1. Spirit Fanfics >
  2. Dark Paradise >
  3. Sea of Thoughts

História Dark Paradise - Capítulo 5


Escrita por: e Sazi_Sonome


Notas do Autor


Olá, aqui é a Mila, faz um tempinho neh '>'
Eu e minha linda Sazi estamos aqui de volta com uma cap quentinho pra vocês. Espero que gostem e desculpe os erros, fic não betada.
Boa leitura!

Capítulo 5 - Sea of Thoughts


Fanfic / Fanfiction Dark Paradise - Capítulo 5 - Sea of Thoughts

 

Hoseok estava trêmulo, tanto que nem ao menos conseguiu dizer alguma coisa quando o Min chegou perto dele e lhe trouxe um copo de água fresca. Seu coração estava acelerado, lábios e mãos trêmulas e seus olhos estavam fixos em um lugar a esmo. Ele mal conseguiu beber o líquido transparente trazido por seu amigo e levou tempo demais para conseguir abrir a boca. Não sabia o que dizer e nem muito menos explicar ao amigo o motivo pelo qual estava daquela forma. Não podia simplesmente dizer que tinha virado o pivô da discussão entre dois vampiros. 

Primeiro o Min lhe chamaria de louco se não acreditasse em si e caso acreditasse seria um escândalo saber que o poderoso CEO Jeon era um ser mitológico. Quem acreditaria nisso? Era como dizer que existiam unicórnios para vender no petshop. Para completar, tinha Kim Taehyung que também estava na mesma classe de Jungkook. Tudo ficava ainda pior ao passo que ele pensava, por isso não sabia como desabafar e nem tinha como fazer isso e por mais que quisesse deixar aquele peso sair de dentro de si, não encontraria as palavras. Por isso apenas puxou Yoongi para um abraço e deixou ser acalentado pelo mais velho. 

Estava pensando em Jungkook e Taehyung, depois daquele beijo o Jeon segurou firme no pulso de Taehyung e o levou para um local no qual o Jung não tinha conhecimento, havia uma irritação gigantesca em seu olhar e por isso o mais “novo” temeu pelo encaminhar daquela conversa, isso se fosse uma conversa, ele nem ao menos podia saber ou tinha ciência do que aconteceria dali em diante. E por isso ele estava aflito, com medo, ansioso e preocupado demais. Não queria que nenhum dos dois se machucassem, ainda mais por sua culpa. E por isso chorou, chorou o quanto pode… 

 

[…] 

 

Jungkook não podia acreditar no que tinha ouvido e nem muito menos do disparate que era aquela atitude de Taehyung. Seu desejo era de ser realmente grosseiro e voar no pescoço dele, mas sabia que a amizade que tinha com o Kim o salvou muitas vezes de tentar tirar sua própria vida ou pedir que alguém o fizesse. Taehyung era como uma bolinha de luz pura e doce que o iluminava e deixava que boa parte da escuridão que se acumulou durante os anos lhe invadisse. Não entendia o motivo pelo qual o melhor amigo tinha agido daquela forma. 

Era como se houvesse apunhalado o mesmo pelas costas e isso lhe causava uma dor imensurável. Por isso, respirou fundo e tentou agir de forma racional e não surtar com o Kim, queria conversar e entender e quem sabe, fazer com que ele sumisse da vida de Hoseok. Estava tomado por ciúmes e uma sensação forte de traição, queria poder dizer que não, mas era bem assim que se sentia. Queria chorar, pela primeira vez em anos, ele queria muito chorar. Mas não o faria, não na frente de Taehyung. 

— Como você… – Começou depois de ter arrastado o Kim para o seu escritório. 

— Você, por acaso, namora o Hoseok? – E foi aí que ele ficou sem palavras. Não queria dizer que não, mas era a verdade, uma que ele não podia se negar a admitir. Engoliu em seco e ponderou o que dizer, contudo, Taehyung estava disposto a tomar a palavra e não soltá-la mais. – Então não tem como me pedir ou exigir que eu fique longe dele ou não o toque como homem se não está disposto a cuidar dele como tal. – Vociferou e o Jeon não estava o reconhecendo. 

