História Dark Shadows (Hiatus) - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Tags Agentes, Humanoides, Mistério
Visualizações 14
Palavras 1.217
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Desculpem a demora! Espero que gostem do capítulo >.<

Capítulo 10 - A Missão Parte 2


Fanfic / Fanfiction Dark Shadows (Hiatus) - Capítulo 10 - A Missão Parte 2

“Quando você sabe que seu tempo está acabando

talvez então você comece a entender

Que a vida aqui embaixo é apenas uma estranha ilusão”

- Halloweed By Thy Name (Iron Maiden)

 

Arthur On

 

Pegamos a rota mais rápida por medo do caminhão não aguentar. São Três da manhã e quanto mais perto chegamos do local, mais o nevoeiro toma conta. Vamos devagar, ligo o comunicador.

 

- Alguém na escuta? – e nada. – Agente zero sete na linha, há alguém na escuta? – e novamente nada. – Estamos sem sinal! Que ótimo!

 

Damon – Ah! Que lindo cara... – ele olha pra frente e – ARTHUR! – olho pra frente e a gente bate em algo. Os airbags são acionados na hora. – puta merda.

 

Minha cabeça dói, mas por sorte estávamos devagar.

 

- Vou ver o que aconteceu. – Desço do caminhão e vejo que a batida foi horrível. – Não acredito que a gente vai ter um estrago enorme por causa de uma ÁRVORE. Pouco importa agora, pelo visto a estrada aqui está completamente bloqueada. Damon – falo voltando ao caminhão. - Pegue as bolsas, teremos que ir a pé.

 

Damon – Já peguei!

 

Termino de pegar o restante e entramos caminho a frente.

 

Damon – Arthur, olha isso...

 

Henry On

 

- Agente zero sete? Aqui é o Agente Oito! Zero sete você está me escutando? – apenas ruídos se passam pelo comunicador. – Amanda tente falar com Lilith.

 

Amanda pega o comunicador e se afasta para tentar pegar o sinal melhor.

 

Amanda – Agente cinco na linha, alguém na escuta?

 

Lilith – Amanda? Agente sessenta e nove na escuta!

 

Amanda – Lilith? Estamos tentando nos comunicar com Arthur, mas está difícil...

 

Lilith – O clima está denso, deve ser por isso...

 

Amanda – Tem como... Puta merda... HENRY!

 

Lilith On

 

- Amanda? – Apenas escuto alguns barulhos... – Hendrix, acho que eles estão com problemas... Perdi a comunicação.

 

Hendrix – Tudo bem... Eles dão conta!

 

- Hendrix... A gente não vai lá ajudar eles?

 

Hendrix – Minha prioridade agora é outra coisa! E você sabe que eles dão conta. Então vamos seguir em frente!

 

Fico o observando, tinha algo de diferente nele. Ele estava estranho e não queria falar o porquê, o jeito era fazer do meu jeito.

 

- Nós vamos até lá sim, e se você não for comigo... EU VOU SOZINHA! – falo pegando minha bolsa no banco de trás.

 

Hendrix – E como pretende fazer isso?

 

- Simples... – Destravo a porta e abro, e quando eu ia sair ele me puxa de volta e fecha a porta parando o carro.

 

Hendrix – TA MALUCA?

 

- Você perguntou como, eu apenas ia te mostrar!

 

Ele trava de novo a porta, coloca o sinto em mim e joga a minha bolsa no banco de trás.

 

Hendrix – Nós temos uma missão a cumprir, não venha dar uma de suicida agora! – tento falar, mas apenas o escuto. – Você não vai sair desse carro a não ser pra entrar naquele maldito avião! Eu não tô afim de perder você hoje. Então fica sentada nesse caralho de banco e sem falar NADA que não seja sobre a missão!

 

O observo incrédula, mas entendi o motivo de estar estranho. Então apenas fiquei quieta o observando dirigir.

 

Bianca On

 

E de novo sendo arrastada e sedada. Não consigo fazer nenhuma força física e sou largada de novo em um lugar escuro e novamente eu durmo. E é assim que tenho passado os dias, acordando e apagando. Mal consigo me mover por conta dos sedativos, bem que o Ryan havia me falado para não andar sozinha... Não tenho nenhuma noção de tempo mais. Para mim pareço que estou aqui há anos! Sinto dor em toda parte do corpo, eles me usam como um brinquedo me levam pra todo lugar me arrastando, me apagam e me acordam quando querem.

