História Damas da Noite - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Jiraiya, Kakashi Hatake, Kiba Inuzuka, Kushina Uzumaki, Madara Uchiha, Mikoto Uchiha, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Personagens Originais, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju
Tags Gaaino, Hentai, Naruhina, Naruto, Nejiten, Romance, Sasusaku, Uchiha Itachi, Universo Alternativo
Visualizações 545
Palavras 4.389
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá! Agradeço a todos que estão acompanhando a fic! ^^
Como o título diz, o capítulos erá um tanto quanto tenso... Boa leitura!
Celly. ♥

Capítulo 3 - Momentos de tensão


— O que você disse? — Neji segurava Kiba pelo colarinho. — Não brinque com uma coisa dessas Inuzuka. — alertou.

— E eu estou com cara de quem está brincando? — respondeu calmamente.

Neji se recompôs, já que ao olhar para o lado, viu que estava chamando atenção dos demais clientes do local.

— Diga! — falou em tom de ordem.

— Hinata está num bordel, na verdade, naquele mais luxuoso da cidade, da Tsunade Senju. — pausou — Ontem mesmo eu a vi lá, estava leiloando a sua virgindade. Eu quase consegui, mas Naruto Uzumaki foi quem deu sorte. — sorriu.

— Isso é sério mesmo? — Neji perguntava incrédulo.

— Se você não acredita em mim, vamos ao prostíbulo hoje então, você a verá com seus próprios olhos.

— Eu não vou a esse tipo de lugar. — O Hyuuga revirou os olhos.

— Eu sei que você é o tipo de homem “sério”. Mas nesse caso se você não for, eu entenderei como medo de ver a verdade. — Sorriu sádico.

— Você sabe que se isso for mentira, você está no olho da rua, não sabe? — Neji ameaçou.

— Mais um motivo para eu estar falando a verdade, não sou idiota a ponto de perder meu cargo de gerente nas empresas por causa de uma fofoca.

— E por que você está fazendo isso? — Neji perguntou.

— Sou seu amigo! Afinal foi graças a você que hoje eu tenho este cargo nas empresas, então te devia essa.

— Ok... Nos vemos na boate à noite. — Neji saiu, deixando uma nota em cima da mesa, para pagar o café.

Kiba sorria satisfeito. Na verdade ele sempre odiou Naruto, desde épocas remotas, e o único motivo de ter se aproximado de Neji era que este também não ia com a cara do Uzumaki. Porém, Neji era forte e importante, e estando ao lado dele, seria mais fácil derrubar Naruto.

゚。・*.゚☆゚.*・。゚

 

// No bordel... //

Hyanna acordou com um perfume fortemente enjoativo invadindo suas narinas e alguém lhe beijando a nuca. Quando se virou, viu Madara sentado na beirada de sua cama.

— Madara-sama... — Sorriu falsamente. — O que faz aqui nesse horário?

— Pedi a Tsunade para que você me acompanhe num evento importante... — disse-lhe no ouvido. — Comprei-lhe um belo vestido, sapatos e joias... Quero que esteja pronta em meia hora.

— Claro... — Fingiu outro sorriso.

Ele segurou o rosto dela e a beijou, porém notou certa frieza.

— O que aconteceu?

— Do que o senhor está falando?

— Você está fria... Teve algum cliente especial ontem? — indagou mais sério.

— Imaginação sua... — Foi o mais falsa possível. — O senhor sabe que é o meu cliente mais especial. —

Sorriu e logo se sentou sobre o colo dele, o beijando mais intensamente. — O que acontece é que eu acabei de acordar agora...

Madara a empurrou para o lado e se levantou sério.

— Assim espero... — falou, antes de sair do quarto.

As meninas que estavam olhando de longe, logo se aproximaram de Hyanna.

— Não sei como você consegue beijar aquele cara... — Ino dizia com cara de nojo.

— A gente se acostuma com tudo... — Hyanna sorriu sem graça. — Bom, deixe-me tomar um banho e me arrumar, que hoje ele não está de bom humor.

