História Dangerous Loves ( Vkook - Taekook ) - Capítulo 25


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7
Personagens Byun Baek-hyun (Baekhyun), Do Kyung-soo (D.O), JB, Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Jong-in (Kai), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Chan-yeol (Chanyeol), Park Jimin (Jimin)
Tags Bangtan Boys (BTS), Chanbaek, Exo, Namjin, Romance, Taekook, Vkook
Visualizações 232
Palavras 5.534
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Festa, Lemon, Policial, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiie! Como estão?
Vocês perceberam que esse já é o último capítulo? Não estava preparada para isso, mas uma hora ia acabar 😅 bem, ele não está mil maravilhas, quem me acompanha bastante sabe que meus finais não são lá aquelas coisas, mas eu fiz com carinho 😇
Enfim... espero que aproveitem, desculpem os erros 🙏
Obrigada pelos favoritos e comentários ❤️
Amo vocês ❤️

Capítulo 25 - Vinte e cinco


   No dia seguinte, Jungkook acordou segurando carinhosamente Taehyung em seus braços, estavam apenas os dois na casa, o que deixava um silêncio maravilhoso ecooar pelo local, junto aos distantes cantos de pássaros que rodeavam o lugar, cena típica de um filme romântico com princesas e príncipes.

   Jungkook olhou para o lado e viu o menor dormindo num sono calmo, quase como se estivesse sem dormir tranquilamente há tempos, com cuidado levantou a cabeça do mesmo, retirando seu braço de debaixo do castanho, levantando-se com cuidado para não acorda-lo.

   O moreno foi até a cozinha onde perguntou a si mesmo o que deveria fazer para o café, não demorou muito para pegar uma frigideira, decidira que seria ovos mexidos, torradas, e panquecas que aprendera a fazer, acompanhados de um suco de maçã, um típico café da manhã americano, não que o mais velho tenha estudado especificamente sobre esse assunto apenas para poder encaixar-se num possível estilo de vida que o Kim poderia ter adotado, longe disso.

   Jeon ficou entretido na cozinha por pelo menos vinte minutos, as duas queimaduras em sua mão, e os ingredientes que foram parar no chão, resultando numa bagunça e tanto, não eram nada perto do quanto o moreno queria agradar Taehyung, sabia que o mais novo estava seguro agora, e nada melhor do que demonstrar isso com um belo café na cama, mostrando que tudo pode ser feito com calma, e que agora tudo está resolvido.

   Depois de ajeitar tudo em uma bandeja, Jeon caminhou com cuidado até seu quarto, cômodo esse que ainda estava escuro, com cortinas e janelas fechadas para não incomodar o menor, colocou a bandeja sobre o hack que sabia que tinha ali, e foi até o interrupidtor.

   — Não queria te acordar, você parece estar dormindo tão bem, mas te fiz algo — sorria enquanto falava, porém seu sorriso sumiu totalmente quando acendeu a luz, e viu Jackson sentado numa das poltronas que tinha no canto do quarto. — O que você está fazendo aqui?! — sem pensar duas vezes correu e se pôs entre Taehyung e o invasor, o que fez o menor acordar assustado.

   — O que está acontecendo? — foi aí que viu quem estava no quarto. — O que ele está fazendo aqui?!

   — Na verdade a ideia de esperar sentado no escuro foi só para causar um suspense — disse levantando e caminhando pelo quarto, enquanto isso Jungkook o acompanhava de forma que não deixasse que o outro tivesse qualquer tipo de acesso ao Kim. — Eu não estou aqui para fazer mal — disse calmo e ambos os que lhe faziam companhia cerraram os olhos mostrando que não estavam de fato acreditando em suas palavras. — Ah, vocês não acreditam em mim, não é?

   — Nem um pouco! — Taehyung retrucou escondendo-se atrás do moreno, que apenas concordou.

   — Acreditem — falou simples. — Depois que o Taehyung fugiu, nos deixando desmaiados no telhado daquela clínica, meu pai deu por falta do avião — disse pensativo. — Ele perguntou a um de seus capangas que estava responsável por mim, e logo ele ficou sabendo de toda a história, ele me ligou no mesmo momento, é... eu sinceramente nunca levei uma bronca tão grande em toda a minha vida — bateu a mão na própria testa lembrando do quanto seu pai estava bravo. — Ele conhece vocês, sabem muito bem quem vocês são, e disse que nunca, em toda a sua carreira, teve problemas com vocês, que eu era uma vergonha por atrapalhar os negócios e blá, blá, blá... — acenou com a mão demonstrando claramente que não queria continuar com esse assunto.

