1. Spirit Fanfics >
  2. DarkOut - (Imagine J-Hope) >
  3. Fly

História DarkOut - (Imagine J-Hope) - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Boa tarde Manas (os)!


Espero que estejam bem. Segue mais um capítulo, espero que gostem.


Boa leitura á todos!

Capítulo 14 - Fly


Fanfic / Fanfiction DarkOut - (Imagine J-Hope) - Capítulo 14 - Fly

O quão triste seria se os habitantes daqui não pudessem sonhar com o céu? A palavra soa delimitada se analisada corretamente. Céu é sinônimo de bom, é a explicação e talvez a afirmação de que existe um lugar melhor. De que existe uma recompensa depois de passar por um lugar tão ruim.

Tão difícil.

O que a maioria não entende, é que existe uma enorme diferença entre ter uma opção e merecer.

Opção e merecimento não combinam na mesma frase, aliás. De qualquer forma, a intensidade existe para ser explorada como merecimento e a felicidade vem como opção.

Acredite ou não. A felicidade é um estado de estar e não de ser.

Você não é feliz.

Você fica feliz por um período e depois não mais. Fica de novo, e depois... Não.

Mas só por isso, não vale a pena?

 

- Você está bem? – Namjoon perguntou baixo, quase com medo.

- Eu acho que sim. – Ani respondeu pendendo a cabeça para trás. Fechou os olhos. – Sangrar é a parte mais difícil.

- Será mesmo Ani?

- Sim... O vermelho não me atrai. Me faz parecer fraca.

- Mas não é isso que você quer? – Perguntou cuidadoso e viu Ani encará-lo. – Ser humana? 

- Isso não tem nada a ver.

- Claro que sim! Os humanos são frágeis e sangram o tempo todo. Sangram por dentro e por fora, sofrem por isso... E depois encontram um jeito de se curar.

- Nós somos diferentes. Em dez minutos estarei curada dos ferimentos físicos.

- Exatamente, mas e quanto ao resto?

- Aonde quer chegar Nam?

- Quero chegar no ponto em que você me diz que não tem certeza se está pronta para abrir mão de tudo. Abrir mão do céu para ficar aqui, para viver como um deles, entre eles.

- É isso o que você pensa?

- Nós ainda temos tempo. Sabe que temos.

- Não estou desistindo do céu porque quero ficar na terra Namjoon. Estou desistindo porque eu te amo! Por que já tem muito tempo que eu vivo por você.

- Sabe que não.

- Na verdade é a única certeza que eu tenho na minha vida. Eu quero você! Eu o amo com todo meu ser e estou abrindo mão de tudo. Se isso não é o suficiente, é o melhor que tenho a oferecer. Na verdade é a única coisa que tenho a oferecer: meu coração. Se não for aqui, eu jamais poderei te tocar. Jamais poderei te ter.

- Está se referindo ás hierarquias?

- Sabe a que me refiro.

- Como pode querer se entregar sem saber se o que sente vai ser recíproco? Podemos experimentar tudo fisicamente, mas isso bastará para você?

- Estou preparada para arriscar. Eu tenho esperança de que o convencerei a me amar.

Namjoon sorriu. Já via os ferimentos fechados e tudo o que restava, era o sangue seco manchando a pele.

- Se dissesse essa frase á Nana, ela diria que eu sou toxico. Diria mais... Que isso é obsessão e fará mal a você.

- Que eu devo amar a mim mesma em primeiro lugar? – Sorriu minimamente. – Eu sei disso. Já li isso nos pensamentos dela. Vi várias e várias vezes ela torcendo para eu desistir, para não sofrer... E por isso eu a amo muito mais!

- Mas nada do que eu disser ou mesmo Nana, vai ser relevante para você?

- Não.

- E isso tem uma explicação?

- Namjoon, eu sou um anjo. Sou um ser celestial que nasceu na bondade, na luz! Caí sem querer porque me intrometi com vocês e aqui enfrentei todo tipo de batalha possível. Matei demônios, salvei pessoas. Compactuei com o submundo, subornei e fui subornada. Tudo foi experiência na minha vida. Sou excepcional em tudo o que faço porque me esforço pra isso. Posso ser o que eu quiser, quando eu quiser e serei... Não sei o que ainda, mas serei. Procuro ser melhor a cada dia e me orgulho toda vez que me olho no espelho.

