História Cupido.com - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~jeonarmy

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Kai, Sehun
Tags Baekhyun, Baekyeol, Bbh, Byun Baekhyun, Chanbaek, Chanyeol, Colegial, Comedia, Fluffy, Menção De Sebaek, Park Chanyeol, Pcy, Site, Texting, Yaoi
Visualizações 457
Palavras 3.857
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção Adolescente, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, gente!
Primeiramente Perdão por estar postando a essa hora!

Segundo: nós queríamos agradecer, de todo o coração pelos 130 favoritos! Sérioooooo. Vocês não sabem o quanto nós estamos felizes por isso! Obrigada por cada comentário carinhoso que vocês mandam, isso ajuda de uma forma que vocês jamais serão capaz de imaginar! Acho que todo mundo sabe como cada comentário é importante pra qualquer pessoa que escreve. Então, obrigada por tirar uns minutinhos do tempo de vocês para vim ler essa fanfic e comentar!

Terceiro: Acho que tem algumas coisinhas bobas pra esclarecer aqui.

♡ Essa fanfic vai ser curtinha, não vamos dar uma média de capítulos, pois nós não fazemos ideia. Mas chega no MÁXIMO no total de 12.

♡ Como vocês perceberam, o Chanyeol fala bastante É aquele ditado, e se essa repetição for algo incomodo pra você, pode avisar que nós procuraremos diminuir a frequência dessa frase!

♡ O Chanyeol usa bastante meme do twitter, então se por acaso você não entender alguma das frases, pode nos perguntar!

Acho que é só isso mesmo ♡

Boa leitura, e um boa sorte do @ycp para todxs!

Capítulo 4 - Newton


 

A culpa bateu em minha porta, e eu abri. Senhoras e senhores, agora eu me fodi.

Pois é, gente. Park Chanyeol acaba de ser declarado culpado por ser um péssimo amigo e um cuzão nas horas vagas, com sentença a pena de morte.

Eu estava praticamente comendo meus dedos de tanto que já havia roído as unhas. Parecia que eu estava com Mal de Parkinson de tanto que eu balançava as pernas, esperando aquele sinal do capeta bater logo. 

Hoje, eu tive todas as aulas com o Baekhyun e tive que ficar ouvindo o tempo todo sobre como ele estava nervoso por ter que ir falar com o Sehun, e me perguntando se ele tava bonito. 

Filho, me poupe, né? Bonito sou eu. Você é, no mínimo, o homem mais lindo da face da Terra.

Mas enfim, isso não vem ao caso. O bicho de sete cabeças era o fato de que, justamente agora, nessa última aula, quando Baekhyun estava na mesma sala que o Sehun, e que ele ia falar com ele, foi que eu percebi a cagada que eu tinha feito.

Mas é aquele ditado:

Antes tarde do que nunca, né? 

Mas no meu caso, o tarde veio tarde demais, e a essa altura, provavelmente eu já havia destruído todas as chances possíveis que o Baekhyun tinha com o Sehun.

Não que eu quisesse que rolasse algo, mas isso teria que acontecer naturalmente! Eu não podia estragar.

Eu já tava até imaginando o Baek perguntando: "Oi, Sehun. Você gosta dos meus cílios?"

Que micão, Deus!

Que tipo de cupido eu sou? Deusa do amor, me demita!

Acho que as pessoas estavam achando que eu havia ativado a urina turbinante, por que essa já era, pelo menos, a décima vez que eu pedia pra ir no banheiro e aquela professora não deixava, sempre com a mesma desculpa.

"Não, Park, a aula já está acabando. Você pode esperar até lá."

Posso esperar o caralho. Se eu pudesse esperar, eu não estaria pedindo.

Queria ver se eu realmente quisesse ir no banheiro! Eu ia mijar nas calças e fazer ela lavar minha roupa com a língua!

Ai, tô nervoso, desculpa.

A culpa faz isso com as pessoas.