— Como tem coragem de fazer isso comigo? – As palavras saíram quase que em sussurro e uma raiva começando a lhe subir a mente, tanto que ele cerrou o punho e estava disposto a socar a face perfeita do melhor amigo. 

— Da mesma forma que você não tem coragem de assumir seus sentimentos. – Taehyung foi sincero. – Não dá para continuar assim, você vai deixar tudo escorrer por entre seus dedos se mantiver dentro de si o pensamento pequeno de que não pode amar por medo de machucar alguém quando sabemos muito bem que existem meios de manter essa relação. – Ele levou as mãos aos ombros do Jeon e olhou em seus olhos. – Não estamos em nenhum clichê adolescente onde o mocinho está sendo perseguido por vampiros do mal. Não tem ninguém aqui te impedindo de ser feliz com ele a não ser você mesmo. – Ele suspirou. – Pensa um pouco, Kook-ah. Sabe que eu te amo demais, você é como meu irmão e por isso que eu quero que seja feliz. 

Jungkook não sabia o que dizer. Do nada o Kim tinha lhe desarmado e jogado contra sua face um fato no qual ele não podia contestar. Ele não queria, mas estava visivelmente emocionado e abalado com aquelas palavras, sentindo seu peito queimar. 

— Ele é um homem incrível Kook-ah, alguém por quem vale a pena tentar e disso eu e você não temos dúvidas. – Nesse momento Taehyung ponderou se diria aquilo ou não, mas não podia mais conter aquele nuance de sentimentos dentro de si. Não esperava, nunca, sentir o que estava sentindo, mas não podia sonegar essa sensação e sempre foi verdadeiro com o Jeon, nunca mentiu para ele. – E eu quero que saiba que, por mais que eu te ame, eu também desejo aquele humano. E se você não quiser fazê-lo feliz, pode ter certeza que eu o farei. 

Se afastou do mais “novo” e sentiu o peso do olhar decepcionado que ele lhe lançou. Sorriu pequeno, daquele jeito rasgado e debochado que sempre fazia quando estava falando muito sério. 

— Parece que eu não te conheço mais, Tae… – Jungkook demorou a falar e reagir ao que lhe fora dito. Deu um passo para trás, o cheiro do mais velho estava lhe enojando. 

— Muito pelo contrário, Kook. Você me conhece bem demais, tanto que sabe que eu não estou mentindo. E eu quero seu bem, mas também não sou dos que desperdiça uma boa oportunidade quando a vê. 

E assim ele sumiu deixando um Jungkook pensativo para trás.

 

...

 

Era tarde da noite e o Jeon estava em sua casa, deitado em sua cama, tinha os olhos fechados e uma respiração calma, ele não dormia como aparentava, por que por mais que quissesse o fazer ele não conseguia, os pensamentos iam e vinham, tão velozes quanto os raios que aparecem no céu em uma noite chuvosa. Jungkook sabia que sentia algo pelo Jung e por mais que quisesse culpar Taehyung pela confusão em seus sentimentos ele não podia, Hoseok era seu secretário e também o humano a quem tinha desenvolvido sentimentos, tinha medo de o machucar sim, e tinha medo também do que sentia, Jungkook se sentia perdido, como se estivesse dentro do mar aberto e não tivesse nenhum salva vidas ou algo para lhe puxar de voltar para terra firme. Tentar negar para si mesmo que não gostava de Hoseok de forma amorosa era como tentar tampar o sol com a peneira, principalmente depois de ver o Kim o beijando, só de lembrar Jungkook se sentia agoniado, era para ser ele, não Taehyung. 

