História Dark Secret (CHANBAEK) - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, SHINee
Personagens Byun Baek-hyun (Baekhyun), Jonghyun Kim, Kim Jong-dae (Chen), Kim Jong-in (Kai), Kim Min-seok (Xiumin), Minho Choi, Park Chan-yeol (Chanyeol), Taemin Lee, Zhang Yixing (Lay)
Tags Baekhyun, Byun Baekhyun, Chanbaek, Chanyeol, Choi Minho, Jonghyun, Kim Jonghyun, Kim Jongin, Lee Taemin, Lgbt, Minho, Park Chanyeol, Shinee, Taekai, Taemin, Zhang Yixing
Visualizações 56
Palavras 2.576
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - Dez


Park era extremamente forte. Taemin tentou socá-lo, mas o loiro imobilizou-lhe os pulsos com as mãos firmes e chutou com toda a força a barriga dele.

O outro grunhiu de dor. Chan parou de bater nele, saiu do terraço e desceu as escadas.

Estava cansado daquilo tudo. Mal podia acreditar que havia sido traído, e justo pelo homem que ele mais amava no mundo inteiro.

A sua cabeça doía, pontadas fortes o faziam suspirar de dor e de desgosto. O seu estômago estava todo embrulhado e lágrimas quentes rolavam dos grandes olhos escuros.

Não sabia se essas lágrimas eram de tristeza, frustração ou de ódio, talvez um misto de todos esses sentimentos.

Lay levantou-se ao ver que o irmão caminhava para a saída. Ele o seguiu até o lado de fora da residência de Lee.

— Maninho! O que aconteceu? Por que está indo embora de repente?

Chanyeol bufou de raiva e enxugou as lágrimas com a manga da blusa.

— O Baekhyun me traiu com o Tae!

— O quê? - Zhang mal podia acreditar no que estava ouvindo, sentiu-se possesso, louco de raiva. Amava o irmão mais do que tudo no mundo, não suportava vê-lo assim.

— É isso mesmo, Lay! Eu sou corno! 

O loiro abriu a porta do carro, entrou, sentou-se no assento do motorista e bateu com toda a força a porta.

Zhang entrou no veículo também, sentando-se no banco ao lado do irmão. Chanyeol virou a chave e começou a dirigir até sua casa.

— Não fique assim, irmão...

— Não adianta tentar me consolar, Lay! - os olhos dele fuzilavam de tanta cólera - Nada do que você disser irá mudar o que eu vi!

— Isso deve ser tudo um mal entendido, maninho! Eu conheço o Byun e ele jamais faria uma coisa dessas com você...

— Pois é! O problema, Lay, é que a gente acha que conhece as pessoas, mas não conhecemos! 

Novas lágrimas começaram a cair dos olhos do rapaz. Ele se sentia o homem mais infeliz de todos.

— Calma... - Yixing enxugou os olhos do irmão - preste atenção no trânsito, maninho! Fique calmo! Isso tudo é culpa minha...

O mais novo arregalou os olhos.

— Sua? E por que? Foi ele quem fez!

— Eu sei, eu sei, mas fui eu quem passei aquele feitiço idiota! Ele está assim por causa da nova forma de vampiro dele.

— Hm? Mas ele nunca me traiu, nem quanto estava transformado!

— É, eu sei! Mas os instintos dele devem ter ficado mais aflorados, sei lá! Deve ter sentido vontade de beber sangue!

— Isso é ridículo! - Chanyeol riu com sarcasmo - Perdão, Lay, mas isso não é motivo 'pra me trair dessa forma! Ele sabe o quanto isso me chateia!

Em poucos minutos, os irmãos chegam na residência. Eles descem do carro e entram na casa. O loiro joga as chaves em cima da cômoda e senta no sofá. 

— Nunca mais quero ouvir o nome dele! 

Zhang se senta ao lado do mais novo.

— Eu sei como é! Você não precisa esconder o que sente! Devia falar com ele, maninho...

— É, eu vou! Pensa que vai ficar barato? Amanhã mesmo vou atrás do Baek! É bom que ele tenha uma ótima historinha para me contar!

— Vamos dormir! Já chega de confusão por hoje.

