1. Spirit Fanfics >
  2. Daddy's Little Gangster - Imagine Jungkook (BTS) >
  3. 67. This Big Family

História Daddy's Little Gangster - Imagine Jungkook (BTS) - Capítulo 68


Escrita por: angelsophih

Notas do Autor


Espero que gostem!

Capítulo 68 - 67. This Big Family


Fanfic / Fanfiction Daddy's Little Gangster - Imagine Jungkook (BTS) - Capítulo 68 - 67. This Big Family

Vi todos correrem pela sala rindo e gritando com sorrisos no rosto, Jungkook me fitou confuso

Eu estava grávida

Peguei o teste na mão e guiei a mão de Jungkook ao meu ventre, ele sorriu grandiosamente com um brilho nos olhos, ele piscou rapidamente afastando as lágrimas e me abraçou, eu sei o quanto Jungkook queria outro filho, e sei o quanto faria bem a ele.

Por mais que Jungkook seja um garoto frio e calculista, era diferente quando estava por perto da filha, e era muito além de não deixá-la o conhecer verdadeiramente e seu trabalho, se tratava apenas de se tornar e se sentir outra pessoa quando estava com a inocência em pessoa. Jungkook não estava tão acostumado em ter uma familia,  perdeu os pais quando era apenas um garoto e quando tinha chance de uma pequena familia, foi arrastado pela vida e levado ao lado obscuro, onde nele, se mata para sobreviver. Comigo ele voltou a ser o garoto que era antes, e gostava daquilo, e eu sabia que a cada momento que a Emma crescia, mais Jungkook odiava seu trabalho, porque a cada momento que Jungkook saia ao trabalho, Emma lhe perguntava onde ele ia, e quando voltava com sangue, Emma lhe perguntava o que aconteceu... E eu sei o quanto o meu querido esposo odiava mentir para sua princesa.

O proximo bebê traria mais alegria para a casa, e Jungkook por um momento ficaria mais feliz esquecendo dos problemas

JK: Vamos ter mais um! - se juntou aos outros correndo

- Não gritem demais ou os vizinhos farão reclamações! - ri alto

Senti meu corpo ser invadido pela felicidade, e automaticamente levei a minha mão ao meu ventre, onde uma nova vida se gerava.

- Aproveita bastante ai, temos 9 meses juntos...

Sorri e fui abraçar Jisoo

- Desculpe, não quis estragar o seu dia

Jisoo: E jamais conseguiria! Apenas o tornou mais especial! - ela riu

- E ai dentro faltam apenas 7 meses! - acariciei sua barriga e ela riu - Será menino ou menina?

JM: Eu queria uma garota, mas ficarei feliz com qualquer um! - ele sorriu abraçando a recente noiva

- Bem, vão aproveitar a sua noite! Daqui a pouco é a lua de mel de vocês! PAra ser mais especifica - fitei o horario em meu telefone - em 4 horas

Rimos e os dois me abraçaram

- Tenham uma boa viajem!

Eles acentiram e sairam

- Ok! Terminamos de comemorar essa grande noticia amanha! - gritei na sala - Estou morta e não vejo a hora de me deitar!

Eles riram e acentiram, subi ao meu quarto e tomei um banho quente, a felicidade em mim radiava em todo meu corpo, eu sentia a adrenalina correr meu corpo, me dando sorrisos inesperados. Me sequei e coloquei um pijama quentinho, afinal, não era uma noite incrivel de verão, era apenas uma noite de brisa fria

Assim que sai de meu banheiro, pude ver Jungkook com um sorriso no rosto fitando o teto

- O que te deixa tão sorridente, hm?

JK: E você ainda pergunta? - ele se senta 

- Apenas gosto de ver esse sorriso

Lhe dou um selar e ele se levanta indo tomar um banho, me deito em minha cama e então o sorriso já conhecido invade meu rosto, rasgando aquele rosto sem expressão

Teriamos outro bebê!

Passei a ponta do dedo indicador por minha barriga, sorrindo

- As vezes eu acho que o seu pai é meio piradinho... Mas eu amo ele desse jetinho - ri fraco

Não demorou a Jungkook voltar e correr para a cama, me abraçando e enchendo minha barriga de beijinhos

- Aish! Temos o pai babão de volta

Ele riu e me deu um selar me fitando

- Finalmente, paz...

Ele acentiu

JK: E quando nós vamos para a nossa lua de mel, hm?

- Nos casamos a tanto tempo, ainda pensa nisso? - ri fraco

JK: Nunca tivemos uma viajem apenas nos dois!

