História Dark Secret - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Acnologia, Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Gray Fullbuster, Igneel, Jellal Fernandes, Jude Heartfilia, Juvia Lockser, Kagura Mikazuchi, Laxus Dreyar, Layla Heartfilia, Levy McGarden, Lisanna Strauss, Lucy Heartfilia, Mavis Vermilion, Minerva Orland, Natsu Dragneel, Rogue Cheney, Sting Eucliffe, Yukino Aguria, Zeref
Tags Amor, Comedia, Drama, Família, Festa, Hentai, Luta, Misterios, Nalu, Romance, Sobrenatural, Vampiros, Violencia
Visualizações 235
Palavras 3.463
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Acho que a partir de hoje/ou amanhã vou começar a voltar a postar os capítulos das outras fanfic's normalmente, como sempre faço.

Obrigada aos 64 favoritos e aos comentários deixados no primeiro capítulo! Como de costume, irei escrever mais um capítulo como forma de agradece-los. Me anime saber que estão gostando dessa nova história <3 Obrigada mesmo.

Boa leitura, espero que gostem.

Capítulo 2 - Ataque de animais?


Insônia: falta de sono; dificuldade prolongada e anormal para adormecer; incapacidade de dormir adequadamente; assonia, insonolência. Resumindo em minhas palavras: isso é uma merda. 

São exatamente duas horas e quatorze minutos da madrugada e eu simplesmente não consigo dormir. Tentei procurar por algum remédio, mas desde que chegamos nessa casa a última coisa que encontrei foram remédios para me ajudar. Então apenas restava-me ficar em minha cama olhando o incrível e maravilhoso escuro no silêncio dessa noite tranquila. 

Mas quem eu estou tentando enganar? 

Me levantei da minha cama acendendo apenas a luz do abajur, caminhei em direção ao meu guarda-roupas que nomeei carinhosamente de buraco negro, e comecei trocar minha roupa rapidamente. Peguei minha calça jeans preta cintura alta, que tem dois cortes nos joelhos, um moletom enorme cinza com o simbolo de uma rosa que eu mesma desenhei perto do peito e meus tênis all star de sempre. 

Peguei minha mochila jogando meus cadernos e livros que estavam dentro em cima da cama. Abri uma gaveta do meu armário que é similar ao meu guarda-roupas, ou seja, um buraco negro. Depois de alguns minutos revirando-o, encontrei minhas varias latinhas de tinta spray coloridas, colocando-as dentro da minha mochila. 

Coloquei minha mochila em minhas costas, e antes de sair do meu quarto peguei meu celular e fones de ouvido -meus melhores amigos. -, colocando em meu rosto minha máscara (cirúrgica), nela tem várias figurinhas coladas, isso foi obra da Mavis que não sabia como usar as figurinhas que colecionava em seu caderno quando chegou o fim do ano. 

*São várias estrelinhas amarelas e planetas colocados na máscara. 

Sai do meu quarto sem fazer muito barulho, e certifiquei-me de fechar a porta. Desci as escadas para o primeiro andar, e encontrei Laxus, que para minha sorte estava dormindo sentado na cadeira da cozinha, com seu rosto e braços apoiados na mesa, em sua volta havia as três latas de cerveja vazias e seu notebook aberto que estava ligado. Ele já estava fazendo algum trabalho para sua faculdade, mas parece que não está indo muito bem nisso. 

Apenas soltei uma baixa risada colocando meus fones de ouvido e pulando a janela da varanda, pois estava com preguiça de procurar pela chave e provavelmente ela estará no quarto do meu pai. 

Comecei a caminhar tranquilamente em direção ao centro da cidade que é perto da onde moramos. Lá tem vários lugares que é bom para pinchar/grafitar, e meu pai diz que é bom expressar minhas emoções negativas e boas de alguma forma artística. 

-x-

Após caminhar por quinze minutos, encontrei uma pista de skate que estava limpinha ainda em uma praça qualquer. Joguei minha mochila no chão e peguei algumas latinhas de tinta spray, começando meu "trabalho" artístico. 

Lucy-You only love me when it's 2 A.M (x2). -cantava enquanto grafitava o muro da pista de skate. - Just a touch i think that i might die, my oh my. Felt a rush in your sapphire eyes, lilac sky! 