O sinal finalmente bateu e aposto que foi a culpa que me fez bater o joelho na mesa na hora que eu levantei correndo igual um criminoso fugindo da polícia.

 Eu tava parecendo uma girafa desgovernada, correndo pelos corredores, e atraindo os olhares de todo mundo que passava. Uns xingos das pessoas que eu esbarrava também. 

Poxa, gente. Vocês nunca passaram por uma situação desesperadora, não?

Esse sinal é música para os meus ouvidos. Hehe.

Tá, parei.

Cheguei na frente da sala de Baekhyun e a porta estava aberta, enquanto alguns alunos saiam apressados. 

E eu?

Bem, eu tentava achar Baekhyun no meio daquela multidão infernal.

Ai, Deus, me ajuda!  Isso não é hora pra esse moleque sumir!

E se ele está pelos corredores se pegando com o Sehun, agora? 

E eu aqui preocupado!

Eu podia até ver o diabinho em cima do meu ombro dizendo:

"Vai embora, agora ele deve estar beijando o Sehun, enquanto você está aqui, tentand ajudar ele."

E o anjinho do lado esquerdo, dizendo:

"Vai atrás dele! Você precisa tirar ele dessa!"

E adivinha que conselho eu segui? Exatamente, o Chanyeol anjinho, por que aqui a trouxisse tá no DNA.

Se eu encontrar os dois se pegando por aí, me lembrem de nunca mais escutar esse safado.

"Ir atrás dele pra que?" Minha consciência diabólica voltou a falar "A culpa é dele, quem mandou te dispensar pra ir conquistar o Sehun?"

"Chanyeol, você sabe que a culpa é sua. Ele é seu amigo acima de tudo, lembra?" O anjinho rebateu. 

Ai meu Deus, eu tava ficando lelé da cuca.

Balancei a cabeça negativamente e continuei correndo, dessa vez em direção ao refeitório.

E, gente, acho que alguém jogou um feitiço em mim, por que na hora que eu vi os dois sentados na mesa e conversando super animados, eu petrifiquei. Tava mais congelado que os gelos que o Baekhyun me dá. Tava parecendo o Monte Everest parado na porta do refeitório. 

Meu cu tava tão trancado que acho que se eu quisesse fazer cocô, ia sair pelo ouvido. Por que por ali não passava nem a pau.

Será que ele já havia perguntado aquilo?

Na hora que o Sehun franziu o cenho, minhas pernas ficaram bambas igual gelatina, e eu só não cai porque, como eu já disse, eu tava parecendo uma pedra grudada no chão.

Ah, eu quero morrer. 

Eu sou a pior pessoa do mundo.

Vi Baekhyun dizendo mais alguma coisa, e dessa vez, Sehun deu risada e apoiou o queixo na mão.

Perigosamente perto de Baekhyun.

Pi, pi, pi. Sensor de namorado do Baekhyun ativado. Perigo à vista.

Essa foi a deixa pra eu tomar vergonha na cara e dar um beijo na boca do Baekhyun, na frente do Sehun.

Brincadeira.

Foi a deixa só pra eu pigarrear mesmo, mas como o papo tava bem interessante, a anta surda nem percebeu.

Pigarreei mais alto, parecendo uma moto velha e dessa vez os dois olharam pra minha direção.

Nossa, finalmente fui notado.

— Chanyeol! — Baekhyun sorriu, animado.

— O-oi... — Dei um sorriso mais falso que eu, pois é o que tinha pra hoje. 

É aquele ditado, né? 

O que vale é a intenção.

Baekhyun levantou do banco, e se despediu de Sehun.

Não, gente, ele não podia se despedir normalmente, só com um tchauzinho. Ele tinha que dar um abraço no outro demônio. E como se não bastasse, ainda de brinde vinha um beijo na bochecha. 

Baekhyun, não te ensinaram que coração dos outros é terreno que não se pisa?
 