- Ok então faremos uma

Ele sorru vitorioso

- As vezes, fico pensando, como as coisas seriam se eu não tivesse te conhecido

JK: Bem tristes... - ele riu

- O que teria feito se eu tivesse morrido na primeira vez que estive em risco mortal?

JK: Não diga isso - franziu o cenho mas então pareceu pensativo - Eu passaria todos os dias da minha vida chorando, por perder o amor da minha vida, jamais conseguiria me casar com alguém, pois sempre estaria em minha mente...

Sorri fraco

- Então prometo nunca ir embora

JK: Naquele dia do tiro, que estavamos ainda no apartamento, achei que morreria, eu... Eu pensei que não poderia ver mais o seu sorriso, mas o pior de todos foi o das docas

- Me desculpa...

JK> Você estava no chão e gelada, eu achei que nã teria mais você. Que seria apenas eu, que recuperaria Emma e seriamos nós, e eu não estou pronto e nunca estarei para te deixar

Sorri triste e acariciei sua bochecha

JK: Eu prometo nunca te deixar ou te magoar, se você me prometer o mesmo

- é claro que eu prometo

JK: Então é uma promessa

Sorri e lhe ei um beijo demorado dando um leve sorriso no final

- Boa noite...

JK: Boa noite princesa

Fechei meus olhos e ali entrei em meu mundinho particular

As vezes eu queria que promessas fossem cumpridas

Suga povs on

Depois de uma longa noite e madrugada de festa, dormi como um anjo com a minha princesa, mas logo meu sono foi interrompido

As cortinas de novo!

Maryah sempre esquecia de fechar as malditas cortinas, aish como eu odiava isso! Me levantei e as fechei, deviam sem 7 horas quando acordei, logo me deitei novamente, me cobrindo e resmungando baixo pelo sono interrompido, voltei a dormir e apenas fui acordado mais tarde por Maryah se mexendo em meus braços, abri os olhos e ela ainda dormia perfeitamente, parecia uma criança em meus braços, era delicada entre aqueles braços rabiscados de tinta preta.

Eu tinha medo, e não era pouco. Tinha medo de ela encontrar um outro alguem, e esquecer de mim, afinal eu era um protetor para ela, as vezes eu me esquecia que era seu namorado, mas isso tudo porque passei anos apenas sendo seu protetor, sendo um irmão para ela.

Sei o quanto ela é cobiçada em sua escola, e sei mais ainda o quanto os garotos babam por ela, e eu tive que aprender a lidar com isso, afinal ela é nova, mas não sei lidar com a possibilidade de perdê-la, por isso me torno extremamente obssessivo com o fato dela estar perto de outros caras. Perdê-la não esta nos meus planos...

Ela abriu os olhos vagarosamente e então me fitou, dando um leve sorriso riscado em seus lábios de extrema perfeição, piscou algumas vezes e ent~´ao afundou o rosto em meu peito me fazendo dar um sorriso

Maryah: Podemos ficar na cama hoje?

- Não mesmo, vamos dar um passeio

Ela murmurou e então eu ri afagando seus fios louros, respirei fundo e apenas aproveitei o momento, me levantei e tomei um banho, logo vestindo uma camisa de mangas curtas preta lisa de botões pretos, coloquei uma calça destroyed preta e um tênis preto, bagunçei meu cabelo e coloquei um casaco verde musgo por cima, estava frio lá fora, e eu sabia disso sem sair de casa, Maryah tomou um banho longo e ja saiu do banheiro vestida, com uma calça jeans e uma blusa de lã cinza com gola, apenas colocou suas botas, ela sentia muito frio,  e eu achava tão fofo.

Assim que colocamos o pé para fora do quarto, não havia uma alma penada na casa que não fossem as empregadas limpando, estava frio, e nesses dias todos ficavam em seus quartos, o que eu costumava fazer, mas queria passar um tempo com minha pequena, saimos de casa e senti a brisa bater em meu rosto, segurei a mão de Maryah e andamos tranquilamente pelas ruas da agitada Seul, era 12:00, e milhões de carros passavam pelas diversas ruas seguindo seus caminhos para os locais destinados a irem, já eu e a pequena Maryah, fomos ao nosso destino, a cafeteria da quinta avenida.

Era um local quentinho e aconchegante, nos sentamos em uma mesa e pedi dois chocolates quentes e um prato de waffles, que não demoraram a chegar, eu sei que as pessoas a nossa volta nos encaravam pois bem sabiam quem eramos, mas eu tentava ao máximo ignorar esses olhares, afinal, não eram estes que me interessavam no local, e sim da menina que estava sentada em minha frente.

