História Darkness - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Selena Gomez
Visualizações 298
Palavras 1.135
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello!! Tudo bem, meus amores? Apareci finalmente kkkk
Espero que gostem!
P.S. Para quem leu o outro capitulo 2 e não entendeu, como eu havia dito ele não havia me agradado então eu o exclui.
E leiam as notas finais, please!

Capítulo 2 - Innocent


Fanfic / Fanfiction Darkness - Capítulo 2 - Innocent

Los Angeles, Cidade da Califórnia

                     30 de abril de 2017 / Horas 00:45 PM

  Point of View Justin Drew Bieber

Mesmo com a venda nos olhos eu ainda sentia o corpo da mulher encima do meu, juntamente com a sua respiração pesada se chocando contra o meu peito suado. Nem em mil anos eu conseguiria explicar o que aconteceu nessa sala hoje, eu estava acostumado a lidar com a dor sempre que as cordas eram colocadas nos meus pulsos, mas essa sensação foi totalmente nova.

Eu sabia que as mulheres amavam fazer o que sempre faziam com a gente, no entanto nunca imaginei que também podíamos gostar. Talvez o meu corpo tenha se acostumado a dor e dessa vez eu não tenha a sentido, ou então foi o que papai me disse uma vez, que existiam anjos no mundo e que um dia eles apareceriam para amenizar a nossa dor.

Um sorriso cresceu no meu rosto ao imaginar que eu estava “salvo” mas ele logo desapareceu quando o pequeno corpo saiu de cima do meu. Me privando do calor confortável que ele me trazia, e assim deixando o vento frio se chocar contra a minha pele quente me trazendo arrepios, porém eu não sei se foi por medo de que ela se fosse como todas as outras ou pelo frio da noite.

E para o meu desespero no minuto seguinte eu ouvi a porta abrir e se fechar, fazendo os meus olhos fazerem a mesma coisa sobe a venda para tentar conter as lagrimas.

Flashback on

“Era uma vez, em uma terra distante e mais bela que qualquer outra imaginada, uma linda e doce garota que vivia presa na torre mais alta do local...”

O voz calma de papai foi interrompida pelo barulho de palmas nos fazendo olhar para a porta e ver a mamãe com uma cara nada boa, e como resultado de suas feições no mesmo instante me encolhi no chão onde eu estava sentado, com medo da sua reação. Eu não queria que ela me batesse ou em papai, ela disse que era para nós aprendermos que ela quem mandava aqui, mas eu já sabia disso e apanhar doía muito. Meu bumbum ficava dolorido e ardido, de modo que eu não conseguisse sentar por alguns dias.

— Que_querida... – Jeremy começou a dizer com a voz tremula mas foi interrompido pela voz furiosa de Erin.

— Quantas vezes eu já disse que não quero você lendo historinhas idiotas para ele, seu vagabundo?

O seu grito veio seguido de um tapa estalado no rosto de papai que abaixou a cabeça e deu um passo para trás se encolhendo.

— E você seu animalzinho? Acha mesmo que alguém algum dia vai te querer? Olha para você! Príncipes não existem, homens são meros ratos que vivem embaixo da sola dos sapatos das mulhe...

— Cala a porra da sua boca, Erin! - Papai a interrompeu gritando.

Minha mãe olhou com raiva para ele mas logo sorriu leve de um jeito totalmente estranho. Quando ela fazia isso me assustava muito, nunca aconteciam coisas boas.

— Você me desobedece, lê para ele e grita comigo, o que vem a seguir? Vai me bater e fugir? Talvez eu esteja pegando muito leve, talvez eu devesse mostrar quem é que manda, talvez eu devesse dar uma “torre” para o principezinho.

Ignorando a voz de Jeremy implorando para que ela não fizesse nada comigo, que punisse ele não a mim, a morena pegou meu pequeno braço e começou a me arrastar quarto a fora. Com passos rápidos ela me levou ate o sótão e me jogou lá dentro fazendo meu corpo se chocar contra a madeira fria do chão e o meu choro aumentar ainda mais. Com um sorriso debochado ela me deu as costas e saiu trancando a porta em seguida.” 

 Flashback off

Ela tinha razão, quem iria gostar de alguém como eu? O que tinha de mais em mim? Nada! Absolutamente nada. Eu era branco de mais, com o cabelo liso e com uma cor comum assim como meus olhos castanhos e sem graça. Ela nunca olharia para mim para ter algo como minha mãe e meu pai, eu era uma decepção, e foi exatamente por isso que eles me colocaram aqui por ser inútil de mais para qualquer, foi o que mamãe disse.

Talvez se eu tivesse me esforçado mais minha mãe teria me deixado ficar, se eu tivesse seguido suas ordens mais rapidamente e ficado menos de castigo. Talvez eu conseguisse fazer eles me amarem, eu devia ter sido um filho obediente e eu entendo que ficar aqui é o meu castigo, mas eu nunca imaginei que demoraria tanto, já se passou um ano e eu ainda estou aqui.  

Novamente meus pensamentos foram interrompidos, dessa vez pela porta se abrindo e fechando. Não posso mentir dizendo que a esperança não cresceu em mim ao achar que ela voltou, mas eu só me quebrei mais ainda quando a venda foi tirada dos meus olhos e eu o vi ali.

O moreno vestido em roupas pretas me encarava seriamente, sem nenhuma expressão no rosto. Ele sempre, depois das horas nesses quartos com as mulheres nos fazia algumas perguntas e depois analisava o nosso corpo.

  — O que você você sentiu?

Balancei a cabeça de um lado para o outro e disse que não sabia, e eu realmente não sabia. Ele assentiu e anotou algo na prancheta em suas mãos.

— Neste caso, descreva as sensações. – Ordenou sem me olhar.

Respirei fundo pensando em como explicar tudo o que eu senti com o que aconteceu aqui.

— O meu corpo esquentou, mas eu não sei como e eu também suei bastante mesmo estando deitado. A sensação me dava desespero, por algo que eu não sabia o que, mas ao mesmo tempo era muito bom. E tudo parou quando eu fiz xixi, mas eu nunca tinha urinado daquele jeito, nunca senti tanta coisa fazendo xixi na minha vida.

Assim que eu parei de falar o homem começou a rir do meu lado, ou melhor, gargalhar. Eu tinha falado alguma coisa engraçada?

Quando finalmente suas risadas pararam, ele balançou a cabeça de um lado para o outro e olhos para o meu corpo fazendo uma cara de desgosto, para em seguida anotar mais algumas coisas. Lentamente o homem se levantou e foi ate a porta falando com o segurança do lado de fora, este que me olhou e assentiu em seguida.

— Não leve ele para o quarto dos garotos, quero ele no quarto branco.

Foi a sua frase dita antes de deixar o comodo, a frase que fez meus olhos novamente se encherem de lagrimas. Eu odiava ir para lá, eu odiava ficar preso e sozinho, mas eu odiava ainda mais porque fazia com que eu me lembrasse da minha “torre”. 


Notas Finais


Neste capitulo vocês viram um pouco do Justin e como ele se sentiu perto da Selena, o que era uma coisa que eu considerava importante para vocês entenderem bem a história.

Entrem no grupo do Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/JX4seVqAFjoFzl7IoU6jOc


Bjs, meus amores!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...