História Dangerous spell - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 1
Palavras 1.201
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Fantasia, Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Obrigada por continuar lendo.

Capítulo 2 - A bela e a Fera


Quando Daniel acordou em seu quarto percebeu que tinha algo errado. Os móveis pareciam maiores e desfocados, mas nem se preocupou com isso até que tentou sair da cama. Sem entender porque estava debaixo dos lençóis ele foi se embolando ainda mais até cair da cama e dar de cara com o enorme espelho que tinha por perto. 
        Ao se olhar no espelho soltou um grito que foi transformado em um miado. O garoto havia sito transformado em um belo gato de pelos longos e brancos e olhos azuis. Entretanto, em desespero o garoto/gato começou a correr de um lado para o outros, mas como ainda não estava habituado ao seu novo corpo começou a bater em tudo que estava por perto. 
        Esse barulho todo chamou a atenção dos amigos que estavam por perto, mas assim que abriram a porta e entraram o gato saiu correndo antes que pudessem vê-lo, já que não queria que seus amigos o vissem naquela forma humilhante. Passando pelos amigos se escondeu em um dos grandes móveis que tinha no meio do corredor. 
        Várias pessoas passaram e apenas quando o sinal para o café da manhã tocou que o corredor ficou vazio e o gato conseguiu coragem para sair do armário. O garoto assustado sabia das regras da escola e uma delas era: Nada de animais de estimação, ou seja, não poderia pedir ajuda para seus amigos. 
         Caminhando pelo longo corredor ficou pensando em como iria sobreviver até entender e reverter o que estava acontecendo. 
_Olha o que temos aqui!!! Um belo gatinho- uma voz conhecida cortou seus pensamentos.Olhando para trás viu Marcos e Gabriel vindo em sua direção. Eles não pareciam quer ajuda-lo.Quando tentou correr para fugir dos seus supostos amigos sentiu seu rabo sendo puxado fazendo-o miar de dor. Por mais que arranha-se e tentasse fugir os dois garotos não pareciam ligar para os pequenos machucados que estavam ganhando. Até que Marcos cansou da brincadeira e jogou o animal na parede apenas para que em seguida o chuta-se e puxasse seu pelo. 
        Quando se cansaram simplesmente deixaram ele em um canto e saíram andando como se nada tivesse acontecido. O garoto sentia muitas dores e sabia que deveria estar sangrando nos diversos pontos em que seu pelo foi arrancado. Ao ouvir o sinal novamente se encolheu ainda mais lembrando que ninguém passaria por aquele corredor até o final das aulas. 
        Ele já não estava mais aguentando, queria apenas gritar e sair dali, foi então que ouviu passos. Eles eram rápidos como se a pessoa estivesse correndo, pela primeira vez o garoto desejou que fosse alguém que o ajudasse e não alguém quem o bajula-se. Com o barulho ficando cada vez mais alto começou a miar para atrair a atenção da pessoa. 
_Meu deus, o que fizeram com você? - Gritou mais uma vez uma voz conhecida. Quando o gato olhou para cima viu o rosto preocupado de Alicia Wendell. 
        A garota pegou o gato com todo cuidado e foi para o seu quarto agradecendo mentalmente por ter esquecido seu caderno e ter que voltar pelo mesmos corredor. O quarto da garota não era como o do garoto, era pequeno e ainda dividia com outras duas garotas, Cristina e Amanda, mas era confortável e apesar das camas desarrumadas e algumas coisas jogadas no chão o lugar era arrumado. 
        Daniel não notou nada disso, apenas ficou apreciando o calor que lhe parecia conhecido do corpo da garota. Sentiu um desconforto quando foi deixado em cima da cama e se repreendeu por ficar esperando ela voltar. 
        Alicia pegou a caixa de primeiros socorros e levou para o banheiro junto com uma toalha limpa, aproveitou e abriu o chuveiro para que a água esquenta-se. Suspirando foi até onde o gato estava e falou: 
_Olha, eu não sei se você me entende, mas eu preciso te dar um banho, limpar seus ferimentos e fazer curativos. Então, por favor, me ajude tá? 
        Daniel olhou para a garota com seus olhos azuis e miou, tentando falar que a ajudaria. 
_Ótimo, vou aceitar isso com um sim- aninhando o gato em seus braços levou-o para o banheiro, colocou-o em baixo da água e foi assim que a guerra começou. Alicia de um lado tentando limpar o animal e do outro Daniel que, mesmo com muita dor, ficava fugindo de todas as formas possíveis para não ficar na água. 
        Gritos e miados podiam ser ouvidos no corredor vazios durante uma hora até que saíram do banheiro. Daniel agora estava limpo e com os curativos, seu olhar de arrogância havia voltado e começava a esnobar a garota que o ajudava, já a garota estava completamente molhada e cheia de arranhões e começava a se arrepender de ter decidido ajudar o animal. 
        Enquanto Alicia tirava a roupa molhada para se trocar, Daniel não conseguia tirar os olhos da garota. Como ela sempre estava de moleton, o garoto nunca tinha reparado no corpo da garota que mesmo estando de costas dava para perceber que era bem definido. Outra coisa que ele reparou foram os diversos cortes, hematomas e arranhões que ele jurava não ter feito. 
        Enquanto ele imaginava como a garota havia se machucado tanto, ela pensava no que iria fazer já que havia perdido uma hora de aula, mas pelo menos sabia que suas amigas haviam lhe acobertado. 
        Sentou na cama ao lado da almofada do gato. Aqueles olhos azuis lhe pareciam familiar, mas não se lembrava de onde. 
_Bom, já que você já tomou banho e já fiz curativos. Pode ir procurar seu dono. 
"Meu dono? " Daniel olhou para ela como seu não estivesse entendendo " Se ela não me ajudar... quem me ajudaria? ". Esse pensamento o assustou, ainda mais por lembrar o que seus "amigos" fizeram com ele. 
_Então você não tem dono. Tudo bem.... Acho que você pode ficar aqui por um tempinho até a gente saber o que fazer, mas precisamos arranjar um nome pra você. Eu não vou ficar te chamando de gato o tempo todo, é clichê. 
" Você tá de brincadeira, ne? Eu não sou seu bichinho de estimação " Daniel olhou para ela como se ela pudesse entende-lo e fez sua melhor cara de superior. 
_É, com essa cara de arrogante devia se chamar Daniel- Riu Alicia pensando que os dois pareciam ter o meu jeito. 
        O gato fez uma cara de ofendido o que aumentou a risada da garota. 
_Eu to brincando, ninguém merece ser xingado por ser igual a ele. Vamos pensar... que tal Fera? Gosto tanto de A Bela e a Fera. 
"Que ironia... a Fera da história foi amaldiçoado da mesma forma que eu" Ele assentiu com a cabeça como se aceitasse o nome. 
_Calma... você consegue me entender? - Alicia perguntou assustada pelo movimento do gato. 
Daniel assentiu novamente, quase imaginando que com isso ela iria mima-lo mais, porém ela apenas sorriu e disse: 
_Isso vai facilitar muito. Bom, eu preciso estudar então vai fazer alguma coisa tá ? 
        Com isso ela deixou o gato na cama e foi para a escrivaninha estudar. Já o garoto tentava dormir, mas a fala da bruxa se misturava com cenas do filme A Bela e a Fera lhe deixando com dor de cabeça.

 


Notas Finais


Por favor comentem o que acharam e obrigada por ler.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...