— Você demorou! —  disse enquanto caminhava em minha direção. 

— É, e-eu tava te procurando... — Respondi, apressadamente.

Olhei para Sehun, que continuava sentado. Ele riu e balançou a cabeça, enquanto encarava Baekhyun.

Medo.

— Por que você tá gaguejando? Tá em choque, Super Shock? — Perguntou, me pegando no flagra. 

— Eu? Imagina, baby. — O puxei para ir embora, e praticamente sai correndo dali. 
 

— Baby, Chanyeol? — Gargalhou e eu só conseguia andar igual um pato, com os olhos arregalados. — Eu tenho idade pra ser seu pai.

— Ata, você me teve com um ano de idade, então? Bebê sapeca!
 

— Ah, você entendeu!
 

— Você tem o tamanho de um bebê também, então...

Resolvi arrumar a postura e fingir que estava tudo ótimo, que eu era inocente e não havia feito nadinha. Afinal, eu ainda tinha que passar o dia inteiro com Baekhyun.

 

Mesmo com Baekhyun do meu lado, indo embora da escola comigo, eu ainda tinha medo dele parar no meio do caminho e vir com aquele papo de "não vai dar hoje, amanhã você vai lá em casa".

Juro que eu dava um murro na cara dele se isso acontecesse.

Mentira, não se pode danificar uma obra divina.

Mas entendam, eu necessito da atenção do Baek. Tudo bem que eu vejo ele o dia todo na escola, mas é sempre bom ter aquele tempo mais com o crush, vamos concordar.

— Chanyeol! Você tá surdo é? — Tomei um susto com a fala do baixinho, eu devia estar com a maior cara de retardado naquele momento. 

É, hoje não é meu dia.

— Desculpa, eu não ouvi. O que foi?

— Nossa senhora. De que adianta ter essas orelhas de dumbo se você não escuta direito?

Olha que abusado. Vê se pode.

— Eu perguntei se você queria ir comprar umas coisas pra gente comer mais tarde. — disse, dando um sorrisinho de canto,  que eu queria ter entendido. O que diabos ele tá tramando?

Mas espera aí. 

Ele disse "mais tarde". Eita que hoje tem, minha gente. 

Não entendam mal, seus safados. 

Finalmente meu amigo arrumou um tempo pra mim e eu vou poder ir na casa dele. Não que seja alguma ocasião fenomenal, mas sabe como é. 

Agora tenho mais tempo pra admirar internamente o cidadão a minha frente.

— Ah, sim. Claro que eu quero.

— Então vamos logo, Chan. — Ele tá muito feliz, que isso, Deus? — Você tá estranho hoje, eu hein.

Se você estivesse na minha pele também não estaria normal, meu caro. Ah, mas não estaria mesmo.

Só que eu ainda consigo dar uma disfarça legal, de vez em quando. Se bem que, ultimamente, eu tô mais perdido que cego em tiroteio. 

Continuei com meus pensamentos de gente retardada, até deixei de prestar tanta atenção no ser humano saltitante que andava do meu lado. 

Acabei me arrependendo por isso. Acreditam que o abusado me deu um murro - que ele achava que tinha doído, coitado - e falou pra eu parar de olhar pro horizonte e dar atenção  pra ele? Pois é. 

Não importa se ele está feliz ou não. Se tiver oportunidade, ele senta a porrada em mim. 

Sofro demais nessa vida.

E faço aquele drama também, mas isso a gente releva.

Chegamos na casa dele, depois de comparar uma bela quantidade de besteirinhas, e Baekhyun abriu a porta, praticamente me empurrando pra dentro de casa.

Fazia praticamente um mês que eu não ia na casa de Baekhyun, e mesmo assim eu pude notar algumas mudanças no interior da casa. As paredes, que antes eram brancas, agora estavam num tom muito claro de amarelo, sem contar o fato de que alguns móveis haviam mudado de lugar.

