História Cupid Project - Interativa - Capítulo 16


Escrita por: e sandeulicia

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), DAY6, EXO, Got7, Monsta X, Seventeen
Personagens Baekhyun, BamBam, Boo Seungkwan, Chanyeol, Chen, D.O, Dowoon, Hansol "Vernon" Chwe, Hong Jisoo "Joshua", Hyung Won, I'M, Jackson, Jae, Jang Doyoon, JB, Jeon Jeongguk (Jungkook), Jeon Wonwoo, Jinyoung, Joo Heon, Jung Hoseok (J-Hope), Junghan "Jeonghan", Junhyeok, Kai, Ki Hyun, Kim Mingyu, Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Kris Wu, Lay, Lee Chan "Dino", Lee Jihun "Woozi", Lee Seokmin "DK", Lu Han, Mark, Min Hyuk, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Sehun, Seungcheol "S.Coups", Shin Dongjin, Show Nu, Soonyoung "Hoshi", Suho, Sungjin, Tao, Wen Junhui "JUN", Won Ho, Wonpil, Xiumin, Xu Ming Hao "THE8", Yao MingMing, Young K, Youngjae, Yugyeom
Tags Interativa
Visualizações 40
Palavras 1.870
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


iai men

Capítulo 16 - 16; Perfume francês com essência de problemas


Você: eu não entendi por que você ficou nervosa, Chungie

Você: poliamor não sofre mais tanto preconceito quanto antes

Daughter: não é por ser poliamor, não tenho nenhum problema com isso

Daughter: o caso é que seria mais fácil resolver isso se você tivesse me dito que está interessado no Jeongguk

Daughter: deu trabalho pra Naomi convencer o Jason a falar contigo

Você: eu não sabia, cara, desculpa

Você: não sabia que ia gostar dele, pra mim era amizade próxima, tipo a nossa

Daughter: você ainda tá indeciso

Daughter: essa situação é complicada, eu imagino

Daughter: por isso é melhor deixar esse caso em aberto até que você decida se vai ficar com os dois ou só com um deles

Daughter: sem pressa, leve o tempo que precisar

Você: acho melhor deixarmos de lado isso mesmo

Você: vamos tentar resolver os outros rolos

Você: obrigado, Chungie

Daughter: não precisa agradecer a gente é um time

Você: clichezona

Daughter: vai

Daughter: se


Você ficou offline


O garoto bloqueou o celular e o deixou ao seu lado na cama e passou a encarar o teto. Seus olhos não pesavam, estavam leves, do contrário, sua respiração era lenta, deveras dificultosa, irregular e… calma.

O australiano estava assim naquele momento, calmo, apenas querendo refletir sobre tudo o que estava acontecendo, pensando sobre ter falado de poliamor daquele jeito, pensando sobre como considerou aquela ideia. Respeitava a todos que tinham um relacionamento a três, mas ele nunca se imaginou em tal situação.

Poliamor.

O garoto sabia o quanto o país em que estava era preconceituoso, sabia que as pessoas não tinham liberdade para expressar as diferentes formas de amor, pois apenas uma é aceita, esta que diz respeito ao relacionamento entre um homem e uma mulher. Era horrível estar em um lugar o qual não era possível se arriscar a amar do jeito que quisesse, do jeito que deveria, por medo do julgamento alheio.

Não querendo pensar muito no assunto, fechou os olhos e dormiu, afinal era a única coisa que se sentia à vontade fazendo no momento.


[...]


E em mais uma manhã, lá estava o grupo reunido novamente nas arquibancadas. Era visível a confusão presente nos olhares de todos, estavam desorientados. Era pra ser apenas um jeito de ficarem juntos com as pessoas as quais gostavam, mas aquilo estava dando nó na cabeça de todos como se fosse uma prioridade essencial, como se qualquer decisão tomada ali fosse frágil, um passo errado podia desmoronar tudo o que já tinha construído e esse era o medo deles, estavam indo tão bem, odiariam ter que desistir porque aquilo era complicado. Eles não sabiam que seria tão difícil, mas sabiam que não queriam desistir.

— Leo, a verdade é que eu não aguento mais ver esse filme, ‘tá na hora de você falar tudo pro Jason. — Naomi sentou do lado do garoto. — e eu 'tô querendo que você fale realmente tudo.

— Porém depende, não fala sobre o Cupid Project pelo amor! — advertiu Yura.

