História Dark Nights - HP - Capítulo 48


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Dumbledore, Bellatrix Lestrange, Cedrico Diggory, Cornélio Fudge, Dama Cinzenta, Dobby, Dolores Umbridge, Draco Malfoy, Fred Weasley, Fred Weasley Ii, Gina Weasley, Godric Gryffindor, Gui Weasley, Harry Potter, Helga Hufflepuff, Hermione Granger, Jorge Weasley, Lílian Evans, Lord Voldemort, Lucius Malfoy, Minerva Mcgonagall, Murta Que Geme, Narcissa Black Malfoy, Neville Longbottom, Nick Quase Sem-Cabeça, Pansy Parkinson, Pedro Pettigrew, Personagens Originais, Pirraça, Poppy Pomfrey (Madame Pomfrey), Remo Lupin, Rowena Ravenclaw, Salazar Slytherin, Severo Snape, Sirius Black, Tiago Potter
Tags Black, Dove Cameron, Filha De Severus Snape, Harry Potter, Lupin, Remuslupin, Severus Snape, Sirusblack, Voldemort, Weasley
Visualizações 42
Palavras 3.070
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Magia, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente eu sei que deveria ter voltado ontem mas eu esqueci KKKKK me perdoem estou vivendo bem corrida por aqui realmente último bimestre da escola é algo corrido e ainda mais eu que estou tentando recuperar as notas que eu fui péssima no segundo bimestre.

Bom eu só peço para aproveitarem a leitura e leiam as notas finais.

Boa leitura.

Capítulo 48 - Black mark


Fanfic / Fanfiction Dark Nights - HP - Capítulo 48 - Black mark

── Estamos atrasados! - Gritou Vênus da sala vendo as pessoas descendo. ── Pra variar, não estou surpresa.


── Achei que o jogo era a noite. - Resmungou keggan aparatando para dentro da casa de Vênus. 


──Você veio! - Gritou Vênus novamente abraçando o Sonserino que retribuiu sorrindo. 


── Eu disse que veria lobinha. Estava com saudade. 


── Eu também estava keggan, nem acredito que é seu último ano em hogwarts.  


── Nem eu, finalmente vou ser livre. 


── Sim, seu quarto já está pronto quando resolver vim pra cá logo. 


──Quantos quartos você tem aqui? - perguntou Keggan olhando em volta da casa. 


── Não sei, mas o bastante para uma manada de elefantes. Quero que caiba todas as pessoas que eu amo nessa casa, assim como cabe no meu coração. 


Keggan sorriu e beijou a testa da sua amiga que sorriu se afastando do mesmo.


── Se eu subir eu mato vocês!


O grito de Vênus impactou a todos já que desciam rapidamente pela escada Vênus riu observou a todos contando se estavam todos presente. 


── Estava terminando de arrumar meu cabelo. - Murmurou skylar.


── Acho que Dylan fez isso muito bem. - Disse keggan com certa malícia. 

── Você tem um lindo roxo no pescoço senhorita Montgomery. 


── Cala a boca keggan! Vamos logo. - A Black resmungou. 


── Ravenna respondeu a carta? - Vênus perguntou. 


── Não, ela está em paris com Nicholas. Ele decidiu fazer o treinamento dele fora de Escócia. Precisam aproveitar. - Disse skylar e Vênus apenas concordou com a cabeça. 


Remus foi o último a descer as escadas e Vênus sorriu correndo até o namorado e o beijou com fervor que foi retribuído na mesma intensidade, Sirius fez uma careta de nojo junto ao draco que emitiram um som engraçado. 


── Idiotas. -Murmurou Vênus encarando os dois e rindo. ── Vamos logo. 


Draco correu até sua mãe e segurou em sua mão e assim ele aparataram. 


×××


O local estava cheios de bruxos ansiosos para verem a copa mundial, Vênus revirou os olhos com a multidão e seguiu junto com os outros para sua barraca. 


── Os trouxas não vêem isso? - Perguntou Draco impressionado com a quantidade de magia ao seu redor. 


── Não querido. Tem um feitiço envolta de tudo isso, quando os trouxas chegam aqui eles acham que tem algo urgente pra fazer e dão meia volta. - Respondeu Vênus sorrido. Ela entrou na barraca junto aos outros e deixou a bolsa no chão. ── Lumus máxima! 


A barraca antes escura eliminou com o feitiço de Vênus, ela sorriu por esta bem acostumada a fazer feitiços sem sua varinha. Era fascinante. 


── Devemos pegar nossos lugares. - Disse sirius. 