- Aonde quer chegar?

- Quero dizer que só falta você. Você me inspira, eu sou boa, mas você é ótimo! Me inspira a ser melhor. Me inspira a ser boa e sempre estar pronta para qualquer obstáculo. Você limpou minhas asas, me alimentou, me deu esperança. E isso se transformou em outro tipo de amor, e agora eu quero que você me ame. Simples assim. Estou te dizendo que sei dos riscos, sei que no fim podemos apenas ser bons amigos e tudo bem também. Eu só não quero passar a vida sem ter tentado conquistar seu amor. Não conseguir é uma questão de merecimento, talvez eu não o mereça... Mas não tentar, é uma opção. E se você está disposto... Eu estou aqui.

Namjoon suspirou sentindo o coração acelerar minimamente.

- Vá tomar um banho... Te ver assim me deixa péssimo!

Ani caminhou lentamente até o banheiro de Namjoon e entrou embaixo do chuveiro esperando que todo aquele sangue escorresse pelo ralo. Apoiou as duas mãos na parede e ficou lembrando de Nana encolhida no chão do seu quarto nos braços de Yoongi.

Seu coração apertou.

Pobre garota. Jogada em uma vida injusta, com um destino injusto!

Quanto mais Ani pensava em Nana, mais tinha vontade de viver. Mais tinha vontade de ficar!

- Você está bem? – Ouviu a voz de Namjoon. Abriu os olhos e o viu tirando o moletom e trancando a porta.

- S-sim...

- Por que está chorando?

Chorando? Estava chorando?

- Não estou chorando.

- Está sim. – Desabotoou a calça e a tirou ficando completamente nu.

Ani o encarou de cima á baixo.

- Eu não lembrava de você ser tão bonito assim. – Sorriu, mas logo o sorriso se desfez.

Namjoon chegou atrás de si entrando na água quente também. Deixou um selar em sua nuca e a abraçou por trás.

- Não vou dizer que você é linda, porque sabe que é.

- Nós somos anjos, obviamente que o corpo humano seria atraente, né?

- Sim... – Suspirou.

- Tomou sua decisão? – Perguntou tirando as mãos da parede e levando sobre os braços dele. Sentia tudo perfeitamente, a temperatura da pele. O peito firme em suas costas, o coração acelerado.

De repente a água ficou mais quente, o chão ficou mais frio, o ar ficou mais pesado.

- Sim... – Virou-a de frente encostando-a na parede. Desligou a água e a encarou profundamente. – Eu tenho observado Nana e cheguei a conclusão de que quero ter uma chance.

- Uma chance?

- Sim, uma chance de sentir. Uma chance de ser feliz, de pensar em mim mesmo pelo menos uma vez nesta minha longa vida.

- E por que Nana?

- Acho que Nana está se apaixonando por Jungkook.

- SÉRIO?

- Shiu garota! – Riu. – Mas sim, sério. A tristeza por saber que pode não haver reciprocidade, não haver uma chance é quase palpável.

- É cruel saber que podemos ter tudo o que quisermos, mas... Não. Entende?

- Sim... – Acariciou o rosto pálido e viu Ani fechar os olhos. Selou seus lábios lentamente e logo sentiu Ani contornar seu pescoço puxando-o para mais próximo.

Arrastou-a até a bancada da pia e jogou tudo que tinha em cima para o chão. Ani parecia tão submersa que sequer notou. Afastava por alguns segundos, mas logo tomava seus lábios novamente. O beijo antes lento tornava-se cada vez mais intenso e possessivo. Sentou Ani na bancada e a encarou.

- Tem certeza?

- Sim... Sim eu tenho certeza, e você?

- Vamos descobrir. – Encarou as pernas expostas e deslizou sua mão pela extensão da coxa, ouviu Ani arfar e por algum motivo quis ouvir mais daquilo. Tocou a cintura, os seios, o pescoço a cada toque Ani fechava os olhos mordendo os lábios com força.

- É incrível! – Sussurrou ofegante. – Olha... – Passou a ponta dos dedos pelo peito do rapaz e quando alcançou sua intimidade o ouviu gemer. – Oh Deus, vamos logo com isso Namjoon. Sabe o que fazer?

- A-acho que sim...

- Aonde eles estão?