Com a tinta azul comecei a grafitar formatos de assas, e em seguida a fazer detalhes das penas com roxo, rosa e branco. Acabou que eu acabei misturando um pouco de todas as cores que eu tinha, e o resultado foi pares de asas super coloridas e bem pintadas. Peguei a tinta spray preta e assinei meu sobrenome, Heartfilia ao lado. 

Lucy-If you're leaving then wait for me, u is the only place for me. 

Me afastei puxando minha máscara para baixo e olhando meu grafite com um um pequeno sorriso de canto, satisfeita com o trabalho que fiz nessa parede. 

Lucy-As pessoas tinham que começar à me pagar por isso. -disse ainda mantendo seu sorriso enquanto juntava suas latinhas dentro da sua mochila. 

-O quê temos aqui dessa vez? -perguntou chamando à atenção da loira. 

Uma mulher de cabelos castanhos claros, amarrados em um coque muito bem arrumado e usando farda policial perguntou-me lançando um olhar um quanto tanto decepcionada. Apenas coloquei minha mochila em minhas costas e comecei a andar apresadamente enquanto ela me seguia logo atrás. 

Depois de alguns minutos ela entrou em sua viatura e começou a dirigir lentamente acompanhando meu andar para casa.

-Eu tenho bastante gasolina aqui comigo. Acho que posso leva-la para sua casa sem problemas algum. 

Lucy-Obrigada, mas não posso entrar em carro de estranhos. -disse sorrindo e andando mais apresadamente. 

-Senhorita, por favor não me faça ter que coloca-la à força dentro da viatura. -disse parando de dirigir. - Agora entre. -ordenou. 

Lucy-Merda... -resmungou respirando fundo e entrando dentro da viatura sem dizer mais nada. 

-Onde você mora? -questionou-a sorrindo. 

Lucy-Eu sei muito bem que você vai falar com minha família que vão ter que pagar uma multa por causa da "sujeira" que fiz na pista de skate. -disse friamente olhando para o lado de fora da janela. 

-Se sabia que isso podia acontecer, então por quê fez isso? -perguntou. 

Lucy-Porque acho que assim como eu, ninguém espera um policial aparecer das sombras para tirar seu único momento de felicidade. -respondeu simplesmente. 

No fim, tive que dizer aonde eu morava ou ela não deixaria eu em paz e nem deixaria eu sair da viatura. Antes dela me levar até em casa, ela ligou para o meu pai informando-o o quê havia acontecido e dizendo sobre a linda multa de quinhentos reais para ele. Assim que cheguei em frente a minha casa, meu pai estava me esperando encostado na porta, encarando-me com seu famoso olhar decepcionado e enjoado de mim. 

-Boa noite. -a policial disse aparecendo ao lado da Lucy. - Posso ter uma pequena conversar com você? -perguntou. 

Jude-Claro. -respondeu simplesmente. - Lucy, fique. -disse ao ver sua filha entrando para dentro de casa. 

Cruzei meus braços e suspirei, virando-me e olhando aquela policial que vai estregar meu dia apenas com essa pequena conversa.

-Quero esclarecer o motivo da multa ter sido alta desse jeito. Tivemos alguns incidentes ultimamente: a porta de uma garagem de uma casa à exatos cinco minutos daqui, um outdoor, um ônibus escolar e o carro do vizinho ao lado. E hoje, claro... A pista de skate, todos assinados com "Heartfilia" ao lado da pichação. 

Jude-Desculpa oficial. -disse suspirando e em seguida encarando sua filha. - O quê você tem na cabeça? -perguntou com uma voz e olhar sério.

Lucy-Você disse que eu devo me expressar. -respondeu apenas desviando o olhar. 

Jude-Não banque a sabichona, não foi desse jeito que eu quis dizer. -disse rapidamente de volta. 

Lucy-Em alguns lugares grafite é considerado arte... -resmungou. - Não pichação. 

Jude-Mas aqui é crime. 

Lucy-Devia ter me dito que essa "incrível" cidade na verdade é uma merda que só faz frio com leis estúpidas. -disse friamente virando-se e caminhando em direção à escada. 