Logo Hyanna estava pronta. Trajava um discreto longo azul escuro com um decote que valorizava seus seios; um par de sandálias de salto alto, na mesma tonalidade do vestido e joias de prata, que davam um toque final no look.

— O que será que ele quer de você hoje? — Sakura perguntava, acabando de ajudar Hyanna a arrumar os cabelos, num penteado elegante.

— Com certeza é mais uma daquelas festas das empresas da família dele. — Hyanna sorriu debochada. — Ele, para se mostrar mais jovem do que é, fica andando com mulheres mais novas... Acho que é orgulho de homem.

— Mas ele ainda dá conta do recado, não dá? – Tenten perguntou maliciosa.

— Sim... — Hyanna gargalhou, seguida por todas, que fizeram o mesmo. — Até mais, meninas... — Despediu-se e logo saiu com Madara.

゚。・*.゚☆゚.*・。゚

 

// Mansão Uchiha... //

— Tinha me esquecido dessa festa ridícula das empresas. — Sasuke suspirava derrotado.

— Acredite que eu também não gostaria de estar aqui, mas somos os herdeiros diretos da família, e se quisermos manter nosso padrão de vida, temos que cuidar dos negócios. — Itachi respondeu, virando mais um pouco de whisky.

— Você está parecendo o papai, falando desse jeito. — Ria do irmão.

— Alguém tem que pensar no futuro, né? Se for depender de você, o nosso dinheiro é todo torrado com mulheres, festas e bebidas.

— Vai acabar sendo, quando a gente se casar... — Sasuke debochava. — Teremos que gastar com nossas esposas metidas, fazer festas chatas como essas para manter as aparências e gastar com bebida para esquecer os problemas do casamento.

— Hmm... — O mais velho revirou os olhos, tentando não rir do que o irmão dissera. — Você é chato quando quer, irmãozinho tolo.

Sasuke gargalhou.

— Vocês estão aqui! — Fugaku se aproximou. — O tio Madara chegou, vamos recebê-lo! — ordenou.

— Madara também está aqui dessa vez? — Itachi perguntou.

— Sim, parece que depois de um ano e meio ele resolveu dar as caras e visitar a família.

Os três, então, foram em direção à entrada.

— Não espalha, mas... — Sasuke fez suspense. — Até hoje tenho medo do tio Madara.

— E quem não tem? — Itachi cochichou, rindo. — Sabemos que além de ser o maior empresário que essa cidade já viu e ser o patriarca de nossa família, também ele é o “poderoso chefão”.

— Shhh... Isso é segredo até para o papai. — Sasuke sussurrou.

— Dá pra parar de cochichar, vocês dois! Parecem colegiais falando de namorado. — Fugaku xingou.

Os dois se entreolharam e riram. Mas logo o sorriso de Itachi se esvaneceu ao ver Madara entrando acompanhado de Hyanna.

— Eu não acredito nisso... Ele tá pegando ela? — Sasuke comentou debochado. — Acho que todos os homens da família já passaram pelas mãos de Hyanna Konnyki, afinal...

— É... Parece que sim. — Itachi ficou sério.

— É uma honra recebê-lo em minha casa, tio. — Fugaku cumprimentava Madara.

— Sim, eu sei... — Abriu um pequeno sorriso, enquanto tragava seu charuto. — Essa é minha acompanhante, Hyanna Konnyki.

— É um prazer, senhorita. — Fugaku beijou a mão de Hyanna, jogando um olhar discreto pra ela.

Sim. Fugaku também já esteve algumas noites na cama de Hyanna.

— O prazer é todo meu, senhor. — respondeu educadamente.

— Meus queridos herdeiros, como estão? — Madara perguntou, olhando para os irmãos.

Era bem verdade que Madara tinha certo paparico por Itachi e Sasuke, já que eles eram os únicos homens da geração, os outros parentes só tinham mulheres.