E então, subitamente, Park teve outro acesso de choro. Lágrimas copiosas rolavam dos olhos do rapaz, molhando as suas bochechas e os seus lábios. 

Yixing sentiu um aperto imenso no coração. Não conseguia ver o irmão naquele estado e não poder fazer nada por ele, portanto, envolveu-o com os braços, acariciando com carinho os cabelos loiros do outro.

Chan deitou a cabeça no peito do mais velho, chorando até os seus olhos incharem. 

20 minutos se passaram. Chanyeol acabou dormindo no peito do irmão, tamanho era o cansaço e o esgotamento que ele sentia.

Lay sorriu ao observar o loiro, jamais deixaria o vampiro colocar os pés naquela casa. Jamais deixaria o coração do mais jovem ser quebrado novamente.

(. . .)

Kim Jongin se olhou no pequeno espelho do banheiro do apartamento que dividia com os pais.

O olho estava roxo, o lábio cortado e o nariz inchado. Ele aplicou um pouco de gelo nos locais feridos com uma toalha. A sua costela doía, devia estar quebrada.

O rapaz de cabelos rosados sentou-se no sofá da sala. Os pais estavam fora. O apartamento parecia imenso quando ele estava sozinho.

Lembrava-se com perfeição da última noite em que vira o atraente Lee Taemin, seu amigo de infância e agora também amante.

Jongin olhava o relógio de pulso a cada segundo, ansioso para receber Taemin. Ambos mantinham um caso, ninguém sabia de nada, tentavam manter o máximo de sigilo e só se encontravam quando os pais do moreno se ausentavam.

A campainha ecoou por todos os cômodos. Kai pulou do sofá, estava uma pilha, queria ver o rapaz de seus sonhos, queria passar mais uma noite ao lado dele.

Por sorte, estariam sozinhos naquela noite. Ele abriu a porta. Tae nem o cumprimentou, foi logo adentrando a residência e enchendo o pescoço de Jongin de chupões quentes e excitantes.

— Hoje a casa é só nossa... - sussurrou o moreno, agarrando a cintura do outro.

— Que bom! - Lee esboçou um sorriso malicioso e os seus lábios encontraram os do parceiro.

Kim o guiou até o seu quarto. Ele deitou na cama e deixou o mais baixo sobre ele. Taemin mordiscou a orelha do outro, em seguida, desabotoou sua camisa, tocando cada centímetro daquele corpo musculoso e quente. Jongin apenas aproveitava o momento.

Adorava quando Taem exibia o seu lado mais sedutor e ousado para ele.

Tae desabotoou a calça jeans do moreno e tocou o seu pênis, para cima e para baixo. Ele massageava devagar, observando com atenção a expressão facial do outro.

Adorava provocar prazer, ser desejado por Jongin. Ele continuou esfregando, cada vez mais forte, as mãos naquele membro duro e ereto.

O moreno gozava, mal conseguia se conter. Taemin chupou a região, colocava o pênis aos poucos nos lábios grossos e tirava em seguida, repetindo o gesto dezenas de vezes.

Kim adorava aquilo tudo. Mais do que isso: era apaixonado pelo parceiro, o amava, mesmo sabendo que Lee era do tipo que não se apegava.

Taemin sentia tesão por Kai, isso era verdade, mas sentia dificuldades em ser fiel, em levar um relacionamento para frente. Sempre fora inconstante e sedutor em excesso.

Já flertara com garotos, garotas, todos os tipos de pessoas. Se em algum lugar tinha sexo, lá estava ele.

Após isso, Taem chupou o pescoço de Kai. Ele chupava várias vezes o mesmo local, seu chupão era quente e molhado, provocando os suspiros e gemidos do outro.

Jongin agarrou animalescamente o quadril do amado, tocando a sua cintura com as mãos fortes e beijando a sua bunda e as suas coxas grossas.

Taemin amava quando Kim perdia o controle, amava ver esse seu lado mais selvagem, que ele exibia para pouquíssimas pessoas. Sentia-se quase privilegiado.

O moreno deu tapas fortes na bunda do outro, apertando a sua pele e batendo mais vezes. Tae ficou por baixo dele. 

Jongin abriu a gaveta, retirando uma corda grossa e amarrando as duas mãos do companheiro no ferro da cama.