Subi as escadas apresadamente escutando meu pai dizer alguma coisa para a policial e em seguida fechando a porta, vindo atrás de mim. Entrei em meu quarto jogando minha mochila em um canto e tirando meus fones de ouvido, jogando-os junto com meu celular em cima da cama. 

A porta atrás de mim se abriu e meu pai apareceu acendendo a luz. 

Jude-As coisas vão continuar sendo assim? -perguntou cruzando seus braços. - Vai continuar agindo como uma louca impulsiva? 

Lucy-E desde quando vocês não são mais loucos impulsivos? -perguntou de volta franzino a testa. 

Jude-Lucy! -gritou fazendo-a tirar seu rosto de brava. - Eu tenho a droga de um bom emprego agora, Laxus está em uma ótima faculdade e Mavis é simplesmente perfeita. E só você continua... Sendo você, você continua sendo a merda de um problema complicado. 

Lucy-Ótimo! Então eu sou a droga do seu problema agora. -gritou voltando a ficar irritada. - Eu sou a droga do problema que você e a mamãe fez! Agora resolva esse problema sozinho. 

Jude-Como?! Você nem ao menos está tentando! -gritou de volta. - Olha para você... Uma linda e jovem garota, tenho certeza que você é mais que... Essa bagunça toda. -disse olhando em volta do seu quarto. 

Comecei a rir balançando minha cabeça negativamente.

Lucy-Não fale como se eu fosse a única bagunçada nessa família. Laxus ainda resolve seus problemas com bebidas, e você continua resolvendo seu problemas com gritaria. Eu não sou diferente de vocês dois, sou à cópia idêntica, por isso dizem que sou um problema, porque não gostam de assumir os seus problemas. 

Jude-Tem razão. -disse fazendo-a ficar surpresa com o disse. - Mas vamos tentar mudar. 

Concordei com a cabeça desviando o olhar. Em seguida meu pai virou-se caminhando em direção a porta, e seus olhos encontraram uma das milhares de coisas que tem escrito em minhas paredes. 

Fuck you. Fuck this. Fuck them. Fuck him. Fuck her... Fuck everything.

Na mesma hora ele encarou-me balançando sua cabeça negativamente, e eu apenas sorri levantando os ombros. 

Jude-Você precisa fazer uma mudança nesse quarto. E parar de pichar as paredes e escrever coisas assim. 

Lucy-Arrumar meu quarto não vai mudar quem eu sou, pai. Boa noite. 

Ele saiu do meu quarto fechando à porta. E eu apenas me sentei no chão tirando meus tênis, e em seguida olhando para o teto que sempre olho toda noite até pegar no sono. 

Lucy-Eu preciso mudar... -disse para si mesma pensando um pouco melhor no que seu pai disse. 

-x-

Acordei as seis horas e cinco minutos sentindo um enorme frio em meu corpo. Quando me ergui um pouco, percebi que havia dormido no chão do meu quarto. Minhas costas doeram um pouco ao me levantar, mas não foi nada demais. Em seguida caminhei em direção à porta feito um zumbi, e abri-a, dando-me de cara com Mavis que estava amarrando seu cabelo em um alto rabo de cavalo. 

Mavis-Bom dia! Estava indo te acordar agora mesmo. -disse sorrindo e passando suas mãos para sua cintura após terminar de amarrar seu cabelo. - Pela primeira vez vejo você pronta para ir na escola antes das seis e quarenta. -disse rindo. 

Lucy-Bom dia... -disse bocejando a alongando seus braços para frente. - Não precisa me acordar, eu sei... Acordar. -disse respirando fundo. 

Ela riu com o quê eu disse e caminhou em direção a escada descendo-a. Em seguida eu entrei de volta para o meu quarto, arrumando minha mochila de qualquer jeito, tirando as latinhas de spray e colocando os livros e caderno. Tirei meu moletom e coloquei outro, um preto que ganhei da Mavis de aniversário, que tem o simbolo de um e.t  perto do peito. Por cima coloquei meu casaco militar e ao invés dos meus tênis, coloquei minhas botas pretas de cano médio. 

Arrumei meus cabelos rapidamente deixando-os soltos, colocando minha touca preta e saindo do quarto com tudo necessário para ir à escola.

