História Dança comigo?(Hiatus) - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Death Note
Personagens Beyond Birthday, L Lawliet, Light Yagami, Matt, Mihael "Mello" Keehl, Nate "Near" River
Tags Death Note, Matt, Mattxnear, Mello, Melloxnear, Near
Visualizações 53
Palavras 2.316
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Lemon, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, é um prazer reve-los, lamento a demora, eu sou muito ocupado (a) e só tive tempo agora, acredito que amanhá poderei lançar mais um Cap. :) boa leitura

Capítulo 9 - Ansiedade


Ansiedade

Ansiedade é uma preocupação e medo extremos em situações simples o qual não sabemos o que esperar ou no que pode resultar, naturalmente as pessoas possuem isso em trabalhos ou em provas difíceis, mas no meu caso, era em algo totalmente diferente, era algo que envolvia um certo garoto.

 

Após o nosso encontro me senti indefeso, eu estava com vergonha e toda mensagem que chegava no meu celular me enlouquecia, poderia ser Nate, mas era só anuncio de créditos bônus. Fiquei todo o final de semana sem fazer nada e evitei o máximo que pude de enviar qualquer mensagem para Nate, nós nos beijamos? Sim! Fora bom? Sim claro, fora ótimo, perfeito, maravilhoso! Mas.. O que somos?

O despertador parecia gritar nos meus ouvidos, peguei o meu celular e desliguei o despertador, me levantando e me preparando para as derrotas seguintes, optei por uma calça preta jeans, uma camiseta listrada branca e preta e um casaco creme, calcei meus all star pretos e coloquei os goggles nos olhos. Olhei para o cinto que ganhei de Nate e senti um arrepio interno, peguei o mesmo e o coloquei. Peguei minha bolsa e me olhei para o espelho.

Arrasou, gatão!

Após tomar um café forte e me despedir da minha mãe, sai de casa indo em direção ao ponto do ônibus, desejando que algum meteoro caísse na escola antes que eu chegasse. Entrei no ônibus e fiquei em pé até descer no meu ponto. Olhei para aquela escola, estava intacta, talvez o meteoro se atrasou? olhei para o céu esperançoso mas não adiantou nada.

Entrei na instituição procurando por Mello, mas não achei ele, ele não faltaria, ele ao menos me avisaria. Subi as escadas e encontrei Nate. A última pessoa que eu queria ver agora...

Desci as escadas rapidamente e tremendo, sentindo um suor frio na nuca. Eu não estou pronto para falar com ele agora, voltei a procurar Mello.

Logo avistei a cabeleira loira de longe.

-Mello –Corri na sua direção e o abracei.  Meio gay, eu sei.

- Que porra é essa? Que aconteceu? – Ele se separou de mim e me olhou de maneira preocupante.

- Eu que pergunto caralho, você some o final de semana todo e nem responde minhas mensagens.

- Eu estava sem internet.

Ah...

- Podia ter avisado!

- Estava sem internet!

- Você sabe onde eu moro!

-Estava com preguiça – Ele deu um sorriso sapeca. Filho da puta! – Relaxa eu estou vivo e inteiro por enquanto.

- Tá, enfim, vai pra minha casa hoje? – Andamos em direção a nossa sala.

- Não vai dar estou ocupado. – Ele passou a mão nos cabelos.

Olhei serio para Mello e parei de andar, Mello não fica ocupado com nada, ele é tão vadio quanto eu, que bicho mordeu ele?

- É sério, estou vendo um estágio para mim – estreitei os olhos, tentando acreditar- Eu te mostro o lugar depois, cacete – Sorri vitorioso.

Fomos para a sala e eu rezava para não encontrar Nate tão cedo.

As horas passaram rápido, por conta da matéria de biologia, Mello e eu sabemos a matéria tão bem que colocamos magnésio entre dois blocos de gelo seco, causando uma explosão grande, os alunos saíram da aula correndo e eu e Mello fomos mandados para a detenção, já estava demorando.