— Estamos bem, tio Madara! — Sasuke respondeu espontaneamente.

Já Itachi ficou encarando Hyanna algum tempo. Ele não demonstrava, afinal colocar aquela mascara de frieza indescritível era algo fácil pra ele, mas por dentro ele estava se corroendo de ciúmes ao ver a mulher que esteve em seus braços na noite anterior sendo abraçada por um homem que tinha mais do dobro de sua idade. Sim, era tão ofensivo ao seu orgulho que chegava a ser ridículo. Foi aí que a ficha dele caiu.

— Esqueci que você é uma vadia... — pensou, enquanto olhava Hyanna de modo tão gélido, que assustava.

— Muito prazer em reencontrá-lo, tio Madara. — disse por fim, antes de se afastar.

A festa transcorreu normalmente e todos da família souberam fingir muito bem, como sempre faziam. Em certo momento, Madara deixou Hyanna sozinha, indo falar de negócios com outras pessoas, e a Konnyki se aproximou discretamente de Itachi, que estava sentado bebendo talvez o quinto ou sexto copo de whisky, visivelmente alcoolizado.

— Não devia beber assim. — Hyanna disse, sorrindo gentilmente.

— Sai daqui.

— O que foi? — ela perguntou sem entender.

— Você vem à minha casa acompanhada do meu tio-avô e pergunta o que foi? — respondeu friamente.

— Eu não fiz de propósito... — Hyanna tentava se justificar. — Eu não sabia onde era o evento e nem que você estaria nele.

— Sei...

— Não estrague o que aconteceu ontem...

— Sexo?! Não... Foi bom sim, muito bom! Mas eu já te paguei, então pronto. Quando eu quiser passar o tempo de novo, eu te procuro.

— Itachi, não fala assim... — Ela já tinha um semblante triste. — Você sabe que rolou algo a mais.

— Depois daqui, você vai ir para aquela mesma cama e gritar como louca nos braços do Madara, enquanto é possuída por ele, e vai lhe dizer coisas como “eu te amo”, “você foi incrível”, “sou toda sua”... E depois ainda se tiver fôlego, vai repetir o mesmo gesto com outros caras, até de manhã, quando estiver imunda por ter sido usada tantas vezes... — Riu sádico. — É sério... Quantas camisinhas vocês não usam por noite né? Deve ser algo assustador. — Virou mais uma dose de bebida.

Hyanna olhava pra baixo e nada dizia, até que lágrimas começaram a rolar por seu rosto. Itachi se levantou e, ignorando as lágrimas da Konnyki, concluiu: — Eu pensei que tinha encontrado a mulher da minha vida, mas esqueci de que você já é a mulher da vida de muitos homens, pelo menos, enquanto os faz gozar com você... Sua vadia! — Saiu de perto, deixando-a sozinha por lá.

Hyanna procurou o banheiro, e depois de lavar o rosto e retocar sua maquiagem, se recompôs e pensou consigo mesma: — E eu achava que você era diferente, mas é como todos os outros... — Depois saiu e procurou Madara, que estava conversando com outros homens.

— Me deixou sozinha por tanto tempo, estou com saudades, Madara-sama! — Fez biquinho de manha, antes de beijá-lo na frente de todos.

Sasuke viu a cena de longe e olhou para o irmão, que revirou os olhos antes de subir para o seu quarto.

— Pra mim já chega! — Itachi disse, saindo do meio.

゚。・*.゚☆゚.*・。゚

 

// De volta ao bordel... //

Hinata estava ansiosa esperando Naruto chegar. Enquanto isso, bebia uma bebida bem fraca e conversava com Tenten. Logo ela ficou pálida e deixou sua taça cair no chão, se espatifando.

— O que foi, Hina? — Tenten olhava para a mesma direção da outra, e viu o conhecido Kiba chegando ao local com um homem muito parecido com Hinata, principalmente os olhos.

