História Daddy - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Bdsm, Drama, Hentai, Lemon, Sad, Sexo, Tristeza, Yaoi
Visualizações 87
Palavras 1.187
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, Literatura Feminina, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Ah para as novatas aqui, saibam que eu sou meio louca e a terra é um cubo cor-de-rosa! Enfim, eu queria que vocês escolhessem nomes para as personagens, não, eu não vou usar nomes a partir daqui, mas seria como os personagens de vídeos-games que têm nome mas ele não é usado na história, com o a Ayano asihi, vocês escolhem os nomes e chamaremos eles assim nos comentários!


Feliz Loba?

Capítulo 6 - Trabalho


    Eu fui gentilmente acordado com um café da manhã completo servido na cama. Deixei um sorriso fraco tomar meu rosto, pude notar a preocupação nos olhos do Daddy, suspirei. Vê-lo preocupado me deixava ainda mais triste, eu não tinha ideia de que tinha depressão, mas agora que a médica disse isso eu percebi o quanto o problema é real.

- Eu não vou trabalhar hoje, podemos passar o dia inteiro juntos! – ele disse, olhei pra ele meio triste.

- Está dizendo isso porque eu estou triste? – perguntei.

- Não é só por isso, e não é como se eu não quisesse ficar com você por um tempo tá?! – ele disse meio alterado – Bem... Não é só por isso, eu me preocupo! – ele se sentou ao meu lado na cama, encostei minha cabeça em seu ombro, ele estava quente.

- Daddy, você comeu alguma coisa? – perguntei, ele fez que não com a cabeça.

- Coma! Eu passei um bom tempo fazendo isso pra você! – ele disse, olhei para o prato á minha frente, tinha um misto quente, um copo de café com leite e umas bolachas de chocolate, peguei a xícara azul e bebi um pouco do café, estava muito quente. Eu senti minha língua queimar.

- Está quente! – eu reclamei, ele riu achando engraçado. Bufei fazendo um bico, ele se aproximou e beijou minha boca.

- É que eu não estou acostumado a preparar o café da manhã, normalmente você quem faz! – ele respondeu Daddy sempre gostou da comida que eu faço; quando não faço a comida ele pede por Delivery. Me pergunto como seria se eu não morasse com ele, será que ele comia só pizza?

   Deixe o café esfriando na cabeceira da cama e peguei o sanduiche, mordi um pedaço. Obviamente estava muito bom, o queijo estava derretido e o presunto estava no meio, do jeito que eu gosto. Enfim, eu comi tudo incluindo as natas que eu odeio, mas engoli pensando no esforço que ele fez pra me agradar.

- Obrigado Daddy... – eu disse com um meio sorriso, ele parecia exausto como sempre. Se me lembro bem ele ficou mais e mais exausto desde que vim morar com ele, quando o conheci naquele beco ele tinha uma boa aparência, isso me faz um pouco triste eu não quero ser um fardo pra ele. Ele trabalha e cuida de mim, enquanto eu fico relaxando o dia inteiro em casa, lavar uma louça e limpar um chão não se compara ao que ele faz por mim, ficando até tarde num computador resolvendo contas pra ganhar dinheiro pra gastar comigo, de repente me senti horrível.

- Fico feliz que você gostou! – ele disse, continuei olhando para minhas próprias mãos. Senti ele tocar meu ombro – Algum problema? – ele perguntou.

- Daddy, eu quero um emprego! – falei me virando rapidamente pra ele que pareceu surpreso com o meu pedido repentino. Daddy passou as mãos no cabelo rapidamente, ele estava pensativo.

- Um emprego né... Mas eu já trabalho e ganho bem! – ele disse me olhando nos olhos.

- Olhe pra você, está exausto! – eu disse – Eu não quero ser um fardo pra você... – sussurrei, ele me abraçou. Seus braços eram tão confortantes, seu corpo era quente e seu cheiro maravilhoso. Eu gostava de sentir suas mãos acariciando minhas costas, me trazia lembranças boas.