Assim que chego meu pai me entrega um sacola. 

Lucy-Desde quando você compra comida para levarmos à escola? -questionou um pouco surpresa. 

Jude-Isso são os seus remédios. -respondeu rapidamente. - Lembre-se de toma-los e tudo ficará bem.

Lucy-A médica disse que não é mais necessário tomar alguns... Minhas alucinações pararam a duas semanas atrás. 

Jude-Então não tome esses remédios de alucinações. E qual foi a última vez que você foi ao médico? -questionou-a.

Lucy-Três meses atrás... -respondeu. 

Ele apenas suspirou e sai de casa pegando sua maleta e chaves do carro. Em seguida eu e Mavis saímos, pegando o ônibus que nos levava diretamente para à escola. Assim que chegamos ela correu em direção à duas garotas que acenaram chamando-a. 

Apenas continuei andando para dentro, quando alguém toca meu ombro. 

Juvia-Hmm, comida? -perguntou olhando para a sacola na mão da loira. 

Lucy-Remédios. -respondeu rapidamente sorrindo. 

Continuei andando, passando da nossa sala e ela apenas continuou me seguindo, paramos dentro do banheiro. Joguei os remédios em cima da bancada da pia, abrindo caixa por caixa e engolindo todos. 

Juvia-Você toma mais remédios que minha vó. -disse rindo. 

Lucy-E você se veste como à minha. -disse de volta. 

Juvia-O quê?! Minha saia é xadrez mas não é um desastre assim. -disse ainda rindo. - Uh... Remédios de alucinações? -perguntou pegando a cartela em sua mão. - Você é maluca. 

Lucy-Exato. 

Juvia-Você sabe que esses remédios só pioram seu psicológico né? Eles podem leva-la ao um surto e até mesmo para à mort-

Lucy-Morte. -disse interrompendo-a com um pequeno sorriso no rosto. - Eu sei disso. 

Peguei aqueles remédios todos em minha frente, incluindo a cartela na mão da Juvia e joguei de volta para dentro da mochila. Deixando aquela sacola no chão do banheiro. Saímos juntas, indo em direção à sala de aula, mas aquela maldita professora, "Margarida" ao nos ver soletrou "atrasadas" e fechou a porta em nossas caras. 

Lucy-Ela me odeia. -afirmou simplesmente. 

Juvia-Agora eu estou com você, então ela nos odeia. -disse olhando-a. - Vamos para o segunda andar, não quero ser pega e ficar depois da aula aqui dentro. 

Apenas concordei com ela e segui-a para o segundo andar dessa escola. Era apenas mais um corredor normal, com várias salas de aula, mas que por alguma razão não tinha ninguém observando se tinha alunos matando aula ou alguma coisa do tipo.

Juvia-Aqui em cima é como se fosse somente para os nerd's. Então ninguém precisa ficar olhando os corredores, pois eles não saem das salas nem para comerem alguma coisa no refeitório. -disse enquanto caminhava sem rumo com Lucy ao seu lado. 

Paramos e nos sentamos em um corredor aonde havia vários armários azuis. 

Juvia-Sabia que Lisanna me ameaçou? -perguntou de repente. 

Lucy-Qual é a sensação de ser ameaçada por alguém? -perguntou rindo. - Brincadeira... O quê ela te disse? 

Juvia-Vou ler para você... "Querida Juvia, gosto muito de você e notei que tem ficado próximo da Lucy, espero que sejam amigas! E consiga leva-la para a festa, assim conseguiremos entrar sem problemas." -disse enquanto lia a mensagem em seu celular.

Lucy-Que grande ameaça. -disse em um tom de ironia rindo. 

Juvia-"Dê um jeito de leva-la! Caso contrário eu irei lhe tirar do time. Beijos" O quê devo responder? -perguntou. 

Lucy-Apenas ignore e diga que nem se quer viu a mensagem. -respondeu. 

Juvia-Ignorada. -disse guardando seu celular de volta no bolso da sua blusa. 

De repente seu celular começa a tocar e ela o pega rapidamente, e na tela estava escrito "Pai". Ela olhou-me e eu apenas fiz o sinal com a cabeça para que fosse adente-lo. Em seguida levantei-me e comecei a andar pelo corredor, sem rumo algum. 

