História Dama da noite - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Visualizações 37
Palavras 2.150
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - Encurralada pela morte


Olhei para todas as direções da sala de estar quase que ao mesmo tempo. Todos me encaravam sem nada a declarar, senti um olhar de pena direcionado a mim. Sabia que ele vinha da Yui. Tentei voltar a correr, porém, meu corpo não me obedecia mais devido ao fato do extremo uso de magias localizadoras. Esta era a hora mais adequada para usar as balas contra sobrenaturais. As balas que mamãe fizera e que seriam capazes de matar qualquer tipo de seres sobre-humanos. A única coisa que me deixava hesitante era o fato de eu ter que desperdiçar seis balas, isso se eles não desviassem e eu conseguisse acertar o coração. Estava começando a ficar complicado para o meu lado e só me restava decidir logo. Assim que toquei na arma e estava prestes a pegá-la senti alguém me empurrar contra o chão e a arma acabou caindo do meu corpo. Apelar para magia não era uma opção, já que eu nunca fui boa com ataques mágicos. Mesmo com todo o meu poder eu só conseguiria parar um deles e no momento eu não possuía nem metade das minhas forças.

―Kanato você deveria ser mais civilizado. Esta garota era a minha presa eu a estava perseguindo. ―Disse Laito aparecendo no meio da sala.

―Por acaso foi você quem deixou que ela roubasse o Teddy Laito? ―Kanato ainda estava me mantendo ao chão.

Kanato era o mais baixo dos irmãos, mas ainda era uns dez centímetros mais alto que eu. Seus cabelos eram roxos com as pontas mais claras. Seus olhos também eram roxos e parecia que ele não dormia nunca, devido à presença de olheiras abaixo dos olhos. O que mais me assustava nele não era o quanto ele era bonito ou fofo, era o fato de ele ter uma personalidade duvidosa.

―Fala sério! Ninguém iria querer roubar aquele seu ursinho encardido. Vamos solte-a para que ela fuja e eu possa voltar a persegui-la. ―Disse Laito.

―Tsc, você já teve sua chance para mata-la agora é a vez do Ore-sama. ―Disse um dos irmãos cujo nome eu desconhecia.

Ayato possuíam os cabelos eram avermelhados e não estava penteado. Seus olhos também eram verdes como os de Laito, porém era mais claro. Ele era tão bonito que era difícil acreditar que ele era uma pessoa tão má.

(Eles realmente vão discutir o destino da minha vida como se eu não estivesse presente? Preciso virar a situação em meu favor e rápido ou posso acabar morta).

―Ayato não se meta em nossa discursão. Não vou deixar vocês matarem essa garota, já disse. ―Disse Laito.

―Calem-se! ―Disse outro deles.

―Tsc, Subaru seu bastardo de merda, não se meta. ―Disse Ayato.

Os cabelos de Subaru eram esbranquiçados, ele era pálido e seus olhos eram vermelhos. Sua beleza era inegável, mas ninguém pode ser perfeito e pude perceber isso quando ele socou a parede.

―Por acaso vocês estão querendo me fazer perder ainda mais tempo com essas discursões irrelevantes? ―Perguntou Reiji sem esperar pela resposta. ―Antes de tudo precisamos saber quem é essa garota e o que ela pretendia fazer roubando a sua pelúcia.

Essas pessoas são realmente estranhas. Já que não tinha mais a minha arma por perto, só me restava dizer a verdade e esperar a melhor oportunidade. Talvez se os vampiros localizadores me encontrassem eles entrariam em conflito e eu poderia aproveitar a chance para fugir, apesar de eu não poder afirmar isso muita certeza. Kanato finalmente me soltou e voltou à sua sanidade, embora eu não acreditasse muito que ele tivesse alguma.

 ―Por que estava tentando me roubar o Teddy? ―Seu tom de voz ainda me assustava.

―Eu não tenho interesse no urso em si, mas sim no que há dentro dele. Estava roubando as cinzas de um vampiro―Decidi ser o mais sincera quanto possível.

―Tsc, Por que você queria algo assim? ―Perguntou Ayato.

―Por que eu sou uma bruxa oras, não preciso de motivos para querer as cinzas de alguém que viveu muito. ―Respondi.

―Mas, eu não entendo... ―Ela estava atônita demais.

―Tsc, as bruxas foram extintas há muito tempo, não tem como essa garota estar dizendo a verdade. ―Disse Reiji.

―Hehe, prisão de fogo. ―Sorri e disse no idioma das bruxas.

