História Daddy Issues (Em reforma) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Homem de Ferro (Iron Man), Robert Downey Jr.
Personagens Anthony "Tony" Stark, Personagens Originais, Robert Downey Jr.
Tags Daddy, Ddlg, Drama, Homem De Ferro, Iron Man, Kristine Froseth, Lolita, Pov, Robert Downey Jr, Romance, Tony Stark
Visualizações 31
Palavras 1.207
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Literatura Feminina, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Please Mr.Stark.


Fanfic / Fanfiction Daddy Issues (Em reforma) - Capítulo 2 - Please Mr.Stark.

Quarta-Feira (Amélia POV)

Acordei quase na hora do almoço, agora que eu não estava mais na escola interna poderia dormir bastante sem me preocupar com a agenda. Tomei um banho rápido e fui me vestir. Minha mãe tinha comprado algumas roupas pra mim antes de eu chegar aqui, eu não gostei delas, se eu quero experimentar um pouco de liberdade deveria começar pelo meu estilo. Peguei um dos vestidos que ela tinha comprado, ele era todo branco e na altura do joelho. Cortei deixando ele bem curto ele caiu como uma luva em meu corpo. 

A casa de hóspedes era ótima também, não tanto quanto a mansão, claro. Ela é bem pequena na verdade, mas bem aconchegante e elegante. A casa estava silenciosa e deduzi que minha mãe estava na mansão, resolvi ir na cozinha comer alguma coisa. Peguei uma maçã na geladeira e me joguei no sofá pra ver TV, na verdade desde que cheguei aqui, assistir TV é a única coisa que faço, vivo na promessa da minha mãe de que ela irá comprar um celular pra mim em breve. Eu estava complemente entediada e após terminar meu desjejum resolvi ir até a mansão para implorar mais uma vez por celular e roupas novas antes das aulas começarem.

É alguns metros entra a nossa casa de hóspedes e a mansão, mas a vista é maravilhosa, um jardim enorme, pássaros cantando, eu me sentia dentro de um palácio. Entrei na mansão estava vazia, comecei a caminhar silenciosamente entre um cômodo e outro e não tinha nem sinal da minha mãe. O lado bom é que eu poderia usar isso como desculpa para andar por aí. Após olhar praticamente cada cômodo do andar debaixo, parei em frente à escada, me questionando se eu poderia subir ou não. Se minha mãe não está aqui, o Sr.Stark provavelmente também não, e além disso, o que de ruim poderia acontecer? Sob o pretexto desse pensamento, subi as escadas. As enormes janelas de vidro revelavam uma vista maravilhosa. Avistei uma sala com uma porta entre aberta, me aproximei devagar e olhei cuidadosamente pelos centímetros livres que haviam. Fiquei gelada quando o vi, ele estava lá sentado em uma cadeira, usava terno e gravata e dessa vez tinha o cabelo arrumado. Toda sua postura e o ar de superioridade que ele exalava o deixava mais bonito. Me distraí tanto que sem querer acabei me apoiando demais na porta atitude que fez a mesma se abrir. Tomei um susto enorme e ele me olhou rapidamente.

- O que está fazendo aqui? - Perguntou

- Eu... Eu estava procurando a minha mãe.

- Ela não está, foi resolver umas coisas pra mim. - Respondeu. Ele tinha uma expressão seria em seu rosto e ainda não tinha tirado as mãos do computador.

Apenas fiquei parada encarando ele, não sei o que deu em mim, apenas não consegui me mover.


                             (Tony POV)


Tive uma reunião hoje cedo, quando cheguei em casa não almocei, fui diretamente para o escritório analisar algumas coisas. O dia estava sendo bem estressante, as coisas não tinham ido bem na reunião e por algum motivo eu não conseguia me concentrar no trabalho, até que do nada a Amelia apareceu. Ela estava vestindo um vestido curto cujo uma das alças caia em seu ombro, estava descalça e seu cabelo caia delicadamente em seu rosto. Provavelmente pensou que estava sozinha e quis olhar a mansão. Parecia assustada ao me ver, talvez já tivesse ouvido sobre minha reputação através de pessoas que não gostavam de mim.