   — Tudo bem, então você só veio até aqui para nos contar essa história ou... — Jungkook encerrou a frase esperando que o intruso a terminasse.

   — Eu vim até aqui porque o meu pai me obrigou a vir e pedir desculpas pessoalmente — abaixou a cabeça, e de repente nem parecia mais o cara assustador que fora a pouco tempo atrás. — Pediu para me desculpar por agredir o Mark, e por sequestrar o Tae — se calou, esperando a resposta dos dois, que até o momento estavam quase paralisados, não era isso que eles esperavam ao ver alguém que invadiu o quarto, e esperou no escuro, mas era melhor do que ele estar armado e querer matar os dois.

   — Eu te desculpo, desculpo você pelo susto que me deu — Taehyung finalmente saiu de trás de Jungkook para caminhar até Jackson, dando-lhe um abraço, o que o surpreendeu. — Mas se tentar fazer mal para mim, ou qualquer um que esteja comigo mais uma vez, eu mesmo mato você — sussurrou no ouvido do mesmo, esse que engoliu seco, e em seguida desfez o abraço sorrindo grande.

   — Bem, você mexeu com um bem muito precioso para mim, minha vontade foi de te matar quando soube o que aconteceu  — Jungkook disse pensativo. — Mas isso seria risco demais, a reputação do seu pai traria problemas para todos a minha volta.

   — Eu sei, foi justamente por isso, que meu pai veio de tão longe, para conversar com certos influenciadores do governo daqui, e não existe mais ficha criminal para você, você está totalmente limpo, aceite isso como um pedido de desculpas por te fazer passar tanta raiva — sorriu enquanto acariciou a própria nuca.

   — Fez isso mesmo? — o menor acenou positivamente. — Tudo bem, desde que não volte a fazer umas loucuras dessas, espero que seu pai consiga lhe ensinar bem como se deve agir em certa situações.

   — Bem, na verdade, eu fiz isso porque estava carente de atenção, é complicado explicar — respondeu caminhando em direção à porta.

   — Ei! Jackson, o chamou, eu estava com uma arma em meu quadril esse tempo todo — revelou o objeto citado. — Que bom que você trouxe boas notícias — sorriu e o Wang apenas acenou com a cabeça e se retirou.

   — Onde você pegou essa arma? — Taehyung perguntou sentado na cama observando o mais velho pegar a bandeja que quase fora esquecida ali. — Você não disse que estamos seguros agora? Por que andaria armado então?

   — Bem, na verdade, eu já imaginava que alguém viria atrás de você, sem saber se era para o bem ou para o mal, então, tinha que andar previnido, peguei ela na gaveta da cozinha — completou calmo enquanto pegou uma das torradas da mão do Kim.

   — Você guarda armas na cozinha? — indagou bebendo do suco, parecia uma conversa normal que toda família tem durante a manhã antes de sair para o trabalho.

   — Tenho... — levantou-se tirou uma pistola de dentro do criado mudo, uma estava colada com fita adesiva na parte debaixo colchão da cama e a outra ele bateu na parede, e como naqueles filmes, ela escorregou de trás de um quadro. — Armas em praticamente todos os lugares, meu pai me ensinou a sempre ter uma por perto — Taehyung estava simplesmente com os olhos arregalados, e com as mãos travadas ainda segurando o copo de suco e o garfo com a panqueca. — Baby, é só para nossa proteção, agora que você vai vir morar comigo, acho que deveria saber disso.

   — Daddy, fico muito feliz que vamos morar juntos, mas isso não é meio perigoso? — perguntou enquanto Jungkook o envolvia num abraço.

   — Se vai te deixar mais calmo, eu me livro das armas, vou deixá-las bem longe de você, tudo bem? — O menor acenou positivamente enquanto apreciava o café.

   — Obrigado pelo café, daddy, está muito bom — sorriu fofo.

   — Ah, se eu não soubesse que o Jin e o Namjoon vão chegar logo, eu poderia fazer amor com você agora mesmo — disse deixando vários selares no pescoço do mesmo que apenas riu, sentindo-se finalmente livre para relaxar.

   •
  
   •

   •

   — Não, está muito fechado a nossa opção de fuga, se formos por esse caminho, vai ser como simplesmente nos entregarmos — Taehyung dizia sério encarando o mapa, ganhando atenção de todos ali presentes.

   — Então, você sugere que mudemos a rota? — Yoongi perguntou interessado.