Apenas parei de andar quando escutei vozes masculinas vindo de uma sala que estava com  porta entreaberta. Aproximei-me olhando o quê estava acontecendo lá dentro, e eram apenas garotos do time de basquete matando aula enquanto bebiam alguma coisa. 

Natsu-Oi. -sussurrou no ouvido dela, fazendo-a se arrepiar e levar um pequeno susto, afastando-se dele e da porta. - Está procurando por alguma coisa? -perguntou encarando-a.

Lucy-Não. -respondeu apenas encarando-o de volta. - Apenas matando o tempo... -completou. 

Natsu-Entendi... -disse aproximando-se lentamente enquanto abria um pequeno sorriso nos lábios. - Posso matar esse tempo com você? -perguntou colocando suas mãos na parede, prendendo-a no meio enquanto sorria.

Lucy-Não. -respondeu-o em um sussurro, sorrindo e encarando-o. - Que tal, você prender uma garota nesse seu charme que esteja interessada? -perguntou sussurrando em seu ouvido e em seguida voltando a apoiar suas costas da parede. 

Natsu-Você é mau. -disse rindo e desviando o olhar, mas ainda mantendo suas mãos ali para continuar prendendo-a. 

Apenas sorri forçadamente para ele. 

Lucy-Prefiro o termo problema para mim, combina mais. -disse passando por baixo do braço dele. 

Natsu-Não... -disse virando-se e apoiando suas costas na parede fazendo um rosto de pensativo. - Você não é um problema... Você é adrenalina. -completou jogando-a uma piscadela. 

Apenas ri com o quê disse e virei-me voltando a caminhar para onde eu estava sentanda com Juvia. Olhei brevemente para trás e ele estava me observando da onde estava com um sorriso de canto. Assim que entrei no corredor dos armários azuis, Juvia encarou-me um pouco assustada.

Juvia-Que susto! Pensei que fosse algum aluno chato. -disse respirando fundo. - Aonde estava? -perguntou observando-a se sentar ao seu lado.

Lucy-Andando. -respondeu apenas. 

Juvia-Oh... Então, estava conversando com meu pai, e ele disse para eu voltar direto para casa assim que terminar as aulas. Está acontecendo muitos ataques de animais recentemente. -disse entregando seu celular nas mãos da Lucy, com uma noticia aberta.

Lucy-Uma estudante foi atacada e quase morta enquanto voltava para sua casa após um dia de aula... Foi encontrada com várias mordidas em seu corpo... Levy McGarden é uma verdadeira sobrevivente. -leu rapidamente algumas partes e em seguida entregou o celular de volta para Juvia. 

Juvia-Você não parece se importar. -disse soltando uma risada fraca. 

Lucy-Eu me importo... -disse de qualquer jeito. - Já sabem qual animal foi? -perguntou.

Juvia-Ainda não. -respondeu. - Estão há dois anos tentando pegar esse "animal". Mas ele apenas morde, chupa seu sangue e vai embora. 

Lucy-O quê é isso? -perguntou rindo. - Vampiros existem agora? -em um tom de ironia perguntou ainda rindo. 

Juvia-Vai saber. -disse rindo junto com ela. 

Ficamos ali por cinquenta minutos conversando, e quando finalmente o sinal bateu nos levantamos e corremos para nossa sala de aula. Quando chegamos um professor alto e musculoso deixou-nos entrar, explicando umas coisas e em seguida mandando-nos irmos para a quadra. Apenas segui Juvia que seguia um grupo de garotas indo ao vestiário feminino. 

Lucy-Eu não tenho roupa para educação física. -disse ao ver as garotas trocando suas roupas para à aula. 

Juvia-Toma. -disse jogando em sua direção o conjunto. - Eu sempre deixo duas aqui. 

Olhei em volta e as garotas apenas trocavam de roupas na frente uma das outras sem problemas algum. Comecei a tirar minhas roupas, colocando-as em cima de uma cadeira. Mas Juvia pegou-as e guardou-as dentro do seu armário. 

Lucy-Obrigada. -disse simplesmente. 