Após ouvir gritos do Diretor e sermos obrigados a limpar três salas de aula -o qual devo acrescentar que eu e Mello ficamos fazendo guerra de espada com nossas vassouras, e acabamos quebrando o cabo de uma delas- fomos liberados ouvindo um “não façam isso de novo ou a consequência será maior. ”

Eu e Mello fomos para a cantina, procuramos algo que sustentasse os cinco leões que habitam em nossos estômagos, compramos várias esfihas e duas garrafas de 2L de Coca-Cola.

Após a refeição saudável, fiquei olhando os pivetes rebeldes ali presente, mudei meu olhar para Mello e vi que ele fazia uma cara muito irritada.

- Relaxa cara, eles não são nada e você sabe disso.

- O problema não é esse, eles estão mexendo com coisa que não devia, alguém devia colocar eles no devido lugar.

Me preocupei na hora, Mello não era o tipo de cara que senta e conversa, e sim do que bate e depois pergunta.

- Mello, não faça merda cara, o dia tá bom demais pra ser segunda.

Ele não disse nada, só deu de ombros e abaixou a cabeça, mudei meu olhar e vi que Nate estava se aproximando, ele estava vindo na minha direção!

- Mello, vamos sair daqui – Eu já estava levantado.

- Por que? Ainda não tocou o sinal – Ele me olhou arqueando uma sobrancelha.

- Vamos sair daqui agora! –Segurei seu pulso e o forcei a levantar, entrando na multidão de alunos que se movimentavam como um bando de animais.

Sentia meu coração bater rápido. Muito rápido.

Eu não estou com medo de Near, estou com medo da reação dele. Não, não estou com medo de saber qual é a nossa relação depois daquele beijo, estou com medo de não ser o que eu espero.

Andei rapidamente com Mello até o final de um dos vários corredores da escola.

- Matt, que aconteceu? – Mello falou alto e soltou seu pulso da minha mão, me olhando assustado.

Eu não conseguia falar nada, eu não devia estar assim, né? Foi só um beijo, eu já beijei antes...

Mas por que não é a mesma coisa?

- Mello, eu... desculpa, eu só me sentia mal em volta daqueles pivetes – Menti, mas foi necessário, Mello não era obrigado a saber dos meus problemas românticos.

- Calma cara, você parecia apavorado! – Ele passou as mãos nos cabelos frustrado.

Senti meus olhos lacrimejarem e minhas mãos tremerem quando vi Near no fundo do corredor me olhando.

Mas...

Ele foi embora.

Senti minha mente esfriar e uma pontada no peito.

- Desculpa, acho melhor voltarmos e-

 

PIIIIIP

 

- Hora de você ir ensaiar.

- Não, Linda está doente, e eu não quero ensaiar com o Yagami de novo, prefiro a professora de física – Fiz uma careta ao lembrar do castanho.

Depois do intervalo a aula fora um tédio, felizmente passou rápido, ouvimos o ultimo sinal tocar e eu joguei tudo na bolsa e sai da escola rapidamente sendo seguido por Mello. Ouvi gritos e alguém reclamar, parecia uma briga boba, não me importei, mas parei quando ouvi a voz de Mello.

- Moleque, volta de onde você veio e eu esqueço sua existência. – Mello falava calmamente com um garoto que estava encostado em uma moto ao lado de vários meninos, olhos azuis, cabelos castanhos e raspado de lado, roupas pretas e jaqueta, era menor que eu e Mello, o menino jogou o cigarro no chão e pisou no mesmo, olhando Mello de maneira desafiadora.

- Depois do que eu vou fazer com a sua cara, você nunca mais vai esquecer a minha existe- O garoto fora interrompido com um soco de Mello, Caindo no chão com tudo. Que dó...

As meninas gritavam de desespero e os meninos riam incentivando, a mochila de Mello jazia no chão e o mesmo já tirava sua jaqueta de couro, pronto para espancar o pivete. Os meninos que estavam ao lado dele foram na direção de Mello.