Eles se entreolharam perplexos sem saber o que eu havia dito e então algo os prendeu ao chão semelhante à prisão de fogo que tio Ken tentara usar comigo. Senti algo escorrendo pelo me nariz, levei a mão para limpar o sangue rápido sentindo uma tontura logo em seguida.

―Agora vocês acreditam? A existência das bruxas é tão real quanto à dos vampiros. ―Disse pegando o Teddy.

―Teddy!? ―Gritou Kanato tentando sair da prisão sem sucesso.

―Gritar agora é inútil garoto. ―Disse fria e ele se calou com os olhos lacrimejantes.

Estava prestes a deixar a mansão quando me lembrei de Yui. Ela  era humana diferente dos outros seis, então ela não merecia ser feita prisioneira daquela família.

―Ei, garota. ―Chamei-a.

―Eu??? ―Ela apontou pra si.

―É você mesmo. Você não precisa continuar vivendo com esses vampiros, você deve ter tido uma vida infernal aqui eu imagino. Venha comigo eu te liberto dessa jaula?

―E-eu não posso. ―Ela respondeu hesitante.

―Você não precisa ter medo de mim. Meu ódio não é para com os humanos. Por que insiste em ficar em uma casa com monstros? Você é masoquista ou algo do tipo Yui?

―Fufu, não importa o que você disser, ela não pode deixar esta casa. ―Disse Laito.

―Magia de prisão?! ―Pensei alto. ―Se este é o caso eu posso quebra-la. ―Disse.

―Eu não quero ir com você. ―Ela agora parecia firme e decidida.

―Desde que não se arrependa depois. ―Disse me direcionando a saída, mas alguém segurou o meu braço, era a Yui.

―D-devolva o Teddy, ele é muito importante para o Kanato-kun.

―Você é realmente uma garota estranha. Acha que vampiros podem ter afeição por alguma coisa? São seres diabólicos que não se importam com nada e só destroem as pessoas...

―Como pode generalizar dizendo que todos os vampiros são iguais. Não quero nem imaginar pelo que você passou, mas não é com ódio por toda uma espécie que se resolve as coisas. ―Gritou Yui.

Olhei para todas as direções da sala de estar quase que, ao mesmo tempo. Todos me encaravam sem nada a declarar, senti um olhar de pena direcionado a mim. Sabia que ele vinha da Yui. Tentei voltar a correr, porém, meu corpo não me obedecia mais devido ao fato do extremo uso de magias localizadoras. Esta era a hora mais adequada para usar as balas contra sobrenaturais. As balas que mamãe fizera e que seriam capazes de matar qualquer tipo de seres sobre-humanos. A única coisa que me deixava hesitante era o fato de eu ter que desperdiçar seis balas, isso se eles não desviassem e eu conseguisse acertar o coração. Estava começando a ficar complicado para o meu lado e só me restava decidir logo. Assim que toquei na arma e estava prestes a pegá-la senti alguém me empurrar contra o chão e a arma acabou caindo do meu corpo. Apelar para magia não era uma opção, já que eu nunca fui boa com ataques mágicos. Mesmo com todo o meu poder eu só conseguiria parar um deles e no momento eu não possuía nem metade das minhas forças.

―Kanato você deveria ser mais civilizado. Esta garota era a minha presa eu a estava perseguindo. ―Disse Laito aparecendo no meio da sala.

―Por acaso foi você quem deixou que ela roubasse o Teddy Laito? ―Kanato ainda estava me mantendo ao chão.

Kanato era o mais baixo dos irmãos, mas ainda era uns dez centímetros mais alto que eu. Seus cabelos eram roxos com as pontas mais claras. Seus olhos também eram roxos e parecia que ele não dormia nunca, devido à presença de olheiras abaixo dos olhos. O que mais me assustava nele não era o quanto ele era bonito ou fofo, era o fato de ele ter uma personalidade duvidosa.

―Fala sério! Ninguém iria querer roubar aquele seu ursinho encardido. Vamos solte-a para que ela fuja e eu possa voltar a persegui-la. ―Disse Laito.

―Tsc, você já teve sua chance para mata-la agora é a vez do Ore-sama. ―Disse um dos irmãos cujo nome eu desconhecia.

Ayato possuíam os cabelos eram avermelhados e não estava penteado. Seus olhos também eram verdes como os de Laito, porém, era mais claro. Ele era tão bonito que era difícil acreditar que ele era uma pessoa tão má.

(Eles realmente vão discutir o destino da minha vida como se eu não estivesse presente? Preciso virar a situação em meu favor e rápido ou posso acabar morta).

―Ayato não se meta em nossa discussão. Não vou deixar vocês matarem essa garota, já disse. ―Disse Laito.