Tirei o tênis, colocando na entrada, e logo vi a Senhora Minha Sogra aparecer no cômodo e abrir um sorriso enorme ao me ver.

— Chanyeol, querido! — Exclamou, vindo me receber com um abraço caloroso — Como você está? 

— Eu estou bem, Senhora Byun! E você, como está? — Perguntei, retribuindo o abraço, e ouvindo Baekhyun bufar atrás de nós.
— Eu estou bem, meu amor! Como você cresceu!

— Mãe, para de exagerar que ele veio aqui mês passado, tá? — Reclamou, cruzando os bracinhos. — E eu que sou seu filho. Você deveria me dar atenção também!

A senhora Byun me olhou, e nós começamos a gargalhar, fazendo Baekhyun nos olhar indignado com a audácia. 

— Eu te dou atenção se você quiser. — Dei a brecha na frente da minha sogra mesmo, não tô nem aí. 

— Você é minha mãe, por acaso? 

Nossa, bem na minha fuça. 

Acabei de levar o fora do ano, com direito a entrar no Guiness Book.

— Baekhyun, é assim que você trata seu namorado? 

Gente, eu já disse que amo muito a Senhora Byun?

Pois é, eu amo.

Acima dela, só Baekhyun, Deus e os helicópteros da polícia. 

— A gente não namora! — disse, enquanto suas bochechas adquiriam um tom avermelhado.

Ah, Baekhyun corado é minha religião. 

— Mas vocês não vieram pra assumir o namoro? — Franziu o cenho — Ah, vai logo que eu não aguento mais esperar essa enrolação de vocês!  Eu, hein.

— Mãe! 

— Mas a gente já namora, sim. É que ele tá com vergonha de falar! — Passei os braços por cima do ombro de Baekhyun, o puxando mais pra perto.

— CHANYEOL! — Arregalou os olhos e eu gargalhei de sua expressão. — M-mãe,  é mentira! A gente não namora nada. Ele é louco! Você também é, e... Ah, esquece.

— A gente não forma um casal bonito? — perguntei para a sogrete, para irritar Baekhyun.

— Maravilhoso! Como é que os jovens de hoje em dia falam? Chip? Mas Chip não de por no celular? 

— É "shippo". — A essa altura eu já tava quase desmaiando de tanto rir.

— Ah, isso aí! Eu Chico

— Meu Deus do céu!  Chega! — Baekhyun me empurrou para longe da Senhora Byun, e me arrastou até as escadas — E é "shippo", mãe!  S-H-I-P-P-O!

Subi as escadas, com Baekhyun quase arrancando meu braço fora, enquanto eu ria baixinho pra não apanhar.

É aquele ditado:

Não cutuque a onça com vara curta.

Baekhyun deveria estar pensando que eu era um boneco de posto, porque estava me puxando que nem louco e me empurrando sempre que via a oportunidade. 

Baekhyun, me chama de lagartixa e me joga na parede!

— Chanyeol! — Exclamou depois de fechar a porta atrás de nós. — Por que disse aquilo? 

Gente, eu juro que não tava entendendo nada que esse moleque tava falando porque, no momento, eu estava ocupado admirando o quarto do meu amigo.

Quanto será que ele cobra de aluguel pra eu morar ali?

Quer dizer, pra eu passar um tempo mesmo, porque morar, eu morava mesmo no coração do dele.

Ele havia decorado completamente sua parede com pôsteres de bandas e séries e páginas de HQ's de super heróis. Sua estante que antes costumava ser desorganizada, agora estava preenchida por Action Figures e CD's.

Eu tô apaixonado por um quarto.

— Chanyeol, me responde!  — Puxou a barra da minha camiseta.

— Desde quando tem isso? — Sorri, me referindo pequenos quadros postos em cima da escrivaninha.

Eram diversas fotos nossas juntos, desde que nos conhecemos, em vários rolês da vida.

Baekhyun seguiu meu olhar até pousar sobre a escrivaninha.

