1. Spirit Fanfics >
  2. Cyber: Artificial Intelligence (Imagine - Park Jimin) >
  3. "Tentativas"

História Cyber: Artificial Intelligence (Imagine - Park Jimin) - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


⚠️ Alerta de gatilho neste capítulo ⚠️

Bom primeiramente, espero que gostem desse capítulo, eu havia terminado ele e esqueci dele mofando entre os arquivos 🤡, mas o importante é que tem capítulo novo.
E segundo, se tiver algum errinho digam por que meu óculos quebrou e estou sem por enquanto e eu não enxergo nada. Leiam as notas finais, é importante!

Capítulo 5 - "Tentativas"


Fanfic / Fanfiction Cyber: Artificial Intelligence (Imagine - Park Jimin) - Capítulo 5 - "Tentativas"

– Amy! 

Foi a única coisa que eu escutei antes de desmaiar, só existia dor e arrependimento dentro de mim. Embora que minha cabeça e meu corpo doía, eu não conseguia acordar, eu sussurrava palavras de Onde estou?. Até conseguir ouvir pequenos beep's de máquinas e logo pensei que pudesse estar em um hospital, obviamente, levei um tiro. Abri meus olhos lentamente e vi sombras ao redor, a imagem se formava ainda, vi um médico e dois enfermeiros me fazendo perguntas que eu não entendia. Me levantei ainda sentindo dor, agulhas em meu corpo, faixas e uma terrível máscara em meu rosto. Arranquei a máscara e deixei-a de lado e o médico encostou sua mão sobre o meu ombro. 

– Srta. Santiago, deite-se precisa descansar. – Ele pediu calmo, mas logo lembrei de algo, Jimin. 

– Onde está ele? – Perguntei com uma voz falha. 

– Ele quem? – O médico encarou os enfermeiros tentando entender. – O detetive Park? 

– Sim… – Eu assenti, mas sua expressão era totalmente diferente. 

– O detetive Park sofreu um grave trauma na cabeça, retiramos as duas balas e ele teve sangramento interno. Seu estado é grave, não sabemos quando ele irá se recuperar. – Suas palavras se tornaram angustiantes para mim e fechei os olhos com a cabeça baixa. Ele saiu do quarto com os enfermeiros e vejo a porta se abrir novamente, era Maxon. Ele veio em minha direção e me abraçou não tão forte, mas pude sentir o conforto que ele trazia. 

– Pensei que fosse te perder… – Sua voz era de sussurro tenso. 

– Mas eu estou aqui viva, dessa vez o diabo não ficou contente. – Brinco vendo sua expressão de sério. – Como está o Jimin? 

– Está entubado, o médico disse que… 

– Eu sei o que ele disse, eu só queria me desculpar com ele por dizer aquilo, ele não merecia. – Murmuro falho. – Por favor me leve onde ele está… 

– Amy… – Ele diz enquanto tentava me fazer o contrário do que eu queria. – Tudo bem, eu te levo até lá mas espere um pouco. 

Ele se afasta e buscou uma cadeira de rodas que havia no canto do quarto e colocou ao lado da maca, me levantei aos poucos com a ajuda de Maxon e me sentei, pegando o equipo que estava do lado da maca e o levando comigo. Maxon gentilmente me levou onde Jimin estava. Eu me sentia culpada por aquilo tudo, e se isso nunca tivesse acontecido? Milhares de perguntas me rodeavam, chegamos até onde Jimin estava, a porta do quarto estava com policiais escoltando caso acontecer algo. Adentramos o quarto, confesso que eu não tinha noção do estado de como ele estaria. Seu rosto machucado, com faixas, e usando um tubo em sua boca, aquilo não era a imagem que eu queria ver. 