―Calem-se! ―Disse outro deles.

―Tsc, Subaru seu bastardo de merda, não se meta. ―Disse Ayato.

Os cabelos de Subaru eram esbranquiçados, ele era pálido e seus olhos eram vermelhos. Sua beleza era inegável, mas ninguém pode ser perfeito e pude perceber isso quando ele socou a parede.

―Por acaso vocês estão querendo me fazer perder ainda mais tempo com essas discussões irrelevantes? ―Perguntou Reiji sem esperar pela resposta. ―Antes de tudo precisamos saber quem é essa garota e o que ela pretendia fazer roubando a sua pelúcia.

Essas pessoas são realmente estranhas. Já que não tinha mais a minha arma por perto, só me restava dizer a verdade e esperar a melhor oportunidade. Talvez se os vampiros localizadores me encontrassem eles entrariam em conflito e eu poderia aproveitar a chance para fugir, apesar de eu não poder afirmar isso muita certeza. Kanato finalmente me soltou e voltou à sua sanidade, embora eu não acreditasse muito que ele tivesse alguma.

―Por que estava tentando me roubar o Teddy? ―Seu tom de voz ainda me assustava.

―Eu não tenho interesse no urso em si, mas sim no que há dentro dele. Estava roubando as cinzas de um vampiro―Decidi ser a mais sincera quanto possível.

―Tsc, Por que você queria algo assim? ―Perguntou Ayato.

―Por que eu sou uma bruxa oras, não preciso de motivos para querer as cinzas de alguém que viveu muito. ―Respondi.

―Mas, eu não entendo... ―Ela estava atônita demais.

―Tsc, as bruxas foram extintas há muito tempo, não tem como essa garota estar dizendo a verdade. ―Disse Reiji.

―Hehe, prisão de fogo. ―Sorri e disse no idioma das bruxas.

Eles se entreolharam perplexos sem saber o que eu havia dito e então algo os prendeu ao chão semelhante à prisão de fogo que tio Ken tentara usar comigo. Senti algo escorrendo pelo me nariz, levei a mão para limpar o sangue rápido sentindo uma tontura logo em seguida.

―Agora vocês acreditam? A existência das bruxas é tão real quanto à dos vampiros. ―Disse pegando o Teddy.

―Teddy!? ―Gritou Kanato tentando sair da prisão sem sucesso.

―Gritar agora é inútil garoto. ―Disse fria e ele se calou com os olhos lacrimejantes.

Estava prestes a deixar a mansão quando me lembrei de Yui. Ela era humana diferente dos outros seis, então ela não merecia ser feita prisioneira daquela família.

―Ei, garota. ―Chamei-a.

―Eu??? ―Ela apontou para si.

―É você mesmo. Você não precisa continuar vivendo com esses vampiros, você deve ter tido uma vida infernal aqui eu imagino. Venha comigo eu te liberto dessa jaula?

―E-eu não posso. ―Ela respondeu hesitante.

―Você não precisa ter medo de mim. Meu ódio não é para com os humanos. Por que insiste em ficar em uma casa com monstros? Você é masoquista ou algo do tipo Yui?

―Fufu, não importa o que você disser, ela não pode deixar esta casa. ―Disse Laito.

―Magia de prisão?! ―Pensei alto. ―Se este é o caso eu posso quebra-la. ―Disse.

―Eu não quero ir com você. ―Ela agora parecia firme e decidida.

―Desde que não se arrependa depois. ―Disse me direcionando a saída, mas alguém segurou o meu braço, era a Yui.

―D-devolva o Teddy, ele é muito importante para o Kanato-kun.

―Você é realmente uma garota estranha. Pensa que vampiros podem ter afeição por alguma coisa? São seres diabólicos que não se importam com nada e só destroem as pessoas...

―Como pode generalizar dizendo que todos os vampiros são iguais. Não quero nem imaginar pelo que você passou, mas não é com ódio por toda uma espécie que se resolve as coisas. ―Gritou Yui.

Um vento gélido entrou por entre as janelas e eu senti o meu corpo começar a suar frio. Alguns segundos depois corpos se materializaram em meio à sala e eu pude perceber que eu havia perdido muito tempo e agora estava encurrala pela própria morte. Os perseguidores mascarados e tio Ken apareceram. Logicamente como tio Ken havia me visto após tanto tempo agora ele podia fazer um simples feitiço de localização para me encontrar. Eu definitivamente deveria tê-lo matado quando tive chance.

―Finalmente a encontramos, Kameria Tsuki. ―Disse o de máscara negra.

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...