sim, é claro que eu quero me casar com você Bakayama – o ruivo se joga nos braços do agora noivo – você é o amor da minha vida, eu te amo.

- Eu também te amo – Tobio acaricia o rosto de Shoyo – eu vou te amar para sempre.

- Sempre e mais um pouco.

Olhando para os olhos azuis do seu, agora, noivo Hinata não pode deixar de estar mais feliz. Se ele carregava realmente os olhos do Sol aquele era o Mar por quem era perdidamente apaixonado, se aproximando um pouco mais do outro o ruivo cola seus lábios.

Como em todas as vezes que se beijavam uma corrente elétrica passava por seus corpos acelerando seus corações, o toque que antes era leve se tornou um beijo apaixonado. A mão de Tobio segurava a cintura do outro ao passo que as mãos de Shoyo estavam nos peitos de Kageyama.

Apenas se separaram quando notaram o olhar fixo de Sasuke sob eles, o bebê ficou encarando os pais até abrir um sorriso e começar a bater palmas – bater as mãos tinha sido a mais nova coisa que o neném tinha aprendido com sua vó Yumi.

- Tobio? – Hinata chama a atenção do outro depois que voltam a estrada.

- O que foi?

- Eu estava pensando em uma coisa – o ruivo olha para trás e dá um sorriso para o filho – não seria bom se Sasuke tivesse alguém para estar ao lado dele?

- Você já está pensando em arrumar uma namorada para o nosso filho? – Kageyama questiona assustado – está muito cedo para isso, Shoyo.

- Eu sei né – Shoyo revira os olhos – eu estou falando sobre um irmão ou uma irmã, foi tão bom crescer com a Natsu ao meu lado e eu sei que você também gostou de ter Tooru-san ao seu lado, nosso menininho não precisa ficar sozinho.

- Então você quer um outro filho?

- Eu quero e você?

- Acho que ser pai de duas crianças não vai ser nada ruim – Tobio responde com um discreto sorriso – não posso deixar Oikawa passar na nossa frente.

- Você sabe que isso não vai ser uma competição entre vocês dois né? – Shoyo pergunta balançando a cabeça.

- Sei, sei – Kageyama ajeita o retrovisor para olhar o filho – você ouviu Sasuke? Em breve você vai ser o irmão mais velho.


Notas Finais


Próximo Capítulo: Agora e Para Sempre


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...