História Darkness angel - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Jeff The Killer, Lendas Urbanas, Slender (Slender Man)
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Arena, Creepypastas, Drama, Luta, Suspense, Vingança
Visualizações 32
Palavras 1.169
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Mais um capítulo! Divirtam-se!

Capítulo 10 - Paz, por um tempo


Pego a corrente do pescoço de meu cão e tiro.

-Fique aqui dentro. Essa luta é minha. Digo para Snoopy que obedece.

Bato a corrente no chão e a mesma se enche de espinhos e facas feitas de Gadolínio, o metal mais forte do mundo.

-Vamos brincar. Digo e dou uma piscada pra ele.

Começo a rir, enquanto giro a corrente.

-Você pode até tentar lutar contra mim, mas eu irei destruí-la assim como fiz com todos que amava. Ele diz sem abrir a boca, como se estivesse falando comigo mentalmente.

-Você não pode me destruir Slender, porque...já fez isso. Falo de cabeça baixa e levanto com um sorriso demoníaco em sua direção.

Ele tira seus tentáculos para fora e começo a correr em sua direção com toda a velocidade e ódio possíveis. Ele ataca dois em minha direção que desvio com um mergulho entre os dois, jogando a corrente em sua cara perfurando em cheio uma faca no lugar onde ficaria o nariz.

Ele parece não se importar com o ferimento, mas aumenta a velocidade de seus ataques. Na segunda rodada são 6 tentáculos e antes que chegassem sequer a encostar em mim, bato em três com minha corrente cravando minhas facas, puxando-os e arrancando-os. Desvio dos outros três e vou com meu braço demoníaco em direção à garganta dele. Agarro-o girando no ar e jogando com muita força contra um poste, destruindo o objeto.

Ele se levanta, limpando seus trajes com as mãos.

-Impressionante.

Pego minha corrente do chão e ataco em sua direção, mas minha mira falha com o som estridente que minha mente escuta.

-Ugh, mais que merda!

Como que para me livrar do som as vozes começam a falar todas de uma vez não dando espaço para demais barulhos. Confesso que me sinto melhor com a vozes. Quando vou tentar acertá-lo novamente, ele tenta usar o mesmo truque, mas as vozes o impedem. Com mais força, acerto seu estômago, rasgando o mesmo e fazendo o líquido preto esguichar.

-Como isso é possível?! Ele indaga revoltado.

-Comi issi é possivi?! Digo imitando-o grotescamente e rindo.

-Chega de brincadeira, vou acabar com você criança!

-Entra na fila! Digo e logo em seguida dou uma estrela no seu queixo.

Slender se levanta rindo.

-Você é perfeita! -Tenho um acordo para lhe ofertar.

-Cala a boca seu monte de estrume! Digo girando a corrente e jogando a mesma em sua direção que desvia, mas eu não paro meus ataques.

A luta começa a acelerar do jeito que eu gosto. Nenhum dos dois conseguia se acertar e estávamos justamente iguais. Jogo a corrente em sua cara, mas ele a para com a mente e arremessa novamente contra mim que voo em direção a outro poste próximo ali. O choque é tão forte que eu arrebento o poste ao meio, arrancando sua base. Pego o poste mesmo e vou com tudo em sua direção acertando-o antes que pudesse reagir e fazendo o Slender voar longos e belos metros.

-Home run! (expressão dita no beisebol: é a jogada mais conhecida e celebrada. Ocorre quando a bola vai parar nas arquibancadas ou fora do estádio e o rebatedor consegue percorrer todas as bases sem o risco de ser eliminado.) Digo com a mão normal imitando o visor de um boné e com o poste relaxado em meu ombro.

Ele volta com tudo em minha direção, mas eu desvio e faço um leve corte em seu braço com minha corrente que ele desvia por pouco.

-Eu tenho uma proposta pra fazer pra te fazer, Lucia. Tenho certeza que é interessante para você!

-Não estou interessada!

- Tem certeza?! Ele diz e Sofia aparece em sua frente.

-Lucia! Ela diz com um sorriso.

-Não pode ser! Digo perplexa com a visão.

Entro em frente à minha própria corrente que ia na direção de Sofia perfurando minhas costas e me arremessando a vários metros no chão. Quando levanto para chegar a Sofia, ela some.

-E então? -Está interessada...Lucia?

Limpo meus trajes e pego minha corrente.

-Fala, estou ouvindo. Digo inexpressiva.

-Haverá um torneio de creepypastas e quero que você participe.

-Creepypastas? -Como você?! Digo e começo a rir com deboche.

-Sim, porém mais fracas.

-E por que você quer que eu lute nesse torneio idiota?

-No mundo inverso, onde todos nós creepypastas e demônios temos força total, há também os patrocinadores.

-Patrocinadores?

-Sim, isso mesmo. -Não é como se patrocinassem realmente algo com dinheiro, eles são deuses que se divertem a cada 10 anos com esse torneio proporcionados por... nós.

-E o que eu tenho a ver com isso?

-Uma lutadora forte como você me faria ganhar muito status. -Os status são como pontos dados aos apostadores que mais ganham as apostas e no final tem direito a um presente de todos os deuses.

-Legal, e o que eu ganho com isso? Digo irônica.

-O combatente vencedor tem direito a qualquer coisa. -Um pedido. -Uma família de volta talvez...

Dou risada.

-A proposta é ótima, mas eu não confio em você Slender.

-Você não tem escolha, não farei a proposta duas vezes.

-Ok, mas o faz você pensar que vou vencer essa idiotice?!

-A maioria dos lutadores só consegue ter a mesma força que você no mundo inverso e ainda sim você ficará mais forte lá. -Conseguiu me enfrentar por 30 minutos tranquilamente e sem quase nem se ferir, a maioria dos outros teria morrido nos primeiros 10 minutos.

-Slender, Slender, não seja generoso. -Ambos sabemos que você não usou suas capacidades totais nessa luta.

-Nem você.

-Hump. Faço um som convencido e olho para o lado.

-Até hoje só conheci uma pessoa quase tão forte quanto você, inclusive o mesmo foi o vencedor do torneio passado com apenas 14 anos.

-Quem é esse imbecil?

-Jeff the Killer.

-Seja lá quem for, não é páreo pra mim. Digo botando a corrente já sem as facas em meu ombro.

-É por isso que estou apostando em você. -Não me decepcione.

-Pode deixar, trazer a vitória vai ser como tirar doce da boca de bebê. Estendo a mão para ele.

Slender aperta minha mão e eu o puxo pra mim bruscamente curvando seu longo corpo fazendo com que sua cabeça ficasse próxima a minha. Então cochicho:

-Quando esse torneio acabar e eu possuir minha família novamente...eu vou te matar.

Ele solta um riso.

-É o que veremos.

Então ele sai do meu aperto e vai em direção à floresta, mas antes ele se vira pra mim.

-O torneio começa daqui a dois meses e quando for o dia, virei te buscar, então vá se preparando.

Em seguida ele some.

-Então quer dizer que você acabou de fazer um acordo com o cara que matou sua família?

Me viro subitamente para trás e vejo um homem jovem e bonito que aparentava ter uns 35 anos.

-Isso não é da sua conta e aliás, quem é você?

Ele ri.

-Isso é jeito de falar com seu pai? -Estou desapontado Lucia...

-Meu pai...?

Ele faz que sim com a cabeça.


Notas Finais


Espero que tenham se divertido!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...