Logo Kiba apontou para Hinata e Neji pôde comprovar que sua “noiva” estava lá. Não era amor o que ele sentia por ela, nunca foi, mas seu orgulho era muito forte para simplesmente largar pra lá. Sem pensar, logo foi em direção à Hyuuga lhe agarrando o pescoço com violência.

— Então foi pra isso que me deixou às vésperas do nosso casamento, sua vadia? Foi pra virar prostituta? Hã? — Gritava, chamando a atenção de todos.

Alguns homens tentavam se aproximar, mas eram impedidos por Kiba. E Jiraiya, que geralmente cuidava dessas coisas, também não estava no local. Neji começou esbofetear Hinata com força, as mulheres olhavam assustadas e ninguém mais se aproximava. Logo Neji sentiu um chute em suas costas, que o fez cair de joelhos no chão, largando Hinata, que também foi ao chão.

— Não é assim que se trata uma dama. — Naruto dizia, olhando-o com ódio.

Neji gargalhou.

— Ora, ora... Se não é o Uzumaki. Então foi você quem comeu minha noiva é? Quanto você pagou? — disse se levantando.

— Se eu fosse você, eu calava a boca e ia embora. — Naruto disse, já tirando o casaco que vestia.

— E se eu não quiser? — O Hyuuga provocou.

— Aí eu terei que obrigar! — O loiro deu um soco na cara de Neji, quase o derrubando no chão novamente.

— Você vai me pagar por isso Uzumaki. — Limpava o filete se sangue que saía do canto da boca.

— Tô esperando... — O outro sorria, preparado para deferir outros golpes.

— Só que eu não sujo as minhas mãos, não... — Neji sacou uma arma. — Assim é bem mais fácil.

Sem pensar muito, disparou a arma, não dando tempo de Naruto se mover para esquivar. Num piscar de olhos, Hinata — que ainda estava meio zonza com a surra que levou de Neji — colocou-se na frente de Naruto e a bala pegou em seu peito, derrubando-a no chão instantaneamente.

Neji ficou algum tempo parado olhando a cena, sem reação, mas logo foi guiado por Kiba até para fora do local. Naruto estava ajoelhado ao lado de Hinata, que respirava ofegante, quase desmaiando. Tsunade já havia chamado socorro e o local estava uma verdadeira confusão.

— Por que fez isso? — ele perguntou, com lágrimas nos olhos.

— Não sei... Eu só... Fiz... — Hinata acabou desmaiando, fazendo o loiro começar a tremer de nervoso, com Hinata desacordada e toda ensanguentada em seus braços.

O socorro logo chegou e colocou a Hyuuga na ambulância.

— Você tem que ser forte, Naruto! — Sakura se aproximou dele, despertando-o de seu transe. — Vá lá ficar com ela, por favor. — pediu.

゚。・*.゚☆゚.*・。゚

 

Naruto logo foi para seu carro e seguia a ambulância rumo ao hospital. Chegando lá, teve que ficar na sala de espera, enquanto Hinata estava na cirurgia. As horas realmente pareciam uma eternidade... Ninguém falava nada, nenhum médico ou enfermeira aparecia e ele já estava quase tendo um colapso nervoso, quando finalmente o médico apareceu.

— E aí, doutor, como ela está? — perguntou apreensivo.

— A bala foi retirada, mas eu não vou mentir, o estado dela é bem delicado e as próximas seis horas são definitivas. — O médico falava, com feição preocupada.

— O que eu posso fazer? — perguntou, já sentindo os olhos marejados.

— Reze! — respondeu, antes de deixar o local.

Naruto caiu sentado na cadeira, colocando o rosto entre as mãos. — Por que eu estou sentindo isso? Por que está doendo tanto? Por quê? — Sim, ele estava desolado e as próximas seis horas, seriam horas de tortura, horas de sofrimento, horas de dor... Mas por que ele estava agindo assim com uma garota que conhecera na noite passada? Por ela ter salvado a sua vida? Não... Era algo mais intenso, algo mais profundo, algo mais... Verdadeiro e puro.