   — A rota, e a abordagem — disse deixando todos confusos. — Se o caminhão com a mercadoria vai sair da pista central bem aqui — apontou. — Devemos espera-lo atrás das árvores que tem aqui, enquanto apenas um de nós, no caso seria o Jimin, fala com o motorista.

   — O quê? Eu? — o Park perguntou apontando para o próprio peito.

   — Sim, é bem simples, você está perdido, e precisa de ajuda para chegar em algum lugar, vamos decidir que lugar será esse, e enquanto um deles estiver distraído te respondendo, ou encarando o seu corpo, o que é bem provável que aconteça, o restante da equipe, avança, você só precisará nocautear o que estiver com você no momento.

   — E o meu trabalho é surgir com a viatura assim que vocês abordarem eles — Hosoek falou relembrando sua parte. — Vocês vão pegar tudo o que precisamos, mas ainda sim vai deixar o suficiente para que eu possa aprendê-los acusando-os de tráfico de armas.

   — Exatamente, e quando o reforço que você pedir chegar, já estaremos bem longe — Taehyung concluiu rapidamente fazendo sinais com a mão.

   — Está certo, vamos fazer isso! — Namjoon levantou-se indo se preparar para por o plano em prática.

   — Agora, daddy, você pode por favor ficar comigo no quarto assistindo os meus desenhos? — perguntou manhoso, não parecia que estava planejando todo um assalto a segundos atrás. — Não quero ficar lá sozinho.

   Taehyung já se encontrava sentado no colo de Jungkook, o que facilitou para o moreno, que só precisou se levantar, para poder caminhar com o castanho no colo, até o quarto que os dois dividiam, com as luzes apagadas, deixando o Kim com a chupeta, ursinhos de pelúcia, e todos os desenhos que ele pudesse ver.

   Era um ótimo relacionamento, enquanto estavam na presença de outras pessoas, Taehyung era forte, independente e ameaçador, mas quando estavam a sós, ou na presença de pessoas íntimas, Jungkook rapidamente tornava-se "Daddy" e todo o ar de independência de Taehyung sumia em um piscar de olhos, na verdade isso era bom, os dois cooperavam no trabalho, e nos momentos românticos, esse poderia ser chamado de amor perigoso, mas eles sabiam lidar com isso, e era o que de fato importava.

   (5 anos depois)

   — Saí daí Yoongi! — e num movimento rapido Taehyung agarrou o mais velho pela camisa e o jogou longe, desviando-o do tiro que levaria, mais especificamente atrás de algumas caixas onde estavam transportando as mercadorias procuradas pela equipe.

   — Estão aqui! Tá tudo aqui! — Yoongi não perdeu tempo e abriu a caixa erguendo vários pacotinhos com substâncias brancas, revelando que ao fundo das caixas também tinham armas.

   — Namjoon! Ajude ele e o Jimin a levarem tudo para o carro! — Hoseok alertou para o outro enquanto acertou um tiro certeiro na cabeça de um dos inimigos.

   E com isso restaram apenas o Kim e o Jung contra sete dos criminosos que estavam dentro do armazém com péssima iluminação. Hoseok era experiente com armas, passou praticamente toda a sua vida vivendo uma vida dupla e coincidentemente as duas precisam de habilidades com armas.

   — Tae! Sai daqui! — gritou enquanto lançou no centro do lugar uma bomba de fumaça, que logo preencheu todo o armazém.

   — Hoseok! Não haja como se eu fosse uma criança! Eu literalmente sou o seu chefe! — com essa resposta o mais velho apenas se calou, já havia entrado nessa discussão com o menor várias vezes, e todas as vezes tinha perdido pelo simples fato de que Taehyung era inteligente demais, tinha os melhores argumentos, e era impossível ganhar dele nisso.

   — Tudo bem! Nesse caso, você já sabe o que vamos fazer... — disse isso, e não obteve resposta, mas sabia que o outro estava bem, por isso seguiu com o plano, andando sorrateiramente para o outro lado do armazem.

   Enquanto isso, Taehyung fazia a mesma coisa, aos vinte e um anos de idade, o Kim não havia crescido muito, e nem ficado muito forte, na verdade, ao olhar para ele você poderia facilmente confundi-lo com um simples adolescente, mas enquanto ele andava por entre a fumaça densa, nocauteou três dos homens que estavam em seu caminho, de maneira silenciosa, tal ação que não fora percebida por mais ninguém, esses desmaiados que juntos aos que Hoseok nocauteou, restaram apenas dois.