- Você não é um fardo pra mim, sempre arruma a casa e faz a comida. Sabe, eu que estive pegando horas extras sem parar e acabei te deixando sozinho desculpe, mas fiz isso por você! Então não precisa se preocupar comigo! – ele disse isso e logo depois me beijou.

- Daddy, você precisa dormir pelo menos oito horas sabe... – eu disse, ele sorriu e me deitou na cama, senti seus lábios no meu pescoço. Soltei gemidos baixinhos, ele sabia bem como fazer aquilo. Ele se levantou, olhei para ele confuso. Daddy começou a trocar suas roupas, ele iria trabalhar? Fiz um biquinho. Estava irritado, por que ele tinha que ir trabalhar?

- Eu sei o que você deve estar pensando, mas eu já disse que não vou trabalhar hoje! – ele falou me olhando.

- Então aonde você vai?! – perguntei.

- Você vem comigo, quer arrumar um emprego né? – ele respondeu, não achei que ele fosse aceitar, pulei da cama sorridente e o abracei.

- Sério que você vai arrumar um emprego pra mim? – perguntei animado.

- Sim, eu vou! Agora vá se arrumar! – ele disse me entregando uma toalha, e não era atoa, eu estava fedendo. Peguei a toalha e fui para o banheiro, mas parei no meio do caminho, Daddy havia tomado banho? Fui até ele com passos rápidos, ele me observou curioso.

- Você, tomou banho por acaso? – perguntei, ele riu e negou com a cabeça. Vi uma oportunidade ali, eu estava um pouco carente – Daddy toma banho comigo? – pedi com um tom manhoso.

- É o quê? Nunca fizemos isso antes, por que agora que estamos saindo? – ele perguntou, fiz um bico frustrado.

- Não marcamos nada ainda, vamos! – pedi, se ele negasse de novo eu seria capaz de fazer uma birra ali mesmo. Senti meu corpo ser erguido, Daddy me levou até o banheiro sorri por ter conseguido o que queria. Ele ligou o chuveiro e a água começou a cair, entrei primeiro sentindo as gotas caindo no meu corpo, suspirei ao sentir suas mãos na minha cintura, ele apertou com um pouco de força.

- Eu não posso me controlar com você fazendo esses joguinhos comigo... – ouvi sua voz grave perto do meu ouvido, os pelinhos do meu corpo se arrepiaram. Senti sua boca beijando minha orelha, me virei pra ele. Ele avançou para meu pescoço chupando com força, arranhei suas costas quando ele me mordeu.

- Daddy... – gemi, eu estava duro já e ele também estava. Olhei para baixo apenas para provoca-lo, não esperava que ele fosse empurrar minha cabeça pra baixo. Apenas obedeci e comecei a chupá-lo. Era grande, eu me engasguei e parei o que estava fazendo, ele me olhou sádico.

- Eu não disse que era pra parar... – ele falou puxando meu cabelo olhei pra cima encontrando seu olhar assassino. Senti meu corpo tremer, Daddy me ergueu com uma incrível facilidade e me penetrou com tudo, revirei meus olhos com dor e prazer.

  A água do chuveiro batia em nossos corpos, estávamos muito próximos naquele momento, ele me beijou novamente. Nossas línguas dançavam loucamente, ele desligou o chuveiro.

- Vamos para o quarto ou a conta de água vai nos deixar sem nada o mês inteiro... – ele disse calmamente, sorri com a ideia de ir para aquela cama quentinha com ele. E assim seguimos para o quarto, Daddy pegou meu braço e violentamente me jogou na cama, nem tive tempo de me virar e ele já estava me amarrando. Onde será que ele tinha colocado aquelas algemas para me prender tão rápido? Meus olhos foram cobertos por uma venda, gritei ao sentir o chicote batendo em minhas costas. Ele não estava me deixando respirar, cada coisa vinha inesperadamente.

- Não se preocupe, hoje vou te tratar como um príncipe! – ele disse maliciosamente.

  Eu mal podia esperar....

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...