História Dangerous ( Taoris, 2jae ) - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Black Pink, EXO, Got7
Personagens Baekhyun, BamBam, Chanyeol, Chen, D.O, Jackson, JB, Jennie, Jinyoung, Jisoo, Kai, Kris Wu, Lay, Lisa, Lu Han, Mark, Personagens Originais, Rosé, Sehun, Suho, Tao, Xiumin, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Kristao, Taoris
Visualizações 151
Palavras 2.757
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drabble, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoas lindas voltei estava sem net

Capítulo 15 - Dangerous to say sorry


— Você, por favor, pode parar de falar dele? Eu já superei! Você está um saco hoje, Pelo amor — Zitao diz irritado enquanto termina de fechar sua mala.

— Você que não quer acreditar por puro orgulho. Eu só torço muito para que não seja tarde demais, ah fica de olho no seu pai. Feliz aniversário adiantado— Youngjae diz e logo em seguida finaliza a ligação.

 Seu amigo era cabeça dura demais. Ele odiava isso.

—  Esse bastardo desligou na minha cara? Filha da mãe — Zitao suspira e passa a mão por entre seus fios castanhos. Ele observa o presente de Youngjae que está em cima de sua mesinha e sorri. Uma linda e delicada pulseira da amizade, prata puro. Com certeza ele iria usar.

Ele finalmente iria completar dezoito anos daqui á alguns dias. E com isso seus pais preferiram comemorar o aniversário dele em Paris na casa de sua nona. Ele não estava muito animado, mas ele sentia que precisava estar de volta á França.

— Baby Zitao, o jantar está pronto, vamos?

— Sim— O castanho se olha uma última vez no espelho e logo após sai do seu quarto junto á sua irmã.

— Ansioso para o seu aniversário filho?— É a primeira coisa que Taemin pergunta o pequeno quando o mesmo adentra na sala de janta.

— Um pouco, papai— Zitao tem vontade de revirar os olhos, contudo se contém.

— Nem acredito que meu bebê vai completar dezoito anos— Sua nona diz cheia de orgulho. Zitao sorri enquanto se serve um pouco macarrão.

— Filho, você fez o que eu pedi?

— anh?

— As cartas, Zitao. – O menino engole um pouco de água antes de responder.

— Sim, fiz tudo como o Senhor me pediu, agora é só esperar pela resposta.

— Tenho certeza que irá passar nas três, é um garoto muito inteligente e têm notas ótimas— Nona diz piscando para o menino.

— Papai, você nos dá permissão para sair hoje?

— Agora? Nesse momento Sana?

— Yeah. Tipo, não vamos demorar nem nada, é só para dar uma volta. Nada demais, Você sabe.

— o que você acha querida?

— ah, os deixe ir, Taemin. O que há demais? É só uma volta

— Obrigado nona.

— Arg, Mais só depois de terminarem o jantar.

— Valeu Pai. Já disse que é o melhor pai do mundo?— Zitao sorri com tais palavras da irmã. Era por isso que ele não acreditava em Yifan. Não havia menor cabimento o seu pai roubar dinheiro da igreja, não mesmo. É Yifan quem está mentindo. É ele que está inventando tudo isso para ver a família Huang acabada. Isso não ia acontecer, obvio que não.

É uma noite bonita. As luzes de Paris são azuis, verdes e alaranjadas. O ar quente envolve as conversas das pessoas nas ruas e os copos tilintam nos restaurantes. Sana está animada detalhando o encontro que tivera com um carinha enquanto ainda estava em Milão. Zitao sente ciúmes, mas continua ouvindo calado. Os dois irmãos andam mais um pouco logo param em frente á uma catedral. Quatro colunas grossas passam a sustentar uma fachada gótica de imposição de estátuas, janelas rosa e entalhes. Uma fina torre de sino se estende por todo o caminho para a escuridão do céu noturno. À medida que os dois andam, parece que Paris vai ficando mais lotada. Zitao sente-se sufocado.

— fala sério que vamos ficar aqui...

— O que? Aqui é um lugar romântico— Sana dá de ombros. Ali está o rio Sena, As luzes da cidade ondulam na água. O menino Zitao suspira triste.

— Era tudo o que eu precisava— Zitao diz sarcástico enquanto escuta um homem dedilhar notas em seu violão e cantar uma canção triste.

— Vem cá— Sua irmã agarra o seu pescoço

— Grossa. Tenha mais cuidado— O garoto diz enquanto Sana o conduz em dança lenta.

— Você anda muito perturbado esses dias, o que há?

— Eu estou bem, irmã.