Juvia-Ainda não ganhou um armário né? -perguntou e na mesma hora Lucy balançou sua cabeça negativamente. - Uau... Não sabia que tinha tatuagens. -disse sorrindo ao ver a palavra "serendipity" abaixo do seio de Lucy. - O que significa?

Lucy-Acaso. -respondeu sorrindo. - Tudo acontece por um acaso, é o quê eu acredito. -disse enquanto vestia a calça de moletom azul com uma listra branca. - Não acredito em destino

Juvia-Profundo. -disse apenas sorrindo. - Adoraria fazer uma tatuagem, mas meu pai me mataria. -com uma risada fraca disse. 

Lucy-Meu pai nem sabe. -disse rapidamente rindo. 

Juvia-E à que tem na batata da perna? -perguntou vestindo sua blusa e ajeitando seus cabelos azulados. 

Lucy-Eu que fiz. -respondeu. - No dia que minha mãe morreu eu precisava aliviar minha dor de alguma forma, então comprei essas tintas que usam para fazerem tatuagem e uma agulha de costura... Doeu bastante, e o resultou foi esse. Uma asa totalmente "tremida" e não terminada. 

Juvia-Eu gostei, parece que ela está tentando voar sozinha. -disse apoiando-se no armário. - Lamento por sua mãe... 

Lucy-Eu também lamento. -disse com uma voz firme vestindo a blusa. 

-x-

-Atenção! Quero dar um outro aviso rápido para vocês. Mas é sobre algo que voltou à acontecer com frequência outra vez... Os ataques de animais. O diretor pediu-me para dizer isso. -disse pegando um papel em seu bolso. - Todos os alunos após as aulas terminarem  devem ir embora imediatamente para casa, acompanhados com pelo menos duas ou mais pessoas, é perigoso andar sozinho, mesmo que seja de tarde. 

Lucy-Sempre houve ataques de animais assim? -perguntou para Juvia que alongava-se.

Juvia-Há dois anos atrás que isso começou à acontecer... E eu te falei sobre isso, costuma não escutar o que eu te digo? -perguntou.

Lucy-Eu não tinha prestado muito atenção. -disse começando a se alongar ao seu lado. - As pessoas se machucam muito? -perguntou.

Juvia-A maioria morre. -respondeu. - Aqueles que não morrem ficam presos dentro de hospitais por meses, tipo Levy. Ela sobreviveu, mas está dentro de um hospital e nem sabe se ao menos ela vai sair com vida. -completou. - Mas trocando de assunto rapidamente... Dragneel está olhando para você. 

Lucy-Hã? 

Juvia-Acho que ele está matando aula com seus amigos. -disse calmamente. - Olhe discretamente para a arquibancada à sua direita. 

Ainda alongando-me olhei para a minha direita. E ela estava certa, ele está me observando, mas ao olha-lo nossos olhos se encontraram, e ele sorriu para mim na mesma hora, apenas mantive meu olhar sério sem expressar nada. Então ele mostrou-me à linguá e eu apenas mandei linguá de volta, o mesmo riu desviando o olhar e voltando a me olhar depois de rir por alguns instantes. 

Lucy-Ele é estranho. -disse desviando o olhar com um pequeno sorriso no rosto, mostrando-o apenas para sua amiga ao lado. 

Juvia-Estranhamente sexy, bonito e musculoso? -perguntou terminando seu alongamento. - Concordo planamente. 

Lucy-Não, estranho de estranho. -disse rindo e balançando sua cabeça negativamente. - Por que tem tanta tara nele?  -perguntou.

Juvia-E quem é que não tem? Tirando você, pelo visto. 

 

 

 

 


Notas Finais


Tradução da música que Lucy estava cantando/escutando: Você só me ama quando é 2:00 da manhã (x2). Apenas um toque e eu acho que poderia morrer, meu oh meu/meu amor. Senti uma adrenalina nos seus olhos de safira, céu lilás!
Se você está partindo então espere por mim, com você é o único lugar para mim.

https://i.pinimg.com/originals/35/ca/cc/35caccba8c9b6bb004e022601a304cea.png (tatuagem que eu me inspirei pra descrever a tatuagem dela) Não achei nenhuma parecida com a asa, então fica na imaginação :v

Obrigada por ler.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...