História Dangerous love: second season - Capítulo 46


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber, Selena Gomez
Tags Jelena, Justin Bieber, Selena Gomez
Visualizações 133
Palavras 4.000
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente, então esse é o último cap da fic. Espero que gostem, eu tive essa ideia de última hora e só fui escrevendo, espero que entendem tudo e se ficarem confusos, comentem que tiro a duvida de vocês. Boa leitura!

Capítulo 46 - Love will remember.


Uma claridade invadiu meus sonhos esta noite trazendo conforto ao meu coração tão solitário e amargurado pela vida, mas que insiste em bater por aqueles que mais amo. Eu acho que foi você mais uma vez, foi você quem invadiu os meus sonhos para me confortar durante as noites frias de solidão quando estou chorando baixinho por uma saudade que nunca será curada.

A vida sem você tornou-se sem graça e todos a minha volta notam que você era a minha felicidade que agora se tornou em lágrimas.

Esses dias me peguei olhando para um casal de jovens que andava de mãos dadas no parque, eles pareciam tão apaixonados e instantaneamente lembrei de nós. Nunca tivemos a chance de ter algo natural por conta dos erros que cometemos, porquê nos conhecemos no momento errado e nos apaixonamos perigosamente.

Eu queria poder andar ao seu lado, segurando sua mão que se encaixava tão perfeitamente a minha. Queria poder beijar seus lábios, sentir que finalmente estou em casa novamente e que nada poderá tirar você de mim, mas você não está mais aqui, você se foi e deixou nosso futuro na palma de minhas mãos e agora tudo o que tenho é seu sorriso em minhas memórias.

Eles dizem que tenho que seguir em frente e que não posso desistir. Eu sei, eles têm razão e você sabe por que nunca desisti? Com certeza você sabe porquê.

Bryan está tão sapeca e lindo como você. Seus cabelos estão em um castanho claro agora, sua pele está um pouco bronzeada por conta do sol da praia, suas pernas estão mais gordinhas e ele ganhou algum peso e o mais importante é que ele sorri quando falo de você, ele sente saudades assim como eu.

Bryan está me olhando atento agora, suas pupilas estão dilatadas e seus olhos brilham, assim como os seus. Mel está o levando para o mar junto a Ashley e ele parece adorar já que ouço sua risada daqui onde estou. Todos sentem sua falta, você não ideia de como faz falta na vida de todos e de como as coisas mudaram sem você por aqui.

 

- Ei, Justin – Ashley toca em meu ombro agachando na grama verde e fresca para ficar à minha altura. Posso ver a preocupação em seus olhos azuis e também um certo receio – Está na hora de irmos, Lisa ficará com as crianças – Olho para a morena que brinca com os pequenos enquanto eles correm pelo jardim da casa. Lisa tornou-se mais responsável e madura, sempre está aqui para me ajudar com as crianças e leva-los para passear – Você está bem? Se não estiver, você pode ficar.

- Eu estou bem. Está tudo pronto? – A loira assente enquanto levanto retirando a sujeira de minha calça jeans. Dou uma última olhada nos pequenos respirando fundo e adentro a casa pegando a chave do carro – Vamos?

 

Ainda lembro daquele dia como se fosse hoje, é uma memória tão fresca em minha mente e que não consigo apaga-la.

Aquele tiro estava destinado a mim e não a você. Ele atingiu seu peito esquerdo e em segundos você estava caída no chão enquanto o barulho das sirenes da polícia e ambulâncias tornavam-se cada vez mais próximos. Com a última bala que restava, dei um tiro certeiro no abdômen de Caitlin a fazendo cair no mesmo momento.

Foi tudo como um borrão, eu apaguei instantes depois há poucos metros de você enquanto os paramédicos tentavam reanima-la.

Lembro de acordar no hospital desnorteado com Demi ao meu lado. Eu a olhei e ela parecia destruída, não só porque havia descoberto que o marido havia lhe enganado todo esse tempo e morrido de verdade, mas também porque havia algo de errado com você. Naquele mesmo momento, ela contou que Caitlin não havia resistido a cirurgia e acabou morrendo há algumas horas atrás.