   Quando o lugar voltou à sua condição normal de vista, isso é, apenas trinta por cento, não precisou de mais que cinquenta segundos para Taehyung atirar na perna de um dos homens, fazendo-o cair, agonizando no chão, e Hoseok fez o outro de refém, o amarrando à uma das pilastras dali.

   — Tae, você pode deixar que daqui eu assumo — Hoseok disse secando o suor que escorria em sua testa.

   — Vem cá, a polícia acredita mesmo com você consegue pegar todos esses bandidos sozinhos, num golpe de sorte? — pergunta encarando a situação do lugar.

   — O quê? Mas do que você está falando? Está claro que o que aconteceu aqui foi: eles jogaram a bomba de fumaça para tentarem me acertar, mas ao invés disso, dispararam as cegas e acertaram em si mesmos — enquanto disse isso, atirou em dois dos homens que estavam apenas desmaiados. — Deixando assim cinco mortos, e quatro feridos — fez uma cara de falsa pena.

   — Eles podem ver! Têm cameras espalhadas aqui — o que estava amarrado disse rindo apenas com a possibilidade de todos ali se darem mal.

   — Ah sim, as câmeras, não se preocupe, três horas antes de invadirmos aqui, um amigo nosso que está bem longe daqui desligou todas elas — e no mesmo momento o sorriso do amarrado sumiu. — A propósito as câmeras me lembraram de vigilância, devo chamar meus fiéis companheiros para levar esses doces homens, e parte da mercadoria, que foi o que sobrou.

   •

   •

   •

   — O que eu estou querendo dizer, é que o Namjoon é gostoso para um caralho, e o Jin tem os lábios atraentes pra porra, então eu acho que a gente deveria fazer uma suruba — Yoongi dizia enquanto estavam todos em volta de uma churrasqueira cada um com uma bebida em mãos.

   — Yoongi, você já não tem paus demais, não? — Jin questionou bebericando de sua marguerita, sentado no colo do Namjoon que apenas ria com a conversa.

   — É claro que eu já tenho paus, mas primeiro que pau a gente nunca rejeita, e segundo: se eu pudesse ficaria com todos vocês, é difícil escolher, e terceiro: as bundas me interessam tanto quanto paus — disse como se estivesse filosofando alguma coisa, e logo tomou todo o restante do whisky que tinha em seu copo.

   — Que conversa estranha, credo — Jungkook comentou encarando os mais velhos.

   — Você sempre foi o mais difícil de conquistar, Jungkook — Jimin disse sorrindo. — Yoongi e Hobi sempre quiseram que você participasse de algo com a gente e nunca conseguiram.

   — Isso é porque eu vejo vocês como meus parentes, e não, eu não vou transar com vocês em hipótese alguma, mesmo depois de uma palestra de uma hora explicando que não somos parentes — disse levantando-se para cuidar da churrasqueira.

   — Então vamos chamar o Tae para isso — Hoseok anunciou e Jungkook o olhou com tanta raiva que o Jung sentia seu rosto queimar, mas descidiu continuar com a brincadeira. — Já repararam naquela franja quando ele começa a suar fica tão sexy, e as pernas dele quando ele decide colocar aquelas meias que vai até o joelho? — soltou um suspiro. — Aquele garoto com certeza é uma dádiva, acho que se a gente conversar com ele, ele topa participar de um programinha a quatro — disse falando com os outros dois parceiros que seguravam o riso e concordavam.

   — Mas nem por cima do meu cadáver! — Jungkook apontou o garfo de churrasqueira para o que estava falando. — O meu garoto é só meu! Não tem essa historinha de convidar ele para porra nenhuma não!

   — Ninguém se preocupa com o fato de vocês estarem discutindo sobre o corpo, ou com quem o meu filho vai ter relações sexuais, não? — Namjoon, perguntou terminando de beber sua cerveja.

   — Namjoon, ele não é mais uma criança, já tem vinte e um anos, pode dar para quem ele quiser — Yoongi disse e o outro apenas bateu com a mão na testa, era constrangedor demais continuar naquele assunto.

   — Sobre o que estão falando? — Taehyung apareceu com uma blusa gigante que ia até o meio de suas coxas, obviamente de Jungkook, com uma meia que cobria os seus joelhos, o que deixava apenas uma pequena parte do short, que usava, à mostra.

   — Estávamos falando como você me ama, e como se entrega somente para mim — Jungkook disse lançando um olhar de fúria na direção do Jung.

