1. Spirit Fanfics >
  2. Damn! (Supercorp) >
  3. 02

História Damn! (Supercorp) - Capítulo 2


Escrita por: Huffever- e escrotaa

Capítulo 2 - 02


A história terá uma mudança.

Espero que gostem.

~Duda.

Kara's POV

◆ ▬▬▬▬▬ ❴✪❵ ▬▬▬▬▬ ◆

Estou conversando com Andrea quando vejo Lena saindo do elevador e andando em minha direção.

Seu andar era hipnótico, seus pés em saltos pretos, uma saia preta apertada cobria suas pernas até acima do joelho, e uma blusa verde de manga longa cobria a pele pálida da Luthor.

De braços cruzados, eu observo-á se aproximando, e mordo meu lábio enquanto ela chega a minha frente.

Andrea ainda falava comigo mas eu não prestava nenhuma atenção. Ela para de falar quando Lena chega.

— Bom dia Lena – falo olhando-a fixamente e ela sorri gentilmente para mim.

— Bom dia Kara, eu gostaria de falar com você – eu aceno afirmativamente e antes de andar com ela para o corredor Andrea segura meu braço e eu olho para ela com uma feição de poucos amigos.

— Eu estava falando com você Danvers. Tem trabalho para você fazer – ela fala seriamente olhando para mim e eu arqueio uma sobrancelha puxando meu braço para fora da mão dela.

— Estará tudo entregue na sua mesa às 18h – falo firme e volto a andar com Lena ao meu lado e sem muita demora estamos ambas no elevador.

Me viro de frente para ela e observo-a.

— Está tudo bem, Lee? – minha preocupação era algo claro na minha fala, eu não gostava de pensar que ela estava tendo algum tipo de problema.

— Bom, eu preciso da sua ajuda com algo na minha casa…

Eu estranho e observo-a fixamente. Me aproximo dela, seguro em sua mão.

— Posso lhe ajudar no que quiser Lee.

Ela sorri e me puxa em direção ao elevador. E não demorou muito para estarmos no carro dela. E em pouco tempo no apartamento dela.

Assim que a porta é fechada, Lena me puxa pela mão até a sala dela e paramos em pé perto do sofá.

— O que está havendo, Lee? Por que você está tão agitada? – falo preocupada sem entender o que estava havendo.

— Está tudo bem supergirl – ela fala com um sorriso de lado nos lábios e eu arregalo os olhos.

— Su-supergirl? O que? Vo-você está se confundindo Lena… – meu nervosismo fica visível imediatamente ela coloca o dedo em meus lábios, cortando minha fala e eu fico nervosa quando as mãos dela vão de repente a gola da minha blusa e então ela puxa minha roupa com tudo, fazendo os botões de minha roupa voarem e o S do brasão da minha família ficar aparente aos olhos da morena.

— Kara Danvers, you are MY hero – Lena fala aquela frase característica dela dando ênfase ao 'My' e eu fico sem saber o que falar, meu coração estava acelerado, minhas mãos estavam suando frio, e eu não conseguia falar nem um 'A' para aquilo tudo que estava acontecendo – Caso não tenha ficado claro… Você é minha, e hoje você vai me fazer sua de uma vez por todas do jeito que deve ser.

Ela me empurrou no sofá o que me fez cair sentada nele, o que acaba fazendo um barulho um tanto forte demais porque eu não estava controlando meus poderes, por estar em completo estado de choque.

Lena se senta em meu colo e envolve as mãos em minha nuca, e então algo que eu não esperava aconteceu, ela colocou os lábios vermelhos e carnudos no meu e eu apenas tive o instinto de corresponder ao beijo, minhas mãos vão automaticamente para sua cintura a segurando e ela solta um gemido baixo em meus lábios, o que deu a entender que eu estava apertando com muita força, eu tiro as mãos dela e ponho no sofá apertando-o enquanto suas mãos se puxavam mais para perto e o nosso beijo se aprofundava.

Sua língua parecia dançar com a minha, eu pude ouvir o barulho de tecido se rasgando, mas o nosso beijo não para, ela desliza as mãos de minha nuca aos meus braços empurrando o tecido da blusa rasgada para fora do meu corpo. Minha blusa e minha capa estavam visíveis para ela.