No começo, eles não quiseram contar o que havia acontecido, mas fiz um escândalo dentro do hospital e eles finalmente tomaram coragem para me falar. Você ainda estava em cirurgia, eles ainda estavam tentando tirar a bala de seu peito. Uma cirurgia que levaria oito horas, estava já em doze.

As próximas horas foram excruciantes, lembro-me de não parar de chorar por nem um segundo, sentindo o medo de perder você. O médico apareceu nos informando que haviam conseguido retirar a bala, mas só saberiam se houve sequelas quando você estivesse mais forte para fazer os exames.

Três semanas passaram e você finalmente acordou. Eu a abracei com tanto amor, nossas lágrimas se misturavam a tanto medo e tanta saudade que não me importei de beija-la em frente a uma equipe de médicos e enfermeiros.

Fazendo os primeiros exames, você começou a ter alguns enjoos e foi quando o médico nos deu a notícia de que iriamos ter um bebê. Eu me senti o homem mais feliz do mundo, senti que tudo iria ficar bem e que nada mais importava. Eu via você respirar, ouvia seu coração bater, seus olhos cheios de esperança, mas nem tudo estava bem.

Era madrugada e estávamos vendo um filme em seu quarto de hospital, esperando pelos resultados do seu exame para finalmente ter sua alta. O médico entrou no quarto e pelo semblante dele, eu soube que havia algo de errado.

“Nós fizemos os exames e eles constataram que há um problema em uma das principais veias de seu coração. Por enquanto não é tão grave, mas com o tempo o problema irá se desenvolver cada vez mais. Sugerimos um transplante de coração, mas como você está grávida, seria perigoso para o bebê e para você. ”

 

“ E se eu não a fizer? ”

“ Você terá no máximo mais um ano de vida. ”                           

 

Foi como se o mundo tivesse parado para nós. As palavras daquele homem ainda continuam rodopiando em minha cabeça.

Lembro que você pediu minha opinião e eu falei que se estivesse no seu lugar, optaria pelo transplante o mais rápido possível, mas não insisti muito em minha opinião, decidi que você optasse pelo que quisesse sem influência de alguém.

E você optou por dar à luz a Bryan e depois tentar fazer o transplante.

No começo, eu neguei sua decisão por algum tempo e me recusei a aceitar que você arriscaria sua vida daquele jeito, mas o amor que sinto por você ultrapassou qualquer coisa e eu respeitei sua decisão.

Voltamos para a casa, mas decidimos alugar outra em Los Angeles para ficarmos perto do hospital casa você precisasse. Tudo ocorreu bem, mas quando você completou o sexto mês de gestação, as coisas começaram a piorar. Você começou a ficar mais fraca, uma anemia insistente lhe atingiu e você começou a perder peso.

Após um desmaio seu, a levei para o hospital e eles a internaram. Diversos tratamentos foram feitos em você e você ficou um pouco mais forte e engordou mais, mas ainda assim estava fraca e abatida.

Três meses se passaram e nosso Bryan já estava prestes a nascer. Estava tudo bem com ele e já estava pronto para nascer, mas você estava cada vez mais cansada e abatida. A bolsa estourou e os médicos optaram por fazer uma cesariana, já que seu corpo não aguentaria um parto normal.

Bryan nasceu um pouco abaixo do peso, mas estava tudo bem e ele tinha todo o amor do mundo já, mesmo tendo poucos minutos de vida. Eu o peguei em meus braços enquanto ele ainda chorava e o entreguei em seus braços. Ele se aconchegou em suas mãos e parou de chorar no mesmo instante quando você sussurrou que o amava.

Eu juro que nunca vi cena tão linda em toda a minha vida. Fui até o seu lado e tiramos uma foto sorrindo e logo depois beijei sua bochecha sussurrando um eu te amo em seu ouvido enquanto lágrimas de felicidade caiam de ambos os dois. Ela também sussurrou um eu te amo enquanto eu pegava Bryan de seus braços, memorizando aquela cena para nunca mais esquecer.