   — Não entendi... — disse pensativo mas logo esqueceu concluindo não ser nada importante. — O que vocês estão bebendo? Eu quero — foi em direção à pequena mesa de centro, pegando a jarra de caipirinha e um copo.

   — Não! — Namjoon, Jungkook e Jin gritaram ao mesmo tempo, o que fez o mais novo quase derrubar tudo, tamanho o susto que levou.

   — O que é isso?! Querem me matar do coração?! — perguntou esperando a explicação dos três.

   — Você não pode beber — Namjoon alertou.

   — Appa, eu posso beber sim, não sou uma criança — disse enchendo o copo, e quando foi levá-lo à boca, uma mão o roubou de si.

   — Você pode até ter idade, mas nós não concordamos que você beba, voce ainda não deve estar preparado para isso — Jungkook quem pegou o copo, e tratou logo de beber o líquido ali contido.

   — Ah! Qual é?! Eu já posso ir nos assaltos e tiroteios mas não posso beber um pouco?! Sabe como isso soa ridículo? — disse pegando a jarra mais uma vez, e dessa vez ela fora tomada por outras mãos.

   — Na verdade, eu não concordo com você colocando sua vida em risco, indo à assaltos, tiroteios e nem bebendo — Jin falou por último levando a jarra para dentro.

   Taehyung bufou frustrado por ainda ser tratado como criança e foi se sentar no único lugar vazio que tinha ali, que era ao lado de Yoongi, o Min olhou para o castanho e o cutucou, e assim que conseguiu a atenção do menor, lhe estendeu o copo com whisky, esse que o Kim pegou e imediatamente virou tudo, sentindo pela primeira vez o líquido descer queimando pela sua garganta. E logo os três que estavam contestantando os olharam incrédulos.

   — Que foi? — O Min perguntou. — Ele queria beber ué — deu de ombros e voltou a encher o próprio copo, agora acompanhado com uma outra pequena dose para Taehyung, e assim foram bebendo.

   •

   •

   •

   — Eu sabia que isso ia acontecer! Por isso que a gente avisou para não beber, mas nãããão, ele deu a bebida, e agora ele está na casa dele enquanto eu tenho que carregar esse preguiçoso para o quarto — Jungkook dizia enquanto ajudava o namorado a ficar de pé para levá-lo para cima.

   — Daddy... — Taehyung sussurrou enquanto Jungkook o pegou no colo.

   — Não vem com essa voz fofinha e melosa para cima de mim não — disse chutando a porta do quarto para que a mesma abrisse, logo colocando o castanho na cama, e tirando a blusa do mesmo, junto ao short, para deixá-lo o mais confortável possível.

   — Daddy... gosto quando... cuida do seu Baby... — seus olhos brilhavam como se estivesse refletindo algo de extremo brilho.

   — É? Você foi muito desobediente hoje — disse tirando a camisa que vestia. — Ou será que você já se esqueceu de que você pode até dar as ordens nas missões, mas sou eu quem manda em você.

   — Não Daddy... não esqueci — O Kim sorriu sapeca, sua fala estava completamente embolada, mas ele ainda conseguia formar e falar as frases normalmente.

   — Então por que me desobedeceu hoje, em? — parou em frente ao outro, que sentiu seu corpo extremesser ao ficar literalmente de frente ao abdômen definido de Jungkook.

   — Desculpe Daddy... eu vou aceitar a minha punição — disse olhando levemente para cima, para encontrar um olhar de completa dominância nos olhos do mais velho.

   — Bem, então vamos ver, estique os braços — o menor fez o que lhe fora pedido sem demora. Enquanto isso Jungkook se virou e pegou uma sacola enorme.

   — O que é isso Daddy? É para mim? — percebeu que estava com um grande laço.

   — Sim — disse colocando a mesma no chão, e enquanto Taehyung tentava bisbilhotar o que tinha dentro, Jungkook, em um movimento rápido, algemou as mãos do menor, com uma algema vermelha, esse que assustado olhou para o mais velho que apenas sorria. — Agora sim, eu vou mostrar a quem você pertence, Baby — disse e empurrou levemente o mesmo para trás, fazendo o mesmo cair deitado no colchão.

   Jungkook tirou da sacola, uma corda fina preta, passou a mesma por entre a correte que ligava as algemas e amarrou na cabeceira da cama, deixando o menor preso com os braços para cima. Taehyung imaginava o que mais ia sair daquela sacola, sentia um frio na barriga, estava se perguntando se isso era por causa dos novos brinquedos, por causa da bebida ou se já estava excitado por Jungkook.