– Maxon… Pode me deixar aqui sozinha? – Supliquei baixinho e ele concordou. Ele prendo o equipo na cadeira de rodas para eu me locomover com facilidade. Esperei ele sair e me aproximei da maca. – Não era isso que eu queria, me perdoa por o que eu te disse e tudo mais, acho que fui longe demais com essa vingança toda. Isso me deixou tão cega que não pude enxergar que acabei machucando alguém e a mim mesma. 

Não aguentei ficar firme como eu sempre fiz, desta vez, me desabei em lágrimas. Eu nunca mostrei lágrimas para nenhum oficial desde que ingressei como militar, e isso me deixava completamente estranha. Eu não sei o que sinto neste momento mas, a única coisa que eu queria agora era é que ele acordasse e me perdoasse de vez. Peguei sua mão e ela ainda estava fria, acariciei levemente e o fitei novamente e fiquei o encarando por minutos, porque Jack te ameaçou? Pensei alto, eu não entendia o motivo disso, você nunca me viu antes. 


[•••] 


Enquanto Amy estava ao lado do detetive, no corredor imenso do hospital estava Maxon andando de um lado para o outro, querendo saber de Amy. Um médico que usava máscara,touca, e uma ficha em suas mãos se aproximou do quarto onde estava Park, mas foi esbarrado pela a escolta e por Maxon. 


– Quem é você? – Maxon indagou, e o homem o encarou. 

– Sou o neurologista substituto que veio examinar o paciente Park Jimin, o doutor O'brien está com outro paciente neste momento e pediu que eu viesse checá-lo. – Ele disse, Maxon o encarou suspeito e liberou sua entrada. 

O "médico" adentrou o quarto vagarosamente e viu Amy ao lado do detetive, e limpou a garganta e Amy o encarou rapidamente assustada e ele baixou o rosto. 

– Você é o médico encarregado do detetive? – Amy perguntou baixinho com a voz fraca. 

– Sim. – Ele respondeu curto, e Amy o fitou por um momento e queria saber de onde ela conhecia a voz. 

– Espera. – Amy levantou-se devagar e chegou perto. – Você não é médico

– Você é esperta, Amy. – O homem retirou a máscara e logo de cara era Jack frente a Amy, ela andou para trás e ele seguiu em direção a porta e a trancou. – Por sua culpa eu não tirei o detetive do caminho, eu o mandei se afastar de você e da Angie muito antes de isso acontecer. 

– O que ele te fez? Me diga! – Amy se alterou um pouco. 

– O pai dele me fez perder metade dos robôs que eu tinha, e afastou sua mãe de mim, dando dinheiro para que ela fosse embora e levasse você e sua irmã que agora está morta por loucuras que sua mãe cometeu. – Ele ditou as palavras ríspidas com um sorriso maléfico. – Ele está caidinho pela Angie, querida. E você? Apenas pena por ter a vida assim, mas ele sente raiva por não conseguir colocar seus sentimentos nos eixos merecidos. 


Amy encarou Jimin com coração apertado e seus olhos arderem e sentia que iria chorar novamente. E ficou confusa sobre o que ele dizia, a mulher que se erguia sozinha com sua força e independência, não sabia o que fazer apenas ficou calada. 


– Agora percebeu Amy? Você também deve nutrir sentimentos por ele e isso de fato é idiotice da sua parte. – Jack disse novamente ao ver que Amy ficou calada. – Você está perdida agora e sem rumo. 


– Já chega! – Gritou ela. – Você não devia dizer tais palavras para mim, eu não estou armada, e sim estou indefesa e sem rumo por sua culpa! Maldita hora que eu vim até aqui, maldita hora que esse caso se reabriu! Eu me arrependo muito por ter conhecido esse dois idiotas, um está baleado e em coma praticamente e o outro se preocupando que nem um desesperado. E você? De você eu me arrependo amargamente e queria muito que eu estivesse morta, você está tendo a chance de me matar e essa é a hora, Jack Grayson.