Enquanto entregava o pequeno para uma das enfermeiras, ouvi uma agitação atrás de mim e quando virei você já estava desmaiada com vários médicos em sua volta tentando reanima-la de alguma forma. Eles me arrastaram da sala enquanto eu gritava seu nome em meio a gemidos de dor e incontroláveis lágrimas. Eu mal sabia que aquele tinha sido a última vez que ouviria um eu te amo seu.

Eles conseguiram reanima-la, mas você precisava de um transplante urgente. Algumas horas depois eles o conseguiram e você voltou para a sala de cirurgia, ficando incontáveis horas aberta em uma maca enquanto eu cada vez mais ia morrendo por dentro.

Horas depois o médico informou que o transplante havia ocorrido bem e que você já estava no quarto, ainda desacordada.

Mas foi impossível não haver consequências...

 

- Ainda escrevendo para ela? – Assinto guardando a caneta e o livro e a loira sorri de canto enquanto aguardamos sentados em cadeiras desconfortáveis na sala de recepção – Eu acho a sua atitude muito bonita.

- Srta. Benson, Sr. Bieber. Me acompanhem – Uma enfermeira nos aborda sorridente e levantamos a acompanhando adentrando as duas grandes portas tão conhecidas do local.

Seguimos por um corredor estreito e iluminado com uma decoração toda em branco, vasos e flores coloridas, quadros criativos e avisos nas portas. Em cada quarto que passávamos, dava para ouvir pessoas conversando, fazendo meditação, algumas olhando TV em uma sala e outras jogando jogos de tabuleiro. Tudo parecia normal ali dentro, mas no fundo todos encaravam seus problemas há cada minuto de seu dia, tentando manter uma vida melhor.

Dobramos em mais outro corredor e finalmente entramos em uma sala com cadeiras, quadros com diplomas e alguns aparelhos médicos. A enfermeira diz para sentarmos em frente a escrivaninha e esperarmos enquanto ele não chegava. Olho impaciente para Ashley enquanto ela devolve um sorriso reconfortante, tentando me acalmar.

- Desculpem o atraso, estava resolvendo o caso de uma outra paciente – O homem de cabelos cinza e barba grisalha senta em nossa frente com um sorriso simpático, mas não vejo motivos para fazer o mesmo – Já foram até o quarto? – Negamos e ele coça a barba retirando alguns exames de um envelope – Então me acompanhem, temos que conversar algumas coisas antes de tudo.

Saímos do lugar enquanto acompanhamos o homem pelo mesmo extenso corredor. Ele para em um quarto que está com a porta entreaberta e a empurra levemente fazendo com que meu coração acelere no mesmo momento, vê-la seria sempre como a primeira vez e não importa quanto tempo passe, meu coração sempre aceleraria quando a visse.

Ele entra primeiro aproximando-se da morena que está distraída colocando algumas roupas na mala. Toca em seu ombro e ela se assusta fazendo uma careta, mas logo tranquiliza após ver o homem que vem lhe ajudando por tanto tempo.

- Como está se sentindo Selena? – Ela o encara e logo volta seu olhar para a janela ao lado da cama, está um dia radiante e quente lá fora.

- O jardim está muito lindo, gostaria de ver como ficou após a reforma – Volta a encara-lo com uma expressão séria e determinada enquanto o doutor sorri simpático. A morena parece não notar nossa presença ou decidiu nos ignorar e apenas se foca no homem – Prometo me comportar e voltar daqui alguns minutos.

- Tudo bem, mas não demore – Termina de colocar uma blusa na mala e a fecha saindo em passos largos sem ao menos nos encarar.

Me aproximo da janela e em poucos segundos ela já está no jardim perto das tulipas e rosas, conversando com algumas garotas. Seu cabelo está mais escuro que antigamente, um castanho escuro quase preto e ondulado nas pontas, foi a primeira mudança que ela fez quando chegou aqui. Está mais saudável e parece mais forte, mas seu olhar e seu sorriso não são mais os mesmos e todos notam isso.