── Concordo com meu sogro! - Gritou Dylan entrando na barraca. 


── Puxa saco! - Disse keggan rindo. 


── Vamos logo, temos os melhores lugares da casa. - Comemorou skylar. 


O grupo saiu da barraca e caminhou a da arquibancada entregou o convite e subiu pelas escadas até seu assento com uma ótima visão, Vênus sentou ao lado de Remus o mesmo a abraçou de lado então ela sorriu. Remus era um remédio para Vênus um calmamente maravilhoso que ela ama. 


── Vai começar! - Disse draco animado. 


Ludo puxou a varinha, apontou-a para a própria garganta, disse “Sonorus!” e então, sobrepondo-se à zoeira que agora enchia o estádio lotado falou; sua voz reboou, ecoando em cada canto das arquibancadas:

 “Senhoras e senhores... bem-vindos! Bem-vindos à final da quadricentésima vigésima segunda Copa Mundial de Quadribol!”


Os espectadores gritaram e bateram palmas. Milhares de bandeiras se agitaram, somando seus desafinados hinos nacionais à barulheira geral. O grande quadro-negro defronte apagou a última mensagem (Feijõezinhos de todos os sabores Beto Botts – um risco a cada dentada!) e passou a informar BULGÁRIA: ZERO, IRLANDA: ZERO.

“E agora, sem mais demora, vamos apresentar... os mascotes do time búlgaro!”


O lado direito das arquibancadas, que era uma massa compacta e vermelha, berrou manifestando sua aprovação.


── Que será que eles trouxeram? – comentou o sirius, curvando-se para a frente na cadeira. ── Ah-ha! – O Black sorriu boba mente e admirado. ── Veelas!


── Não se anime tanto Black, temos crianças aqui. -Zombou Vênus com um sorriso e Sirius fuzilou a com olhar. 


“E agora”, trovejou Ludo Bagman, “por favor levantem as varinhas bem alto... para receber os mascotes do time nacional da Irlanda!”


No instante seguinte, algo que lembrava um imenso cometa verde e ouro entrou velozmente no estádio. Deu uma volta completa, depois se subdividiu em dois cometas menores, que se projetaram em direção às balizas. De repente, um arco-íris atravessou o céu do campo unindo as duas esferas luminosas. A multidão fazia “aaaaah” e “ooooh”, como se presenciasse um espetáculo de fogos de artifício. Depois o arco-íris foi-se dissolvendo e as esferas se aproximaram e se fundiram; tinham formado um grande trevo refulgente, que subiu em direção ao céu e ficou pairando sobre as arquibancadas. Parecia estar deixando cair uma espécie de chuva dourada...


O maior dos trevos se dissolveu e os leprechauns, que são duendes irlandeses, foram descendo no lado do campo oposto ao das veelas, e se sentaram de pernas cruzadas para assistir à partida.


“E agora, senhoras e senhores, vamos dar as boas-vindas... ao time nacional de quadribol da Bulgária! Apresentando, por ordem de entrada... Dimitrov!”


Um vulto vermelho montado em uma vassoura, que voava tão veloz que parecia um borrão, disparou pelo campo, vindo de uma entrada lá embaixo, sob o aplauso frenético dos torcedores da Bulgária.

“Ivanova!”


Um segundo jogador de vermelho passou zunindo.

“Zograf! Levski! Vulchanov! Volkov! Eeeeeeeee... Krum eeeeeee karkaroff"


── É ele, é ela! – berrou Dylan e skylar acompanhando Krum e giovanna o onióculo; keggan focalizou rapidamente o dele. Vítor Krum era magro, moreno, de pele macilenta, com um narigão adunco e sobrancelhas muito espessas e negras. Lembrava uma ave de rapina grande demais. Era difícil acreditar que tivesse apenas dezoito anos.

Mas Giovanna era uma espécie de deusa, seus cabelos negros estavam presos em um rabo de cavalo seus olhos eram verdes como duas esmeraldas lapidadas, sua boca tinha um batom vermelho que caia bem em seus lábios, seu rosto por mais que sua expressão fosse seria ele não deixava de ser angelical delicado. Em outras palavras giovanna karkaroff era uma garota dos sonhos de qualquer pessoa.


“E agora vamos saudar... o time nacional de quadribol da Irlanda!”, berrou Bagman. “Apresentando...


── Feche a boca keggan! Esta babando! - Disse Vênus Vênus em tom de zombaria fazendo seu amigo se desconcentrar e rir. ── Ela é é a única mulher no time, e na escola que ela estuda também. 