゚。・*.゚☆゚.*・。゚

 

— O que aconteceu aqui? — Madara perguntava enquanto entrava na boate com Hyanna.

— Uma briga e um terrível acidente com uma das meninas. — Tsunade respondeu.

— Hyanna! — Sakura se aproximava apreensiva. — A Hina, ela foi baleada, parece que ela tinha um noivo. Depois de bater nela bastante, ele acabou atirando.

— Meu Deus... — Hyanna ficou apreensiva, levando as mãos à face. — Por favor, Madara, me leve até o hospital, eu te peço! — pedia, já deixando as lágrimas rolarem.

O Uchiha não era nada compreensivo e realmente não se importava com o que acontecesse com Hinata, além de aquela noite ser a sua noite com Hyanna, mas ele se comoveu ao vê-la chorando daquele jeito e resolveu atender seu pedido, para a surpresa de todos.

— Vá se trocar depressa, estou te esperando no carro!

— Obrigada! — Ela subiu correndo e se trocou o mais rápido que pôde, descendo em seguida e indo com Madara. Como ele estava pagando pela noite, Tsunade não impediu que Hyanna saísse do bordel, além do que não queria mais problemas naquela noite.

゚。・*.゚☆゚.*・。゚

 

Madara dirigiu até o hospital, parando carro no estacionamento.

— Obrigada, Madara... Depois eu lhe recompenso por isso. É que Hinata é minha amiga e estou muito preocupada com ela. — Hyanna disse.

— Tudo bem... — Ele foi tirando o cinto de segurança.

— Não precisa me acompanhar... — Ela sorria sem graça.

— Eu faço questão! Depois quero te levar novamente para o bordel. — respondeu, já abrindo a porta do carro.

Hyanna suspirou e entrou no hospital acompanhada por Madara. Logo que viu Naruto, foi até ele e o abraçou.

— As meninas me contaram mais ou menos o que aconteceu... — disse, ainda abraçada ao loiro.

— Tudo isso é culpa minha, ela entrou na minha frente... Aquele tiro era pra ter atingido a mim... — ele falava, quase sem voz. Realmente estava desolado.

— Shhh... — O apertou mais forte contra si, e ele afundou a cabeça nos ombros dela, derramando lágrimas contidas há algum tempo. — Ela vai ficar bem!

Madara olhava de longe, mas preferiu não interferir. Ele sabia diferenciar os “amigos” dos “amantes” de Hyanna. Para ocupar seu tempo, ele começou a fazer algumas ligações, dando privacidade aos dois.

— Por que ele veio aqui também? — Naruto perguntava.

— Ele insistiu...

Depois de mais ou menos meia hora, Neji entrou no hospital juntamente com um homem, que também trazia os traços dos Hyuugas, com os olhos perolados.

— Quero saber onde está Hinata Hyuuga, por favor! — o homem falou na recepção.

— Oh. não... — Hyanna olhou para a recepção. — Aquele deve ser o pai dela, pela aparência.

Naruto olhou com ódio para Neji, que logo o viu e se aproximou. O Uzumaki se levantou e ficou encarando o Hyuuga, até que Hiashi se aproximou e deu um soco na cara do loiro, sem um prévio aviso.

— Foi você quem desgraçou minha filha! — Alterava o tom de voz.

Hyanna entrou no meio dos dois, já prevendo o pior cenário.

— Por favor! Aqui é um hospital e Hinata está correndo risco de vida, não é hora para isso!

— Sai da frente, meretriz! Sei bem quem você é e de onde veio... — O Hyuuga mais velho empurrou Hyanna violentamente, e ela só não caiu, pois foi amparada por Madara, que chegou ao local na hora.

— Nunca mais encoste a mão em Hyanna! — ele encarou o Hyuuga, que logo entrou em desespero. Todos sabiam quem Uchiha Madara era.

— O que o senhor faz aqui? — Hiashi indagou.