Ela tomava o chocolate quente e fitava a rua lá fora, o sol se escondia atrás do tempo fechado e carregado, dando a impressão de uma futura chuva, que deixava o dia meio melancólico.

Dei um gole no chocolate quente e soltei um riso escapado e quase imperceptível, mas a mais nova me olhou sorrindo

Maryah: O que foi?

- Nada, você fica concentrada lá fora, é fofo

Maryah: Eu gosto de ver o mundo la fora, é bonito

- Até nesses dias? - digo com a sobrancelha arqueada

Maryah: Até nesses dias. São os mais bonitos, e sabe porque? - neguei cuurioso - Porque nesses dias vemos os verdadeiros semblantes das pessoas.

Acenti, ela tinha uma mente incrível. Sorri fitando cada pedacinho de seu rosto, seus lábios, o nariz fino e os olhos grandes e verdes penetrantes, me lembro como se havia de ter sido ontem, quando vi aqueles olhos verdes me encararem pela primeira vez. E então ela me fitou de volta, mas em momento algum desviei meu olhar, e apenas pensei o que passara em sua mente agora, mas essa pergunta foi direcionada a mim

Maryah: No que esta pensando? - disse logo dando um gole em seu chocolate quente

- Na vida... E como ela me da os melhores presentes

Maryah me fitou confusa então soltei um riso fraco

- Você, minha pequena, foi o melhor presente que eu pudee ganhar da vida - olhei para fora, procurando em minha mente palavras - A vida me deu os meninos, me deu poder e coragem, mas nenhum deles se compara com você, e sabe porque? - ela negou corada - Porque eu posso perder tudo nessa vida, mas se eu perder você eu me perco de mim, e acabo morrendo sem rumo

Ela sorriu fraco e eu acariciei sua mão

Terminamos de comer e então fomos embora, ela entralaçou seus pequenos dedos em minha mão e caminhamos pelas ruas da cidade, vendo as vitrines e sorrindo ao ver as crianças passarem, era fofo e era extremamente perfeito.

Ao caminho de volta, a chuva começou a pingar logo se tornando intensa, vi Maryah soltar um gritinho animado e riu, girando na chuva, ela amava a chuva...

- Maryah vamos antes que fique doente! - ri fraco e ele me puxou para perto dela, as pessoas corriam da chuva nas ruas, como se fosse as matas, e nós ali no meio, eramos meros suícidas.

Segurei sua cintura e sorri, lhe dei um selar e ela riu

- Um beijo na chuva hm? Não é meio clichê? - Sorri

Maryah: Quando é amor, nada é clichê, é apenas poético.

Sorri antes de juntar nossos lábios em um beijo namora

Era naquele momento que eu queria morar para sempre

1 mês depois

Katharinna povs on

De acordo com os momentos, as coisas iam mudando, e bem posso dizer que não se tornavam boas.

EU descobri que atos tem consequeências, e que nem sempre, estas são boas.

Voltei ao trabalho, tomei as rédeas das empresas de meu pai, mas perdi meu esposo.

Bem, nem eu conseguia entender, os ocorridos, mas sabia bem que a promessa havia sido quebrada.

Prometo não te deixar ou te magoar

Como eu queria que promessas jamais fossem quebradas.

Desde que entrei no trabalho, e passei noites tentando colocar as empresas em seus devidos lugares, as mantendo longe dos riscos de falência, vi Jungkook se desvincilhar de mim, eram agora, raras as vezes pelas quais sentavamos juntos para conversar, ele se afastara cada vez mais, e agora, as unicas coisas trocadas em um dia eram um sorriso culposo dele através da sala. E por que? As coisas perderam seus encantos. E como? COm uma marca desconhecida no fundo do pescoço daquele que amava.

EU sabia bem o que era, e sabia que algo não estava certo, mas por muitas vezes, preferi ignorar do que o confrontar, podia ser apenas delirio meu, mas eu sabia que ele tentava esconder aquilo, mas não durou muito tempo aquele seu plano, pois rapidamente vi a marca roxa em sua extensão, e ele sabe que eu vi, pois fiquei calculista, olhando aquele espaço. E eu sabia que aquilo não havia sido eu.

Era apenas mais uma noite fria em Seul, eu estava cansada e acabara todos os formulários daquele dia, fitei a mesa e vi a foto da minha familia sorrindo

- Aish se vocês estivessem aqui - sorri triste, eu não estava bem.