- Antes que Selena vá, precisam entender algumas coisas – Ashley senta ao meu lado na cama de solteiro enquanto eu encaro o médico com uma expressão vaga – Como sabem, após o transplante Selena ficou desacordada por um pouco mais de dois meses e isso obteve consequências. Quando o bebê nasceu, houve uma parada cardíaca e um espaço de tempo grande para reanima-la fazendo com que seu cérebro ficasse um tempo sem receber o oxigênio devidamente, o que ocasionou na perda de memória quando ela acordou.

- Nós já sabemos disso há muito tempo, doutor. Por que está nos dando o diagnóstico de novo como se não soubéssemos de tudo isso? – Ashley pergunta um pouco agitada levantando da cama e a puxo devagar pelo braço para que volte a sentar ao meu lado.

- Selena acordou não lembrando de nada, apenas de seu nome. Nós achamos que a falta de memória seria algo temporário, mas estávamos enganados. Selena está há um ano nesta condição, ela apenas lembra quem são seus pais e algumas memórias da infância – Suspira fundo mostrando alguns exames para nós que mais parecem borrões – Não há nada de errado no cérebro dela, ainda achamos que é algo temporário e que ela possa recobrar as memórias daqui alguns meses ou até mesmo anos, mas também há a possiblidade dela nunca mais voltar a lembrar de nada – Olho para o chão evitando manter contato visual com qualquer um daquela sala, eu já havia escutado aquelas mesmas palavras algumas vezes, mas elas eram difíceis de ouvir – Selena não sabe que é casada com você ou que tem um filho, decidimos isso juntos de que não contaríamos a ela, pois seria pior para o tratamento. Eu aconselho a não contarem ainda, pois ela ficará confusa e quando contarem, venham até aqui que os ajudo a contar de uma forma melhor. Você acha que consegue, Justin?

Eu o encaro, mas não consigo dizer nada no momento. Selena se tornou em outra pessoa, ela não era mais a mesma mulher por quem me apaixonei. Quando ela acordou e quando informaram seu diagnóstico, tentei de tudo para me aproximar, mas Selena construiu um ódio sobre mim desde o primeiro momento.

Ela tornou-se em uma mulher fria, arrogante, egoísta, manipuladora e o oposto do que sempre foi. O brilho em seu olhar já não existia mais e o sorriso que iluminava minha vida, havia se tornado em algo sem emoção, em uma eterna atuação de felicidade.

Sinto saudades da mulher pela qual era apaixonado e eu sei, muitos podem achar egoísta eu estar escrevendo como se ela tivesse morrido e eu a tivesse a perdido, mas no fundo eu sei que a perdi. Ela está viva, mas eu não a encontro mais naquele mesmo corpo e coração.

- Dr. Montgomery, ela estava querendo fugir de novo – Uma enfermeira puxa calmamente Selena pelo braço que está furiosa. Não é a primeira e nem segunda vez que ela tenta fugir quando chegamos, com suas manipulações, ela anda conseguindo tudo o que quer das outras pessoas.

- Selena, você sabe que aqui não é nenhum hospício para prender você, aqui é uma clínica para ajudá-la, mas agora está na hora de você sair daqui um pouco. Lembra do que conversamos?

- Essa vadia impertinente tinha que estragar meus planos – Bufa irritada enquanto levantamos da sua cama e ela evita manter contato visual conosco. O doutor cochicha algo em seu ouvido e vejo seus ombros relaxarem e ela voltar a ajeitar suas coisas.

- Ashley, você pode por favor ajuda-la? – A loira o encara sem entender enquanto ele se aproxima de nós – Você sabe que a única pessoa fora os pais que Selena lembra, é como se conheceram na infância, ela acha que você é uma velha amiga que está aqui apenas para dar um oi.

- Vou esperar no carro – Viro as costas saindo e deixando Ashley com Selena.

Saio do carro já um pouco irritado com a demora quando vejo as duas saindo enquanto Ashley carrega sua mala. Abro o porta malas colocando a extravagante mela e o fecho sentando no banco do motorista, enquanto Ashley senta ao meu lado e Selena no banco de trás já que decidimos que assim seria melhor.