— Vim acompanhar Hyanna. — Segurou sua cintura. — E também, este jovem na sua frente é um Namikaze, o pai dele é sócio nas minhas empresas, e não vou deixar que o destrate na minha frente. E se eu fosse você iria embora. — pausou. — Se sua filha preferiu um bordel à sua casa, você deve ser um pai de merda, e não tem o direito de ficar aqui. — O olhou fixamente, sem se deixar intimidar em nenhum momento.

— E quem é você pra falar comigo assim? — o Hyuuga o encarava.

— Tio, vamos! — Neji já temia o que estava por vir e Madara apenas riu.

— Sou Uchiha Madara, e mais uma palavra, você já era... Some! — O ameaçou diretamente.

Hiashi apertou os punhos, olhou pra baixo e saiu do local sem dizer mais nada.

— Senhor? O senhor não queria saber da jovem Hyuuga? — A recepcionista perguntava, vendo-o sair.

— Que morra! — respondeu, por fim, passando pela porta.

Hyanna suspirou aliviada por ver que as coisas não foram mais longe.

— Obrigado, senhor Madara! — Naruto agradeceu por fim.

— Tudo bem, afinal, seu pai é sócio das empresas e amigo da família. — Olhou para Hyanna sério. — Tenho uns assuntos para resolver, vou te deixar aqui e depois você vai com o jovem Namikaze.

— Sim! — ela assentiu e o Uchiha foi embora.

— Tenho que confessar que, pela primeira vez, fiquei feliz por Madara estar aqui, ou senão as coisas ficariam bem sérias. — Hyanna comentou.

— É... — Naruto deu um meio sorriso e se sentou novamente na cadeira de espera.

— Ô, Naruto, que carinha triste... — Hyanna se sentou ao lado dele. — Ela vai ficar bem! — Sorriu, abraçando o loiro pelos ombros.

゚。・*.゚☆゚.*・。゚

 

Algum tempo depois, o médico apareceu novamente na sala de espera e disse aos dois:

— Podem entrar para ver Hinata Hyuuga! Só que um de cada vez. Ela está muito fraca ainda, mas felizmente, já está fora de perigo.

Eles se entreolharam sorridentes.

— Vai você primeiro. — Naruto disse.

Hyanna assentiu e seguiu o médico. Chegando lá ela se sentou perto de Hinata, que ainda respirava por aparelhos.

— Que bom que você conseguiu sair da pior fase! — disse sorrindo.

Hinata abriu um sorriso e apertou a mão da amiga.

— Como ele está? — A Hyuuga perguntou com dificuldades.

— Shhh... Não faça esforços. — recomendou. — Naruto veio com você e está lá fora te esperando. Ele estava até chorando e se culpando por tudo que te aconteceu.

Hinata novamente sorriu e Hyanna continuou:

— Não posso ficar muito tempo... — Não conteve algumas lágrimas entre o sorriso que seus lábios esboçavam. — Eu só vim mesmo para dizer que vai dar tudo certo e que logo você estará 100%. Ah... E as meninas mandaram um beijo.

— Obrigada! — ela agradeceu.

Hyanna se despediu e saiu do quarto. Ela queria ficar mais, falar mais, mas ela não conseguiu. Ver Hinata naquele estado era demais pra ela, e para literalmente não “desabar” na frente da amiga, saiu do quarto. Quando ela chegou soluçando ao corredor do hospital, Naruto logo foi até ela preocupado.

— Aconteceu alguma coisa? — ele perguntou aflito.

— Não... Mas, ver a Hina daquele jeito... — Meneava a cabeça. — Ela é só uma garota frágil e que acabou no lugar errado. Não merecia passar por este tipo de coisa.

Naruto a abraçou por um tempo. Depois ele a deixou na sala de espera, respirou fundo e foi até Hinata. Abriu a porta lentamente, entrando. Ao vê-lo, mesmo naquele estado, Hinata corou. Naruto riu com aquilo... Realmente algumas coisas nunca mudavam mesmo.