- Precisa de algo? - Perguntei.

- Não, quer dizer, sim. Poderia me fazer um favor? - Ela se aproximou e eu concordei.

- Poderia pedir pra minha mãe me dar um celular? O meu antigo não funciona mais e ela está me enrolando, também não tenho roupas pra vestir, ela comprou calcinhas de vovó pra mim e...

Quando percebi ambos estávamos rindo. Achei que ela era do tipo que não falava muito, mas aparentemente só precisa de alguém que a escute.

- Eu? Como devo chegar pra sua mãe e pedir pra comprar calcinhas normais pra você? - Ela estava me encarando com um sorriso enorme em seu perfeito rosto.

- Ela vai fazer tudo que você disser. Ela tem uma queda por você! - Ela se aproximou ainda mais e apoiou suas mãos na mesa. Me olhou fazendo uma expressão engraçada após falar e eu retribui com a mesma expressão. Eu nunca tinha pensado dessa forma sobre a Evelyn, na verdade acho que ela é uma das poucas mulheres que eu nunca flertei, ela cuidava de mim como se fosse uma mãe, nunca pensei nela dessa forma.

- O que você faz? - Ela perguntou me livrando dos meus pensamentos.

- O que eu faço?

- É, no que trabalha? - Ela veio até o meu lado e sentou na mesa, enquanto olhava o computador de lado.

- Sou dono de uma fábrica de armas avançadas para militares.

- Merda, é sério? - Ela cruzou as pernas, que estavam bem próximas ao meu rosto e eu tentei desviar meu olhar para o computador.

- Sim.

- Você tem alguma arma aqui?

- Isso não é coisa para alguém da sua idade. Quanto tem? 14? 15? - Eu sabia sua idade, só queria provocá-la.

- Eu tenho 16, quase 17. - Me olhou séria e desceu da mesa. Não pude evitar encarar sua silhueta.

Ela começou a olhar o cômodo e mexer em algumas coisas. Geralmente quando eu converso com as pessoas, eu não olho para elas, mas eu poderia passar horas olhando a Amélia. De repente a consciência tomou conta e sua idade me veio na cabeça de novo. Desviei o olhar para o computador novamente.

- Você é sempre tão curiosa assim?

- Tem fotos suas em todos os lugares aqui. Você é sempre tão narcisista assim?

- Sou. - Respondi com um sorriso provocante em meu rosto.

Ela se aproximou de novo e ficou parada me encarando. Afastei a cadeira rotatória da mesa e fiquei de frente para ela.

- O que foi agora?

- Posso usar a piscina?

- Absolutamente não. Não quero um bando de adolescentes unirando na minha piscina, só eu posso fazer isso.

- Que bando de adolescentes? Eu nem tenho amigos!! - Ela suspirou.

- Não.

- Por favor Sr.Stark!!

- Não.

- Por favor??

- Não.

- Por favor, por favor, por favor! - Ela repetia rapidamente como um cd arranhado até que do nada ela se ajoelhou na minha frente. Toda aquela situação, eu sentado em minha cadeira e ela de joelhos implorando por algo. Preciso me concentrar em outra coisa e tirar isso da mente.

- Ok!! - Falei rapidamente e quase alto. Ela abriu um sorriso enorme e se levantou.

- Obrigada! - Apoiou suas mãos nos braços da cadeira e deu um beijo rápido em meu rosto. Nos encaramos por alguns segundos quando ouvimos buzinas lá embaixo e ela saiu correndo enquanto ria, provavelmente deduziu que era sua mãe. Eu fiquei lá, sentado, um leve sorriso em meu rosto. O que está acontecendo? Ela tem 16 anos pelo amor de Deus. Ela tem 16 anos e eu não consigo parar de pensar nela. 


Notas Finais


Como esse tá pequeno resolvi postar hoje também, amanhã estarei postando o terceiro e prometo que vai está muito bom <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...