Os pensamentos não paravam e a cada minuto pareciam engolir mais e mais o Jeon. Tudo estava tão confuso, queria ter conhecido Hoseok em sua época para poder tocar o Jung sem ter medo de lhe tirar a vida... O Jeon sabia o quão era perigoso tomar o sangue de Hoseok, se lembrava perfeitamente do que tinha acontecido na última vez, mesmo Taehyung dizendo que havia formas de se controlar e não machucar o ruivinho, Jungkook não conseguia acreditar muito, já não confiava em si mesmo, ainda mais com todos esses dias que estava passando sem se alimentar, ficar perto do Jung, era cada vez mais tentador e doloroso. Não era justo aquilo, ele queria poder tocar Hoseok sem receio algum, a sede aumentava a cada dia que se passava e mesmo cogitando nas ideias loucas do Kim, Jungkook se sentia inseguro, e se Hoseok já não quisesse mais lhe ajudar? E se estivesse gostando de Taehyung agora? Os pensamentos pareciam não ter fim, quando se achava uma justificativa para uma coisa, lá estava outra, embolando tudo de novo. 

Tudo parecia confuso, e a única saída parecia ter uma conversa franca com o ruivinho, ia expor tudo o que sentia, e se Hoseok ainda quisesse correr aquele risco ele iria mergulhar de  cabeça, ia ter Hoseok como queria, muito mais que um secretário e muito mais que um amigo. 

 

[...]

 

Hoseok tentava se concentrar no documento em suas mãos naquela tarde, mais simplesmente não conseguia afastar dos  pensamentos as coisas que vinham acontecendo recentemente, tinha um feição tristonha um bico triste. Depois que fora beijado por Taehyung sabia que o Kim tinha algum interesse em si, afinal não era burro. Mais além do beijo do vampiro amigo de seu chefe, tinha uma pequena pontada de culpa, tinha feito os dois vampiros brigarem ou sei lá o que mais pode ter ocorrido, isso lhe preocupava tanto e ainda mais por Jungkook não ter vindo trabalhar, algo lhe dizia que o Jeon estava o evitando, e isso sim o incomodava, incomodava demais, ter o Jeon se afastando de si, era de longe o que mais lhe deixava triste. Tinha muito respeito por Taehyung, e era claro que achava o Kim um Deus grego, mais Jungkook era sua paixão ali, sempre fora, ele sabia do segredo do chefe, ele era o humano para quem o mais novo tinha pedido ajuda. 

Suspirou alto lembrando da face irritada, e do olhar duro e frio que Jubgkook tinha direcionado para Taehyung, provavelmente estava magoado com os dois... Inclinou-se na cadeira confortável e olhou para a mesa do chefe, vazia. Lembrou de quando estavam juntos e o chefe o fazia corar, lembrou dos sorrisos pequenos e dos olhos afiados por trás dos fios negros, droga.... sentia falta de Jungkook. 

— Você realmente gosta dele não é? - A voz grave e sedutora do Kim soou perto dos ouvidos dl ruivinho que tremeu pelo susto que tinha levado

 

— Quer me matar? - Perguntou com a voz entrecortada e a mão no peito, como Tarhyung simplesmente surgia por ai?

 

— Só se for de prazer... - O loiro sentou na mesa de Hoseok e o olhou com um sorrisinho. - Vai admite, você gosta muito dele não é? Porque está estampado na sua cara.

 

—Vocês brigaram? - Hoseok perguntou desconversando. Olhou para o maior e viu o outro descer da mesa e parar ao seu lado. 

 

— É sobre isso que quero conversar, vamos sair um pouco? - Tarhyung estendeu a mão bonita na direção do Jung e sem exitar o mesmo a pegou. 

 

Pegaram o elevador e Hoseok não pode evitar, sua mente estava tão automática que ele se lembrou do Jeon o segurando naquele mesmo lugar, com os olhos vermelhos e as mãos em seu corpo. Aquela foi a sua primeira experiência com um vampiro, uma pessoa sensata talvez teria corrido de lá, mais o Jung não era assim, e não conseguia ser. Era perigoso estar ao lado daquele seres, sim, mais não seria isso que iria o fazer se afastar, não quando gostava de um deles...

