História Daddy (HIATUS) - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Ariana Grande, Austin Mahone, Justin Bieber
Personagens Ariana Grande, Austin Mahone, Justin Bieber
Tags Ariana Grande, Austin Mahone, Daddy, Hentai, Jariana, Justin Bieber, Nudez, Sexo, Triângulo Amoroso, Violencia
Visualizações 108
Palavras 1.381
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorei, mas finalmente cheguei meus amores ♥♥
Boa leitura e bjs a todos ♥♥

Capítulo 5 - Hoje a noite!


Fanfic / Fanfiction Daddy (HIATUS) - Capítulo 5 - Hoje a noite!

             Ariana Grande


-Me larga!-eu tentava me manter longe daquelas mãos imundas, mas ele era muito mais forte do que eu.

-Qual o problema Ariana?

-Você é o problema!

-Mas um problema que você adora.-aquela voz rouca me causa calafrios, e não consigo mover sequer um músculo.-Admita.-ele começa a beijar o meu pescoço.-Só uma vez...

-Você ficou louco?

-Sim Ariana, eu estou louco. Louco de desejo por você.-seus olhos encontram os meus, e ele abre um sorriso cheio de malícia.

Estou com medo! 

Não consigo sair, e o pior é que estamos completamente sozinhos em casa. 

Apenas eu e Justin.

 Qual é a dele? Eu jamais imaginaria, que ele tentasse acediar a própria enteada. Eu pensei que ele gostasse da minha mãe, deve sentir algo por ela, para chegar ao ponto de se casarem.

Então por quê isso está acontecendo? E por quê logo eu?

-Por favor...me solta.

-A onde está a valentona agora, em?-eu sentia vontade de vomitar, a cada vez que suas mãos me tocavam.

 E ele não parecia se importar, pelo o contrário, eu acho que ele estava adorando. 

-Por favor...-imploro sentindo um nó em minha garganta.-Não faça nada comigo.

-Talvez não hoje.-ele abaixa a guarda, quando diminui a força que mantinha sobre o meu corpo. 

E é claro que eu não perco tempo, aproveito a oportunidade para dar um belo chute no  meio de suas bolas. Ele solta um palavrão alto, enquanto pousava sua mão direita sobre a área dolorida. 

-Filho da puta!-acerto a sua cabeça, com a primeira coisa que avisto pela frente.-Você vai pagar por isso!

Justin coloca uma das mãos em sua cabeça, se sentindo tonto e, agora que percebo com o que eu o acertei. 

Um copo de vidro!

Sua testa minava um pequeno sangramento, e ele tem que se apoiar nas paredes. Desmaia logo seu verme!

-Me ajuda...olha o que você fez.

-Isso é pouco. Já disse para não encostar em mim, querido padrasto.-abro um sorriso satisfatório.-Nunca abaixe a guarda para uma mulher, ainda mais se tratando de Ariana Grande. 

-Você vai pagar por isso.-ele começa a rir do nada, e eu não faço nada além de encará-lo.-Ainda vai implorar pelo o pau afundando nessa sua boceta. 

-Cale essa boca!-acerto um tapa, do lado direito do seu rosto sem dó alguma.-Minha mãe vai saber de tudo isso!

-Vá em frente, é a sua palavra contra a minha.

-Ela vai acreditar em mim!

-Não seja tola. Elisa está cega de amor por mim. Ela confia em mim e no meu amor.

-Por que diabos está fazendo isso?-grito.

-Porquê eu quero foder com você, Ariana. Eu penso nisso desde que coloquei os meus olhos em você. Venha cá e me satisfaça. 

Eu não consigo conter a minha risada. Estou mesmo ouvindo tamanho absurdo? Mas o que me preocupa não é só as coisas que ele diz, mas sim a minha mãe. Elisa está perdidamente apaixonada por esse crápula, e eu não faço idéia de como agir em relação a isso. 

Por mais que me deixaasse puta por admitir, em uma coisa esse desgraçado tinha razão: ela o amava. E nada mudaria esse fato assim tão fácil. 

Eu precisava de provas e iria consegui-lás. De qualquer forma!

-Tudo bem.

-Tudo bem?-pergunta confuso.

-Eu quero experimentar. Quero foder com você.-faço o possível para me manter convincente. 

 Ele me olha boquiaberto, é óbvio que está chocado com a minha atitude inesperada, mas o invés de questionar, ele me puxa para um beijo intenso. Eu pensei que ele estava prestes a desmaiar, mas ainda tinha forças para me beijar. E o que eu poderia fazer? Se eu quisesse provas, eu teria que entrar no jogo dele. Precisava fazê-lo acreditar, que eu realmente o desejava e que também queria foder com ele. Se eu rejeitasse aquele beijo colocaria tudo a perder.

E se tem uma coisa que eu odeio é perder!

Mesmo com nojo, eu retribuia ao seus desejos naquele beijo quente e avassalador. 

-Mas não aqui.-me afasto de seu braços, quando suas mãos estavam prestes a tocar minha intimidante. 