Ela mordiscou meu lábio e se afastou um pouco, olhando para mim. Suas mãos vão aos meu óculos, o tirando de meus rosto e colocando ele no canto do sofá.

— Você não precisa disso mais quando está comigo – sua voz era rouca e de um tom sensual que me arrepiou totalmente, minhas mãos sobem a cintura dela enquanto me levanto com ela em meus braços, suas pernas se enroscam em meu quadril.

— Não usarei mais, minha Luthor – falo baixinho contra seus lábios – Aponte a direção do seu quarto.

Ela sorri de lado e aponta em direção a um corredor, e eu não me demoro a ir na direção do corredor com ela em meus braços e seus lábios no meu da forma mais quente e gostosa como se poderia estar.

Quando chegamos no quarto eu vou direto a cama, jogo-á na cama e vou logo tratando de tirar minha calça, ficando com minha saia vermelha à mostra. Ela me observa atentamente. Ela se levanta da cama e põe as mãos em minha saia a puxando com tudo para baixo e eu saio da peça a deixando caída em um canto do quarto. Eu olho em seus olhos verdes que estavam me analisando de forma tão minuciosa que parecia que ela que tinha visão raio-x.

— Gosta do que vê, Lee? – minha voz saiu rouca e baixa, ela sorri de lado e me puxa pela parte que juntava a capa com a minha blusa e eu e ela caímos na cama. Eu estava em cima dela e eu sorrio de lado antes de meus lábios se conectarem aos dela de forma intensa e acalorada.

O beijo é interrompido para que eu começasse a despi-la. Não demora muito para que todas as peças de roupas dela estivessem no chão. As mãos dela vão aos meus braços, ela aperta os meus músculos ressaltados pelo meu uniforme e sorri de lado.

— Eu sempre tive vontade de apertar esses braços… – ela falou de forma arrastada e baixa e eu mordisco meu lábio.

— Deseja que eu tire o traje Lee? – falo baixinho enquanto me abaixava por seu corpo, enquanto deslizava a ponta dos meus dedos por sua pele sedosa, sua pele era linda, extremamente branquinha, a sua intimidade era a coisa mais linda deste mundo, havia apenas um pequeno ponto com pelo acima da região do clitóris, e sua vacina interna era rosada de um tom escuro que parecia me chamar para fazer altas perfeições naquele antro de prazer.

— Eu desejo que você me foda, agora. Eu não aguento mais esperar… – sua voz saiu um tanto manhosa e aquilo me provocou arrepios por todo o corpo, eu não me demoro a fazer o que ela pediu.

Me abaixo entre suas pernas e abro-as, eu me aproximo de sua intimidade, e passo meu nariz pela virilha dela, sentindo seu cheiro embriagante, eu me sinto atraída para o seu centro, e passo meu nariz em seu ponto de prazer, seu cheiro estava me deixando completamente maluca.

Minha língua vai a sua entradinha molhada, e eu passo a língua de sua entrada até o seu clitóris. Ela solta um gemido manhoso enquanto suas mãos apertam meus cabelos com força e eu me sinto mais excitada em ver como ela estava gostando daquilo.

Eu penetro minha língua em sua entrada o máximo que eu conseguia e ela solta um gemido longo enquanto remexia o quadril contra meus lábios.

— Por Rao Kara… Que gostoso…

Sorrio vendo sua excitação, e eu levo uma mão a seu clitóris, acariciando seu ponto de prazer com o polegar de forma repetitiva.

— Porra… Ahh… Desse jeito eu vo-vou… – ela não consegue terminar o que ia falar pois um gemido longo sai de sua garganta ao chegar ao clímax em minha boca.

Eu passo a língua em todo seu delicioso néctar que banhava meus lábios e sua intimidade. Seus dedos apertavam fortemente meu cabelo.

Após aquele delicioso orgasmo dela eu subo por seu corpo e beijo seus lábios, sua respiração estava ofegante e eu não me demoro no beijo pois ela precisava respirar.

Suas mãos sobem por dentro de meu uniforme, suas unhas deslizando de forma lenta por minha pele e eu solto um gemido baixo perto de seus lábios, vejo um sorrisinho de lado em seus lábios vermelhos. Ela puxa meu uniforme para cima e eu ajudo-á a tirar a roupa.

