História Culpa Do Destino - SG - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink, EXO
Personagens Min Yoongi (Suga), Personagens Originais
Tags Bts, Suga
Visualizações 9
Palavras 1.973
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltei rsrs
Esse cap é especialmente dedicado a Sara, que não pode forçar a vista. Eu não ia postar hoje mas eu gosto de fazer a bixinha morrer de vontade de ler (é tanto que leu metade desse cap sem eu ver -.-).


Boa leitura 📖!

Capítulo 9 - Nine


Fanfic / Fanfiction Culpa Do Destino - SG - Capítulo 9 - Nine

Hoje, o sol nasceu pela manhã e afetou meu sono porquê Yoongi deixou as cortinas abertas. Me levantei alegre e deixei as cortinas como estavam, arrumei a cama e fui ao banheiro tomar um longo e bom banho. Hidratei o cabelo e esfoliei o caco que chamo de pele.

Assim que sai do banheiro de banho tomado, cabelo cheiroso e pele hidratada, botei um vestido florido e rodado e arrumei os cabelos. Comi torradas com requeijão e um Toddynho como café da manhã.

Estranhei a casa deserta mas não me preocupei muito com isso. Seus moradores devem ter saido sem me avisar.

Escovei os dentes, passei um batom rosado e um rímel, e fui procurar por meu celular que não estava em lugar nenhum assim como as pessoas desta casa.

Tudo bem é só um celular. Só mais um dia da semana, só mais um dia!

Sai de casa e a tranquei - pelo menos deixaram minha chave largada num dos sofás. Fui andando observando as sapatilhas brancas nos meus pés, e não reparei na vida fora da bolha que eu estava; felizmente não esbarrei em ninguém.

{...}

- Uh, isso é bom! - exclamou o loiro comendo o frango empanado que eu havia preparado. E sim, eu estava de volta nesse hotel.

- Essa eu vou ter que concordar - seu namorado, vulgo Sehun, sorriu apreciado o prato que também continha arroz que preparei.

- Aigoo. Está faltando tempero nesse prato, eu odeio cozinhar por isso! - reclamei - Sempre fica ruim... ou falta algo.

- Você diz isso mas, nunca provou o lámen do Lu Han - Sehun rio enquanto o outro garoto lhe fitava com olhar mortal. O jeito que Lu Han mudava de humor era incrívelmente maravilhoso - É péssimo. Tem gosto predominante de sal e laranja.

- Então é assim, Oh Sehun?

Ri tentando descobrir como lámen tinha gosto de sal e laranja. Recolhi os pratos e fui os lavando, junto a tudo o que usei para cozinhar. Lu Han secou e Sehun guardou tudo, dando tempo para sairmos como antigamente, só que dessa vez, com Sehun de brinde.

Sehun ainda era um pouco tímido perto de mim, mas nada que se compare com Bianca quando a conheci. A garota de belos fios castanhos, quase se enfiou embaixo da mesa escolar quando a cumprimentei.

- Tenho uma chamada para atender, vão indo na frente. - o moço de belos cabelos loiros ordenou a nós e assim fizemos.

Ficamos sentados num dos sofás do hall de entrada, enquanto esperavamos Lu Han voltar, Sehun me contava coisas que já viveu ao lado de seu amado e eu ria das bobeiras ditas por ele. É tão surreal ver um namoro a distância dar certo, Lu Han vive na Chna e Sehun em Seul e nem isso - nem a carreira de Lu Han - os impediram de ficarem juntos.

Vi Lu Han se aproximar e me levantei, chamado Sehun em seguida. Seguimos para o lado de fora do hotel, e lá estava o motorista de Lu Han - talvez fosse seu motorista que tivesse o ligado aquela hora. Entramos no carro e Lu Han disse ao motorista para onde iríamos, bem que... o endereço... é da casa dos meninos e...

- Lù Hán! Eu não quero ir para lá! - pigarriei.

- Não seja birrenta - o garoto loiro desferiu um tapa fraco em meu braço e rio -, você tem que voltar para casa.

- Você já fez e faz coisa pior, amor - seu namorado o entregou. - Só eu e Deus sabemos o que eu passei quando você perdeu o show da IU.