Eu não ia deixar meu amigo apanhar sozinho, joguei minha mochila no chão e fui em direção ao primeiro que vi, dei uma rasteira até ele cair no chão e fiquei em cima dele, dando socos fortes na cara do mesmo, sentia minha mão latejar, mas eu não pararia, alguém contornou seus braços no meu pescoço e começou a apertar, como um mata leão, não sentia o ar nos meus pulmões e minha garganta doía. A dor parou e o garoto soltou meu pescoço, olhei para trás e vi Mello em cima do garoto que me dera o mata leão. Mello estava insano, com muita raiva, eu podia ver a falta de controle nos seus olhos. Até eu temia esse olhar, vi outros amigos de Mello chegar e começar a brigar com os garotos. Senti um peso nas minhas costas e cai no chão, alguém me virou de barriga para cima e se sentou na minha barriga, desferindo socos na minha face, ele tentou me enforcar mas peguei o canivete na minha bolsa e fiz um corte no seu peito, ele saiu de cima de mim e logo eu rapidamente me levantei, dando um chute no seu rosto e indo em direção ao garoto que apanhava de Mello.

Ouvimos sirene de polícia, logo Mello soltou o garoto, as meninas voltaram a gritar mais alto, logo eu e Mello pegamos nossas mochilas e saímos correndo, os outros envolvidos na briga fizeram o mesmo, pulei um muro e me escondi atrás de uma cerca velha e enferrujada, ouvindo as sirenes cada vez mais distantes.

Aproveitei para respirar, tentei puxar o ar para o pulmão várias vezes, e senti meu lábio inferior latejar, eu estava suando e senti que havia um corte na minha testa. Eu estava um caco, e sentia dor em todas as partes do meu corpo. Levantei com dificuldade e custei a andar devagar, parei assim que ouvi passos. Podia ser a polícia.

- Matt – Ouvi aquela voz. Aquela maldita voz!

- Near. – Falhei ao tentar pronunciar seu apelido. Ele me mediu com o olhar e balançou a cabeça negativamente.

- Vamos, venha comigo.

Eu não queria ir, eu não queria que ele me visse assim, era muita humilhação, mas o segui. Ele abriu a porta do carro para que eu entrasse e logo o fiz, me encolhendo no banco e abraçando minha mochila.

Ele se sentou no banco de motorista e logo começou a dirigir.

Tive memoria naquele momento, o carro, o encontro, o beijo... O que nós éramos, afinal?

Senti meu corpo tremer e minha garganta estava seca, eu apertava minha bolsa com força.

- Near – tentei chamar ele, mas ele não disse nada.

- Near-

- Agora não, Mail – Desisti e me encolhi no banco, talvez não fossemos nada. Talvez eu imaginei demais.

Nate estacionou o carro em um lugar que logo reconheci ser o bairro dele, ele saiu do carro e abriu a minha porta, me chamando com o dedo indicador, sai do carro e o segui.

Ele pegou suas chaves no bolso da calça e destrancou a porta entrando. Entrei no ambiente e senti um cheiro de Limão, dando de cara com uma sala grande e bem organizada, deve ser a casa dele, vi uma fotografia grande na parede mais próxima, era Nate, um outro garoto que não pude identificar, e dois adultos, uma mulher e um homem, todos sorriam na foto, menos Nate.

- Venha – sua voz me chamou a atenção e ele estava subindo as escadas para o segundo andar, o segui e ele abriu outra porta, revelando um quarto grande e muito arrumado, com vários livros e um grande globo terrestre na sua escrivaninha. Ele pegou uma caixa pequena e branca e se sentou na cama.

- Sente-se – ele pediu sem me olhar. O fiz rapidamente e tremendo.