— Relaxa, o Cupid vai ficar em segredo pra sempre… ou não. — o australiano deu de ombros.

— Eu to nervosa por ele. — Sarai abanou-se com a mão esquerda. — mas vai dar certo, eu sei que vai!

— Vai sim! — comentou YoungJae. — o menino Leo consegue.

— Pronto, Leo? — a chinesa segurou as mãos do mais velho.

— Pronto!


[...]


Já era fim de tarde e os portões da escola estavam prestes a se fechar. A garota baixinha tinha as mãos nas costas e os olhos voltados para cima, encarando o céu, vendo o azul se desmanchar em cores mistas e ouvindo os sussurros doces daquela brisa de tarde.

Espera alguém. Parte sua tinha a impressão de que a brisa conversava consigo enquanto ela estava sozinha.

Fechava os olhos. Respirava calma. Não tinha pressa ali assim com o céu não tinha pressa em se deitar. Naquela hora ela se lamentou por nunca ter aproveitado a calçada da escola para ser platéia da imensidão celeste, era lindo.

Como se a calma em pessoa estivesse com a cabeça recostada em seu ombro, alguém lhe tocou este e Yura sequer se surpreendeu.

— Huh… Olá!

— Olá, Yoongi! — sorriu curtamente. Ela se impressionou em não ter tremido assim que viu o sorriso do mais velho. De fato, a calma estava bem ali ao seu lado. — você está bem?

— Estou sim, e você? — a menor fez que sim com a cabeça em resposta ao rapaz. — que bom… então, sobre a sua amiga… ela aceitou?

— Sim, já está quase confirmado é que… você poderia me enviar uma foto dele? Creio que a Sasah não vai querer sair com alguém que ela sequer sabe a fisionomia. — chacoalhou o celular como forma de lembrar o menino de lhe enviar a foto.

— Claro! — de imediato sacou o celular de seu bolso e logo um barulho de notificação saiu do aparelho da Min. — Yura, muito obrigado mesmo, você não sabe como ajudou esse cara. — coçou a nuca. — espero que vocês gostem do encontro, inclusive vou te mandar o endereço e tudo o que vocês precisam saber por mensagem, sim?

— Não há de quê, e espero suas mensagens! — agora abriu um largo sorriso.

— Você quer que eu te acompanhe até a sua casa? — Yura corou de imediato com a pergunta inusitada e não conseguiu esconder os olhos arregalados. Ao que pareceu, a calma, sua companheira, havia a deixado só.

— A-Ah, e-eu acho que nã… tudo bem, pode sim. — mudou a resposta de último minuto ao refletir que aquilo podia ajudá-la a se aproximar do mais velho.

O garoto pálido sorriu e pediu para que a menor o conduzisse até sua moradia. Ele não sabia, mas aquele passeio de no máximo dez minutos rendeu para Yura algo memorável para sempre.


[...]


— Eu já vi isso antes, Leo, e se for pra ser como foi da última vez, a conversa não dará em lugar nenhum a menos que você resolva abrir a boca para contar alguma coisa que preste e não ficar dando atenção ao neném do time.

O australiano se engasgou com as palavras diretas ditas pelo companheiro de time, mesmo que já estivesse esperando algo do tipo ao chamá-lo para conversar de novo. Daquela vez não tinha como não dar certo, afinal eles estavam um tanto quanto longe da escola, Jeongguk nem sonharia que os dois estivessem juntos em plena tarde de sexta feira.

— O Jeongguk não vai nos acompanhar hoje. — engoliu em seco. — Jason, eu acho que, considerando tudo o que já aconteceu, você já sabe o que eu vim aqui falar.

— Continue.

Leo respirou fundo e encarou o rosto a sua frente. Daquela vez, não se deixaria perder naqueles azuis encantadores, cuja cor pertencia unicamente a Jason.

— Eu devo ter deixado um pouco, ou muito, óbvio que o que eu sinto em relação a você não é um companheirismo de time, não é só uma união escolar por causa do clube, sabe, as vezes em que eu te mandava mensagens por coisas poucas, que eu exigia mais de você no aperfeiçoamento dos passes, e até quando aconteceu aquele incidente da festa, nada daquilo foi em vão, nada daquilo foi apenas um meio de querer tirar você desse mundo que apenas você vive totalmente excluído dos outros, mas sim porque eu quis passar mais tempo com você, porque eu queria que você me desse uma porcentagem, por mínima que fosse, da sua atenção, eu queria ser alguém diferente ou até mesmo alguém. — suspirou. — eu gosto de você, Jason, gosto mesmo, e eu não quero mais esconder isso se é que alguma vez esse fato foi secreto, pelo menos agora minha consciência vai se acalmar por eu ter conseguido dizer tudo isso pra você.

