História Dark Paradise - Norminah - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Dinah Jane, Fifth Harmony, Normani Kordei, Norminah
Visualizações 185
Palavras 1.581
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), LGBT, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Estou de volta amores

Capítulo 10 - Capítulo 10.


Nossos lábios continuavam conectados. No começo só encostei meus lábios nos dela. Me surpreendi quando ela começou a mover seus lábios.

— Você me ama? — Normani perguntou ainda em meus braços.

— Com todo o meu coração. — Beijei sua testa novamente, queria que ela sentisse a proteção que queria dá-la.

— Desculpa, Dinah.

— Não, você que tem que me desculpar.

Beijei sua testa de novo, fui baixando com beijos até chegar aos seus lábios. Ela era meu calmante favorito. Ela era o calmante que me dava carinho e não dor. Ela era meu remédio.

— Voltaremos? — Ela perguntou.

— Eu não sei — respondi.

— Desculpa interromper... de novo. — Harry disse. — Mas é muito tarde. Acho que já tivemos muitas emoções por hoje.

— Quem é ele? — Normani sussurrou.

— Sou Harry, prazer. — Ele ajudou Normani a se levantar e a abraçou. — Sei que acabo de te conhecer, mas quase que me dá um ataque cardíaco te ver ali.

— Você é um fofo. — Normani disse o abraçando. — Obrigada por me salvar e por cuidar da Dinah.

— Não foi nada. — Harry se afastou de Normani. — Vamos para casa?

Nós assentimos com a cabeça e fomos para o carro. Normani não queria se afastar de mim, então sentou comigo no banco do passageiro. No começo sua respiração estava um pouco acelerada, até que se acalmou. Ela tinha dormido em meus braços. Harry olhou para nós e sorriu com ternura. Depois de alguns minutos já havíamos chegado à casa de Harry. Carreguei Normani em meus braços enquanto ela dormia. Harry abriu a porta e nós entramos na casa. Normani se moveu em meus braços e eu a coloquei no chão delicadamente.

— Lou! — Harry gritou. — Cheguei.

— Sua namorada? — Normani perguntou.

— Na verdade... — Harry começou, mas foi interrompido por um rapaz magro e com cabelos castanhos que pulou das escadas em seus braços.

— Senti sua falta, Hazz! — disse o rapaz.

— Eu também, Lou. — Harry respondeu beijando a testa do menino. — Lou, elas são Dinah e Normani. Ficarão com a gente por um tempo.

— Prazer — disse o rapaz. — Sou Louis.

— Eu sou Dinah e ela é a Normani — disse olhando Normani que se escondia atrás de mim. — Ela é um pouco tímida.

— Não fique assim, querida — falou Louis. — Venham comigo, vou mostrar o quarto de vocês.

Louis nos levou até um quarto muito confortável para meu gosto. No corredor havia uma escada.

— Louis. — O chamei. — Para que a escada?

— É para subir ao telhado — explicou. — daqui as estrelas são muito bonitas. Quando quiserem, podem subir.

— Muito obrigada — disse sorrindo.

Ficamos no quarto de visitas. Só tinha uma cama de casal, assim que eu dormiria com Normani. Me atirei na cama, Normani se acomodou de um lado e eu fiquei a olhando.

— Por que está me olhando? — perguntou corando as adoráveis bochechas.

— Ainda não posso acreditar que você é minha. — Aproximei-me dela e beijei sua testa.

— Você é um amor. — Me abraçou pela cintura — Vamos subir?

— Estava esperando você dizer isso.

Nós duas rimos e nos levantamos, indo ao corredor. Harry e Louis devem estar passando um tempo juntos, espero que não fiquem chateados por nós subirmos.

Tinha que contar para Normani o meu trato com o doutor. Não queria iludir ela, eu iria morrer e nada mudaria isso. Deixei Normani subir primeiro e subi em seguida. Era simplesmente lindo, as estrelas acompanhavam a lua, iluminando o céu noturno. Havia uma grande árvore e eu apoiei minhas costas nela, enquanto Normani sentou entre minhas pernas, suas costas apoiadas em meu peito. Envolvi meus braços ao redor de seu corpo e beijei sua cabeça. Eu tinha que contar e seria agora. Eu iria contar.

— Normani? — Estava com medo de sua reação.

— O que foi, Dinah? — perguntou.

— Eu irei morrer. — Em milésimos de segundos Normani se voltou para mim, me olhando.

— O que você quer dizer? — perguntou totalmente confusa.

— Fiz um trato com o doutor quando você se foi. — Vi seus olhos ficarem preocupados. — Tive um ataque, acho que foi por medo de saber que você tinha se ido. Foi o ataque mais forte que eu já tive, foi tão forte que eu tentei fugir. Quebrei a porta e sai totalmente, mas lamentavelmente um guarda me deteve antes de conseguir escapar para longe. Ao acordar, escutei Lauren conversando com o doutor dizendo que o melhor seria que me dormissem, pois eu era um perigo. Fiz um trato com ele.