── Achei que lá só aceitavam homens. - Murmurou Remus. 


── Ela é filha do karkaroff era meio óbvio que ela estudaria na escola que ele é direitor. - Cochichou Vênus no ouvido de seu namorado.


A partida ocorreu com vários gritos de Dylan e sirius, Vênus se distraia bastante roubando Beijos de Remus que adorava distrair a Riddle que estava concentrada. 


O apanhador irlandês repentinamente mergulhara e Harry teve certeza de que aquilo não era uma Finta de Wronski; era para valer...


── Ela viu o pomo! – berrou Vênus ── Ela viu! Olha lá ele correndo!


Metade da multidão parecia ter compreendido o que estava acontecendo, a torcida irlandesa se levantou como uma grande onda verde, animando o apanhador... mas karkaroff voava na esteira dele. Como conseguia enxergar aonde ia, draco não fazia ideia; gotas de sangue voavam pelo ar à sua passagem, mas ele emparelhava com Lynch agora e os dois disparavam em direção ao chão...


── Eles vão bater! – esganiçou-se Sky


── Não vão! – berrou seu namorado. 


── O Lynch vai! – gritou Vênus


E tinha razão – pela segunda vez, Lynch bateu no chão com um tremendo impacto e foi imediatamente pisoteado por uma horda de veelas raivosas.


── O pomo, onde é que está o pomo? – berrou draco mais adiante na fila.


── Ela pegou, karkaroff pegou, terminou o jogo! – gritou keggan


Karkaroff com as vestes vermelhas tintas com o sangue que escorrera do seu nariz, tornava a levantar voo suavemente, o punho erguido lá no alto, um brilho de ouro na mão. O placar piscou por cima da multidão BULGÁRIA: CENTO E SESSENTA; IRLANDA: CENTO E SETENTA, mas os torcedores não pareciam ter percebido o que acontecera. Então, lentamente, como se um grande jumbo começasse a aquecer as turbinas, o rugido da torcida da Irlanda foi se avolumando e explodiu em urros de alegria.


“VENCE A IRLANDA!”, gritou Bagman, que, como os irlandeses, parecia estar espantado com o inesperado desfecho da partida. “KARKAROFF CAPTURA O POMO... MAS VENCE A IRLANDA... Deus do céu, acho que nenhum de nós esperava uma coisa dessas!”


── Para que foi que ela agarrou o pomo? – berrou Dylan ao mesmo tempo que continuava a pular, aplaudindo com as mãos no alto. ── Ela encerrou a partida quando a Irlanda estava cento e sessenta pontos à frente, o idiota!


── Ela sabia que o time não ia conseguir se recuperar – respondeu keggam aos gritos, tentando se sobrepor à zoeira geral e aplaudindo com estrépito ── os artilheiros irlandeses eram bons demais... ela  queria encerrar a partida nos termos dela, foi só...


── Sirius me deve 20 galeões! - Disse Vênus estendendo a mão para o Black que resmungou soltando as moedas para a loira que sorriu. 


── Foi um ótimo jogo. - Disse skylar se levantando 


Vênus e Remus saíram na frente e Logo eles foram engolfados pela multidão que saía do estádio e regressava aos acampamentos. O ar da noite trazia aos seus ouvidos cantorias desafinadas quando retomavam o caminho iluminado por lanternas, os leprechauns continuavam a sobrevoar a área em alta velocidade, rindo, tagarelando, sacudindo as lanternas. Quando os garotos chegaram finalmente às barracas, ninguém estava com vontade de dormir e, dado o nível da barulheira, a toda volta.


 Logo estavam discutindo prazerosamente a partida, do outro lado do acampamento eles ainda ouviam muita cantoria e uma batida que ecoava estranhamente. Vênus entrou na barraca junto a Remus é ambos se deitaram se encarando, draco tinha ido atrás de astrid e os outros tinham suas barracas que dava paz para os dois. 


── Obrigada pelo dia de hoje Remmy. - Agradeceu Vênus sorrindo. 


── Nada teria acontecido sem você vê. - Remus disse acariciando seu rosto. ── Mas fico feliz que tenha gostado, você parecia um pouco estressada ultimamente. 


── Eu estou cansada de não ter tempo para outras coisas apenas isso. Mas eu estou com você e isso só me basta. 


Remus sorriu encarando a Riddle que também sorria bobamente, Céus como ele ama Vênus Riddle. O lupino tomou os lábios dá loira para si ela retribuiu seu beijo puxando os cabelos de lupin sem muita força, ele adorava quando a mesma fazia isso. 