— Eu sei quando você está mentindo

— Não há nada, eu juro.

— Tudo bem, tudo bem— O homem termina de tocar e então Sana joga alguns euros dentro do chapéu do moço.

— Eu estava com saudades disso aqui— Zitao diz debruçando-se ao lado da ponte.

— Você é louco— Sana diz de longe

— Sana, você que é medrosa

— Calado! Vem vamos fazer nossos pedidos— Sana puxa Zitao que para no meio de um pequeno círculo de pedra. No centro se encontra um octógono bronze e acobreado juntamente com uma estrela. Point Zero Des Routs De France é o que está escrito.

— É bom estar de volta a Paris— Zitao sussurra á irmã que sorri

— Eu estou muito contente de estar aqui junto com você. Agora sem mais enrolações, Vamos, faça um desejo.

— Tudo bem— Zitao fecha os olhos e respira fundo. O que eu realmente quero? Eu quero voltar para a minha casa, mas outra parte de mim quer ficar aqui por muito mais tempo. E eu quero Yifan... Ou... É isso. Foda-se. Eu desejo... Desejo aquilo que será melhor para mim.

— Que demora hein

— aff me deixa.

— Vamos voltar?

— Sim, Vamos lá.

 

V

 

— Feliz aniversário.— Sua irmã juntamente com alguns primos franceses grita em alto e bom som.

— Obrigado— Zitao sorri. Ele não estava lá tão animado assim. Nem Youngjae havia dado as caras. Isso estava machucando-o. Ele nunca esquecia.

— Sua mesada já fora depositada. Temos mais um presente para você, mas esse só irá ver quando voltarmos amanhã á tarde para Seul.

— Mas já vamos voltar?

— Querido, suas aulas já irão começar novamente. O combinado era passarmos as férias em Paris e depois voltar— Anne diz cautelosa

— Mas passou tão rápido— Ele sussurra

— Você estava com saudade da sua ajuda nona, o que é normal, mas no fim você sabe que sua casa é em Seul.— Kihyun, um de seus primos diz.

— Você tem razão.— Zitao suspira.

— Enfim, Aproveite sua festa, querido— O castanho sorri e então uma música começa a soar novamente. Seus pais se afastam para conversar com alguns empresários que estão ali, mas Zitao não conhecia ou havia visto algum deles.

Ele olha mais uma vez para o seu celular, e novamente não há nada. O castanho suspira derrotado enquanto bebe mais um gole de seu champanhe. Seu pai não permitiu nada de bebida— com exceção do champanhe e de vodca. O que era realmente chato, pois ele precisava se embebedar.

— Três semanas. — Ele sussurra encarando sua taça pela metade. — Três semanas sem te ver. Por que você tinha que mentir assim? Por quê? Por quê?— Zitao controla suas lágrimas. Não. Ele não iria chorar. Era seu aniversário, dois de maio, uma data importante a qual ele devera estar se divertindo e não se lamentando. Era isso, ele iria se divertir para valer hoje.

Ás dez e meia seus pais e sua nona se despedem dele o dando mais liberdade para beber o quanto vodcas lhe oferecessem. E o quanto ele conseguisse.

— Me empresta o seu celular?— Ele pede á irmã

— Você está bem?

— Sim, eu só... Preciso... Preciso falar com uma pessoa. Licença— Ele pede se afastando dali e indo para a entrada do Clube a qual seus pais haviam alugado para a festa de hoje á noite.

Ele se encolhe com o frio repentino e encara o telefone á sua frente por alguns minutos. Respirando fundo ele digita os números conhecidos por ele e espera. Ele só precisava ouvir a voz. Apenas isso.

— Alô?— Zitao prende a respiração e fecha os olhos por um instante— Quem fala? Alô? Hey, Eu ainda posso ouvir a sua respiração, por que não diz o que quer? O qu..— Zitao clica no botão vermelho e encerra a chamada imediatamente. Será que Yifan sabia que era ele? O castanho esperava que não.

Depois de ter feito o que queria, Zitao volta para dentro e é arrastado pela sua irmã para a pista de dança. Segundo ela, o menino estava meio tenso e precisava se divertir.

— Espera— Ele sente seu celular vibrar no bolso e pega—o rapidamente. Uma mensagem. De Youngjae . Okay isso é melhor do que nada— Ele resmunga esperando a mensagem abrir

Feliz aniversário. Agora você já pode dirigir ;) Amo você xx Y

Ele sorri e volta a guardar o telefone no bolso. Quando ele estivesse de volta á Seul resolveria seus problemas com seu melhor amigo.