- Relaxa, por que acha que eu te trouxe para o banheiro?

- Pra tomar banho?

Namjoon riu e Ani riu junto sem saber exatamente o porquê.

- Meu banheiro fica exatamente em cima do santuário. Não nos ouvem aqui.

- WOW... E seu quarto?

- Só o banheiro... É uma pena não é? – Puxou Ani para a ponta e sem ter muita certeza do que fazia, com dificuldade conectou seu corpo ao dela lentamente.

- Namjoon... – Ouviu Ani sussurrar. – Tem certeza que é assim mesmo?

Afundou o rosto no cabelo encharcado e instintivamente começou a se mover obedecendo as ordens do seu corpo.

- Nossa... Ani...

- Parece... que... que é assim... mesmo. – Puxou o garoto pela nuca e mordeu seu lábio inferior ouvindo-o arfar de satisfação.

Nunca sequer imaginou que sentiria o turbilhão de sensações que estava sentindo naquele momento. Quando mais Namjoon a apertava, mais ela o queria. Mais, muito mais.

Poderia ficar naquele ritmo para sempre, para o tempo que ele desejasse. Beijou-o  possessivamente como não teve coragem antes e então cruzou as pernas em volta do quadril do rapaz.

Namjoon gemeu sob seus lábios, Ani queria rir, mas uma sensação desconhecida se aproximava.

- Nam... Nam, tem algo... Algo acontecendo...

- Eu sei, eu sei... Acho que é o objetiv... – Namjoon apertou Ani contra si no mesmo momento em que sentiu a garota tremer em seus braços mordendo seu ombro.

Estava ofegante. Ani estava ofegante.

As pernas estavam bambas.

Encarou Ani constrangido e viu a garota com o rosto ruborizado. Os lábios entreabertos e os olhos arregalados.

- Dá pra fazer de novo? – Perguntou ansiosa. – Acha que dá?

- Acho que sim... Mas eu acho que seria bom se saíssemos daqui por... Por uns minutos sabe?

A garota riu e o afastou gentilmente. Voltou para o banho puxando o amigo para em seguida se jogar nos cobertores dele.

Namjoon a puxou contra o peito cobrindo aos dois e enterrou o rosto nos cabelos negros. O cheiro do próprio shampoo nunca lhe pareceu tão agradável.

- Descobriu? – Ani perguntou de repente rompendo o silêncio.

- Descobri. – Apertou-a.

- E então?

- Avise a Nana que seu quarto é só dela a partir de hoje.

Ani sentiu o coração quase sair pela boca. Teve medo de dormir, na verdade tinha medo de acordar e tudo não ter passado de um sonho.

Mas estava tão cansada que não conseguiu evitar.

Aquele tinha acabado de se tornar o melhor dia da sua vida.

O último... E ao mesmo tempo, o primeiro.

...

- Uma horda de demônios estava cercando o DarkOut. Iam tentar nos atacar. – Jungkook continuava encarando Nana, que tremia sem parar mesmo enrolada em um grosso cobertor.

- E...

- E eles não conseguiram. – Yoongi sentou ao seu lado abraçando-a gentilmente. – Eu te disse que nosso solo é sagrado e estamos protegidos aqui.

- De toda forma...- Jungkook continuou. – Você nos avisou bem a tempo, se tivéssemos demorado um pouco mais, talvez tivessem se irritado e atacado os humanos da região.

- Eu não sabia! – Nana se encolheu.

- Nana foi um pesadelo! – Yoongi soltou-a encarando. – Você estava vulnerável naquele momento, estava suscetível! Eles fazem isso mesmo, invadem os sonhos às vezes. Vamos te ajudar a controlar isso!

- O que foi que você viu no sonho? – Jungkook arrastou um banquinho.

- Não consegue ver? – Nana perguntou constrangida.

- Não... Os sonhos são individuais, não conseguimos invadir. Mesmo que você pense nele.

- Eu vi um demônio... – Voltou a chorar. Não conseguia esquecer os grandes olhos vermelhos encarando-a.

Pior, não conseguia esquecer a sensação que teve ao beijar Hoseok. Queria destruir a alma dele, queria que ele fosse direto para o inferno.

- Vou sair falar com o Hobie. – Yoongi levantou. – Ele está como um cão de guarda aí na porta. Vou ver como So Yun está com tudo isso.