Eles adoravam esse jogo proibido. Tae ficava excitado só de pensar em se submeter a Kim Jongin. 

O moreno percorreu todo o corpo do outro com beijos quentes, mordidas e mais tapas, só que dessa vez nas coxas. Eles se beijaram na boca, faíscas saíram quando seus lábios se encontraram, ferozes, carentes e sedentos.

Jongin virou o parceiro de costas e o penetrou sem mais delongas. Ele era ágil, penetrava rápido e de modo feroz, sem pausas. Lee gemia de tanto prazer.

O moreno o penetrava cada vez mais rápido, cada vez mais forte. Ele gozava muito. Ambos ficaram aproximadamente 30 minutos daquele modo.

Kai estava perdido nessas recordações quando a campainha tocou. Era tarde da noite, quem poderia ser?

Ao abrir a porta, deparou-se com a figura de seu amigo, Chen.

— Chen! O que aconteceu?

— Ah, oi, Kai! Hoje o Tae convidou algumas pessoas 'pra irem lá na casa dele, inclusive o seu irmão e o namorado dele!

O moreno fechou a porta e ambos se sentaram no sofá.

— Ah...fiquei sabendo! E daí?

— E daí? Que o seu amante te traiu com o seu irmão!

Kai se levantou. Os olhos se tornaram questionadores e incrédulos.

— Ele fez o quê?

— É isso mesmo o que você ouviu! Eles estavam aos beijos no terraço! Chanyeol quase matou Taemin! - Chen fez uma pausa - Vai me dizer que você confiava mesmo em Taemin?

— Eu pensei que ele me amasse, pensei que ele fosse fiel! Aquele idiota do Baekhyun! Deve ter feito de propósito...

— Não culpe Baekhyun! Ele não estava sabendo de nada.

— Até parece! Ele está se vingando de mim, não percebe, Chen?

— Bom, mas isso você resolve com ele! Não vou ficar no meio disso. Você sabe bem que eu gosto tanto de você quanto do seu irmão. São meus amigos, no final das contas. Não vou me meter nessa briga de vocês...só queria deixar claro que Taemin é uma cobra e que você está achando que Baek é o culpado. Cuidado para não ser corno duas vezes...

— Sim, eu sei...ainda que eu ache ruim você gostar do meu irmão, eu te admiro muito e somos amigos desde a infância. - Kai bufou, irritado - Não precisa jogar na minha cara que fui traído. Eu vou falar com Tae hoje mesmo!

— Preciso ir...

Chen se levantou e se despediu de Kai, deixando-o sozinho na sala. 

— Ainda acho que aquele idiota do Baekhyun fez de propósito...

(. . .)

Baekhyun já estava em casa. Os seus olhos estavam tão cheios de lágrimas que a sua visão era embaçada.

Ele secou os olhos e tirou as lentes de contato, colocando-as na caixinha que ficava sobre uma cômoda.

Baek se sentia culpado e, pensando agora com mais calma nos acontecimentos passados, ele não entendia o porquê de ter retribuído os beijos de Taemin.

Agora, estava prestes a perder Chanyeol.  O vampiro não desconhecia o comportamento do outro e sabia que o mesmo era bem ciumento, entretanto, ele tinha razão.

A fidelidade de Chan não era nem um pouco questionável. Uma vez apaixonado, ele nunca nem sequer olharia para uma outra pessoa sem ser a que ele amava.

Mas o passado não podia ser mudado. O que lhe restava fazer era telefonar para Chan e tentar, à todo custo, recuperar o amor e a paixão que os unia anteriormente.

A sensação de ficar sem a sua outra metade era insuportável e os minutos pareciam horas.

Quando estavam juntos, cada segundo era mágico e cheio de novidades. Agora, sozinho no silêncio de sua própria companhia, Baekhyun sentia-se infeliz e deprimido.

Ele pensava no que diria a Chanyeol. Não havia o que ser dito. Byun não conseguia domar os seus instintos agora que estes pareciam estar mais fortes do que nunca.

Ele precisava encontrar uma maneira de controlar todo o fogo que habitava em seu ser.

Temia que Chan não entendesse isso, pois nem ele mesmo entendia o que estava acontecendo consigo ao certo.

Pegou o celular e discou para o número de Park. A ligação foi negada. Tentou novamente, mas não obteve êxito.