— Feliz aniversário mais uma vez irmãozinho.— Sana o abraça com força.

— Obrigado irmã— Zitao acaricia os cabelos dela e quando a menina o solta— Alegando ir ao banheiro— Ele se sente vazio. Vazio por que ele queria estar de bem com o garoto louro. Zitai só queria que Yifan não tivesse metido para ele.

 

V

 

— Heey castanho, Tudo bem? Feliz aniversário atrasado novamente.

— Obrigado Nini,você é um amor. Onde está o seu gato?

— Na biblioteca.— O moreno diz revirando os olhos. – Você brigou com o Youngjae ?

— Por quê?

— Ele está bastante mal-humorado Hoje.

— Ele está meio que chateado comigo. Preciso resolver as coisas com ele, você olha para mim? – Ele aponta para o lanche pela metade e Jongin sorri.

— Sim, sim. Pode ir tranquilo. Hey— Jongin chama-o — Tente voltar antes de o sinal tocar, okay?

— Tudo bem— Zitao faz joinha para o moreno antes de correr até a sala de seu melhor amigo. Ao chegar lá, Zitao encontra Youngjae descansando a cabeça em cima dos livros, dormindo.

— Youngjae — Ele chama arrastando uma cadeira para o lado do menino assustando-o — O que houve?

— O que faz aqui? Digo, quando você chegou?— Youngjae pergunta coçando os olhos— Já está na hora do intervalo?

— Na verdade sim. E eu cheguei ontem. Podemos conversar agora?

— Não estou muito bem hoje, Zitao. Estou enjoado e ainda por cima gripado.

— Desculpe-me. Desculpe-me mesmo se eu te deixei chateado ou algo do tipo. Não fora minha intenção

— Zitao, você está esquecendo-se de uma coisa; Não sou eu que preciso ouvir um pedido de desculpas vindo de você.

— Youngjae ! Eu não vou fazer isso!

— Tudo bem— O menino diz com desdém voltando a descansar sua cabeça em cima do livro. – Era apenas isso?

— Não faz assim.

— Está tudo bem entre nós. O problema hoje sou eu.

— Me diz o que você tem, além de gripe?

— Não é nada grave, só preciso ficar sozinho.

— tudo bem— O castanho faz bico. Youngjae decide levantar-se, porém antes deixa um beijo casto na testa do menino que continua sentado no mesmo lugar de antes.

— Esse não é o meu melhor amigo— Zitao resmunga carrancudo. Era tudo culpa dele. Yifan devia ter falado coisas absurdas da família do garoto.

Antes de o sinal tocar para o quarto tempo, Zitao caminha até o refeitório e encontra Sehun e Jongin aos beijos.

— Vocês não param de se pegar um segundo. OMG

— Posso falar o mesmo de você e Yifan.— Sehun dá um sorriso sacana e Zitao ruboriza.

— Não existe eu e Yifan. Na verdade nunca existiu.

— Ah é, Eu esqueço que vocês estão brigados. Perdão.

— Tudo bem. Vamos Jongin?— Zitao chama o moreno que se despede do namorado com vários selinhos— Nini. Por Favor— O castanho choraminga fazendo Kim e Oh rirem.

— Vejo você depois amor. Agora sim vamos.

— Finalmente.

— Você só diz isso por que está ai todo mal-humorado sem o garoto louro.

— Pare!

— Tudo bem, já parei— Os dois garotos caminham em silêncio pelos corredores e logo adentram na sala de aula onde sentam lado á lado.

(...)

— Você viu a porra do vídeo pelo menos Zitao?— Youngjae grita através do telefone

— Eu não vou fazer isso! Eu confio no meu Pai.

— Zitao

— Tchau Youngjae !

— Você que sabe

— Tchau!

 

— O vídeo— Zitao murmura confuso. Seria uma boa ideia? Ele não queria se decepcionar mais ainda com Yifan. Deveria?

Ele estaciona seu mais novo Up— Presente de aniversário do seu pai— Próximo á sua casa á e então pega o celular no bolso. O castanho franze o cenho em dúvida.

— Você consegue, vamos lá— Ele sussurra baixinho desbloqueando o celular e indo direto na galeria. Zitao respira fundo e então clica no botão e inicia o vídeo.

 Está tudo aqui Sr. Huang .

— ótimo, é bom que ainda esteja cumprindo o nosso acordo, Padre Charles.

— Isso é tudo o que os fieis deram de dízimos e ofertas essa semana.

— é uma quantia relativamente boa. Espero que continue fazendo o que sempre faz.

— È bom contar com a sua parceria Sr. Huang . E obrigado pela quantia generosa que o Senhor me deste.