O silêncio se instalou ali. As expressões de Jason mudaram, mesmo que pouco, mas mudaram. Ele havia prestado atenção em tudo aquilo que ele tinha ouvido e se seu orgulho não fosse tão grande, ele cederia a ficar boquiaberto diante daquilo. Estava surpreso, mesmo que ele já soubesse que Leo estava lá para lhe dizer tudo aquilo, ele não esperava que fosse algo tão tocante como aquelas palavras foram.

— Há quanto tempo você guarda isso?

— Há mais tempo do que eu não queria ter deixado claro.

O americano esboçou um sorriso como se estivesse satisfeito com a resposta do maior. O Jones ainda tentava processar tudo o que tinha acabado de acontecer, não podia ser real que ele havia se declarado para o garoto do time e este ainda sorria, sem deboche, sem sarcasmo e com nenhum traço de ironia.

— O que vai ser de nós agora, capitão? — sim, Leo não havia ficado maluco.

— Desde que seja com você, eu topo ser qualquer coisa.


[...]



— Caramba! — exclamou a chinesa ao ver a foto que lhe fora enviada por Yura.

— O que foi, Chungie? — a mais alta se aproximou da mais velha, ficando boquiaberta com o que acabara de olhar.

— Eu não acredito, não pode ser! — resmungou a Lin.

— Eu definitivamente não posso sair com ele!

As duas se encararam e depois voltaram os olhos para a conversa aberta, onde se encontrava a foto de um garoto sorridente… até demais.

— Olha a cara dele, ele é muito estranho! — a chinesa virava o celular de ponta cabeça e até de um lado para o outro.

— Coitado do garoto, ele só teve o azar de não saber o que é creme para espinhas ou produtos Jequiti. — as duas meninas olharam DongYul com uma careta após a fala do mesmo. — não me digam que nunca ouviram falar dessa marca.

As estrangeiras sacudiram a cabeça e voltaram a encarar a foto.

— Você realmente vai, Sasah? — a chinesa abraçou a amiga de lado com a intenção de deixar claro que ela não era obrigada a fazer algo que não quisesse.

— Vou sim. — sorriu. — a Yura vai estar feliz e isso é o que importa.


[...]


A japonesa encarava a paisagem do lado de fora da janela do carro. Sorria com os muros verdes, repleto de flores brancas. Parecia que estava vivendo em um filme de romance clichê. A entrada do lugar lhe deu a vista de um jardim enorme, com mesas de madeira espalhadas por todos os cantos.

Passou as mãos pelo vestido, arrumando o tecido azul marinho e saiu do veículo, despedindo-se de sua mãe.

— Esse lugar é lindo. — Yura ficou lado a lado com Sarai, deixando mais do que notável a diferença de altura entre as duas, uma cena um tanto quanto fofa.

— Será que devemos entrar? — perguntou a menor.

— Eu acho qu…

— Yura! Você veio! — a voz mais do que conhecida pelas duas se fez presente, terminando com qualquer coisa que seria dita por uma delas a partir dali. — Sarai, ele já está vindo, sim? — sorriu para a japonesa meio desajeitado, afinal Yoongi estava longe de ser alguém simpático.

A garota de cabelos curtos colocou as mãos para trás e se virou de costas. Até a parte de fora é linda, pensou consigo mesma.

— Sarai?

A menina se virou no mesmo momento em que ouvira uma voz grave chamando por seu nome.

Não poderia ser.

— Wonwoo? — uma expressão de dúvidas brotou em seu rosto quando encontrou o dito cujo a olhando.

— Nós precisamos conversar.


Notas Finais


oi gente eu nao abandonei vcs eu amo essa história eu amo vcs e eU NUNCA VOU ABANDONAR MEU XUXUZINHO QUE EH CUPID PROJECT ESTEJA DITO

inclusive marina nao era cilada eu postei mesmo o capítulo rata

beijos amo vcs meus amores se inscrevam no canal e deixem o like k


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...