Ele começou a analisar minhas férias e logo passou um pano com álcool, senti dor, mas aguentei, logo ele enfaixou os cortes mais profundos e colocou um band-aid em cima dos cortes mais leves.

Logo eu estava novo em folha por fora, mas continuava um caco por dentro.

Ficamos em silencio por alguns minutos, mas pareciam horas...

- Você não foi a aula de dança hoje – Ele se pronunciou. Me olhando.

- Eu não queria ter aulas com o Yagami – desviei o olhar.

- Não queria ter aulas com o Yagami ou não queria me ver – engoli seco e senti minhas mãos tremerem de novo, meu coração acelerando. – Você fugiu de mim o dia todo, o que aconteceu? Foi por causa do beijo?

Senti meus olhos lacrimejarem e minha garganta apertas, minha perna esquerda não parava quieta. Eu não queria falar sobre aquilo...

Eu não aguentava mais, mas sabia que se eu falasse eu iria chorar, não era para termos nos envolvido assim, isso não era para ter acontecido!

- Matt! Fala comigo! – Ele me despertou dos meus pensamentos.

- Near Eu não aguento mais! Isso não devia ter acontecido, disse que não iria me envolver com você, mas me envolvi com você mais do que o limite suportaria, você brincou comigo, zombou de mim até onde podia, mas eu permiti, então por favor, só me responde uma coisa –Eu estava desesperado e faltei gritar, assustando o garoto.

- Diga –Ele falou baixo, quase em um sussurro.

-...É reciproco? –Hesitei na pergunta, falando baixo e com a voz falha.

Nate ficou quieto, como se refletisse, ele abaixou a cabeça e segurou minha mão, entrelaçando nossos dedos. Faltei ter um enfarte.

- Nate, você..- Não consegui terminar minha frase.

- Matt, isso realmente não era para ter acontecido, mas aconteceu, eu sou o culpado, não devia ter feito aquilo, se quiser, podemos esquecer tudo e-

- Não! Eu não quero, por favor vamos resolver isso, isso está acabando comigo! –derramei lagrimas e praticamente implorei.

Ele me olhou confuso e balbuciou alguma coisa.

- Então o que você que aconteça depois disso, Matt? –Ele faltou alto, tão desesperado quanto eu.

- Eu quero que você me beije –Gritei, sentindo minhas bochechas queimarem. Fechei os olhos com força, não conseguia olhar para Nate.

O silencio reinou e eu decidi abrir os olhos, vendo o albino ficar boquiaberto e suas bochechas ficarem rosadas.

- Eu– tentei falar algo, mas os lábios de Nate não permitiram tal ato.

Ele me beijava de forma calma e carinhosa, entrelaçando sua língua na minha, acariciando meus cabelos, deitei na cama e o garoto ficou em cima de mim, enquanto eu abraçava sua cintura.

Dei um sorriso no meio do beijo. Ouvindo uma risada. Foda-se o que eramos, estavamos juntos e isso já bastava.

Eu estava ansioso, mas não por uma resposta dessa...

 

 

 


Notas Finais


Lamento a demora, mas acredito que os Cap vão sair embaralhados, sem data marcada rs, mas espero que tenham gostado, SIM! mattxnear é oficial! e as coisas só tendem é melhorar :) (até determinado cap , né rs) acredito que o titulo foi um pouco pesado, ja que ansiedade é algo muito sério e grande parte de população sofre com isso, mas exatamente por esse motivo eu adicionei essa emoçao(doença) como uma caracteristica do Matt,eu não tenho ansiedade mas fiz uma pesquisa sobre o assunto e tentei me espelhar nas pesquisas para que não parecesse muito artificial, eu estou prestes a sacrificar alguns de meus horarios de estudos,trabalhos e de grande importancia para lançar os cap, afinal ppstar os cap são tão importantes quanto meus estudos, lembrando que criticas construtivas sao bem-vindas e comentem se gostaram ou se quiserem lançar suas teorias sou todos olhos para ver rsrs, até o prox cap :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...