— Ah... Faz um pouco mais de uma semana — coçou a nuca, acanhado. 

— Isso tá maravilhoso. — O olhei, e ele sorriu de lado.

— Eu gosto dessas fotos. — Mordeu os lábios, enquanto continuava encarando as fotos.

— Eu gosto de você. 

Puta que pariu.

Essa foi sem querer, juro! 

De repente o pensamento de sair correndo dali, pareceu uma ótima idéia, mas a curiosidade de saber qual seria a reação de Baekhyun me manteve com os pés grudados no chão. 

— Eu também... — Sorriu tímido. — Afinal, você é o meu melhor amigo.

Obviamente essa era a resposta que eu tava esperando essa resposta, gente!

Pff!

Já tinha até decorado todas as frases de dar um fora no Chanyeol que aquele menino tinha pra dizer.

Tudo bem, eu supero. Força, soldado.

— O que nós vamos fazer? — Perguntei, desviando do assunto.

—Hm, na verdade eu queria te mostrar uma coisa... 

 Baekhyun subitamente ficou por trás de mim - pelo amor de Deus, vai com calma que eu sou cardíaco - e tapou meus olhos.

— Baekhyun? O que você tá fazendo?

— Só anda, Chanyeol.

Fingi que não tinha notado a felicidade do menino enquanto ele me guiava pela casa. Quando paramos, ele pediu pra eu manter os olhos fechados e foi abrir alguma porta. 

Assim que tive a permissão para ver o que diabos estava acontecendo, um sentimento de nostalgia logo se instalou em mim.

Era o quintal do fundo da casa do Byun, exatamente como da primeira vez que eu havia dormido na sua casa. 

Tinha uma mesa perto da porta com várias coisas comer. Sério, varias mesmo. Acho que ele quer me transformar em um leitão. Também tinha uma barraca armada exatamente no mesmo lugar de vários anos atrás, uma grande toalha no chão e até um violão. 

Espera, era o meu violão. Como ele trouxe isso pra cá? 

— Feliz dez anos de amizade! — o baixinho disse animado e passou os braços em volta de mim, me dando um daqueles abraços maravilhoso que eu amava.

Ah, eu sou muito burro.

Como eu fui esquecer esse dia? Realmente, eu tô muito perdido esses dias. Ainda bem que ele não ficou bravo por eu não ter lembrado.

Obviamente eu retribui o abraço, não sou tão idiota assim. 

— Obrigado, Baek... Eu amo você. 

— Desculpa por ontem. Eu queria arrumar aqui, e ainda tive um trabalhão pra você não perceber que eu fui lá na sua casa.

Sabe aquele sentimento de culpa? Acho que multiplicou por mil.

Não acredito que eu desconfiei do meu melhor amigo e ainda quis ferrar com a vida dele enquanto ele tava aqui, preparando uma supresa pra mim. Eu sou muito cuzão, pode falar.

Mas a vida segue, certo? 

Errado.

— Então era isso que você tava fazendo? — Disse num fio de voz.

— Sim. Pensou que eu estivesse fazendo o quê? 

Pensei que você estava sendo um cuzão quando na verdade você estava se esforçando pra fazer uma coisa maravilhosa pra gente.

Ah, Baekhyun, eu não mereço você. 

Eu estava me sentindo tão mal que até estava achando que o Sehun seria uma pessoa melhor que eu.

Mas eu tive que estragar tudo, né? 

Meu Deus, eu sou um ser humano tão horrível! 

E agora que eu tinha feito merda, eu ia consertar. 

Nem que eu precisasse falar com o Sehun pra isso.

Nem que eu precisasse perder o Baekhyun pra ele...

— Você foi lá em casa?  

— Eu fui rapidinho e pedi pra sua mãe pegar seu violão, sorte que ele não tava no seu quarto.

— Ah, fazendo planinho com a minha mãe, né?