 

— Aonde nós vamos? - Hoseok perguntou ao olhar fixado no Kim. A porta do elevador se abriu e Taehyung ia na frente, tendo o ruivo em seu enlaço. Iam andando pela grande entrada do empresa.

 

— Não vamos muito longe. - Falou o loiro colocando as mãos nos bolsos da roupa elegante que usava. 

 

Não andaram muito ao sair ds empresa, o dia nublado deixava toda aquela caminhada melancólica, teriam os dois amigos brigado muito feio? Enquanto andavam lado a lado, Hoseok se fazia várias e várias perguntas, ele queria concertar tudo, queria ajudar no que fosse preciso, não queria ser o causador de uma desavença entre os  vampiros amigos. Andaram mais um pouco  em direção à um café na esquina e em meio as pessoas que iam e vinham Taehyung se perguntava como ia explicar toda a situação para o ruivinho, como ia explicar que ele estava se interessando no mesmo e em como não queria magoar Jubgkook. O silêncio parecia evidenciar ainda mais a confissão em ambos. Quando adentraram o estabelecimento, o Kim escolheu uma mesa um pouco mais reservada, sentaram-se frente a frente e logo uma garçonete surgiu, perguntando o que eles desejavam, Hoseok pediu um Macchiato e com um sorriso a atendente se foi para realizar o pedido do Jung. 

 

— Pronto, me conte por favor o que aconteceu...

 

— Apenas conversamos, não aconteceu nada demais, somos racionais. – Sorriu pequeno. – Ele me escutou dizer a verdade a ele, lhe dei conselhos para completar e ficamos assim… Não deixaríamos que a nossa amizade de anos fosse esmigalhada por causa de um mal entendido. – Taehyung começou tendo a atenção do humano. Seus olhos iam de encontro aos dele e o Kim não podia negar que aquele humano era o ser mais lindo que ele já tinha visto em toda a sua vida, ficava até injusto lhe olhar e não sentir vontade de beijá-lo e abraçá-lo. 

 

— Me beijar foi um mal entendido? – As palavras saíram quase no automático e ele quis se estapear quando notou os olhos surpresos do outro. 

 

Taehyung coraria se pudesse e se seu coração estivesse batendo como quando estava vivo, estaria acelerado. Pensou um pouco mais, dizer qualquer coisa não era uma opção e por isso ele respirou fundo e sorriu pequeno, mas de uma forma que deixaria qualquer homem ou mulher sem ar. E Hoseok, como um humano que era, não estava imune aos encantos daquele homem perfeito. 

 

— Nunca seria, eu quis fazer aquilo pelo Jungkook, por você e por mim. – Hoseok pareceu bem confuso e o Kim se viu na obrigação de explicar. – Causar ciúmes no Jungkook faz com que ele entenda que não pode ficar sem você e que se não for rápido alguém pode te tomar dele. – Tomou um gole da bebida que estava disposta sobre a mesa enquanto via o ruivinho assentir animado. – Talvez logo mais ele te procure e os dois vão conversar sobre o que aconteceu, sabe? Eu sinto que meu melhor amigo está sufocado em seus sentimentos e que precisa colocá-los para fora de alguma forma. – Hoseok fez que sim, ficou um pouco emocionado com aquilo, Taehyung estaria lhe ajudando e isso era muito precioso. 

 

— Obrigado hyung, acho que nada aconteceria sem sua ajuda. – Suspirou enquanto sorria, observava a bebida com aquele ar animado e simplório que sempre lhe regava. Taehyung admirava aquele humano com esmero. Não queria admitir, mas estava começando a nutrir uma paixão em relação ao mesmo e isso o deixava machucado previamente, isso por saber que ele pertencia ao Jeon, bem como o Jeon o pertencia. Taehyung era um bom amigo e disso todos os poucos que o conheciam sabiam, mas ele ainda era alguém que tinha sentimentos e esses estavam lhe sofocando aos poucos. 