   O mais velho voltou à sacola, e tirou da mesma uma panugem cor de rosa, sorriu grande e começou a passar a mesma pela barriga despida de Taehyung, que com esses movimento já começou a respirar mais fundo, sentindo a delicadeza do objeto percorrendo seu corpo. Jeon fazia movimentos de baixo para cima, estava escrito nos olhos do castanho, que ele queria mais, mas isso era uma punição, não seria tão fácil assim para ele ganhar o que queria.

   — Você gosta disso, Baby? — perguntou sorrindo.

   — Sim Daddy... isso é gostoso — disse arrastado, tanto pela bebida quanto pela excitação que estava sentindo.

   — Então vamos melhorar as coisas — disse voltando a ficar de pé, e caminhando mais uma vez até a sacola. Pegou uma pequena embalagem e colocou no chão ao pé da cama, impossibilitando que o Kim visse o que era. — Vamos tirar isso — se referiu a cueca do menos e logo o pedaço de roupa já estava jogado em um canto qualquer do quarto.

   Jungkook então voltou sua atenção ao que acabara de pegar, abriu a caixinha, e passou os olhos pelas instruções, não queria perder mais tempo. E logo ergueu sorrindo satisfeito pelo produto, um plug de aproximadamente dez centimetros. Ele aproximou seus dedos da entrada do Kim, rodeando a mesma, e enfiando a ponta de seus dedos, sentindo pequeno gemidos de excitação vindos do mais novo, mas assim que viu a oportunidade enfiou o objeto no mais novo, era fino, mas ainda sim fez com que o Kim gemesse com o pequeno incômodo que lhe causara.

   — Hmm... Daddy, isso é um plug? — perguntou sentindo o mais velho, retirar e penetrar o objeto em si.

   — Sim, quer ver o que ele pode fazer? — e antes que Taehyung pudesse dar a resposta, Jungkook apertou um botão de um pequeno controle e o objeto começou a vibrar dentro do Kim. — Esse é o nível um, se você for bonzinho e conseguir controlar os seus gemidos, vamos continuar assim, está bem? — viu o menor acenar positivamente enquanto o encarava fixamente.

   Taehyung já estava duro, e o mais velho aproveitou o momento para agarra-lo e começar uma masturbação lenta e contínua, os movimentos de vai e vem eram lentos, porém a lubrificação natural do Kim, deixava que barulhos escapassem, o que fazia com que sentisse mais prazer.

   — Hmm... Daddy... Isso... — o castanho não conseguiu se segurar.

   — Isso foi um gemido, Baby? Vamos para o nível dois então... — aumentou o nível pelo botão e continuou a masturbação, agora com movimentos mais rápidos.

   Taehyung sentia seu corpo inteiro extremesser, sentia seu membro tão duro que quase não aguentava mais, sentia o suor escorrendo por sua testa, enquanto sentia a vibração pouco intensa dentro de si. E foi quando repentinamente Jungkook passou a língua por toda sua extensão que ele soltou mais um gemido arrastado.

   — Mais um Baby? Você já está no nível três, temos até o nível cinco para no divertir — disse aumentando o nível e voltou a atenção imediatamente para o membro de Taehyung, abocanhou o mesmo, adorava sentir o gosto do Kim, sentia o mesmo se remexendo inquieto tentando se livrar das algemas, e quando ergueu o olhar para encara-lo, pode ver que ele mordia os lábios enquanto mantinha os olhos fechados, com isso Jungkook apenas se dedicou mais, fazendo propositalmente barulhos obscenos com a boca, enquanto o abocanhava por inteiro.

   — Daddy... Eu... Hmm... Não aguento... — dizia manhoso, e pelos conhecimentos de Jungkook sobre o parceiro, sabia que ele estava perto de chegar ao seu limite.

   — Tsc, tsc,  você atrapalhou o Daddy na brincadeira dele, vamos aumentar dois por isso, sim? — disse e antes que Taehyung pudesse se opor, apertou o botão no nível máximo do aparelho.

   — Oh! Daddy! Aah! Isso é.... Aahh! — Taehyung se conhecia, arqueava as costas, tentava se livrar das algemas para tocar Jungkook, mordia os lábios e fechava os olhos com força, sentia como se uma pancada de excitação atingisse seu corpo de uma só vez.

   — Vamos Baby... goze para o seu Daddy — dizia intercalando entre chupar toda a extensão de Taehyung e falar com o mesmo.

   — Eu... Vou, Daddy... Ahh! — mexia as pernas, arqueava as costas sentindo-se banhado completamente pelo prazer.