 

- Eu só quero sair daqui... – Penso um pouco alto.

 

Xx – Desejo concedido minha cara! Vamos sair daqui e te levar pra bem longe... – ela se aproxima pega meu cabelo e puxa me fazendo sentir muita dor - Onde não vai ver mais seus amiguinhos... – Ela fala em meu ouvido e sorri.

 

Eu até a mandaria pro inferno, mas lá vem ela de novo com sedativos.

 

Damon On

 

Não acredito que em tão pouco tempo aja tantos corpos assim jogados por aqui.

 

- Arthur, o que você acha disso?

 

Arthur – é melhor ficar atento, pode ter algumas armadilhas por aqui.

 

- Ok!

 

Continuamos andando pela mata. A névoa está densa, o que dificulta nossa visibilidade. A cada vez que vamos andando há mais corpos jogados. Era uma grande mistura de corpos de humanoides e soldados largados por aí.

 

 Começo a rir e o Arthur me olha sem entender nada.

 

Arthur – Que porra você está fazendo?

 

- Nada... Apenas imaginando o quanto de bala esses trouxas devem ter gastado atacando os humanoides. Olha... – aponto para os corpos - A maioria acertaram no abdômen, ou no coração... Mas tem que acertar na cabeça. E tem que ser pelo menos umas duas vezes pra partir a veia que interliga o cérebro deles ao restante do corpo, sendo que essa veia ainda é coberta por algo mais duro que dificulta a morte deles. O que nos leva a acertar na cabeça ou no pescoço. Traduzindo tudo, a morte deles foi inteiramente inútil.

 

Arthur – É verdade... Mas algo que você não reparou...

 

-  O que?

 

Arthur – Os corpos ainda não entraram em decomposição... Isso foi recente... Pode haver mais deles por aqui.

 

- Arthur... Olha pra trás...

 

Lucy On

 

Chegamos no local e está completamente vazio. Vamos colocando as coisas dentro do avião e quando terminamos fomos verificar todo o avião, combustível, motor e etc. Jason vai a cabine do piloto e checa tudo.

 

Jason – Falta apenas a gasolina. Vamos ter que entrar naquele depósito para ver se tem.

 

- Ok! Vamos logo antes que todos cheguem!

 

Fomos entrando no depósito que estava completamente abandonado, Jason faz sinal para sermos silenciosos e entramos no enorme depósito a procura de gasolina e outras coisas que podem ser úteis.

 

Amy On

 

Ela entra mais uma vez no quarto para me infernizar.

 

- O que você quer? – Falo curta e grossa.

 

Yy – Vim te fazer companhia... – Ela senta no canto da sala.

 

- Que se foda. – Apenas a ignoro.

 

Yy – Quer apanhar de novo?

 

- Tire essas malditas algemas e eu te mostro quem vai apanhar dessa vez...

 

Yy – Não tô afim... – ela se aproxima. – Mas assim que eu estiver... Não vai sobrar nadinha desse teu rostinho bonitinho... – Ela sai, e eu apenas choro sem saber como sair daqui.

 

A porta abre e ela entra de novo, mas com outra garota completamente pálida e apagada. Ela com certeza sofreu muito mais do que eu tenho sofrido aqui. Elas apenas largam a garota no chão e saem. Me levanto e vou até a garota e ela está ardendo em febre. Pego o lençol e a embrulho, rasgo um pedaço dele e molho, coloco em sua cabeça e me sento ao teu lado sem saber muito o que fazer. Verifico teus pulsos e estão fracos.

 

- Vamos lá não morra aqui!

 

“Estou esperando em minha cela fria, quando o sino começa a tocar

Reflito sobre minha vida passada, não tenho muito tempo

Pois às 5 em ponto eles me levarão para a forca

As areias do tempo para mim estão acabando

Estão acabando...”

- Halloweed By Thy Name (Iron Maiden)


Notas Finais


Espero que tenham gostado, e até a próxima u-u! Digam-me o que estão achando por favor! Beijinhos.
- G -


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...