— Droga! - Baekhyun lançou o celular contra a parede, dominado por uma imensa raiva de si mesmo.

O arrependimento consumia Byun e as lágrimas teimavam em cair dos olhos vermelhos do rapaz.

Ele nunca acharia uma pessoa como Chanyeol e já começava a sentir falta daquele par de olhos lindos e brilhantes.

A paixão que fazia o seu coração bater mais rápido, a voz masculina que lhe roubava o fôlego, os dedos suavemente entrelaçados nos seus, aqueles cabelos macios e sedosos como algodão.

Tudo o que antes estava tão perto de si, nesse momento parecia tão distante. E essa distância parecia aumentar com o passar das horas, dos minutos, dos segundos...

Não via a hora de amanhecer logo para tentar se entender com Chan. E foi com essa sensação de coração partido que Byun adormeceu, deitado no sofá da sala, encolhido como uma criança.

(. . .)

Baekhyun acordou com o som da campainha tocando insistentemente. Ele abriu com rapidez os olhos ao pensar que poderia ser Chanyeol.

Levantou-se e foi até o banheiro, jogou uma água no rosto e secou na toalha. Em seguida, subiu apressadamente as escadas e entrou rapidamente no closet, pegando a primeira peça de roupa e shorts que avistara.

Desceu as escadas e destrancou a porta, deparando-se com a figura alta de Chanyeol. Os olhos do loiro fuzilavam de raiva. Uma raiva contida e destrutiva.

— Chanyeol, entre, por favor! - disse em tom baixo.

Chan entrou sem dizer nada e Byun trancou a porta. 

— Olha...eu fui um idiota! Só um idiota trai, Chanyeol. Só um idiota quebra o coração das pessoas e depois ainda acha que merece uma segunda chance. É isso o que sou! Eu não sei porque fiz isso...só de pensar no que aconteceu eu sinto repulsa de mim mesmo. Você é a única pessoa que amo. O único que possui a chave do meu coração e eu vou entender perfeitamente se você quiser simplesmente sair daqui e nunca mais olhar na minha cara. Entenderei se você me der um soco, Chan. Porque eu sou um cretino! - ele secou as lágrimas - Se fosse comigo eu não iria perdoar, então eu entendo se você não o fizer. Só quero que saiba que você foi o único que tocou o meu coração, a minha alma. O único que decidiu me amar com todas essas imperfeições e com essa condição terrível. Pensei que você fosse fugir, mas o seu amor é verdadeiro, Chanyeol, verdadeiro demais para uma pessoa como eu.

Park respirou fundo, provavelmente estava pensando no que iria dizer.

— Olha, Byun, eu sei que agora você é permanentemente um vampiro e sei como deve ser difícil ter que lidar com todos esses instintos e tal, mas pensei que o seu amor por mim sobressairia, entende? Eu pensei que mesmo que você fosse tentado, você resistiria, negaria, por mim! Mas vejo que eu estava errado! Custava ter esperado chegarmos em casa? Você acha que eu recusaria uma noite de sexo com você? Quando eu recusei, Baek? Eu nunca recusei! Custava ter empurrado aquele babaca, filho da puta e dito que você me pertencia, que me amava mais do que tudo? Sabe, Byun! Isso me deixa puto! 

Baekhyun sentiu um nó na garganta. Ele queria chorar, mas engoliu as lágrimas. 

— Eu não tenho como me defender. Tudo o que você disse é verdade, Chan! Acontece que os meus instintos me controlaram naquele momento. Desde que me transformei, eu ainda não estou acostumado a sentir tudo com tanta intensidade...eu perdi o autocontrole que eu tinha antes. Parece que tudo é mais difícil agora. Pode desistir de nós dois, mas eu vou sentir a sua falta todos os dias, Chan, todos os dias até o meu último suspiro.

— Byun, eu compreendo que os seus instintos estão mais fortes e que os seus defeitos ficam mais evidentes e intensos, mas você precisa tentar controlar isso! Não posso deixar que você saia por aí me traindo por causa dessa condição! Ou você se controla, ou está tudo terminado! - disse, resoluto.

— Eu vou tentar, Channy, eu prometo! - ele se aproximou do mais alto e deu um beijo demorado em seus lábios.

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...