— Oi... — ele disse sorrindo, enquanto se sentava ao lado dela.

Ela sorriu.

— Isso é que dá ser doidinha... Olha só pra você agora. — falava brincando para descontrair, mas logo ficou sério. — É sério... Por que você fez isso?

Hinata novamente esboçou um sorriso.

— Se algo acontecesse com você, eu nem sei... — disse balançando a cabeça.

— Eu tô aqui, não se preocupe. — ela falou por fim.

— Que bom... — ele sorriu.

Naruto ainda ficou quase quinze minutos falando sobre diversas coisas, que faziam Hinata sorrir. Ele também sorria vez ou outra, disfarçando lágrimas, que quase vinham em seus olhos, por ver Hinata daquele jeito, por causa dele.

— Desculpe, mas o horário de visitas acabou! — Uma enfermeira anunciou. — A paciente precisa descansar.

Naruto deu um casto beijo na testa de Hinata e disse:

— Eu vou pra casa agora, senão minha mãe vai colocar a polícia de Tokyo atrás de mim... — Sorriu divertido. — Mas eu volto amanhã, e melhoras pra você!

Ela assentiu e ele saiu do quarto. Logo a enfermeira deu um remédio para Hinata, que a faria dormir por mais algumas horas. Depois de deixar Hyanna no bordel, Naruto foi pra casa.

゚。・*.゚☆゚.*・。゚

 

No local o clima estava bem tenso e as meninas estavam super abatidas por causa de Hinata, mas lá elas não tinham escolha, então quando chegou à noite, tiveram que atender os clientes com o maior sorriso do mundo, como se nada estivesse acontecendo...

Hyanna já tinha ficado com dois homens naquela noite, estava exausta. Mas Tsunade não deixou as meninas descansarem, já que com o fato da noite passada, ela não queria que a imagem de seu bordel caísse. E o mesmo acontecia com as demais.

— Que droga... Ô noite horrível. — Sakura reclamava numa mesa, depois de atender seu terceiro cliente. — Eu não aguento mais... — Suspirou.

— Tsunade hoje não está com a cara nada boa, é bom não contrariá-la. — Hyanna falava, também desanimada.

— Você diz isso, pois só os caras mais gentis te procuram. Nós temos que nos deitar com qualquer um... — Sakura virava uma dose de vinho. — Ih... Olha só que chegou. — Sakura sorria, olhando para a entrada.

Hyanna se virou para trás e viu Itachi se aproximando de sua mesa.

— Vamos! — Estendeu-lhe a mão, falando secamente.

Em outra época, ela iria com o maior sorriso do mundo, mas depois do que tinha acontecido na noite anterior, estava magoada com ele. Hyanna respirou profundamente e se levantou, indo com ele para sua suíte. Enquanto subiam, ela lhe perguntou:

— O que faz aqui? E por que me escolheu?

— Estava entediado, e você é a melhor opção por aqui.

— Hmm... — ela resmungou qualquer coisa e ele apenas sorriu de canto.

Hyanna mal acabou de fechar a porta e já foi tomada pelo Uchiha, num beijo intenso, onde a língua dele invadiu sua boca sem permissão. Ela tentou se conter, mas logo já agarrava os cabelos dele. Pegaram um pouco de ar e ela lhe tirou a camisa. Ele puxou a saia do vestido dela pra cima, já lhe pegando no colo e lhe colocando na cama. Tirou-lhe a calcinha e masturbava Hyanna, arrancando-lhe gemidos.

— Estou viciado em você... — sussurrava com voz rouca, enquanto seus dedos moviam num vai e vem na entrada da Konnyki.

— Viciou na vadia? Que triste. — respondeu entre gemidos, esboçando um sorriso.

— Pois é... A vida não é nada fácil...

Logo ele abaixou, levando a língua ao sexo feminino, fazendo-a soltar um grito abafado, enquanto suas unhas passavam ferozmente nos lençóis daquela cama.