 

— Eu quero uma recompensa por isso. – Disse como quem não quer nada. Hoseok lhe olhou com um ar curioso. Taehyung tomou mais um gole da bebida e ponderou seus pensamentos e ações. Queria ele poder ter conhecido Hoseok quando ele ainda nem tinha encontrado Jungkook. Contudo ele era fiel as suas amizades, já que sabiam que elas eram para toda vida. 

 

— Qualquer coisa hyung! – Hoseok falou no automático. Taehyung riu e elevou seus pensamentos para um ponto um pouco egoísta. Se perguntou se poderia pedir aquilo ou não, no começo pareceu uma boa ideia, mas depois de um tempo ficou com medo. – Aliás, eu queria que você tomasse o meu sangue. – O Kim quase engasgou, tamanha era sua surpresa que aquelas palavras lhe causaram. 

 

— Como assim Hoseok-ah? – Riu de puro nervoso – Eu ia pedir que você cozinhasse para mim enquanto tínhamos um dia comum cheio de filmes, guloseimas e pipoca e não te fazer de alimento. – Ele abaixou o tom de voz, estavam em um local público, afinal. 

 

— Sei que vocês não se alimentam a muito tempo e se o fazem, é em pouca quantidade, o que não dá para quase nada. E eu sei também o quanto sofrem, por isso eu queria te ajudar assim como você me ajudou. – Engoliu em seco, tinha criado coragem para dizer aquilo, mas não sabia que era tão difícil dizer. Taehyung riu, era um sorriso tão lindo que chegava a ser um pecado não mirá-lo.

 

— Claro que eu não aceito. – Hoseok ficou boquiaberto, como assim não aceitar uma oferta como aquelas? 

 

— Mas hyung eu… – Taehyung segurou sua mão com gentileza por cima da mesa, olhou em seus olhos e deixou o Jung sem jeito, corado. Como um homem poderia ser tão lindo? 

 

— É doloroso demais, Seokie e eu não quero que sinta dor. Eu sei que existem meio de anular essa dor. Mas eu não quero te fazer se sentir assim. – Ele beijou a mão alheia, fazendo Hoseok corar ainda mais. – Eu quero que dê o melhor de si para o homem que ama e juntos possam construir algo. Por isso não quero te fazer passar por isso. – Ele baixou o tom de voz, queria ver aquele humano vermelho feito um pimentão. – A não ser que queira que eu te toque e te fazer sentir um prazer de outro mundo. – E foi o que aconteceu, Hoseok corou muito. 

 

— Não precisa me dar prazer, eu sei que eu aguento… Quero que se alimente de mim como recompensa por ter me ajudado tanto.

 

Taehyung estava prestes a rir bem alto numa reação surpresa como ele mesmo se sentia, agora ele compreendia, compreendia totalmente o porquê de Jungkook ter se apaixonado por Hoseok, aquele ruivo era incrível, era lindo, confiante e determinado, a vontade de ter o ruivinho para si apenas crescia em seu peito, por mais que soubesse que não podia. Estava bem, se Hoseok estava a lhe oferecer seu precioso sangue humano ia aceitar, ia aceitar aquele delicioso meio de pagamento. Quando meneou a cabeça aceitando aquilo tudo, o ser a sua frente sorriu satisfeito, de repente, Taehyung achava Hoseok muito perigoso, aquele humano tinha praticamente Jungkook na palma de sua mão e estava quase fazendo o mesmo consigo. 