   O Kim sentiu o forte formigamento em sua barriga enquanto Jungkook sentiu o membro do menor enrigesser, infelizmente para o castanho, foi nesse momento em que o maior se afastou, desligou o plug e o retirou de dentro do Kim.

   — Daddy!! Por quê? Não para não — fez uma cara manhosa e Jungkook riu.

   — Isso não seria uma punição se eu deixasse você terminar agora, baby — disse levando uma pequena chave em direção às algemas, e abrindo-as, finalmente liberando o Kim.

   A primeira coisa que o menor fez ao se ver soltou foi puxar Jeon para um beijo, não teve nenhum preparativo, ele enfiou a língua na boca do outro, num beijo profundo carredado de tesão, enquanto o menor passava as mãos pelo peitoral do mais velho, os pequenos estalos que soltavam entre tal ato fazia com que os dois se excitassem mais. Até que o ar fora necessário e tiveram que se separar.

   — Daddy... Você está duro... Eu senti — disse sentando-se sobre os próprios joelhos. — Por que você não vem brincar comigo — engatinhou até a beirada da cama.

   — Ah, mas eu vou brincar, vou sim baby — disse tirado da chibata de dentro da sacola, essa tinha formato de cotação o que fez Taehyung o olhar assustado mas ainda sim interessado na brincadeira. - Fique de quatro para  mim baby - disse e imediatamente o Kim o obedeceu.

   — Daddy... o que você vai fazer comigo? — perguntou empinando completamente a bunda em direção ao maior.

   — Vou começar a sua punição — e logo em seguida desferiu uma chibatada na nádega direita do menor.

   Deu mais uma, o que fez o castanho movimentar-se, e logo sentiu as mãos fortes de Jungkook rodearem seu corpo.

   — Não se mexa baby! Você se esqueceu de quem manda aqui? — perguntou com sua voz totalmente rouca, praticamente embriagante.

   Assim que disse isso, o mais velho segurou com força os cabelos do Kim, puxando sua cabeça para trás, aproximou o membro, ainda coberto pela calça que usava, esfregou o quadril na bunda do menor, enquanto segurava o cabelo com uma mão, e desferia chibatadas no nas nádegas do castanho com a outra.

   — Daddy... eu não aguento mais... eu quero você... por favor — Taehyung pedia com a voz manhosa, enquanto já estava pressionando sua bunda contra a ereção do namorado.

   — Tudo bem, mas isso é só porque eu estou louco para foder esse bumbum perfeito — disse afastando e deixando um selar na nádega do mesmo. — Mas vamos usar o último brinquedinho, tudo bem? — comentou e já estava com o objeto nas mãos, mas o Kim ainda não podia ver já que estava de costas.

   — O que é, Daddy? — Taehyung perguntou, mas assim que terminou a frase sentiu algo cobrir sua boca, uma mordaça de coro, com uma bolinha vermelha que se encaixava perfeitamente na boquinha do Kim, e isso só dava mais excitação ao Jeon.

   Jungkook percebeu que já estava na hora, por isso abaixou sua calça e sua cueca de uma única vez, e Taehyung não podia negar, se sua boca estivesse livre, lamberia os lábios com toda certeza, saber que todo aquele corpo era seu, e que, modéstia à parte, o sexo maravilhoso que ele fazia, acontecia apenas com ele, isso sim o deixava duro, completamente necessitado, queria poder gritar para que Jungkook o penetrasse logo.

   Num único movimento Jeon o puxou para a beirada da cama virando-o de barriga para cima, apertou as coxas do Kim, passando a lingua por todo o local. em seguida, posicionou-se em frente ao Kim, e direcionou seu pênis para dentro do menor, Taehyung agarrava os lençois como nunca, embora sua expressão estivesse demonstrando dor, ainda havia muito praxer ali. Jungkook penetrou o castanho devagar, gemendo rouco a cada momento que entrava mais fundo no menor. Quando as estocadas finalmnte começaram, de forma lenta, Taehyung gemia da maneira que podia, já que sua boca estava ocupada, mas a sua expressão totalmente sexy, o suor na testa como antes dito, isso deixava Jeon louco, quase como se um instinto ainda mais excitante dominasse seu corpo.

   — Hmm... Hmmm! — era o único som que sai da boca do mais novo.

— Eu vou tirar a mordaça, mas eu quero que você grite o mais alto possível — disse deitando-se sobre o menor, e tirando o objeto sexual.