Assim que desligo o carro, meu coração palpita ao ver Bryan correr até o carro como sempre faz quando chego do trabalho. Eu sempre mostrei fotos de Selena para o pequeno, falando que ela era sua mãe, mas por conta de sua condição, nunca pude leva-lo até a clínica para ele a ver.

- Papai – O pequeno se joga em meus braços balançando seus pequenos cachos castanhos e com um carrinho nas mãos. Beijo sua bochecha e ele dá uma risada gostosa enquanto o coloco no chão. Bryan ainda fala pouco, pois acabou de completar um ano e seu vocabulário tem no máximo poucas palavras.

- Não sabia que você tinha um filho – Encara o pequeno cruzando os braços, com um sorriso malicioso nos lábios e quase fico com raiva, mas lembro que Selena não tem culpa de não reconhecer o próprio filho, eu nunca a culpei por essa situação e sim a mim. Bryan a olha com os olhinhos brilhando, mas logo é retirado por Ashley de meus lábios enquanto ela o leva para dentro.

- Papai, tudo bem? – Mel pergunta ajeitando seu cabelo enquanto agacho um pouco para abraçar a minha fiel companheira. Minha relação com Mel se tornou maravilhosa e sem empecilhos algum, antes de tudo acontecer ela até começou a chamar Selena de mãe. Tem conhecimento de toda a situação e sabe que Selena não se lembra de nada, posso ver seus olhos marejarem ao olhar para Selena que ri.

- Dois filhos? Você está cada vez mais me surpreendendo, moleque – Sai caminhando em passos largos com atitude enquanto eu e Mel a olhamos.

- Lisa está te chamando, vá ver o que ela quer – A pequena assente indo para o jardim enquanto sinto meus olhos marejarem, dói tanto ver que ela não lembra das crianças que tanto amou e que com certeza seria a melhor mãe para eles se apenas lembrasse.

Entro em casa já sentindo o cheiro de hambúrguer e batata frita enquanto ouço a risada pela qual sempre fui apaixonado. Ashley e Selena estão disputando o fogão enquanto riem de algo que acabaram de derrubar, me debruço sobre o balcão.

Qualquer um ficaria feliz em ter sua mulher de volta e não vou negar que me sinto bem ao vê-la com saúde a minha frente, mas ela não é mais minha mulher, é apenas uma estranha no corpo dela.

- Tenho uma novidade para você – Ashley diz tirando o avental que usava e encara Selena com um sorriso enorme nos lábios – Eu estou grávida.

- Parabéns – Lhe abraça sorrindo e por um momento quase pude notar alguma semelhança com a mulher que tanto amo – Quem é o sortudo? Ele teria algum amigo para me apresentar? Estou precisando transar.

- É... o nome dele é Ryan e estamos namorando há quase dois anos – A loira diz sem graça olhando para mim. Sacudo a cabeça e saio indo para o jardim, para a área de piscina.

Tomo um longo e relaxante banho de piscina me permitindo deixar algumas lágrimas cair no caos do momento. Eu tenho que vê-la, mas não posso toca-la, não posso beija-la, não posso ama-la.

Saio da piscina pegando uma toalha e secando o cabelo, as crianças e Ashley haviam saído para assistir um filme e tomar sorvete, acredito que Selena foi junto. Subo as escadas devagar cantarolando alguma música para me distrair e só noto que Selena está em meu quarto, quando sinto o barulho de minha cama.

- Quando você iria contar que somos casados? – Suspiro fundo virando de costas e a encontrando com sua aliança na mão.

- Nós tivemos que retira-la para a sua cirurgia, mas eu nunca mais devolvi ela por motivos óbvios – Gaguejo colocando uma camiseta enquanto olho para aliança em meu dedo, nunca tive coragem de tira-la – Eu posso explicar.

- Explicar o que? – Levanta alterada e só agora noto que ela havia achado um álbum repleto de fotos do nosso casamento, do nascimento de Bryan e até mesmo de Mel – Que eu tenho um filho? Que tenho uma família? Que você me enganou todo esse tempo? Por que fez isso?