- Está bem... – Jungkook sentou ao lado de Nana. – Vou esperar ela se acalmar e depois a levo para o quarto.

- Eu não posso dormir aqui? – Nana olhou o porão rapidamente. – Parece mais seguro.

Jungkook riu.

- Acha mesmo que deixaríamos correr qualquer risco Nana? Todo autódromo é seguro! O DarkOut é seguro, o porão é seguro, o quarto da Ani é seguro. Confie em mim!

- O que o Yoongi quer tirar de mim? O que está acontecendo comigo Kookie?

- Não sei se posso dizer... Acho melhor esperar o Hobie te contar.

Mesmo se ele fosse contar, Nana não sabia se queria saber daquilo naquele momento. Estava assustada demais para isso.

- Posso dormir com a So Yun?

- Infelizmente não... Vocês juntas os atrairiam de novo.

- Por favor, me deixe dormir aqui então. Prometo que não vou fazer nada, não vou mexer em nada...

- Esse não é o problema Nana... – Sorriu. – Tudo bem. Posso ficar aqui se quiser.

Nana encarou o garoto e suspirou. Não teria opção.

- Está bem.

Jungkook a puxou pelo ombro e Nana sentiu um peso sob os olhos. Estava com medo de dormir novamente. Na verdade estava apavorada.

...

Hoseok entrou e travou no lugar encarando a cena. Sabia que iria encontrar algo semelhante, mas ver com seus próprios olhos era diferente.

Nana praticamente desmaiada no colo de Jungkook. O corpo encolhido e o cabelo espalhado por sua perna e também sobre o sofá. O garoto mexia cuidadosamente pelos fios e mordia o próprio lábio pensativo. Encarava Nana profundamente, quase como se pudesse entrar em sua mente.

Sentou na poltrona de frente para ele e cruzou a perna.

- Kookie... – Chamou e o primo olhou. – É difícil demais.

- O que?

- Largar tudo e se condenar a esse lugar.

- Eu a amo hyung. Eu a amo profundamente, tanto que chega quase doer.

- Falei para não deixar chegar a esse nível.

- Enquanto ela estava longe eu até controlava, mas com ela aqui todo o tempo... Fica difícil.

- Percebo.

- Quero estar com ela o tempo todo. Quero agradá-la, quero vê-la sorrir e de preferência para mim... Detesto quando ela ri das gracinhas do Yoongi ou do Jimin. Fico fascinado cada vez que ela pronuncia meu nome.

- Não acha melhor se afastar um pouco?

- Por quê?

- Como assim, não me diga que vai se declarar para ela e deixar tudo pra trás...

- Não decidi ainda.

Hoseok sentiu o coração acelerar, respirou fundo e umedeceu os lábios. Viu Nana virar e esconder o rosto no moletom do primo. O cabelo longo caiu para o chão e Jungkook paralisou.

- Pelo amor de Deus, ela está dormindo Jungkook.

- Eles têm controle durante o sono? – Perguntou sem respirar.

- Não. – Suspirou irritado. – Eu quero que você saia daí, por favor.

- Eu nem estou tocando nela... – Jungkook encarou o primo.

- Vou levá-la para o quarto de Ani. – Hoseok respondeu frio.

- Eu levo.

- Eu disse não Jungkook.

- Me tira uma dúvida hyung... O problema é o que eu sinto por ela, ou ela se apaixonar por mim?

- Do que está falando garoto?

- Sabe do que estou falando.

- Estou apenas protegendo a Yanna, e também estou protegendo você Jungkook.

- Yanna? – O mais novo riu soprado. – Yanna... Mas quando estão sozinhos você a chama de Nana, não é mesmo?

- O que quer dizer Jeon Jungkook?

- Não se apaixone por ela Hoseok, eu não o perdoarei. – Levantou a cabeça de Nana com cuidado e deitou-a novamente no sofá. Selou a testa da menina e antes de saiu ouviu Hoseok rir diabolicamente.

- Para um anjo do seu nível, você é pior do que todos nós juntos. Não é atoa que...

- Acho melhor você se calar Jungkook. – Levantou com as duas mãos nos bolsos. – Olhe bem para mim. Sabe o que penso sobre a terra, sabe o que penso sobre os humanos... Sabe o que eu penso sobre essa coisa estúpida que vocês chamam de amor!