   Quando Jungkook volta a ficar de pé, faz questão de segurar a cintura, a pele macia do Kim era sua perdição, era o seu ponto fraco, segurou com força o suficiente para deixar marcas de seus dedos, e deu a primera estocada funda o suficiente para fazer Taehyung literalmente gritar, e arranhar suas costas de cima a baixo.

   — DADDY!! ISSO!! MAIS RÁPIDO!!! — o menor gritava enquanto segurava-se no torço do maior, e Jungkook o obedeceu, suas estocadas tornaram-se frequentes, forte e fundo, era a melhor sensação que ambos estavam sentindo.

   A cabeceira da cama batia contra a parede tamanho o movimento que estavam fazendo, o móvel rangia, o quarto estava quente, não tanto quanto os dois, mas ainda sim, fazia tudo parecer uma sauna, o barulho dos dois corpos se chocando, e os gemidos e gritos arrastados, isso fazia com que uma corrente de adrenalina percorrece os corpo deles.

   — Quem manda em você Taehyung?! — perguntou seguido de um gemido, enquanto precionava ainda mais seu quadril contra o outro, tentando acertar a ponto do mesmo.

   — VOCÊ!! DADDY VOCÊ MANDA EM MIM!! DADDY EU SOU SEU!! — gritou sentindo ainda mais prazer quando Jungkook iniciou uma masturbação rapida e contínua no mesmo.

   Com todo aqueles movimentos, o Kim não conseguiu se segurar, derramou-se completamente na mão do parceiro, e em pequena parte de seu abdômen. O castanho deixou seu corpo finalmente relaxar enquanto o namorado permanecia dentro de si.

   — Eu preciso terminar, baby — Jungkook disse, já estava sentindo o formigamento em seu baixo ventre, e sabia que logo terminaria. Bastaram apenas mais algumas estocadas para que o maior se desfizesse dentro do outro, o que fez o mais novo gemer arrastado por sentir o conteudo quente dentro de si.

   — Daddy, esses forma meus presentes? — perguntou erguendo os braços para que o namorado o pegasse no colo.

   — Você não gostou? — questionou de volta, já com o menor no colo seguindo para o banheiro para que ambos se banhassem.

   — Eu gostei, quero usar de novo, Daddy — disse sorrindo, ah aquele sorriso quadrado fazia qualquer um derreter, mais especialente Jungkook.

   — Você está bebado, isso foi uma punição! — disse entrando com o menor na banheira, logo o ajudando na tarefa, embora tivessem acabado de ter uma das melhores transas de sua vida, Taehyung ainda estava totalmente sobre efeito do alcool.

   — Então acho que devo aprontar mais vezes — sorriu sapeca e o mais velho lhe olhou incrédulo.

   — Nem pense nisso mocinho! — o mordeu de leve no ombro.

   Assim que acabaram o banho, o Kim estava morrendo de sono, efeito da bebida, do horário, e do cansaço que estava sentindo depois de tudo, foram os dois para cama, estavam abraçados, um fazendo carinhos no outro, e em um momento em que ambos estava quase dormindo, Jungkook levantou-se da cama, caminhando até o guarda-roupa.

   — Ah não, não aguento outra rodada hoje Daddy — disse bocejando ao final da frase.

   — Não é isso, baby — disse pegando uma rosa e entegando para o castanho. — Sei que já passou do horário, mas ontem foi o seu aniversário, eu estava ocupado comprando as coisas quando você saiu para a missão. Por isso, não acompanhei vocês, e fiquei aqui preocupado com você, de qualquer maneira, eu queria que você tivesse um aniversário especial — disse depois de entregar a flor para o mesmo que já estava emocionado. — Então eu te comprei... — abriu o guarda-roupa. — Isso! — revelou dezenas ursos de pelúcia, sacolas de roupas de todas as marcas que ele gostava, um gigante buquê de rosas, que foi tirado dali e colocado num vaso já preparado, uma coleção nova de chupetas, mamadeiras e roupas no estilo baby, com isso podia se ver os olhos dele brilhando, ele foi se levantar mas os braços de Jungkook o rodearam, caindo os dois na cama. — Amanhã vemos isso, baby, quero dormir com você agora — disse selando o rosto do menor, que colocou a rosa sobre o criado-mudo. — Por último eu só quero dizer, que você é a melhor coisa que aconteceu na minha vida, você é e sempre será tudo para mim...

   — Eu te amo, daddy, te amo muito — disse aconchegando-se no moreno sorrindo bobo.

 

   — Eu tembém te amo baby, te amo muito... 


Notas Finais


Amo vocês meus anjos ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...