- Porque você não é a Selena que eu amo e ela nunca vai voltar – Berro e ela se assusta com lágrimas nos olhos, respiro fundo tentando me acalmar – Você não tem culpa disso, mas eu sim tenho e é por isso que estou bravo, porque não pude proteger você.

- Justin, eu...

- Me desculpe por tudo.

Pego o álbum e saio em disparada até a praia caminhando sem direção enquanto deixo as lágrimas rolarem por meu rosto. Após finalmente sentir minhas pernas fraquejarem, sento sobre a areia e abro álbum olhando para a foto do nosso casamento, estávamos dançando ao som de All of Me do John Legend, que sempre foi nossa canção.

 

Sinto a sua falta, mesmo seu corpo estando há metros de mim, sei que não é você dentro daquele corpo. Se estivesse aqui, você diria que eu seria capaz de conseguir amar essa Selena de agora, mas seria como amar uma outra mulher e dentro de mim, eu sei que nunca conseguirei amar alguém além de você, não como te amo.

Vou levar nossos momentos na memória e espero que algum dia você os lembre também, lembre que eu sou a pessoa que mais te ama no mundo.

 

Termino de escrever e me pego cantarolando um pedaço de All of Me enquanto olho para o mar com o olhar disperso. Fecho o livro e o álbum, mas quando estou prestes a levantar, ouço uma voz angelical atrás de mim, o que me faz virar no mesmo momento para encarar seus olhos marejados.

- Cause I give you all of me and you give me all of you – Ela canta com a voz embargada enquanto levanto deixando-me chorar em sua frente – Eu nunca vou esquecer essa música, essa é a nossa música.

Dou um sorriso largo em meio as lágrimas e a envolvo em um abraço. Ela me aperta em seus ombros suspirando fundo enquanto aproveito o momento e confesso que senti a minha Selena em meus braços, a mulher que tanto amo.

- Posso sentar ao seu lado? – Pergunta e puxo a sua mão para que sente ao meu lado. Ela envolve seus braços em meu pescoço me abraçando de lado, enquanto sinto estar tremendo um pouco – Eu não faço ideia do quão difícil isso deve estar sendo para você, mas quero pedir uma coisa – Passa as mãos em meu cabelo em uma forma de carinho e me arrepio com um simples toque seu – Não desiste de mim, por favor – A encaro um pouco assustado com suas palavras e ela dá uma risada fraca – Com o tempo, eu sei que vou lembrar de tudo, mas de uma coisa eu já sei, eu sei que te amo.

 

Agora você está olhando em meus olhos e eu não consigo acreditar no que está acontecendo, você lembrou da nossa música, você disse que me ama.

Neste momento, me agarro a uma esperança explosiva. Sinto que aos poucos você está voltando para mim.

O nosso amor é maior do que qualquer outro empecilho, ele grita arrebatando qualquer sentimento e nada poderá derruba-lo.

Nós percorremos um longo caminho até aqui, a nossa história é uma bagunça e repleta de erros, temos consciência disso. Apesar de tudo, nos apaixonamos avassaladoramente e obtemos um amor poderoso, inesquecível.

Estaremos sempre viciados nesse amor perigoso, para sempre.

Te amo!

Seu Justin...

 

- Eu nunca vou desistir de você – Olho em seus olhos e ela sorri maravilhosamente colando seus lábios nos meus em um selinho simples, mas repleto de sentimentos – Mesmo que as coisas não voltem a ser como eram antes, vou amar você para sempre. Eu prometo.

E, assim passamos a noite inteira na praia com a incerteza de que todas as suas memórias voltariam algum dia, mas com a certeza de um amor inquebrável.


Notas Finais


Então gente, chegamos ao final da fanfic. O que acharam?

Terminamos essa longa e conturbada história e tô muito feliz que vocês a acompanharam por todo esse tempo. Obrigada pelo apoio e por nunca desistirem da fanfic.

Adoro vocês!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...