O beijo deles foi atrapalhado pela gritaria lá fora, estrondos gigantes, Vênus olhou para fora da cabana e se levantou puxando sua varinha e conjurando uma roupa nova, ela agora vestia um macacão preto de couro e uma bota da mesma cor. Uma carta do ministério voou em direção a sua barraca e começou às falar.


" Senhorita Riddle Dumbledore, esta acontecendo um ataque na copa mundial de Quadribol, como está em seu treinamento de auror, sua missão hoje será proteger o ministro da Magia. Te vejo em breve!"


A carta caiu o chão fazendo a loira revirar os olhos, os gritos estavam piores e cada minuto eles podiam estar aqui. Vênus se virou e olhou para Remus que já estava vestido ela selou seus lábios rapidamente como uma despedida. 


──Encontre o Draco e tire todos daqui! - Mandou Vênus abraçando Remus. 


── Volte pra mim! - Ordenou Remus é Vênus sorriu saindo da barraca e ficou horrorizada com oque virá. 


À luz das poucas fogueiras que ainda ardiam, viu gente correndo para a floresta, fugindo de alguma coisa que avançava pelo acampamento em sua direção, alguma coisa que emitia estranhos lampejos e ruídos que lembravam tiros. Caçoadas em voz alta, risadas e berros de bêbedos se aproximavam; depois uma forte explosão de luz verde, que iluminou a cena. Um grupo compacto de bruxos, que se moviam ao mesmo tempo e apontavam as varinhas para o alto, vinha marchando pelo acampamento. Vênus apertou os olhos para enxergá-los... não pareciam ter rostos...então ela percebeu que tinham as cabeças encapuzadas e os rostos mascarados. No alto, pairando sobre eles no ar, quatro figuras se debatiam, forçadas a assumir formas grotescas. Era como se os bruxos mascarados no chão fossem titereiros e as pessoas no alto, marionetes movidas por cordões invisíveis que subiam das varinhas erguidas. Duas das figuras eram muito pequenas. Mais bruxos foram se reunindo ao grupo que marchava, riam e apontavam para os corpos no ar.

Barracas se fechavam e desabavam à medida que a multidão engrossava. Uma ou duas vezes Vênus viu um bruxo explodir uma barraca com a varinha para desimpedir o caminho. Outras tantas pegaram fogo. A gritaria foi se avolumando.


As pessoas no ar foram repentinamente iluminadas ao passarem sobre uma barraca em chamas, e Vênus reconheceu uma delas – o Sr. Roberts, o gerente do acampamento. As outras três, pelo jeito, deviam ser sua mulher e seus filhos. Um dos arruaceiros virou a Sra. Roberts de cabeça para baixo com a varinha; a camisola dela caiu deixando à mostra suas enormes calças; ela tentava se cobrir enquanto a multidão embaixo dava guinchos e vaias de alegria.


Vênus caminhou pelo acampamento desnorteada de longe ela viu o senhor fugde apanhando sua varinha, Vênus desviou seu olhar para o céu e foi quando ela perdeu o ar e suas pernas fraquejaram a marca negra. Os comensais da morte era isso. Seu sonho agora fazia sentido. 


Ela correu até o fugde que pareceu assustado com oque acontecia, os comensais estavam o cercando e ele nem percebia. 


── Senhor fugde! - Gritou Vênus tomando a frente do velho que apenas olhou para ela que assentiu então ele aparatou deixando a Riddle cercada de três comensais. ── Vamos acabar com isso. 


Os feitiços saíram soltos da boca de Vênus verbais, não verbais com varinha ou sem, mas um desvio de Vênus fez ela sentir um dor terrível, a mesma que ela sentiu com D'mozin, ela soltou um grito estridente de dor ela apontou sua varinha para o único comensal que estava em pé e gritou. 


── Avada Kedrava! 


Um feixo de luz verde saiu de sua varinha mas o comensal já tinha aparatado para sua consciência ela nunca iria saber se ela morreu ou não. Suas pernas fraquejaram de vez então ela caiu de joelhos sentindo a adrenalina esvaziar de seu corpo e as lágrimas começarem a rolar pelo seu rosto então ela caiu em meio do acampamento. Desmaiada. 