— Está louco! Você não pode me chupar assim... — dizia mordendo os lábios.

— Diz que não está gostando que eu paro. — Lambia os lábios, olhando-a intensamente.

— Disse que não pode, não disse que não deve... — sorriu marota.

Ele também sorriu e logo voltou a explorar-lhe com a língua devagar, dando-lhe um prazer indescritível.

— Sabe... — ela dizia, segurando os longos cabelos do Uchiha, puxando-os vez ou outra, quando seu corpo tremia com o toque da língua dele. — Ninguém nunca fez isso comigo antes... — Arqueava os quadris. — É tão bom!

Ele nada respondeu, apenas continuou com a língua, enquanto seus dedos ainda entravam e saíam do corpo feminino, num ritmo delicioso, que aumentava gradativamente. Ela já estava louca naquela cama, como poucas vezes esteve em sua vida de luxúria.

— Não tô aguentando mais... — Tentava empurrá-lo, mas ele só afastou os lábios de sua intimidade quando viu que ela havia tido um orgasmo. Itachi logo a beijou os lábios, ainda movendo os dedos levemente, sentindo-a contrair-se totalmente. Até que finalmente se olharam, sorrindo um para o outro.

— Me desculpe pelo que eu lhe disse ontem... Estava com ciúmes. — confessou. abrindo sua calça e colocando um preservativo.

— Faça direitinho, e eu penso no seu caso... — ela sorriu, puxando-o para si novamente.

— Você me enlouquece, garota... — Passava o pênis por toda genitália dela, começando a penetrá-la devagar, até que estivesse todo dentro dela. Logo movia seu corpo, apoiando-se na cama com as duas mãos, tendo as pernas dela em volta de si.

— Mais rápido...

Ele sorriu e intensificou os movimentos. Não demorou para gozar, saindo daquele corpo explodindo em êxtase devagar e deitando-se ao lado dela, após se livrar do preservativo usado. Ela lhe sorria, enquanto ele lhe acariciava a face, gentilmente.

— E aí? Me perdoa? — indagou, passando a ponta do nariz pelos eu pescoço.

— E isso importa? — ela desviou o olhar,s e fazendo de difícil, apesar de suas unhas estarem arranhando levemente as costas dele. — Eu sou só uma vadia, lembra?

— Não diga isso... — Pegou o queixo dela, virando seu rosto para si e lhe deu um beijo gentil ,e os dois se abraçaram, aninhando-se.

— Tudo bem... — Ela sorriu por fim. — Eu só fiquei magoada... Quer dizer, eu sei o que sou e o que faço, mas alguém jogar isso na minha cara é chato... — pausou. — Principalmente vindo de você...

— Vem cá... — Ele a puxou pra cima de si e os dois ficaram conversando e se beijando, até dar a hora de Itachi ir embora.

Novamente Hyanna ficou nas nuvens... Só ele a deixava assim.


Notas Finais


Foram várias situações que saíram do controle...
O Kiba se sentiu irritado por não ter conseguido o que queria e falou demais para o Neji (porque se ele tivesse ficado com a Hina, duvido que falaria... Rsrs.); Neji, por sua vez, ficou contrariado com a situação e acabou dando no que deu (primeiro porque ele já se sentia humilhado por ter sido "abandonado" pela noiva às vésperas do casamento, segundo porque o Naruto estava envolvido, e eles já eram rivais de longa data); e por fim, Itachi também ficou enciumado ao ver Hyanna com Madara. Ele sabia da profissão de Hyanna e talvez até levasse de boa, mas depois da noite que passou com ela, vê-la nos braços do seu tio-avô foi demais pra ele... Aí o "orgulho Uchiha" falou mais alto e ele acabou sendo escroto.
Mas... Ainda bem que com isso, Naruto e Hinata se aproximaram mais e Itachi com Hyanna tiveram um "bis". Rsrsrsr.
Então é isso... Próximo capítulo, focarei mais na Sakura, então até lá!
Bjs.
Celly.♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...