- Acha que me engana hyung?

- Enganar? – Sorriu ladino encarando Nana adormecida. – Está enganado mesmo, cego pelo ciúme. Mas confie em mim meu caro primo, não vou perder meu tempo com você ou essa humana desprezível. Pelo menos não da forma que você está imaginando.

- Não falei assim dela Hoseok! – Yoongi entrou empurrando Jungkook. – Sabe que graças a ela você tem uma chance de voltar.

- Não se intrometa Yoongi! – Semicerrou os olhos e viu os dois garotos tencionarem. – Eu não quero mais ouvir sobre esse assunto Jeon Jungkook. Faça o que quiser com a sua vida, mas não me coloque no meio desses seus pensamentos ridículos. Vou mantê-la viva porque é meu trabalho, mas esteja ciente de que se dependesse de mim tudo isso estaria acabado há muito tempo! – Encarou Yoongi. – De preferência na tataravó dela.

- Não pode estar falando sério... – Yoongi deu um passo para trás.

Suspirou passando a mão pelo cabelo.

- Saiam por favor...

- Hobie... – Yoongi ainda tentou. – Sei que está nervoso, sei que não esperava que fosse Nana. Mas não deixe que essa crueldade domine você. Nós te amamos e te seguiremos, não nos afaste.

Ouviu os dois garotos se afastando rapidamente e em silêncio. Já estava arrependido de suas próprias palavras, mas o que mais poderia ter dito a Jungkook?

Agachou ao lado de Nana e tirou os cabelos que caíam em seu rosto. Observou por um tempo e sentiu seu corpo todo aquecer, a sensação era boa.

Viu Nana abrir os olhos lentamente. Pensou que ela fosse ter outro ataque de pânico, pensou que fosse gritar para que ele saísse de perto, mas enganou-se. Nana prendeu seu olhar ao dela e pressionou os lábios. Viu uma lágrima escorrer e depois outra; chorava em silêncio. Sofria em silêncio, Hoseok sabia. Só não conseguia imaginar o porquê.

Passou o dedo indicador pelo trajeto úmido que terminava no cabelo e involuntariamente sorriu.

- Você está bem? – Perguntou baixo, quase num sussurro.

- Estou... Todos estão bem?

- Claro que estão, por que não estariam?

- Vi Ani coberta de sangue. – Fechou os olhos e mais lágrimas voltaram a cair. Ela estava com medo, sabia. – Esses bichos... Esses demônios podem ferir vocês?

- Infelizmente sim. – Levou a mão ao rosto pálido e acariciou quase imperceptivelmente. – Sente?

- Uhum...

- É pele... É pele como a sua. – Puxou a mão de Nana e a colocou sob seu peito. – Sente? Anatomicamente somos idênticos a vocês.

Nana puxou a mão delicadamente e entrelaçou á outra que estava sob seu peito.

- Onde estão os outros? Kookie?

Hoseok suspirou.

- Não sei.

- Eu vi você... – Viu o garoto fechar a cara por um momento, mas logo a expressão suavizou. – No meu sonho, eu vi você. Tinha um demônio que queria mandar sua alma para o inferno.

- Todos eles querem. – Riu soprado.

- Mas... Ele estava me usando pra isso.

- Yanna... não tem como você fazer isso, fique tranquila. – Falou quase com desdém para tranquilizá-la. – Só existe uma maneira e eu não vou...

- Eu já entendi! – Falou rápido. – Já entendi!

- Ei, calma aí! Estou tentando tirar esse medo de você. Não quero que gritão ‘não’ novamente para mim.

Um silêncio sepulcral pairou pelo lugar e Hoseok já não sabia o que dizer. Nana continuava paralisada encarando o teto e vez ou outra uma lágrima desobediente brotava.

- Hoseok, poderia por favor chamar o Kookie para mim? – Sentou com dificuldade.

- Por quê?

- Ele disse que passaria a noite aqui comigo.

- Estou com você agora, não estou?

- Sim... Mas...

Viu o garoto sentar no chão e encostar no sofá. Próximo, bem próximo. Se levantasse um pouquinho as mãos, conseguiria tocar me seu cabelo.

- Você disse que traçaria o perfil de cada um em menos de uma página.

- Eu não disse.