Baekhyun riu e eu tive o prazer de ter a visão maravilhosa do seu sorriso retangular. Já falei que eu amo esse menino?

Realmente, eu tenho muita sorte de ter Byun Baekhyun na minha vida.

Apesar de ter um crush fodido nele e não ser correspondido, ele é um ótimo amigo, o melhor que eu poderia ter por sinal.

Foi muito bom simplesmente sentar, olhar o pro céu e ficar conversando sobre os velhos tempos enquanto beliscávmos as besteirinhas.

— Lembra daquela vez que você caiu de cara no corredor da escola pra não chegar atrasado na sala?

— Claro, lembro como se fosse ontem que eu tinha sangue escorrendo pelo nariz. 

— Não exagera, vai, Chanyeol. Só ficou meio vermelho.

— Mas doeu pra caramba! Ainda sinto umas pontadas de vez quando.

Estava lá, fazendo meu drama, quando vi meu amigo se aproximando perigosamente - o coração até parou - formando um biquinho nos lábios.

Eita lasqueira, tô vendo que o diabo quer me levar mais cedo. 

Se for assim, eu vou com gosto. Pode chegar mais, Baek.

Vi Baekhyun se aproximar em slow motion e meu coração parecia que ia sair pela boca de tão acelerado que tava. Meus olhos deveriam estar parecendo duas bolas de futebol de tão arregalados que estavam.

Gente, meu sonho estava se tornando realidade?

Mãe, por favor não me acorda agora não! 

Senti um beijinho no nariz e logo ele se afastou, voltando ao seu lugar de antes.

Nossa.

Quase tive um ataque cardíaco só por isso. 

Sou muito otário mesmo. 

— Sarou? Ou você quer mais um beijinho, crianção?

Eu não quero mais um, quero mais todos que você puder me dar. Mas em outro lugar. Hehe.

— Obrigado por hoje, Baekhyun. De verdade. — Disse, com toda sinceridade que tinha no meu ser.

— De nada. 

Impressão minha ou ele tinha ficado envergonhado? 

— Acho que eu já sei o que eu posso fazer pra compensar.  

Levantei e fui pegar meu violão. Em pé mesmo o posicionei sobre meu colo e comecei a afinar as cordas para ficar no tom perfeito da música. Sentia o olhar de Baekhyun em cima de mim, observando o que eu estava fazendo.

Sabia o que eu queria fazer e sabia que ele ia gostar.

— Chanyeol, você...

Vi ele abrir mais um daqueles sorrisos de deus grego e eu quase tive um treco pela milésima vez no dia.

— É, Baek. Eu vou tocar uma música.

Sabia que Baekhyun gostava de me ver tocar e cantar, mesmo que isso me deixasse completamente constrangido, me deixava feliz ao mesmo tempo. E nada melhor que uma noite estrelada, um violão, uma barraca e Byun Baekhyun.

— Eu quero que cante comigo. — Sorri divertido.

— Ah, não, Chan... — reclamou. 

— Vai cantar, sim! 

— Que música? 

Sorri, enquanto ajeitava os dedos para formar suas respectivas notas. Comecei a dedilhar as notas enquanto a melodia tocava animada.

Limpei a garganta e comecei a cantar, baixinho. Eu ainda era inseguro quanto a minha voz.
 

1, 2... 1, 2, 3, 4
Give me more love than I've ever had.
Make it all better when I'm feeling sad,
Tell me that I'm special even when I know I'm not.
 

Abri os olhos, e encontrei Baekhyun sorrindo enquanto balançava no ritmo da música. 

Puta, que visão maravilhosa.

Make it feel good when I hurt so bad,
Barely gettin' mad
I'm so glad I found you.
I love being around you.
You make it easy,
As easy as 1, 2... 1, 2, 3, 4.

Sorri quando Baekhyun se juntou a mim. Sua voz era doce e calma, enquanto a minha era mais grave. Balancei a cabeça positivamente, o incentivando a cantar mais alto.