— Q-Que trato? — Normani tinha lágrimas em seus olhos.

— Se me deixassem sair para te buscar... quando... — Suspirei, buscando as forças que me faltavam. — Quando te encontrasse, teria que voltar para que me dormissem.

— Vamos fugir. — Normani disse segurando meu rosto entre suas mãos. — Não posso deixar que você morra.

— Normani. — Tirei suas mãos do meu rosto. — Eu fiz um trato e... devo cumpri-lo.

— Alguns tratos podem ser rompidos. — Ela disse ainda chorando. — Por favor, não faça isso. Se você se for, eu ficarei sozinha.

— Você terá a Ally e Lauren.

— Mas meu coração estaria vazio.

Olhei para Normani. Seus olhos estavam mais claros por causa das lágrimas. Ela parecia tão frágil, parecia tão fraca. Não podia fazer isso, ela é minha princesa. Não posso deixá-la, seria como deixar uma menina nas ruas completamente sozinha. Me aproximei e a beijei delicadamente. Seus lábios eram tão suaves, tinha medo de quebrá-los. Me afastei e ela tinha suas bochechas coradas. Tão adorável.

— Vamos fugir. — Eu disse e ela sorriu, fazendo seus olhos voltarem a brilhar. Eu queria vê-la para sempre assim. — Não vou deixar que nada nos separe, ok?

— Ok. — Ela beijou meu nariz e sorriu. — Mas, e se você tiver um ataque?

— Tenho o meu remédio bem em frente à mim. — Abracei docemente. — Te amo, princesa Tiana.

— Eu também te amo, sapo. — Ela disse brincando.

— Sapo? — perguntei rindo.

— Sim, só que um com olhos castanhos lindos que pela noite brilham como as estrelas. Com a linda pele macia. Com lindos e adoráveis lábios rosados. E acima de tudo, com um lindo coração de ouro.

A abracei, ela era perfeita, era tão perfeita para mim. Era a peça do quebra cabeça que faltava para eu ser feliz. Me encostei contra a árvore e ela se encostou em mim. Estávamos vendo as estrelas no lindo céu noturno. Ela foi feita para mim? Estávamos destinadas, uma obra do destino quis nos separar, mas o amor é tão forte que não pode separar a linha que nos une.

— Você é a minha princesa, é a minha dama, minha vida, você é minha, Normani.

Aproximei meu rosto ao seu e a beijei, seus beijos eram meu vício, ela era a minha droga proibida.

— Sou tua. — Ela sussurrou antes de voltar a me beijar.

Seus delicados lábios nos meus era como o paraíso. Passei minhas mãos por sua cintura e a puxei mais para mim. Seus lábios seguiam conectados aos meus, mas o ar foi necessário e nos separamos.

— Vamos dormir aqui? — Normani perguntou sorrindo.

— Aqui fora? — perguntei olhando em seus olhos. — Faz muito frio.

— Ficaremos juntas — disse Normani.

Me deitei lentamente e ela se aconchegou em meu peito. Coloquei a mão atrás da minha cabeça para usar como suporte.

— Qual é a sua palavra favorita? — Normani perguntou.

— Quê? — Estranhei sua pergunta — Por que você quer saber?

— Quero te conhecer melhor — disse segurando a minha mão livre e entrelaçando nossos dedos.

— Hmmm — disse pensando. — Flor, essa é a minha palavra favorita. E a sua?

— Chocolate. — Ela disse e nós começamos a rir.

— Você se apaixona facilmente?

— Sim. — Ela disse. — Amo todo mundo.

— Todo mundo? — perguntei ofendida. — Preciso dizer que sou muito ciumenta.

— Mas eu amo mais você. — Beijou delicadamente minha bochecha. — E não seja ciumenta. Você sempre será a dona do meu coração.

— E você será a dona da minha mente.

Era tão bom estar ao lado da pessoa amada. Você se sente completo, sente que a peça que falta ao teu quebra cabeça finalmente tinha se encaixado. Essa pequena garota que ama comer biscoitos é um enigma. Seu sorriso pode aparentar que tudo é um arco íris, mas ao conhecer ela melhor, você percebe que ela não é o que aparenta ser. É uma pessoa insegura de si mesma, tem uma mente suicida que só quer acabar com a própria vida, uma pessoa que nunca pensou que se apaixonaria.

Eu nunca busquei o amor, ele chegou até mim. Suponho que se você busca o amor, nunca o encontrará. Mas quem sabe, talvez algum dia você fique louco, te levem para o manicômio e você choque com uma menina destroçada, salva sua vida e acaba se apaixonando por ela. Nunca se sabe.

A respiração de Normani se acalmou, quando olhei para seus olhos, vi que eles estavam fechados e tinha um pequeno sorriso desenhado em seu rosto. Beijei sua testa e descansei meu queixo em sua cabeça. Sem dúvida nenhuma, ela seria a dona dos meus sonhos.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...