Como estava sem celular, não poderia ignora-los apenas com simples fones na orelha, então me obriguei a conversar com o casal pelo caminho. Mesmo eu querendo matar o garoto sentado ao meu lado. Bufei  quando o carro parou e desci.

- Tem como eu fugir ainda - falei. - Não quero olhar na cara dessa gente.

- Temos que ir. - Lu Han me ignonou, se aproximou e me deu um abraço muito apertado, que eu não esperava receber dele. - Feliz aniversário, Kim Tae Lin!

Susurou no meu ouvido e se soltou, pegando a mão de Sehun e voltando ao carro, que logo sumiu pelas ruas. Sorri boba e entrei em casa.

Pelo menos ele se lembrou dessa data, digamos que agradável.

Estavam todos lá, acomodados nos sofás jogando papo fora como se não estivesse acontecido nada. Me larguei na cama com minimo peso de não ter olhado na cara de ninguém. Passei alguns minutos trancada no comodo falando com Luan por chamada de voz - felizmente havia encontrado o celular na cama quandio entrei.

 A paz do ambiente que criei com Luan se foi junto com as risadas, ao Yoongi entrar no quarto. Joguei o celular longe e me ajeitei embaixo das cobertas tentando não olhar o garoto ali. O telefone acertou a parede e depois o chão, não me chocando nem um pouco. Dinheiro tá ai, na conta bancária, não tá?

- Tudo bem? - perguntou ao retomar a postura e colocar uma chave em cima da mesinha que ali tinha. Eu estava o olhando, mesmo querendo evitar não conseguia.

Chave reserva... ele é bem inteligente.

- Não, Min Yoon Gi!

- Aigoo, venha cá - se sentou na cama ao meu lado e deu tapinhas nas cochas. Me arrastei até seu corpo e o abracei desajeitado - O que foi?

- Tudo, Yoon... Tudo. - choraminguei - Nem você se lembrou...

- Respira fundo - ele se deitou e eu enfiei minha cabeça no seu pescoço. O silêncio reinou no ambiente por um tempo até ele retomar a fala: - Eu... eu quero ir a praia, você vem comigo?

O garoto passou sua mão por meus fios me fazendo relachar e ficar sonolenta. Cafuné é como bebida, acalma. Mas nem o sono é maior que o aperto em ver todos os que eu chamo de amigos nem se lembrado do meu aniversário de 21 anos.

- Quando iremos? - arranhei a parte descoberta de seu braço e dei uma leve mordidinha em seu pescoço.

- Agora, se quiser. Arrumei suas coisas.

O pálido se levantou explodindo em animo e me puxou junto. Eu não estava a fim de ir - eu queria assistir a um filme triste e me afogar em lágrimas enquanto me acabava um pote de sorvete de menta -, mas eu nunca havia ido a praia... Seria uma nova e ótima experiência.

{...}

- Uh...

Coloquei a mala no canto do quarto, olhando a vista da janela que se encontrara na parede a esquerda. Busan era incrível, pelo menos o que eu havia visto.

- Já vinhemos aqui uma vez e o Jimin não calava a boca - jogou a cabeça para trás andando de um lado para o outro, eu logo imaginei Jimin dizendo que quando nasceu Busan era só mato e que viu algo ser construído.

Nós rimos de umas bobeiras que falamos um pouco e mais um pouco até sentir o ar faltar nos pulmões. O garoto me olhou e divertiu:

- Não venha com Jimin a Busan.

- Repreende! - gargalhei - Vou anotar isso na minha listinha mental, não me esquecerei.

- Se não sairmos agora irá ficar tarde e não queria ver Busan a noite. É lindo. - Yoongi jogou sua mala na cama e a abriu.

Nos trocamos e descemos de elevador - por puro cedentarismo - até o hall do hotel. Saí do local descalça para não ter que carregar chinelos enquanto caminho e não correr risco de perde-los.


A areia fofinha e macia faziam minimas cócegas nos meus pés, a briza que batia contra nós fazia com que meus cabelos voacem e eu me enfurecese tentando organiza-los. Até que os prendi em um rabo de cavalo mal organizado. Preguiça.

Eu me sentia tão bem estando ali. Olhar para o lado e ver Suga sorrindo e contando algo era tão revigorante, o garoto parecia um gatinho ao sorrir largo com seus dentinhos fofos.