- Mas pensou, dá no mesmo. – Riu, mas Nana continuou encarando séria. – Poderia descrevê-los para mim?

- Por que eu faria isso exatamente?

- Bom, teoricamente seu diploma pertence a mim agora. – Segurou na ponta do cabelo castanho e puxou. Nana não conseguiu segurar e riu. – Trabalha para mim então.

- Jamais.

- Olha como fala com seu novo superior. – Pigarreou e Nana revirou os olhos se arrumando. – Posso te dizer se está certa ou não e saberá o quão boa é... Ou não.

- É impressão minha ou está duvidando das minhas habilidades?

O garoto murchou os olhos parecendo formular uma resposta.

- Vamos começar do mais velho para o mais novo: Que tal Jin?

- O mais sensível de todos. Responsável, fiel e intenso. Pensa em todo mundo antes de pensar em si mesmo e possivelmente é o mais correto entre vocês.

- Errou, o mais correto sou eu.

- Vou corrigir, é o mais humano entre vocês. O mais correto de acordo com as leis humanas.

- Aí pode ser... Yoongi.

- É o mais engraçado, o que tem o melhor senso de humor. É leal, sério e consciente. Condescendente eu diria.

- Acertou... Mas esqueceu de um detalhe, é o mais preguiçoso também... Namjoon.

- É o segundo no comando, aquele que fica com a parte chata das coisas. Amável, correto e... Correto?

- Jimin.

- Jimin não é o mais novo, mas deveria. Tem medo das consequências, mas adora o caos. Dentre todos vocês, eu ficaria de olho nele se fosse você.

- Taehyung?

- O Tae é perfeito.

- Como assim perfeito? – Hoseok arqueou uma sobrancelha.

- Não vou descrever o que considero perfeito pra você Hoseok... Vai ter que se contentar com isso.

- Hani.

Hani... Nana notou que foi a primeira vez que ele disse o nome dela.

- Perfeita.

- Ah não! – Passou a mão pelo cabelo. – Jungkook... E se disser perfeito eu vou te trancar aqui sozinha.

- Jungkook é um bom rapaz, é preocupado com tudo ao seu redor. É protetor e atencioso, brincalhão, engraçado na medida certa... Mas extremamente sensível e vulnerável em relação a algumas coisas. É como se houvesse 50% de escuridão dentro de si.

Hoseok suspirou.

Escuridão.

- E eu? Sou perfeito?

- Pensei que tivesse ficado claro que ainda não sei te definir.

- Eu vi seu negócio de cabelo no braço do Jungkook, na hora do jantar.

- Meu lacinho?

- Sim...

- E o que é que tem?

- O que significa isso? Digo, o que significa isso para vocês?

- Não significa nada, por quê? Tem algum significado especial para vocês? – Nana se arrumou um pouco mais e Hoseok virou de lado para encará-la melhor.

- Não... Obvio que não, é só que... Eu sei lá.

- Ficou curioso.

- Sim... – Hoseok a encarou por um momento. – Nana... Olha...

Nana sentiu a mão quase que involuntariamente levantar e puxar a franja dele para o lado. Hoseok fechou os olhos e pressionou os lábios.

- Preciso... – Suspirou. – Eu preciso te confessar uma coisa.

- O que... – Puxou a mão pequena levando-a até os lábios.

- O meu maior sonho, desde que era uma criança, foi ter asas. – Sorriu. – O sonho de todo o ser humano é voar. Quando se está no colégio, por exemplo, nós brincávamos de qual poder escolher. E eu sempre... Sempre quis voar. – Sentiu a respiração quente em sua palma. – As meninas queria ler mentes, ficar invisíveis, os meninos queriam ser fortes... Eu queria voar. – Nana respirou fundo e com o restinho de coragem que ainda tinha, deslizou o polegar pelo lábio dele. – Pensei que era por que eu tinha medo de altura.

- Pensou?

- Sim... Mas agora faz todo sentido. Talvez eu quisesse ser um anjo...

- Talvez você seja Nana... – Selou o pulso da garota com tanta gentileza que Nana encarou o gesto e fixou os olhos na cicatriz estranha que tinha no pulso.

- Ou talvez eu seja o contrário disso.

É o que dizem...

O quão triste seria se os habitantes daqui não pudessem sonhar com o céu?


Notas Finais


~Kisses


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...