— Continue fazendo o seu trabalho que irá longe

 Zitao ouve e vê outra vez, e outra, e outra, e outra. O garoto sente as lágrimas salgadas rolando pela sua bochecha e já não tem mais certeza dos seus atos. Tentando controlar o seu choro é que ele sai do carro e segue pelas portas do fundo de sua casa. Provavelmente não teria ninguém em casa mesmo. Zitao deixa a sua mochila de qualquer jeito em cima do balcão, e vai até a geladeira pegar uma garrafa d’água.

— o que você está fazendo aqui?— Zitao escuta a voz do pai exaltada e rapidamente deixa o copo e a garrafa em cima da pia. Ele se aproxima um pouco mais da porta esperando ouvir algo á mais.

— Eu precisava entregar o resto do dinheiro dos católicos Senhor . – Zitao franze o cenho tentando reconhecer a voz da outra pessoa. 

— Você não podia vir aqui em casa, Charles! E se alguém lhe pega aqui como é que vai ser?

— Eu digo que estou aqui para benzê-lo. Não se estresse Sr. Huang

— Tudo bem... Essa quantia está melhor do que a da semana passada. Você está fazendo um ótimo trabalho.

— Nós estamos senhor . Tenho certeza que está ainda mais rico com o dinheiro dos Fieis.

— Porra, Porra, Porra, Caralho— Zitao murmura puxando os fios castanhos com força— Eu não acredito nisso papai. Como você pode ter feito isso e Yifan ? Porra o Yifan— Zitao grunhiu baixinho. Ele pega sua mochila e sai para a varanda quando escuta os passos dos sapatos caros de seu pai. Zitao corre em direção ao seu carro. Limpa as lágrimas dos seus olhos e então coloca a chave na ignição arrancando dali. Ele só precisa ficar sozinho. Era muita coisa para ele digerir. Seu pai mentiu o tempo todo. Seus amigos estavam falando a verdade. Seu quase namorado também. E ele fez o que? Deu as costas para eles e preferiu acreditar em Taemin. Zitao estava perdido.

 

(...)

 

It's a fucking drug( É a porra de uma droga)

I taste you on my lips and I can't get rid of you(Eu te provei em meus lábios e não consigo me livrar de você)

So I say: "Damn your kiss and the awful things you do!"(Então eu digo: Foda—se o seu beijo e as coisas horríveis que você fez)

Yeah, you’re worse than nicotine(Sim, você é pior que nicotina)

Nicotine(Nicotina)

 

— Essa música é a sua cara amigo— Jaebum diz á Yifan que sorri jogando a bituca de cigarro fora.

— Toca mais um pedaço dela Bummie— Lisa pede mexendo nos cabelos louros do amigo.

— Pode deixar— Jaebum começa á dedilhar as notas no violão novamente enquanto Yifan, Youngjae e Lisa apreciam a voz do menino.

 

Just one more hit and then we’re through(Só mais um trago e então terminamos)

Cause you could never love me back(Porque você nunca poderia me amar de volta)

Cut every tie I have you(Corto cada laço que tenho com você)

(Cause your love’s a fucking drug)Porque seu amor é uma maldita droga)

But I need it so bad(Mas eu preciso tanto dele)

 

— Você foi maravilhoso— Youngjae diz selando o namorado quando ele termina de tocar. – Você é pior que nicotina— O louro falso sussurra contra os lábios de Jaebum. Yifan sorri fraco com a cena sentindo saudades do garoto mimado .

— Eu não disse que você gostava dele?

— Você tinha razão Lisa. Você sempre teve.

— Tudo irá ficar bem, não se preocupe.

— Eu não sei

— Não seja pessimista! Para de ser assim.

— Eu não consigo.

— Consegue sim... – Lisa é interrompida pelo celular de Yifan tocando. O garoto bufa sentindo a preguiça dominá-lo. – Vai lá. Pode ser algo importante.

— Aff. Deve ser alguma coisa da operadora— Ele resmunga se levantando. Yifan pega a sua mochila em cima da cômoda e revira os bolsos procurando pelo seu celular velho. – Aqui está você— Ele aperta o botão de desbloqueio e engole o seco ao ver de quem é a mensagem.

— Por que você está com essa cara, Fan? Quem é? Yifan !— Jaebum pergunta e Yifan ignora-o.

Ele aperta no ícone da mensagem e corre os olhos pelas cinco  palavrinhas várias e várias vezes.

 

“Eu sinto muito por tudo :/ Z”

 

 

Seu amor é uma maldita droga

Mas preciso tanto dele



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...