Saíram da cafeteria após o Jung terminar sua bebida, Hoseok voltou para a empresa enquanto o Kim o seguia, com aquele bendito sorriso sedutor. Ao ver a mesa com aquele documento que  não conseguia ir para frente nem para trás, Hoseok apenas deixou a mesa organizada e olhou a agenda de seu chefe, não havia nenhuma reunião ou algo de muita importância para ser feito naquele dia, Jungkook não estava ali e como não conseguia resolver mais nada resolveu apenas organizar a agenda para o dia seguinte e ir para casa. Taehyung observava tudo com atenção, Hoseok era tão esforçado, Jungkook tinha muita sorte... quando terminou tudo, a noite vinha devagarinho. 

 

— Você tem probelma em pegar ônibus? - Com a voz divertida Hoseok perguntou para o Kim tomando sua pasta em mãos.

 

— Não, mas faz muito tempo desde que usei transporte público...- Taehyung confessou vendo o olhar divertido do menor. 

 

— Claro, você fica só usando suas mágicas de aparecer e desaparecer. - Falou e o loiro fingiu indignação. 

 

Saíram lado a lado e com um silêncio confortável, Hoseok se via sendo seguido pelo vampiro para o ponto de ônibus. Felizmente o lugar não tinha muitas pessoas e o veículo não tardou a chegar. Taehyung se sentou ao lado do ruivinho e por um instante se sentiu humano de novo, um humano que tinha um dia normal e pegava ônibus e via o mundo do lado de fora da janela. O silêncio desapareceu quando Hoseok resolveu perguntar como a cidade era anos atrás, o Kim lhe fazia questão de contar todos os detalhes, de como as casas eram feitas, de como as roupas eram diferentes, de como tudo estava diferente do passado. Hoseok estava se divertindo ao ver o loiro falar de como eram os penteados, e como se alguém usasse aquilo novamente logo seria reconhecido que não era muito jovem. 

A conversa fez o tempo passar rápido, tão rápido que por pouco quase perderam o local de descer. Quando chegaram finalmente na casa do Jung, Taehyung sentiu uma ansiedade ir crescendo, afinal ele estava ali para beber o sangue o Jung. Queria se sentir que o que estava fazendo era errado, mas a vontade de provar o Jung se sobressaía.

 

— Jungkook não vai gostar disso... - Disse se sentando no sofá do Jung com as pernas cruzadas. Hoseok olhou aquele homem elegante em seu sofá e sorriu, a amizade dele com o seu chefe era tão bonita.

 

— Você aceitou e eu quero agradecer... não há uma forma melhor de se agradecer um vampiro que esta. - Parou na frente do Kim e sorriu novamente. - Você fez Jungkook pensar em tudo que está acontecendo. Ele já sabe que gosto dele e sabe também que eu quero ajudar. Sei da história dolorosa que o Jeon-ssi teve e que você sempre o ajudou, então me deixa ajudar também, como já disse sei que não se alimentam bem...

 

Taehyung ponderou lentamente todas as palavras que saíram da boca do mais novo, Hoseok o surpreendia cada vez mais, riu baixinho e se pôs de pé, ficando frente a frente com o ruivinho. O Kim já podia até imaginar a face de Jungkook enfurecida ao ver a marca da mordida que ia deixar no Jung, mas que podia fazer se o mais novo insistia. Se aproximou do mesmo na tentativas de deixa-lo com medo e o fazer voltar atrás mais aquilo não funcionou, Hoseok era mesmo um humano e tanto. 

 

— Quando eu te morder... provavelmente não irá ficar acordado... 

 

— Não se preocupe... eu aguento... 

 

— Irei acabar com a diversão de Jungkook esta noite, mais ele vai ter várias...- Com uma risidinha maliciosa Taehyung foi se aproximando mais e mais de Hoseok. 

 

— Você me parece tão apetitoso Hoseok-ah... - Taehyung falou rouco vencendo a distância a medida que se inclinava na direção do pescoço bonito do menor. - Seu sangue... seu corpo... são muito atrativos - Sussurrava baixinho, deixando  Hoseok todo molinho em seus braços. 

