1. Spirit Fanfics >
  2. Cupids Have No Love - Haechan >
  3. O que te faz ser um cupido é esse treco brilhante?

História Cupids Have No Love - Haechan - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Espero que estejam gostando!!

Capítulo 2 - O que te faz ser um cupido é esse treco brilhante?


Fanfic / Fanfiction Cupids Have No Love - Haechan - Capítulo 2 - O que te faz ser um cupido é esse treco brilhante?


O que te faz cupido é esse treco brilhante na sua testa?



— Pode entrar! — A voz do diretor ecoa de dentro da sala, após eu ter dado três batidas na porta. O garoto estava ao meu lado, sem dar uma palavra, era até mesmo estranho aquele silêncio.

Sem hesitar, giro a maçaneta da porta e vejo um diretor folheando um livro qualquer de literatura, intitulado "Vende-se o amor."

Que tosco para um diretor já nessa idade estar lendo um romance, se bem que romance será sempre apenas fictício.



— Que dupla ótima para realizar as tarefas voluntárias. — Comentou, ao finalmente tirar sua atenção do livro e o pôr sobre a mesa. 


— O papel. Dos afazeres. Poderia dar-me? — Peço, apressada, quanto mais rápido eu terminar, poderei chegar em casa mais cedo.


Ele entrega-me uma lista no papel, era média  grande, havia muita coisa a se fazer, desde organizar mesas na sala a separar papéis de atividades.

 Tem noção do que é separar cada atividade por aluno, por nota ou sabe lá pelo que seja?!


Que seja, melhor começar agora.


Sem falar nada, saio da sala mantendo a atenção a cada item da lista.

Andando pelos corredores, acompanhada pelo garoto, me dou conta que desde o começo ele não havia tocado no assunto das tarefas e em assunto nenhum, na verdade.


— Garoto, você não fala? — Perguntei-lhe, tentando não parecer tão arrogante, entretanto, não obtive resposta alguma, apenas um sorriso amigável. 

Bem, pelo menos, sabemos que ele não é um adolescente metido a grosseiro ou um mero Sadboy.


— O que acha de separarmos os afazeres. Se dividirmos entre nós… — Paro de falar no momento em que vejo algo iluminado se formar ao redor da testa do garoto. 

Certo, isso é muito assustador, mas de toda forma, interessante. — O que você…?


Sim, esse garoto é mais esquisito do que eu pensei. Seu cabelo, inicialmente um marrom comum, havia se tornado um cinza platinado repentino, é uma auréola dourada estava em volta de sua cabeleira, agora, platinada.




— Desculpa ser tão repentino assim. Desculpa mesmo. Mil desculpas. — O garoto não parava de se desculpar, o porquê eu não faço a mínima idéia. 


— Mas o que você?! — Falei em tom levemente alto e o mesmo tampou minha boca com uma de suas mãos, fazendo-me olhar bem no seu rosto. 


— Eu vou deixar você fazer qualquer tipo de pergunta pra eu começar a fazer meu "trabalho" aqui nessa escola, mas primeiro, você poderia me seguir? — Pediu pacientemente, mas para mim, não havia nenhum pingo de paciência na sua fala.

Ele tirou sua mão da minha boca devagar.


— Primeiro  deixa eu explicar que eu não sou nenhuma garota histérica que grita por qualquer coisa… — Novamente, ele não  me deixou terminar a frase e me puxou pelo braço até um lugar que acho ser a quadra da escola.

 Finalmente parando no centro da quadra, ele vira-se para mim e pelo que percebi, ele analisava minha feição, ou talvez apenas algo que está em meu rosto.


— Como eu falava… esse treco na sua cabeça é de verdade? Eu posso tocar? — Ok, o que eu estou falando?!


— Calma aí, cara Angel Sparks, você tem muito o que saber sobre mim. — Se afastou, não deixando-me tocar o objeto brilhante e flutuante na sua testa.


— E quem te disse que eu quero saber?— Cruzo os braços em ato de desinteresse. — Não acha que esse círculo esquisito está chamando muita atenção? Brilhante demais.


— Agora, deixa eu explicar as coisas, eu não posso tirar o objeto que você denomina como "treco brilhante", e segundamente, você não tem que querer saber, agora me deixa explicar.


— Eu tenho opções?


— Não. Agora fica calada. — Ele respira profundamente, antes de finalmente soltar palavras daquela boca que me chama atenção o bastante para tirar meu foco de outras coisas.  — Eu sou seu cupido.


— Certo, cupido. — Repito suas palavras, até me dar conta da finalidade delas. — Cupido?! Isso quer dizer o que, que você vai caçar por aí um garoto estranho pra mim? Não mesmo, pode desistindo dessa idéia. 


— E você acha que eu também quero ser cupido de uma garota como você.  — Provocou. — Fui designado a esse trabalho. Ou seja, eu estou na mesma que você, sem escolhas.


Continua...




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...