1. Spirit Fanfics >
  2. DADDY 2 I Versão Final >
  3. Cap I 35

História DADDY 2 I Versão Final - Capítulo 31


Escrita por:


Notas do Autor


Primeiramente, parabéns as minhas inocentes crianças @CamizMalik e @baneguinha124 - quero bolo ❤️


esse é o penúltimo capítulo, e eu gostaria também de avisar que o capítulo final será postado no wattpad ( em breve )

Boa leitura minhas doces crianças e até logo 💛

Capítulo 31 - Cap I 35


Fanfic / Fanfiction DADDY 2 I Versão Final - Capítulo 31 - Cap I 35

O que teria acontecido se eu não tivesse procurado aquela mulher que me deu a luz? Acho, que isso é uma coisa que ficarei me perguntando por anos. Deitando no sofá e com a cabeça no colo do meu daddy, eu sentia Rodríguez fazendo cafuné em mim, com todo cuidado ele desviava do corte que havia em minha cabeça. Estávamos assistindo desenho quando a porta de casa é aberta, lentamente olhei e vejo Kátia com um semblante de alegria.

— Às vezes eu fico com uma pequena invejinha de ver vocês dois assim — brincou Kátia colocando a chave na mesinha. — Faz tempo que.... disse a tal parada ao meu lado — O que foi isso? — perguntou a minha tia apontando para o corte.

— Não precisa se preocupar ele está bem — respondeu Rodríguez acalmando a minha tia

— Sim, mais quem fez isso? — murmurou Kátia se abaixando pra examinar o corte — Meu Deus! — exclamou Kátia aflita 

— Se lembra daquele professor que mexia comigo? Bem, ele virou vice diretor do colégio e como era de se esperar ele veio zuar com a minha cara.. Eu não gostei e falei algumas verdades pra ele, logo depois só foi socos na frente do colégio — respondo com um leve sorriso no rosto. — Aí tia a senhora precisava ver eu socando a cara daquele nojento — concluo feliz

Ele tinha o dobro do seu tamanho, seu idiota! — murmurou Rodríguez preocupado — Mais a senhora não precisa se preocupar com aquele babaca, ele já teve o que mereceu — desabafou Rodríguez confiante

— Menos mal né, agora me falem como vai ficar esse menino em? — perguntou Kátia

— Como assim? — pergunto sem entender

— Garoto tu mal estuda! Primeiro você ficou comigo lá no hospital e em nenhum momento eu vi você indo pro colégio e agora você tá aí — questionou a minha tia.

— A senhora não precisa se preocupar com isso, eu vou pro colégio com ou sem corte na cabeça — respondo com um sorriso 'ainda bem que ela não sabe do rolo que teve naquela floresta nojenta'

— Lindo, eu já vou indo... — disse Rodríguez se levantando

— Mais já? — exclamou Kátia

— Sim, eu só estava espero por você.. Não queria deixar esse pestinha sozinho em casa e além do mais, eu preciso resolver alguns assuntos, mas, assim que terminar, eu passo aqui. Tudo bem, amor? — pergunto o meu daddy beijando a minha testa

— ...humrum

— Bem, já vou indo cuida dele tá Kátia.. — murmurou Rodríguez indo embora

Pode deixar! — gritou a minha tia com um sorriso no rosto

É nesses momentos que eu paro e penso 'eu tenho dezoito anos mesmo?'; esses dois têm uma mania de me tratar como criança, como pode isso?. Enquanto minha tia ía pra cozinha, eu me levantava do sofá com um olho aberto e o outro fechado 'estava morrendo de sono e pra falar a verdade não me lembro o dia em que dormir bem'. Calmamente coloquei a cabeça no travesseiro e sem ao menos perceber acabei adormecendo olhando pro teto....

......

Me acordei com alguns barulhos de pedra batendo contra a janela, meio sonolento me levantei e fui em direção a janela. Conforme eu andava a minha visão ía ficando cada vez mais turva 'senhor não me faça cair aqui!'.  Parado em frente a janela eu procurava a pessoa que estava jogando a maldita pedra 'quem foi que me acordou?'