 

O loiro enlaçou o ruivinho, o colando em seu corpo, respirou o cheirinho morno que emanava do mesmo e lentamente foi deixando as presas irem crescendo, o corpo ansioso de Hoseok tremia em seus braços, se arepiando a cada segundo pelos toques do maior, Taehyung sabia que quando mordesse o ruivinho tentaria ter o máximo de cuidado, sabia também que o morder daquela forma iria o causar muita dor, a menos que o fodesse bem gostosinho, era realmente um pena, Hoseok já pertencia a alguém, tirou aquilo da mente e se concentrou no pescoço alvo exposto para si, a pele leitosa lhe convidava como um peixe indo direto para isca, roçou os lábios gelidos na pele morna do outro e foi impossível não querer ter ainda mais Hoseok para si, daquela forma, tão entregue. Apertou a cintura do mesmo e lambeu vagarosamente o local que iria morder. 

 

— Você tem certeza? - Questionou baixinho, com as presas totalmente crescidas. 

 

— Sim... - Concordou sentindo algo pontudo raspar em sua pele. 

 

Taehyung queria ter sido mais cuidadoso, mais não se segurou com aquele "sim" tão entregue, perfurou a pele do ruivinho e ouviu um gemido alto de dor. Sabia que ia doer, o Jung também sabia... O sangue doce de Hoseok o enchia a boca o fazendo desejar mais, fazia muito tempo desde que bebera sangue humano, e o de Hoseok era o melhor de  todos que já se lembrava de ter tomado, os arfares do menor iam se tornando constantes, sempre que Taehyung o apertava mais em seus braços. Aquele prazer longe tomava conta do corpo do mais novo que aos poucos ia sentindo tudo ficando mais distante. Taehyung sentiu o corpo do Jung fraquejar e ali soube, era hora de parar, afastou-se do pescoço do ruivinho e o viu sorrir breve, aquele humano não existia... 

 

— Espero... ter te ajudado... - Hoseok disse e suspirou alto em seguida, seu corpo pesava e se Taehyung não lhe segurasse com certeza cairia no chão.

 

— Sentirei sua falta... - O Kim falou lambendo os lábios brevemente, segurou o corpo de Hoseok devidamente e seguindo o cheiro do mesmo o levou até seu quarto. No momento em que havia mordido o outro sabia, que se ficasse era capaz de voltar atrás e estragar sua amizade com o Jeon... Hoseok iria se tornar seu vício e isso não podia acontecer. 

 

— O que... quer dizer... com isso? - A pergunta fraquinha do Jung atravessou os ouvidos do loiro que sorriu, estava fazendo a coisa certa.

 

— Quer dizer que você tem que se enteder logo com Jungkook... - Falou e colocou o corpo fraquinho na cama. - Foi um prazer... te conhecer Hoseok. - Sorriu doce e se inclinou sob o ruivinho, este fechou os olhos e sentiu um selar casto em sua testa.

 

Quando Hoseok abriu os olhos, não encontrou Taehyung ao seu lado, virou a cabeça vagorosamente pelo quarto e de fato o vampiro já não estava mais ali, sorriu breve e se deixou dormir tranquilo, sabia que ainda veria Taehyung em breve. 

 

Minutos depois duas batidas se fizeram presente na porta do Jung, as batidas tornaram a soar casa a dentro mas Hoseok dormia profundamente. Do lado de fora Jungkook observava a peça de madeira já se sentindo preocupado, tinha resolvido que iria expor tudo que sentia naquele noite mesma, como isso tinha se dirigido até o apartamento do Jung  e agora se perguntava o porquê o mesmo não atendia? Se concentrou e usou aquele poder que Taehyung abusava e quando notou, estava dentro do quarto do menor, piscou os olhos negros e em seguida os arregalou, por que Hoseok tinha marcas de mordida em seu pescoço? 

 


Notas Finais


Ehhhhh olha mais uma cap aqui, eu e a Sazi estamos muitos felizes com comentários e apoio que estão dando na fic. Muito obrigada e até breve.
Beijos de toddy ^3^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...