Seu coração acelerou e até errou batidas leves, Amy estava aos prantos, enquanto era ouvido vozes lá fora e tentavam arrombar a porta. O que era impossível, já que a porta era totalmente feita contra arrombamentos e destruição. O alarme de emergência tocava e todas as saídas estavam fechadas, menos as janelas. Jack se desesperou por um momento e olhou para as janelas e correu em direção a mesma e pulou para fora. Amy abriu a porta e encarou Maxon que mantinha suas mãos na cabeça desesperado, e logo ele correu em direção da garota e a colheu em um abraço e a fitando em seguida. 


Abram todas as saídas, ele fugiu pela a janela. – Amy disse e logo dois policiais foram em direção a janela enquanto os outros iam para fora do hospital. 

– Você está bem? Ele te fez algo? – Ele perguntou nervoso e logo ela negou. – Que expressão é essa Amy? Você chorou?...

Maxon encostou suas mãos no rosto de Amy e ela retirou rapidamente se afastando dele em seguida. 

– Eu não preciso da sua compaixão e pena, Maxon Henderson. – Amy disse séria e totalmente fria. – Eu vou voltar para o quarto e quero ficar sozinha, fique aqui com o detetive Park. 

Amy saiu do quarto e deixou a cadeira de rodas de lado, arrastando o equipo com ela. Ao chegar no quarto, ela encarou o cômodo e logo em seguida se aproximou da janela, sem pensar duas vezes Amy retirou o acesso de seus braço e mãos e abriu a janela. A janela tinha um parapeito médio, e ela sentou-se no parapeito com seus joelhos acima do rosto e fitou o céu acinzentado. 


Amy, você foi e sempre será uma mulher fodida com seus problemas. Primeiro o noivado fracassado com uma traição de bandeja, segundo seus problemas em se assumir bissexual com a patente de sargento em suas costas, e agora tem um detetive baleado em coma por sua causa e uma mãe assassina. – Amy ditou sarcástica e sem se vangloriar por isso. – Eu deveria simplesmente me jogar desse andar e não farei falta nenhuma. Eu não sou casada, não tenho filhos, e minha mãe praticamente não sentirá minha falta já que ela matou a outra filha. 

Amy ficou de pé perambulando sob o parapeito e olhou em seguida para trás com uma expressão inexplicável. Suspirou em seguida e abriu seus braços aos céus e gritou:


– Você poderia ser mais compreensível comigo, não é? Você é Deus e parece estar me abandonando agora. – Ela dizia alto ainda na mesma posição. – Me diga algo pois eu estou desistindo de você e da minha vida. 

Amy engoliu seco e tentou não derramar as lágrimas mais uma vez, sentiu-se um vento passar e um arrepio percorrer seu corpo, Amy deu mais um passo à frente com alguns centímetros de se jogar e se um desequilíbrio aconteceu. Mas rapidamente duas mãos a segurou fortemente.

–  Te peguei! – Era Maxon. Ele a puxou para dentro do quarto e a fitou. – Você estava tentando se suicidar Amy? Porque? Você não parece ser alguém que cometeria algo assim…

– Pare! Maxon pare de me dar sermões e me deixe, você não me conhece e não sabe o que eu passei para ser alguém como eu. – Esbravejou alto. 

– Então me diga! 

– Você não está em condições de exigir isso, minha vida não é algo de ser tão bonita e tão pouco perfeita. Isso machuca muito e sinceramente, eu não aguento me manter séria o tempo todo, eu sou humana e preciso chorar, preciso gritar, preciso ser quem eu sou. 




Notas Finais


Sobre as notas finais ser importante, é que eu estarei no wattpad e logo irei postar minhas histórias lá. Já fiz pedidos das capas e brevem tudo estará lá com capítulos postados e organizados, e outra, os próximos capítulos de C: AI já estão feitos e eu só vou postando e provavelmente irei revisar tudo para que essa história se torne uma saga, isso mesmo. C:AI terá continuação e já tenho noção de como será. Enfim, é isso bjs 💞


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...