- Yoon, vamos entrar na água? - empurrei seu ombro de leve.

- Deve estar fria. Não quero você resfriada.

- Eu não passei horas sufocada em um metro para só olhar a água. Que se dane o resfriado, Yoongi.

Ele rio e se levantou tirando a camisa e a jogando sobre a areia. Logo os chinelos ficaram de lado também. Deixei meu short sobre a camisa de Yoongi - já que ela estava no chão e eu não queria um jeans sujo para lavar.

Eu parecia um filhote de sei lá oque com o biquíni preto que tinha a parte de cima rosa neon. Yoongi me disse que não sabia escolher roupa feminina, então, Biaca o ajudou em algumas coisas - eu percebi ao abrir a mala e me deperar com algumas blusas que eu não dava a minima em usá-las, mas ficavam paradas no guarda-roupas.

- Pá! - Yoongi gritou o som que preencheu o ar quando desferiu um tapa em minha cocha. Queria avançar com os dois pés em seu peito mas meu lado trouxa falou mais alto; não revidei com agressão física.

- Filho duma chocadeira! - gritei a primeira coisa que apareceu em minha mente, e no idioma que predominava maioria dos meus pensamentos, vulgo português.

- Me xinga em coreano, eu entendo pelo menos - rio.

- Calado, filhote de peixe bolha.

O maior não disse nada, me agarrou e correu até a água, ele andou até mais ou menos ela bater acima de sua cintura - o que já era muito para mim. Durante o percurso eu me debatia em suas costas e ele tapeava minha cocha a cada xingamento que saia da boca pra fora.

Força para me soltar eu tinha, agora, pergunta se eu queria.

- Você não é meu pai, seu desg-

Cai. Cai como um nada. Cai na água salgada de umas das praias de Busan. Me desesperei tentando achar terra para fixar os pés, mas falhei vergonhosamente e o garoto de belos e nada fortes braços me puxou para cima.

- Não fala comigo. Odeio você - "limpei" o sal que estava sobre meu rosto recuperando o ar. O olhei de cara feia e dei língua;

Bem criança mesmo;

Estou em meus direitos.

- Eu sei que me ama...

Passei o restinho da noite jogando água no Min, resmungando e rindo. As ondas vinham e me engoliam me deixando desesperada por não saber nadar. Ele ria, ria feito uma criança e sua risada me contagiava.

Ele estava zerado de "swag", não era o Suga "grosso" nem ranzinza; ele havia mudado depois da minha volta, isso eu percebu vendo as filmagens do BANGTAN BOMB e em vídeos que uma vez uo outra  Taehyung me mandava.

- Yoonnie, eu quero algodão-doce - pisquei forte os olhos e joguei a cabeça em seu ombro. - Deu uma vontade de comer algodão-doce.

- São praticamente meia noite, não deve ter lojas abertas - ditou enquanto andava para areia. Cansamos da água e ela já estava mais fria então decidimos voltar.

- Aish, eu quero açúcar. Algo doce.

Ele me soltou e ficou de frente para mim. Bem, suas costas já não devem mais existir por tanto peso estarem em cima delas, vulgo minha pessoa.- Prazer, Suga - estendeu a mão e sorrio doce, gargalhando após. O olhei com cara de tédio e tapiei sua mão. - Quer algodão-doce? - acenti. - Não vou comprar pra você.

- Por que? 

- Porquê você já tem algo muito doce a sua frente.

Fiz a melhor cara de desânimo que eu consegui. E a resposta do garoto foi... um tanto rápida. Suas mãos seguraram meu rosto e derreti com o sorriso que se estampava em sua cara, ele se aproximou de olhos cerradinhos e me roubou um selinho. 

- Viu? Melhor que algodão-doce - sorriu.

- T-t-ter... termina isso. - as palavras fugiram da minha boca, sem o menos consentimento da parte "sóbria"  do meu cérebro.

A respiração fugiu;

Minha sanidade se foi;

E a antes intocada agora era a garota que havia beijado seu melhor amigo.


Notas Finais


Enton, eu vou deixar uns caps prontos e postar tudo de uma vez. Isso significa que vou sumir um pouquinho OK?
Vai ter muita coisa nova por ai, a vida dessa guria não vai ficar esse mar de rosas que é não! rsrs

Até ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...