×××


Ela estava cavalgando às costas de um corujão, voando por um claro céu azul em direção a uma casa velha e coberta de hera, situada no alto de uma encosta. Eles foram voando cada vez mais baixo, o vento passando agradavelmente pelo rosto de Vênus até chegarem a uma janela escura e desmantelada no primeiro andar da casa, pela qual entraram. Agora estavam voando por um corredor sombrio e chegaram a um quarto bem no final... cruzaram a porta e entraram nesse quarto escuro cujas janelas estavam pregadas... Vênus desmontara das costas do corujão... e observou-o esvoaçar pelo quarto e pousar em uma poltrona virada de costas para ele... havia duas formas escuras no chão ao lado da cadeira... as duas se mexiam... Uma era uma enorme cobra... a outra, um homem... um homem baixo, meio careca, um homem com olhos aquosos e um nariz pontudo... ele arfava e soluçava no tapete diante da lareira...


── Você está com sorte, Rabicho – disse uma voz fria e aguda do fundo da poltrona em que o corujão pousara. ── Você tem de fato muita sorte. O seu erro não chegou a arruinar tudo. Logo ele estará morto. 


── Milorde! – ofegou o homem no chão. ── Milorde, estou... estou tão satisfeito... e tão arrependido...


── Nagini – disse a voz fria ── você está sem sorte. Afinal, não é hoje que vou lhe dar Rabicho para

comer... mas não se incomode, não se incomode... ainda tem o Harry Potter...


A cobra sibilou. Vênus viu a língua dela se agitar.


── Agora, Rabicho – disse a voz fria ── talvez mais um lembrete de por que não vou tolerar mais nenhum erro seu...


── Milorde... não... eu suplico...


A ponta de uma varinha ergueu-se do fundo da poltrona. Mirou Rabicho.


── Crucio – disse a voz fria.


Rabicho berrou, berrou como se cada nervo do seu corpo estivesse em fogo, os berros encheram os ouvidos de Vênus ela estava berrando, também... Voldemort iria ouvi-lo, saberia que ela estava ali...


── Vênus Vênus! 


Vênus abriu os olhos com dificuldade sentido o clarão lhe atingir, ela levou os braços em seus olhos para lhe acostumar com a luz forte que aquele quarto branco exalava. 


── Mãe? - A voz de Draco trouxe calma ao seu coração, a loira sorriu e olhou para o pequeno malfoy. 


── Eu estou bem querido, só foi um susto. - Vênus Sussurrou e sorriu.


── Você estava gritando e se debatendo, tem certeza que está bem? - Draco insistiu e Vênus apenas assentiu sentindo seu corpo doer mais. 


── Foi apenas um susto... isso um susto idiota. - Ela retornou à dizer sentindo um peso em seus ombros. 


Remus e o ministro entrou na sala, draco apenas apertou sua mão e saiu da sala deixando os três a sós. 


── Ministro. -Murmurou Vênus se sentando na cama. 


── Senhorita Dumbledore! Fico feliz em te ver bem. - Disse fugde. 


── Digo o mesmo para o senhor, cheguei a pensar que não chegaria a tempo. 


── Bobagem, obrigado de qualquer forma. ─ fugde disse antes de se retirá. 


Remus olhou para Vênus e correu até a garota sentando ao lado dela, ele a abraçou sentido seu coração aliviar ao saber que ela está bem.


── Mandei você voltar pra mim. - Disse Remus olhando vênus que sorriu gentilmente. 


── Eu voltei, só um pouquinho mais quebrada do que antes. - Falou Vênus com um sorriso meigo no rosto, Remus suspira sabendo que a que a conversa não teria jeito e leva sua mão ao rosto de Vênus e acaricia sua bochecha com delicadeza. 


── Eu te amo. 


── Eu também te amo remmy. 


Vênus o beijou mas seu coração agora tinha um pesar. Ela sabia, todos estavam em perigo. 



 leiam as notas finais. 





Notas Finais


Genteee tom Riddle cada vez mais perto de retornar, Vênus entrando em pânico com as coisas que tem sonhando e suas tarefas aaaaah meu vemus é lindo não é mesmo?

Pois eu tenho uma novidade é espero que me ajudem, estou com um novas fanfic que também é de vemus só passa em 1971 uma eu já postei e vou deixar o link aí em baixo a outra e uma adaptação de os treze por ques e eu espero que gostem.

Logo vou postar uma fanfic interativa que também é sobre vemus (meu casal ninguém supera sorry) na verdade essa é uma realidade alternativa aonde Vênus volta para o passado 1975 e também mudar todo o sofrimento de sua família. Haha amo♥

Bem espero que gostem já que estou elaborando várias idéias que envolvem meu casal que eu tanto amo.

Link da fanfic de vemus era dos marotos.

https://www.spiritfanfiction.com/historia/morning-star--hp-17833612


Até a proxima♥♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...