-Por que?

-Você precisa levar a roupa da minha mãe e eu tenho outras coisas para fazer.

-Mas vai ser só uma rapidinha.-dou um tapa em sua mão, quando a mesma ameaçava voltar a me tocar.

-Eu não sou mulher de rapidinhas. Eu quero uma transa de verdade.-mordo o lábio inferior de uma forma bem sexy. -Ou você não é capaz disso, querido padrasto?

-Eu vou te mostrar como sou capaz.-sua mão agarra a minha bunda.-Hoje a noite. Sem falta.

-Combinado.

Não fico sequer mais um minuto ali. Eu não queria prolongar aquilo, não queria que ele me tocasse de novo. Era perturbador a forma que ele me tocava, a forma que me beijava...e a forma que eu o beijei! A vontade que eu tinha, era de morder aqueles lábios até sangrar. Eu queria vê-lo machucado! Queria vê-lo ferido de alguma forma, assim como eu estou agora!

Meu Deus! 

O que o Austin pensaria de mim se soubesse do que eu fiz? Se bem que eu não considero aquilo como uma traição, pois eu nunca quis. De maneira nenhuma! Austin é o único homem que eu amo e desejo. O único que eu deixaria me tocar daquela forma. Mas ele não acreditaria em mim, se soubesse do que houve. Ele é um homem bom e compreensível, mas não quando se tratava de ciúmes.

Mas agora eu tenho algo mais grave a se pensar: sobre hoje a noite. 

            Justin Bieber


-Por que você demorou tanto?-a chata da minha esposa perguntava pela sei lá, talvez milésima vez.

-Eu já disse. O trânsito não estava dos melhores hoje.

-Eu pedi que a Ariana trouxesse. Não sabia que você ainda estava em casa.-diz com aquele ar de desconfiança, enquanto se trocava na minha frente. 

Elisa trabalha na minha empresa a mais ou menos sete anos. Ela sempre sentiu algo por mim, mas começamos a nos envolver mesmo a poucos semanas. Tudo começou quando ela foi promovida a gerente de operações, e  a partir dali, eu comecei a vê-la com outros olhos. Não acredito que o que sinto por ela seja amor, pois se fosse eu não ficaria me masturbando, pensando na gostosa da filha dela.

 Ariana Grande, me deixa de pau duro desde que eu a conheci. Eu só quero fodê-la, nem que seja por uma vez. E será essa noite. Ainda estou surpreso com a sua atitude repentina, mas ao lembrar do nosso beijo abro um sorriso malicioso. Ela me quer sim!

-Desculpa, eu acabei me atrasando demais.

-O que é isso na sua testa?-pergunta, notando o pequeno corativo que se encontrava no meu lindo rosto. 

Minha cabeça ainda está bastante dolorida, tomei alguns dos comprimidos que encontrei no meu carro, mas até agora não melhorou nada.

-É só um machucado qualquer.

-Quer que eu cuide disso?

-Não, eu estou bem. Vamos voltar logo ao trabalho. 

-Quer dizer começar, né? Você acabou de chegar.-ela acha graça, abrindo um sorriso radiante para mim. 

Ela está feliz. Mas eu sequer disse nada, o amor é algo estranho mesmo.

-Pois é, então vamos. Eu quero ir logo para casa.

-Ae? E eu posso saber o por quê?-pergunta, envolvendo os braços em meu pescoço.

-Segredo.-selo nossos lábios brevemente.-Agora mãos a obra. 

-Sim Senhor.

E ela some da minha sala.

Confesso que sequer conseguir trabalhar. Eu olhava o relógio de cinco em cinco minutos, mas as horas não queriam passar. Para cada minuto, era uma eternidade. Eu só queria chegar logo em casa, queria que Elisa fosse logo para cama, para que eu pudesse enterrar todo o meu pau na boceta da minha enteada. Mas o relógio parecia não cooperar comigo.

Por duas vezes, eu tranquei a porta do meu escritório e me masturbei. Me masturbei pensando nas curvas, e nos beijos de Ariana. Eu tinha inúmeras idéias bem quentes e eróticas para fazer com ela. Aquela boca atrevida, iria fazer um belo trabalho por toda a extensão do meu pau. 

E eu gozei. Gozei várias vezes gemendo o seu nome. Por todos esses anos, nunca fiquei tão loco de desejo por uma mulher, como eu estou agora.

Então quando finalmente chegamos ao fim do dia, eu só pude agradecer por enfim colocar os pés em casa.

-Filha, nós já chegamos.-anunciou Elisa. 

-Boa noite mãe.-meus olhos se dirigiram para a escada, a onde a gostosa da minha enteada se encontrava. 

Ela está usando um pijama vermelho bem curto, e não consigo deixar de olhar para as suas belas pernas.

-Boa noite, padrasto.

-Uma ótima noite, querida enteada. -não consigo esconder o  sorriso ao vê-la.

Ela está ali. Pronta para mim!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...