Acenando e com uma cara de preocupação Deny me chamava para fora 'putz, se o Rodríguez ver esse garoto aqui vai ser briga na certa'. Aproveitando que a minha tia estava deitada saí e fui em direção ao meu meio irmão.

— O que houve Deny? — pergunto preocupado

É a mamãe Jeff, têm um cara batendo nela — comentou Deny nervoso

— Porque você e o Vini não bateram nele? — pergunto confuso

— Ele é maior que nós dois juntos, precisamos da sua ajuda — argumentou Deny colocando a mão no meu ombro

Eu sei que a Maria era uma baita vadia, mais querendo ou não ela é a minha mãe... Respirei fundo e fui ajuda lá 'se de merda, eles que me ajudem'.. Enquanto Deny corria pelo quarteirão eu o seguia logo atrás, rapidamente chegamos na casa da 'mamãe', entrei já preocupado enquanto Deny trancava as portas

— Porque você tá trancando as portas? — pergunto o analisando

Ele não pode fugir! Eu preciso matar ele! — murmurou Deny segurando na minha mão — Vêm, eu preciso da sua ajuda! —

Uma sensação de medo foi o que senti quando passei pela sala, observei tudo conforme andava pela casa e algo estava estranho 'como teria uma briga aqui se está tudo arrumado?' — penso enquanto parava completamente.

— Deny, espera! Não tem ninguém aqui — questiono parando na cozinha

— Jeff, eu posso te falar uma coisa? — perguntou Deny de costas pra mim.

Deny eu preciso ir pra casa, minha tia deve está preocupada comigo

Sabe quando você ama muito uma pessoa e não se ver longe dela? Bem, é isso que eu sinto por você. Todos esses anos eu só mexia com você porque eu te amava e ainda te amo — comentou o meu irmão tirando a camisa — E eu não gosto de ver ninguém tocando no que é meu! — concluiu Deny se virando e olhando nos meus olhos.

Puta que pariu! Porque eu saí?

Espera, espera! E a Letícia? Quero dizer, vocês não namoravam? pergunto me afastando lentamente

— Ela só foi uma ficada! Era você quem eu realmente queria fuder! Agora vêm aqui! — ordenou Deny

Olhei para todos os lados e a única coisa que vi foi uma panela pendurada, por impulso joguei a panela na cara dele.. Enquanto ele gritava pra não fugir, eu me trancava no quarto da Maria. 

Jeff, olha a merda em que você foi se meter! — penso nervoso — Caralho, como eu vou sair daqui? —

Por sorte no quarto da mamãe tinha uma janela, só que eu não sabia se conseguiria passar por alí, mas, não custava tentar. Com chutes e murros Deny tentava derrubar a porta.

Jeff abri a porta, foi tudo uma brincadeira de irmãos — gritou Deny eufórico

Brincadeira? Porra, tu és um doente nojento! — grito enquanto tentava passar pela janela.

De repente, a porta é arrombada.. Naquele momento a única coisa que eu mais queria era ter ficado em casa.

Estava prestes a pular quando a minha visão começou a ficar zonza, aproveitando a oportunidade, Deny se aproximou rapidamente de mim, me segurou e logo em seguida me amordaçou. Com a visão meio escura e com a cabeça doendo, eu tentava gritar por ajuda, como Deny era mais forte ele me jogou na cama e fez com que eu ficasse imóvel.

Você é a coisa mais perfeita desse mundo — murmurou o meu irmão passando a mão no meu rosto — Eu quero te fuder! — 

Eu pensei que isso nunca aconteceria comigo! Eu vou ser estuprado mesmo?'

Por favor, eu não quero! EU NÃO QUERO... — murmuro com um pano na boca, como Deny estava tão ocupado em seus pensamentos obscenos ele não pode me ouvir.

Foi tirando a calça que eu pude ter a  certeza que Deny iria me estuprar, as dores que eu sentia na cabeça não era nada comparado aos gritos de ajuda que eu pedia. Já excitado Deny começou a rasgar as minhas roupas.

::: contínua :::


Notas Finais


revisado.: 16.05.2020💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...