There's only 1 thing,
2 do, 3 words
4 you.
I love you.


There's only 1 way,
2 say, those 3 words
That's what I'll do
I love you.

O fitei atentamente, enquanto dedilhava a melodia. Me aproximei de Baekhyun,  começando a fazer uma dancinha divertida, o convidando para se juntar a mim.

Baekhyun riu, enquanto se colocava de pé, e acompanhava o ritmo da música. Logo ambos estávamos dançando, rindo e cantando igual duas hienas.

 Give me more love from the very start, 
 Piece me back together when I fall apart, 
 Tell me all te things you never even tell your closest friends. 


 Make it feel good when I hurt so bad, 
 Best that I've had, 
 I'm so glad I found you .
 I love being around you!

 

Baekhyun batia palma, enquanto nossas vozes animadas ecoavam junto ao som do violão.

Aquele estava sendo um dos melhores momentos da minha vida, e era por isso que eu amava estar perto de Baekhyun. 

Ali eu era só o Chanyeol.

Sem mistério, sem LYHELP, sem sites, sem nada.

Só eu e Baekhyun.

Quando a música acabou eu coloquei meu violão na capa e me joguei no chão, ofegante. Baekhyun se jogou ao meu lado, enquanto ríamos, de todas as besteiras que fizemos. 

Baekhyun tirou o celular do bolso e tiramos várias fotos zoadas sob a luz da lua e das estrelas.

Por algum motivo, eu queria muito ficar perto de Baekhyun, queria que ele me abraçasse e ficasse grudado em mim a noite toda.
Acho que é aquele negócio de como Newton equacionou que dois corpos são atraídos por uma força proporcionais à sua massa.

E cada partícula do corpo de Baekhyun atraia o meu.

— Ei, aquela nuvem não parece o Teemo?* — Comentou, apontando para o céu. 

— Nossa, Baekhyun. — gargalhei e ele me acompanhou — Você vê campeão de LoL até nas nuvens? Por isso você não namora. 

— Mas parece! E eu não namoro por que o Sehun não quer... Ainda.

Revirei os olhos, resmungando. 

— E você, por que não namora, Chanyeol? — Vi de soslaio Baekhyun virar de lado e me observar.

— Por que ele não quer. — Dei de ombros.

— E quem é "ele"?

— Meu amigo.

— Aquele menino que você tava conversando? — Perguntou, se referindo ao JongIn.

Meu cu, pra você, Baekhyun.

— Não. Por que acha isso?

— Sei lá. Vocês estavam conversando bem animados, e bem... Ele é bonito. 

— Ele é bonito? — Ri. — Assim eu fico com ciúmes. 

— Você bonito, Chanyeol.

Engoli em seco.

Ai, ai. E disseram que eu estava sofrendo por Byun Baekhyun.

Pff.

Pode confirmar os boatos.

Gente, quem visse acharia que eu tinha acabado de correr uma maratona de tão acelerado que meu coração tava.

Já pensou se eu estivesse no hospital, ligado aquela máquina de batimentos cardíaco?  O negócio ia até pifar de tanto 'bip' que ele ia ter que fazer.

Virei de frente para Baekhyun que ainda me encarava e sorri de lado.

— Eu sei.

Baekhyun revirou os olhos e sorriu, me abraçando. 

— Feliz aniversário de amizade.

— Feliz aniversário de amizade...

Aquela força ficava mais intensa a cada dia que passava, de um modo que acho que nem mesmo Newton era capaz de explicar. 

E vocês sabem o nome dessa força.


Notas Finais


*Teemo: Campeão do jogo League of Legends.

* A música que o Baek e o Chanyeol cantaram: https://www.youtube.com/watch?v=m6pW_q1PvH0

e aí, gostaram? Esperamos que sim!

Algum elogio? Xingamentos, talvez? Sejam carinhosos!

Espero que o dia de vocês seja maravilhoso!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...