As roupas em nossos corpos agora eram inexistentes. Lena sobe em cima de mim, me olhando meticulosamente de cima a baixo e eu sorrio para ela.

— Me fode Supergirl – ela falou de modo sensual, enquanto sua intimidade fica deslizando sobre a minha, eu abro a boca em uma sensação de necessidade de sentir mais daquele corpo maravilhoso.

Eu atendo prontamente aquele pedido dela e eu levo a mão a sua intimidade e penetro dois dedos nela até o fundo o que faz ela soltar um gemido alto e sua boca vai ao meu pescoço, e sinto ela morder minha pele com força.

— Isso, morde mais… – falo em êxtase enquanto sentia suas unhas em minhas costas, e seus dentes apertando forte em meu pescoço – Ahh… Que delícia.

Todo meu corpo estremeceu de prazer com tudo aquilo em cima de mim, aquela mulher era perfeita, ela era o motivo da minha insanidade mental, eu não queria viver sem tê-la em meus braços nunca mais.

— Ahh Kara, mais rápido… Isso… Ahh… – seu sotaque ficava em destaque cada vez mais que ela ficava no extremo do tesão – Kara, me fode mais…

Eu sentia meu próprio tesão ficando mais e mais alto ouvindo aquela linda mulher gemendo em meus braços.

Um terceiro dedo é introduzido em sua entradinha, meus dedos estavam totalmente molhados com sua excitação, e ela rebolava em meus dedos, mas eu via que ela já estava ficando sem forças. Eu viro ela pra baixo na cama e ela se agarra em minha nuca, enquanto meus dedos a penetrava mais rápido.

Ela se levanta um pouco se segurando em minha nuca e olhando em meus olhos ela morde meu lábio e depois pende a cabeça para trás revirando os olhos, e sua boca aberta em um perfeito O.

— Você é deliciosa demais, Lena. Eu poderia te foder pra sempre – falo enquanto faço movimentos de "vem cá" com os dedos em sua intimidade, atingindo seu ponto G de forma repetitiva, o que fez o corpo dela tremer embaixo do meu.

— Si-sim, me foda! Me foda Kah.

Ela fala aquelas palavras deliciosas e solta um gemido longo e seus olhos reviram novamente e eu tenho um clímax juntamente com ela, vendo aquela visão em minha frente.

Após aquele segundo orgasmo dela eu sabia que ela estava cansada, eu aguentaria muito mais, mas ela precisava de um descanso.

Sua cabeça deitada em meu pescoço, seu corpo enroscado no meu, sua respiração irregular, que se normalizava lentamente. Eu apenas olhava para aquela deusa em meus braços e pensava que eu era a mulher mais sortuda do mundo.

Ela abre os olhos e levanta o olhar para mim e os azuis se encontram com os verdes e ela sorri para mim.

— Por que desse sorriso bobo para mim, Srta. Danvers? – ela falou enquanto seu dedo desliza pela borda do meu lábio.

— Porque estou tendo a visão da pessoa mais linda deste mundo bem na minha frente… – ela abre o sorriso mais lindo do mundo ao ouvir minha frase e sobe, me dando alguns beijinhos pelo rosto, para terminar com um beijo lento em meus lábios.

O sol estava se pondo lá fora e a luz ia diminuindo aos poucos, era apenas lindo ver como seu rosto ficava lindo de qualquer forma, até com os cabelos todos bagunçados, o batom borrado nos lábios.

E então ouço um barulho tocando de repente e acordo assustada pulando de onde estava deitada e olho que estava em meu sofá, meu óculos tronxo no rosto, e o suor pingando em minha pele.

— Porra… Mais um sonho com a Lena… Eu preciso fazer algo… Não aguento mais ficar tendo esses sonhos quentes com ela.

Pego meu celular e mando uma mensagem para aquela que estava salva em meu celular como "Minha Luthor".

Sorrio ao enviar a mensagem. Me pergunto se ela iria responder logo.

CONTINUA...

E finalmente vamos para o real encontro delas na história.

Hehe.

Não me matem!

Juro que essa é a última vez que elas fazem amor apenas em sonho.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...