Fitei o rosto de meus irmãos na foto e sorri, fechei meus olhos e lembrei dos momentos em que corriamos pela porta deste escritório, nós três pequenos, fazendo nosso pai rir de nossas palhaçadas, mas log pensei, isso não existe mais

Estão mortos e eu me tornei uma adulto, não mais auqela garota inocente que corria em volta da mesa e sentava no colo do papai e o ajudava com os trabalhos. Eu não era mais aquela garota, agora era uma mulher que sentava nessa mesma cadeira que meu pai, mas não tinha aqueles dois cabeções puxando meu cabelo ou me provocando.

Uma batida na porta se fez presente, murmurei uma permissão e vi Jimin enfiar a cabeça dentro da sala, sorri para ele

JM: Estou indo embora, quer uma carona?

- Não obrigada Chim, estou de carro hoje - sorri - Diga a Jisoo que lhe mandei cumprimentos

Ele acentiu sorrindo e saiu da sala, ele tinha se mudado e agora morava com a esposa, com um bebê a caminho, nunca vi Jimin tão feliz.

A porta foi aberta, revelando Lisa e Suga, que tinham leves respingos de sangue pelos braços

Lisa: Ok, conseguimos o dinheiro e a droga

- E Jackson?

Lisa: La em baixo no carro

- Ok! PEguem partes para vocês e depois coloquem o resto no cofre

Eles acentiram e sairam

Por mais que amasse ser a rainha de tudo, me sentia vazia.

Me levantei e peguei minha bolsa, ajeitei o blazer e sai da sala, assim que sai, vi Mark saindo da sala ao lado sorrindo

Mark: Oi minha princesa, quer ir tomar um café?

- Hoje não Tuan, tomei café demais essa semana, e acho que não vai fazer bem ao bebê - ele sorriu e acariciou meu ventre

Mark: Não posso acreditar que serei tio de novo

Sorri alegre, Mark tem animado cada um dos meus dias, e eu amava isso, tinha voltado a morar conosco, então eu passava mais tempo com ele

- Bem, quer que eu te leve para casa?

Mark: Pode ir na frente, vou encontrar os meninos antes, estão no bar

Acenti

- Jungkook esta também?

Mark: Os meninos disseram que ficou em casa, chegou cansado da prefeitura

Acenti, abraçei o mais velho que me deu um beijo na testa, peguei o elevador e desci ao estacionamento, destranquei o carro e entrei nele, jogando a bolsa no banco ao lado, girei a chave e dei ré, saindo do estacionamento.

21:00, o horário mais trnaquilo da noite para andar de carro em Seul, era calmo, sem muito trânsito, e era esse o horário que eu não costumava sair da empresa, sempre sai por vonta das 23:00, mas estava cansada demais para continuar ali, o bebê mexia com todos os meus hormônios e me dava mais sono que o normal.

Enquanto dirigia com a musica no rádio em um volume baixo, fitei as luzes da cidade enquanto pensava no futuro e no presente, e como tudo me parecia uma extrema confusão, na qual eu não me encontrava, estavamos onde queriamos, todos felizes da vida por estarem onde estão, mas para mim, algo me pareceu estranho, e eu sabia bem o que era, mas não queria admitir qualquer tipo de infidelidade, ou então estaria me entregando a fraqueza, algo que eu odiava fazer.

Mas estava a poucos quilômetros de fazer isso.

Não demorei a chegar em casa, destranquei a porta de entrada e pendurei meu blazzer, encontrei Emma sentada no sofá vendo televisão, lhe dei um abraço e um beijo que a fez rir, mas então aqueles gemidos ensurdecedores ecoaram em meus ouvidos

Subi as escadas e bati na porta de Maryah

- Maryah, por favor façam menos barulho! - digo intrigada

Não obtiv resposta

Abri a porta de seu quarto, estava vazio e perfeitamente arrumado, franzi o cenho e desci o corredor, mas a porta do quarto de Taehyung estava aberta.

Mas os gemidos continuaram, e quanto mais eu me aproximava daquela porta especifica, mais altos ficavam

Não pode ser! Pensei comigo assim que fitei a porta de meu quarto

Senti o meu sangue ferver, meu corpo estava preste a colapsar, mas também tão duro que não teria como cair, meu maxilar travou e senti meus ouvidos apitarem, vagarosamente abri a porta do quarto, e aquilo que me foi prometido, estava sendo descumprido ali.

Jungkook estava com outra na cama, na nossa cama, ali senti como se o mundo inteiro tivesse explodido, Jungkook não havia me visto, mas a garota ruiva logo me viu e gritou se cobrindo, com o lençol que eu havia arrumado mais cedo, Jungkook saiu de cima dela e me fitou assustado e arrependido, eu não conseguia diferenciar o que ocorria em seu semblante, mas sabia bem que o que eu sentia era nojo e repúdio.

Jungkook havia quebrado a promessa...

 

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...